Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

VII. A raposa e o lobo

Texte intégral

1Era uma raposa e viu uns cães de caça e eles disseram-lhe: «Ó comadre, anda aqui para onde a nós; veio agora uma ordem dos bichos não fazerem mal uns aos outros.» Ela disse-lhe: «Eu venho logo que vou ver se aquele meu compadre se quer utilizar da mesma ordem e vir para aqui onde a nós.» O compadre era um galo. Nisto passou aí um caçador e disse-lhe: «Ó raposa, queres tu galinhas?» «Eu quero.» «Pois então anda à tarde a minha casa que eu tenho lá uma capoeira delas.» O caçador tinha uma dúzia de cães de caça metidos numa corte e soltou os cães à raposa. Nisto ela deitou a correr e o galo estava em cima duma parede e gritava-lhe: «Mostra-lhes a ordem, mostra-lhes a ordem!» A raposa escapou-se dos cães e foi a um campo que tinha o tal caçador e que era de milho; saltava para dentro–alagava uma pedra; saltava para fora–alagava outra, até que fez um portelo por onde podia passar o gado. Viu um burro e disse-lhe: «Ó compadre, queres milho?» «Quero.» «Então entra para dentro que eu hei-de pagar ao caçador o engano que ele me fez.» O burro comeu tanto milho que lhe saiu o sesso de fora; depois veio um corvelo e a raposa disse-lhe: «Ó compadre, queres tu carne?» «Eu quero, sim.» «Pois então vai ali.» E indicou-lhe o sesso do burro onde ele foi picar e o burro enganou-o aos couces. Depois a raposa encontrou um lobo e disse-lhe: «Ó compadre, queres tu? Vamos tomar um afilhado.» Foram para diante e encontraram uma gente que estava a fazer um molho de centeio e vai ela disse-lhe: «Olha, ó compadre, chega-te ali pra o pé daqueles homens da malha que eles dão atrás de ti e, no entretanto, pilho-lhes eu a panela do arroz.» Assim fizeram; os homens deram atrás do lobo e a raposa meteu a cabeça dentro da panela, comeu o que pôde e quebrou a panela; chegou ao pé do lobo: «Como passaste, compadre?» «Ora, deram com as malhas atrás de mim que estou morto de cansaço.» «Olha pra mim; quebraram-me a cabeça que até estou com os miolos fora.» Os miolos eram os grelos do arroz que tinha na cabeça.

2O lobo disse-lhe que lhe deixasse lamber os miolos que eram muito bons. Depois ela disse-lhe: «Deitemo-nos agora aqui um pouco que eu venho muito enfadada.» Ela deixou adormecer o lobo e foi tomar o afilhado, que era comer um cabrito.

3Depois toparam um velho numa cozinha e disseram-lhe: «Ó velhote, queres que nós vamos fazer uma boda?» Depois juntaram-se ao lobo, a raposa e um coelho; o lobo devia de levar um cabrito, a raposa uma galinha e o coelho a salsa. Assim fizeram. O coelho foi o primeiro que chegou com um raminho de salsa e o velho atirou-lhe com um pau e matou-o; ao lobo meteu-lhe um espeto pelo c... e à raposa pegou-lhe pelo rabo e arrastou-a pelo borralho. Fugiram a raposa e o lobo e, quando estavam longe, disse o lobo: «Não vamos lá; o diabo do velho meteu-me um dedo tão quente, tão quente pelo c... acima que parecia um espeto quente.» Depois disse a raposa: «Eu vou ver o que o velho faz; se ele estiver a dormir ainda lhe vamos pilhar a boda.»

4Chegou lá à porta e o velho, que tinha acabado de comer, estava a limpar as barbas com um pano. Ela chegou ao lobo e disse: «Olha, compadre; vamo-nos embora que o velho está a puxar pelas barbas que nós que lha havemos de pagar, que nos há-de matar.» «Pois vamo-nos embora.»

5Vinham para casa e anoiteceu-lhes no caminho e viram a sombra da lua num poço. Disse então a raposa: «Olha que ali naquele poço está uma broa dentro; vamos tirá-la.» «Nós como é que havemos de fazer?» «Olha, bebemos a água, enchemos a barriga e depois vamos mijar e assim tiramos a água do poço.»

6Foram beber, mas a raposa não bebia quase nada porque, apenas tinha bebido alguma água, dizia: «Ai, tenho a minha barriga tão cheia.» Mas o pobre do lobo bebia muito e tanto bebeu que arrebentou e morreu.

7Depois a raposa juntou-se e mais a garça para fazerem um caldo de farinha; a garça fez o caldo numa almotolia; meteu o bico e bebeu tudo, porque a raposa não podia bebê-lo pela almotolia. Depois a garça disse-lhe: «Tu já me convidaste para a tua boda; agora vou-te eu convidar para uma boda que há no céu.» «Eu como hei-de ir?» «Vais nas minhas asas.»

  • 1 Corrupção por cuspo.

8Foi; a garça, assim que estava mais enfadada, disse-lhe: «Tem-te, comadre, enquanto eu escupo1 em mão.» Larga a raposa e esta, quando vinha a cair, dizia:

Isto vae de déo em déo;
Se me d’esta escapo
Não torno às bodas ao céo.

  • 2 Quase todos os episódios que formam o conto anterior se encontram separados em contos independentes (...)

9Estava da banda de baixo um penedo grande e ela disse: «Arreda, laje, que te parto.» Nisto caiu sobre a fraga e arrebentou2.

10(Ourilhe)

Notes

1 Corrupção por cuspo.

2 Quase todos os episódios que formam o conto anterior se encontram separados em contos independentes ou ligados a outros diferentes; as variantes oferecem-se em grande número, mais ou menos curiosas. O ciclo popular do Renard é talvez mais vasto no meu país do que se pode julgar pelo que dele tenho colhido. Os contos seguintes, conquanto ofereçam apenas variantes de episódios do antecedente, julgamos dever publicá-los por inteiro.

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search