Version classiqueVersion mobile

Heranças

 | 
Armindo dos Santos

Segunda parte o sistema de parentesco

Capítulo VII a residência matrimonial

Texte intégral

1Os etnólogos fizeram notar, por várias vezes, o carácter matrilocal da residência matrimonial, em diferentes regiões de Portugal (designadamente, Colette Callier-Boisvert, 1968 e José da Silva Picão, 1983). As observações feitas no terreno vêm de encontro ao assinalado pelos anteriores investigadores, em relação à matrilocalidade, e contribuir com mais uma peça para o puzzle geral da residência matrimonial do país (veja-se particularmente, a este respeito, Jorge Dias, 1981 e a recente obra de Brian Juan O’Neil, 1984).

2Nos Chãos, é costume o noivo deslocar-se no dia do seu casamento à aldeia da noiva para os esponsais, o que corrobora as observações feitas por outros etnólogos sobre a matrilocalidade: «os homens casam-se na terra das mulheres deles»; «não podia ser de outra maneira, a boda faz-se sempre em casa da noiva, de maneira que é deixar o altar e ir para a mesa».

3O grau de afirmação deste costume e o grau de prática real não apresentam discordância apreciável, dado a maioria dos casamentos observar este uso. A representação deste costume subentende que casamento na aldeia da esposa e lugar de residência coincidem: «lá casam e lá morrem». Mas, quando se punha aos locutores a eventualidade de uma diferença entre estas duas realidades, tinham tendência para sublinhar o carácter preferencial e não obrigatório do costume, para admitirem eventuais derrogações ao modelo de residência dominante: «os homens pertencem a ir para a terra das mulheres, mas se alguns não vão é porque as mulheres têm as sortes muitos pequenas».

4Pode, portanto, constatar-se, à luz do que vem sendo exposto, ser o modelo ideal de residência matrimonial nitidamente representado pela preferência, se não pela prescrição, de uma regra de residência matrilocal. Esta exprime-se na sua forma simbólica, pela deslocação da grande maioria dos homens à aldeia das futuras esposas para a celebração do casamento, mesmo se, em seguida, não se estabelecem nela.

5Procurei conhecer o grau de realização preferencial da residência, através da análise de dados obtidos a partir dos assentos paroquiais. Foi possível explorar diferentes períodos, oferecendo informações relativamente completas sobre a origem geográfica dos cônjuges.

6Os dados mais recentes cobrem dois períodos de 57 anos que vão de 1923 a 1980. Os dados mais antigos cobrem dois períodos de tempo descontínuos: o primeiro, estendendo-se de 1820 a 1834, o que representa 14 anos de registos paroquiais; o segundo, indo de 1731 a 1809, ou seja 78 anos de registos da mesma fonte.

7A descontinuidade entre estes três períodos explica-se pelo facto de os períodos intercalares não apresentarem informações sobre a origem geográfica dos cônjuges.

8Para os períodos com dados completos, a origem geográfica dos cônjuges é indicada: 1) nos registos de baptismo, para o casal dos pais e o dos avós do recém-nascido; 2) nos registos de casamento, para os recém-casados e seus pais. Porém, a informação sobre a origem geográfica dos recém-casados não podia ser retida, dada a incerteza relativa sobre o domicílio definitivo. Este só podia ser verificado no momento do casamento de seus próprios filhos, tornando-se então definitivo.

9Estas indicações constituíam novos elementos, para a confirmação do costume, segundo o qual o casamento se realiza na freguesia da nubente. Na medida em que este costume só correspondia a uma realização parcial da preferência residencial – e sem prejulgar uma escolha definitiva do domicílio –, apenas de facto as indicações de domicílio de avós e pais podiam ser consideradas. O domicílio dos primeiros e dos segundos era revelado pelo lugar de nascimento dos seus filhos respectivos, comparado com a sua própria origem geográfica.

10Tendo em consideração o estado de organização e conservação dos registos paroquiais, este método pareceu ser o mais económico para concluir, rapidamente, sobre o tipo de residência matrimonial preponderante.

11Se as diferentes séries de assentos a que dizem respeito não apresentassem descontinuidades tão importantes, teria sido possível comparar, eficazmente, os registos de baptismo com os de óbito. Esta comparação teria permitido considerar o número eventual de mulheres que foram residir com os seus maridos e o número de homens que se fixaram em casa das esposas.

12Porque um homem deve, em princípio, casar-se na freguesia da esposa, nos registos de Chãos só figuram os casamentos da totalidade – ou da quase totalidade – das mulheres ali nascidas e cônjuges, internos ou externos à aldeia. Assim, a maioria dos casamentos dos homens com mulheres de fora não são aí consignados, mesmo se, em seguida, eles vieram instalar-se nos Chãos.

13Na sequência do que acaba de ser dito, o meu ponto de vista é considerar os Chãos como aldeia recebedora de homens ou de mulheres, que nela se vêm instalar.

14Por outro lado, os registos da freguesia nem sempre indicam a repartição das pessoas no interior do espaço da freguesia, o que significa que nem sempre é possível ver se um indivíduo nasceu nos Chãos ou nas Donas, sede da freguesia.

15Para o período recente, esta distinção foi obtida graças à contribuição de pessoas idosas que puderam rememorar a origem, externa ou interna à aldeia, das diferentes pessoas consignadas nos vários registos. Mas esta comparação com os assentos paroquiais mostrou-se mais difícil do que aquilo que podia esperar-se à partida, na medida em que certas pessoas são mais correntemente conhecidas pelas suas alcunhas – que ali quase nunca figuram – do que pelos seus patronímicos.

16Sendo assim, a escolha de períodos mais antigos incidiu sobre aqueles em que a indicação da repartição dos indivíduos no interior da freguesia era convenientemente dada.

17Antes de ir mais longe, é também necessário precisar se a residência é considerada, aqui, de um ponto de vista exolocal dos casamentos e não de um ponto de vista endolocal.

18De facto, é indispensável fazer a distinção entre o carácter residencial, saído de casamentos contratados no interior da aldeia, e os casamentos feitos entre pessoas de aldeias diferentes. Os casamentos endolocais fazem aparecer um tipo de residência relativamente diferente dos casamentos exolocais, permitindo que coexistam dois tipos de residência.

19Na maioria dos casos assinalados de casamentos endolocais, o carácter neolocal da residência parece prevalecer: o novo casal fixa-se numa residência distinta da dos pais, no seio da aldeia. Os casos de matrilocalidade, propriamente dita, são poucos e constituem por vezes uma situação meramente provisória. Nestas situações de matrilocalidade, o casal estabelece-se em casa dos pais da esposa e, em certos casos, depende deles economicamente (trabalhando nas mesmas terras) ou não (trabalho assalariado do marido). No extremo oposto, nas situações de neolocalidade, o casal reside, nitidamente, fora das terras dos pais e não depende, economicamente, deles. O casal aluga uma casa na aldeia e o marido trabalha em meio urbano.

20Por consequência, só pode falar-se de matrilocalidade significativa situando-nos do ponto de vista da exocalidade dos casamentos. Deste ponto de vista, a residência matrilocal pode realizar-se segundo quatro casos de figura:

1. Os recém-casados moram numa residência distinta, na proximidade da dos pais, mas fora da sua exploração agrícola. Podem não depender economicamente deles, tornando-se rendeiros ou assalariados.

2. Os recém-casados fixam-se numa residência distinta da dos pais da esposa, mas trabalham na exploração destes; geralmente dependem deles economicamente explorando, total ou parcialmente, a terra dos pais da esposa.

3. Os recém-casados fixam-se na residência dos pais da esposa e exploram as terras que esta já tenha eventualmente herdado – a residência é então perfeitamente uxorilocal.

4. Os recém-casados instalam-se provisoriamente na residência dos pais da esposa e dependem unicamente do trabalho assalariado de um deles ou de ambos.

21Note-se, porém, que estes casos de figura residenciais realizam-se, igualmente, quando, em vez do homem, é a mulher a deslocar-se para a casa do marido, nos Chãos.

22Uma vez clarificadas estas situações, retome-se, agora, a apresentação dos dados relativos aos registos paroquiais de diferentes períodos.

23O período recente, de 1923 a 1980, evidencia, nitidamente, uma prática preponderante da residência matrilocal, por oposição a um número limitado de casos de patrilocalidade. De facto, num total de 77 casos de residência levantados, 20 dizem respeito a casamentos endolocais e não implicam, por consequência, deslocações de residência interaldeias (a opção residêncial feita é de tipo neolocal, como se viu). Inversamente, 49 casos de residência relacionam-se com homens que vieram morar para a aldeia em casa de suas esposas e os 8 restantes com mulheres vindas instalar-se nos Chãos na casa de seus maridos.

24A grande maioria dos homens que vieram residir na aldeia, era proprietária de bens fundiários na sua aldeia de origem e, relativamente, nas mesmas proporções que as suas esposas.

25Três das mulheres vindas fixar-se na aldeia não possuíam mais que alguns retalhos de terra na sua, enquanto que os maridos tinham, nos Chãos, uma exploração de dimensões relativamente grandes.

26Duas outras mulheres haviam herdado campos nas suas aldeias de origem e, pela parte das mães, nos Chãos (em cada uma destas situações, o conjunto das parcelas constituía uma exploração de dimensões médias para a região); esta situação é muito corrente, bem entendido, quando os progenitores de um indivíduo são originários de aldeias diferentes. Nos presentes casos, marido e mulher possuíam campos nos Chãos, aldeia de origem e de residência do marido. Adicionadas, as duas propriedades constituíam, localmente, uma exploração de dimensões mais importantes que a propriedade única que se encontrava na aldeia da mulher. Neste contexto, a escolha do local de residência na aldeia da mulher oferecia condições materiais de viabilidade muito menos interessantes que na aldeia do marido. A primeira opção apresentava demasiados incómodos, em relação à segunda: uma menor concentração da propriedade próxima do local de residência, acompanhada de incidências económicas negativas para o casal. No caso de certos casais, seria necessário proceder a reconversões importantes de cultivo de parcelas. Pôr mesmo, por vezes, em regime de exploração indirecta os campos do marido (o que se procura evitar, tanto quanto possível) se a aldeia em que se encontram ficar demasiado longe do local de residência comum – com todos os inconvenientes económicos inerentes a esta situação. Ou então, proceder à sua venda, o que teria, por consequência, o enfraquecimento da posição do marido, relativamente à esposa, no funcionamento das relações conjugais. Tal representaria, igualmente, para o marido, o apagamento da materialidade da sua referência identitária – ligada a direitos próprios tansmitidos através de gerações.

27Por todas estas razões, existiam, nos dois casos em questão, fortes probabilidades para que a preferência residencial incidisse sobre Chãos. Diga-se, também, que a opção destas duas mulheres estava ligada à escolha estratégica do cônjuge. Desta dupla escolha estratégica, residencial e conjugal, resultava uma reafirmação dos direitos ancestrais, ligados à residência matrilocal, distendidos pelo afastamento das mães aquando dos respectivos casamentos.

28Sobre as três mulheres restantes, das oito que vieram viver para Chãos, vê-se que a preferência residencial foi fortemente influenciada por factores ligados à organização policultural do espaço agrícola da aldeia.

29De facto, a agricultura policultural, nos Chãos, tributária de um elevado grau de autoconsumo exige, antes de mais – como se viu no capítulo da estrutura agrária –, uma dicotomia cultural entre terras secas («alqueives»), de cereais de Inverno, e terras irrigadas («lameiros»), reservadas às hortas, ao cereal de Verão e aos prados de Inverno. Estas terras irrigadas são, por sua vez, submetidas a uma policultura intensiva. Quer dizer que se pratica uma rotação sucessiva de plantas, necessitando designadamente de fortes estrumações e regas abundantes. Assim, necessitam de tratamentos mais ou menos constantes e, por consequência exigem, muito particularmente, a proximidade imediata daqueles que as têm a cargo. Tanto mais que estas culturas são precisamente destinadas a colheitas alimentares quotidianas.

30Policultura e proximidade residencial constituem-se, então, em função de uma relação de interdependência hierarquizada. Nos Chãos, esta interdependência realiza uma relação concomitante das parcelas culturais em função do grau de intensidade de consumo dos seus produtos e da sua distância do local de residência. É por esta razão que as hortas, nas quais se procede a colheitas quotidianas, se encontram o mais perto possível da casa de morada e outras culturas, também intensivas, mas de colheitas mais espaçadas, se situam, geralmente, mais afastadas desta; enquanto as parcelas reservadas aos cereais de Inverno (trigo, centeio, aveia etc.), ou à vinha, e ao cereal de Verão (milho), podem situar-se mesmo nas aldeias vizinhas. Estas últimas culturas estão mais ou menos afastadas do local de morada, segundo se trata das primeiras (trigo, vinha etc.) ou das segundas (milho).

31É a articulação funcional entre a dicotomia cultural dos campos e a casa de morada que sobressai, como tendo um papel determinante na escolha residencial patrilocal dos últimos casos citados. Em todos eles, a escolha da residência recaiu sobre a aldeia onde o cônjuge já possuía parcelas irrigadas («lameiros»), associadas a parcelas secas («alqueives»), ou, unicamente, as primeiras. Com efeito, estas mulheres que vieram residir na aldeia, tinham herdado uma maioria de alqueives, enquanto seus cônjuges dispunham, ao mesmo tempo, de alqueives e de lameiros em quantidade suficiente (quer dizer, podendo cobrir, no mínimo, as necessidades alimentares de um ano).

32As escolhas residenciais descritas podem ilustrar-se citando o exemplo das opções feitas pela fratria Nunes/Caetano e a primeira geração dos seus descendentes, cujos casamentos se realizaram ao longo do período estudado.

33Esta fratria tinha uma inscrição muito antiga e bastante importante na história fundiária da aldeia, o que já pouco se reflecte, hoje, na dimensão dos campos dos seus descendentes. Todavia, na época, cada um dos membros deste grupo de germanos tinha recebido por herança partes relativamente importantes de seus pais, originários dos Chãos: partes equivalentes umas em relação às outras, mas com função cultural diferente no caso de alguns deles.

34Este grupo de germanos contava seis irmãs e um irmão cuja ordem de casamento foi a seguinte: António, Ana, Nazaré, Etelvina, Cândida e Maria. A sexta irmã, Luísa, deficiente mental, em consequência de uma meningite cerebral, não se casou. Do grupo já todos faleceram menos Maria.

35Excepto António e Etelvina que só herdaram, praticamente, terras de alqueive (três parcelas não contíguas, na periferia da aldeia), todas as outras irmãs receberam terras de alqueives e de lameiros, em proporção.

36António ficou nos Chãos com a esposa, visto ela só possuir alguns retalhos de terra na sua aldeia de origem. Alugaram uma casa e arrendaram, na aldeia, campos com função cultural diferente dos herdados por António, a fim de restabelecer a dicotomia entre terras secas e terras irrigadas. Inversamente, os filhos do casal foram residir com as esposas e arranjaram um trabalho assalariado em centros urbanos importantes. A exploração dos pais, entretanto consideravelmente aumentada e bem valorizada, foi arrendada a parentes afastados, após o seu falecimento.

37No caso de Etelvina, os campos de alqueive que herdara eram considerados equivalentes, em proporção, àqueles que o marido tinha na aldeia do Alcaide, próxima (menos de 2kms); aldeia onde dispunha, contrariamente à esposa, de um certo número de parcelas bem irrigadas, assim como de uma casa. Por essa razão, ao contrário do seu irmão António, ela deixou Chãos, para estabelecer-se na aldeia do marido. Alcaide tinha a vantagem de oferecer uma unidade de produção agrícola diversificada já organizada, inexistente nos Chãos. Quer dizer, um espaço agrícola de policultura, de consumo mais ou menos quotidiano, associado a uma casa de morada. Além disso, dada a proximidade das duas aldeias, era fácil restabelecer a dicotomia cultural usual, associando esta unidade de culturas irrigadas, de proximidade residencial, às parcelas de cereais possuídas nos Chãos.

38Em seguida, a primeira das três filhas e do filho deste casal a contrair matrimónio, emigrou para Lisboa com o marido. As duas outras casaram-se com homens originários dos Chãos, onde fixaram a sua residência: uma, casada com um primo germano materno (filho de Cândida), instalou-se numa casa edificada nas parcelas justapostas que, respectivamente, possuíam. Ambas tinham, entretanto, passado de uma função monocultural para uma função policultural. A outra filha instalou-se, também, em casa construída numa das parcelas do marido (parcela de função policultural, contrariamente aos campos que lhe pertenciam, situados nas imediações da aldeia).

39Os maridos destas últimas irmãs, inversamente ao da primeira, puderam associar a sua actividade agrícola a outro trabalho na região: o primeiro é «factor» dos caminhos-de-ferro e o segundo cesteiro.

40O filho de Etelvina que apenas herdou de seu pai na aldeia do Alcaide, foi residir para a aldeia da esposa onde ela tem uma exploração de valor médio, para a região. Necessitando as parcelas por ele possuídas no Alcaide de uma presença permanente, foram estas arrendadas a uma das irmãs – apesar dele aí ter uma casa, contrariamente à esposa na sua aldeia.

41Pode observar-se, incidentemente, que nenhum dos filhos de Etelvina ficou a morar no Alcaide, como se fosse necessário corrigir pela residência das filhas, nos Chãos, o desvio residencial da mãe. De facto, as duas filhas – que não emigraram – fixaram-se nos Chãos e o filho foi para casa da esposa, em conformidade com o costume e como certamente também teria sido o caso, se sua mãe tivesse, ela própria, ficado nos Chãos. As duas aldeias ficam assim como que desobrigadas.

42Voltando à descrição dos outros membros do grupo de germanos Nunes/Caetano, Ana emigrou para Lisboa com o seu marido. Tanto um como o outro possuíam, nas respectivas aldeias, uma exploração considerada viável, para o modo de vida local da época. Mas Ana tinha posto como condição para o seu casamento que o futuro marido encontrasse um trabalho em Lisboa e abandonasse a vida camponesa, o que foi cumprido.

43Sua irmã Nazaré e o marido, originário da aldeia vizinha de Valverde, fixaram residência nos Chãos, apesar da exploração do marido ser nitidamente mais importante que a da esposa. O marido possuía duas grandes propriedades distintas e seguidas, compostas de terras de alqueive e de lameiro assim como de uma grande vinha. O filho emigrou com a mulher para Lisboa. A filha, casada com um pequeno comerciante de fruta, por grosso, ao mesmo tempo descarregador dos caminhos-de-ferro na vila próxima e ainda por herdar dos pais, que poucos bens tinham, ficou na aldeia e instalou-se numa casa que mandou construir numa das suas parcelas.

44Cândida ficou, igualmente, na aldeia com o marido, simples jornaleiro na sua. Instalou-se numa parte da casa materna que coubera por herança à sua irmã deficiente Luísa, com a condição de tratar dela. O seu único filho, casado com uma das filhas de sua irmã Etelvina, ficou, como já se viu, na aldeia.

45Maria conheceu diferentes domicílios provisórios, em função dos locais de trabalho assalariado do marido, antes de se instalar numa casa comprada, nas imediações dos Chãos. O marido possuía uma pequena exploração muito retalhada, enquanto a da esposa, toda seguida, representava três a quatro vezes a dele e incluía uma casa. A propriedade de Maria esteve sempre, praticamente, em regime de exploração indirecta, o que não exigia a residência do casal nos Chãos. A maioria das parcelas pertencentes ao marido foram vendidas, para poderem comprar a casa onde hoje moram, à volta da qual organizaram uma horta de que tiram o alimento comum em complemento ao salário do marido e da pequena renda anual, recebida pelo arrendamento da exploração da esposa. A sua filha, após ter morado na aldeia do marido, nas Donas, sede da freguesia, veio instalar-se definitivamente nos Chãos, numa casa alugada. Os pais de um e outro, todos em vida, ainda não procederam à partilha do património. Mas os do marido compraram-lhe uma parcela nos Chãos, com a finalidade de ali construir uma casa para o novo casal e que foi financiada com a ajuda de Maria e de seu marido.

46É de notar que, na maioria dos casos de matrilocalidade, no conjunto do período estudado, não pode falar-se de disparidades importantes entre os níveis de riqueza dos cônjuges. Só uma pequena minoria de homens não possuía, realmente, qualquer bem de raiz, comparativamente às esposas. Tratava-se de facto de «pastores», «criados» ou «homens por dia». Mas é de referir que todos estes homens tinham casado com mulheres muito mais velhas (até dez anos de diferença de idade) e a norma aponta para que a esposa seja mais nova, mais ou menos de três a quatro anos que o marido. Esta diferença de idade era considerada uma espécie de compensação, pela diferença de riqueza entre os cônjuges e provoca, obviamente, uma redistribuição da propriedade, pelo acesso aos bens da esposa, designadamente, em caso de falecimento desta, dado o regime de comunhão de bens que, antes de 1966, regia sempre o matrimónio.

47Sendo assim, pode constatar-se que num contexto social e económico mais ou menos neutro entre cônjuges, a escolha residencial é, em cada caso, matrilocal. Esta escolha terá tendência para ser favorecida estruturalmente, pelo modo de transmissão dos bens, como poderá verificar-se mais adiante. De facto, a representação mental de um costume matrilocal de residência tem tendência para integrar um modelo de partilha de bens, em conformidade com este, favorecendo uma certa interdependência do conjunto. Assim, os rapazes, contrariamente às raparigas, têm tendência para receber, de preferência, parcelas reservadas às culturas extensivas (alqueives ou vinhas) que, geralmente, se encontram afastadas da casa e, muitas vezes, na periferia da aldeia. A escolha destas parcelas incidirá, de preferência, sobre a aldeia do pai e não sobre a da mãe, quando ambos são originários de localidades diferentes.

48Do ponto de vista deste princípio difuso, os rapazes são considerados disponíveis, à priori, para abandonarem a aldeia e estabelecerem-se na das esposas (quer a partilha dos bens tenha lugar antes ou depois do casamento). A função cultural das parcelas recebidas não exige a sua presença permanente e a situação periférica em que se encontram representa a inscrição simbólica do princípio da sua partida.

49Bem entendido, este modelo matrilocal só pode ser (mais ou menos) realizado se certas condições económicas fundamentais se reunirem. O que, obviamente, nem sempre é o caso, mas mesmo a existirem estas condições podem ainda ser contrariadas por estratégias ligadas à escolha do cônjuge. É o que acontece, por exemplo, quando o património fundiário de uma família é suficientemente importante para os herdeiros masculinos se manterem, definitivamente, na localidade atraindo, pelo seu prestígio, mulheres cujo grau de riqueza pode ser de natureza diferente.

50A importância das terras herdadas por cada membro de um casal surge, por consequência, como um elemento determinante que faz com que uma mulher esteja ou não em condições de conservar a residência na sua aldeia.

51De igual modo, a natureza da função agrícola das parcelas leva a que num grupo de germanos composto por um número de raparigas demasiado importante em relação à fraca quantidade de terras irrigadas a dividir, algumas delas herdem apenas terras de sequeiro, tentando então equilibrar a organização da sua exploração através do casamento. A necessidade económica de restabelecer o sistema policultural, fundado no autoconsumo, pode traduzir-se para estas mulheres numa escolha residencial oposta ao modelo de residência dominante.

52Aliás, é relativamente raro as parcelas irrigadas poderem ser partilhadas como tais, porque, na realidade, estes lameiros não são, na maioria das vezes, mais do que zonas húmidas de pequenas dimensões, existentes na parte baixa do declive de campos, também pequenos, que deverão ser divididos segundo a dicotomia usual, alqueive/lameiro (para mais pormenores ver a parte sobre a estrutura agrária). É, portanto, na sua composição global, que um campo deve ser considerado e dividido em fracções, compreendendo terras secas e terras irrigadas (pelo menos, nos limites das dimensões do campo). Estas fracções opor-se-ão a outras parcelas, exclusivamente de monocultura, geralmente difíceis de valorizar, tal como se entende localmente: declives muito importantes, natureza pedológica muitas vezes medíocre (as piores parcelas são reservadas para o centeio e as melhores, ou menos piores, para o trigo), erosão acrescida por lavagem do solo e toalhas freáticas nem sempre exploráveis. No caso de não ser possível respeitar a divisão deste equilíbrio policultural, uma periequação por compensações resolverá, em princípio, as diferenças quantitativas e qualitativas entre as parcelas, com as tornas. Quer dizer, juntando um valor igual à diferença estimada entre as partes, a fim de as tornar equivalentes. Valor geralmente monetário, quando a avaliação é administrativa, ou de natureza fundiária, quando a avaliação é local, ou pelos dois processos.

53Pode notar-se que a acuidade destes mecanismos económicos é tanto mais susceptível de inflectir o carácter residencial matrilocal dominante (ao contrário da sua representação como modelo), quanto o modelo de devolução do património é igualitário e o modo de vida de referência se liga, exclusivamente, com a terra.

54Hoje em dia, porém, a actividade agrícola já não é exclusiva e encontra-se fortemente em concorrência com o trabalho assalariado industrial ou terciário. De facto, a desagregação da estrutura agrária, longa e desigual, segundo as famílias, conduziu a uma ruptura de equilíbrio, hoje quase generalizado. Ruptura que se caracteriza por uma generalização crescente da atomização da propriedade. Nesta situação, o antigo sistema cultural deixou de poder ser organizado nos moldes do passado: segundo a relação alqueives/lameiros, repartida em função das necessidades. Correlativamente a esta atomização da propriedade, assiste-se ao acentuar da policultura irrigada – destinada ao autoconsumo – e à extensão gradual das parcelas reservadas às culturas cerealíferas na paisagem agrícola. Deste modo, a ruptura do antigo sistema cultural foi, pouco a pouco, compensada pelo trabalho assalariado na vila (dos homens, mas também das mulheres) e por isso a exploração da terra já não representa um modo de vida único como no passado. A terra exerce, pelo contrário, um papel complementar, em relação ao trabalho assalariado.

55Assim, a independência crescente, em relação ao antigo sistema cultural, poderá influenciar, paradoxalmente, de um reforço da matrilocalidade, na medida em que este sistema deixa de ser susceptível de intervir como factor de desvio do costume.

56Além disso, o local de trabalho assalariado e o local de residência também já não estão tão estreitamente interdependentes: o local de trabalho tanto pode estar nos arredores imediatos da residência, como longe da região. Mas os homens casados, trabalhando longe da região, mesmo bastante longe, voltam, regularmente, todos os fins-de-semana ao lar conjugal, na aldeia da esposa, onde se encarregam da parte de trabalho agrícola que lhes cabe.

57Proceda-se, agora, à análise dos períodos mais antigos, para se tentar encontrar, proporcionalmente, o mesmo tipo de residência dominante no período que se acaba de estudar.

58O período de 1820 a 1834 comporta um levantamento de 25 casamentos, repartidos por 14 anos. 16 destes casamentos são endolocais e 9 exolocais. No primeiro caso, não é possível conhecer a escolha residencial feita por estes casais, dado que os registos paroquiais não indicam o local da sua origem no interior da freguesia. Inversamente, entre os casamentos exolocais, 6 relacionam-se com a residência matrilocal e 3 com a residência patrilocal.

59No período mais antigo, de 1731 a 1809, os dados levantados mostram um total de 115 casamentos, repartidos por 78 anos. 40 destes casamentos correspondem a uma escolha endolocal do cônjuge, mas como no período precedente não é possível, pelas mesmas razões, conhecer o tipo de residência destes casamentos. Entre os 75 casamentos exolocais, 50 relacionam-se com a residência matrilocal e 25 com a residência patrilocal.

60Num e noutro destes dois períodos, a diferença entre o número de homens e de mulheres vindos estabelecer-se nos Chãos é de dois para um. Mas como já foi sublinhado, não se conhece o número de homens que foram residir com as esposas. Pela simples razão que a celebração do casamento tem lugar, em princípio, na freguesia da esposa, onde a totalidade dos casamentos fica registada, tornando-se praticamente impossível detectá-los, dada a vasta extensão da área exogâmica abrangida. Também não foi possível verificar um saldo de mulheres que, eventualmente, não tivesse observado esta regra e tivesse ido celebrar o casamento na freguesia do marido e ali ficado.

61Porém, se for posta a hipótese de que, nestas épocas antigas, a relação de masculinidade global não apresentava, tal como hoje, um grande desequilíbrio (entre a população masculina e a população feminina), seria possível avaliar, aproximativamente, o número de homens que foram morar com as esposas. De facto, poder-se-ia considerar que, em relação ao número aproximado de mulheres casadoiras, corresponderia um número idêntico de homens casadoiros. Esta hipótese não é sem fundamento, na medida em que referências antigas à população da freguesia o permitem pensar.

62Retendo, para a análise, o número de mulheres e de homens que conservaram a residência nos Chãos, seria possível conhecer, aproximativamente, o número de homens que fizeram uma opção residencial inversa. O carácter aproximativo deste número está ligado ao facto de não se conhecer a quantidade de mulheres saídas (e que não podem ser contabilizadas), nem a relação de masculinidade exacta.

63Por consequência, se for considerado o período de 1731 a 1809, o número obtido de mulheres casadas, nos Chãos, é de 70; o número correspondente de homens poderia ser, sem diferença notável, o equivalente a este. Como se viu, 40 homens e mulheres, nascidos na aldeia, casaram-se entre eles. O número das 50 mulheres restantes e dos 25 homens que fizeram vir o seu cônjuge viver com eles, indica que resta um saldo de 25 destes que teriam partido.

64Pode agora considerar-se, de forma idêntica, todo o período de 1923 a 1980 baseado, igualmente, numa relação de masculinidade que não tivesse sido demasiado marcada.

65Sendo no total o número de mulheres levantado de 59, ter-se-ia, mais ou menos, o mesmo número de homens. 20 casamentos dizem respeito a homens e mulheres nascidos em Chãos e unidos entre eles. Restam 49 mulheres e 8 homens, cujos cônjuges vieram estabelecer-se na aldeia. O saldo aproximado indicado seria de 41 homens que partiram.

66Como não se conhece o número eventual de mulheres que foram residir para casa de seus maridos, o número aproximativo de homens saídos, resultante do cálculo, é susceptível de comparação com o dos homens que ficaram, em vez do das mulheres que fizeram a mesma escolha. Se o eventual número de mulheres saídas fosse conhecido, poder-se-ia calcular então a relação de matrilocalidade subtraindo o número de mulheres saídas às que ficaram e dividindo o número encontrado pelo número de homens saídos, dedução feita dos que ficaram.

67Pode concluir-se esta análise fazendo notar uma diferença importante entre a relação de matrilocalidade dos períodos antigos (que é de dois para um) e a do período recente (que é de seis para um). Esta diferença não parece derivar de uma eventual mudança estrutural do sistema de parentesco. Pelo contrário, tudo leva a crer que ela se deve, sobretudo, às características da estratificação social dos Chãos, nessas épocas antigas.

68Chãos fez parte de um importante morgadio, conjuntamente com a importante aldeia de Peroviseu. Através do jogo de heranças sucessivas, uma família, crescentemente numerosa, descendendo de forma mais ou menos afastada da antiga aristocracia local, acabou por tomar directamente parte na vida da aldeia como grupo mais rico. Esta família, certamente sujeita a antagonismos internos, teve tendência para inflectir, significativamente, o tipo de residência dominante da aldeia, pela acção de estratégias de reforço individual local.

69Graças à remanescência do seu prestígio e sua riqueza passada, os membros das diferentes fratrias puderam exercer um poder de atracção residencial bastante forte sobre os seus cônjuges, independentemente do seu sexo. Pela leitura dos dados reunidos, pode constatar-se, efectivamente, a constância de uma opção patrilocal da residência, por parte dos membros masculinos das diferentes fratrias, paralelamente à residência matrilocal dos membros femininos. É possível observar, igualmente, que esta tendência para conservar a residência nos Chãos, por parte dos membros desta família, perde a sua regularidade, à medida que as sucessivas gerações se multiplicam e tornam contemporâneas da época actual. Com a família a perder pouco a pouco a sua influência, a relação de domínio inverte-se em benefício das esposas. O modelo cultural envolvente tem, então, tendência para ressurgir e para se traduzir num crescimento da residência matrilocal.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

placedeslibraires.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search