Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

IV. A romãzeira do macaco

Texte intégral

1Era uma vez um macaco que estava em cima de uma oliveira a comer uma romã; sucedeu que caiu um grão da romã para a terra em que estava a oliveira e, passado pouco tempo, nasceu uma romãzeira. Quando o macaco viu a romãzeira nascida, foi-se ter com o dono da oliveira e disse-lhe:

«Arranca a tua oliveira para crescer a minha romãzeira.»

2Responde o homem:

«Não estou para isso.»

3Foi-se o macaco ter com a justiça e disse-lhe:

«Justiça, prende o homem para que arranque a oliveira, para crescer a minha romãzeira.»

4Responde a justiça:

«Não estou para isso.»

5Foi-se o macaco ter com o rei e disse-lhe:

«Rei, tira a vara à justiça, para ela prender o homem, para ele arrancar a oliveira, para crescer a minha romãzeira.»

6Responde o rei:

«Não estou para isso.»

7Foi o macaco ter com a rainha:

«Rainha, põe-te mal com o rei, para ele tirar a vara à justiça, etc.»

8Responde a rainha:

«Não estou para isso.»

9Foi-se ter com o rato:

«Rato, rói as fraldas à rainha, para ela se pôr de mal com o rei, etc.»

10Responde o rato:

«Não estou para isso.»

11Foi-se ter com o gato:

«Ó gato come o rato, para ele roer as fraldas à rainha, etc.»

12Responde o gato:

«Não estou para isso.»

13Foi-se ter com o cão:

«Ó cão, morde o gato, para ele comer o rato, etc.»

14Responde o cão:

«Não estou para isso.»

15Foi ao pau e disse-lhe:

«Pau, bate no cão, para o cão morder o gato, etc.»

«Não estou para isso.»

16Foi ter com o lume:

«Lume, queima o pau, para ele bater no cão, etc.»

«Não estou para isso.»

17Foi ter com a água: «Ó água, apaga o lume para ele queimar o pau, etc.»

«Não estou para isso.»

18Foi ao boi:

«Ó boi, bebe a água para ela apagar o lume, etc.»

«Não estou para isso.»

19Foi ao carniceiro:

«Carniceiro, mata o boi para ele beber a água, etc.»

«Não estou para isso.»

20Foi ter com a morte:

«Ó morte, leva o carniceiro, para ele matar o boi, etc.»

21A morte ia para levar o carniceiro e ele disse-lhe:

«Não me leves que eu mato o boi.»

22Disse o boi:

«Não me mates que eu bebo a água.»

23Disse a água:

«Não me bebas que eu apago o lume.»

24Disse o lume:

«Não me apagues que eu queimo o pau.»

25Disse o pau:

«Não me queimes que eu bato no cão.»

26Disse o cão:

«Não me batas que eu mato o gato.»

27Disse o gato:

«Não me mordas que eu como o rato.»

28Disse o rato:

«Não me comas que eu roo as fraldas à rainha.»

29Disse a rainha:

«Não me roas as fraldas que eu ponho-me de mal com o rei.»

30Disse o rei:

«Não te ponhas mal comigo que eu tiro a vara à justiça.»

31Disse a justiça:

«Rei, não me tires a vara que prendo o homem.»

32Disse o homem:

«Justiça, não me prendas que eu arranco a oliveira.»

33E o homem arrancou a oliveira e o macaco ficou com a sua romãzeira.

34(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search