Version classiqueVersion mobile

Da prostituição na cidade de Lisboa

 | 
Francisco Ignácio dos Santos Cruz

Secção segunda

Do Virus venereo

Texte intégral

1Tratando da prostituição na cidade de Lisboa, ou de considerações higiénicas e administrativas sobre prostitutas em atenção à moral e à saúde pública, não podemos deixar de falar nos males que as mesmas prostitutas têm causado assim à moral pública como à saúde, e apresentar os meios não só de prevenir como de curar estes males. Não podemos duvidar de que a prostituição é um terrível veneno das sociedades, que infecta a moral, que a escandaliza e que mortalmente a fere, se se não encadeiam e se se não limitam os seus progressos e marcha pública. Na antecedente secção, tratando das prostitutas, tocámos em alguns destes objectos ; na presente secção mais particularmente trataremos dos males que à sociedade causam as prostitutas, assim como dos meios de os remediar e prevenir.

2Estes males são as enfermidades que estas mulheres públicas propagam, e o Virus venereo, este terrível veneno que com tanta frequência se transmite pelo coito impuro. Não podemos pois deixar de tratar de tais enfermidades tratando das prostitutas, não só para que estas sejam curadas, mas também para que aquelas se previnam quanto possível for. Dividiremos pois esta secção em três capítulos. No primeiro trataremos da parte histórica do Virus venereo, da sua contagiabilidade e dos males que ele causa às presentes, e vai causar às futuras gerações ; no segundo exporemos os meios que têm uma poderosa influência no incremento e propagação deste contágio ; finalmente, no terceiro, apresentaremos os meios que julgamos capazes de diminuir a sua propagação e até de concorrer para a sua extinção.

© Etnográfica Press, 1984

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search