Version classiqueVersion mobile

Da prostituição na cidade de Lisboa

 | 
Francisco Ignácio dos Santos Cruz

Secção primeira

Capítulo IV. Costumes, hábitos, etc., das prostitutas

Texte intégral

1Este capítulo é de muita importância, pois que não poderemos bem estabelecer os devidos regulamentos policiais sanitários e concorrer para as reformas e melhoramentos que há a fazer sobre as prostitutas, sem bem as conhecer, e para bem as conhecer é preciso estudar os seus hábitos e costumes, os seus gostos, as suas boas ou más qualidades, e por fim tudo o que lhe for relativo. Talvez seja este o objecto mais desconhecido e mais obscuro sobre a história das prostitutas em Lisboa ; pois que, se destas mulheres nada se tem transmitido em forma desde os antigos tempos até hoje, muito menos se nos diria sobre este assunto especial, para o qual seria preciso estar em contacto imediato com elas para de perto as estudar e conhecer. Por conseguinte, quando as prostitutas forem obrigadas pelas leis policiais a comparecer perante a Administração, os empregados da Saúde, os tribunais de correcção, nos hospitais especiais, nas casas de refúgio, etc., e aí se estudarem os seus costumes e hábitos, poderemos então com perfeito conhecimento de causa saber a seu respeito o que muito agora conviria dizer com a devida amplitude ; por isso pouco diremos sobre esta particularidade das prostitutas, e só o que nos tem sido fornecido por informações que temos solicitado das donas de casa e de pessoas que estão habituadas a estar com elas em contacto mais imediato.

2Muitas são as causas que influem em geral sobre o carácter, costumes e hábitos dos povos ; não se pode duvidar que eles são diferentes nas diferentes nações. Entre as causas influentes uma delas é sem dúvida o clima ; além desta há outras, como a diversa forma de governo, a educação que se tem dado aos povos, etc. Por conseguinte, neste assunto especial podem muito diversificar as prostitutas em Londres, em Paris, em Bruxelas ou em Lisboa, nem também devemos ajuizar do carácter de todas as prostitutas, pelo que apresenta o bando das mais miseráveis e das mais baixas desta classe de gente, a quem a educação e a posição em que se acham fazem apresentar mui diferentes costumes. Este capítulo será dividido nos seguintes artigos, e começaremos pelos seus sentimentos religiosos, moralidade e boas qualidades.

Artigo 1.°
Sentimentos religiosos, pejo, suas boas qualidades e seus defeitos

§ 1.°
Sentimentos religiosos

3Portugal foi sempre um país eminentemente religioso, para o que muito concorreu sempre a forma de governo que teve desde os mais antigos tempos ; por isso a educação religiosa foi sempre dada exemplarmente em todas as classes do povo português, e transmitido de pais a filhos e devido respeito a todos os actos religiosos, e não menos eficazmente nas baixas classes do povo, das quais saem as prostitutas, com mui raras excepções ; por isso posso asseverar que não se encontra nestas mulheres públicas em Lisboa o que dizem os escritores destas mulheres em Paris, muitas das quais dizem ter uma ignorância profunda nos objectos religiosos, havendo algumas que apenas tinham o conhecimento e o sentimento da Divindade. Não é assim das mulheres portuguesas. Todas elas não só têm um inteiro conhecimento e sentimento da Divindade, mas estão instruídas nas práticas ordinárias do culto externo ; sabem perfeitamente que há dias santificados, em que se deve ouvir missa, sabem muito bem em que tempo se devem confessar e receber a comunhão ; que devem rezar ; que devem tratar com respeito e veneração os actos públicos da religião, os seus santos, os ministros do culto ; elas têm também um perfeito conhecimento de que devem ter um resultado futuro das boas ou más acções praticadas neste mundo durante a vida, etc. ; nada disto é por elas ignorado, a nenhuma com tal ignorância me consta se tenha encontrado, antes a muitas se encontram até instruídas nas orações e doutrina cristã. Mas é seu fado ; miseráveis ; elas desmentem tudo com as suas torpezas !

4Com efeito (as da primeira e segunda ordem), no recinto das suas casas, na sua plena liberdade e na companhia dos maus sujeitos que as frequentam, não se poupam a pronunciar palavras indignas e obscenas, contrárias aos bons costumes e aos preceitos religiosos, a mofar até destes preceitos, a maioria delas não os executando, apesar de os conhecerem. Parece incrível que algumas das mulheres destas duas ordens, postas nas ruas, e mesmo às janelas muitas vezes, com grande impostura de honestidade e de decência pública, seja em suas casas tão desonestas e desbochadas que ferem, e até enojam, a muitos dos que as frequentam, mas encontram-se algumas excepções. Quanto, porém, a essa ralé das prostitutas, que divagam à noite pelas ruas da cidade, elas não têm pejo de pronunciar essas palavras obscenas e indecentes umas para as outras, ou para os libertinos que as procuram e as acompanham, ou isto nas ruas que habitam ou pelas outras que frequentam.

5Enquanto se verifica o que fica referido, é justo dizer que do seu coração não estão riscados os sentimentos religiosos, pois há muitas que desenvolvem em diferentes ocasiões até muita devoção. Conheço uma dona de casa que tem um bem arranjado oratório com um crucifixo e várias imagens de santos ; de ordinário em todas as noites nele se acende uma luz e ela vai rezar as suas devoções, no que uma ou outra das mulheres que tem em casa a acompanham neste oratório uma das raparigas que tinha em casa em 1837 acendia de quando em quando uma vela à imagem de Nossa Senhora das Dores ou à de Santa Maria Madalena ; em muitas outras casas se verifica o mesmo.

6Sei também, com toda a segurança, de uma dona de casa que tinha com o ofício de prostituta em sua companhia uma sua filha, e mais uma ou duas raparigas, e cuja filha esteve mui perigosa num parto laborioso, e tanto ela como as suas companheiras estavam dispostas, se o mal progredisse, a ministrar-lhe todos os socorros espirituais, para cujo recebimento ela estava com devoção. Será para mim sempre imemorável a maneira como se portou uma destas mulheres das mais elevadas da segunda ordem que vivia só em sua casa e que, em consequência de abusos e indiscrições praticadas no seu indigno ofício me chamou para a tratar de um violento catarro, que logo passou a uma peripneumonia, e ela se pôs em perigo ; falei-lhe então em socorros espirituais, o que na sua alma fez uma violenta impressão, e a que me disse que estava pronta, no meio de uma torrente de lágrimas ; julguei não dever exacerbar mais o seu estado, como vi no dia seguinte assim ter acontecido ; porém, a moléstia foi a passos largos marchando para uma feliz terminação.

7Depois de completamente restabelecida, lhe perguntei porque a tinha tanto afligido aconselhar-lhe eu o lançar mão dos socorros espirituais. Ela me respondeu (próprias palavras suas) : « Há três ou quatro anos que me não confesso, conheço o mal que tenho feito, mas para que hei-de eu ir confessar-me ? Para que hei-de eu ir mentir, e por isso escarnecer do ministro do culto ? Eu não posso por agora tirar-me desta miserável vida, e não me confesso enquanto dela me não tirar, para o que trabalho ; se me confessasse quando estive doente, tinha já findado esta má vida, não sei o que teria sido de mim ; nem então a minha casa devia vir um pároco e muito menos o sacramento ; se isto acontecesse, estavam acabados os meus deboches, ainda que morresse de fome [...]. »

8Consta-me que muitas existem destes sentimentos ; muitas delas vão sempre à missa quando o tempo o permite ; algumas há que vão à confissão ; elas prostram os joelhos em terra quando passa alguma procissão ou o sacramento para algum enfermo, elas dão sinais de adoração. No hospital não recusam os socorros espirituais, elas os abraçam ardentemente, segundo me consta. Muitos factos existem a este respeito, e que por mais me não alongar os não repito, mas que todos provam terem elas um sentimento religioso que não está inteiramente riscado do seu coração. Conheci uma da primeira ordem que sempre se portou com decência pública e que era muitas vezes observada, das casas fronteiras à sua, andar à noite a passear numa sala com umas contas na mão a rezar ; esta mulher no princípio do ano de 1840 se recolheu a um convento. Estou bem certo de que se em Portugal houvesse uma casa de refúgio bem organizada, a ela concorreriam muitas prostitutas.

§ 2.°
Se têm ainda alguns vestígios de pejo

9Quem passar pelas ruas das Madres, de Vicente Borga, do Pasteleiro, ou pelas ruas da Amendoeira, da Guia, do Capelão, ou por outras que tais, quem for mesmo à noite a certos sítios da cidade, como à Ribeira Nova, Cais do Sodré, ou passar pela Travessa da Palha, e pelas da Assunção, de Santa Justa, ou for ao Rossio, etc., e escutar o que estas miseráveis que frequentam aqueles lugares dizem algumas vezes uma para as outras, ou para os maus sujeitos que as acompanham e a elas se chegam, então nos persuadimos de que nelas está riscado até o mais pequeno sentimento de pejo e de vergonha. Entretanto nem por esta ralé das prostitutas devemos medir todas as outras, nem mesmo nestas, apesar dos seus deboches e desenfreada libertinagem, devemos asseverar que está completamente riscado todo o sentimento de pejo.

10Pois que, observando-as mais de perto, vemos que estas vagabundas pelas ruas, fora do caso de embriaguez, não soltam estas palavras quando passam algumas pessoas que elas julgam honestas, e muito menos quando estas pessoas são do seu sexo, ou mesmo se as julgam estar pelas janelas. Tenho observado que umas repreendem a indiscrição das outras quando soltam estas palavras impudicas e obscenas. Nas ruas acima referidas estas mulheres travam-se de razões umas com as outras, descompõem-se, injuriam-se, reciprocamente, e se por acaso vão às mãos, rasgam os vestidos e descobrem os peitos, têm logo muito cuidado de os cobrir, ou o fazem às outras quando isto observam. Esta mesma ralé das prostitutas nas ruas imundas que habitam não praticam publicamente de dia qualquer acção indecente com os libertinos e vadios que as procuram quando presumem ser observadas por pessoas honestas.

11Quanto às da primeira e segunda ordem, ou àquelas que vivem sós e isoladas nas suas casas, ou em forma de colégio, quando de dia saem, afectam decência e honestidade e nunca pertendem parecer aquilo que são, especialmente na presença das pessoas honestas do seu sexo, a quem elas pretendem imitar nesta decência e honestidade, mas que os inteligentes facilmente conhecem pelo seu andar e maneiras, ou pelas criadas, que às vezes as acompanham ; algumas porém, quando vão sós, ou com outra companheira, e aparecem nos passeios ou praças públicas, apresentam-se vestidas com decência e segundo o gosto mais moderno, e às vezes com luxo, fingindo quanto podem grande honestidade, para que as confundam com as outras do seu sexo e não sejam como tais reconhecidas.

12Podemos, finalmente, asseverar que, apesar de muito debochadas, as prostitutas da terceira ordem não perderam inteiramente os sentimentos de pejo e de vergonha ; e é justo confessar que não observamos nas prostitutas em Lisboa nem mesmo nas mais baixas desta classe as torpezas e as indignidades que os diferentes escritores nos referem a respeito de Londres e Paris, e mesmo os viajantes que têm ido a esses países. Haverá entre nós mais moralidade ? Não permitirão tais escândalos os nossos antigos costumes ? É possível que assim seja ; mas é também um facto que a tal respeito os costumes em Paris estão muito melhorados pela Administração em relação ao que se passava em mais antigos tempos.

§ 3.°
Boas qualidades e defeitos das prostitutas

13Boas qualidades – Não pode duvidar-se de que as prostitutas estão persuadidas de que são todas tidas e tratadas pelas pessoas honestas não só com pura indiferença, mas até com desprezo, e que se julgam uns entes abandonados por todo o mundo. Entregues à sua miserável sorte ; confessam isto, e quando alguns desgostos e desordens domésticas as cercam, exclamam contra o seu estado e exprobram, contra quem foi a causa de sua má vida, e de ordinário a atribuem a alguém que a isso as induziu, e enganou ou ao descuido e frouxidão de quem as governava como diremos quando tratarmos das causas da prostituição pública no nosso país. Elas persuadem-se de que não desafiam a comiseração de pessoa alguma em relação à sua vida libertina e escandalosa, e é sem dúvida esta uma forte razão que as obriga a ajudarem-se e socorrem-se mutuamente. Esta boa qualidade têm-na as prostitutas umas para com as outras, e este espírito de recíproca caridade transcende muitas vezes às outras pessoas, a ponto de fazerem todo o bem que podem e às vezes mais do que lhes é possível.

14A doente de que falei no prefácio antecedente era de ordinário tratada por duas companheiras suas no ofício e tinha das outras frequentes visitas com promessas de socorro. Nada lhe faltava e isto com eficaz deligência. Consta-me ter lugar muitas vezes este procedimento das prostitutas umas para com as outras quando se acham doentes e é então que as companheiras se esmeram em lhes prestar os seus serviços. Ora, no estado de moléstia quase sempre são desprezadas e expulsas pelas donas de casa as prostitutas de Paris, como diz Duchatelet, porque então elas lhes não dão interesses, ocupam-lhes os quartos e fazem-lhes despesas. Então elas lhes devem pagar e fazer as despesas do tratamento ou logo recolher-se ao hospital, excepto nos casos pouco frequentes de uma ou outra de quem pelos dotes da sua formosura esperam ainda lucros a quem não querem perder. Entre nós não acontece isto : as da primeira ordem tratam-se sempre em casa ; as da segunda também é o ordinário serem pelas donas de casa tratadas em casa, e depois lá lhes vão pagando a pouco e pouco, salvo quando é mui prolongada a moléstia ; e as miseráveis da terceira lá vão todas ter ao hospital, por nada terem senão miséria. Tocaremos neste objecto quando tratarmos das donas de casa.

15As prostitutas também se socorrem mutuamente com vestidos, quando deles absolutamente carecem, e especialmente quando se encontram em estado de miséria. Fui informado com verdade de que uma rapariga, estando com outras numa das principais casas de segunda ordem, se tratava com muito asseio e até com algum luxo ; uma moléstia venérea a fez vender quase todos os seus fatos até que se recolheu ao hospital. Ao sair do hospital foi-se meter por falta de fatos com as prostitutas do Bairro Alto, chegando a ponto de não ter um vestido. Entretanto, suas antigas companheiras a chamaram, todas se quotizaram cada uma com um traste seu, e saiu perfeitamente vestida e bem fornecida ; ela, porém, continuou, e continua ainda, com a mesma ralé das prostitutas contra a vontade das outras.

16Tenho observado muitas vezes que elas aos mendigos que andam pelas ruas invocando em voz alta a caridade dos fiéis lançam das janelas as suas esmolas, e algumas tão avultadas como as pessoas que têm para isso as possibilidades que elas não têm. Elas mesmas em suas casas dão esmolas aos pobrese que aí lhas vão pedir, e mesmo algumas as enviam a famílias que sabem ter necessidade de socorros.

17Parent-Duchatelet, tratando deste objecto, diz que as prostitutas em Paris, além destas boas qualidades, têm muitas outras ; pois que, geralmente falando, as mulheres solteiras que infelizmente se acham nas circunstâncias de ser amas desempenham melhor este serviço do que as mesmas casadas (o que custa a crer), e são elas para com muitas famílias a estas preferíveis para a criação dos seus filhos ; mas, diz ele, que as prostitutas ainda merecem mais estima para o mesmo fim e que têm esta bela qualidade : estimam os filhos que criam, empregando neles todos os seus cuidados e desvelos. Diz que o estado de prenhez as não inquieta ordinariamente, e que outras o estimam ardentemente, pelo prazer de serem mães e terem um filho, a quem elas amam extremamente. Não é, porém, isto o que entre nós geralmente se observa, segundo as informações que pude coligir : as prostitutas são ordinariamente pouco fecundas e muito se desgostam quando se acham no estado de prenhez, que deligenciam muitas vezes desmanchar para se livrarem de um fardo que as oprime e incomoda ; elas em geral abandonam os seus filhos à roda dos expostos ; se uma ou outra os cria, é levada por vistas de um interesse qualquer e não por extremo de amor, nem este elas mostram na sua criação. Há algumas excepções a esta marcha geral e ordinária ; e de alguns factos, se bem que raros, fui informado, em que algumas prostitutas mostram um vivo interesse no estado de prenhez e um extremo amor de seus filhos, que com muito prazer criaram e educaram, mas são mui raros estes casos, e ordinariamente se verifica o que a seu respeito fica dito ; no entanto, um facultativo de todo o conceito me notou ter tratado uma prostituta de uma peritonitis, que ele mais atribuiu ao estado de desgosto e de inquietação que lhe motivou a perda do filho, falecido aos oito dias de nascido e com o que ela esteve em perigo.

18É, porém, um facto que elas mutuamente se socorrem quando se acham no estado de gravidez ; e quando têm o seu parto, são pelas outras eficazmente ajudadas e socorridas, como o recém-nascido ; entretanto é isto raro porque, quando o parto está próximo, elas se recolhem ao hospital, onde ele tem lugar, e algumas donas de casa a isto obrigam as prostitutas, porque de ordinário são ambiciosas e sem grandes lucros não fazem bem algum às mulheres que têm em casa.

19Algumas das que conservam os seus filhos, e os educam quando eles já são grandes, cuidam quanto podem de lhes ocultar o seu indigno ofício ; algumas educam bem os filhos que têm e põem muita reserva no exercício da libertinagem, para por eles não serem observadas. Conheci uma prostituta em Coimbra que tinha possibilidades, mandou educar uma filha, no Convento de Pereira, no campo daquela cidade ; outras muito mal os educam, vivem com eles e não lhes ocultam o seu ofício.

20Defeitos particulares das prostitutas – Um dos grandes defeitos que se encontra nas prostitutas das mais baixas ordens é de ordinário uma extrema imundície. Elas não têm cuidado em lavar o corpo, nem tão-pouco os seus fatos, que vestem sujos e imundos, e ainda que se rasguem, muitas delas assim os trazem. São quanto é possível desmazeladas e sujas ; quando estão no interior das suas casas e fora das vistas do público, então se observam bem estes seus defeitos. Não acontece, porém, assim às da primeira e segunda ordem, e muito menos às da primeira ; ou por necessidade do ganho ou por inclinação, quase todas são asseadas no corpo e vestidos, que têm sempre nos arranjos da moda e do luxo. Podemos asseverar ser isto antes devido à necessidade que têm de obter os seus lucros do que a um cuidado especial seu, porque, geralmente falando, são descuidadas a todos os respeitos. Se abandonassem esta limpeza e este trem, não seriam frequentadas senão por aqueles que procuram as da mais baixa ordem, como lhes acontece quando, por qualquer causa que lhes faz perder o seu asseio e luxo, elas se abandonam e passam para a categoria da ralé ; muitas se observam aí com estas metamorfoses : vêem-se mais prostitutas que viviam asseadas e com luxo nas casas da segunda ordem passarem às imundas do Bairro Alto e da Rua das Atafonas do que o inverso. Estas metamorfoses às vezes são rápidas e só se explicam porque contraem o vício da embriaguez, ou o mal venéreo, cujo curativo abandonam : em 1837 vi uma mulher passar da Rua Oriental do Passeio Público para a Travessa do Conde de Soure, e uma da Rua do Loreto para a Rua das Atafonas em mui poucos meses pelos motivos acima expostos.

21Um dos resultados que a falta de asseio e limpeza do corpo e vestidos produz nas prostitutas mais baixas é, além de terem em abundância nojentos insectos, conservarem a sarna quase que constantemente. Em grande parte delas é quase habitual, o que não admira, suposta a sua imundície, que não depende tanto da sua pobreza como do seu natural desmazelo e abuso do vinho e demais líquidos espirituosos.

22Uma notável intemperança nas comidas e bebidas é outro defeito próprio das prostitutas. Numas, porém, é mais frequente do que noutras : todas elas, seja qual for a ordem a que pertençam, comem a toda a hora o que lhes parece e o que se lhes proporciona ; são na realidade todas elas glutonas. E embora as da primeira e segunda ordem amem as bebidas espirituosas, mui raras vezes nestas se divisa a embriaguez, a não ser em alguma ocasião extraordinária. Este defeito não lhes é habitual, como de ordinário acontece às mais baixas prostitutas, em quem a crápula é um hábito que se verifica logo que possam obter o suficiente vinho e os outros líquidos embriagantes ; elas são a estes vícios arrastadas (grande número de vezes) pelos maus sujeitos e libertinos que as frequentam e que de ordinário são soldados, marujos e criados de servir. Todos eles presumem que a prostituta, quando não quer beber vinho, é porque está infectada do Virus venereo ; elas, porém, para lhes mostrar que têm completa saúde, o bebem frequentes vezes e por isso muito se embriagam.

23Estas mulheres são de ordinário mentirosas, fingidas e coléricas ; como muitas delas se evadiram à autoridade paternal ou à dos parentes que as dominavam para seguir a sua vida dissoluta e libertina, ocultam isto quanto podem, mentindo descaradamente sobre as suas pregressas circunstâncias, adquirindo por isso um hábito que a muitos outros respeitos lhes é muito prejudicial em grande número de casos, ou seja de umas para as outras, ou para com as donas das casas, ou para com os maus sujeitos que as frequentam, o que ocasiona repetidas desordens. São por isso muito fingidas e dissimuladas, o que entretanto mais se encontra nas raparigas do que nas de maior idade. A cólera é também nelas uma paixão dominante e um defeito habitual ; facilmente têm rixas umas com as outras, e é de ordinário por ciúmes ; batem-se e há notáveis desordens, a ponto de ferimentos até consideráveis ; isto, porém, só se observa entre a ralé das prostitutas, mas a cólera por motivos de ciúmes, ou outros, é própria de todas, ainda que não cheguem a ponto de que se batam as da primeira e segunda ordem ; é entretanto em todas esta paixão objecto de momentos, porque logo se reconciliam e contraem novas relações amigáveis.

24Esta última circunstância nos leva a dizer que elas são sumamente volúveis e inconstantes ; têm uma extrema mobilidade de espírito ; nada fixam ; e em nada são permanentes, por isso pouco cuidado lhes dá a sua sorte futura. São dotadas de uma extrema loquacidade, e a ponto que às vezes nada se entende com elas quando muitas se acham reunidas numa sala ; este carácter volúvel, que as acompanha, as obriga a estarem sempre a mudar de casa quando estão reunidas em colégios ; algumas há que nem um mês aí param, andam em contínuas mudanças, e assim passam a sua debochada vida.

Artigo 2.°
Trabalhos em que se ocupam no intervalo do exercício da sua profissão ; se imprimem figuras no corpo ; mudanças de nomes

§ 1.°

25Trabalhos em que se ocupam... – As prostitutas de todas as ordens em nada se ocupam durante os intervalos do exercício do seu ofício ; é esta a sua marcha ordinária ; vemos as da primeira e segunda ordem frequentes vezes às janelas sem fazerem coisa alguma, e só provocando e diligenciando o exercício da sua libertinagem. É este o carácter geral das prostitutas o serem desmazeladas ; mas deve também atender-se a que as donas das casas, quando existem em colégios, as obrigam a pôr-se às janelas, e não gostam quando elas se retiram para o interior, ainda quando estejam incomodadas ; há, porém, algumas que mesmo às janelas têm as suas costuras ou bordados, mas fracos serviços são estes ; algumas há que nos intervalos referidos cosem, bordam, engomam, fazem os seus vestidos, etc. ; mui raras vezes se aplicam à leitura, e só de algumas novelas ; nelas não são frequentes, antes raríssimas, as leituras obscenas e lascivas, estas de novidade alguma lhes serviriam, por isso as abandonam. Nem é a leitura a sua paixão dominante, e uma ou outra com ela se entretém, pois que a sua educação foi de ordinário mui grosseira, e uma grande parte delas não sabe ler nem escrever ; há, porém, excepções. Podemos dizer em geral que as prostitutas de todas as ordens nada fazem durante o intervalo do exercício do seu ofício, elas se abandonam a uma perpétua ociosidade. As da primeira e segunda ordem comem, bebem, dormem, saltam, cantam, brincam e cuidam de se divertir a seu modo, jogam as cartas umas com as outras, vão passear quando lhes convém, etc. ; as da terceira ordem fazem o mesmo, e além disso passam grande parte do seu tempo nas tabernas próximas, ou à noite quando vagueiam pela cidade, e aí se embriagam com os maus sujeitos que as frequentam. Eis em que se entretêm as prostitutas no intervalo do seu ofício, no qual de ordinário são mais ocupadas desde a tarde, até avançar pela noite ; e a respeito destes hábitos das prostitutas não se encontra em Lisboa a extrema diversidade que se observa em Paris e Londres.

§ 2.°

26Se imprimem figuras no corpo – Era mais usual no nosso país nos antigos tempos que alguns homens de certa categoria, como soldados, marinheiros, alguns homens do campo e mesmo da classe baixa das cidades e vilas imprimissem no corpo, e de ordinário nos braços e no peito, diferentes figuras, especialmente a de um crucifixo, a imagem de Nossa Senhora e um chamado signo de Salomão, etc. As prostitutas da terceira ordem, que vivem com os soldados e com os marujos, os imitam e adquirem estes costumes. Algumas tenho eu observado com estas figuras impressas no antebraço ; uma vi eu, que tinha dois corações atravessados por uma seta, outra um ramo de flores, outra que tinha as letras iniciais do nome de um soldado que diziam ser seu amante, etc. Entretanto não é este um costume mui frequente nas prostitutas da terceira ordem, antes são bem raras as que se encontram com estes sinais, que só habitam no Bairro da Esperança e nas ruas do Capelão e da Guia, ou no Bairro Alto ; e não me consta que as da primeira e segunda ordem tal coisa pratiquem.

§ 3.°

27Mudança de nomes – É um facto inegável que as prostitutas da primeira ordem, e especialmente as da segunda ordem, ocultam o seu próprio nome e o mundam para outro ; é um costume mui ordinário nestas mulheres, e não podemos dizer se nos antigos tempos ele existia entre nós, mas podemos asseverar que ele existe hoje, e impunemente elas usam desta udança, porque não estão sujeitas às autoridades em consequência de regulamentos policiais a seu respeito, não sendo por isso obrigadas a dar o seu próprio nome para serem pela polícia vigiadas. Fui informado por pessoa que tinha conhecimento de causa de que sabia de muitas que usavam de nome suposto e que o seu ocultavam, sabendo perfeitamente como elas se chamavam ; porém, que muitas destas usavam dos seguintes nomes supostos : Amália, Augusta, Cândida, Carlota, Carolina, Conceição, Emília, Guilhermina, Júlia, Lauriana, Leopoldina, Lucrécia e Maria José muitas delas.

28O motivo mais forte e geral que as tem obrigado a mudar de nome é o desejo de se fazerem desconhecidas e ocultarem os países donde são naturais e as famílias a que pertencem. Não duvido de que existam alguns outros motivos que obriguem em especial a esta ou àquela a encobrir o seu nome e a apresentar-se com um outro suposto ; talvez intrigas, desordens e travessuras particulares nas casas em que vivem com outras as obriguem a esta mudança de nomes, mudando de habitação, como alguém diz ; mas duvido de que isto tenha lugar em Lisboa, uma cidade muito compreensiva e as donas das casas têm suficientes relações umas com as outras para que essa mulher que mudou de nome não seja encontrada ; julgamos pois ser isto devido a alguns restos de pejo e à vergonha da sua família e de pessoas do seu conhecimento, ocultando-se-lhes com a mudança de nome ; é também certo que noutras isto se não verifica, mas se o fazem é pela moda ou porque entendem não dever gostar dos seus nomes próprios e lhes parecer um outro mais bonito. Conheço uma mulher que se chama Leocádia e que embirrava com tal nome, e hoje todos a conhecem por Augusta ; uma outra chamada Catarina é hoje conhecida por Cândida, etc.

Artigo 3.°
Amantes e protectores das prostitutas

29É também um antigo hábito e costume das prostitutas em Lisboa, como o costuma ser em todas as partes, o ter a maioria delas o seu amante e protector. Devemos, porém, advertir que a tal respeito não são idênticos os costumes destas mulheres em todas as partes, e os das prostitutas em Paris diversificam a respeito de Lisboa ; aquelas (especialmente as da primeira ordem) que naquela cidade têm grande luxo e ostentação e que seguramente são as menos numerosas de todas, e em toda a parte têm um capricho particular em ter o seu amante, e diz-nos Duchatelet que de ordinário são os estudantes de Direito e de Medicina, como os advogados ainda rapazes. Elas não lhes dedicam a sua amizade em atenção ao dinheiro que deles esperam receber, antes os presenteiam, e outras os vestem e sustentam, e tanto que grande número de rapazes vivem em Paris com estes indignos meios de subsistência.

30Esta generalidade não se observa em Lisboa nas prostitutas da primeira e segunda ordem ; todas elas estimam ter o seu amante e protector, e na realidade uma grande parte os tem sem serem daquela categoria dos de Paris, e também com a diferença que a maior parte deles contribuem com uma quota para elas, das quais nada recebem senão os seus favores e a preferência ; alguns amantes há, entretanto, que nada dão, e outros, ainda que poucos, que delas recebem para se vestirem e sustentarem ; mas é preciso dizer que isto só se pode encontrar nas da mais elevada categoria, pois que às outras lhes faltam os meios para tais despesas.

31Não obstante isto, as mais baixas das prostitutas também têm os seus amantes e protectores, aos quais dedicam uma extrema afeição, que passa muitas vezes a um excesso frenético, que elas manifestam quando por causa de ciúmes têm com eles as suas desordens. São estes extremos sempre observados apesar de eles as tratarem pessimamente, até com pancada e às vezes ferimentos, e nem por isso os abandonam. Elas capricham em ter estes amantes e protectores, que servem para as defender e com quem elas ameaçam as outras, e mesmo aqueles que as maltratam. Nas antigas Madragoa e Cotovia, e mesmo agora no Bairro Alto e no da Esperança não havia, por tal motivo, poucos ferimentos, e até mortes. Estes protectores muitas vezes as acompanham de dia aos passeios, e à noite quando elas andam vagando pela cidade, provocando à libertinagem. Têm-se visto repetidas vezes duas mulheres saírem do Bairro de Alfama para a Rua da Alfândega e Terreiro do Paço com os fins referidos, levando cada uma delas o seu protector, que de alguma distância as seguiam e guardavam e sendo uma delas em certa noite muito insultada por um homem dos que as costumam procurar, custou-lhe uma facada tal insulto, evadindo-se tanto ela como o seu protector às diligências da polícia.

32As mulheres desta terceira ordem têm necessidade destes protectores pelo desprezo e opróbrio que sofrem, pelas injúrias e insultos que todos lhes dirigem e pelo abandono em que se acham de todo o mundo ; e é, na realidade, este um motivo que as obriga a ter um amante e protector, mas não na verdade com eles muito infelizes e de ordinário muito mal recompensadas, e todos ou quase todos lhes são ingratos. É isto o que de ordinário acontece a estas mulheres mais baixas que têm os seus amantes, costume que não é tão geral em Lisboa como em Paris.

33Entre os hábitos e costumes das prostitutas há um género especial da mais depravada libertinagem e contra a natureza, que têm umas com as outras, e dos quais falam a maior parte dos escritores sobre a prostituição. Estes hábitos depravados e contra a natureza mais se observam nas prisões e casas de correcção ; é daí que todos esses escritores têm tirado os necessários esclarecimentos para dizerem quais são os costumes destas mulheres a tal respeito. Teremos, porém, nós a coligir alguma coisa sobre tal objecto ? Quem iria fazer estas observações ao Limoeiro ? Quem as iria fazer neste lugar e nos diferentes tempos entre nós ? Quem as examinaria na Cordoaria, que por muito tempo lhes serviu de casa de correcção ? De certo que ninguém, e por isso nós nada sabemos nem da prisão pública, nem da casa de correcção, nem tão-pouco sabemos com fundamento em que idade e em que circunstâncias este execrando vício e depravado género de libertinagem mais acometia as mulheres públicas. Os escritores dos outros países nos dizem alguma coisa, mas que diremos nós das que existem e existiram em Lisboa ?

34Duchatelet nos diz que é nas prisões que tem mais frequentemente lugar este vício vergonhoso e que há bem poucas das presas que a ele possam resistir quando a prisão se prolonga além de ano e meio ou dois anos ; que é de ordinário na idade de 25 a 30 anos e quando elas já têm de ofício seis ou oito anos que elas se entregam a este género de libertinagem ; e se as mais novas a ele se dão é porque são já vítimas das outras e por elas seduzidas, de maneira que há poucas prostitutas velhas que não sejam das tribades – é assim que em Paris se costuma chamar às mulheres entregues a este género de deboche contra a natureza.

35Apesar das nossas diligências para obter pelos caminhos que nos eram possíveis os precisos esclarecimentos sobre esta matéria, bem pouco pudemos coligir ; sempre se encontrou uma absoluta repugnância em se declararem e denunciarem umas às outras, nem as donas das casas satisfaziam convenientemente a tais perguntas. Umas asseveravam que era mui raro este costume entre as prostitutas de Lisboa e que mui raras vezes se verificava ; outras, porém, diziam o contrário, mas não achámos nestas sólidos fundamentos às suas asserções, e tanto que só pudemos obter dois factos a este respeito.

36Numa das casas públicas da Rua da Prata (quando aí se toleravam) existiam quatro raparigas, duas das quais (de 20 anos ou mais) sempre foram muito amigas e sempre dormiam juntas, havendo já alguns meses que elas estavam naquela casa. Uma delas, em consequência de desordens que teve com uma das outras, viu-se na necessidade de sair do colégio, para o que muito concerreu a dona da casa, porque dela não gostava e poucos lucros nela perdia ; a sua amiga, porém, infalivelmente quis sair com ela, apesar de ser contra a vantade da dona da casa, explicando todas elas este procedimento unânime pelo género de libertinagem e de vícios vergonhosos a que se entregavam. A mesma amizade continuou na outra casa para onde elas tinham ido.

37Uma dona de casa na Travessa da Palha tinha uma filha prostituta e mais duas raparigas na sua companhia, todas três formando esse pequeno colégio, e todas três se sabia que tinham os seus amantes, que pagavam mensalmente uma quota para a casa e que não obstavam a que elas recebessem as mais visitas do costume. A dona da casa tinha outra filha, que constava viver honestamente e que visitava a mãe e a irmã de vez em quando. Numa destas ocasiões em que vinha visitá-las, uma das outras duas instou veementemente com ela a que dormisse na seguinte noite na sua companhia, para o que lhe oferecia o melhor vestido que quisesse, ou vesti-la toda de novo com algum luxo, pois que ela vivia pobremente, mas com honestidade, ao que ela se recusou, sabendo das perversas inclinações e indignos fins para que tais ofertas e convites lhe eram feitos por aquela companheira da sua irmã.

38Se me tenho estendido um pouco sobre os costumes e hábitos das prostitutas entre nós, é por ser importante para a administração e para os amigos da ordem e da moral bem conhecer estas particularidades a respeito de tais costumes destas mulheres ; esta importância melhor se conhecerá avançando nós mais no estudo deste objecto.

© Etnográfica Press, 1984

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search