Version classiqueVersion mobile

Da prostituição na cidade de Lisboa

 | 
Francisco Ignácio dos Santos Cruz

Secção primeira

Das prostitutas

Texte intégral

1É preciso primeiro que tudo bem fixar o que entendemos por uma prostituta, pois que não tem a mesma significação no espírito e linguagem de todo o mundo, e porque há muita gente viciosa e debochada neste género que se não deve ter como prostituta. Esta palavra é o particípio passivo prostitutas do verbo prostituo, prostrar, entregar, pôr publicamente de venda, entregar masculum vel fæminam venalem libidini; prostituta fæmina, mulher entregada publicamente (Bento Pereira); é isto o mesmo que meretriz ou meretrice (Bluteau), mulher que faz mercê, mulher pública posta a ganho ; é segundo as próprias expressões e linguagem da nossa antiga legislação no tempo do Sr. D. Manuel, mulher que com o seu corpo ganha dinheiro publicamente, não se negando aos que a ela quiserem ir fora da mancebia. São estas as mulheres de que fala o Regimento dos Quadrilheiros de 12 de Março de 1603, § 5.°, as que para fazerem mal do seu corpo recolhem publicamente homens por dinheiro. As vulgares puelcæ de Ovídio.

  • 1 Parent-Duchatelet, De la prostitution dans la ville de Paris, p. 9 (edição de Bruxelas), referindo- (...)

2Vemos, pois, que uma mulher que se entrega a uma vida desordenada não é por isso uma prostituta, uma mulher debochada não se segue que seja prostituta ; é a passagem de uma vida honesta ao estado de abjecção de uma classe que se separa da sociedade e a ela renuncia ; e que por hábitos escandalosos, constante e acintosamente públicos, abjura as leis comuns que a regem. Tratamos daquelas que recolhem publicamente homens por dinheiro, que têm uma notoriedade pública, que fazem mal publicamente do seu corpo ganhando dinheiro e que o fazem constantemente a quem quer que for1.

3É mui regular que em todos os tempos acontecesse o mesmo que hoje entre nós acontece, que muito exageramos a prostituição pública na cidade de Lisboa, pelo menos a fama pública imagina milhares de prostitutas nesta cidade, quando, na realidade, assim se não verifica ; e é regular que nos tempos antigos se dissesse o mesmo, o que entretanto ignoramos, pois que entre nós se verifica exactamente o contrário do que na França e Inglaterra ; não há historiador algum de Paris que não fale exageradamente da prostituição daquela cidade, e da imoralidade do seu tempo ; quanto a Lisboa, não há nenhum historiador, ou raríssimos, que toquem até mui levemente neste assunto.

  • 2 Os Franceses chamam casas de passe, ou rendez-vous, aquelas arranjadas por espectadores, bem mobila (...)

4Em lugar competente, e quando tratarmos da distribuição das prostitutas pela cidade de Lisboa, e do seu número provável, mais largamente nos ocuparemos não só do quanto se tem nos diversos tempos exagerado o número das prostitutas de Paris e Londres, mas do quanto se exagera o seu número entre nós, o que talvez dependa de se considerarem como prostitutas quem tal nome não merece ; pois que não devemos meter em conta nem as entretidas, porque estas não são as prostitutas de que tratamos ; nem aquelas que se reúnem nas casas de passe2, que entre nós nenhuma há com publicidade nem tão-pouco aquelas que exercem uma prostituição clandestina, que, segundo a nossa legislação na maior parte dos tempos, deve ter sido bastante notável em Portugal e é seguramente a mais terrível de todas as prostituições. Por conseguinte, só faremos entrar neste número não só aquelas que existem sós e isoladas em suas casas, ou reunidas em colégios, e donde não saem a exercer a sua indigna profissão, como também aquelas, de todas as mais miseráveis e infames, as vagabundas pelas ruas, as raccrocheuses dos Franceses.

5Esta secção da primeira parte da presente obra, em que tratamos das prostitutas, deve conter alguns capítulos; no primeiro, ocupar-nos-emos da história da prostituição desde os mais antigos tempos, assim nas diferentes nações, como no nosso país, trataremos depois das diferentes classes de prostitutas, de algumas considerações fisiológicas e patológicas que lhes são respectivas; dos seus hábitos, costumes, boas e más qualidades, etc.; do seu número e distribuição pela cidade; de que países são elas fornecidas para este infame tráfico na cidade, quais as suas famílias, qual a sua idade, educação, instrução, etc.; e quais as mais prováveis causas da prostituição; trataremos, finalmente, da importante questão da sua necessidade e tolerância. Se a alguns destes diferentes assuntas não dermos toda a desenvolução de que eles carecem relativamente ao nosso país, é isto só devido à falta dos necessários esclarecimentos, recolhidos já de mais antigos tempos e alguns dos quais só a muito custo pude obter.

Notes

1 Parent-Duchatelet, De la prostitution dans la ville de Paris, p. 9 (edição de Bruxelas), referindo-se a uma mensagem do Directório Executivo ao Conselho dos Quinhentos de França, datada de 17 nivôse, ano 4.° da República, sobre a repressão da prostituição pública ; o parágrafo sobre o que se deve entender por mulher pública é o seguinte : « Pour remedier à cet inconvénient, vaus determánerez avec précision ce que constitue la fille publique ; récedive et concours de plusseurs fait légalement constates ; notoriété publique ; arrestation en flagrant délit prouvé légalement par des témoins autres que les dénonciateurs, ou l’agent de police : voilã sans doute les circonstances, qui vous paraitront caractériser cette honteuse et criminelle profession.» Julgo que não é necessário o concurso de todas esta’s circunstâncias; para provar-se que uma mulher é prostituta, basta o testemunho público, que ela se franqueia a todo e qualquer que dela se queira servir pelo lucro segundo a categoria em que ela existe; é um facto que uma mulher da 1.a e 2.a ordem não se franqueia facilmente àqueles que costumam frequentar as da 3.a ordem, que são a mais baixa ralé destes indivíduos, isto se observa frequentes vezes, e nem por isso deixam de ser prostitutas as da 1.a e 2.a ordem e facilitarem-se a todos os de certa categoria da sociedade.

2 Os Franceses chamam casas de passe, ou rendez-vous, aquelas arranjadas por espectadores, bem mobiladas, com diferentes quartos, bem servidas por criados e criadas, e onde se juntam certas mulheres com seus amantes, e aí se entregam à devassidão ; estas casas são de maior ou menor luxo; aí se fazem muitas vezes orquestras, dão-se bailes, etc. Com aparato de luxo público julgo não existir nenhuma em Lisboa, mas particulares deve ter havido muitas nesta cidade já de antigos tempos : em lugar competente trataremos deste objecto.

© Etnográfica Press, 1984

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search