Version classiqueVersion mobile

Heranças

 | 
Armindo dos Santos

Conclusão

Texte intégral

1Como conclusão, apresentarei em primeiro lugar uma síntese de cada uma das duas partes que foram tratadas neste estudo, antes de me pronunciar sobre a existência de correlações entre configurações espaciais e configurações de parentesco; a identificação de tais correlações constitui, como disse logo de início, o objecto final da minha investigação.

1 – As principais características do quadro material de vida dos Chãos

2Na primeira parte desta investigação, tentei evidenciar as características morfológicas que contribuem para definir o quadro material organizado da aldeia de Chãos.

3Centrado particularmente na estrutura agrária, esta primeira parte foi conduzida numa perspectiva sincrónica. Mas subtendia, implicitamente, também, uma abordagem diacrónica, com vista a fazer emergir hipóteses relativas à existência de eventuais estados anteriores da estrutura agrária da aldeia.

4Considerando não ser necessário proceder a um resumo exaustivo dos dados analisados – expostos ao longo da primeira parte do estudo – centrarei, presentemente, a síntese nas características fundamentais evidenciadas no quadro material de vida de Chãos.

5Características que se relacionam, particularmente, com: a) caracteres ecológicos e económicos; b) população, tipo de habitat e sua evolução recente; c) regime fundiário; d) modificações actuais do sistema de cultivo; e) hipóteses relativas às diferentes fases de evolução da estrutura agrária.

a) Caracteres ecológicos e económicos gerais da aldeia dos Chãos

6Apesar de uma situação de contacto montanha-planície, nenhuma actividade determinante na vida de Chãos remete para uma exploração económica de montanha. De facto, o essencial da vida agrícola da aldeia depende da planície: o tipo de economia de planície observado é tributário de um sistema de policultura, cada vez mais acentuado.

7A repartição das culturas depende, nitidamente, de uma dicotomização cultural entre terras altas e secas, alqueives, onde se cultiva o centeio e o trigo, e terras baixas e irrigadas, lameiros, destinadas essencialmente às hortas, aos prados de Inverno e ao milho.

8O território agrícola apresenta uma paisagem de cercado e uma forte intensidade de ocupação minifundiária; as propriedades encontram-se desmembradas em parcelas de formas irregulares, não contíguas e relativamente afastadas umas das outras.

9A população produz, essencialmente, com vista ao seu próprio consumo, comercializando, portanto, poucos produtos e de modo irregular, com excepção do trigo e de algum porco anual.

10O essencial da actividade agrícola é consagrado à cultura das hortas que assenta numa aplicação de elaborados processos de economia de espaço: um mesmo espaço pode comportar duas plantas diferentes ao mesmo tempo. Porém, a escolha das plantas hortícolas é relativamente pouco diversa e muitas variedades de legumes praticadas, em particular, em certos países da Europa do Sul, são inteiramente desconhecidos do sistema de cultivo de Chãos.

11A pequena pecuária ocupa uma parte importante neste tipo de economia de autoconsumo e fornece um complemento em géneros sob forma de alimentos (carne, ovos, lacticínios, etc.). Além disso, pode ser objecto de transacções comerciais no mercado semanal do concelho, no que respeita ao porco e às cabras e, mais raramente, a coelhos e galinhas.

12A pecuária leiteira parece estar em vias de desenvolvimento o que poderá repercutir-se no sistema de cultivo, na eventual extensão dos prados de Inverno.

13Os investimentos individuais ou colectivos, para compra de material agrícola de relativa alta tecnologia, são nulos. Os aldeões investem mais facilmente quando se trata de valorizar os seus campos, com uma particular incidência para a plantação de pomares diversificados e extensivos. Porém, utilizam alguma maquinaria alugando-a, colectiva ou individualmente, para tarefas de lavra, de transporte e malha dos cereais.

14Se bem que a quase totalidade da população activa dos Chãos pratique a agricultura, alguns dos habitantes exercem, igualmente, uma actividade assalariada nos sectores secundário e terciário. A maioria destas pessoas trabalha na cidade vizinha do Fundão ou mais longe, regressando à noite ou ao fim de semana.

b) A população, tipo de habitat e a sua evolução recente

15Nota-se um envelhecimento da população, caracterizado por um aumento sensível das pessoas idosas e por uma baixa de natalidade consequente, devido à saída regular de um certo número de pessoas para Lisboa e, mais recentemente, para o estrangeiro (a partir da idade de 20 anos). Porém, convém tomar em conta o retorno para a aldeia de um certo número de pessoas a partir da idade 35 anos – os antigos imigrantes, essencialmente.

16O habitat apresenta duas formas de implantação distintas: o concentrado e o disperso. O habitat concentrado forma o núcleo constitutivo da aldeia, propriamente dita, à volta do qual se dispõe o território agrícola. O habitat disperso caracteriza-se pela existência de casas dispersas pelo território agrícola, geralmente junto de caminhos e no interior de campos; corresponde, provavelmente, a um estado de evolução da estrutura agrária.

17O número de construções habitáveis – no habitat disperso – aumentou consideravelmente, pelo facto de os imigrantes terem iniciado o movimento de construção dispersa seguido pela população restante.

18Este fenómeno deve ser aproximado de um outro, ao qual parece estar estreitamente ligado, embora não seja a sua consequência directa, a atomização gradual da propriedade. Processo que foi favorecido pela partilha igualitária do património fundiário e pela família de tipo conjugal.

19A habitação sofreu mudanças no que se refere aos materiais utilizados, à disposição interior e, num menor grau, às formas arquitecturais. Tais modificações evidenciam uma certa diferenciação dos indivíduos, em função dos meios disponíveis que ultrapassa, de longe, as necessidades de conforto utilizável. De igual modo, pode atentar-se numa modificação das representações, na habitação introduzida pelos imigrantes: novas representações tendem a impor-se, gradualmente, como modelos, com implicações de prestígio.

c) O regime fundiário

20A maioria dos habitantes são pequenos proprietários que cultivam directamente as suas terras. Por diferentes razões, podem estes proprietários dar de renda alguns dos seus campos e/ou tomar de renda ou de parceria outros.

21Os contratos de parceria implicam relações de parentesco próximo ou, excepcionalmente, simples relações de vizinhança de carácter estável. Toma-se de parceria um campo quando se é, sobretudo, proprietário ou rendeiro médio, em que a parceria representa um aumento de produção complementar. Um proprietário ou rendeiro muito pequeno procurará, em primeiro lugar, terras de renda. Isto na medida em que, actualmente, os contratos de parceria são de duração limitada (em geral, o tempo de uma colheita de cereais) e representam apenas um complemento de produção, em relação às outras formas de exploração.

22Os cultivadores não proprietários, são proporcionalmente pouco numerosos, em relação aos proprietários, exploradores directos ou ausentes. Geralmente, arrendam-se os campos de proprietários imigrados.

23Devido a certa disponibilidade da quantidade de terras para arrendar, haverá tendência para se estabelecer um equilíbrio entre os diferentes proprietários, como também entre proprietários e não proprietários; mediante a acção de periequações a partir de formas de exploração por arrendamento e de parceria. Como pode facilmente deduzir-se, não existe mercado de arrendamentos e as rendas não representam rendimentos significativos, dada a pequena dimensão das explorações.

d) As modificações actuais do sistema cultural

24Assiste-se a mudanças quantitativas no sistema de cultivo. Estas mudanças – que não são devidas a melhores rendimentos mas sobretudo ao alargamento das zonas irrigadas – traduzem-se, essencialmente, por um aumento global da produção das culturas tradicionais: milho, batatas, etc.; observando-se, também, um importante aumento do pomar. Sublinhe-se, contudo, só poder falar-se de aumento em números absolutos, à escala da produção da aldeia na sua totalidade e não para cada um dos camponeses. No plano individual, as quantidades absolutas apresentam-se praticamente sem mudanças ou estão em diminuição. Nestes casos, só pode invocar-se aumento em relação às culturas de sequeiro.

25De facto, devido aos recentes ordenamentos dos terrenos, tornados possíveis pela utilização de novas técnicas (terrenos em forma de socalcos, utilização de bombas de água e abertura de poços a montante dos campos), assiste-se ao alargamento de zonas irrigadas, permitindo a cultura de milho e de batata. Este aumento geral das terras irrigadas, em detrimento das terras secas, tende a ser anulado, no plano individual, pela diminuição da dimensão dos campos, consequência de um fenómeno de atomização, com propensão para se acentuar com o decorrer das gerações. Por consequência, tendo em conta a proliferação do número dos campos individuais, pode falar-se de um aumento da produção de milho e de batata a nível global da aldeia.

26Sublinhe-se, todavia, que a dicotomização tradicional, no interior de um mesmo campo, entre terras de alqueive (terras de cereais não irrigadas) e terras de lameiro (terras abundantemente irrigadas) subsiste, na maioria dos casos, embora esta divisão tenha tendência para se atenuar e aplicar-se em superfícies reduzidas, devido à diminuição da dimensão das parcelas.

27Desta forma, a zona irrigada alarga-se, em detrimento da terra de alqueive. A extensão desta nova zona situa-se portanto entre a terra de lameiro – a jusante do declive – e o que resta da terra de alqueive – a montante do declive.

e) Hipóteses relativas à estrutura agrária e às suas diferentes fases de evolução

28Sobre os modos de irrigação e de exploração do solo, pode pôr-se a hipótese de três formas de evolução possíveis:

1. O sistema de irrigação e os tipos de culturas a ele associadas dependem, inteiramente, da água da «adua» (água da montanha empresada e canalizada para os campos, segundo uma distribuição que obedece a regras precisas) e das represas, «presas». O acesso da água é limitado às partes mais húmidas dos campos, situadas geralmente a jusante dos declives. A cultura do milho e da batata está limitada, portanto, a estas zonas, enquanto se cultiva centeio nas partes restantes, secas.

2. Numa segunda fase, assiste-se ao alargamento da zona irrigada inicial, graças à abertura de poços. Este estado corresponde também à não renovação das antigas sebes, «cômaros». As novas formas de sebes tendem traduzir – segundo o grau de materialização –, o grau de hierarquização existente nas relações de parentesco – e/ou de parentesco – entre vizinhos.

3. Numa terceira fase, pode falar-se da construção de novas habitações com o aparecimento, à sua volta, de novas zonas irrigadas. Simultaneamente, a zona irrigada inicial alarga-se, graças à disposição dos campos em socalcos, à utilização de bombas de água, etc.

29Por outro lado, é possível perguntar em que medida as variações constatadas no espaço e no tempo, no quadro de um mesmo modo de ocupação do solo, não seriam passíveis de interpretar como formas derivadas de uma estrutura agrária anterior e diferente. De facto, levanta-se a questão da existência de um tipo de organização social, implicando formas colectivas de utilização do solo, quer dizer, de tipo open-field, que se traduziria, esquematicamente, pela ausência de sebes, o habitat agrupado, afolhamento obrigatório, a divisão das folhas por secções, pastagem vã, gado e pastor comum e, eventualmente, o trabalho em grupo.

30Põe-se, em seguida, a questão das modalidades desta passagem do open-field para os campos fechados. Entre os diferentes casos de figura possíveis inclino-me para uma hipótese. Segundo esta hipótese, a passagem do open-field para os campos fechados poderia ter-se feito a partir da aldeia ou, pelo contrário, num primeiro tempo, a partir de uma outra aldeia (Alcaide ou Donas), na direcção de Chãos. Neste caso, Chãos teria reconstruído o mesmo tipo de configuração de organização do espaço (possivelmente com um pequeno número de famílias). Mas esta aldeia teria evoluído mais ou menos rapidamente, no sentido de uma individualização dos modos de utilização do solo. À medida que este processo se desenvolvia, assistia-se a um vedamento progressivo dos campos.

2 – As principais características do sistema de parentesco estudado nos Chãos

31Após ter definido globalmente o sistema material de referência, pode proceder-se, de maneira idêntica, com o sistema de parentesco, de forma a salientar as suas principais características e propriedades dinâmicas operando na paisagem agrícola.

32Estas principais características dizem particularmente respeito: a) às particularidades da terminologia do parentesco; b) ao recorte da parentela em grupos de parentes operatórios; c) ao tipo de residência predominante; d) às representações sobre a consanguinidade; e) à filiação pelo nome e pelos bens.

33Pode dizer-se que o sistema de parentesco observado nos Chãos apresenta uma certa originalidade, tal como outros sistemas de parentesco europeus – embora pouco estudados – (B. Vernier, 1986) e se nos referirmos à tipologia de L. Spier (1925) e de G. P. Murdock (1927).

34De facto, o sistema de parentesco estudado apresenta, de forma clássica, como aparentemente a maioria dos sistemas europeus, um certo número de características de tipo Esquimó. Todavia, outros aspectos aproximam nitidamente este sistema do sistema de parentesco Apinayé do Brasil e, de certo modo, dos estudados por B. Vernier nas ilhas gregas de Cassos e de Cárpatos (Ibid.).

35Estes últimos aspectos permitem, na realidade, classificar o sistema de parentesco dos Chãos no tipo Nakanse, mesmo se o sistema apresenta algumas variações em relação à tipologia de G. P. Murdock.

36Segundo esta tipologia, o sistema de parentesco observado nos Chãos pode ser considerado como apresentando uma terminologia de tipo Esquimó, mas também uma forma de organização social de tipo Nakanse. Foi este último factor de determinação que G. P. Murdock privilegiou na sua classificação dos sistemas de parentesco.

a) As particularidades da terminologia do parentesco

37Com efeito, a nomenclatura é caracterizada por uma terminologia das primas de tipo Esquimó e uma terminologia por linhas. Certas particularidades próprias desta terminologia por linhas operam em profundidade no sistema, ao qual conferem um certo cunho.

38Assim, a terminologia das tias consanguíneas não se estende, na referência, às tias por aliança. Esta descontinuidade é inversa à terminologia classificatória dos tios consanguíneos que se estende aos tios por aliança. A mesma forma de exclusão repete-se – por extensão – em relação às esposas dos irmãos do cônjuge.

39Opostamente, integram-se explicitamente na aliança os maridos das tias, pelo emprego do termo de parentesco consanguíneo, seguido do patronímico, a fim de exprimir a exterioridade ao grupo, tanto no tratamento directo como na referência. É exactamente o contrário do expresso em relação aos tios consanguíneos, chamados e designados pelo mesmo termo mas seguido do prenome.

40Estas distinções nas formas de tratamento encontram-se, simetricamente, nas relações com os cunhados, com a particularidade de estes serem assimilados a germanos fictícios. Emprega-se para com eles a forma de tratamento «mano», acompanhada do patronímico. Esta forma de tratamento parece exprimir, simbolicamente, a realização efectiva da troca irmãos/cunhados, própria da residência matrilocal predominante nos Chãos. Em suma, o grau de integração da aliança exprime-se pelo seu grau de expressão em termos de consanguinidade.

41No que diz respeito aos primos – consanguíneos e por aliança – todos são confundidos num mesmo termo, com excepção dos primos germanos. Contudo, a importância da relação entre primos germanos repercute-se positivamente na de Ego com os filhos dos primos, de forma assimétrica. Produz-se assim, uma indistinção implícita entre primos germanos e filhos destes e, no sentido inverso, uma distinção entre estes últimos e filhos dos tios-avós.

b) O recorte da parentela em grupos operatórios de parentes

42Como se viu, opera-se na parentela, em função dos contextos, uma divisão em quatro grupos de parentesco: a família nuclear, os parentes próximos, os parentes intermédios e os parentes distantes.

43Os parentes que compõem cada um destes grupos não se encontram numa relação genealógica idêntica em relação a Ego. Pelo contrário, representam diferentes níveis geracionais e diferentes graus de distanciamento colateral.

44Certas categorias de parentes podem mudar de grupo de parentesco, em função da sua mudança de estado civil. Assim, os primos germanos são considerados parentes próximos, quando solteiros, mas abandonam esta categoria de parentesco após casamento, para integrarem a zona de parentesco intermédia. De modo idêntico, filhos de primos germanos são classificados no parenteso intermédio, enquanto solteiros, antes de integrarem o parentesco distante, após casamento. O mesmo acontece com filhos de sobrinhos. Inversamente, primos saídos de germanos de avós são classificados no parentesco distante, seja qual for o seu estado civil.

45Devido à residência matrilocal e à flexão matrilinear da filiação, os três últimos grupos de parentes são privilegiados do ponto de vista relacional na sua configuração residencial.

c) O tipo de residência predominante

46Do ponto de vista exolocal dos casamentos, a residência matrimonial concretiza-se pela matrilocalidade quando a escolha residencial escapa aos constrangimentos económicos que obrigam a outras soluções. Mas, considerada do ponto de vista dos casamentos endolocais, a residência é de tipo diferente: na maioria dos casos é nitidamente neolocal.

47A matrilocalidade pode realizar-se segundo três casos de figura:

1. Os recém-casados moram numa residência distinta, na proximidade dos pais da esposa, mas fora da exploração destes; podem não depender do trabalho nas terras dos pais.

2. Os recém-casados moram numa residência distinta da dos pais da esposa, mas estabelecida na exploração destes; podem explorá-la parcial ou totalmente.

3. Os recém-casados moram na casa dos pais da esposa e exploram terras que esta eventualmente já herdou.

4. Os recém-casados instalam-se provisoriamente na casa dos pais da esposa e dependem apenas de trabalho assalariado.

48Nos casos extremos de neolocalidade, o jovem casal não só mora numa casa distinta da dos pais como também não depende economicamente deles – esta casa encontra-se, nitidamente, fora das terras deles.

d) As representações mentais da consanguinidade

49A flexão matrilinear da filiação tem origem em representações específicas sobre a consanguinidade, no sentido em que estas representações agem como substrato ideológico da ligação dos filhos à mãe.

50De facto, é suposto uma criança possuir um atributo materno predominante: a carne, e um atributo paterno secundário: o sangue. Esta prevalência atribuída à carne (materna) sobre o sangue (paterno), na concepção de uma criança, assenta no facto de ela ser vista como um prolongamento e uma separação directa do corpo da mãe.

51Assim sendo, produz-se, desde logo, uma identificação da ordem do natural e da imanência entre dependência física e dependência afectiva entre mãe e filho.

52A sobrevalorização da importância do papel feminino em relação à criança concretiza-se pela identificação estreita entre filho e mãe, que pode ver-se exprimir da forma tecnonómica na referência.

53Esta representação parece subtender as relações preferenciais matrilaterais e as relações privilegiadas próprias do grupo residencial matrilocal.

e) A filiação pelo nome e pelos bens

54A filiação transmite-se bilinearmente, segundo uma variante, sustentada por uma flexão matrilinear. Quer dizer, uma variante da dupla filiação unilinear, em que a transmissão do nome num indivíduo não é precisamente dupla mas distinta, segundo o sexo.

55Com efeito, a transmissão do nome segue aquilo o que chamei via ginolinear e via androlinear, no sentido em que o nome da mãe se transmite em linha feminina e o do pai em linha masculina, excluindo cada uma destas linhas a outra. Por sua vez, no interior destas linhadas privilegia-se linhadas de primogénitos.

56Através do jogo dos casamentos, os avós transmitem o seu prenome aos filhos primeiros nascidos dos seus primogénitos, em linha feminina ou masculina, segundo os casos.

57Após o casamento, todos os rapazes se ligam ao pai pelo patronímico e todas as raparigas à mãe pela identificação tecnonómica com esta.

58Mas estas linhadas primogénitas de filiação distinguem-se das linhadas colaterais pelo facto de as primeiras, inversamente às segundas, assumirem a perenidade da identidade hereditária, possuindo o nome completo do ancestral.

59Pode aliás, colocar-se a questão de saber se a existência destes troncos de referência – representantes oficiais das linhadas femininas e masculinas, segundo os casos – não tinha por base material, no passado, a existência de patrimónios indivisíveis.

60A transmissão dos bens tende a seguir igualmente – tanto quanto possível –, duas vias de filiação distintas.

61Mas a regra de filiação, associada à residência matrilocal dominante que leva à dispersão espacial dos homens, tem tendência para favorecer a constituição de grupos residenciais, fundados no que me propus chamar de ginolinhas.

62Resulta deste facto um controlo bastante acentuado dos bens de raiz residenciais pelas mulheres, ficando estas em posição de elaborar estratégias de herança que as favorecem, ajudadas pelas representações relacionadas com a partilha igualitária que lhe esconde o sentido.

63Na medida em que o princípio da partida dos homens está estabelecido e cada vez que o modelo é realizável, os filhos tendem a receber as terras periféricas à casa, geralmente pouco valorizadas e de cultura relativamente extensiva.

64Inversamente, procura-se forma de as filhas herdarem da casa e das terras próximas policulturais. Para o conseguir, combina-se – sempre que possível – a partilha post-mortem e a partilha em vida. Esta última permite a elaboração de estratégias conducentes – no mínimo – a que as filhas conservem as terras de sua mãe e os filhos as terras de seu pai, encontrando-se estas últimas, frequentemente, na aldeia deste.

65Estas práticas, ainda dinâmicas, coexistem com normas administrativas diferentes e são objecto de uma dualidade de uso entre identidade local e oficial, entre partilha beneficiária – em favor das filhas e segundo a ordem de nascimento – e partilha igualitária. O que me leva a constatar ser, na realidade, a forma de divisão dos bens menos igualitária do que à primeira vista parece e nos termos da lei parece.

3 – A incidência de certas práticas da organização parental no espaço agrícola

66Está-se agora em posição de colocar uma série de hipóteses quanto à incidência de certas práticas de parentesco no espaço cultivado.

67Avanço estas hipóteses devido à sua capacidade explicativa em relação ao sentido da evolução da organização do espaço cultivado e das suas configurações actuais, assim como das variações de implantação do habitat.

68A incidência da organização parental no espaço agrícola, parece traduzir-se, com efeito, ao nível de correlações específicas que exercem efeitos de arrastamento indirecto sobre a globalidade da estrutura agrária.

69Em relação a esta forma de abordar o problema, os efeitos das práticas da filiação na evolução da estrutura agrária – e, incidentemente, na paisagem agrícola –, parecem-me particularmente nítidos.

70Trata-se da partilha igualitária (em termos quantitivos) do património fundiário entre irmãos mais velhos e mais novos por um lado, entre irmãos e irmãs, por outro. Parece, com efeito, que esta forma de partilha conduziu, bastante significativamente, à atomização extrema da propriedade, facto que se verificou, igualmente, com a extinção dos morgadios. O caso dos Chãos – que fez parte de um morgadio – é um exemplo marcante.

71A atomização da propriedade e a consequente redução da sua dimensão, resultou na multiplicidade das formas dos campos, por causa dos múltiplos recortes e dos ajustamentos compensatórios que os acompanhavam.

72Esta situação impedia, progressivamente, a reprodução da antiga forma de fechar os campos, com sebes vivas ou muros. A exiguidade dos campos, aliada às suas formas imbricadas, impuseram novos constrangimentos à vontade de fechar os campos que se realizava, então, segundo novas modalidades: o grau de separação dos campos dependia, agora, do tipo de relação com o vizinho.

73Arrastado por este movimento, o sistema cultural sofria modificações com a extensão das culturas hortícolas (destinadas ao autoconsumo), em detrimento dos cereais de Inverno.

74A partilha igualitária das terras favorecia, igualmente, a evolução do habitat concentrado para um habitat disperso, caracterizada pela multiplicação das quintas isoladas.

75Actualmente, este movimento acentua-se e altera ainda a configuração da sua implantação. O habitat estabelece-se, de preferência, ao longo da estrada que atravessa a aldeia. Este novo movimento corresponde a uma mudança de vida e à necessidade de exteriorização do grupo em direcção dos núcleos de centralidade urbana, como consequência da ruptura de equilíbrio da estrutura agrária.

76Ao mesmo tempo, as terras que ladeiam a estrada da aldeia estão submetidas a uma alteração da sua função cultural, mais rápida que as terras mais afastadas. Face à procura, as primeiras destas terras são avaliadas em função da possibilidade de construção e da maior ou menor proximidade da estrada, o que acelera ainda mais o movimento.

77Em segundo lugar, pode fazer-se igualmente, a leitura de uma inscrição, relativamente nítida, da filiação bilinear e sua flexão matrilinear na paisagem. Esta inscrição traduz-se em correlações entre terras policulturais e terras herdadas, de preferência, de mãe para filhas; entre terras monoculturais e terras herdadas de pai para filhos. Este mesmo tipo de correlação pode verificar-se também, na medida em que as irmãs mais velhas herdam da casa dos pais e das terras centrais policulturais – de preferência tanto em relação aos irmãos, como às irmãs mais novas.

78Em terceiro lugar notei, também, que a antiga paisagem de campos cercados parece evoluir, actualmente, no sentido de uma hierarquização dos diferentes tipos de sebes, em função da materialização no espaço de certos laços de parentesco. Simultaneamente, as distinções entre certos laços de parentesco traduzem-se, semelhantemente, no espaço, pela sua materialização ou ausência de materialização.

79Assim, entre pais e filhos, tios e sobrinhos e entre germanos, os campos vizinhos não são cercados. Limitam-se a assinalar a divisão com um simples traço de um rego que vai de uma extremidade à outra dos campos e marcos em cada uma das pontas. Os primeiros esboços de separação mais acentuada de campos vizinhos realizam-se a partir dos primos germanos.

80De facto, na relação primos saídos de primos germanos e primos saídos de germanos de avós, a divisão precedente tem tendência para se manter mais ou menos no seu estado pela vontade dos segundos, mas a acentuar-se pela acção dos primeiros.

81De igual modo, na relação entre germanos de avós e filhos de sobrinhos a cercadura é feita mais pela acção dos segundos, do que pela vontade dos primeiros; os tios-avós têm tendência para conservar os seus campos abertos, como acontecia com os sobrinhos.

82Estas configurações correspondem ao recorte da parentela em grupos operatórios de parentes de Ego. Assim, os campos vizinhos pertencentes ao grupo de parentes muito próximos, «os nossos» (pais, filhos e germanos), não são cercados. De forma idêntica, os campos vizinhos, pertencentes a parentes do grupo da «família mais chegada» (tios, sobrinhos), também não são fechados.

83Como acima enunciei, a cercadura só começa a materializar-se entre campos vizinhos de parentes pertencentes à zona intermédia, entre o parentesco próximo e o parentesco distante, a partir da relação entre primos germanos casados. Esta materialização reforça-se entre parentes da zona intermédia e parentes distantes, mas de forma assimétrica, mais em consequência da acção dos parentes intermédios que pela vontade dos parentes distantes. Esta diferença explica-se pelo facto de os primeiros considerarem os segundos parentes distantes, enquanto estes, embora já não considerem os primeiros parentes próximos, ainda não os consideram parentes distantes.

84Por aqui pode ver-se o papel diferencial da parentela, através da divisão em categorias operatórias de parentesco. Estas agem, não apenas através do grau de parentesco dos indivíduos, como também em função de zonas de intensidade de relações, agrupando diferentes categorias de parentes. Neste sentido, as boas ou más relações entre vizinhos podem obliterar o efeito mecânico do laço de parentesco.

85Dado o movimento de ruptura do antigo equilíbrio da estrutura agrária, seria difícil evidenciar correlações deste tipo de carácter mais preciso. O que pode dizer-se é que a vontade de fechar os campos permanece forte, apesar da exiguidade destes. Para o conseguir, racionaliza-se ao máximo esta vontade, contribuindo com a ordem legal das relações de parentesco.

86Pode concluir-se, constatando estar o sistema material de referência que tentei descrever profundamente subordinado às práticas do grupo. Este produz e reproduz, por si, de forma recorrente, as condições de dissolução da antiga estrutura agrária, sem intervenção exterior directa, constringente e insuperável.

87Todavia, só parte do sistema de parentesco parece reflectir-se em configurações espaciais particulares e fragmentares, como sugeri no início deste livro. No entanto, o sistema de parentesco é um significativo factor de influência, através das suas propriedades mais dinâmicas e pode considerar-se exercerem estas um efeito de arrastamento indirecto sobre a globalidade da estrutura agrária, o que explica a sua evolução actual.

TERMOS DE TRATAMENTO DIRECTO E DE REFERÊNCIA

Ego trata e é tratado:
Mesma geração que Ego

Termos de tratamento directo

Termos de referência

Io ...................................
.

irmão .....
.

prenome+tu

o meu irmão e/ou sem prenome/ou o «nosso» + prenome

Iã..........................................
.

irmã ........
.

prenome+tu

a minha irmã e/ou sem prenome/ou a «nossa» + prenome

FoIoP, FoIãP/FoIoM,
FoIãM ....................
.

primo direito .

prenome+tu

o meu primo e/ou sem prenome

FaIoP, FaIãP/FaIoM,
FaIãM .........................
.

prima direita a

prenome + tu

a minha prima e/ou sem prenome

FoFoIoPP, FoFoIãPP etc. .
.

primo .

prenome+tu

o meu
primo + apelido + indicações

FaFoIoPP, FaFoIãPP etc. .
.

prima ..

prenome

a minha prima+ prenome+indicações

Mer .

mulher .....
.

prenome+tu/
Oh! mulher .

a minha mulher/a patroa

Mdo .

marido ..

prenome+tu/
Oh! homem .

o meu homem/ o meu + prenome/ o meu marido

MdoIã .................................
.

cunhado ...

o/Oh!
cunhado/ mano + apelido+ vossemecê . . .

o meu cunhado+apelido

MerIo ....................................
.

cunhada ....
..

a/Oh!
cunhada+ prenome+ vossemecê ...

a minha cunhada + prenome

IoMdo, IoMer ........................
.

cunhado ...
.

o/Oh!
cunhado + prenome + vossemecê . . .

o meu cunhado + prenome

IãMdo, IãMer ...........................
.

cunhada ....
.

a/Oh!
cunhada+ prenome + vossemecê ...

a minha cunhada+prenome

MdoFaIoP,
MdoFaIoM etc .

primo .....
..

prenome + vossemecê . . .

o meu primo + prenome

MerFoIoP, MerFoIoM etc.
.

prima

prenome+ vossemecê . . .

a minha prima+prenome

MdoIãMdo, MdoIãMer ...
.

cunhado ...
.

prenome + vossemecê . . .

o meu cunhado+prenome + indicações

..
MerIoMdo, MerIoMer ....

cunhada

prenome + vossemecê . . .

a minha cunhada+prenome +indicações

PMerFo etc

compadre ...
.

Oh!
compadre + apelido +vossemecê

o meu compadre+apelido

..
MMerFo etc

comadre ...
.

Oh!
comadre + prenome + vossemecê

a minha comadre+prenome

FoFoIoPPMer etc.
MdoFaFoIoPPMer etc. ..
..

.
parente

Oh!
parente+ apelido + vossemecê . . .

o meu parente+apelido

FaFoIoPPMer etc.
..
FaFoIoPPMdo etc

prima ..

Oh!
prima+ prenome+ vossemecê ...

a prima+prenome da/do/ minha/meu mulher/marido

Nível + 1

..
P ..............

.
pai ...........

Oh!Ah!
meu pai + vossemecê

o meu pai

M ............................................
..

mãe ..........

Oh!/Ah!
minha mãe +vossemecê

a minha mãe

IoP, IoM ..

tio ...........
..

Oh! tio + prenome+ vossemecê . . .

o meu tio+prenome

IãP, IãM ..

tia ..........
..

Oh! tia+ prenome+ vossemecê . . .

a minha tia+prenome

MdoIãP, MdoIâM ..

tio ...........
..

Oh! tio + apelido+ vossemecê ...

o meu tio + apelido

MerIoP, MerIoM ..

tia ..........
..

Oh! tia + prenome + vossemecê . . .

a tia do meu tio+prenome

FoIãMM, FoIãPM etc ....
..

primo ..

Oh! primo + prenome+ vossemecê . . .

o meu primo+indicações

FaIãMM, FaIãPM etc ..

prima .

.Oh! prima+ prenome + vossemecê . . .

a minha prima+indicações

PMdo, PMer ....

sogro .......
.

evita o tratamento directo/«ti» + apelido + vossemecê ...

o meu sogro

MMdo, MMer ....

sogra ................

evita o tratamento directo/«ti» + prenome + vossemecê ...

a minha sogra

FoIãMMMer etc.
MdoFaIãMMMer etc. ...
....

parente ......
.

Oh! parente + prenome/ou + apelido + vossemecê ...

o meu parente + prenome/ou + apelido + indicações

FaIãMMMer,
FaIãMMMdo etc.
MerFoIãMMMer,
MerFoIâMMMdo etc.
....

prima .

Oh!prima+ prenome + vossemecê . . .

a minha prima+prenome +indicações

MdoM ...

padrasto ....
.

evita o tratamento /«ti» + prenome+ vossemecê ...

o meu padrasto/o homem da minha mãe

MerP ....................................
.

madrasta ....
.

evita o tratamento /«ti»+ prenome+ vossemecê ...

a minha madrasta/a mulher do meu pai

Nível + 2

PMPP ....

avô ................
.

Oh! avô + vossemecê . . .

o meu avô + prenome

MM, MP.............................
....

avó ...........

Oh! avó + vossemecê ...

a minha avó + prenome

IoMM, IoPM etc ....

tio .........
.

Oh! tio + prenome + vossemecê . . .

o meu tio + prenome

IãMM, IãPM etc. ............
....

tia

Oh! tia+ prenome+ vossemecê . . .

a minha tia+prenome

Nível + 3

PMM, PPM etc ....

avô ................
.

Oh! avô + vossemecê ...

o avô da minha mãe + prenome+indicações

MMM, MPM, etc ....

avó ...........

Oh! avó + vossemecê ...

a avó da minha mãe + prenome + indicações

Nível – 1

....
Fa

filha ......

Oh! + prenome+tu

a minha + prenome

....
Fo

filho .....

Oh! + prenome+tu

o meu + prenome

....
FoIo, FoIã

sobrinho

Oh! + prenome+tu

o meu sobrinho + prenome

....
FaIo, FaIã ...........................

sobrinha

Oh! + prenome + tu

a minha sobrinha + prenome

....
FoFaIãP, FoFaIãM etc. .

primo ....

Oh! + prenome + tu

o meu primo + prenome + indicações

....
FaFaIãP, FaFaIãM ......

prima ....

Oh! + prenome+tu

a minha prima + prenome + indicações

MdoFaFaIãM,
MdoFaFaIoM etc ....

primo ....

Oh! primo + prenome+ vossemecê ...

o meu primo + prenome + indicações

MerFoFaIãM ....
MerFoFaIoM etc

prima ....

Oh! prima+ prenome+ vossemecê ...

a minha prima+prenome + indicações

FoMer, FoMdo ...

enteado .

Oh! + prenome+ vossemecê/tu

o meu enteado + prenome

FaMer, FaMdo ....

enteada ..

Oh! + prenome+ vossemecê/tu

a minha enteada+prenome

Nível – 2

....
FoFo, FoFa

neto

Oh! + prenome+tu

o meu neto + prenome

....
FaFa, FaFo

neta

Oh! + prenome+tu

a minha neta+prenome

FoFaIo, FoFaIã etc ....

sobrinho

Oh! + prenome+tu

o meu sobrinho+indicações

....
FaFaIo, FaFaIã etc

sobrinha

Oh! + prenome+tu

a minha sobrinha +indicações

MdoFaFoIo,
MdoFaFaIã etc ....

sobrinho .
...

Oh! sobrinho + vossemecê

o meu sobrinho + prenome + indicações

MerFoFaIo,
MerFoFaIã etc ....

sobrinha ..
...

Oh! sobrinha + vossemecê

a minha sobrinha+prenome + indicações

Nível – 3

FoFoFa, FoFaFa etc ....

neto . . .

Oh! + prenome + tu

o meu neto + prenome + indicações

FaFaFa, FaFoFa etc ....

neta ...

Oh! + prenome + tu

a minha neta+prenome + indicações

MdoFaFaFa etc ....

neto ...

Oh! + prenome+tu/ vossemecê ...

o meu neto + prenome + indicações

MerFoFaFa etc ....

neta ...

Oh! + prenome+tu/ vossemecê ...

a minha neta+prenome + indicações

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

placedeslibraires.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search