Version classiqueVersion mobile

Da prostituição na cidade de Lisboa

 | 
Francisco Ignácio dos Santos Cruz

Secção primeira

Capítulo III. Considerações fisiológicas e patológicas sobre as prostitutas

Texte intégral

1Nesta primeira parte, tratando-se das prostitutas e de tudo quanto lhes é relativo, nós lhes deveríamos consagrar um capítulo especial, no qual apresentássemos o resultado do exame do estado actual de algumas das suas funções e a influência que não só sobre elas tem a sua infame profissão mas também a natureza e grau de alteração morbosa que elas sofrem em consequência do exercício da mesma profissão. É necessário ter estudado de perto e com a devida atenção esta, a mais miserável classe da sociedade, para se colherem os suficientes dados que nos conduzam a vistas gerais sobre o assunto de que tratamos. Como a minha posição médica, já de largos anos, nunca me permitiu um estudo reflectido a seu respeito, vi-me por isso obrigado a consultar os facultativos dos hospitais e das prisões, os quais presumi serem os únicos que me poderiam fornecer os suficientes factos para estabelecer com a possível exactidão tudo o que dissesse respeito às considerações fisiológicas e patológicas sobre as prostitutas. Com efeito, os clínicos destes estabelecimentos eram os únicos do nosso país que tais dados nos poderiam ministrar, pois que até hoje ainda não estão as prostitutas inscritas na polícia, nem sujeitas às visitas sanitárais, como ordenam os regulamentos nas cidades da Europa onde eles existem.

2Não correspondeu entretanto o resultado à minha expectação, quanto às considerações fisiológicas ; pois que os clínicos somente encarregados do tratamento das moléstias com que estas mulheres se recolhem ao hospital ou de que são acometidas nas prisões não prestam a devida atenção, e a que seria preciso, às circunstâncias em que se acham algumas das suas funções, que têm sido, ou não, modificadas pelos deboches e exercícios da prostituição. Era, por conseguinte, preciso estudar um objecto novo, ao que alguns se prestam e a cujos esclarecimentos sou devedor de um grande número de considerações abaixo referidas.

Artigo 1.°
Considerações fisiológicas

§ 1.°
Boa disposição e gordura que apresentam as prostitutas

  • 1 Apresentámos no capítulo 2.° duas classificações de prostitutas, uma segundo o seu luxo e ostentaçã (...)

3Geralmente falando, as prostitutas em Lisboa não se fazem notáveis nem por um excesso de nutrição, nem por um excesso de magreza ; aparecem mui raros casos destes dois extremos ; nem qualquer deles se desenvolve tão-pouco numa idade determinada. Algumas prostitutas existem muito nutridas sem que tenham de idade 25 anos ; outras depois desta idade com igual nutrição se encontram ; também algumas há bastante magras antes e depois da referida idade de 25 anos. O que de ordinário se observa nas prostitutas de Lisboa é que elas têm muito boa disposição e são suficientemente nutridas e com boa cor ; isto tem lugar tanto nas da primeira como nas da segunda ordem, e bem assim nas da terceira, segundo o luxo e a ostentação com que se tratam ; porém, mais nas duas primeiras do que na última ; algumas das causas nisto influentes são comuns a todas, outras há privativas a cada uma das ordens1.

4Não merece nosso crédito a opinião daqueles que julgam ser a gordura e boa nutrição das prostitutas filha do uso frequente das preparações mercuriais em consequência das suas enfermidades venéreas : não é possível que os conhecidos efeitos do mercúrio em nossa economia produzam a nutrição, mas sim um estado que a deve impedir. Este excesso de nutrição é somente filho das circunstâncias especiais, do regime e dos meios higiénicos de que elas usam e que, na realidade, conduzem a tal fim.

5As prostitutas da primeira e segunda ordem, para que conservem o devido asseio e limpeza, tomam de ordinário grande número de banhos mornos ; além disso, como o diremos noutro lugar, estas mulheres não se aplicam com assiduidade e permanentemente a género algum de serviços, que são próprios do sexo feminino em geral ; elas têm uma vida sem actividade alguma, antes estão entregues a uma inteira ociosidade ; elas usam de muitos alimentos e suficientemente nutrientes ; demais, as prostitutas bem pouco, ou nada, são mortificadas e consumidas por afecções morais, de ordinário nenhum tempo empregam em cogitações sobre a sua sorte futura e sobre os meios de subsistência nos tempos que se devem seguir ; também as prostitutas têm maior número de horas de repouso e de sono do que as outras pessoas, pois que de ordinário se levantam da cama às nove ou dez horas da manhã.

6Por conseguinte, uma vida ociosa, bons alimentos, nutrientes e abundantes, tranquilidade de espírito, divertimentos, banhos, etc., tudo isto deve produzir nas prostitutas da primeira e segunda ordem um mui suficiente grau de nutrição. Muitas destas causas têm também lugar para as da terceira ordem ; nestas, porém, o uso imoderado do vinho lhes produz a cor do rosto que apresentam ordinariamente, além de terem um suficiente grau de nutrição, o que se divisa ainda nas mais baixas desta ordem que habitam assim à Esperança, na Travessa do Pasteleiro, ruas das Madres, e de Vicente Borga, etc., como no Bairro Alto, nas travessas dos Fiéis de Deus, do Poço da Cidade, etc., e bem assim as das ruas do Capelão, da Guia e da Amendoeira atrás da Rua dos Cavaleiros. Estas bacanais habitantes de todas estas ruas, as mais imundas da cidade, e de outras muitas, nós as divisamos ordinariamente mui gordas e nutridas.

7Deve, contudo, advertir-se que não é raro encontrar-se entre as prostitutas muitas delas que pela sua idiossincrasia particular apresentem um certo grau de magreza, aliás considerável ; isto mesmo pode ter lugar quando elas tenham alguns padecimentos crónicos de qualquer ordem que seja ; e também se pode encontrar especialmente nas mais baixas das prostitutas, quando elas abandonem o necessário tratamento das moléstias venéreas e adquiram um notável grau de intensidade, que afinal as leva à sepultura consumidas e mirradas, extenuando-se lentamente por largos tempos.

§ 2.°
Alteração da voz ; cor dos cabelos, das sobrancelhas e dos olhos ; seu talhe

8Alteração da voz – É um facto inegável que muitas das prostitutas apresentam uma voz muito grossa e muito rouca que se assemelha à do mais grosseiro homem ; mas isto não constitui um carácter particular e como sendo resultado do hábito da prostituição, pois que estes sons roucos, de carácter viril e bastante desagradáveis, mui raras vezes os divisamos nas prostitutas da primeira e segunda ordem, algumas das quais têm bastantes belezas, maneiras delicadas e atractivas, pelo que passariam por pessoas, além de bem educadas, de uma ordem elevada. Esta alteração da voz é mais frequente e quase exclusiva da mais baixa ordem das prostitutas, o que é bem fácil de observar a quem as escuta assim nas suas frequentes rixas e desordens, que têm umas com as outras nas ruas onde habitam, como quando estão nas tabernas. Em estado de embriaguez, muitas delas então apresentam esta notável alteração na voz.

9É também um facto inegável que esta voz rouca e varonil não aparece nos primeiros anos da vida devassa das prostitutas, ainda que elas se entreguem a todo o género de deboches, de libertinagem e de devassidão, e ainda mesmo de idade mui nova ; nas prostitutas da mais baixa ordem, que habitam as ruas imundas acima mencionadas e nas quais é mais frequente esta alteração da voz, ela não se encontra até aos 20 anos de idade, mas sim aos 25 e mais anos.

10Não é seguramente a prostituição a causa deste fenómeno de que tratamos, pois que então ele deveria em todas encontrar-se, e muito mais naquelas cuja vida fosse mais dissoluta e libertina, como muitos o têm pensado e o atribuem à sua maior lascívia e hábitos de deboche. Não é nem nas mais moças nem nas mais devassas que isto se encontra ; e ainda que esta voz rouca se observe em todas as ordens destas mulheres, há circunstâncias especiais que a fazem mais frequente, como naquelas que mais abusam de líquidos espirituosos e que mais se embriagam, bem como naquelas que mais sujeitas estão às intempéries da atmosfera e aos rigores do Inverno pela sua pobreza e miséria ; muitas contraem repetidos catarros, que desprezam, o que tudo contribui para o aparecimento do som alterado e rouco da sua voz. Observamos estas miseráveis cagabundas pelas ruas, em noites de Inverno, expostas ao frio e chuvas, mal reparadas, cheia de catarro e também de vinho.

11Cor dos cabelos e dos olhos ; sem talhe – Um escritor sobre a prostituição numa das mais notáveis capitais da Europa foi tão minucioso nas considerações fisiológicas sobre as prostitutas e na descrição da história natural desta porção do sexo feminino que apresenta um quadro estatístico da cor dos cabelos, das sobrancelhas e dos olhos, bem como do talhe das prostitutas. Ninguém esteve ainda para este fim em mais favoráveis circunstâncias do que Parent-Duchatelet a respeito de Paris, pois que ele sobre 12 600 mulheres públicas pôde enumerar e extremar aquelas que tinham os cabelos e olhos pretos, castanhos, louros, etc., enumerando aquelas que eram habitantes dos campos ou das diferentes vilas e cidades da França, bem como as das três diferentes zonas em que divide a França para este fim, ou seja, a do Norte, a do Meio e a Meridional ; tudo o mesmo fez a respeito do seu talhe. Seria curioso apresentar uma estatística igual a respeito das prostitutas na cidade de Lisboa. Nunca porém houve nem há onde ir tirar documentos para comprovar isto, mas observa-se que estas mulheres são de diferentes pontos de Portugal, ou das províncias do Norte ou do Sul em relação à Estremadura ; destas existentes em Lisboa não se faz o seu grande número notável por esta variação ; se aparece uma ou outra com os cabelos louros e olhos azuis, o mais frequente e ordinário é terem os cabelos assim cor de castanha como pretos, e também o solhos pretos ; nem as províncias referidas entre nós são tão distantes umas das outras que determinem uma notável influência quanto à cor dos cabelos, etc., ou quanto ao seu talhe, que nada de distinção extraordinária têm em atenção às naturais desta cidade ou mesmo às de todo o Reino.

§ 3.°
Estado da menstruação nas prostitutas

12Sendo a menstruação uma função mui importante e assaz influente na saúde das mulheres, é de interesse conhecer a influência que sobre tal função tem o ofício de prostituta. Na falta de repetidas observações próprias, as pessoas a quem eu me devia dirigir para obter os necessários esclarecimentos sobre este assunto, sendo empregadas nos hospitais ou nas prisões, não me forneceram os esclarecimentos indispensáveis para fixar uma regra geral a tal respeito. Uns me disseram que nada de notável tinham encontrado e que a menstruação nas prostitutas seguia a sua marcha regular como nas outras mulheres ; outros, que as prostitutas eram sujeitas a grandes perdas uterinas no tempo da menstruação ; outros, porém, que as prostitutas de ordinário são mui pouco menstruadas, o que na realidade assim acontece e que depois por outras vias pude verificar.

13É exacta esta última opinião, e acontece às prostitutas na cidade de Lisboa o mesmo que em Paris ; mutias estão dois, três, quatro e mais meses, e às vezes um ou dois anos, sem lhes aparecer a menstruação, sem que por isso muito se incomodem pela sua saúde ; entretanto esta falta não constitui um carácter geral, e mesmo muitas delas têm regularmente as suas menstruações em suficiente cópia, porém, a maioria são pouco menstruadas. Se tivéssemos em Lisboa uma casa de convertidas, ou de refúgio, convenientemente estabelecida, poderíamos observar aí se lhes acontecia o mesmo que no Bom Pastor em Paris, para onde vão muitas das prostitutas arrependidas, e quase sempre com faltas na menstruação ; a qual nem por isso naquela casa se torna a restabelecer. Tenho tratado de algumas destas mulheres nas suas enfermidades venéreas ou noutras de que têm sido acometidas, tenho consultado outros facultativos que as têm também tratado e além disso tenho podido obter alguns esclarecimentos das donas de casa – tudo tem concorrido para se decidir que as prostitutas são em geral muito menos menstruadas do que as outras mulheres. Há muitas excepções, mas em geral acontece o que fica referido.

14É fácil achar a razão suficiente desta falta nos excessos a que estas mulheres se expõem e a que se não poupam no tempo da menstruação, nas intempéries da atmosfera que afrontam nessas ocasiões, expondo-se além disso a outras desordens que lhes podem até causar a supressão completa como são as lavagens repetidas mesmo em água fria, e às vezes com esta impregnada de substâncias aromáticas e adstringentes lá para os seus fins, de que falaremos em lugar oportuno.

§ 4.°
Fecundidade nas prostitutas

15As prostitutas na cidade de Lisboa, quanto à sua fecundidade, não apresentam nada de notável que as distinga das que existem nas outras capitais da Europa. Alguns erradamente julgam que as prostitutas são mui fecundas, isto é, que devem produzir grande número de filhos ; outros dizem também erradamente que elas são quase estéreis. Nenhuma destas opiniões é exacta ; o que a observação mostra é que elas são pouco fecundas, e Duchatelet achou a fecundidade na proporção de 1000 para 6, o que entretanto não se pode estabelecer como regra fixa, porque em muitos casos ela é maior.

16Pelo decurso do ano vão algumas prostitutas para o Hospital de S. José no estado de prenhez ; elas quase sempre encobrem o seu ofício e se disfarçam de ordinário inculcando-se como criadas de servir, como filhas honestas e pobres que foram iludidas por um amante, etc. Se as prostitutas fossem inscritas na polícia, que teria destas uma exacta relação, poderíamos pelo menos achar uma proporção entre este número e o daquelas que ao hospital vão no estado de prenhez ; isto mesmo não era uma nota exacta da sua fecundidade, pois que muitas delas neste estado poderiam ter o seu parto onde bem lhes conviesse ; e além disso, nem todas as concepções chegam ao termo, podendo ter lugar os abortos, que são frequentíssimos nesta classe de gente. Nós, porém, não podemos achar esta proporção por falta das respectivas notas, podemos somente asseverar, com os facultativos do referido hospital e outros que consultei, que no decurso do ano aí vão algumas prostitutas no estado de prenhez ; isto nos demonstra a asserção e a proporção, que achou Duchatelet, com o número provável das prostitutas na cidade de Lisboa.

  • 2 Com todas estas notabilidades aparecem prostitutas em Lisboa, e com outras mais : fui informado de (...)

17Nestas mulheres são frequentes os abortos, e é mui fácil acreditar isto, porque perfeitamente sabemos que elas trabalham de ordinário por meios directos para os produzir, de que tenho sido informado. Além disso, estas mulheres, apesar de conceberem e de progredir o seu estado de prenhez, nem interrompem o seu ofício, nem se poupam às desordens e intemperanças que ele traz consigo, e parece até incrível que elas em tal estado possam resistir a excessos de toda a espécie sem que imediatamente se desmanche o fruto da concepção ; o que, na realidade, por tais motivos se verifica repetidas vezes, como me consta de muitas donas de casa, única via por onde, no estado actual em que se acha a polícia das prostitutas entre nós, poderemos obter alguns esclarecimentos sobre este e outros muitos objectos relativos a estas mulheres. Sabemos também que alguns dos excessos a que elas se entregam são resultado do apetite do ganho, pois que elas em tais ocasiões são mais procuradas por alguns, bem como acontece àquelas que se fazem notáveis por alguma circunstância extraordinária, como é, por exemplo, uma mulher muito alta, uma outra muito baixa, esta ou aquela cor de carne, um certo sinal2.

18É mui frequente nas mulheres públicas o terem o seu amante, isto é uma pessoa a quem mais particularmente dediquem a sua afeição ; e é de ordinário a estes seus amantes, a quem elas atribuem as concepções, que contraem ; de ordinário as prostitutas têm um capricho particular em gozarem de um amante, ainda que grandes lucros deles não recebam ; há até muitos com quem elas distribuem dos seus ganhos ; porém, sempre a estes atribuem a origem dos seus filhos, o que estamos dispostos a acreditar. Parent-Duchatelet refere que, no número de 403 mulheres públicas, 213 declararam que nunca tinham tido nem amantes, nem filhos ; 123, que tinham tido seus amantes e filhos ; 31, que tinham tido amantes sem nunca terem tido filhos ; 26, que nunca tinham tido amantes apesar de terem tido filhos ; finalmente, 8, que eram casadas e aos seus maridos atribuíam os filhos que tinham tido. Devemos, portanto, concluir que as prostitutas são mais aptas à fecundação do que se pensa, mas é preciso para isto uma reunião de certas circunstâncias e um verdadeiro estado intelectual e moral, estranho ao exercício do seu ofício. Se, porém, este estado de prenhez não chega ao termo, é porque elas põem em prática manobras criminosas para abortarem, para o mesmo fim se expõem a excessos e praticam abusos extraordinários, o que nelas é mui frequente.

19Há também mulheres públicas (porém raras) em quem é extraordinária a fecundidade : têm-me notado algumas nesta cidade que, não obstante datar de poucos anos o seu ofício, têm tido já alguns filhos, e uma delas, que depois foi entretida por um sujeito, tinha um filho em cada ano ; quase todas estas infelizes criaturas, resultado destas uniões ilícitas, são entregues à roda da Misericórdia ; porém a duração da sua existência quase sempre é muito curta, quase todas findam a sua efémera carreira no primeiro ano de vida quando contra os seus dias se não atenta logo no primeiro da sua existência.

20Poderíamos, como têm feito alguns escritores, tratando das considerações fisiológicas sobre as prostitutas, notar alguns casos particulares, em que nelas aparece uma extraordinária desenvolução do clítoris, e mesmo dos pequenos lábios, etc., e que relação tem isto com o seu ofício e com as suas paixões libidinosas. Entretanto, como não temos grande cópia de factos a respeito das prostitutas de Lisboa sobre tal objecto, não poderemos avançar uma opinião exacta, nem assegurar, com Parent-Duchatelet a respeito das de Paris, que esta maior desenvolução nenhuma influência tem na sua maior lascívia, nem na sua mais activa libertinagem.

Artigo 2.°
Considerações patológicas

21Trataremos neste artigo de algumas enfermidades para cujo aparecimento e desenvolução tem uma notável influência o ofício das prostitutas. Que existe esta influência, é inegável ; e tanto se dá nas prostitutas como nos diferentes artistas e obreiros que estão sujeitos aos incómodos de saúde que lhes causa o exercício dos seus ofícios ; à infâmia da sua libertinagem e depravados costumes elas também juntam não poucos males que lhes origina a sua profissão e dos quais estariam isentas, se seguissem uma vida comum e honesta. Só nos hospitais poderíamos obter uma certa cópia de factos que nos pusesse em circunstâncias de desenvolver amplamente esta matéria ; nós alguns obtivemos dos respectivos facultativos e de alguns outros que particularmente as têm tratado, o que tudo reunimos à nossa própria observação ; tempo virá, entretanto, em que este assunto possa ser mais largamente desenvolvido, quando, depois de terem os competentes regulamentos policiais, as prostitutas se sujeitem assim às visitas sanitárias, como a um regular tratamento nos hospitais respectivos.

§ 1.°
Sífilis e sarna

22A sífilis e a sarna são as duas enfermidades a que mais sujeitas estão as prostitutas, e pode dizer-se que ambas, e especialmente a primeira, são primitivas do seu infame e depravado ofício, e são delas tão próprias como é a cólica metálica para aqueles que continuamente trabalham nas preparações de chumbo, como diz Duchatelet. As prostitutas, especialmente as da mais baixa ordem, estão frequentemente atacadas de sarna. A sua imundície, os seus maus alimentos, o uso imoderado do vinho, o desprezo absoluto pelo seu tratamento fazem-nas protraí-las, e é nelas eterna ; nos hospitais elas se observam quase sempre com esta moléstia, ainda que não se dirijam lá senão com o fim de se tratarem de outras enfermidades, que sempre se tornam mais graves com tal complicação. Nas prostitutas da primeira e segunda ordem é mais rara a sarna ; o seu asseio e limpeza, os desejos dos seus lucros as fazem logo curar uma moléstia incómoda e nojenta, e com ela as donas das casas as não consentiriam.

23Quanto à sífilis, em lugar competente trataremos deste assunto, que reservamos para lugar especial.

§ 2°
Perdas uterinas, abcessos dos grandes lábios, fístulas rectovaginais, cancro uterino

24Perdas uterinas – Nas considerações fisiológicas sobre as prostitutas, quando tratámos da sua menstruação, dissemos que elas estavam sujeitas a uma diminuição notável nesta função ; que em geral elas eram pouco menstruadas. Entretanto não se pode duvidar de que estão algumas delas sujeitas a consideráveis perdas uterinas ; um dos facultativos do hospital assim me asseverou tê-lo muitas vezes encontrado ; era, porém, de opinião que estas metrorragias, ou perdas sanguíneas uterinas, eram, no maior número de casos, consequências de lesões orgânicas do útero ou de degenerações verificadas no mesmo útero ; afecções que podiam ou não ser provenientes de infecção sifilítica, acrescentando por fim que os excessos dos prazeres venéreos, para diátese cancerosa, tumores poliposos, úlceras carcinomatosas, etc., podiam produzir evacuações de tal ordem.

25Entretanto a observação dos médicos da prisão das prostitutas em Paris, onde existem ordinariamente de 400 a 500, lhes provou que eram nelas frequentes as perdas uterinas, mas que não eram provenientes de alguma lesão do útero : a autópsia mostrou em alguns casos não haver lesão alguma orgânica, nem mesmo se apresentaram vestígios de inflamação nessas partes. Atribuíam eles estas perdas uterinas ao seu ofício e aos deboches dele resultantes, pois que tais perdas se observavam na idade de 14 a 15 anos, sendo raras nas outras mulheres.

26Abcessos dos grandes lábios, fístulas rectovaginais – Na espessura dos grandes lábios são frequentes os abcessos ordinários, que têm uma marcha regular e se terminam como nas outras mulheres. Um dos facultativos do Hospital de S. José me referiu que tinha frequentes vezes observado nos grandes lábios tumores com carácter inflamtório que terminavam no maior número de casos pela resolução ou também pela supuração, mas que não é rara a terminação pela induração, adquirindo então o lábio lesado o carácter elefantíaco. O rompimento do septo rectovaginal tem acontecido algumas vezes, porém somente nos casos de excessiva inveteração do Virus venereo e provindo de úlceras com carácter fagedénico e corrosivo com sede na mucosa vaginal.

27No tabique rectovaginal, que nas prostitutas é mui delicado, também aparecem os abcessos ordinários, que degeneram em fístulas de difícil cura, que às vezes são mui estreitas e não lhes põem obstáculo ao exercício do seu ofício. Os médicos da prisão das prostitutas em Paris conheciam trinta com estas fístulas. Elas eram às vezes filhas de cancros venéreos, e asseveram que tais fístulas quase sempre coincidem com a tísica pulmonar. Eram às vezes também acompanhadas de ingurgitamentos endurecidos nos grandes lábios e que chegam a um volume enorme, o que lhes embaraça o seu ofício e as obriga a recolherem-se a um asilo para terminar a sua infeliz existência.

28Cancro uterino – Serão as prostitutas mais dispostas, do que as outras mulheres, aos cancros uterinos ? Sobre esta questão de patologia há dissidência entre os médicos. O que mais se aproxima da verdade é que as prostitutas não estão ao abrigo de serem atacadas do cancro, mas que é mais raro do que parece fazê-lo acreditar o seu ofício. Sabemos que estes cancros só aparecem numa idade quase determinada e que na moccidade são muito raros ; além disso, o ofício de prostituta é um estado passageiro, que elas deixam logo que podem ; e quando a idade delas permite mais o seu aparecimento, já deixaram a prostituição. Além disso, esta moléstia tem-se muitas vezes encontrado nas comunidades religiosas e onde a virtude e a moral tinham o seu império. Não nos alargaremos mais sobre este objecto ; entre nós tem-se observado o mesmo que na França. Facultativos com quem tenho falado a consultá-los sobre este objecto me têm notado alguns casos de cancros uterinos nas prostitutas, mas estes não são em número tal que nos indique que se trate de uma moléstia própria do seu ofício.

29Têm alguns escritores notado como próprias das mulheres públicas algumas outras enfermidades, entre as quais não só a alienação mental, mas também diferentes convulções e afecções espasmódicas. Não temos entre nós factos para estabelecer alguma coisa de positivo a tal respeito, nada se tem recolhido, se tem observado ; por isso, tratando das prostitutas na cidade de Lisboa, calaremos o que a este respeito se tem verificado nas outras nações, pois que não é este o nosso objecto, por não serem factos nossos ; notaremos, pois, agora só as moléstias congeniais que as não impedem do exercício do seu ofício, e também aquelas que lhes são comuns com os outros indivíduos.

§ 3.°
Moléstias congeniais que não impedem, o exercício do ofício de prostituta ; doenças gerais e comuns

30Moléstias congeniais – Encontram-se na cidade de Lisboa prostitutas com moléstias congeniais que, apesar de as tornarem muito defeituosas, não deixam de ser procuradas e de exercer o seu vil ofício. Consta-me que existem algumas coxas, uma das quais usa muleta, e exercem o seu ofício ; há algumas cegas de um olho, mesmo assim são procuradas ; conheço uma que é cega do olho direito e que, apesar de ter esta feição um tanto defeituosa, tem uma forma elegante e é muito procurada ; há uma outra idota e estúpida quase de nascença que também exerce o ofício.

31Além das moléstias congeniais, há outras prostitutas que pela cor da sua pele parece que deviam repelir a aproximação de um europeu ; apesar disso, elas são procuradas : na Travessa do Pasteleiro à Esperança havia no ano próximo passado uma casa de quatro prostitutas pretas ; outra na Rua do Salitre ; há algumas outras noutros pontos da cidade ; na Rua do Capelão existem duas prostitutas que são mulatas e algumas pretas, etc. As mulheres públicas de Lisboa não se fazem notáveis, como as de Paris, por uma constituição escrupulosa ; a maioria delas são filhas das províncias do Reino e não apresentam o predomínio de um temperamento linfático, apesar de muitas o terem.

32Moléstias comuns – Que diremos nós das molestias comuns, que atacam também as prostitutas, como os demais indivíduos ? Era bem possível satisfazer este quesito ; porque as da segunda ordem, apesar de terem já um pequeno luxo, as donas de casa não permitem de ordinário que em casa sejam tratadas das suas enfermidades, sem que elas lhes paguem extraordinariamente, e como não lhes é possível, sendo as moléstias de mais longa duração ; por tal motivo, algumas são obrigadas a recolher-se ao hospital ; e as da terceira ordem são umas miseráveis que logo lá se vão introduzir. Assim, uma estatística exacta e regular daquele hosptial, fácil seria, apresentando-a, vir no conhecimento das enfermidades comuns a que elas estão mais sujeitas ; entretanto, não temos tal estatística de que algum proveito possamos tirar neste objecto particular ; nem mesmo depois de estar em vigor o regulamneto que faz parte do decreto de 3 de Janeiro de 1837, que no seu art.° 30.° obriga a apresentar esta estatístiica ao Conselho de Saúde Pública do Reino.

33Na presença desta deficiência de documentos, tenho consultado alguns facultativos daquele hospital, e mesmo a outros, que as têm tratado de algumas das suas enfermidades. Deles tenho coligido o mesmo de que eu há muito estava persuadido, que as prostitutas estão sujeitas como as outras pessoas às enfermidades comuns, e especialmente às afecções de peito, às irritações gastro-entéricas, etc. Conheci algumas que sucumbiram à tísica pulmonar, que nelas quase sempre é mais rápida pelas desordens e abusos a que se expõem e pela falta do devido tratamento em tempo competente. É preciso entretanto confessar que não obstante a existência de tantos abusos e de tantas irregularidades, a sua saúde resiste mais às alterações que eles lhes deveriam originar ; além disso, ordinariamente as moléstias comuns não parecem nelas mais graves : o que se observa é que as prostitutas, especialmente as mais baixas, se expõem a tão notáveis excessos de toda a espécie que parecem ter um corpo de ferro para lhes resistir.

34Estas considerações nos obrigam a tirar para as prostitutas de Lisboa as mesmas conclusões que Duchatelet tirou para as de Paris : pois que, vendo-se grande número de obreiros que trabalham em suas artes e ofícios que lhes causam muitas moléstias, sendo por isso muitos deles insalubres, não é decisivamente insalubre o ofício de prostituta. Muitos obreiros têm uma vida sedentária e se extenuam com trabalhos para exercer os seus ofícios e prover às suas necessidades ; às prostitutas não acontece do mesmo modo, há mais a lamentar a falta de saúde dos outros do que a destas. Mas para tirarmos um resultado mais exacto seria preciso que as prostitutas seguissem por toda a sua vida o seu ofício, mas não é assim, ele é um momento de passagem, um episódio da sua vida ; torna-se por isso impossível fixar com exactidão as nossas ideias a este respeito, e só expor o que se passa durante a sua libertinagem e a sua vida devassa.

Notes

1 Apresentámos no capítulo 2.° duas classificações de prostitutas, uma segundo o seu luxo e ostentação, e outra daquelas que exercem o seu vil ofício nas casas públicas, das vagabundas pelas ruas, das clandestinas, etc. Seguimos, no capítulo 2°, esta última classificação para dar uma ideia destas diferentes ordens de prostitutas; agora, porém, neste capítulo 3.°, e nos seguintes, trataremos delas segundo o seu grau de ostentação e luxo ; por isso, nesta conformidade, as consideraremos da primeira, segunda e terceira ordem ; as duas primeiras são as que habitam as casas públicas e só aí exercem o seu ofício e a terceira são as mais baixas, a ralé das prostitutas, as vagabundas pelas ruas. Debaixo destas considerações entendo as prostitutas da primeira, segunda e terceira ordem, entre nós bem distintas.

Quanto à boa disposição, gordura, etc., das prostitutas, isto se passa em geral como fica dito. Há, entretanto, algumas raras excepções ; no primeiro semestre de 1840 vivia na Travessa da Cara no Bairro Alto uma prostituta da segunda ordem, que era dotada de uma extraordinária gordura, e que como tal se faz notável. Uma outra em iguais circunstâncias residia no mesmo tempo no Largo do Poço de Borratém ; cada uma terá os seus trinta anos de idade e se fazem bastante recomendáveis pela sua desmesurada nutrição, e nestas circunstâncias eram as únicas de Lisboa.

2 Com todas estas notabilidades aparecem prostitutas em Lisboa, e com outras mais : fui informado de que uma delas da segunda ordem, e que depois passou às da primeira, tinha debaixo de um dos peitos um único cabelo do comprimento de um ou dois palmos, que por tal ocorrência se fazia notável. Outra, que habitava na Travessa da Palha, era muito procurada pelo seu talhe um tanto elevado e elegante e por um defeito que tinha no olho direito.

© Etnográfica Press, 1984

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search