Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

VIII. Raposinha gaiteira

Texte intégral

1Era uma vez uma raposa que tinha por compadres um grou e um lobo. Certo dia lembrou-se o grou de convidar a raposa para que fosse cear com ele umas papas de milho; a raposa foi mas nada pôde comer, pois o grou apresentou-lhe as papas dentro de uma almotolia e como a raposa não tivesse bico o grou comeu as papas todas. Passados dias, a raposa, para se vingar, convidou o grou também para comer papas, mas desta vez comeu ela tudo, pois tinha deitado as papas numa laje e o grou não pôde comer. A raposa tomou tal fartadela que nem podia andar, e como tivesse de fazer uma jornada, pediu ao compadre lobo que a levasse às costas, pois estava muito doente. O lobo isso lhe fez e a raposa ia dizendo pelo caminho:

Raposinha gaiteira,
Farta de papas
Vai à cavaleira.

2O lobo perguntava-lhe: «Que dizes tu, comadre?» «Ai a minha barriga, ai, a minha barriga.» Assim foram caminhando até que o lobo caiu no logro que a raposa lhe pregou e então, reparando que estavam perto de um poço, disse para a raposa: «Ah! Tu assim me enganaste! Disseste-me que estavas muito doente e vais cantando pelo caminho:

Raposinha gaiteira,
Farta de papas
Vai à cavaleira.

3Pois bem, fica neste poço para não me tomares a enganar.» E atirou a raposa ao poço. A raposa meteu-se dentro de um balde que estava na borda do poço para se tirar água, ora com um, ora com o outro; de que se havia de lembrar a raposa? Disse ao compadre: «Olha, tu fizeste muito bem em me deitar ao poço, porque estão cá coisas muito bonitas; se tu queres ver, mete-te nesse balde que aí está em cima; vens ver o que cá está e depois voltas.» O lobo caiu novamente no logro; meteu-se no balde e foi abaixo; e ao mesmo tempo que ele ia descendo, vinha subindo o balde em que estava a raposa. Esta, logo que se viu em cima, disse para o lobo: «Fica para aí para não seres tão tolo que te fies nas matreirices que as mais raposas tão matreiras como eu te queiram impingir» . E foi-se cantando pelo caminho fora:

Raposinha gaiteira,
Farta de papas
Vai à cavaleira.

4{Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search