Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Prefação

Texte intégral

1Os contos que hoje publicamos formam parte de uma extensa colecção de tradições populares portuguesas reunidas por nós já, por assim dizer, estenografando-as ao saírem da boca de narradores populares, já recebendo-as escritas de pessoas de alguma instrução e de indubitável probidade, que ou as aprenderam na infância ou as ouviram depois de pessoas indoutas. Não amplificámos nenhum; não introduzimos nenhum adjectivo, nenhum ornato; cortámos apenas alguma repetição inútil; introduzimos apenas e raramente algum pronome que a reprodução escrita torna necessário. Como os contos da primeira categoria, isto é, os que nós coligimos directamente da tradição viva, foram ouvidos de preferência de pessoas que se exprimiam bem, não apresentam deturpações grosseiras de palavras; uma ou outra entendemos dever corrigi-la; conservámos, porém, as formas provinciais interessantes com todo o cuidado.

2Os contos que levam a subscrição Ourilhe foram-nos ditados pela Sr.a Ana Alves Leite, pequena proprietária daquela freguesia (no concelho de Celorico de Basto), uma mina de tradições de que haurimos também contos populares publicados na Romania de MM. Gaston Paris e Paul Meyer (vol. III) e na Zeitschrift für romanische Literatur do Sr. G. Gröber (1879) e várias lendas e outros contos que serão publicados em parte, pelo menos, nessas duas revistas. A Sr.a Alves Leite só por si nos forneceu matéria dum bom volume. Os contos que têm a subscrição Coimbra foram-nos enviados por uma de nossas irmãs. Os contos que têm a subscrição Foz do Douro foram-nos ditados por mulheres analfabetas da localidade; os de Oliveira do Douro por uma Sr.a Luísa, lavadeira; o de Vila Nova por um barqueiro; o n.° XXXIII, de Bragança, foi-nos enviado pelo nosso amigo B. M. de Sá, que o ouvira a uma pessoa daquela cidade e o reproduziu depois de memória; o n.° XXXII foi ouvido por um outro amigo nosso de um merceeiro, poeta popular, de Espadanedo (Douro); os n.os LX-LXVI foram-nos oferecidos com uma considerável e interessante colecção pelo nosso amigo e colega Z. Consiglieri Pedroso: esses, com excepção do último (lxvi) que lhe enviaram de Coimbra, onde é muito popular e o ouvimos contar numerosas vezes quase sempre na mesma forma, foram ouvidos pelo nosso amigo de pessoas do povo.

3Nos contos que recebemos escritos notar-se-ão algumas formas literárias, mas preferimos dá-los como no-los oferecem a imprimir-lhes um carácter mais popular. É mister ter também em vista que entre nós há muito menor distinção entre a linguagem popular e a literária que noutros países. As pessoas do povo inteligentes são geralmente bem falantes e empregam muitas expressões de origem literária evidente, sem saberem ler.

4Os contos que hoje publicamos não têm todos igual valor, mas oferecem todos mais ou menos interesse sob o ponto de vista tradicional. Em regra, pode considerar-se atradição dos contos entre nós como assaz obliterada; falta-lhes vida, poesia, muitas vezes coerência; muitas feições significativas em versões de outros países tomaram-se aqui ininteligíveis e só pela comparação se explicam. A sua forma em geral é seca, monótona, enumerativa. Alguns, porém, apresentam-se ainda numa forma excelente, menos deturpados por elementos modernos; noutros, como em todos os países sucede, há o resultado de estranhas combinações de elementos de contos diversos. É o que se dá, por exemplo, com o nosso n.° XIV: A Torre de Babilónia, que no fundo oferece analogias evidentes com o conto dos Cunhados Animais (Tierschwäger), estudado por R. Köhler na sua nota IV aos Awarische Texte, organizados por A. Schiefner (Mém. de l’Acad. impér. des Sciences de S. Pétersbourg, VII série, tomo XIX, n.° 6). Posteriormente à publicação das notas de Köhler, deu Pitré uma nova versão siciliana desse conto (Fiabe, Novelle e Racconti Popolari Siciliani, n.° 16) e uma sérvia, complicada com elementos diversos, foi traduzida em inglês por Madam Csedomille Mijatovies (Serbian Folk-Lore, London, 1874, 8.°: Bash-Chalek, p. 146 e segs.)

5Até hoje apenas foram publicados os seguintes contos populares portugueses: três com forma em parte não popular pelo nosso amigo e colega Teófilo Braga, dois nos Estudos da Idade Média (Cacheirinha; vidé n.° xxiv da nossa colecção; Três Cidras do Amor, de que temos já cinco versões); outro no livro sobre o Amadis de Gaula (correspondente ao n.° XV da nossa colecção); o da Formiga e da Neve, aqui reproduzido com o n.° II, que nós fornecêramos ao mesmo escritor e que ele publicou no seu livro sobre Os Trovadores, o n.° XXII, que déramos em duas versões na Revista Occidental, e o nosso n.° xliv, já publicado por nós no Positivismo, fasc. I.

6Com esta colecção, que será seguida brevemente, como esperamos, da publicação dos outros contos que temos reunidos, fica realizado um desejo há muito expresso pelos homens que conhecem o valor destas coisas; Portugal deixa de ser uma excepção com relação ao interesse que nos outros países de língua românica se vai desenvolvendo pelos contos populares, em virtude de um movimento nascido na Alemanha com a publicação dos Kinder- und Hausmärchen pelos irmãos Grimm (1812-1814), comunicado aos países escandinavos, à Rússia, à Inglaterra e mais tarde à Itália e à França. Iniciado na Península por Milà y Fontanals (1853), a cujo lado se deve citar o nome da dama assinada Femán Caballero, continuado para a Catalunha por Maspon y Labròs, urge que esse movimento se propague rapidamente a todas as províncias de Portugal e da Espanha, antes que o jornal levado a toda a parte pelo caminho de ferro conclua a obra de obliteração que acomete estas tradições; dar-nos--emos por pagos do nosso trabalho se contribuirmos com o nosso exemplo para salvar o que ainda resta deles.

7Mas, dir-se-á, não merecem os contos populares o desprezo a que têm estado condenados? Não são ridículas invenções, boas só para divertir gente rude, que não tem coisa melhor para pasto do seu espírito e da sua ociosidade? Estamos certos que muita gente, séria e grave na própria opinião, pasmará de que haja quem gaste o seu tempo com tais coisas; mas algumas pessoas haverá também que queiram aprender e para essas escrevemos as observações que seguem, desnecessárias aos que estão ao corrente da ciência.

8Muitos dos nossos leitores terão por certo em rapazes ouvido contar na escola a anedota do homem que, tendo sujado um dedo e indo a sacudi-lo, bateu com ele numa pedra e logo se esqueceu de que estava sujo para o meter na boca com a dor. Eis uma tradição sem dúvida muito mais insignificante do que a maior parte das contidas neste volume e à qual não suporíamos méritos suficientes para ser contada por diversos povos e entrar em obras de moral muito sérias, redigidas para uso de uma nação tão grave como a do Celeste Império. Apesar de sabermos já alguma coisa da história, migrações e reproduções independentes das tradições populares, não foi assim sem surpresa que nos Avadânas, contos e apólogos de origem indiana extraídos por Stanilas Julien de uma enciclopédia chinesa (vol. I, n.° LXIV, Paris, 1859) lemos há anos o seguinte:

O filho de um brâmane, depois de ter feito as suas abluções estava encantado com a própria limpeza; mas tendo ido atrás de sua casa, sujou um dedo subitamente. Foi ter com um ferreiro, mostrou-lhe o dedo sujo e pediu-lhe que lho queimasse. O ferreiro apresentou-lhe as suas razões e disse-lhe: «Desista desse intento; há outros meios de limpar o dedo. Esfregue-o com cinza e lave-o com água pura. Se eu lho queimasse, não poderia suportar o ardor cruel do fogo e o seu corpo padeceria mais que antes.»
Ao ouvir tais palavras, encolerizou-se o filho do brâmane e injuriou o ferreiro. «Toma cuidado em não julgares os sentimentos de outrem pelos teus; não digas que um homem não suportaria essa dor porque tu não te sentes com coragem para ela.»

A essas palavras o ferreiro pôs em brasa um par de tenazes e agarrou-lhe o dedo com elas. O mancebo sentindo a dor da queimadura não a pôde suportar; tirou o dedo e pô-lo na boca. O ferreiro deitou a rir. «Mancebo» , lhe disse ele, «então mete assim o dedo sujo na boca?» . «Enquanto não tinha sentido a dor, notei que o meu dedo não estava limpo; mas depois de experimentar o ardor cruel do fogo, esqueci que o dedo estava sujo.»

9Ora, se a mesma anedota se encontra na Alemanha (F. Liebrecht, Orient und Occident, I, 134), na Escócia (Campbell, Popular Tales of the West Highlands, i, 201), não nos devemos admirar que coisas de mais vulto como a História da Carochinha, o Rabo do Gato, a Bela Menina, o Criado do Estrujeitante, etc., se achem reproduzidas em diversos povos, na Ásia e na Europa, ou até na África e América, tanto na Índia, na China, na Alemanha, como entre os Hotentotes ou os Tupis.

  • 1 Vid. Paris, Gaston, Revue critique, 1874, art. 145.

10Na bela colecção de contos e fábulas africanas publicada em alemão (e também em inglês) pelo falecido Dr. W. J.Bleek, Reineke Fuchs in Africa (Weimar, 1870) encontramos, por exemplo, a páginas XXVI-XXVII um conto dos indígenas de Madagáscar e a páginas 70-74 um conto dos Dama, ramo da raça cafre (impropriamente chamados Damaras), que oferecem tão profundas analogias com o conto português do Rabo do Gato (n.° x da presente colecção) que se pensaria que ou os Portugueses aprenderam o conto dos Africanos ou os Africanos dos Portugueses. Mas a verdade é que Portugal não é o único país da Europa em que tal conto se acha, pois o vamos encontrar, por exemplo, na Sicília (Giuseppe Pitré, Fiabe, Novelle e Racconti Popolari Siciliani, n.° CXXXV); entre o povo falando dialectos gregos na Terra de Otranto (Morosi, Studi sui Dialetti Greci delia Terra d’Otranto, cit. por Pitré), etc. Vê-se, pois, que, se a existência da narração entre povos tão distantes e de raças tão diversas deve ser explicada por uma transmissão, o veículo desta transmissão está bem longe de ser fácil de determinar. Com relação à África, aos Hotentotes, aos Cafres, aos Negros sudanitas, explicar-se-ia assaz bem a transmissão pelos Árabes. Não têm os Árabes os seus narradores, as suas colecções de contos, as suas fábulas? Como os Árabes dominaram na Sicília e na Península Hispânica, nada mais natural na aparência do que considerarmo-los como os transmissores das mesmas narrações para a Europa. O problema é, porém, mais complicado do que se afigura ao primeiro aspecto. Demais, seremos forçados a admitir necessariamente uma transmissão para todos os contos de que encontramos versões entre diversos povos? Não se poderiam ter reproduzido independentemente as mesmas narrações em diversas épocas, em diversos países? A existência de narrações idênticas pelo fundo ou pela forma na tradiçãode todas as raças humanas prova já de per si, evidentemente, uma unidade estética elementar tão completa, pelo menos, enquanto a receptividade, que nada, a priori, nos impede de julgarmos essas raças diversas dotadas de igual grau de produtividade artística elementar, sujeito nas suas manifestações a leis idênticas. Provando-se, como cremos que não é difícil de provar, que pelo que respeita a um grande número de contos populares a transmissão se operou de povo a povo, não se pode deixar de admitir que a condição sine qua non dessa transmissão é a existência no povo que recebe de tradições próprias do mesmo género; sem estas, o que se lhe conta seria para ele absolutamente ininteligível ou não lhe despertaria nenhum interesse. Discriminar o que é de criação própria de cada povo, o que se pode explicar por identidade de produção, do que veio de fora; determinar por que canais se operou a transmissão quando a houve, o ponto de partida dela, os elementos primitivos da coisa transmitida, até que ponto reagiram o génio, as condições sociais de cada povo sobre o produto estranho; que leis dominam a produção, a transmissão, a apropriação e alteração dos contos populares–eis o objecto de um novo e importante ramo de estudos, a que se deu o nome de mitografia, para o distinguir da mitologia, que é uma ciência diversa. Esses estudos, vê-se, são de primeira importância para a psicologia comparada, que com a anatomia e a filosofia comparadas do homem constituem a antropologia, e para o conhecimento da história da civilização. Compreende-se pois o interesse com que hoje nos países em que se estuda são recebidas as colecções de contos populares coligidos com sinceridade: é que elas são os documentos indispensáveis para a solução daquelas importantes questões, que até hoje não foram ainda estudadas no seu conjunto, já porque os estudos de mitografia comparativa estão apenas iniciados e representados por um pequeno número de eruditos, já porque se devia começar naturalmente por trabalhos especiais, exagerando-se algumas vezes a importância de um ponto de vista particular. Thedoro Benfey, autor de um dos mais importantes trabalhos que se possuem sobre a literatura dos contos, a introdução à sua tradução alemã do Pantschatantra1 (Leipzig, 1859, 2 v. 8.°) preocupou-se principalmente da transmissão dos contos e por um dos seus veículos mais importantes, sem dúvida, mas não o único–o budismo; no Orient u. Occident, I, p. 719 e segs.), indicou esse profundo investigador algumas das importantes questões gerais que devem ser resolvidas pelo estudo comparado dos contos. Angelo De Gubernatis, na sua Zoological Mythology (Londres, 1872, 2 vols., 8.°; trad. fr., 1874, 2 vols., 8.°), busca as origens míticas dos contos, sem estudar as questões da sua transmissão e modificações. R. Köhler, o maior conhecedor da literatura dos contos populares, tem-se ocupado em artigos e notas dispersas em numerosas publicações, de que apenas conhecemos uma parte (a mais importante em verdade), do estudo bibliográfico e comparativo dessas tradições, preparando sólidos materiais que hão-de servir de base para conclusões futuras. Nas notas de W. Grimm, aos Kinder- und Hausmärchen (vol. iii, 3.a ed., Göttingen, 1856), em diferentes estudos de F. Liebrecht, de A. d’Ancona, D. Comparetti, A. Kuhn, Gaston Paris, H. OEsterley e de outros eruditos há também contribuições valiosas que devem ser estudadas previamente por quem se propuser tratar a sério o problema dos contos populares.

11Do mesmo modo que as línguas literárias vivem principalmente à custa das riquezas que lhes oferecem as línguas populares, como diamantes brutos que aquelas só têm que polir e fazer valer pela disposição artística, assim as literaturas só têm valor verdadeiro quando aproveitam as minas da tradição popular, haurem delas as formas cujo sentido humano é provado pela sua generalização no tempo e no espaço, vazando nelas os sentimentos e concepções de uma época e imprimindo-lhes o cunho de uma grande individualidade poética.

  • 2 Vid. Patin, Etudes sur les tragiques grecs I, 254 not.

12Nada mais mesquinho que os produtos da imaginação individual. Um verdadeiro artista, um Ésquilo, um Sófocles, um Dante, um Shakespeare, um Goethe acha na tradição popular todas as formas para exprimir a sua concepção da natureza e da humanidade. O Prometeu era um conto das velhas tradições gregas antes de ser a sombria tragédia cujo sentido é tão vasto que pagãos, cristãos, filósofos de diferentes escolas acham nela com que lisonjear as suas crenças e doutrinas2. A Cymbeline, The Merchant of Venice assentam sobre contos populares, como outras peças do trágico inglês. O tecido de um grande número de contos de Boccaccio e dos outros novelistas italianos, assim como da maior parte dos antigos novelistas de todas as nações, saiu da tradição popular.

13O estudo das origens literárias está pois indissoluvelmente ligado ao dos contos populares.

14Os hagiógrafos ou o povo, no seu desejo de adornar com belos feitos a vida dos seus santos, não hesitaram muitas vezes em atribuir-lhes o que nas patranhas e histórias da carochinha se conta de heróis imaginários. Foi assim que o bispo do Porto D. Fernando Correia de Lacerda introduziu na lenda da Rainha Santa Isabel, por ele escrita no século XVII, a história do pagem que por obra de um intrigante devia ir morrer queimado num forno, escapando por milagre e sendo castigado com aquela morte o intrigante.

  • 3 Vid. Loiseleur Deslongschamps, Essai sur les fables indiennes, Paris, 1838. 8.°, p. 132 e segs; Her (...)

15É a lenda ou conto de Fridolin, popular na Alsácia, de que Schiller fez a balada Gang nach dem Eisenkammer, e de que a literatura medieval oferece um grande número de variantes3.

  • 4 Vol. II p. 62 e segs.

16Afonso o Sábio de Castela, o avô de D. Dinis, fizera dela uma das suas cantigas em louvor da Virgem, a cuja intervenção milagrosa atribuiu a salvação do inocente; essa composição foi publicada por Adolf Helferich no Jahrbuch f. rom. u. englische Literatur, II, 429-432. No começo do século XII, Somadeva Bhatta, de Caxemira, incluía uma variante desse conto na sua colecção intitulado Katha sarit sagara, redigida em sânscrito, na sloka épica; pode ler-se na tradução de Hermann Brockhaus4.

17Este simples exemplo bastará para provar que as histórias da carochinha são na essência tão graves como as lendas maravilhosas do Flos sanctorum e da Legenda aurea.

18Tencionamos publicar um trabalho consagrado aos contos populares e particularmente aos contos populares portugueses, estudados nas suas múltiplas relações, em que tentaremos elucidar as questões acima enunciadas; contentamo-nos por agora com estas simples indicações, suficientes, cremos, para mostrar que não é para gastar um tempo ocioso que nos demos ao trabalho de coligir estas tradições, vencendo com paciência e às vezes com dinheiro a desconfiança de alguma das pessoas que no-las ditaram. Examinaremos apenas de um modo geral um problema interessante–o da antiguidade dos contos populares em Portugal.

19Os contos que temos coligido não teriam importância alguma para a ciência se porventura a sua introdução em Portugal fosse recente e tivessem vindo pelo canal da literatura. A tradução das Mil e uma Noites em português, assim como a de alguns contos de Perrault, Madame d’Aulnoy, Madame de Beaumont, a possibilidade de um conto lido nalguma colecção recente estrangeira ser narrado pela pessoa que a leu e chegar assim até à reprodução popular reclamam naturalmente um exame com relação à antiguidade desses contos na tradição popular portuguesa. Não trataremos aqui esta questão senão de um modo geral, limitando-nos a mostrar que ela pode ser resolvida de maneira que, pelo menos em quase todos os casos, não deixe margem a dúvidas. Eis os principais argumentos que provam que os contos que publicamos e os que tencionamos ainda publicar não vieram para o nosso país recentemente e pelo canal mencionado.

  1. Todos esses contos provêm directa ou indirectamente da boca popular; quase todos foram aprendidos na infância pelas pessoas que no-los escreveram ou no-los narraram e em geral, como essas pessoas no-lo afirmaram, de pessoas de idade. A maior parte dos contos de Coimbra remontam a uma velha Evangelista que morreu com mais de cem anos na Misericórdia daquela cidade;

  2. Nos antigos escritores portugueses, nos adágios, nos prolóquios da língua há alusões a esses contos, ou a contos do mesmo género;

  3. Alguns antigos escritores portugueses apresentam versões literárias desses contos;

  4. A comparação prova que nesses contos há particularidades antigas que faltam ou se acham alteradas nas versões literárias estrangeiras que modernamente entre nós podiam ser conhecidas;

  5. Muitos desses contos não se acham em versões estrangeiras traduzidas ou conhecidas em Portugal.

20Diremos alguma coisa com relação ao 2.°, 3.° e 4.° pontos.

  • 5 Teófilo Braga citou já esta passagem num estudo sobre os contos populares portugueses, publicado no (...)

21Soropita, no fim do século XVI, alude ao conto das Três Cidras do Amor: «Apareceram por proa as Três Cidras do Amor» (Poesias e Prosas Inéditas, publ. por C. Castelo Branco, p. 103)5

22D. Francisco Manuel de Melo no século XVII alude, evidentemente, ao conto de que publicamos uma versão com o n.° XLII e de que temos uma versão em que à heroína, chamada Maria Sabida, diz o sedutor ludibriado:

Ai, Maria Sabida
Tão doce na morte,
Tão agra na vida!

23Eis as palavras de D. Francisco Manuel:

24«Eu cuido que vireis a ser aquela dona atrevida, doce na morte e agra na vida, que nos contam quando pequenos.» Cartas Familiares, cent. v, carta 7.

25No Orto do Esposo (códex alcobacense da Biblioteca Nacional de Lisboa, n.° 274), composição do fim do século XIV, que o nosso amigo Julio Cornu, professor na universidade de Praga, copiou e tenciona publicar, há diversos contos entre os quais uma versão (fol. 89-90), muito interessante do que vai na presente colecção com o n.° LXXIV. Devemos a comunicação desse conto ao nosso mencionado amigo.

«Hũu cavaleyro era muy namorado d’hua dona muy filha d’algo casada. E a dona era de boa vida e non curava nada do cavaleyro, como que a ele demandava muy aficadamente. E aconteceo que morreo o marido da dona. E o cavaleyro começou de a demandar mais aficadamente. E ella mandou-o chamar e disse-lhe: «Vós sabedes que non sodes igual a mym; pero quero vos tomar por marido se vos iguardes a mym al de menos em riquezas e per esto me escusarey de meu linhagem. E o cavaleyro pidyo a elRey e aos outros senhores e trouve aa dona muyto ouro e muyta prata e muytas doas. E ella por se escusar de seu casamento disse-lhe que todo aquello era pouco se mais non trouvesse. E entom o cavaleyro teve o caminho a hũu mercador que levava muy grande aver e matou-o e soterrou-o fora da carreyra, e tomou todo o aver que levava e trouve-o aa dona. E ella entendeo que aquella requeza era de maao gaanho, e disse ao cavaleyro que se lhe non dissesse d’onde ouvera aquelle aver que non casaria com elle. E o cavaleyro descubriu-lhe todo o que fezera. E ella lhe disse que fosse ao loguar hu jazia o mercador soterrado e que estevesse aly des o serãao ataa o galo cantante e que lhe non encubrisse todo o que lhe acontecesse e que se esto non fezesse que o non tomaria por marido. E elle fez assy como lhe a dona mandou. E vio sayr da cova o mercador e ficou os geolhos em terra e disse três vezes: «Senhor Jesus Christo, que és Justo juiz, e que vees todalas cousas, posto que sejam feitas escondidamente, da a mym vingança d’este cavaleyro que me matou e tomou-me todalas cousas per que viviamos, eu e minha molher e meus filhos.» E ouvyo hua voz que lhe disse: «Eu te digo e prometto em verdade que se elle nom fezer peendença em triinta annos, que eu te darey d’elle tal vingança que sera a todos exemplo.» E tanto que esto foy fito tornou-se o morto pera sua cova. E o cavaleyro muy espantado e tornou-se pera a dona e contou-lhe todo o que vira e ouvyra. E ella recebeo-o por marido e ouve d’elle filhos e filhas. E ella lhe dizia muyto a meude cada dia que se lembrasse do espaço que lhe fora dado pera fazer peendença. E este cavaleyro fez em huu seu monte hũas casas muy nobres e muy fortes. E estando elle hũu dia em aquelle loguar comendo com sua molher e com seus filhos e com seus netos em grande sollaz com a boa andança d’este mundo, veo huu jograr e o cavaleyro feze-o asseentar a comer. E emtanto elle comya, os sergentes destemperarom o estormento do jograr e hun-taram-lhe as cordas com grussura. E acabado o jantar tomou o jograr o seu estormento pera tanger e nunca o pode temperar. E o cavaleyro e os que estavam com elle começarom escarnecer do jograr e lançarom-no fora dos paaços com vergonça. E logo veeo hũu vento grande com tempestade, e soverteo as casas e o cavaleyro com todolos que hy eram. E foy feito todo hũu grande lago. E parou mentes o jograr tras sy e vyo em cima do lago andar hũas luvas e húu sombreyro nadando, que lhe ficarom em-na casa do cavaleyro quando o lançarom fora.»

26Encontram-se na Ásia na África, em muitos países da Europa lendas da subversão ou conversão em lagos de palácios, aldeias; mas não achámos ainda prova palpável de que o monge de Alcobaça tivesse simplesmente referido uma lenda estrangeira e não redigido uma tradição popular portuguesa; a existência do conto ou lenda do Minho que adiante publicamos, parece, pois remontar à Idade Média na tradição portuguesa.

27A novelística culta de fundo tradicional é um dos ramos mais pobres da nossa literatura; por essa razão a história dos contos populares entre nós não se pode estudar com a clareza que haveria se tivéssemos numerosos documentos do género do que trasladámos. O Orto do Esposo e os Contos de Proveito e Exemplo de Gonçalo Fernandes Trancoso assumem por isso uma importância excepcional. A mais antiga edição desses contos é de1575, segundo Teófilo Braga, que mostra que eles foram escritos por ocasião da peste de1569. Teófilo Braga asseverou terminantemente que Trancoso bebeu na tradição popular; parece-nos muito provável isso para alguns contos, mas cremos que uma demonstração completa dessa tese ninguém a poderá dar. Entre os contos que giram na tradição popular e se acham em Trancoso citaremos como exemplo o conto das duas irmãs invejosas, de que temos já quatro versões populares portuguesas. Eis em resumo a de Trancoso:

Desejava um rei mancebo casar com uma donzela de virtuosos costumes, claro sangue e bom viver. Um dia, passando por uma rua, ficaram falando a umas janelas três mulheres formosas e tendo o rei perguntado o que diziam foi-lhe respondido: «Senhor, uma disse que se casasse com o príncipe faria de suas mãos lavores de ouro e seda tão valiosos que bastariam para gasto da mesa; a outra disse que se casasse com ele lhe faria camisas tão preciosas que valeriam tanto como tudo o mais que ele vestisse e calçasse e a última dissera que se casasse com o rei teria dele dois filhos formosos como o ouro e uma filha formosa como a prata.»
O rei mandou chamar à sua presença uma por uma as três irmãs; as duas primeiras disseram que fariam em serviço do rei tudo a que as suas forças bastassem; mas a terceira que era a mais nova e mais formosa repetiu que lhe daria dois filhos formosos como o ouro e uma filha mais formosa que a prata. Casou o príncipe com a mais nova.

As duas irmãs mais velhas, de inveja pela preferência dada à mais nova, quando ela deu à luz os filhos prometidos, substituiram-nos por monstros peçonhentos, dizendo ao rei que a rainha os dera à luz. O rei aborreceu por isso tanto a sua mulher que a expulsou; a rainha como criada e forasteira foi admitida num convento, onde pouco depois foi servida como as freiras, que a suspeitaram duma elevada posição.
Tentavam as cunhadas agradar ao rei, mas este sofria muito de paixão pela mulher expulsa, embora julgasse que a expulsara com razão. Um dia em que, para se distrair, ia ao longo de uma ribeira, viu à borda da água uma casa nova, a cuja janela estava um formoso menino, pobremente vestido; depois apareceu outro menino e uma mulher com uma menina pequenina pela mão. A mulher disse ao rei que não sabia de quem eram aqueles meninos, que o marido pescador lhos trouxera pequeninos nascidos daquele dia e ela com ajuda da mulher doutro pescador os criara.
Seguindo ao longo da ribeira à busca de caça, o rei viu sair dentre umas lapas uma mulher rota, de cabelos crescidos e desgrenhados, que tentou fugir; mas alcançada pelo rei, depois contou que fora criada com a rainha expulsa e com ela e suas irmãs fora para o paço e que, tendo a rainha dado à luz um formoso menino, ela por instigações das irmãs da rainha, tomara a criança envolta em ricos panos e que, enquanto havia grande revolta no paço, porque as duas irmãs deitaram um sapo grande com as páreas e deitaram a correr dizendo que aquilo dera à luz a rainha, fora ela, não lançar ao mar a criança como lhe tinham ordenado, mas deixá-la entre as lapas donde viu levantá-la um pescador. O mesmo sucedeu com os outros dois filhos da rainha, que tinham sido substituídos um por uma cobra e o último, que era menina, por uma toupeira; ambos recolhera o mesmo velho pescador assim como fizera ao primeiro tendo tentado reter a portadora que se lhe escapara e que, de medo que ele fosse ao paço e a reconhecesse, ficara ali vivendo de ervas entre aquelas pedras.
O rei mandou chamar as más irmãs a sua presença e elas, vendo o seu crime descoberto, precipitaram-se ao mar. Prometera a mulher do pescador que iria ao rei dar mais informações acerca dos meninos que achara, e o rei reconheceu por todos os sinais que eram os seus próprios filhos.

A menina que o pescador levava consigo, assim como os irmãos, tanto que a puseram no chão fugiu da suposta mãe e meteu-se entre as pernas do pai, dizendo: «Ah, ah, agora sim que está aqui meu pai, não quero ir convosco.»
O rei perdoou à criada que expusera as crianças e concedeu grandes mercês aos pais adoptivos.
Fizeram-se buscas por todo o reino e a nova do descobrimento dos filhos do rei chegou ao convento onde estava a rainha, cuja alegria foi tanta que as freiras suspeitaram fosse ela a rainha; esta declarou-lhes a verdade e pouco depois foi-a buscar o rei.»

  • 6 Marcámos com asterisco as versões que não pudemos estudar; grande parte delas são indicadas por R. (...)

28O conto de que acabamos de condensar a versão dada pelo novelista português acha-se muito espalhado; podemos mencionar as seguintes versões, das quais as duas primeiras têm um carácter literário, e as outras são perfeitamente populares6:

  1. Árabe, História das Duas Irmãs Invejosas nas Mil e uma Noites;

  2. Italiana do século XVI em Straparola, Tredeci Piace-volissime Notti, IV, 3 (servimo-nos da antiga tradução francesa, edição Jannet, pois as edições originais são raras e não se encontram em Portugal);

  3. Florentina em * Vittorio Imbriani, Novellaja Fiorentina, n.° 6;

  4. Toscana em * Angelo de Gubernatis, Novelline di S. Stefano di Calcinaja, n.° 16;

  5. Siciliana em Laura Gonzenbach, Sicilianische Märchen (Leipzig, 1870), n.° 5;

  6. Outra siciliana em Giuseppe Pitré, Nuovo Saggio di Fiabe e Novelle Popolari Siciliane (Imola, 1873; Estratto dalla Rivista di Filologia Romanza), n.° 1;

  7. Outra siciliana em G. Pitré, Fiabe, Novelle e Racconti Popolari Siciliani (Palermo, 1875, 4 vols.), n.° 36;

  8. Italiana de Basilicata em Domenico Comparetti, Noveline Popolari Italiane (Torino, 1875), n.° 6;

  9. Outra italiana de Pisa, ibidem, n.° 30;

  10. Tirolesa em Chr. Schneller, Märchen und Sagen aus Wälschtirol (Innsbruck, 1867), n.° 26;

  11. Húngara em * G. Gaal, Die Märchen der Magyaren, p. 390;

  12. Alemã em Grimm, Kinder- und Hausmärchen (12.a ed., Berlim, 1874), n.° 96;

  13. Outra alemã em J. W. Wolf, Deutsche Hausmärchen (Göttingen, 1851), p. 168;

  14. Outra alemã em* Ernst Meyer, Deutsche Volksmärchen aus Schwaben (Stuttgart, 1852), n.° 72;

  15. Outra alemã em* Heinrich Pröhle, Kinder- und Volksmärchen (Leipzig, 1853), n.° 3;

  16. Austríaca em Vernaleken, Oesterreichische Kinder-und Hausmärchen (Wien, 1864), n.° 34;

  17. * Zingerle, Kinder- und Hausmärchen (1852-54), n, 112;

  18. Grega em J. G. Hahn, Griechische und alhanesische Märchen, n.° 69 (Leipzig, 1864);

  19. Outra grega em* Νεοελληνίκα Ανάλεχτα 2, 1, n.° 0 4;

  20. Outra alemã em * Frommann, Die deutsche Mundarten, IV, 263;

  21. Catalãs em Fr. Maspons y Labrós, Lo Rondallayre, Quentos Populars Catalans, Barcelona, 1871, n.os 14 e 25.

  22. Avárica em Awarische Texte, n.° 12.

29A única forma literária das conhecidas que Trancoso poderia ter lido é a de Straparola. Este publicava já em 1508 um livro de versos e vivia ainda em 1557; foi entre essas duas épocas que compôs e publicou pela primeira vez as Notti. A versão de Trancoso desvia-se porém, assaz da do novelista italiano para que possamos considerá-la como independente dela. Resta ainda a possibilidade de uma fonte literária desconhecida. As formas populares reunidas por nós desviam-se também muito da versão do nosso novelista, que tirou ao conto quase todo o maravilhoso.

30A facécia n.° LXVI da presente colecção, que serve de explicação popular aos prolóquios: quem não te conhecer que te compre, ou quem te conhecer que te compre, ou ainda quem não te conhecer que te compre, saherá a besta que leva, era corrente no século passado, como nos mostra a versão que dela dá Bluteau a propósito do mencionado prolóquio:

«O caso foy, que estando huns Estudantes na ponte de Coimbra, a tempo que passava um homem com seu jumento carregado, o qual levava pelo cabresto, se chegou hum dos Estudantes ao jumento, e tirando-lhe o cabresto sutilmente, o meteo na sua cabeça, e foy seguindo o homem, que hia puxando por elle; os mais Escholasticos com diligencia esconderão o asno, que ficou solto; e o Estudante encabrestado, vendo que já o jumento estava escondido, não quiz andar mais adiante, e entendendo o pobre homem, que o burrico para seguir a viagem necessitava de quatro pauladas, virou para traz, e vendo que levava pelo cabresto hum Estudante, ficou assustado com o tal objecto; n’este tempo o Estudante lhe disse: Meu Senhor, vossa mercê não se espante, porque eu sou hum homem bem nascido, mas por fado ando ha muitos annos com a forma e figura, que até agora me vio; mas neste instante foy Deos servido, que o meu triste fadario se me acabasse, e assim lhe peço, que n’este caso me guarde segredo para que se me não saiba a falta, e me perdoe o que lhe faço do dinheiro que por mim deu, e o serviço que lhe faria. O simples homem entendendo que era isto verdade, lhe respondeu: Senhor Estudante, não permitta nosso Senhor, que uma alma Christã padeça tão grandes tormentos, e entenda, que não só me não dá pena, mas grande gosto em o ver livre de tão triste fado; e com isto se foy cada qual buscar sua vida. Os velhacos dos Escholasticos não se contentando com a carga que o jumento levava, o levarão à feira a vender, e vendo-o o dono, que lá se achou, para comprar outro, e conhecendo-o perguntou a quem o levava, se vendia aquelle jumento, e lhe responderão que sim, e entendendo o Villão que o Estudante se tinha outra vez convertido em burro, pedio licença ao que o levava para dar em cortezia uma palavra aquelle jumento, o que sendo-lhe concedido, se chegou a elle, e lhe disse: «Ouve, senhor burro, quem te não conhece, te compre.»

31O adágio

Comei mangas aqui,
A vós honram não a mim

32é o último vestígio de um conto que ainda não encontrámos na tradição portuguesa, mas que é conhecido noutros países e sobre o qual R. Köhler deu ricas indicações no Jahrbuch für rom. und engl. Literatur, xii, p. 351 e segs. e XIV, p. 425 e segs. O Papa Inocêncio III, no seu livro De contemptu mundi sive de miséria humanæ conditionis, deu a seguinte versão, transcrita por Köhler:

Cum quidam philosophus in habitu contemptibili principis aulam adisset et diu pulsans non fuisset admissus, sed quotiens tentasset ingredi, toties contigisset eum repelli, mutavit habitum, et assumpsit ornatum. Tunc ad primam vocem aditus patuit venienti. Qui procedens ad principem, pallium, quod gestabat, coepit venerabiliter osculari. Super quo princeps admirans, quare hoc ageret, exquisivit. Philosophus respondit: Honorantem me honoro, quia quod virtus non potuit, vestis obtinuit.»

33Pitré, Fiabe, Novelle e Racconti Popolari Siciliane, CXC, 8, oferece uma versão popular que se aproxima mais da que supõe o nosso adágio. Giufà, que, como pateta, não era convidado por ninguém, é vestido luxuosamente pela mãe. Convidam-no para a mesa onde o tinham antes repelido e ele ia comendo e metendo comer nas vestes, dizendo: «Manciati, rubbiceddi miei, cã vuàtri fustivu ’mmitati.»

  • 7 Contes moraux pour l’instruction de la jeunesse, par Madame Le Prince de Beaumont, extraits de ses (...)

34O conto da Bella Menina, n.° xxix da presente colecção, apresenta analogias tão íntimas com o conto de La Belle et la Bête, redigido em francês por Madame de Beaumont7, e traduzido mais de uma vez em português, que nada há mais natural do que pensar que a forma que publicamos deriva dessa fonte literária; a concordância é sobretudo muito particular na primeira parte do conto, até que Belle vai habitar o palácio do monstro; no resto há diferenças aparentemente insignificantes e que se poderiam atribuir aos caprichos da imaginação dos narradores portugueses, se a comparação não nos mostrasse o seu valor tradicional. Na versão de Madame de Beaumont, Belle familiariza-se com o monstro que a trata magnificamente e lhe pergunta sempre antes de se ir deitar se ela quer casar com ele; ela responde que não, e o monstro lança um terrível suspiro. Belle, um dia, vê num espelho que seu pai estava doente de pena; exprime ao monstro o desejo de o ver; ele consente,mas faz-lhe prometer que voltará ao fim de oito dias; diz-lhe, quando ela quiser voltar, que ponha ao deitar-se o seu anel em cima da mesa. Quando Belle acordou, achou-se em casa de seu pai. As irmãs tinham casado, mas eram desgraçadas; vendo a irmã vestida como uma princesa, tiveram-lhe inveja e trataram de a demorar mais dos oito dias, o que conseguiram, fingindo-se muito penalizadas pela partida dela. Ao fim de dez dias voltou Belle ao palácio, mas o monstro não aparecia; ela correu a um sítio onde o vira em sonho e achou-o sem sentidos; lançou-se sem horror sobre o corpo do monstro; deitou-lhe água na cabeça e ele, voltando a si, diz-lhe que de pena de a ter perdido resolvera matar-se à fome. Belle diz-lhe que ele há-de viver e ser seu esposo; então o monstro desaparece e em seu lugar fica um belo príncipe, pois o seu encanto devia acabar quando uma donzela o aceitasse para esposo. As más irmãs são convertidas em estátuas. O final da versão portuguesa é mais curto; mas pondo de parte circunstâncias que podiam ser suprimidas simplesmente, notaremos as seguintes diferenças: a Bela-Menina não vai a casa para ver o pai doente, mas sim pelo casamento de uma irmã; o encanto do monstro não acaba por ela dizer que o quer para esposo, mas sim quando Bela-Menina lhe dá um beijo.

35Há versões populares deste conto ou contos mais ou menos semelhantes em diversos países; tais são o n.° 88 dos Kinder- und Hausmärchen, de Grimm, e as indicadas por W. Grimm, vol. iii, p. 152 e segs., 329 e segs., a grega de Chipre, colhida por Sakellario e traduzida em alemão por F. Liebrecht no Jahrbuch f. rom. u. engl. Literatur, xi, pp. 374-379 (nota a pág. 386), o conto masúrico publicado por Toeppen: Die Rose (vid. R. Köhler, G. G. Anzeige, 1868, p. 35), o n.° 9 dos Sicilianischen Märchen de Laura Gonzenbach (vid. nota de R. Köhler no vol. II, p. 208-9), o n.° XXXIX da grande colecção de Pitré. Ora em pontos em que a nossa versão do Minho se afasta da de Beaumont aproxima-se de algumas das outras versões, o que prova que não deriva daquela. Assim o que motiva a ida dadonzela a casa é o casamento das irmãs em Pitré, Gonzenbach, Grimm (n.° 88). Nalgumas dessas versões o núcleo do nosso conto funde-se com outros elementos; assim, na de Grimm (n.° 88), acha-se uma versão do nosso n.° xliv; o conto acha-se assim alterado e a sua solução não se pode comparar com a das formas simples, como a nossa n.° XXIX, a de Pitré, n.° XXXIX, a cípria, etc.

36Nestas últimas duas, o encanto quebra-se como na de Madame de Beaumont quando a donzela diz que aceita o monstro para marido; mas no antigo poema francês Le bel inconnu, publicado por C. Hippeau, há uma forma da nossa tradição em que o encanto do monstro (aqui uma donzela) se quebra com um beijo que dá na boca de Giglain (v. 3150 e segs.). Ora essa variante é, se não a mais antiga, como cremos, pelo menos tradicional e antiga no nosso conto.

37A quebra de um encanto por meio de beijo aparece noutros contos. Num como estónio (Esthnische Märchen comentados por Friedrich Kreutzwald; traduzidos do estónio por F. Löwe, Halle, 1869, 8.°, n.° 19) o encanto de uma donzela quebra-se quando ela em forma de serpente beija três vezes um mancebo. No conto sérvio traduzido por Madame Mijatovies com o título Bird Girl (Serbian Folk-Lore, p. 119 e segs.) o filho de um rei beija uma ave que se transforma em belíssima donzela. Na lenda alemã Die Schlangenjungfrau (Deutsche Sagen, publicados pelos Irmãos Grimm n.° 13) o encanto de uma donzela que é meio serpente quebra-se quando um mancebo puro e casto a beijar três vezes. No poema de Lanzelet citado por J. Grimm, Deutsche Mythologie, p. 921 (3.a ed.), um beijo na boca de um dragão fá-lo transformar numa bela mulher.

38Ferdinand Wolf nos seus Studien zur Geschichte der spanischen und portugiesischen Nationalliteratur (8.°, Berlim, 1859, p. 513, n.° 1, 514 n.) exprimiu a opinião de que os contos populares que se encontram na Espanha tenham passado de França e Itália para a nossa península pela maior parte só depois do século XVI, pelo canal da literatura, e de que só mais tarde ainda é que eles chegassem à tradição popular; o Pentamerone de Basile, colecção de contos populares napolitanos redigidos com ornatos literários, cuja primeira edição conhecida é de1637, teria na opinião de Wolf contribuído muito para essa divulgação dos contos na Espanha. Ora é evidente para quem conhece a história das literaturas peninsulares que a opinião de Wolf é extensiva a Portugal.

39Mas o que acaba de ser dito fornece já argumentos contra ela; um estudo comparado dos contos portugueses que temos reunido e do que já conhecemos dos contos espanhóis prova à evidência que essa opinião não tem fundamento, salvo com relação a algum caso excepcional. A tradição oral de povo a povo foi, a nosso ver, o veículo mais importante que trouxe esses contos para a península. Vejamos, por exemplo, como isto se pode provar em relação directa à opinião do célebre crítico austríaco.

40O n.° XLIII da nossa colecção é uma versão de um conto de que se acha uma forma no Pentamerone IV, 10: La Soperbia Castecata. Na versão de Coimbra o desprezo da princesa é motivado por o pretendente de sua mão deixar à sobremesa cair um grão de romã na barba e apanhá-lo com o garfo e comê-lo. Este motivo excelente falta na versão de Basile, assim como em versões populares de outros países, por exemplo em Grimm, n.° 52: König Drosselbart, A. Kuhn, Sagen, Gebrauche und Märchen aus Westfalen (Leipzig, 1859, 2 vols., 8.°, n.° 17 dos contos), mas o mesmo ou semelhante se acha em outras variantes. No n.° cv de grande colecção de Pitré o rei é desprezado pela princesa, porque se abaixa para apanhar um bocado de romã que caíra no chão. Noutra versão siciliana da colecção de L. Gonzenbach (n.° 18), o rei pretendente toma à mesa uma cadeira em que está uma pequena pena e deixa cair molho na barba, o que o fez igualmente ser desprezado.

  • 8 Vid. a nota de W Grimm, K. U. Hm., III, p. 86 e segs., a de R. Köhler em Gonzenbach,II, p. 216; F. (...)

41É evidente pois que a versão portuguesa que damos neste volume, oferecendo aquele motivo próprio a uma das formas conhecidas do conto, não pode provir do Pentamerone. Aquele motivo acha-se em verdade numa redacção literária italiana do conto por Luigi Alamanni (novela da condessa de Tolosa e do conde de Barcelona). Alamanni morreu em 1556, mas a sua novela esteve inédita até 1794, quando foi publicada numa obra pouco acessível8.

42Em regra, se para a forma literária, individual, de um conto fica de pé a possibilidade de uma fonte literária, embora desconhecida, salvo quando se prove directamente a sua origem popular, para a forma popular, colectiva, de um conto deve admitir-se uma corrente de tradição oral, salvo quando se prove a comunicação literária. Era preciso uma grande divulgação literária e já muito antiga para explicar a generalização dos mesmos contos populares, em todas as províncias de Portugal, em todas provavelmente da Espanha.

43Aludimos acima (p. xiii) às versões peninsulares do conto ou lenda de Fridolin (pajem queimado no forno). Essas versões (que não são as únicas que se encontram aquém-Pirenéus) parecem indicar pela sua completa localização que os seus redactores as beberam na tradição popular. Em Coimbra corre ela ainda hoje na boca do povo com relação à Rainha Santa Isabel; é verdade que poderia ser uma derivação da redacção escrita por intermédio da prédica; mas a versão de Afonso X atesta a sua antiguidade na Península, a qual se pode ainda verificar em relação a outras narrações que se encontram também no Oriente. A narração portuguesa tem tais relações particulares com a espanhola que parecem derivar ambas da mesma fonte imediata. Eis as duas:

Como o coração de ElRey andava neste tempo cégo do amor illicito, sendo que a Santa Rainha era hũa mulher forte, teve d’ella desconfiança, porque nem a Magestade está segura da calumnia no Paço, aonde he ouvida a inveja; servia n’elle hum Pagem de quem a Santa Rainha, por razão de sua vida virtuosa, fazia confiança particular servindo-se do seu modesto silencio, para obras de sua occulta charidade, e sentindo outro que ella fizesse o favor à virtude, que pertendia a emulação, insinuou a ElRei, que aquelle agrado nascia da infidelidade, e não do merecimento, e sendo que a santa honestidade da Rainha Santa era irrefragável prova de sua inviolável fé, devendo ElRey castigar a ousadia, creo a impostura, porque a má disposição de seu animo, facilitou a credulidade do agravo, e determinou tirar ao innocente a vida, a quem a malicia tinha imputado a injúria; para que a vingança se tomasse com cautela, chamando em segredo hum homem que tinha a seu cargo hum forno de cal, a que naquelle tempo lançara o fogo, lhe disse, que quando, na hora certa de hum dia determinado, mandasse hum Pagem da Rainha a saber se fizera o que lhe ordenara, o lançasse dentro no ardente forno, porque assim convinha a seu Real serviço; chegado o prescripto dia, à hora sinalada mandou ElRey o innocente Pagem com o recado fingido ao lugar do incendio, em que determinava, que se queimasse a innocencia, e Deos dispunha que ardesse a culpa; obedeceo elle com diligencia prompta, e como tinha por inalterável devoção entrar nas Igrejas, quando ouvia fazer os sinaes ao levantar da Hostia consagrada, ouvindo-os no Convento de S. Francisco da Ponte, que estava no caminho, entrou nelle e ouvio hua, e outra Missa, e assistindo no exercicio de sua devoção, pôz Deos embargos à sentença de sua morte; dispondo o Senhor que se consumisse no fogo quem lhe procurara o incendio, porque quem venera a saudavel Hostia, logra immunidades na vida, e não só não padece o dano que se lhe prepara, mas faz que elle recaya em quem lho solicita; bastou sonhar Gedeão com o Pão que era figura da Eucharistia para debel-lar os exercitos de Madian; antes de sonhar com o Sacramento, teve por duvidosa a batalha, tanto que ouvio o misterio, deu por conseguida a victoria. Estando ElRey cuidadoso do sucesso, e desejando saber, se o fogo tinha desvanecido em fumo o seu presumido aggravo, chamou o outro Pagem, que atrevidamente tinha infamado, na Magestade mais decorosa, a mais innocente castidade, e lhe disse que fosse saber, se se tinha dado à execução a sua ordem; chegou elle ao lugar que se destinara para o suplicio do outro, que estava na Igreja ouvindo Missa, e entendendo o executor da morte, que àquelle mandava ElRey tirar a vida, lançando-o precipitadamente entre as flamas, se reduzio justissimamente em cinzas, porque a divina justiça faz que pereça o culpado, no laço que se arma para o innocente: no patíbulo que Amão levantou para Mardocheo, não morreo Mardocheo, e padeceo Amão.
Acabadas as Missas, se foy o devoto innocente para o forno, onde o delinquente estava consumido, e dando o recado de ElRey, lhe trouxe por resposta, que a sua ordem se dera à execução, etc.»
Historia da Vida, Morte, Milagres, Canonização, e Trasladação de Santa Izabel, Sexta Rainha de Portugal. Escripta por D. Fernando Correa de Lacerda, Lisboa Occidental, 1735, 4.°, pp. 47-50.

Agora a versão metrificada de Afonso X:

Non pode prender nunca morte vergonhosa
Aquelle que guarda a virgen groriosa.
E d’aquest’aveno temp’á ja passado,
Que ouv’en Tolosa un conde mui preçado,
E aquest’avia un ome seu privado,
Que fazia vida come religioso.
Non pode prender nunca morte vergonhosa,
Etc.
Entre outros benes muitos que el fazia
Mais que outra rem amava Sancta Maria,
Assi que outra missa nunca el queria
Oyr erga sua, nen lh’era saborosa.
Non pode prender, etc.
E outros privados que con el cond’andavan
Avian lh’enveja, e por onde punhavan
De con el volvel-o, porque desi cuidavam
Aver con el conde sa vida mais viçosa.
Non pode prender, etc.
E sobr’esto tanto con el conde falaron,
Que aquel bon ome mui mal con el mezcraron,
E do taes cousas a el o accusaron,
Perque lhe mandava dar morte doorosa.
Non pode prender, etc.
E que non soubessen de qual morte lhe dava,
Por un seu caleiro a tan tost’enviava,
E un mui grande forno encender lhe mandava,
De lenha mui grossa que, non fosse fumosa.
Non pode prender, etc.
E mandou-lhe que o primeiro que chegasse
Om a el dos seus, que tan toste o filhasse,
E que sen demora no forno o deitasse,
E que y ardesse a carne d’el astrosa.
Non pode prender, etc.
Outro dia el conde ao que mezcrad’era
Mandou-o yr que fosse veer, se fezera
Aquel seu caleiro o que ele dissera,
Dizend: «’esta via non te seja nojosa.»
Non pode prender, etc.
Quando (?) ele ya cabo d’essa carreira,
Achou un’ermida que estava senlheira,
U dizian missa ben de mui gran maneira
De Sancta Maria, a virgem preciosa.
Non pode prender, etc.
E logo tan toste entrou en a egreja
E disse: «esta missa, como quer que seja,
Oyrei eu, porque Deus de pelleja
Me guarde, de mezcra maa e revoltosa.
Non pode prender, etc.
Enquant’el a missa oya ben cantada,
Teve ja el conde, que a cous’acabada
Era que mandara, e por en sen tardada
Enviou outr’ome natural de Tolosa.
Non pode prender, etc.
E aquel’om’era o que a mezcra feita
Ouvera, e toda de fond’acima treita,
E disse-lhe logo: «vae correndo e aseita (? )
Se fez o caleiro a justiça fremosa.»
Non pode prender, etc.
Tan toste correndo foi-s’aquel fals’arteiro
E non se teve mas que per un semedeiro
Chegou ao forno e logo o caleiro
O deitou na chama forte e perigrosa.
Non pode prender, etc.
O outro, pois toda a missa ovu oyda,
Foi ao caleiro e disse-lhe: «ás comprida
Voontad del conde? «Diss’el:» Si! sen falida,
Senon nunca faça eu mia vida gayosa.»
Non pode prender, etc.
Enton do caleiro se partia tan toste
Aquel ome bono, e per un gram recoste
Se tomou al conde, e dentr’en sa reposte
Contou-lh’ end’a estoria maravilhosa.
Non pode prender, etc.
Quando viu el conde aquele que chegara
Ant’ele viv’e soube de como queimara
O caleir’o outro que aquele mezcrara,
Teve-o por cousa d’oyr muit’espantosa
Non pode prender, etc.
E disse chorando: «Virgen, beneita sejas,
Que nunca te pagas de mezcras, nen d’envejas,
Por en farei ora per todas tas egrejas,
Contar este feito, e como es poderosa.
Non pode prender, etc.

44A Disciplina Clericalis, o Calila e Dymna, o Conde de Lucanor, o Libro de los Engannos et los Asayamentos de las Mugeres e outras obras semelhantes da literatura medieval de Espanha mostram-nos à evidência os Árabes da Península como um dos veículos dos contos para a nossa tradição, quer directamente, quer por meio da literatura. Esse canal está bem longe de ser o único. Alguma coisa deveria ter ficado ainda da tradição greco-latina. Em verdade, o nosso conto n.° XLIV tem íntimas relações com o de Psique e Amor no Metamorphoseon de Apuleu (livros iv, v e vi); o n.° L é uma versão da história de Midas (vid. Positivismo, I, fase. 1 e 2); uma história como a de Rampsínito contada por Heródoto (II, 121, 122) é contada pelo povo sendo o tesouro do rei egípcio substituído pela casa da moeda; a história da filha que amamentou o pai, referida por Valério Máximo, é corrente no Minho; o nosso povo sabe algumas fábulas como as de Esopo e Fedro; mas esses factos não atestam uma tradição ininterrompida entre nós que remonte directa ao tempo do domínio romano; essas narrações podem-nos ter vindo na Idade Média ou ainda nos Tempos Modernos pelos mesmos canais por que nos chegaram outras que por certo não provêm da Antiguidade clássica. Esperamos provar que há entre alguns contos portugueses e contos correspondentes italianos relações particulares, que fazem supor que a Itália, sem dúvida por intermédio dos seus marinheiros, muito mais que pelo de suas novelas, no-los enviou. O mesmo se deu provavelmente com relação a outros povos, principalmente a França.

45Do mesmo modo que não podemos admitir uma origem única para os contos, por exemplo, a origem mítica, considerando o conto e o mito como dois produtos radicalmente diversos, embora no conto entrem muitas vezes elementos míticos, vendo nos contos o produto de uma faculdade que se acha mais ou menos desenvolvida em todas as raças humanas, não podemos crer que a transmissão deles para a Europa, para cada país particular se operasse por um único veículo. O que nós hoje possuímos desses documentos é o resultado do struggle for life de tradições diferentes; é o resíduo da reacção de diversas correntes.

46Não podemos hoje fazer mais que indicar esses interessantes problemas, esperando que maior massa de materiais e a realização de estudos planeados há anos nos permitam contribuir para a sua solução.

47Lisboa, Maio de1879.

Notes

1 Vid. Paris, Gaston, Revue critique, 1874, art. 145.

2 Vid. Patin, Etudes sur les tragiques grecs I, 254 not.

3 Vid. Loiseleur Deslongschamps, Essai sur les fables indiennes, Paris, 1838. 8.°, p. 132 e segs; Herman OEsterley, Gesta Romanorum, Berlin, 1872, 8.°, n.° 273 e nota respectiva; A. d’Ancona, Romania, III, 187, s.

4 Vol. II p. 62 e segs.

5 Teófilo Braga citou já esta passagem num estudo sobre os contos populares portugueses, publicado nos Estudos da Idade Média e refundido duas vezes, a primeira na Revista de Portugal e Brasil I, pp. 157-160, 191-195,II, pp. 68-80, 91-92, a segunda na Rivista di Letteratura Popolare, sob a direcção de G. Pitré, F. Sabbatini, vol.I (que não pudemos ainda ver); reprodução na Evolução (de Coimbra), n.os 10-12. Teófilo Braga pretende ver na expressão gatas-borralheiras, em Jorge Ferreira de Vasconcelos, designando mulheres que vivem na cozinha, uma alusão ao conto da Cendrillon, como se uma tal expressão não pudesse existir anteriormente ao conto; a Cendrillon foi denominada entre nós gata-borralheira, porque esta expressão existia já na língua geral.

6 Marcámos com asterisco as versões que não pudemos estudar; grande parte delas são indicadas por R. Kögler nas notas à versão avárica.

7 Contes moraux pour l’instruction de la jeunesse, par Madame Le Prince de Beaumont, extraits de ses Ouvrages et publiés pour la première fois en forme de recueil, Paris, chez Barba, 1806, 3 vols., 8.°

8 Vid. a nota de W Grimm, K. U. Hm., III, p. 86 e segs., a de R. Köhler em Gonzenbach,II, p. 216; F. Liebrecht, Orient u.. OccidenI, p. 122.

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search