Version classiqueVersion mobile

Heranças

 | 
Armindo dos Santos

Primeira parte a morfologia social

Capítulo I a aldeia

Texte intégral

Situação e toponímia

1A aldeia dos Chãos situa-se na base da vertente norte da serra da Gardunha, entre Alpedrinha e Fundão. As primeiras alturas dominando a aldeia encontram-se a 700m, estando ela própria a 470m acima do nível do mar, praticamente sobre a superfície de erosão.

2Diante desta fachada norte da Gardunha, estende-se uma planície em forma de círculo que se prolonga até à serra da Estrela; depressão geomorfológica denominada, correntemente, por «Cova da Beira».

3A parte da aldeia constituída pelo habitat concentrado, encontra-se em posição de corredor entre a fachada norte da Gardunha e a planície a jusante. As casas estão dispostas ao longo de uma calçada que segue o prolongamento de um caminho vicinal e cujo extremo sul, a montante, desemboca na estrada nacional que se encontra a 100m mais acima, a cerca de 1km de distância, enquanto que o seu extremo norte, a jusante, se apresenta face à planície.

4Esta estrada passa pelo concelho do Fundão, a oeste, e conduz ao distrito de Castelo Branco, passando por Alpedrinha. A jusante, do lado da planície, a extremidade norte deste caminho dirige-se directamente para aldeia da Fatela a nordeste, com um desvio para a aldeia de Valverde a noroeste.

5A aldeia dos Chãos aparece, por consequência, completamente orientada para a planície que constitui o essencial do seu território agrícola e onde se encontra a maioria das quintas. Esta orientação estabelece-se através do seu eixo norte-sul e da estrada municipal que o atravessa, perpendicularmente, pelo meio, no sentido oeste-este e que ladeia a totalidade do espaço cultivado em planície.

CORTE TOPOGRÁFICO

CORTE TOPOGRÁFICO

Autor

A partir da folha na escala de:20.D Fundão da carta de Portugal

  • 1 Carta corográfica de Portugal na escala 1:500 000 20-D Fundão. (N. do A.)

6A superficie do território agrícola estende-se por um declive de 1250m de comprimento com um desnivelamento total de 50m; partindo da curva de nível 500, a sul da aldeia, até à 450 a norte1. Porém, o desnivelamento mais importante produz-se no início de declive, ou seja com uma inclinação de 25m, o que corresponde, aproximadamente, a um quinto do comprimento total do território agrícola.

7Chãos pertence à freguesia das Donas que compreende unicamente duas aldeias além de Donas: Teixugas que lhe é justaposta e Chãos que se encontra a cerca de 2km de distância.

8As infra-estruturas locais, dizendo directamente respeito à aldeia são as seguintes:

a estrada municipal que a cruza no sentido oeste-este comunicando, a oeste, com a vila do Fundão, passando pela freguesia das Donas e, a leste, com a aldeia do Alcaide. Tanto do lado das Donas, como do Alcaide, esta estrada – que passa no cimo da aldeia – entronca com a Nacional Castelo Branco-Guarda;

a escola primária;

a capela;

vários lavadouros, encontrando-se os dois mais importantes, um a montante, próximo da escola e o outro, a jusante, junto do cruzamento da rua principal com a estrada municipal;

um café, aberto por um jovem emigrante de volta à aldeia, assim como uma pequena mercearia instalada no rés-do-chão da casa de outro morador. Tanto o café, como a mercearia encontram-se na estrada municipal, junto da aldeia; o primeiro a leste e a segunda a oeste.

Há sete anos, procedeu-se à electrificação da aldeia e ao longo da estrada, tendo sido feita, posteriormente, a instalação da luz nas casas, mesmo nas isoladas, mas próximas dos postes eléctricos. Contudo, algumas quintas mais afastadas não puderam beneficiar da electrificação, pois a instalação de postes suplementares ficava ao encargo individual, o que tornava a operação demasiado dispendiosa para os seus utilizadores.

Mais recentemente ainda, procedeu-se à instalação da rede de distribuição de água e à sua instalação ao domicílio bem como à construção de uma rede de esgotos, à qual ainda poucas casas estão ligadas.

9A instalação da rede eléctrica permitiu a introdução muito rápida do frigorífico e da televisão. Por outro lado, a água ao domicílio introduz, pouco a pouco, sobretudo na casa dos mais jovens, a máquina de lavar roupa.

A população dos Chãos

10Recenseei nos Chãos uma população total de 203 habitantes. Esta população diz respeito ao habitat concentrado e ao habitat disperso.

11Não me baseei em recenseamentos oficiais existentes, dado que estes me pareceram incompletos, para os objectivos que me propunha. Porém, comparei os números por mim obtidos com um levantamento anterior, de iniciativa local, que considera unicamente, o habitat concentrado. Devido à sua proximidade no tempo, esta comparação só apresenta algum interesse na medida em que permite controlar, embora de maneira bastante geral, os números obtidos no meu recenseamento. Através do exame dos números deste quadro simples, é impossível por consequência obter indicações sobre eventuais modificações significativas da população, abrangendo um período mais longo.

12No que diz respeito à emigração e à imigração, a região parece estar atravessada por movimentos migratórios nos dois sentidos. Assim, durante a grande vaga de emigração dos últimos vinte anos, 17 pessoas sobre a totalidade dos 203 habitantes deixaram Chãos:

6 casais

3 homens solteiros

2 mulheres solteiras

13Desde então, estas pessoas voltaram pouco a pouco para se instalarem, de novo, na aldeia.

14Inversamente, a freguesia pôde atrair cultivadores das aldeias dos arredores à procura de explorações por arrendamento. Vieram, assim, estabelecer-se na aldeia, há relativamente poucos anos, cinco casais com os seus filhos que tomaram de arrendamento as maiores explorações existentes no território agrícola. Não se toma aqui em consideração a emigração para Lisboa, feita de maneira contínua. Este tipo de emigrantes só muito excepcionalmente se instala, de novo, na aldeia e, quando regressa, só o faz depois de ter atingido a reforma.

Quadro I POPULAÇÃO DOS CHÃOS EM 1970 *

Habitat Concentrado

Mulheres

69

Homens

63

Total

132

* Levantamento devido a uma iniciativa local. A exactidão dos dados não é verificável

Quadro II POPULAÇÃO DOS CHÃOS EM 1978 REPARTIDA POR SEXOS**

habitat
Mulheres
Homens
Total

concentrado
62
64
126

disperso
38
39
77

total
100
103
203

Por: 100
Relação de masculinidade : 103

Quadro III POPULAÇÃO DOS CHÃOS POR GRUPOS ETÁRIOS EM 1978**

PIRÂMIDE DE IDADES DA POPULAÇÃO DE CHÃOS EM 1978**

PIRÂMIDE DE IDADES DA POPULAÇÃO DE CHÃOS EM 1978**

Quadro IV REPARTIÇÃO DA POPULAÇÃO ACTIVA DOS CHÃOS EM AGOSTO DE 1978**

Por sectores de actividades

Agrícola/Art. *

Secundária

Terciária

Total

Homens

54

12

13

79

Mulheres

60

7

5

72

Total

114

19

18

151

* Actividade exclusivamente agrícola ou artesanal

Por ramos de actividades não agrícolas

Ramos

Homens

Mulheres

Especialidade

Local

Fáb. confecção de roupas

3

7

operários

Fundão

Serração de madeira

3

operários

Fundão

Moagem

2

serventes

Fundão

Comp.a das Águas

1

controlador

Fundão

Est. de gasolina

1

empregado

Fundão

Construção civil

4

pedreiros

Arredor

Escola primária

1

contínua

Chãos

Esc. secundária

1

3

contínuos

Fundão

Comp.a Caminhos-de-Ferro

4

carregadores

Fundão

3

operários

Lisboa

2

revisores

Lisboa

1

factor

Belmonte

1

guard. pass. nível

Alcaide

Artesanato

8

cesteiros

Chãos

Total Homens-Mulheres

33

12

** Levantamento do autor

O habitat

15A aldeia, «o povo», compreende 58 casas, «fogos», em habitat concentrado e 37 outras, em habitat disperso pelo seu território agrícola.

16As construções constituindo o habitat concentrado aparecem dispostas umas em relação às outras sem plano deliberado aparente. Quase todas elas dispõem a sua fachada principal paralelamente à rua ou à estrada e justapõem-se, lado a lado, neste sentido. Esta disposição é rompida, em certos casos, por pátios, «currais», separando duas casas. Muitas vezes, estes pátios são locais de entrada comuns às pessoas e aos animais (alojando-se os primeiros no piso superior e os segundos no rés-do-chão, no caso de casas de dois pisos) servindo igualmente de local de arrumação de materiais diversos e funcionando ainda como espaço reservado à instalação de capoeiras e pocilgas.

17Também se podem ver algumas hortas contíguas às casas, separadas umas das outras por muros. Em certos casos esses muros apresentam uma entrada em pedra aparelhada e um degrau de acesso. Constituem, possivelmente, vestígios de antigas casas ou antigos «palheiros».

18As construções isoladas nos campos, encontram-se na maioria dispostas à beira destes, de preferência junto a um caminho público ou então junto a um caminho de acesso a pé já existente, com as entradas principais orientadas para estas vias de passagem. Entre as entradas e as vias de passagem encontra-se, geralmente, um espaço de trabalho com função de pátio podendo servir também como eira de malhar. Por vezes, por cima das entradas, elevam-se alguns pés de vinha em forma de «latadas», que fazem igualmente de alpendre e constituem desta maneira, zonas de frescura protegendo da canícula do Verão.

19Esta proximidade entre as vias de passagem preexistentes e as casas, responde à preocupação de economizar espaço útil para as culturas. Tal evita a criação de novos e longos percursos entre as habitações e estas vias já traçadas e necessárias para as passagens quotidianas a pé, mas também para o acesso de veículos (aquando de transportes ou de máquinas agrícolas em actividade nos campos).

20As construções do habitat disperso revelam formas mais fáceis de observar, comparadas com as do habitat concentrado (mais do que não seja porque se encontram desencravadas umas das outras), apresentando, no entanto, as mesmas características essenciais. Porém, não deixa de ser também difícil caracterizar, de maneira precisa, as formas arquitectónicas deste tipo de habitat. Seria certamente mais fácil fazê-lo se se tratasse, como adiante veremos, dos materiais utilizados.

21Podem, no entanto, assinalar-se alguns tipos gerais de formas arquitecturais que coexistem localmente (ver igualmente M. Moutinho, 1979): a casa quadrada, a casa rectangular, a combinação destas duas formas e aspectos mais complexos, resultando de desenvolvimentos posteriores às construções iniciais.

22Note-se ainda que a casa quadrada é constituída, geralmente, por um primeiro andar, enquanto a casa rectangular comporta quase sempre um rés-do-chão, sem no entanto, serem de excluir totalmente os casos inversos.

23No que diz respeito aos materiais utilizados na construção das casas, talvez seja possível inferir uma cronologia histórica da sua utilização e, consequentemente, a antiguidade das construções em relação umas às outras, como também os diferentes aspectos de distribuição do espaço doméstico que estão ligados a valores e formas sociais de prestígio. Relativamente aos materiais de construção podem, de facto, distinguir-se as utilizações seguintes:

1. As casas construídas com materiais tradicionais: a) pedra de granito com barro utilizado como cimento, para fixar as pedras entre elas (as pedras não são aparelhadas); b) adobe (barro com palha) para as divisões interiores, «taipas».

2. As casas construídas com materiais tradicionais, mas integrando também materiais industriais: a) pedra e argila, utilizadas para a construção das paredes; b) cimento e tijolos para as divisões interiores ( o que é muito corrente aquando do restauro de casas antigas ou de antigos palheiros).

3. As casas recentes, contruídas em tijolo e cimento.

4. As casas dos emigrantes, que utilizam como materiais de base, o tijolo e o cimento, ao mesmo tempo que foram os primeiros a usar novos materiais industriais, como telhas de cor e outros elementos de construção diversificados (plásticos nas diferentes canalizações, tintas de revestimento exterior, alumínio anodizado nas caixilharias etc.).

As casas antigas

24As casas construídas com materiais tradicionais como a pedra e o barro, para as paredes exteriores, e o adobe, geralmente para as separações interiores, «taipas», aparecem, de facto, como as mais antigas, pela evidência dos materiais utilizados. No entanto, resta saber se o adobe não terá vindo juntar-se, posteriormente, a construções já existentes em pedra, tão limitada é a sua utilização. De facto, só se encontra adobe, mas nem sempre, no interior das habitações – sob a forma de «taipa» – ou então, muito escassamente, em forma de adjunções posteriores, no exterior.

25Estas casas, geralmente de forma quadrada, podem ter dois pisos ou, como num certo número de casos, só rés-do-chão. As casas de dois pisos são as mais vastas dado que as superfícies no solo das casas térreas não variam consideravelmente e os desenvolvimentos posteriores destes espaços domésticos quase se fazem sempre em altura e não em comprimento.

26Neste tipo de casa, o acesso ao andar superior faz-se, geralmente, pelo exterior: desemboca-se directamente na sala comum ou na cozinha, através de um patamar, contíguo à porta de entrada. O patamar que também tem a função de varanda pode ser em pedra ou em madeira e pode possuir uma balaustrada de protecção, também em madeira. Neste caso, está-se em presença de uma varanda, «balcão», com balaustrada de protecção, mas há-as em que esta não existe, o que talvez corresponda a casas ainda mais antigas. Não existe vão de escada, esta apoia-se sobre uma base de pedras acumuladas umas sobre as outras. O patamar fica suspenso sobre um espaço vazio pelo qual se faz o acesso às dependências do rés-do-chão, «a loja», onde se encontram o estábulo e o celeiro. Quando o patamar também é em pedra, o que acontece nas casas possivelmente mais antigas, então toda a estrutura se apoia geralmente num conjunto de pedras amontoadas eliminando, desta forma, o vão sob o patamar e o acesso ao rés-do-chão faz-se por outro local.

27Estes patamares de acesso ao primeiro andar, que existem mesmo quando as casas se encontram instaladas em terreno inclinado (neste caso, o acesso ao primeiro andar faz-se pela parte inferior da vertente, com uma segunda entrada, ao nível do solo, do outro lado da casa, na parte superior do terreno), podem estar cobertos por um alpendre, suportado por colunas em madeira. Em certos casos, estes patamares comunicam directamente com dependências exteriores e contíguas à casa – consequência de desenvolvimentos posteriores – onde se situa a cozinha.

28As casas ladeando uma via estreita não têm entrada exterior de acesso ao primeiro andar, fazendo-se este pelo interior. As entradas exteriores são mais correntes nas casas isoladas e no interior da aldeia vão dar a pátios recuados em relação à rua, ou a espaços livres, formando como que uma praça. As casas mais antigas possuem uma só entrada, desembocando, geralmente, na sala comum, enquanto as mais recentes, como se verá mais adiante, têm em princípio duas: uma, conduzindo directamente à cozinha e a outra, à sala de estar. Relativamente às casas de dois pisos, podem existir uma ou duas entradas suplementares: uma, de acesso ao estábulo, a outra de acesso ao celeiro, «à loja».

29Estas casas mais antigas não têm chaminé, e as que se podem ver, actualmente, em algumas delas, são em cimento e, por esta razão, muito recentes. A tiragem dos fumos faz-se, em princípio, através das telhas, facilitada pelo facto de não haver sótão nas cozinhas. Porém, não estando a lareira embutida na parede, ligada a uma chaminé, mas no chão, ao centro da cozinha, ou, por vezes, encostada a uma das paredes, acontece que o fumo se espalha por toda a casa, só se fazendo a tiragem conveniente pela porta. Isto apresenta um grande inconveniente no Inverno, porque obriga a abrir a porta para arejar, sem contar que o fumo torna ainda mais obscuro o interior, já por si desprovido de luz, por insuficiência ou ausência total de janelas. De facto, uma outra característica, é que estas casas não têm, praticamente, janelas; as raras janelas existentes são de forma quadrada, de pequenas dimensões e, por vezes, sem vidros, fechando com postigos.

30As separações em adobe, «taipas», são estruturas de madeira, formadas com longas pranchas estreitas (cerca de 4cm de largura), espaçadas umas das outras 8cm, no interior das quais se verteu um cimento constituído por uma mistura de barro e palha de centeio; não são espessas, ultrapassando raramente 10cm de espessura. Em seguida, podem ser cobertas com cimento de barro, sem palha, alisadas e caiadas. Utiliza-se este mesmo tipo de revestimento para cobrir as paredes de pedra, no interior das casas, com excepção das paredes da cozinha, cuja pedra fica, na maioria das vezes, nua.

31As «taipas» são construídas para separar a cozinha da sala comum e esta dos quartos. Nestas casas, as divisões não são numerosas, nem vastas; comportam de um lado, a cozinha e a sala comum – estas podem formar uma única divisão ou estarem separadas, mas contíguas – do outro, um ou dois quartos, no melhor dos casos; na falta destes, espaços reservados ao sono.

32Quanto à forma dos telhados, os de duas águas são, geralmente, utilizados em casas rectangulares e têm uma fraca inclinação. Os telhados de quatro águas são montados sobre casas quadradas, sejam elas de um andar ou unicamente de rés-do-chão e apresentam, igualmente, um fraco ângulo de inclinação. O pau-de-fileira destes telhados de quatro águas pode ser longo, curto ou nulo, mas, quando colocados em casas rectangulares são, em todos os casos, longos.

33Entre o nível mais elevado da casa e o telhado, existe sempre um «sobrado», separado do nível inferior por um soalho, apoiado em caibros de madeira (o acesso ao sobrado faz-se pelo interior da casa, através de um alçapão e escada móvel). Da mesma forma, o soalho do primeiro andar é, igualmente, em madeira e apoiado sobre caibros, não tendo havido modificações para introduzir «placas» em cimento, aquando do refazer total desses soalhos.

As casas de tipo recente

34As habitações recentes apresentam alguns novos aspectos em relação ao habitat antigo, mas nem sempre, nem profundamente, quanto às formas arquitecturais de base. Além disso, estas casas também diferem entre elas, porque umas foram construídas por emigrantes e outras por pessoas que nunca abandonaram a aldeia.

35De facto, as casas dos emigrantes não se caracterizam, verdadeiramente, pela existência de novas formas arquitecturais. Conservam as características essenciais das casas tradicionais no que diz estritamente respeito às formas. Contudo, comportam algumas modificações estéticas secundárias no plano exterior.

36Nesse plano, a casa de emigrante mantém, geralmente, a forma quadrada com o primeiro andar – e, em certos casos, a cozinha apresenta-se ainda como uma dependência contígua e justaposta ao resto da casa, à qual se tem acesso através de uma escada exterior – mas em contrapartida, introduziram-se vastas varandas e janelas de maiores dimensões e uma outra escada que conduz à sala de estar. No conjunto, a dimensão das casas aumentou.

37Por outro lado, empregam-se novos materiais, como telhas escuras ou de cor, madeiras preparadas, ferragens especiais e cores nas fachadas que dão a estas casas aspecto de «vivenda» (a casa antiga conservava a pedra exterior nua, mas, de há alguns anos para cá, tem-se tendência para cobrir as fachadas de uma camada de reboco caiado). Diga-se, incidentemente, que a introdução de novas cores não deve nada aos emigrantes, a não ser a sua grande generalização. No fundo, os emigrantes não fizeram mais do que imitar o que íam vendo nas antigas casas senhoriais e da nobreza superior (vejam-se os solares e os palácios que por aí existem). O próprio reboco branco das casas antigas é, como disse, recente e radica no mesmo processo, como forma de diferenciação e, através dela, de aquisição de prestígio pela casa (muitas vezes este reboco é só aplicado na fachada principal, denotando, assim, a sua significação social ostentatória).

38No plano interior, no que diz respeito ao número de divisões e às suas instalações, a casa de emigrante apresenta grandes tranformações. As divisões são numerosas e vastas, introduziu-se o quarto de banhos, com todas as instalações habituais, também a sala de estar, «sala de visitas». As dependências do rés-do-chão são igualmente vastas; nelas penetra facilmente a luz do dia, mas nestas existe já uma certa reticência em abrigar animais reservando-as, de preferência, para as colheitas.

39As casas recentes construídas por não-emigrantes, são, em geral, mais modestas e têm um carácter mais rural, comparadas com as dos emigrantes. Pode dizer-se que estas casas apresentam influências das antigas construções e das inovações dos emigrantes, mas com uma maior inflexão a favor das primeiras, sobretudo quanto ao aspecto exterior. Porém, introduziu-se uma chaminé com lareira interior, embutida na parede da cozinha, um maior número de divisões e um quarto de banho. Por falta de meios, levam muito tempo a construir e apresentam um aspecto inacabado.

Notes

1 Carta corográfica de Portugal na escala 1:500 000 20-D Fundão. (N. do A.)

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4558/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre CORTE TOPOGRÁFICO
Légende Autor
Crédits A partir da folha na escala de:20.D Fundão da carta de Portugal
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4558/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4558/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4558/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4558/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4558/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre PIRÂMIDE DE IDADES DA POPULAÇÃO DE CHÃOS EM 1978**
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4558/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 24k

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

placedeslibraires.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search