Version classiqueVersion mobile

Da prostituição na cidade de Lisboa

 | 
Francisco Ignácio dos Santos Cruz

Segunda parte

Capítulo III. Visitas sanitárias às prostitutas nas casas públicas

Texte intégral

1Sobre o presente assunto, com que nos devemos ocupar neste capítulo, nada absolutamente podemos dizer da prática estabelecida em Lisboa desde os mais remotos tempos até hoje, porque tais visitas sanitárias nunca foram estabelecidas por lei, e por isso nunca tiveram lugar, nem forma alguma regular ou irregular. Nunca se usou disto em Portugal, e por isso nos faltam interessantíssimos documentos sobre as prostitutas, que o estabelecimento regular de tais visitas nos devia fornecer para esclarecimentos de muitos objectos de que tratamos nesta obra, como fornece aos escritores na França, Inglaterra, etc. Algumas donas de casas tem havido, porém mui raras são elas, que de tempos a tempos, ou quando têm algumas desconfianças, chamam um facultativo, a quem pagam, para examinar as mulheres que têm no seu colégio debaixo da sua direcção e governo; conquanto presumamos ter-se tirado desta prática irregular algum pequeno proveito, é isto zelo ou capricho particular que não só nos não fornecem esclarecimento algum, mas que jamais podem destruir o princípio geral – nunca houve visitas sanitárias às prostitutas em Lisboa. Portanto, tudo quanto dissermos neste capítulo é só limitado ao que se deve fazer e não ao que se fez.

2As visitas sanitárias às prostitutas são a base essencial e o meio mais seguro e eficaz de desempenhar a sua devida fiscalização policial; e o exame e inspecção a que elas se devem sujeitar e feitos pelos competentes facultativos em períodos marcados, são o mais directo e firme meio de obviar os males enormes que as prostitutas causam com a propagação do contágio venéreo, cuja corrente impetuosa se faz para logo que o exame descubra a existência de quaisquer moléstias, porque elas devem imediatamente ser enviadas às competentes casas de tratamento.

3Poderia bem regular-se a polícia das prostitutas quanto à moral pública e a autoridade dela encarregada poderia pelos seus agentes vigiar nos ultrajes e escândalo que causassem aos bons costumes, mas como isto só se tinha feito metade da grande obra, e os males causados por elas à humanidade ficariam continuando, se os regulamentos as não obrigassem não só a declararem os males venéreos de que se achem acometidas, mas também a sujeitarem-se a um sério exame e investigação, desses males. Deve, portanto, haver facultativos que se encarreguem destas visitas, como também estas visitas devem ser reguladas da maneira mais conveniente para darem de si um útil resultado. Estes objectos, porém sendo relativos à saúde pública, devem estar imediatamente dependentes da respectiva repartição, que tem a seu cargo a fiscalização deste importante ramo do serviço público, Conselho de Saúde, e os seus empregados subalternos.

4Trataremos portanto neste capítulo de tudo quanto é relativo às visitas sanitárias, que devem ser feitas às mulheres públicas nas casas da prostituição, e de quem deve desempenhar este serviço, o que faremos nos dois seguintes artigos. O primeiro, das visitas sanitárias e condições que lhes são indispensáveis; o segundo, do estabelecimento de facultativos para desempenharem estas visitas.

Artigo 1.°
Das visitas sanitárias feitas às prostitutas e de todas as condições que lhes são indispensáveis
1

  • 1 As visitas sanitárias feitas pelos facultativos às prostitutas em Paris têm lugar num esta (...)

5Esta medida policial de fazer visitar pelos facultativos competentes as prostitutas, para que se conheça se elas estão ou não infectadas do Virus venereo, não é só própria dos tempos presentes, ela sobe à mais alta antiguidade; e tanto que há mais de quatro séculos, um regulamento de Londres, datado de 1437, ordena que todos os encarregados destas casas [públicas], fossem obrigados a fazer visitar as mulheres, e os homens que com elas pretendam ter comunicação, e pôr em reclusão até que se curem os que se acharem acometidos do mal venéreo.» Em tempos anteriores a esta época, vemos os cuidados sanitários recomendados para as prostitutas no regulamento que a rainha Joana, das duas Sicílias, deu em 1347 ; no art.° 4.° recomendava que todos os sábados as mulheres públicas fossem visitadas, e achando-se alguma doente em consequência do deboche, fosse separada e não comunicasse os seus males à mocidade.

6Se nos antigos tempos havia já em alguns países na Europa o cuidado de mandar visitar as prostitutas para que não propagassem o Vírus venereo, esta prática está hoje geralmente estabelecida nas nações cultas. Na França a primeira ideia de prestar cuidados especiais a estas mulheres coube a Luís XIV ; entretanto só em 1796 foi reconhecida esta necessidade ; quando porém Dubois foi nomeado prefeito de polícia, instituiu a taxa para ocorrer às despesas que exigiam estes cuidados sanitários prestados às prostitutas, os quais continuaram a fazer-se de maneira muito irregular e imperfeita, até que se instituiu o dispensário em Dezembro de 1802, onde se procedia a tais visitas e se davam outros cuidados a estas mulheres.

7No nosso país hoje com uma lei de tolerância, temos uma indispensável necessidade de proceder a estas visitas sanitárias das prostitutas ; porque não é só à moral, mas também à saúde pública que estas mulheres causam males enormes, se não têm a devida fiscalização, que consiste em fazer com que não propaguem o Vírus venereo, terrível enfermidade que tanto tem concorrido para as desgraças da humanidade. Com efeito, e como já o dissemos noutra parte desta obra, o contágio venéreo talvez tenha sido mais terrível para a espécie humana do que a peste, e os nossos antepassados, não procurando os devidos meios de fazer parar a corrente dos seus males, cometeram muitos erros, que nós devemos, quanto pudermos, emendar, procedendo às visitas sanitárias destas mulheres. Alguns têm dito em diferentes tempos que estes meios ferem a moral e favorecem a libertinagem ; mas bem longe estamos nós de aprovar estas doutrinas. Pelo contrário, estamos convencidos de que eles concorrem para conservar a saúde de uma multidão de inocentes criaturas, o que é recomendado pela religião, pela caridade e, finalmente, pela moral. Passemos pois a fazer as diferentes observações sobre as visitas das prostitutas e a apresentar as medidas que para este fim são necessárias.

8Logo que uma prostituta se ache doente do mal venéreo, ela o deve imediatamente declarar à dona da casa, e desde então não deve ter mais comunicação com pessoa alguma. Se o contrário fizer, tanto ela como a dona da casa que o consentir terão uma multa pecuniária, e serão presas por algum tempo na casa de correcção. Nenhuma mulher pública se deve recusar às visitas sanitárias que lhes forem fazer os facultativos competentes. Aliás, aquela que a isto se recuse deve ser imediatamente compelida a ir para o hospital para ser tratada e, depois de curada, deve ser metida na casa de correcção por algum tempo, e se não se achar doente, será do mesmo modo presa, para lhe castigar a insubordinação. As que no acto da visita se acharem doentes devem ser logo enviadas para o hospital, sendo também logo avisada a dona da casa pelo facultativo de que aquela mulher se acha doente, e não consinta, enquanto se não vai curar, que pessoa alguma tenha com ela comunicação, aliás serão ambas multadas, e metidas na casa de correcção, a dona da casa logo, e a prostituta depois de curada.

9As donas de casas, por motivo nenhum devem expulsar para fora da sua casa qualquer mulher por estar acometida do Virus venereo e que por isso lhe não possa dar interesse, e quando assim o façam, serão multadas ; nem também qualquer mulher deve abandonar a casa em que reside para ir habitar outra, ou mesmo para entrar na vida honesta, sem ser previamente visitadas pelo facultativo competente, do que lhe dará um certificado. Nem tão-pouco qualquer dona de casa receberá qualquer mulher, nem consentirá que em sua casa tenha comunicação com qualquer homem, sem ser primeiro visitada pelo facultativo respectivo ; se acontecer o contrário será multada e metida na prisão. Por isso todas as donas de casas terão uns mapas como o modelo n.° 12, no qual se devem fazer as devidas notas e alterações a tal respeito; e destas entradas e saídas se deverá dar parte à administração-geral, e quando assim o não façam serão punidas assim com multas como com a prisão.

10As prostitutas devem também ficar na inteligência de que são rigorosamente obrigadas a não consentir que qualquer homem acometido da moléstia venérea tenha com ela comunicação ; aliás, deverá ser punida do mesmo modo; e quando alguém use para este fim de violência com qualquer mulher, ou mesmo de astúcias para a seduzir, também ele deverá ser punido da mesma maneira com multa e prisão.

11Não se deve permitir, por qualquer motivo que seja, que as prostitutas se tratem em suas casas da moléstia venérea, porque elas podem continuar na sua libertinagem a propagar as suas enfermidades, o que é bem fácil de acontecer. Os facultativos visitantes devem ser obrigados a avisá-las de que se recolham ao hospital, logo que as encontrem doentes; e se assim o não fizerem, ou lhes aconselharem remédios para deles usarem em suas casas, deverão eles pagar certa multa e depois ser despedidos do seu cargo.

12Os facultativos devem ter um rigoroso escrúpulo nas visitas que fizerem às prostitutas ; e como o exame das partes sexuais externas não basta para decidir da não existência do Vírus venereo, por isso deverão eles aplicar a todas o speculum uteri, mandando-as colocar em posição conveniente; também deverão examinar as partes em torno do ânus, e bem assim o nariz, a boca, a garganta, especialmente se houver alguma alteração na voz.

13Seria mui conveniente que, antes de começar a visita, mandasse o facultativo encerrar as mulheres da casa que tem a visitar pelo espaço de dez a doze minutos num quarto separado daquele em que se deve fazer a visita, para que a membrana mucosa possa ter tempo de tornar ao seu estado natural, e o muco que se segrega siga o seu curso regular, que elas podem ter interrompido usando de medicamentos adstringentes e detersivos em lavatórios para ocultar uma blenorragia, etc.

14O intervalo de tempo que deve mediar de uma a outra visita tem sido fixado mui variavelmente segundo as opiniões dos diferentes escritores. Este intervalo está mal fixado nalgumas nações, que na realidade são mutio policiadas a respeito de muitos outros objectos. Consta que em Paris as casas toleradas são visitadas uma vez por semana, e as vagabundas pelas ruas (raccrocheuses) têm uma visita de mês em mês. Não nos podemos conformar com esta prática, que permite um tão longo espaço de tempo de uma a outra visita e que pode ser muito prejudicial ; pois que uma mulher infectada no dia antecedente à visita pode comunicar o contágio por grande número de dias até outra visita, tanto num como noutro caso, o que em verdade se não deve permitir; somos por isso de opinião que as prostitutas sejam visitadas de três em três dias, e não haverá deste modo os inconvenientes que no outro espaço de tempo; porque não temos a segurança de que elas deixam de comunicar com outras pessoas quando se vejam doentes, nem que se denunciem e se recolham ao hospital.

15Julgo não ser compatível com os nossos usos e costumes a possibilidade de existir nas casas públicas das prostitutas uma pessoa com a suficiente inteligência prática das diferentes formas do Virus venereo para proceder ao exame dos órgãos sexuais dos que frequentarem tais casas; não obstante os seus vícios e libertinagem por tais casas frequentarem, julgo que muitas pessoas repugnariam em sujeitar-se a tal inspecção por um pudor que ainda existe em muita gente que aí se dirige; e por uma moralidade que se dá em muitas pessoas que querem e trabalham por encobrir que entram nas casas públicas. Estou por isso bem seguro de que seria impossível conseguir de infinitas pessoas tais visitas, que, em nosso modo de entender, devem ser feitas pelas mesmas mulheres públicas, constando-nos que na verdade nalgumas é por elas este exame feito sempre e infalivelmente a quem bem de perto não conhecem ; e também somos de opinião que todos devem a este exame particular sujeitar-se, sob pena de se retirar, ou não querendo em tal caso serem punidos com multa e prisão, se abusarem dos seus deveres consignados nos regulamentos.

16Por conseguintee, para o fim exposto no parágrafo anterior o facultativo visitante de certo número de casas apresentará umas bem simples e claras instruções sobre a forma do aparecimento ordinário e externo das moléstias venéreas, para que facilmente as mulheres a quem elas devem ser entregues possam conhecer, sem equivocação, quando qualquer indivíduo se acha de qualquer delas acometido. Estas instruções devem ser formadas pelas juntas de que falaremos no artigo imediato, e entregues às donas das casas nos colégios, ou às mesmas mulheres quando vivam sós e isoladas em suas casas; instruções que devem estar públicas nestas casas, bem como os regulamentos.

Artigo 2.°
Estabelecimentos de facultativos para as visitas sanitárias das prostitutas

17Em todas as nações policiadas em que as prostitutas, sendo toleradas, estão sujeitas a regulamentos de polícia deve haver estabelecimentos de facultativos encarregados das suas visitas sanitárias. É mais que evidente que este elemento é absolutamente indispensável neste assunto, pois que, se elas não fossem obrigadas a sujeitar-se a tais visitas e exames, poderiam livremente prapagar os seus males, como hoje fazem em Lisboa, e se não preencheria um dos principais fins para que lhes foram dados os regulamentos policiais, em consequência da sua tolerância.

18Entendo que destas visitas sanitárias feitas às prostitutas de devem encarregar no nosso país os cirurgiões que necessários forem para desempenhar um tal serviço, em certos períodos determinados. Cada um dos cirurgiões deve ter a seu cargo um certo número de mulheres públicas, a quem devem no período determinado passar a competente visita. Estou bem persuadido de que para se desempenhar convenientemente este serviço, cada um dos cirurgiões não poderá ter debaixo da sua inspecção maior número de prostitutas do que umas vinte até trinta, qualquer que seja o número das que estiverem reunidas em colégios ou das isoladas em sua casa.

19Além disso, é preciso atender às qualidades indispensáveis que se devem exigir nos facultativos que se nomearem para este importante serviço; finalmente, que eles atendam com todo o escrúpulo às dificuldades que aparecem muitas vezes para o perfeito diagnóstico das moléstias sifilíticas, o que pode dar no grande mal de se declarar sã uma mulher doente.

20Dividiremos pois este artigo em três objectos especiais: no primeiro trataremos da organização das juntas sanitárias; no segundo das qualidades indispensáveis aos facultativos ; e no terceiro das dificuldades que às vezes aparecem no diagnóstico das moléstias venéreas.

§ 1.°
Organização dos estabelecimentos dos facultativos, ou juntas sanitárias

21A Repartição de Saúde Pública do Reino é a competente para regular em especial todos estes objectos, e somos por isso de opinião que os cirurgiões destinados para tal serviço devem ser propostos pelo Conselho de Saúde Pública, e aprovados pelo Governo, sendo cada um deles encarregado das visitas acima referidas e daquelas que se julgar conveniente. A Administração-Geral, à vista do local da residência das prostitutas e do seu número, fará a distribuição do número determinado por cada um deles, não só para as visitas ordinárias nos dias estabelecidos, mas para as extraordinárias a que forem chamados competentemente, ou pela entrada ou saída de algumas das mulheres das diferentes casas ou por algum outro motivo acidental.

22Metade dos cirurgiões que forem indispensáveis para o desempenho das visitas sanitárias constituirão uma junta sanitária, a que presidirá um facultativo, que o Conselho de Saúde proporá à aprovação do Governo, fazendo as suas vezes, quando for necessário, o cirurgião mais votado pela junta; de secretário servirá também aquele que a junta eleger à pluralidade de votos. Estas juntas se devem reunir duas vezes por mês, e em cada sessão os diferentes membros darão conta dos seus trabalhos e de tudo quanto tiver ocorrido no desempenho das funções dos seus cargos e das providências que julgarem necessário dar-se; e de tudo se dará conhecimento à Repartição Central de Saúde Pública, para ela prover como for necessário, quer pelas suas faculdades legais, quer com proposta ao Governo, às autoridades administrativas ou a outras, segundo a exigência do caso.

23Como noutra parte desta obra mostrámos a utilidade dos estabelecimentos de facultativos para as consultas gratuitas, julgo que estas duas juntas devem ter permanentemente, desde as nove horas até às três da tarde, no local das suas sessões um dos seus membros, distribuídos como as juntas assentarem, a fim de que este satisfaça às consultas que sobre tais enfermidades se lhe quiserem fazer, e isto gratuitamente; este serviço deverá durar enquanto se não estabelecerem as juntas de consultas gratuitas, de que acima falámos. Cada uma das juntas no fim do ano fará o relatório geral dos seus trabalhos e apresentará a estatística médico-cirúrgica com as devidas observações, os melhoramentos que se obtiveram e as providências de que se carece, o que tudo apresentará ao Conselho de Saúde Pública, para ser levado ao conhecimento do Governo.

24A Repartição Central de Saúde Pública lhes dará local no seu estabelecimento para as suas sessões e secretaria, ou o requisitará do Governo quando para isso não tenha as devidas comodidades. As despesas do material da sua secretaria serão supridas pela Administração-Geral a requerimento da junta por via do seu presidente. Por fim, o Conselho de Saúde Pública formará os devidos regulamentos especiais para a junta dirigir as suas sessões, e em geral todos os seus trabalhos, os quais serão previamente autorizados com a aprovação do Governo.

25Ora é bem evidente que os diferentes membros destas juntas sanitárias devem ter os seus competentes ordenados anuais pelos seus mui interessantes serviços, aos quais devem ser proporcionais. Estou persuadido de que a maior parte das vezes que deixam de estabelecer-se certas instituições de reconhecida utilidade pública é em atenção às despesas que elas fazem e é com o que de ordinário argumentam os seus antagonistas. Entretanto em tal caso não deve obstar um tão indiscreto motivo; pois que é bem evidente que, se se não pagar convenientemente aos facultativos, não serão feitas as visitas sanitárias às prostitutas, e sem tais visitas estas mulhere propagarão livremente o Virus venereo e causarão males enormes. E é sem dúvida uma grande decepção tolerarem-se por uma lei as prostitutas sem reprimir quanto possível os ataques à moral pública; seria talvez tão nociva, ou mais, esta legislação do que a sua proibição absoluta.

26Não posso ser de opinião que as prostitutas paguem aos facultativos das juntas pelas visitas sanitárias a elas feitas ; isto não convém de modo algum ; o que se disse desta prática estabelecida na França noutro tempo o não queremos ver reproduzido em Portugal. Os facultativos devem receber simplesmente os seus ordenados pagos pelo cofre competente da Administração Pública aonde se recolhem as contribuições a que as prostitutas devem estar sujeitas, como as multas pela infracção dos regulamentos ; e isto por meio de folhas processadas mensalmente pelo secretário e rubricadas pelo presidente.

§ 2.°
Qualidades indispensáveis aos facultativos encarregados da fiscalização sanitária das prostitutas

27Desde que esta fiscalização começou na França até à época actual houve muitos embaraços e dificuldades que foi preciso vencer para chegar ao estado de perfeição em que se acha ; é mui útil conhecer as dificuldades que outros têm encontrado em certo género de serviço para que quem o começa pela primeira vez as possa obviar quando não dependam de incógnitas especialidades inerentes a cada país, que só a observação pode revelar para se removerem em tempo. São graves e importantes as funções confiadas aos cirurgiões encarregados de tal fiscalização, e por isso não basta que eles sejam ornados dos necessários conhecimentos médico-cirúrgicos para tal fim, são indispensáveis certas qualidades pessoais, sem as quais debalde procuraremos conseguir um bom resultado.

28Primeiro que tudo, é preciso que os facultativos tenham a probidade médico-cirúrgica em toda a sua integridade, e por isso afastem de si todo o espírito de charlatanismo ; pois que nenhuma confiança pode merecer nem ao público, nem a quem o nomeia, um homem que se utilizasse da sua posição para elogiar as suas qualidades profissionais e a sua preferência aos outros. Ora se parece justo que (por exemplo) para a cura das enfermidades venéreas se procurem antes os facultativos das juntas sanitárias, é necessário que esta preferência em os consultar seja fundada na sua reputação pública, e não pela fama que eles de si apregoem. É também indispensável que eles tenham uma moralidade a toda a prova, sem a qual o Conselho de Saúde os não pode nem deve propor ao Governo ; e é mui útil que esta qualidade bem necessária recaia numa idade madura, e especialmente quando o homem se acha já ligado com os laços do casamento.

29Daqui vem a necessidade que eles têm de uma certa reserva nas suas maneiras e palavras, e também no silêncio que devem guardar numa infinita cópia de factos e de anedotas que devem vir ao seu conhecimento neste serviço. O público mal intencionado, sempre disposto a envenenar certas acções e as mais inocentes palavras, se destas não faz caso em pessoas ordinárias, lança um veneno mortal quando se dão em homens colocados em certas posições, que além disso são ambicionadas; e em tal caso um homem de reputação é muitas vezes perdido. Não é bem delicada a posição de um facultativo da Junta, para que ele guarde um inviolável segredo ? Não podem pertencer algumas prostitutas a famílias cujos nomes se devem ocultar ? Não há porventura infinitas pessoas que tomam todas as cautelas para obrarem nas trevas e que não quereriam que pessoa alguma suspeitasse até certos lugares que elas frequentam, e não sabem acaso os facultativos os nomes e posição social destas pessoas e os detalhes mais ocultos e minuciosos de sua conduta ? E que se diria deles se os revelassem ? Podem por isso eles muito comprometer a paz das famílias, e portanto devem ficar seguros de que serão sempre mais severamente julgados do que os outros, para que bem dirijam o seu modo de portar-se.

30A experiência tem sobejamente mostrado na França a necessidade que os facultativos têm de pôr em prática grande suavidade nas palavras e nas acções para com estas mulheres; as prostitutas, cheias de humilhação, entregues ao desprezo, e sentindo-o vivamente, sabem apreciar as maneiras suaves e brandas de que se usa para com elas e a que são reconhecidas em extremo; nada melhor para as sujeitar ao cumprimento de todos os seus deveres. Refere-se que um cirurgião num hospital de Paris as tratava sempre com dureza e com desprezo, e que até as maltratava ; em resultado disto, elas faziam o contrário de tudo que se lhes ordenava, usavam de mil astúcias e estratagemas para passar para outra enfermaria; houve enfim revoltas, a que foi preciso intervir a força armada, e até houve ferimentos. Mas esta espécie de familiaridade deve combinar-se com a dignidade, a gravidade e o respeito que delas deve exigir o facultativo, e que elas lhe não recusarão ; e tanto que no dispensário em Paris elas nunca se formalizam, estando sempre em pé diante dos médicos que as visitam.

31Os facultativos devem sempre mostrar grande modéstia nas visitas, onde quer que elas se façam, seja nas salas da junta sanitária, seja na casa de correcção ou nas suas próprias casas ; as prostitutas devem ser por eles visitadas uma a uma em quarto separado, sem que ninguém esteja presente, nem mesmo alguma das suas companheiras. Esta conduta, seguida por dilatados tempos em Paris, tem produzido notáveis melhoramentos no espírito das prostitutas, de sorte que as mulheres de hoje diferem imenso das antigas quanto ao seu porte honesto e decente, que a polícia exige ; e será este mais um bem, quanto à moral que se faz às prostitutas, além dos seus cuidados sanitários.

§ 3.°
Dificuldade que apresenta em alguns casos o diagnóstico das moléstias venéreas, e da conduta dos facultativos em tal caso

32Ainda que suponhamos com a suficiente instrução a todos os facultativos que se houverem de nomear para as visitas sanitárias das prostitutas e ainda que pareçam fáceis a reconheceer todos os sintomas que caracterizam a moléstia venérea, casos se têm repetidas vezes apresentado nos países em que esta prática está estabelecida em que eles não podem decidir se a mulher está sã ou doente, e por isso dar-lhe liberdade ou mandá-la pôr em observação. Tratando-se das visitas nas casas públicas, dando-se um caso de dúvida, o facultativo deve advertir a dona da casa para que separe essa mulher das outras e não consinta que pessoa alguma tenha com ela comunicação ; depois de passados os dias que ele julgar conveniente, pedirá a algum dos seus colegas da junta que a visite na sua companhia. Se depois disto se decidir que ela está sã e constar que tivera a vedada comunicação, deve ser punida com prisão a dona da casa, e se se achar doente deve esta prisão ser muito mais prolongada.

33Na França tem acontecido muitas vezes não poder decidir-se do seu estado depois do primeiro tempo marcado para a observação, e este se tem repetido três e quatro vezes. Julgo conveniente dizer que, dando-se estas dúvidas em 886 no espaço de oito anos, foram elas por pústulas – 283 vezes ; por bubões – 28 ; por vegetações – 67 ; por evacuações – 26; por escoriações – 59 ; por ulcerações –145; por cancros – 266 ; por sarna – 8 ; por fístulas – 4. Ora, como é um facto que ulcerações e escoriações são de ordinário o princípio dos cancros, reunindo estes sintomas, vemos que foram 470 o maior número em que versaram as dúvidas. São por isso os cancros venéreos aqueles que se apresentam com um carácter mais insidioso.

34Há uma incerteza de um outro género, que apresenta em alguns casos o estado destas mulheres; a repetição da mesma doença deixa sobre o local em que tinha existido uma certa alteração que toma a forma anterior e não é contagiosa; como são certas ulcerações, que resistem ao mais bem indicado tratamento, certas excrescências secas, porém especialmente certas escoriações e evacuações que se julgam graves e não são de ordinário senão filhas de uma causa mecânica. Viu-se no país referido que um grande número de mulheres saindo do hospital ou da prisão onde estiveram por tempos entregues logo a toda a violência e excesso dos seus deboches, aparecerem-lhes lesões, reputadas venéreas, mas que se extinguiram, e extinguem sempre, depois de certo espaço de tempo de repouso e de sossego nestes deboches. São estes estados que estabelecem muitas vezes dissidência entre os médicos dos diferentes estabelecimentos.

35É, por conseguinte, indispensável um hábito particular para o diagnóstico das moléstias especiais às mulheres públicas, o que se não adquire senão com o tempo e com o hábito da observação ; e por isso as funções que devem ser confiadas a estes facultativos não são meramente mecânicas, mas peníveis e desgostantes e também exigem uma instrução especial, obtida só com a experiência.

Notes

1 As visitas sanitárias feitas pelos facultativos às prostitutas em Paris têm lugar num estabelecimento público chamado Dispensário, onde elas devem ir em certos períodos para este fim. No começo destes cuidados sanitários (que tiveram lugar no princípio do presente século) as visitas eram feitas em seus domicílios particulares; apareceram alguns inconvenientes, e então se começou num estabelecimento para este fim, com o nome referido, o que teve lugar em Dezembro de 1802. Estou convencido de que entre nós deve existir um igual estabelecimento para as visitas sanitárias das prostitutas, e que aí devem ser inspeccionadas pelos facultativos ; no entanto, proponho as visitas no domicílio respectivo. O Governo optará qual dos meios é preferível ; em objectos novos, quanto mais estabelecimentos se formam, novos obstáculos aparecem pelas despesas que consigo se presume trazerem. Entretanto o tempo mostrará que mais vantagens resultarão da formação de um Dispensário entre nós. (Parent-Duchatelet, De la Prost. dans la ville de Paris, etc., p. 202, edição de Bruxelas.)

© Etnográfica Press, 1984

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search