Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Informações para autores

Âmbito editorial

Etnográfica Press é um projeto editorial do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) que pretende colocar à disposição de um público alargado obras relevantes das ciências sociais e humanas. Dedicado especialmente à antropologia, mas aberto a outras disciplinas (história, sociologia, geografia ou estudos culturais), o catálogo da Etnográfica Press inclui obras inéditas e reedições de livros provenientes de coleções antigas e prestigiadas. Este projeto é uma aposta na edição eletrónica em acesso aberto.

Coleção Etnográfica Books

Abordando uma grande diversidade de contextos etnográficos, a coleção privilegia a qualidade da pesquisa empírica, a diversidade de perspetivas analíticas e a inovação teórica. A coleção edita trabalhos monográficos nas quatro línguas cuja coexistência representa uma das originalidades da revista Etnográfica (português, inglês, francês, espanhol).

Coleção Antropologia

Uma coleção generalista que reúne obras inéditas e reedições de estudos mais antigos em português, inglês, francês ou espanhol. Procura acompanhar as evoluções teóricas, metodológicas e temáticas da antropologia, estando também aberta à contribuição de outras disciplinas da área das ciências sociais e humanas (história, sociologia, geografia ou estudos culturais).

Coleção Portugal de Perto

A coleção Portugal de Perto, publicada originalmente pela Edições Dom Quixote, é a mais importante coleção de antropologia portuguesa. Como enunciava o diretor da coleção, Joaquim Pais de Brito, todas as obras “se reportam ao espaço português, estudando os mais diversos aspetos da sua cultura (poderíamos dizer: das suas culturas) (…) e esse estudo é feito mais ou menos de perto, com base num trabalho de recolha direta, e propõe-se, algumas das vezes, trazer para mais perto fatias do real descuradas ou desconhecidas. Tudo isso nos limites de uma área disciplinar que, grosso modo, vai da etnografia à antropologia e dirigindo-se não só aos estudiosos e especialistas, como também à curiosidade do grande público.” Ao colocar esta coleção online e em acesso aberto, a Etnográfica Press torna disponível a um publico alargado o conjunto completo destas obras que ilustram de forma notável a história da antropologia portuguesa e a sua diversidade.

Como propor um manuscrito

Embora aberta à reedição de textos importantes, a Etnográfica Press procura publicar contribuições originais. As propostas não devem estar em processo de avaliação noutros editores. Os manuscritos propostos para publicação devem ser enviados por e-mail para etnograficapress@cria.org.pt em ficheiro de texto (Word ou equivalente), na sua integralidade, incluindo título, identificação dos autores (e organizadores, se aplicável), índice e bibliografia. Devem, adicionalmente, ser acompanhados de uma apresentação, com um máximo de 1200 palavras, sobre o tema e os objetivos do trabalho e sobre o público a que o mesmo se dirige, e com indicação de até sete palavras-chave que identifiquem os tópicos da proposta. Deve ser ainda enviada uma breve nota biográfica de cada um dos autores (e organizadores, se aplicável) que inclua a sua filiação institucional atual. Os ficheiros originais de todos os quadros e figuras deverão ser também anexados em formato editável, assegurando-se que todas as imagens tenham boa resolução.

Línguas de publicação

Os textos poderão ser apresentados em português, inglês, espanhol ou francês.

Dimensão das contribuições

O manuscrito original não deve ultrapassar, na sua totalidade, as 300 páginas (600 mil carateres com espaços).

Sistema de avaliação e seleção

A proposta é objeto de uma primeira apreciação por parte dos membros do conselho editorial da Etnográfica Press, sendo valorizadas a inovação teórica e a fundamentação etnográfica e avaliada a adequação da obra às especificidades de cada coleção. Caso o parecer do conselho editorial seja favorável, o manuscrito é enviado a dois especialistas para arbitragem por pares em anonimato bilateral, a quem são pedidos pareceres sobre a qualidade geral da obra e sugestões de alterações ao texto. Cabe ao conselho editorial a decisão final sobre a aceitação do manuscrito para publicação. A decisão será comunicada aos autores/organizadores num prazo máximo de seis meses.

Uma vez aceite para publicação, o texto deverá ser reformulado pelos autores de acordo com as eventuais recomendações dos pareceres, adequado às normas gerais de formatação da Etnográfica Press e enviado em versão revista e completa por e-mail para etnograficapress@cria.org.pt.

Custos da edição

A Etnográfica Press dedica-se especialmente à edição eletrónica em acesso aberto. Se o manuscrito for aprovado para publicação, o proponente poderá ter de assegurar uma comparticipação nos custos da edição. A opção por disponibilizar a obra também em edição impressa caberá ao autor/proponente, que deverá assegurar integralmente os respetivos custos.

Normas gerais de formatação

O livro é composto por capítulos identificados sequencialmente em numeração árabe (1, 2, 3…), eventualmente agrupados em partes numeradas a romano (I, II, III…) sem interromper a numeração dos capítulos.

Imediatamente após a folha de rosto, em que é indicado o título e eventual subtítulo da obra, bem como os seus autores ou organizadores, é apresentado o índice geral do livro, compreendendo todos os capítulos que o compõem e as eventuais partes que os agrupam, bem como eventuais elementos que precedam o primeiro capítulo (prefácio, agradecimentos, notas biográficas dos autores, lista de siglas, introdução…) ou que se sucedam ao último (anexos, lista de fontes, bibliografia, índice remissivo…).

As notas devem ser inseridas em pé de página, identificadas com numeração árabe que se reinicia em cada capítulo, e constituídas por um único parágrafo, sem inclusão de quaisquer extratextos. A chamada de nota deve situar-se depois da pontuação adjacente e nunca em títulos do texto nem em extratextos.

Deverão ser usadas aspas altas (“aspas”), sendo usadas aspas simples dentro delas (“incluir ‘aspas’ dentro de aspas”).

As citações mais longas deverão ser destacadas em parágrafo autónomo e recolhido e colocadas entre aspas.

O itálico deve ser usado para termos noutras línguas e, se necessário, para destacar uma expressão ou conceito; não deve ser feito qualquer destaque com negrito ou sublinhado.

Os quadros e figuras (designando o termo “figuras” os gráficos, fotografias, mapas, desenhos ou outros elementos visuais) são numerados separada e sequencialmente, com indicação inicial do capítulo em que estão inseridos (para o capítulo 1, por exemplo: quadro 1.1, figura 1.1, quadro 1.2…).

Referências bibliográficas

As referências bibliográficas devem ser feitas no sistema “(Autor data: pág.)” no corpo do texto, devendo ser elencada a bibliografia referida (e só a referida) no final do livro ou de cada um dos capítulos, no caso de estes serem assinados por diferentes autores, no formato definido. A data de referência é a data da edição consultada, podendo a data da edição original ser acrescentada entre parênteses retos.

Referências no texto

Outras opiniões foram já registadas (Malinowski 1921: 345; Evans-Pritchard 1965 [1940]).

Vários autores trabalharam o assunto (Cabral e Lourenço 2003; Bastos, Almeida e Feldman-Bianco 2004).

Fernandes (2002, 2003) expôs este problema.

Como afirmou Evans-Pritchard, “What can he do anyhow?” (1965 [1940]: 166).

Referências na bibliografia final

ANTUNES, José M., 2004, “Passado, presente e futuro dos artigos online”, Revista de Informática Experimental, 6 (3), em <http://www.rie.pt/2004/jma1> (consultado em 14/09/2005).

BASTOS, Cristiana, Miguel Vale de ALMEIDA, e Bela FELDMAN-BIANCO (orgs.), 2004, Trânsitos Coloniais: Diálogos Críticos Luso-Brasileiros. Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais.

CABRAL, João de Pina, e Nelson LOURENÇO, 2003, Em Terra de Tufões: Dinâmicas da Etnicidade Macaense. Macau, ICM.

CANTÓN DELGADO, Manuela, et al., 2004, Pentecostales Gitanos. Sevilha, Signatura Deimos.

DIAS, Jill, 2002, “Novas identidades africanas em Angola no contexto do comércio atlântico”, em Cristiana Bastos, Miguel Vale de Almeida e Bela Feldman-Bianco (orgs.), Trânsitos Coloniais: Diálogos Críticos Luso-Brasileiros. Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, 293-320.

EVANS-PRITCHARD, Edward E., 1965 [1940], The Nuer: A Description of the Modes of Livelihood and Political Institutions of a Nilotic People. Oxford, Oxford University Press.

FERNANDES, António, 2002, “Como citar textos eletrónicos”, em <http://www.citartextoselectronicos.com/fernandes1> (última consulta em 12/05/2019).

FERNANDES, António, 2003, Tudo sobre Textos Electrónicos. Lisboa, Editora E-livros, em <http://www.ebooksparatodos.pt/fernandes/htm> (última consulta em 23/04/2019).

MALINOWSKI, Bronislaw, 1921, “Classificatory particles in the language of Kiriwina”, Bulletin of The School of Oriental Studies, 1 (4): 33-78.