Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Senhores de Si

 | 
Miguel Vale de Almeida

Posfácio para a 2.a edição

Miguel Vale de Almeida

Texte intégral

  • 1 1996, The Hegemonic Male: Masculinity in a Portuguese Town. Oxford e Providence: Berghahn Books. Pu (...)

1Faz quase uma década que estive em Pardais realizando o trabalho de campo que conduziu à redacção deste livro. A primeira edição, de 1995, viria a ser reescrita em inglês e publicada em 19961, com algumas alterações na forma de organização dos capítulos. Entretanto, a edição portuguesa viria a conhecer considerável aceitação no Brasil, onde os estudos de masculinidade tiveram um forte incremento.

  • 2 1996 (ed.), Corpo Presente: Treze Reflexões Antropológicas sobre o Corpo, Oeiras: Celta.

2Na sequência de «Senhores de Si» — e tentando dar conta de um dossier deixado em aberto na sua redacção — organizei um livro, com contributos de vários antropólogos portugueses, em torno da Antropologia do Corpo e da Incorporação2. Este livro marcou o meu interesse pela questão da naturalização do poder, num sentido mais abrangente do que o género ou a masculinidade.

3Em 1997-1998 fiz trabalho de campo numa cidade da Bahia, Brasil, sobre a emergência do movimento negro local e questões de etnopolítica e política da representação cultural. A «raça» ocupa nesse trabalho (no prelo) um lugar central, mas não enquanto categoria analítica (que não é, ao contrário do género), antes como categoria do senso comum.

  • 3 1997, «Gender, Masculinity and Power in Southern Portugal», Social Anthropology, 5 (2): 141-158.

4Este percurso temático, teórico e etnográfico afastou-me, naturalmente, da área do género, no sentido em que não tenho acompanhado com toda a atenção os desenvolvimentos recentes. Por isso não teria cabimento escrever um posfácio «revisionista», legítimo nos casos em que o autor prosseguiu com o mesmo assunto de pesquisa. Resolvi, antes, incluir passagens de um artigo publicado em 19973, no qual abordo algumas ideias que — dentro do âmbito das escolhas feitas e da bibliografia utilizada na primeira edição — julguei então não terem sido nela bem demarcadas.

5Creio, todavia, que devo manter esta segunda edição sem alterações: os livros são, apesar de tudo, produtos de uma época e de um contexto, não só social como biograficamente. E os inúmeros pedidos de exemplares deste livro feitos por alunos, alunas e colegas, sobretudo brasileiros, serão assim satisfeitos, com o meu não pouco espantado agradecimento.

6Extracto de «Gender, Masculinity and Power in Southern Portugal» (1997), ou «Os parágrafos que gostaria de ter acrescentado à primeira edição de Senhores de Si»…

  • 4 Cornwall, A. e N. Lindisfarne, eds., 1994, Dislocating masculinity — Comparative ethnographies, Lon (...)

71. O exame de situações de interacção criadoras e apresentadoras de noções de masculinidade permite, pois, perceber a relação entre múltiplas identidades de género e o poder. Strathern (1988) perguntava-se como as pessoas são «engendered» (isto é, constituídas com um género) através da interacção, ou seja, como é que as noções de diferença anatómica e fisiológica são construídas, incorporadas e transformadas através do contacto sexual ou da paternidade e maternidade. Cornwall e Lindisfarne (1994)4 pegam nesta questão e defendem a utilidade da distinção entre marcadores directos e contingentes. Os primeiros são inequívocos, símbolos categóricos de género, como os pronomes «ele» ou «ela». Os segundos são não-exclusivos, ligados a outras ideias de forma probabilística e não determinada. Por exemplo, a agressividade, além de suposto atributo masculino, pode também ser atributo de uma certa idade, de um certo estado de saúde, de um tipo de personalidade. É por isso que elas sugerem três prioridades para os estudos de masculinidade: o estudo dos processos de atribuição de género; das metáforas de género no poder; e das relações entre masculinidades dominantes e subordinadas. «Senhores de Si» poderia recomeçar a partir destas sugestões….

82. Outra questão relevante é o cuidado com que a banalizada expressão «construção social» deve ser usada. Porque na posição construcionista, tal como nas teorias da socialização, as categorias de género parecem pressupor uma dicotomia de género incontornável, a qual só poderá, logicamente, assentar sobre uma diferença biológica de tipo essencialista. Ora, a diferença biológica é, ela mesma, histórica e culturalmente relativa (ver Laqueur, 1990). Segundo Cornwall e Lindisfarne, a posição construcionista apresenta vários problemas: deixa-nos com as categorias dicotómicas de homens e mulheres; parte do princípio de que existem indivíduos unitários mas por (con)formar através dos papéis de género e da socialização; recusando o sexo, afastasse de uma análise da incorporação e da constituição do corpo (e, a meu ver, não abordando como o sexo é «construído»); ao localizar o género na pessoa unitária, reproduz ideias ocidentais sobre o indivíduo e a lógica mercantil; e, por fim, as relações entre homens e mulheres são vistas em termos de entidades polarizadas e fixas. Eu acrescentaria que impede que se perceba a dinâmica polifacetada (e mesmo fragmentada) das masculinidades e feminilidades e o próprio uso destes termos como operadores metafóricos para o poder e a diferenciação mesmo a níveis que não os do sexo e género. Também aqui, «Senhores de Si» talvez tenha revelado alguma excessiva confiança na abordagem construcionista.

93. Poderemos continuar a falar apenas de cultura, sem levar em linha de conta os aspectos evolutivos e biológicos? Se não, teremos de recorrer à etologia ou às ciências da vida para estabelecermos pontes? Eventualmente, mas não necessariamente. No campo das ciências sociais há formas pouco exploradas de compreender a constituição dos sujeitos incorporados que são especialmente ricas para elucidar o carácter resistente (porque essencialista) das categorias de género. Bourdieu, focando em aspectos da prática, e Merleau-Ponty, em aspectos da percepção, são possíveis bases para teorias da incorporação que ajudem a transpor as dualidades tradicionais entre sujeito e objecto, por um lado, e estrutura e prática, por outro (Csordas, 1990). Para Bourdieu trata-se de delinear uma terceira ordem de conhecimento, para lá da fenomenologia e para lá de uma ciência das condições objectivas da vida social. Como Merleau-Ponty, procura deslocar o estudo desde a percepção dos objectos para o processo de objectivação. Tal levaria ao colapso das dualidades corpo-mente e signo-significado no conceito de habitus — não como colecção de práticas mas como princípio inconsciente e colectivamente inculcado para a geração e estruturação de práticas e representações. Ora, parece-me que o género é precisamente um processo de objectificação das relações sociais, simplificando complexidade destas e localizando nos corpos de homens e mulheres características de agência e poder que não lhes são inerentes. Importa pois identificar esses habitus que, sedeados no sujeito incorporado, reproduzem o género e o potenciam para «falar» do poder noutras relações sociais, como o trabalho, a política, as expressões emocionais.

104. Para Strathern — que a partir do género tem empreendido um questionamento do feminismo, do pensamento pós-moderno, das próprias noções de pessoa, agência, sociedade e cultura — o género é uma categoria aberta. Ela entende-o como uma «categorization of persons, artifacts, events (and) sequences (…) which draw upon sexual imagery (and) make concrete people’s ideas about the nature of social relationships» (1988: ix).

11Strathern está preocupada em focar como a diferença de género é construída, prestando atenção a discursos locais sobre agência, causalidade, pessoa e identidade. É por isso que ela diz que «idealized masculinity is not necessarily just about relations between the sexes either» (1988: 65), mas sim parte de um sistema de produção da diferença. Dai o uso da noção de «dividual», que aborda os seres humanos como tendo fronteiras permeáveis, experimentando um movimento constante entre diferentes aspectos da vida social. O género seria então um desses movimentos. Assim, «Being ‘male’ or being ‘female’ emerges as a holistic unitary state only in particular circumstances (…) each male or female form may be regarded as containing within it a suppressed, composite identity» (1988: 14.15).

12Seria a «lógica da mercadoria» que nos predisporia para o fascínio com os atributos das coisas e para localizar a posse, a propriedade, o controlo e as ideias de poder numa relação directa entre atributos concretos e o indivíduo unitário (1988: 338).

13Os aspectos transformacionais do género são por ela tratados com a noção de «impingement», isto é, os efeitos das pessoas umas sobre as outras. É uma noção descritiva e, ao contrário de «poder», não se associa automaticamente nem com homens nem com a dominação social, podendo descrever qualquer transacção social. Neste sentido, qualquer acção é inerentemente «forçada» — um acto de dominação (1988: 327). Um conceito complementar a «dividuation» e «impingement», é o de «replication», a propósito do carácter colectivo das relações entre pessoas do mesmo sexo. Em situações de «replication» o sexo excluído está implicitamente presente. Quanto mais não seja está presente em artefactos ou nas partes do corpo que incorporam o outro sexo (1988: 121).

145. «Dividuation», «impingement», «replication»: os homens deste livro são «dividuals» que nem sempre agem a partir da justificativa de «serem homens», mas com justificativas como as de serem «trabalhador», «pobre», «marido» ou «amigo». Mas nas interacções e disputas pelo poder, a ideologia da masculinidade hegemónica é um fortíssimo instrumento de «impingement». Dai as contaminações semânticas entre ideologia da masculinidade e da desigualdade social ou de poder. E é no processo de «replication», como acontece nas situações de homossociabilidade, que se dá a construção da categoria masculina, mesmo que — ou, se calhar, porque — «os homens não são todos iguais», mesmo quando o modelo hegemónico diz que «um homem é um homem».

15Como o têm demonstrado os movimentos políticos contemporâneos em torno da política sexual, a criação de uma nova hegemonia terá de passar pelo desmembramento da compactação entre «género», «homens» e «mulheres», e «poder», de modo semelhante ao que aconteceu na revolução moderna ao separar-se «estatuto de ‘pessoa’» e lugar na hierarquia social. Tanto na prática social, como na ciência social parecemos estar, pois, à espera de uma revolução paradigmática.

16Fevereiro de 2000.

Notes

1 1996, The Hegemonic Male: Masculinity in a Portuguese Town. Oxford e Providence: Berghahn Books. Publicado em paperback e hardback. Eleito «Outstanding Academic Book of the Year», 1997, pela revista Choice.

2 1996 (ed.), Corpo Presente: Treze Reflexões Antropológicas sobre o Corpo, Oeiras: Celta.

3 1997, «Gender, Masculinity and Power in Southern Portugal», Social Anthropology, 5 (2): 141-158.

4 Cornwall, A. e N. Lindisfarne, eds., 1994, Dislocating masculinity — Comparative ethnographies, Londres, Routledge.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr