Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Senhores de Si

 | 
Miguel Vale de Almeida

I. Uma casa para um estranho

A comunidade construída pelo antropólogo

Texte intégral

1Existem em antropologia duas posturas diametralmente opostas quanto à relevância da inclusão do relato pessoal do antropólogo sobre a sua experiência de campo. Uma, mais clássica, como que «apaga» a subjectividade da experiência; tem como consequência transformar a comunidade estudada em apenas um exemplo entre qualquer outro possível, e por pressuposto epistemológico a objectividade. A outra, vulgarmente dita «pós-moderna», pretende fazer da própria experiência inter-subjectiva o conteúdo do estudo antropológico.

2Parecem-me ambas extremadas. Com este capítulo, pretendo encontrar um ponto de equilíbrio: reconhecer a importância epistemológica da experiência pessoal do antropólogo; mas conferir, também, uma relativa objectividade à realidade social estudada. Trata-se aqui, especificamente, de dar conta dos «primeiros contactos»: os tempos prévios à instalação física no terreno da aldeia, a escolha desta, as formas políticas de inserção e a lenta aceitação do estranho que é o antropólogo. Nessa fase, a comunidade só é entendível enquanto entidade colectiva, estrutura, conjunto de dados estatísticos e qualitativos, comparáveis pelo antropólogo com os das dezenas de monografias recenseadas, inserível nas tipologias sociológicas com que lida na academia.

3Esta visão, que gosto de chamar «exterior», é qualitativamente muito diferente da visão que, com o passar dos dias na aldeia, se vai ganhando desta. Aos poucos, são as pessoas concretas e as relações que com elas se estabelecem, que marcam tanto a subjectividade como a relativa objectividade do trabalho antropológico. Antes, pois, de escrever sobre as pessoas, gostaria de responder a uma série de questões preliminares mais básicas: quantas são, que fazem, que aspecto tem a aldeia, porque a escolhi?

4Uma primeira pergunta poderia ser: porquê trabalhar em Portugal? Como tantas opções na vida de uma pessoa, creio que as circunstâncias exteriores falaram mais alto: as dificuldades de tempo e financiamento para uma experiência em terreno exótico tiveram o seu peso; se é que se lhe pode chamar circunstância «exterior», a vida pessoal e afectiva exerceu uma forte influência no sentido de fazer trabalho de campo num local próximo da minha terra, Lisboa. Por fim, o objectivo era estudar a construção social da masculinidade e não uma cultura específica; este cariz mais antropológico que etnológico permite, até certo ponto, que se estude qualquer contexto.

5Mas a questão de fazer anthropology at home (Jackson 1986) era, à data, igualmente relevante. No espaço territorial do Estado-nação que é Portugal, co-existem homogeneidade e heterogeneidade culturais. À homogeneidade da língua e das estruturas do Estado, contrapõe-se a heterogeneidade das formas de reprodução social.

  • 1 Gregory (1984), afirma que esta dificuldade decorrente do género do antropólogo é um mito e que, co (...)

6Agora que a experiência de campo já pertence ao passado, tenho consciência de que tudo teria sido mais fácil se fosse estrangeiro, se tivesse tido de aprender a língua e, inclusive, se fosse mulher e não homem. O meu estatuto de homem (e, para mais, oficialmente solteiro) tornou difícil o acesso ao mundo feminino1. O de letrado, burguês e urbano, colocava-me numa prateleira hierárquica previamente estabelecida na cultura local. Raramente pude utilizar a desculpa da ignorância ou da ingenuidade, tão útil aos antropólogos. Talvez por isso mesmo, porém, a experiência tenha sido tão rica, por me obrigar a ver a minha cultura como coisa estranha; e, paradoxalmente, por ter visto quão diferente era a cultura de Pardais por comparação com a minha enquanto membro de uma burguesia letrada cada vez mais transnacional.

7A escolha do Alentejo como região para o trabalho de investigação ligou-se, sem dúvida, ao facto de esta província ser normalmente associada ao contexto cultural do «Sul da Europa» ou do «Mediterrâneo». É nesta área cultural que os estudos monográficos fornecem mais material sobre o género e a sexualidade no que respeita à Europa. Como à frente direi, isto baseia-se em grande parte na ideia da existência de uma cultura «machista», concomitante com uma forte e marcada divisão sexual, sistematizada pela Antropologia Mediterranista no complexo da «Honra e Vergonha», e pelo remeter simbólico da «sexualidade» para o «Sul» por parte dos académicos do «Norte», num autêntico remake académico da oposição Natureza / Cultura. Não é segundo estas linhas que o meu estudo segue, mas, em parte, por causa delas: parece-me que os mediterranistas, mais preocupados com o poder constitutivo da moralidade da honra e da vergonha, nunca elaboraram uma abordagem que se possa chamar de «Sexo e Género», remetida quase sempre para contextos exóticos (com predominância do Melanésico). Esta sobreposição entre áreas culturais e temáticas teóricas parece-me perniciosa para o conhecimento antropológico.

8Escolhido o Alentejo, colocava-se a questão seguinte: onde, no Alentejo? Aqui, era para mim muito importante não cair numa outra tentação: a de procurar o Alentejo-modelo, o Alentejo do latifundismo, da desertificação, do desemprego, da queda demográfica, da Reforma Agrária, da influência do Partido Comunista, do folclore linguístico, alimentar, ritual etc. Tãopouco queria escolher um terreno marcado por especificidades locais, vagamente exóticas e turisticamente atractivas. A antropologia Portuguesa já sofreu demais com qualquer uma destas opções. Eu desejava um contexto com uma forte dinâmica social, em transformação, onde se processasse uma simbiose rural-urbano, local-nacional-global, onde o «antigo regime» coexistisse com a «modernidade». Numa visita exploratória, descobri a zona dos mármores, ditos «de Estremoz», tendo-me apercebido de que ali se passava o oposto da ideia-feita do Alentejo: maior concentração demográfica, emprego, urbanização, modificação (para não dizer destruição) da paisagem.

9O chamado «triângulo do mármore» é constituído pelos concelhos de Estremoz, Borba e Vila Viçosa. A especificidade sócio-económica (e também paisagística) da zona foi reconhecida pela Comissão de Coordenação da Região do Alentejo, que publicou uma série de projectos de desenvolvimento e ordenamento territorial para os três concelhos. Para o viajante desprevenido, esta realidade autónoma é perfeitamente perceptível. Quando se passa para os concelhos limítrofes, sejam eles Eivas, Alandroal ou Arraiolos, por exemplo, passa-se para o Alentejo das grandes peniplanícies, do cultivo de cereais de sequeiro, dos montados; de tempos a tempos, um monte isolado na paisagem; em geral, a sensação de que «já ninguém vive ali».

10No Triângulo, a sensação é a de se estar no que um dia poderá vir a ser uma área metropolitana: as vilas de Estremoz, Borba e Vila Viçosa estão tão próximas entre si que se diria serem uma só; ao longo das estradas que as ligam, novos bairros vão surgindo. Mas são sobretudo as pedreiras que marcam o terreno: caóticas, gigantescas, esventrando a terra, arredaram o trigo, a oliveira, o sobro, substituindo-os pelos buldozers, as gruas, as escombreiras, os buracos. Em vez de carroças, mulas ou burros, enxames de operários deslocam-se em motoretas, e o trânsito automóvel nos arredores das vilas — com os carros dos donos das pedreiras, engenheiros, empregados de serviços —, pouco tem a invejar a uma zona urbana. No entanto, encontram-se pequenas aldeias: são os restos — aparentes — do antigo mundo. Todavia, são, na sua maioria, satélites residenciais das pedreiras. Vistas a vol d’oiseau, dir-se-ia que continuam habitadas por seareiros e jornaleiros, prontos a trabalharem nas terras em redor. Mas na realidade são já os dormitórios dos operários.

11Dentro do triângulo, o concelho de Vila Viçosa surgiu como escolha por razões que entretanto abandonei. No início da pesquisa estava interessado em explorar a história da relação entre o conhecimento e a acção da igreja e da aristocracia (no respeitante à moral sexual), e o campesinato. A vila de Vila Viçosa era, para isto, a ideal: terra da Casa de Bragança, em redor do Paço os mosteiros e conventos haviam germinado com pujança, à sombra da vida da corte. Procurei então uma aldeia do concelho, de entre as três existentes: Bencatel, São Romão e Pardais. As duas primeiras são grandes aldeias alentejanas, de povoamento concentrado. A primeira com a sua economia baseada na exploração do mármore, a segunda, porque já na área ecológica das planícies de Eivas, mais virada para a agricultura das grandes propriedades. Das três, Pardais é a mais pequena. Fortemente dependente da actividade económica da extracção do mármore, encontra-se no limite sul do concelho, apenas a um quilómetro da vila do Alandroal, concelho do «Alentejo profundo». Em Pardais encontra-se a última e mais meridional das pedreiras do filão de mármore. O contacto com esta realidade levou-me, inclusive, a abandonar a temática inicial e a concentrar-me na relação entre a construção do género e as mudanças sociais, económicas, laborais, de modernização e ligação à globalidade, aos discursos e práticas que no quotidiano reproduzem a masculinidade hegemónica.

Factos e números: Identificação do terreno

12A Comissão de Coordenação da Região do Alentejo define os concelhos de Estremoz, Borba e Vila Viçosa como uma sub-região de características próprias. No Projecto de desenvolvimento Integrado de 1983 é-nos apresentado o quadro geral da zona. Neste documento, os aglomerados com menos de 10 fogos são definidos como «isolados». Assim, dos 35.219 habitantes presentes na sub-região à data, 7.162 viviam em isolados, ou seja, 20.34% do total. A maior percentagem cabia a Estremoz e a menor a Vila Viçosa (27.80 e 9.57% respectivamente). Em Pardais, o total de isolados era de 222 habitantes, num total de 750 (dados de 1981) habitantes na freguesia, pelo que a percentagem de isolados era de 29.60%, contra 11.59% em Bencatel e 8.49% em Ciladas/S.Romão. Na freguesia, só se verificava um lugar com mais de 100 habitantes — a aldeia de Pardais, com 528 habitantes, 70.40% do total da freguesia.

13A CCRA considerava, naquele documento, que se vinha a verificar uma redução no número de isolados nas três últimas décadas. A concentração característica do Alentejo já era, de qualquer modo, forte, com 76% da população vivendo em lugares com mais de 100 habitantes na sub-região, sendo também elevada a percentagem que vivia em lugares com mais de 1000 habitantes: 64.47%. O caso de Vila Viçosa ressaltava, com 90.43% da sua população residindo nos 4 lugares com mais de 100 habitantes, não havendo lugares com menos que esse número, e apenas um com menos de 1000: precisamente Pardais. O mesmo documento apresenta os traços da evolução da população de Pardais: 594 habitantes na freguesia em 1911, 688 em 1940 e 815 em 1960. Os dados de 1970 dão conta de 862 habitantes, e em 1981 o número baixava para 750. Os números por mim recolhidos em 1991 apontavam um total de 659 habitantes.

14Na caracterização da geografia física feita pela CCRA, o subsolo pertence ao soco antigo ou hercínico, com rochas graníticas e xistentas, as quais, aliás, ocupam 70% do país. Em termo geolitológicos, predominam xistos e grauvaques, sendo evidente a orientação SE/NO da formação de calcários cristalinos que atravessa os três concelhos. Quanto à hidrogeologia, dominam as formações compactas fissuradas, donde a riqueza hídrica do subsolo, principalmente na zona dos calcários e onde esta contacta com os xistos. No respeitante a minas, o relatório faz notar que o Serviço de Fomento Mineiro da Direcção-Geral de Minas e Serviços Geológicos define a principal zona de pedreiras como sendo a sul de Vila Viçosa, situando-se todas elas na mancha dos calcários cristalinos.

15Quanto ao solo, é classificado como de classe de uso E, ou seja, solos com capacidade de uso muito baixa ou nula. Existe uma elevada percentagem de solos de classe E e uma percentagem apreciável de classe C (medianos). Os de capacidade de uso A, B e Ch são em quantidade reduzida em proporção ao resto da área, mas a sua extensão é apreciável se se atender à sua raridade no total do país; ocupam as zonas de vale de algumas linhas de drenagem.

16O uso agrícola em sequeiro era à data o predominante, seguindo-se-lhe a utilização agro-florestal, com montados de azinho e sobro, quase sempre com cultura arvense de sequeiro sobcoberto. A área de olival também era extensa na zona calcária, sendo a utilização agrícola em regadio muito pontual, nas hortas e pomares.

17A CCRA avança no relatório que se verifica uma concentração de população na zona calcária de Estremoz, Borba e Vila Viçosa devida, talvez, a características microclimáticas, abundância de água e existência de manchas de solo relativamente férteis. Esta ideia é coerente com as representações locais, que elogiam estas características. Em comparação com a média do povoamento do Alentejo, a região tem uma ocupação humana relativamente densa, em especial nas proximidades das sedes dos concelhos.

18No projecto, a CCRA concluía que o relevo é de um modo geral ondulado, variando a altitude entre pouco menos de 100m e pouco mais de 600m, sendo o clima mediterrânico com influências continental e atlântica, caracterizado por uma concentração da precipitação na estação fria, e com uma estação quente e seca; o regime das chuvas é de concentração e grande intensidade em curtos espaços de tempo; o efeito de continentalidade faz-se sentir nas amplitudes térmicas. Com um subsolo de xistos e grauvaques e uma importante formação de calcários cristalinos de elevada permeabilidade, é nesta mancha que se localizam as jazidas de mármore — 80% dos mármores extraídos no país.

19Interrompamos aqui estes dados sobre a geografia física — algo alheios ao métier de antropólogo. Sete quilómetros a Sul de Vila Viçosa e um quilómetro a Norte de Alandroal, Pardais surge quase escondida, na vertente do vale da Ribeira de Pardais — um afluente do Guadiana. A aldeia, vista de cima, tem a forma de um quadrado: quatro ruas em torno da Quinta dos Passos. A parte de cima, próxima da igreja, é localmente conhecida como «A Aldeia», a parte de baixo como «A Ribeira»; viver em Pardais é um constante vaivém de subida e descida entre estes dois pólos. Para Norte, o Bairro das Pedreiras, cuja rua conduz às ditas; para Sul, a estrada que acompanha as hortas e os pomares que bordejam a ribeira.

Os primeiros tempos no terreno

20Para o antropólogo que chega a uma comunidade que mal conhece, a primeira tentação é racionalizar o que vê: As fotografias aéreas, os mapas e cartas, as estatísticas, são como que uma forma de apropriação, de domesticação de um real que, por não ser conhecido, provoca a angústia da confusão. Aliás, apercebi-me um dia de que só eu construíra esta visão «exterior» da freguesia: ao mostrar a várias pessoas da aldeia mapas e fotos aéreas, elas não conseguiam identificar praticamente nada: aquela visão plana não tinha tradução no «alto» e «baixo» da orografia vivida pelos pés e o fôlego; o Sul e o Norte não correspondiam à utilização pragmática de pontos de referência como as pedreiras, searas e hortas; as linhas de casas vistas de cima não tinham nada que ver com a marcação do espaço social pelos nomes dos vizinhos. Só o presidente da Junta de Freguesia conseguiu perceber o que aquelas representações… representavam, como «tradutor» que é entre a administração e a população.

21A primeira aproximação a Pardais, fi-la meses antes de iniciar o trabalho de campo. Ainda hoje sorrio com a recordação de uma criança com quem falei na altura e que, meses depois, viria a ser um dos mais assíduos visitantes de minha casa e um entusiasta das sessões de desenhos que nela tinham lugar… No primeiro contacto — físico e impressionista, feito da atracção pela sensualidade das casas brancas e dos pomares de laranjas, ameaçados pelos montes de desperdício das pedreiras —, falei com o presidente da Junta de Freguesia. O senhor Morais, de quem falarei mais adiante, mostrou-se reservado. É certo que, quando percebeu que a minha actividade poderia trazer prestígio à freguesia, demonstrou maior abertura. Seguiu-se uma carta minha, para oficializar a minha escolha por Pardais, a qual resultou numa resposta positiva e entusiástica. Semanas depois, desloquei-me à aldeia para procurar casa. Desaire: segundo o sr. Morais, não havia nem uma disponível.

22O facto consumado de eu ir viver para a aldeia era um acontecimento sem precedentes. Logo, não havia fórmula precisa para lidar com ele. Sem ter família no sítio, sem ser cliente de ninguém, para mais homem e solteiro, eu parecia não preencher nenhum requisito de identidade social aceitável. A não ser o facto de ser «doutor», de «ir escrever um livro sobre a aldeia». Como tal, a proposta era que procurasse casa ou pensão na vila, o que inclusive era visto como mais adequado para o meu estatuto. A ideia, cem vezes por mim reiterada, de «querer viver com as pessoas» tinha o seu quê de absurdo e ameaçador. As insistências foram inúmeras, e chegou a pairar a «ameaça» de escolher outra aldeia para o trabalho de campo. Então, o sr. Morais lembrou-se de que «os Capuchos» (que eu viria a saber ser uma influente família local) tinham uma garagem desocupada, que havia sido transformada numa espécie de bar para recepções festivas. Era habitável e estava desocupada. Não cheguei sequer a vê-la: queria uma casa, para dormir, trabalhar, tomar banho, cozinhar e receber pessoas. Para o sr. Morais e o secretário da Junta, que o acompanhava, esta ideia de «cozinhar» parecia contribuir ainda mais para a minha bizarria social. Com promessas suas de que continuariam as buscas, regressei a Lisboa.

23Seguiram-se muitas semanas de espera, atrasando o começo do trabalho de campo. Finalmente um telefonema: «Parece que há uma casa, duma senhora que está a viver com a filha». Regresso imediatamente à aldeia, e o sr. Morais explica-me que a dona da casa — Maria do Só —, não quer cedê-la. Tinha lá as suas plantas e as suas coisas. A casa estava em stand-by desde a morte do marido. Um dia regressaria a ela; provavelmente nunca, mas para a sua paz existencial era fundamental aquele lar onde poderia regressar. O sr. Morais sugeriu que a aproximação se fizesse junto da filha e do genro. Estes começaram por recusar, através do eufemismo de um pedido de renda exorbitante. Regressei a Lisboa, deixando o presidente da Junta encarregado das negociações para a redução do preço.

24Mais uma espera de semanas se seguiu. Finalmente, o sr. Morais telefonou dizendo que tinham aceite a renda por mim proposta e que desde que a Junta construísse uma barraca anexa para guardar as plantas de Maria do Só, eu poderia mudar-me. Feliz e nervoso, partia para Pardais num Outubro com cores de diapositivo.

25Maria do Só era uma octogenária que se queixava de várias maleitas físicas. Depois da morte do marido, mudou-se para casa da filha, na Fonte Soeiro, um aglomerado da freguesia a um quilómetro de distância de Pardais. A filha toma conta de uma pequena venda na parte da frente da casa. O genro é electricista na indústria dos mármores, tem educação secundária e é filho de um senhor famoso por ser esmerado auxiliar bibliotecário e espécie de erudito autodidacta no Paço Ducal na Vila. A casa que me coube era uma antiga casa alentejana transformada: nas divisões acrescentadas, as paredes de tijolo e cimento já não conseguiam conter nem o frio nem o calor. A chaminé desaparecera e no seu lugar encontrava-se um fogão a gaz. Decorada até à exaustão com toda a espécie de móveis e bibelots, obtive licença para encaixotar a maior parte das coisas, com a justificação de salvaguardar a sua segurança. Na realidade, tratava-se de uma incompatibilidade de gosto.

26Finalmente instalado, deixo-me cair num sofá. Tento acalmar-me: o piar dos pássaros ajuda. À minha frente, um ano. Tremo de medo e entusiasmo. Como é que alguma vez vou conseguir «entrar» na aldeia? Começa, então, a compilação de mapas e estatísticas. O olhar exterior: a construção lenta de uma casa — real e metafórica — para um estranho.

27A aldeia física, aquela que comecei a ver no início do trabalho de campo, é sobretudo as próprias casas. A primeira oposição surge entre as casas antigas e aquelas que foram construídas depois dos anos sessenta. As primeiras, de taipa ou tijolo, são na sua maioria caiadas. As segundas, de tijolo e cimento, aparecem pintadas ou decoradas com azulejos; são estas as que apresentam também um segundo piso. Alinhadas ao longo das ruas, conferem aquela característica urbana que é a marca do Alentejo e que advém do facto de as aldeias serem locais de residência e não de trabalho. No caso específico de Pardais, porém, as ruas não constituem uma rede, uma malha de tipo urbano em pequena escala. A ideia que a configuração da aldeia dá é a de ter crescido em torno da Quinta dos Passos. Esta casa de lavrador, apalaçada apesar do seu pequeno tamanho (para o observador exterior, já que para os padrões locais é grande), possui um vasto terreno, de laranjal e olival, integralmente murado. As casas mais antigas, em seu redor, são casas «em banda», isto é, faceiras, construídas como quartéis, divididos em minúsculas residências que em tempo albergaram os jornaleiros. As casas novas encontram-se nas ruas mais recentes, uma delas integralmente construída nos finais dos anos oitenta. O núcleo antigo da Aldeia é constituído pelas casas em banda da Rua das Escadinhas ou do Padre Espanca, em frente à Igreja. Esta só foi, porém, construída em 1910, pois antigamente situava-se no cemitério, já fora da aldeia. O segundo núcleo antigo é uma faceira adjacente à entrada da Quinta dos Passos, na Rua dos Passos; por último, a «Praça», único verdadeiro largo da aldeia. Antigas são, também, a maior parte das casas dos montes e hortas, já que foi devido ao grande número destas últimas (originalmente azenhas dedicadas à moagem do grão) que a própria freguesia teve origem. Mais recentes são os núcleos constituídos pela Rua da Igreja ou do Lavadouro, pela Rua do Bairro das Pedreiras e pela Rua Nova da Igreja. A rua chamada das Casas Novas tem essa denominação desde o século passado, devendo tratar-se de uma primeira expansão da aldeia para aquela zona da Ribeira. Às 148 casas construídas antes de 1919, correspondiam 34 construídas entre 1919 e 1945, 42 para o período 1946-70, 39 para 1971-80, 25 para o período posterior a 1981.

28De tanto se passear nas ruas, e ainda antes do momento em que se começa a entrar nas casas, vai-se construindo uma imagem da história local, da estratificação social e das mudanças de gosto. As casas mais antigas são ocupadas ou por gente mais velha ou por gente de menores posses. As mais recentes, exibindo os sinais da decoração em azulejo, o segundo piso, as varandas e garagens, marcam a ascensão social resultante da venda de courelas para a exploração do mármore, do comércio ou até mesmo dos salários das pedreiras; a rua dos Covões, por exemplo, com as casas mais recentes, e já urbanisticamente ordenada pela Junta de Freguesia, alberga famílias ainda jovens de trabalhadores semiespecializados das pedreiras. Mais se seguirão nos anos que hão-de vir, a julgar por um ambicioso plano de expansão e urbanização delineado pela Junta, e onde é patente o gosto pelo traçado quadricular em torno de uma praça central, que virá substituir simbolicamente a Quinta dos Passos como ponto focal de uma antiga sociedade agrária.

29Além da Quinta dos Passos, a aldeia conta ainda, em termos de casas «senhoriais», com a Quinta do Panasco. Aparte estas referências enobrecedoras, destacam-se os edifícios públicos: a Junta de Freguesia, tendo anexo o centro de Dia da Terceira Idade; a Casa do Povo, que inclui um pequeno Posto Médico. Existem na aldeia três lojas de víveres: uma ainda segundo o modelo da venda, e duas emulando o «mini-mercado» e subsidiárias da distribuidora retalhista Grula; funcionam também duas padarias. A aldeia conta ainda com uma escola primária, uma pré-primária, a Igreja, o lavadouro público, dois sanitários e balneários públicos, um touril (praça de touros), dois cafés. Já não existe nenhuma taberna, e ainda não há (embora esteja previsto) qualquer restaurante. O cemitério, com capela, e o campo de jogos, completam o equipamento colectivo da aldeia.

30Além do núcleo de Pardais, a população identifica outros três na freguesia: Fonte Soeiro, Azenha Cimeira e Monte Claro. A restante população ocupa as hortas ao longo das ribeiras e alguns montes isolados.

Factos e números II

31Nas casas, no entanto, vivem pessoas…. Os conhecimentos que o antropólogo trava no terreno nunca se aproximam, nem remotamente, da totalidade da população. Criam-se laços preferenciais com algumas pessoas. Mas, por fim, não só se tem uma imagem das relações parentais, de vizinhança e trabalho da quase totalidade, como também um conhecimento da estrutura geral da população. No recenseamento dos grupos domésticos que levei a cabo, identifiquei 246 na freguesia. Na realidade, porém, dois deviam ser excluídos: um por se tratar de um «colectivo temporário» (duas famílias Ribatejanas que faziam uma «seara» sazonal de tomate), o outro por ser a minha casa. Os meus dados, sobretudo qualitativos, pois incluem nomes, data de nascimento, profissão, situação dos filhos, laços de parentesco com outras casas etc, foram posteriormente comparados com os dados provisórios do Censo de 1991. Neste o número de «Questionários de Famílias Clássicas» (a categoria que mais se aproxima da de «grupo doméstico») é de 252. A discrepância de 6 unidades deve-se à inclusão, nos censos oficiais, das duas famílias de seareiros referidas e algumas casas definidas como pertencentes a Pardais, mas efectivamente per tencentes a uma freguesia da vila. No Censo oficial, o número de pessoas presentes na freguesia era de 661 (330 homens e 331 mulheres), ao passo que no meu recenseamento é de 323 homens e 336 mulheres, num total de 659 pessoas.

32A partir destes dados, podemos definir a estrutura da população e alguns aspectos de estratificação social que podem vir a ser determinantes para a construção do género e da masculinidade em particular. Assim, em relação à estrutura de sexo e idades, uma pirâmide de idades reproduziria a tendência geral do Alentejo para o envelhecimento da população, embora mostrando um reforço da faixa etária e juvenil. Isto é um reflexo de uma recente fixação da população gerada pelo emprego na extracção do mármore.

33Quanto à evolução da população desde 1864, a diminuição desta a partir da década de setenta deve-se sobretudo à mudança do local de residência da aldeia para a vila e não a emigração para as cidades ou o estrangeiro. A emigração para os arredores de Lisboa deu-se sobretudo na década de cinquenta e sessenta, e a emigração temporária para a Suíça é um fenómeno praticamente inexistente em Pardais, ao contrário, por exemplo, da freguesia de S. Romão, ou do concelho de Alandroal.

34Segundo Nazareth (1988), o Alentejo passou de 770.965 habitantes em 1960 para 585.000 em 1980, correspondendo a um decréscimo global de 24,1% em todos os lugares com menos de 10.000 habitantes, tendo aumentado apenas os centros de escalão superior (+ 31.9%) (1988:125). O decréscimo dos lugares com mais de 2000 habitantes foi de -14.8%, ainda assim menor que o verificado nos restantes (-29.2%). Os lugares entre 2000 e 5000 habitantes diminuiram 38.1%, correspondendo a centros rurais que baixaram, entre 1960 e 1981, do limiar dos 200 habitantes, razão pela qual não é pronunciado o decréscimo dos lugares com 100 a 200 habitantes (-8.9%). O decréscimo máximo deu-se nos isolados, com menos de 100 habitantes: -55.5%.

  • 2 Em Pardais, e em 1991, os dados eram os seguintes: 0-14: 18.20%; 15-64: 64.33; 65+: 17.45

35De facto, no período de maior emigração no país, o Alentejo teve valores baixos, pois o abandono da terra fazia-se sobretudo para Lisboa e Setúbal, o que, todavia, não contradiz a ideia generalizada da desertificação humana daquela província. As pirâmides de idades para o Alentejo apresentam, em geral, uma base reduzida e um topo bastante empolado. Nas de 1980, como o retorno não foi importante (já que a emigração também o não fora), verifica-se uma diminuição na importância da jovem população activa de ambos os sexos (1988:126). Para a região, e para 1980, tínhamos a seguinte divisão pelos três grandes grupos: de 0 a 14: 20.7%; de 15 a 64: 63.2%; com mais de 65: 16.1%2. O que conferia ao Alentejo a característica de região com menor percentagem de jovens e maior de idosos.

  • 3 À data da investigação não se encontravam disponíveis dados locais mais recentes.

36Nas estatísticas do desemprego referentes a 1984 (CMVV1985)3, o total de desempregados era de 116, dos quais só 11 eram homens, e 105 mulheres. Destes, um total de 22 recebiam subsídio de desemprego, todos mulheres. Esta divisão sexual do desemprego é um dado importante, já que demonstra a situação de quase pleno emprego masculino, resultante do trabalho da exploração de mármore, e um grave desemprego feminino, resultante da decadência da agricultura. Mas os dados também enganam, já que a actividade de assalariadas agrícolas é sazonal (apanha da azeitona, trabalho nas vinhas, plantação de eucalipto, apanha do tomate etc), recorrendo ao subsídio de desemprego nos períodos de paragem. Igualmente, em muitos casos (sobretudo os dos casais em que o homem é semiespecializado nas pedreiras), o desemprego feminino é uma forma de ascensão social, através da incorporação por parte da mulher de uma identidade burguesa de «doméstica».

37Analisemos agora uma listagem e classificação por mim feita das profissões dos membros adultos. Os critérios estatísticos incluem jovens que abandonaram a escolaridade e estão no mercado de trabalho, a partir dos 15 anos. Na realidade, em Pardais há jovens a trabalhar a partir dos 13 anos, mas aqui seguiremos as medidas-padrão usadas em demografia. Quanto aos homens, 136 encontravam-se directamente adscritos à indústria de extracção e transformação do mármore. Como veremos num outro capítulo, a actividade possui uma hierarquia de trabalho que implica identidades sociais diferenciadas. No fundo desta hierarquia havia, em 1991, 3 aprendizes e 68 cabouqueiros. Quanto aos serradores (de monolâmina, fio de diamante, de areia ou mestres de fio), eram 15. Havia 24 maquinistas. No topo da hierarquia, 18 encarregados de pedreira e/ou de pessoal. Nos ofícios ligados ao mármore, haviam 3 serralheiros, 1 mecânico e 2 electricistas e, finalmente, nos serviços, 1 empregado de escritório e 2 escriturários.

38Tãopouco ligada à agricultura, a outra categoria é a de construção civil e empregos diversos: 10 pedreiros, 2 maquinistas, e 4 empregados de limpeza ou jardinagem da administração autárquica. Apenas 16 homens se encontravam ligados ao comércio e serviços: 1 taxista, 10 comerciantes (de pão, talho, carvão e cafés), 1 dono de oficina, 1 escriturário, 1 empregado de escritório, 1 professor do ensino secundário, 1 guarda da GNR, e 2 ajudantes de talho. A agricultura movimentava um total de 20 homens: 1 proprietário, 8 agricultores, 2 criadores de gado, 2 tractoristas, 3 encarregados agrícolas, 2 pastores, 2 tratadores de cavalos e 1 equitador. Por fim, o total de reformados e/ou incapacitados ascendia a 70 homens. Quanto ao número de reformados, este tem de ser relacionado com a população masculina activa somada à população idosa, resultando em 26%.

39Quanto às mulheres, encontramos, ao nível dos serviços e comércio, 1 professora primária, 1 escriturária, 2 empregadas de escritório, 2 funcionárias públicas, 2 educadoras e uma auxiliar de laboratório; 3 comerciantes de café, 4 do sector alimentar, 4 de pão e 1 empregada de balcão. Em serviços de limpeza, 16 eram empregadas domésticas e 13 empregadas de limpeza e cozinha de comércios e da administração autárquica.

40Na agricultura, o total de mulheres era de 70. Apenas duas se declaravam como agricultoras polivalentes. Das restantes, 38 eram trabalhadoras fixas em vinhas e eucaliptais, e 32 apenas declaravam uma «última actividade» (sazonal), na apanha de uva, tomate ou azeitona.

41Fora 2 operárias de uma fábrica de tripa no Alandroal, 1 desempregada de uma extinta mina de cobre, 92 declaravam-se incapacitadas e/ou reformadas e 33 declaravam não terem ocupação. Tal como no caso dos homens, a percentagem de incapacitadas/reformadas, se estabelecida em relação à população feminina activa somada à população idosa, resulta em 33, 82%.

42Tinha, pois, a partir de certo momento, uma imagem estrutural da aldeia. Uma dependência quase exclusiva da indústria do mármore, em que a maioria, como veremos adiante, não tem trabalho especializado. Neste sentido, prolongava-se a tradição dos jornaleiros. Mas com a diferença de este trabalho ser agora fixo, trabalho de todo o ano, ainda que se mantenha uma forte mobilidade de empresa, dado o grande número de pedreiras. Não fora o facto de os assalariados agrícolas já serem semi-proletários, poder-se-ia falar de um processo de proletarização. Todavia, como as tarefas da extracção do mármore se ligam, ainda, à terra, muito da visão camponesa do mundo manteve-se; outro tanto perdeu-se, como a noção de ciclicidade. A desvinculação da terra, porém, bem como o facto de esta não ser propriedade de quem a cultiva, de não constituir herança e foco de estratégia para a reprodução dos grupos domésticos, facilitou a transição para o trabalho no mármore. A excepção terá sido o grupo dos seareiros, como veremos adiante.

Grupo doméstico, família, género

43A partir destes dados estruturais, e sobretudo da identificação dos grupos domésticos, como podemos fazer a ponte para a questão do género? Talvez pela crítica da noção de grupo doméstico e de família. Tomemos a ideia feita de que a família é constituída por pai e mãe, casados, com filhos solteiros. Esta ideia é o modelo local, é o modelo religioso e moral. Em certa medida é também o do Estado e o das Ciências Sociais que abordam a família. Nas últimas décadas, os estudos antropológicos sobre os Grupos Domésticos ultrapassaram este espartilho, com as noções de «ciclo de desenvolvimento», ou com os estudos sobre o celibato, para citar apenas alguns exemplos. Vejamos quantos grupos domésticos do presente etnográfico de Pardais não correspondiam ao modelo do senso comum, bem como a variedade de situações existentes; excluem-se deste exercício os casos em que o casal, por via da idade, já não tem os filhos em casa, situação que o «modelo» aceita. Para tal, utilizarei dados do recenseamento por mim levado a cabo.

44Num total de 246 grupos domésticos, temos 87 casos não-«modelares», ou seja, 35% do total. É claro que muitos casos de mulheres idosas viúvas encaixam na moral local da aceitabilidade; são 23 casos. Se os retirarmos do cômputo, o número de atípicos baixa para 64. Os homens viúvos, vivendo sozinhos, não são aceitáveis em muitos contextos, sendo supostos recolherem a casa de uma filha. Porém, se mesmo assim os associarmos ao equivalente feminino, ainda podemos reduzir o número de atípicos para 57. Antes de prosseguir, convém excluir os casos sui generis do antropólogo e do colectivo temporário, pelo que ficamos com 55 casos. Destes, temos: 11 homens celibatários e 6 mulheres celibatárias; 9 homens e mulheres separados/as ou divorciados/as; 3 jovens casais vivendo com os pais do rapaz e dois com os pais da rapariga; 4 casais com o pai ou a mãe da mulher; um caso de segundas núpcias; um caso de co-residência com uma empregada; 6 casos declarados de casamento sem registo (juntos), a que se poderiam acrescentar os casais jovens em casa dos pais de um dos cônjuges; 4 casos de casamento por registo depois do nascimento do primeiro filho; 2 adopções; 8 casos de filhos e 4 de filhas vivendo com os pais muito para lá da idade da fertilidade; 2 casos de co-habitação entre irmão/irmã solteiros e 1 caso de irmãs solteiras co-habitando.

45Partindo, pois, do número de 244 grupos domésticos, temos 57 casos atípicos estrutural ou conjunturalmente respeitantes a uma variedade de factores. No limite, ainda poderíamos excluir a co-habitação dos pais e mães viúvos com os seus filhos, considerada aceitável, pelo que obteríamos 53 casos. Aceites ou não pela moral local (como no caso dos juntos), os casos que sobram são contraditórios com as regras inicialmente enunciadas e «esquecidos» em muitos estudos de família. Ora, estes 53 casos (no número mais optimista) representam, ainda assim, 21% dos grupos domésticos. Os casos de rapazes vivendo com os pais para lá da idade do casamento (8) e de homens celibatários (11) ilustram que a prática nem sempre corresponde à regra: casar antes dos 30, fazer casa, ter filhos, cuidar dos pais na velhice.

46No célebre artigo de 1972, «Domestic Groups», Jack Goody procurava definir o grupo doméstico:

  • 4 «Os grupos domésticos são aquelas unidades que, nas sociedades pré-industriais, giram em torno da l (...)

«Domestic groups are those units which in preindustrial societies revolve around the hearth and the roof, the bed and the farm, that is, around the processes of production and reproduction, of shelter and consumption» (1972:4)4

47Começando pela unidade económica, Goody diz que a estrutura e o tamanho dos grupos envolvidos na produção varia com o tipo de economia e a natureza da actividade. Baseando-se em Fortes (1949), define como factor fundamental para o tamanho da unidade económica o ponto na história do grupo doméstico em que ocorre uma divisão, seja na unidade de produção, consumo ou residência. A estrutura da família rural depende, pois, de factores que influenciam o processo de fissão, tais como o casamento, a herança e o tipo de economia.

48A unidade de reprodução existe independentemente da residência comum ou do casamento formal. Partindo do princípio de que o laço mãe-filho/a é o mais duradouro, Goody define três tipos de situações domésticas prevalecentes: a família matrifocal, a unidade matrilinear mínima e a unidade conjugal. Esta última leva directamente da reprodução à socialização, já que as exigências de cuidados com as crianças e as exigências pessoais da economia do sexo militam a seu favor (1972:10).

49No respeitante às unidades de residência, a questão fulcral seria a forma como os vizinhos se encontram ligados por laços de parentesco, casamento ou cooperação económica. Os grupos de residência dependem da localização da residência pós-matrimonial e da natureza do laço entre o par matrimonial e os lares natais. Assim, onde a mulher tenha o direito a parte da propriedade dos seus pais (diverging devolution), a percentagem de uxorilocalidade será significativa. Outros elementos a considerar na circulação de homens, mulheres e crianças são as questões da relocação dos idosos (regresso da mãe à casa da filha…) e as práticas de ama-seca, adopção, tutoria etc.

50O modelo do ciclo de desenvolvimento dos grupos domésticos, de Fortes, e seguido por Goody, pretende trazer o tempo para a análise dos grupos domésticos. Implícita está a noção de que a família nuclear é uma mera fase pela qual passam a maior parte das famílias. O modelo delineado por Fortes (1958) inclui três fases: expansão (desde o casamento até ao fim da procriação); dispersão ou fissão (casamento do primeiro filho/a); e a substituição.

51No respeitante ao parentesco, numa unidade de casal e filhos, os actores representam papéis sexuais, geracionais e de relações específicas, resultando em relações conjugais, de afinidade, de filialidade e de germanidade. Partindo da tradição de Fortes, Goody estabelece também a distinção entre descendência (patri ou matrilinear) e filiação (paterna ou materna). A própria terminologia dá nomes para os papéis sociais, num conjunto de etiquetas que explicam o comportamento: sexual, de evitação, de respeito, de troça, de apoio, financeiros etc.

52Mais tarde, em 1976, Goody publicava Production and Reproduction, com o intuito de abordar as mudanças que, no tempo longo, teriam ocorrido nas instituições domésticas e de parentesco, e fazer a ligação entre tipos de produção e aspectos do parentesco e casamento. Ann Whitehead (1977) criticaria a obra, por não estar à altura do que ela esperava. Para a autora, as feministas, a partir da reinterpretação da obra de Engels, haviam debatido as relações entre as formas de subordinação da mulher e as formas domésticas (household) e os sistemas de parentesco e os sistemas de produção.

53Whitehead (1977) afirma que a força motriz da análise de Goody seria um desejo inexplicado para manter as diferenças de status ou o desejo de a propriedade não ser dissipada. A conexão entre produção e reprodução, no seu aspecto mais simples, baseia-se no truísmo de que a produção precisa de pessoas e a reprodução, num dos seus sentidos, produ-las. Em muitos sistemas de produção (quem produz, como se organiza a produção, como o produto é apropriado, e as relações de produção) as relações familiares e de parentesco são a únicas em que as relações sociais de produção e as relações sociais de reprodução acontecem. Mas não é assim na maioria dos sistemas de produção.

  • 5 Tradução livre: «o grupo doméstico como unidade organizada para prover os recursos materiais e cult (...)

54Aquilo que no tempo de Malinowski era «família», passou a diferenciar-se em família e household. Mas as análises novas assentam ainda demasiado em concepções da família próximas das dele. Yanagisako (1979) considera que a definição de Fortes é vaga: «[the domestic group as a] householding and housekeeping unit organized to provide the material and cultural resources needed to maintain and bring up its members», bem como a sua definição do domestic domain como «the system of social relations through which the reproductive nucleus [the family] is integrated with the environment and with the structure of the total society» (in Yanagisako 1979:166)5. Porque variam as organizações domésticas? As variáveis explicativas podem ser demográficas, económicas, ou relacionadas com a estratificação. O modelo de Fortes do ciclo de desenvolvimento assenta em processos demográficos: a fase ideal, completa, só é visível, num censo, em poucos casos. Para reconhecer a mudança histórica é necessário colectar dados a partir de fontes históricas, como os registos, e reconstruir histórias de indivíduos e de famílias. Isto acontece com os dados de Pardais, cujo material genealógico foi recolhido nos Registos Paroquiais, Civis e Róis de Confessados (embora não seja aqui apresentado, já que este ensaio não foca a demografia histórica ou as histórias de famílias).

55Na variedade económica, a propriedade é um ponto de focagem bastante comum, seja desde uma perspectiva jurai, seja vendo a propriedade como um recurso e objectivo que molda as acções de indivíduos maximizadores (Yanagisako 1979:169). A teoria de Goody sobre a evolução da organização doméstica assenta na transmissão da propriedade; ele quer explicar as transacções matrimoniais, os padrões de herança, os grupos de descendência, as formas de casamento, os papéis domésticos e a terminologia. Para tal estabelece um contraste central entre as sociedades com preço de noiva (africanas) e as sociedades do dote (euro-asiáticas). As primeiras levam a um efeito de nivelamento, as segundas reproduzem diferenças de riqueza. O sistema de dote seria inerentemente bilateral, pois com a divergent devolution, o dote leva à transmissão da propriedade para fora do grupo de descendência unilinear, enfraquecendo a sua natureza corporate. O estatuto das mulheres como herdeiras levaria à monogamia (por vezes com concubinagem), ao conceito de amor conjugal e à individualização da mãe.

  • 6 Tradução livre: «em parte alguma os campesinatos constituem uma massa ou aglomerado homogéneo, mas (...)

56O segundo recurso produtivo determinante é o trabalho. Mas não basta, para Yanagisako, relacionar a actividade produtiva com as exigências de trabalho tecnologicamente determinadas. Não se pode ver a household como uma unidade de trabalho autocontida, como o fizeram Sahlins (1972) e Chayannov (1966 [1925]). Quanto à estratificação social, as diferenças entre os camponeses têm sido mais consideradas. Mintz afirma: «peasantries nowhere form a homogeneous mass or aglomerate, but are always and everywhere typified themselves by internal differentiation along many lines» (Mintz 1973:95)6.

57As variações no tempo baseiam-se sobretudo na análise quantitativa da demografia histórica, com realce para o Cambridge Group for the History of Population and Social Structure, de Laslett. Este pretendeu refutar a teoria de que, a acompanhar a industrialização europeia, se dera uma mudança da família extensa para a nuclear. Exagera porém esta posição ao dizer que pouca variação se deu na organização familiar na história humana. Também Yanagisako critica em Laslett (1972 e 1977) o facto de igualar padrões de residência com estrutura da família e mesmo organização do parentesco; por não prestar atenção às relações entre unidades residenciais; por não considerar a diversidade regional, e por não tomar em consideração o ciclo de desenvolvimento dos grupos domésticos.

58Para Yanagisako é mais estratégico, do ponto de vista analítico, começar por investigar as actividades (donde, a acção) que são centrais para as relações domésticas em cada sociedade, do que começar com os grupos domésticos. Primeiro, sistematizar as transacções produtivas, rituais, políticas e de troca. E só depois colocar a pergunta sobre que tipos de parentesco ou de unidades localmente baseadas estão envolvidos nestas actividades.

59Isto implica outro problema: a oposição conceptual entre os domínios doméstico e político-jural, defendida por Fortes. Este esquema corre perigos de reificação, levando à prevalência de noções como a de que o núcleo das relações domésticas é o laço mãe-filho/a, visto como o mesmo em todo o lado, assente na biologia. O seu parceiro é a crença em que a reprodução (a provisão de pessoas devidamente enculturadas para preencherem posições sociais necessárias à perpetuação da ordem social) é a actividade primária do grupo doméstico.

60Assim, Yanagisako (1979) propõe algumas novas perspectivas sobre a organização doméstica, com três alternativas de focagem: os sistemas de sexo e género; o estudo do parentesco como um sistema simbólico; e o estudo da desigualdade social. As relações domésticas são parte intrínseca da estrutura política de uma sociedade. A primeira é, obviamente, o ênfase do meu trabalho.

61Se os finais dos anos sessenta foram marcados por Laslett, nos finais dos anos setenta, duas direcções surgiam: uma, com um ênfase renovado na continuidade e mudança na função social da família e o seu papel na reprodução social, socialização e trabalho. Outra, com uma análise da acção recíproca de processos económicos e sociais fundamentais na estrutura da família, incluindo um olhar sobre as relações sexuais, a infância, a juventude, a velhice e a morte. O que Medick e Sabean (1989) propuseram foi que não se separasse o estudo das emoções do estudo do interesse familiar. Shorter (1975), talvez mais do que Foucault ou Flandrin, já definira a família pós-século XVIII como tendo sofrido um processo de sentimentalização.

62Para Iturra (1988), num sistema camponês, o trabalho é feito pelo conjunto de membros do grupo doméstico. Há, porém, um limite para o número de trabalhadores que podem ficar debaixo do mesmo tecto, alimentando-se com o mesmo produto. Sendo a terra o factor básico, as pessoas adaptaram-se à sua quantidade (e à ausência desta) organizando processos de trabalho e aliança, grupos de ajuda, através de redes parentais e vicinais, recorrendo à emigração, ao controlo da fertilidade e do casamento (1988:103). A terra é um factor reprodutivo apenas na medida em que os processos de trabalho e a distribuição dos ganhos, em conjunto com a terra como recurso, a fazem como tal. O latifúndio é aqui exemplar. Por isso, são as ideias económicas e jurídicas que definem as relações dos homens no território, e que estabelecem a circulação daqueles sobre esta, e por fim estabelecem a hierarquia social que disciplina o acesso a ela. Daí dever distinguir-se entre campesinato e trabalhador da terra, entre pequena propriedade e latifúndio.

63Iturra diz que, no seu terreno, não conseguiu aplicar a muitos proprietários a correlação de Bourdieu (1962) entre estado da exploração e celibato, aplicada a Portugal por O’Neill (1984) (património-matrimónio). Para ele, nem sempre há coincidência: é que o acesso à terra, ideado a partir do sagrado e ordenado juridicamente, tem como garantia a noção de pecado e, em segundo lugar, a de crime. Por isso, Iturra diz:

«Se queremos saber como se reproduzem as condições de reprodução social (…) temos de nos perguntar também como se fazem os trabalhadores, pois eles são a condição da reprodução. O grupo doméstico, como diria Goody (1958, 1976, 1979) e Fortes (1958); a família e o casamento, como diria mais tarde o próprio Goody (1983), assim como a maior parte dos investigadores sobre o tema rural (Chayanov 1925, Shanin 1973, Franklin 1969, Galeski 1977, Tepicht 1975, Gudeman 1978, Nash 1966, Polanyi 1957, Dalton 1971 e 1972) ou, por fim, as formas que regulam a circulação do conhecimento dentro da família, das pessoas através do casamento e das terras na herança, como diria Bourdieu (1976) constituem os factores que assumem a reprodução das pessoas e do sistema social» (1988:107)

64A produção de produtores teria três momentos de um mesmo processo: Um sistema heterogéneo de reprodução humana (com bastardia, incesto, etc.); a aprendizagem (com a família, a Igreja e o Estado); e a redistribuição de funções nos grupos domésticos (a assignação de tarefas). A hipótese defendida por Iturra é a de que a religião é a teoria da actividade económica que, nas relações sociais actuais, se transforma na racionalidade teorizada pela economia (Iturra 1986). Esta questão será repegada mais adiante, a propósito da moralidade sexual.

65Apresentada, em traços largos, a estrutura social da aldeia, interessa-me porém focar os aspectos da reprodução social que mais directamente se ligam à construção social do género, e à constituição da masculinidade como uma categoria que assenta em outras divisões sociais: estratificação social, trabalho, dicotomia sexual, e construção cultural das emoções.

Notes

1 Gregory (1984), afirma que esta dificuldade decorrente do género do antropólogo é um mito e que, com esforço pessoal e correção metodológica, pode-se obter acesso ao «mundo feminino». Tal é sem dúvida verdade, mas não impede que, em contextos de forte divisão sexual, se propiciem poucas situações de contacto inter-sexual. Eu acrescentaria: e quando se propiciam, as informantes não «assexuam» necessariamente o antropólogo. A experiência de terreno relatada por algumas colegas parece indicar que a investigadora é mais facilmente «assexuada» pelos informantes, para não dizer «masculinizada», o que se prende, naturalmente, aos estereótipos de género associados à divisão do trabalho e ao poder simbólico da ciência.

2 Em Pardais, e em 1991, os dados eram os seguintes: 0-14: 18.20%; 15-64: 64.33; 65+: 17.45

3 À data da investigação não se encontravam disponíveis dados locais mais recentes.

4 «Os grupos domésticos são aquelas unidades que, nas sociedades pré-industriais, giram em torno da lareira e do tecto, da cama e da quinta, isto é, em torno dos processos de produção e reprodução, do abrigo e do consumo».

5 Tradução livre: «o grupo doméstico como unidade organizada para prover os recursos materiais e culturais necessários para manter e educar os seus membros»; «o sistema de relações sociais através do qual o núcleo reprodutivo (a família) é integrado no meio ambiente e na estrutura da sociedade».

6 Tradução livre: «em parte alguma os campesinatos constituem uma massa ou aglomerado homogéneo, mas antes são sempre, e em toda a parte, caracterizados por diferenciações internas segundo diversas linhas divisórias».

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr