Version classiqueVersion mobile

Heranças

 | 
Armindo dos Santos

Introdução a orientação geral

Texte intégral

Os objectivos e o quadro de referência teórica da investigação

1O estudo de caso aqui apresentado, tem por objecto realçar as correlações que a organização social de um grupo humano pode manter com o seu quadro espacial organizado. A finalidade geral desta investigação consiste em dar um contributo para a compreensão dos mecanismos que levam uma sociedade a operar, ou não operar, correlações entre a organização social e o seu quadro material de vida; este encontra-se em qualquer dos casos, profundamente subordinado às práticas do grupo e é resultado destas.

2Nesta perspectiva geral, empenhei-me numa dupla tarefa prévia. Num primeiro tempo, compreender a morfologia social de uma aldeia e, num segundo tempo, estudar o sistema de parentesco dessa mesma aldeia.

3Na medida em que estes dois sistemas de referência constituem os fundamentos interactivos de qualquer sociedade camponesa, o seu estudo permitia circunscrever, de forma operatória, o campo de investigação proposto. Assim, tornava possível estabelecer condições que permitissem evidenciar as «correlações que podem existir entre a configuração espacial dos grupos e as propriedades formais que dependem dos outros aspectos da sua vida social» (C. Lévi-Strauss, 1958, p. 320). Por outras palavras, «as correlações no que concerne principalmente, por um lado a estrutura social, por outro a configuração espacial dos estabelecimentos humanos» (ibid.).

4Fique claro que não pretendo afirmar estarem todas as dimensões da vida social necessariamente inscritas no plano da organização do espaço. Também não defendo que todos os desenvolvimentos históricos das sociedades rurais europeias tenham conduzido automaticamente a modificações concomitantes inscritas de maneira aparente no espaço. Tenho igualmente presente no espírito que, no âmbito do estudo das comunidades rurais europeias, – cuja autonomia em relação à sociedade englobante é relativa (H. Mendras, in M. Jollivet ed., 1974) –, nem sempre é fácil distinguir entre o próprio de uma comunidade local e o que vem do exterior. Daí a necessidade de se colocar a questão sobre o grau de interferência de modelos exógenos de organização espacial ou social nas formas locais de ordenamento do espaço; de se saber em que medida a organização do espaço local não poderá ter tendência para concretizar a imagem de um modelo de organização social, dependente de representações do grupo não coincidentes com a sua organização efectiva.

5Uma vez presentes estas objecções, o método justificava o caminho tomado. Porque, tendo decidido compreender essas sociedades camponesas, tantas vezes estreitamente dependentes do meio físico onde se inscrevem, era cientificamente fundamentado abordá-las naquilo que oferecem de mais ou menos imediatamente observável. A saber, por um lado, o ordenamento do espaço físico em espaço socializado e por outro, a escolha e as formas desses ordenamentos. Em suma, aquilo que «antes de mais é a expressão de um estado de espírito», como sublinhava Marc Bloch (1960 p. 60), a propósito dos sistemas agrários. Tal oferece-nos, pela mesma ocasião, o meio de «estudar os fenómenos sociais e mentais a partir das suas manifestações objectivas, sob uma forma exteriorizada e – poder-se-ia dizer – cristalizada» (C. Lévi-Strauss 1958 p. 321).

6Esta minha abordagem do problema privilegiou também um campo de estudo susceptível de permitir o posterior estabelecimento de relações de carácter mais geral, numa perspectiva comparatista. Quero dizer, organizar e circunscrever o campo de estudo, de maneira a poder isolar grupos de correlações entre organização social e espacial, possivelmente comuns a outras sociedades, ainda que descontínuas no espaço e no tempo.

7De facto, não será possível, comparando formas de estabelecimento – mesmo dissemelhantes e descontínuas no espaço e no tempo – verificar correlações de carácter universal subentendendo invariantes comuns? Será que «não haverá qualquer coisa de comum a todas [essas sociedades] onde se constata uma relação (mesmo obscura) entre configuração espacial e estrutura social?» (C. Lévi-Strauss, ibid.).

8Foi, por consequência, fundamentando-me igualmente nesta perspectiva comparatista, que decidi limitar esta investigação aos dois sistemas de referência da aldeia dos Chãos, objecto da observação. Da análise desses sistemas, era possível pensar que as respectivas propriedades manteriam relações entre si: o sistema de parentesco e a configuração espacial da aldeia, visto serem ambos sistemas próprios a qualquer sociedade deste tipo, como acima se disse.

9O conjunto deste trabalho inaugurou dois novos tipos de investigação em Portugal: na primeira parte, não se trata tanto do estudo sobre uma estrutura agrária mas antes uma investigação sobre configurações sociais particulares inscritas no espaço, a partir da observação das suas manifestações materiais. Na segunda parte, trata-se, como atrás afirmei, do estudo sobre um sistema de parentesco português. Tendo as investigações sobre as estruturas agrárias uma longa tradição em Portugal, guiei-me pelos trabalhos mais marcantes dos nossos geógrafos, entre os quais se pode citar, particularmente, os de Orlando Ribeiro (1939, 1949, 1963). Existem também os historiadores agrários, podendo destacar-se, em especial, o notável trabalho de Albert Silbert.

10O presente trabalho sobre uma estrutura agrária singulariza-se pelo carácter limitado da sua projecção, tanto no espaço (já que o seu alcance é sobretudo local), como no tempo (já que o seu alcance é essencialmente sincrónico). Apesar do estudo do quadro de referência material estar centrado sobre a estrutura agrária, esta foi englobada numa abordagem mais geral da morfologia social da aldeia dos Chãos. Todavia, não se tratava de caracterizar a aldeia unicamente do ponto de vista do seu sistema de produção agrícola, individual e colectivo. Tratou-se sobretudo, como já sublinhei, de obter os meios para verificar em que medida e como, podiam as configurações espaciais reflectir, simbolicamente, estruturas sociais e modelos mentais que se sobreporiam ou subordinariam à racionalidade económica local.

11Assim, a escolha do modo de levantar o problema apela para uma definição e uma abordagem da morfologia social, em concordância com Marcel Mauss (1985, p. 389). Para este autor, o estudo da morfologia social é, de facto, «uma ciência que estuda não só para descrever, mas também para explicar o susbstrato material das sociedades, quer dizer a forma que estas afectam quando se estabelecem no solo, o volume e a densidade da população, a maneira como é distribuída, assim como o conjunto das coisas que servem de lugar para a vida colectiva». Neste sentido, factos tão diversos como cultivar centeio ou trigo, explorar directa ou indirectamente a propriedade, murar os campos ou conservá-los abertos não são indiferentes, porque afectam socialmente de modos diferentes a paisagem agrícola. Do mesmo modo os conhecimentos técnicos, inscritos em suportes materiais, constituem também elementos de morfologia reveladores de sinais importantes sobre o sistema de valores e de conhecimentos locais.

12Porém, não me parece que possa inferir-se necessariamente a existência de tais interdependências a todos os níveis da organização social, o que significaria que qualquer aspecto social estaria materializado no espaço. Pelo contrário, as marcas de organização social, susceptíveis de se traduzirem no espaço, podem ser parciais e relativas. Assim, é possível que só uma parte da vida social se reflicta em configurações espaciais particulares e fragmentares, embora o espaço esteja profundamente subordinado às práticas do grupo.

13Uma vez colocadas estas reservas teóricas, fica-se em condições de isolar grupos de elementos constitutivos da globalidade social estudada, deixando entrever certas interdependências internas entre os dois sistemas considerados.

14Neste sentido, a abordagem do sistema de parentesco observado nos Chãos, não resulta exclusivamente de uma escolha à priori, mas também das interrogações que emergiram ao longo do estudo das configurações espaciais. Daí o interesse deste duplo estudo, porque se o sistema de parentesco não pode exprimir todas as dimensões do campo social aldeão, a sua compreensão permite responder, no entanto, – nos domínios em análise –, a numerosas questões sobre as relações entre os dois sistemas e recorrentemente a outras tantas sobre a organização social global.

15Com efeito, tinha-me apercebido da inscrição bastante nítida de certos laços de parentesco na paisagem cultivada, a ponto de se afigurar ser possível fazer uma leitura desses laços, através dos modos de separação dos campos. Os dois sistemas pareceram-me de facto interdependentes, como que repercutindo-se mutuamente. Apresentavam configurações relativamente estáveis, ainda representativas de um passado mais ou menos longínquo. Neste sentido, estas configurações apresentavam uma certa homogeneidade, oferecendo um conjunto coerente de estudo.

16No que se refere ao sistema de parentesco português, nunca nenhum estudo sistemático tinha sido empreendido localmente até hoje. Contudo, raras são as monografias locais em que não seja feita referência a esta ou aquela característica de parentesco ou de família, categorias quase sempre confundidas. Essas características são abordadas de forma isolada, sem que possa avaliar-se o seu alcance real, por serem descritas de modo parcial e dissociadas do sistema que as subtende.

17Foi o que constatei, se bem que em diferentes graus, nas monografias existentes. Embora sendo muitas vezes de grande qualidade, esses trabalhos têm em comum o estarem voltados para uma abordagem mais ou menos extensiva da vida local. Nessa abordagem, o parentesco tem apenas um papel secundário e subsequente na ordem dos temas tratados, embora apareça mais ou menos marcado segundo os diferentes autores.

18No fundo, a significação social destes factos de parentesco, levantados até agora, tomaria uma outra dimensão se tivesse sido possível relacioná-los com um sistema de parentesco de referência, de alcance mais ou menos lato. Mas até ao momento, este tipo de investigação não despertou o interesse dos etnólogos portugueses.

19Existe, todavia, um estudo que trata o sistema de parentesco português. Este trabalho, publicado sob forma de artigo, devê-mo-lo a C. Callier- – Boisvert (1968) e limita-se a observações sobre certas propriedades formais do sistema de parentesco nacional.

20C. Callier-Boisvert tenta caracterizar o sistema de parentesco nas suas grandes linhas, em particular a partir das regras do código civil português e de observações feitas na aldeia de Soajo, no norte do país. Ainda que bastante interessante, este artigo tem um carácter forçosamente geral que o autor anuncia no própio título da publicação.

21Por consequência, o artigo de Callier-Boisvert não constitui um estudo aprofundado sobre o sistema de parentesco português e, bem entendido, não pode dar conta das suas variações locais nem da sua amplitude, já que se relaciona exclusivamente com o estudo do sistema de parentesco nacional de referência. Pela mesma razão, também não permite avaliar o grau de sincretismo regional deste mesmo sistema.

22Note-se, no entanto, a importância da inovação que representa este tipo de preocupação nos estudos dos etnólogos europeístas da década de 60. Apesar dos quase vinte anos que separam os nossos dois trabalhos, não foi em vão que C. Callier-Boisvert indicou o caminho.

23É a este título que o estudo de parentesco conduzido nos Chãos tenta preencher parcialmente esta lacuna, pois propõe-se caracterizar intensivamente um sistema local. Em parte, somente, porque ao tentar evidenciar principalmente as propriedades formais do sistema de parentesco observado, tem também a preocupação de cobrir, antes de mais, um campo de investigação susceptível de esclarecer aspectos da estrutura agrária.

24Na realidade, tenho a convicção clara de ter tratado parcialmente o assunto e que os aspectos aqui abordados são em igual número aos que permanecem à espera de um estudo aprofundado.

As razões da escolha do local de investigação

25A escolha do objecto deste estudo fez-se segundo dois caminhos distintos. Não procurei, ao acaso, uma aldeia de características «tipicamente rurais». Num primeiro tempo, dediquei-me ao exame das regiões de Portugal, em função da sua história e da sua geografia gerais, para em seguida poder referir-me a uma unidade particular que oferecesse condições optimum para a investigação etnológica. Assim, orientou-se a escolha a partir de critérios geográficos e históricos e não sociológicos, já que os dois primeiros são mais facilmente assinaláveis do que os segundos, visto a documentação sociológica apropriada ser inexistente.

26A partir das informações disponíveis, retive uma região de Portugal em função daquilo que ela podia representar, simultaneamente, de original e de sincrético, agrupando características de regiões opostas. É o caso considerado, – sobre o qual acordam designadamente dois estudiosos iminentes: O. Ribeiro (1963) e A. Silbert (1966) – da região da Beira-Baixa, onde se situa a aldeia dos Chãos.

27De facto, pode considerar-se a Beira-Baixa como uma região de contactos e de transição entre dois conjuntos regionais bastante diferentes pela sua geografia e pela sua história: o norte e o sul, definidos pelos geógrafos e pelos historiadores; o sul mais homogéneo que o norte, segundo Orlando Ribeiro (Op. cit.) que opõe o «norte atlântico» ao «norte transmontano».

28Mas, como se sabe, a Beira-Baixa dos geógrafos não corresponde exactamente à divisão administrativa. Esta é definida aquém dos limites norte administrativos. A linha delimitando o norte e o sul de Portugal passa precisamente pela Beira-Baixa; indo, ladeando para sul e leste a frente ocidental da Cordilheira central, da embocadura do Mondego em Coimbra até ao extremo da serra da Gardunha, um pouco mais longe que Penamacor, ainda segundo Orlando Ribeiro (Op. cit.).

29Bem entendido, esta linha não é estanque e encontra-se pelo contrário no centro de uma zona onde as características se esbatem de um e outro lado. A este propósito, O. Ribeiro (1944, p. 5) descreve-nos essas características duais transitórias: «Os planaltos da Beira-Baixa, que se dilatam ao sul da Cordilheira Central, já se assemelham mais ao Alentejo do que à Beira-Baixa propriamente dita. A sombra da montanha, com chuvas ainda abundantes, estende por eles os últimos aspectos setentrionais da paisagem: beiradas viçosas de milhos e hortas, tufos de pinheiros, lugares de casas pobres sem reboco nem cal, restos de soutos meio-mortos, socalcos regados e cultivados na encosta, por onde sobre a canada, caminho pastoril destinado a levar os gados ao pascigo dos lugares altos sem prejuízo das culturas do percurso.»

30Também para P. Birot (1950), a Beira-Baixa é uma região onde se encontram dados de geografia física e humana próprios do Alentejo, mas deixando transparecer igualmente modos de vida de Trás-os-Montes.

31Após esta abordagem geral, era possível e tornava-se necessário fazer uma escolha entre as duas zonas. Dado serem as partes limítrofes da região considerada susceptíveis de apresentar formas de organização social mais específicas das regiões vizinhas, procurei um conjunto onde a totalidade das tendências se encontrasse mais equilibrada e mais integrada. Fi-lo, com o objectivo de reduzir o mais possível o valor estritamente local dos dados recolhidos. Era igualmente necessário encontrar um conjunto de grande significação agrícola, ligado a uma ocupação intensa do solo e a uma actividade agrícola máxima, entre outros aspectos.

32É o caso da «Cova da Beira» onde P. Birot (ibid.) distingue duas grandes zonas agrárias que correspondem «grosso-modo» aos limites da «Cova da Beira»:

33«1 – A zona de piemonte da Estrela e da vertente norte da serra da Gardunha, salpicada de casas, intensamente irrigada e cultivada, consagrada ao milho, aos prados e às hortas.

34«2 – Para leste, as pirâmides dos grandes Inselberges graníticos dominam unicamente campos de centeio que anunciam a Beira-Baixa e onde as aldeias rareiam».

35Assim, centrei a minha atenção sobre aquilo a que pode chamar-se o arco de círculo da «Cova da Beira», formado pelas zonas de piemonte da serra da Estrela e da vertente norte da serra da Gardunha. Zona de piemonte que corresponde ao norte transmontano, visto situar-se para além da linha que separa o norte e o sul dos geógrafos, embora se apresente na continuidade da espacialidade meridional. Uma secção importante desta zona de piemonte da «Cova da Beira» está, como se sabe, delimitada por dois núcleos de centralidade de grande influência: a norte pela cidade da Covilhã e a sul pela vila do Fundão.

36Assim restringida a área de estudo possível e, na medida em que esta última vila representa um núcleo de centralidade de grande significação agrícola – considerada até agora, como a capital agrícola da «Cova da Beira» – foi sobre a vila do Fundão que concentrei a minha atenção. Inversamente ao que parece, a Covilhã é um centro urbano que exerce a sua influência sobretudo na indústria, em particular na têxtil.

37Então, em função da importância agrícola da vila do Fundão, retive finalmente a aldeia dos Chãos, como objecto de estudo. A minha atenção foi atraída, primeiro, pelo topónimo Chãos, em relação à sua acepção agrária que segundo a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira significa o «nome dado a pequenos cercados que se encontram à volta das localidades, geralmente plantados de oliveiras» – uma definição que se revelou ser bem mais complexa, como o mostra A. Silbert (1966).

38Após um inquérito extensivȯ, concluí que, pela sua posição geográfica e pela sua significação agrícola, Chãos parecia representativo de um conjunto rural envolvente, preenchendo condições optimum de homogeneidade económica e social.

39De facto, esta aldeia pareceu-me significativa de uma particular unidade geográfica, apresentando uma paisagem agrária coerente. Quer dizer, um mesmo tipo de estabelecimento no sopé da montanha, no côncavo do talude aluvial, cuja actividade agrícola exclusiva na planície releva da especificidade geomorfológica, ligada ao contacto planície-montanha.

40Mas a aldeia dos Chãos captava igualmente a minha atenção, pelo facto de não parecer apresentar estratificação social marcada. Pelo contrário, esta aldeia parecia constituída na sua quase totalidade, por pequenos proprietários fundiários, sem diferenças notáveis e vísiveis entre eles; participando todos num mesmo modo de vida e numa mesma visão do universo (tendo em conta, obviamente, as diferenças entre gerações). Inversamente, podia notar-se uma estratificação social mais acentuada no quadro alargado da freguesia das Donas, na qual Chãos se integra. Assim, esta unidade social relativa denotava uma certa homogeneidade cultural, susceptível de representar um fundo cultural espacialmente mais alargado.

41Neste sentido, o sistema de parentesco que procurei caracterizar pode ser considerado como representativo de um meio rural envolvente desta zona, apresentando, aproximadamente, as mesmas características sócio-culturais definidas para Chãos. Tal significa que em meio urbano, mais ou menos importante, o grau de representatividade deste sistema de parentesco pode esbater-se.

O percurso adoptado

42Aquando da primeira etapa da investigação, procurei, de um modo geral, distinguir pela observação directa, os elementos constitutivos da morfologia social da aldeia dos Chãos: as formas de habitação e sua distribuição no espaço, o estado demográfico da população, o espaço cultivado etc. Em seguida, procurei apreender, mais particularmente, a estrutura agrária da aldeia: segundo as formas e dimensões dos campos, o sistema e técnicas de cultivo, assim como o regime fundiário.

43O percurso empírico seguido no presente estudo, fundamentou-se no método da observação directa e participante. Esta última deve ser compreendida no sentido em que efectivamente participei, fisicamente, nas tarefas mais significativas da actividade agrícola. A finalidade era conseguir perceber melhor a racionalidade das técnicas empregues em relação ao ordenamento do espaço cultivado e ao seu cultivo. Desta forma, tornou-se necessário aprender a lavrar com a charrua, cavar, extrair água dos poços segundo as diferentes técnicas, regar, proceder às diferentes culturas, malhar, joeirar etc. Por esta ocasião, permaneci nos Chãos um ano completo, entre 1977 e 1978, morando numa quinta, o «Monte Espanhol», de modo a poder cobrir, pela observação, todas as actividades agrícolas que se desenrolavam ao longo das estações.

44A partir da observação in situ, empreendi então, concretamente, a descrição das configurações «estáveis» do espaço aldeão: as formas de estabelecimento da aldeia, a paisagem agrícola etc., ao mesmo tempo que tentava interiorizar o quadro das categorias locais correspondentes. Tentei, assim, pôr em evidência as relações existentes entre os diferentes elementos constitutivos destas configurações. De igual modo, procurei compreender as interdependências destes elementos e o seu funcionamento no espaço – no plano sincrónico – e no tempo. Neste último plano, não ignorando os fenómenos de mudança intervenientes e susceptíveis de explicar as configurações actuais.

45Partindo assim, o habitat foi observado e classificado no seu conjunto, descrito em função das suas formas arquitecturais e materiais utilizados para a sua construção. Procurei também, registar as mudanças ocorridas na organização destes espaços domésticos, bem como as razões dessas mudanças.

46A população foi objecto de um recenseamento, por grupos de idade, o mesmo acontecendo com as diferentes actividades não agrícolas ou não artesanais.

47O método geográfico guiou a descrição da estrutura agrária, efectuada não só a partir do inquérito de campo, mas também através de métodos de observação indirecta: análise de documentos, com especial utilização das fotografias aéreas. Deste modo, estes documentos tanto serviram de ponto de partida para um avanço coerente no campo – a partir das questões que levantavam – como de materiais de síntese e de recapitulação pela visão de conjunto que ofereciam.

48Por outro motivo, as principais técnicas ligadas às diversas realizações da produção agrícola – especialmente os modos de amanho da terra nas suas relações directas com o sistema de culturas – foram objecto de uma descrição particular. Procedeu-se, de igual modo, em relação às outras técnicas e às principais máquinas –, designadamente, os meios de reter e elevar água dos poços – consideradas do ponto de vista do seu funcionamento. Foram, no entanto, isoladas e tratadas num capítulo à parte.

49De facto, pode colocar-se a questão de saber em que medida estes conhecimentos técnicos não poderiam revelar, directa ou indirectamente, sinais importantes do sistema de valores e de conhecimentos locais que se encontrassem inscritos em suportes materiais, observáveis a partir destes últimos; por pouco que se descortinasse à priori significações relativas aos objectivos anunciados da investigação, mas que, na perspectiva daquilo a que alguns etnólogos chamam uma «etnografia de urgência», convinha registar.

50Finalmente, os indicadores usados para classificar a paisagem agrária foram os seguintes: a densidade de ocupação do solo, formas dos campos, sistema de culturas e cercados.

51A partir de 1978, comecei a redigir os primeiros resultados do inquérito que acabava de efectuar nos Chãos, onde voltei, a meio do ano de 1980, para realizar a segunda etapa do trabalho: o estudo do sistema de parentesco. Neste espaço de mais dois anos, efectuei diferentes estadas de desigual duração: de quinze dias a mais de um mês, segundo as épocas do ano, finalizando a redacção dos resultados em fins de 1984.

52Os períodos de relativa inactividade, prestando-se mais para longas discussões – sobre o parentesco, a história das famílias em geral, as heranças em particular etc., de que então me ocupava –, privilegiei as estadas de Inverno. Mas esses períodos invernais não foram os únicos que me permitiram abordar estes assuntos. Há, também, noutras estações do ano, períodos do dia que se consagram, de boa vontade, à discussão. No Verão, por exemplo, são aquelas horas de grande canícula da tarde, em que o silêncio se abate sobre o campo e se faz sentir tão fortemente como o silêncio da noite, devido à ausência de actividade comparável. Essas horas são destinadas à realização de pequenos trabalhos domésticos, sobretudo pelas mulheres, antes de se voltar aos campos por volta das quatro horas da tarde. Inversamente, nos serões de Verão, os camponeses não se encontram tão disponíveis das suas tarefas habituais, como se poderia crer. Cansados de um dia de trabalho extenuante, encontram-se ainda adstritos, uns a preparar a refeição da noite, outros a ordenhar e a alimentar os animais, «a acomodar os vivos» e, em seguida – no momento da refeição –, a comentar o trabalho realizado durante a jornada e a planificar o do dia seguinte.

53A quinta do «Monte Espanhol» tinha sido o local ideal para a observação das actividades agrícolas, porque concentrava num lugar e mais nitidamente um modo de vida que se encontrava num estado mais difuso na aldeia. Esta quinta foi, para mim, uma escola prática de formação agrícola e um elemento importante de observação do território da aldeia, pois os seus campos estavam dispersos por três dos quatro cantos do território aldeão. Mas a última noite da minha primeira estada pôs fim à possibilidade de aí voltar, no futuro. Depois de nessa noite ter ido despedir-me de outros aldeões, já de volta, em pleno campo, alguém veio advertir-me do acidente dramático que acabava de vitimar a minha anfitriã. Em consequência de um mal-estar, tinha caído da escada, «dos escaleres», de entrada da sua casa e tinha sofrido fractura da coluna vertebral. Faleceu dias depois, com a idade de sessenta anos, seguindo-se a este caso uma série de outros falecimentos que poriam fim à vida do «Monte Espanhol», hoje abandonado. E, com ele, pode dizer-se que se pôs termo a todo um modo de vida bastante antigo.

54Eu apercebia-me então, que me encontrava num momento de não retorno da história da aldeia e que esta quinta-tipo, testemunho de um mundo que se dissipava sob os meus olhos, teria deixado de existir quando voltasse. Era, portanto, necessário apressar o estudo daquilo que testemunhava, ainda, este modo de vida mais ou menos antigo e que corria o risco de desaparecer a breve prazo. Esta razão levou-me a acentuar, particularmente, os aspectos antigos – mesmo residuais – do sistema de parentesco observado na aldeia dos Chãos. Tal não significa porém, ter descurado as transformações mais significativas já ocorridas. Contudo, prestei menor atenção aos sinais de mudança que não se encontravam ainda bem afirmados.

55Para conduzir a segunda parte da investigação – o estudo de parentesco – foi necessário, por consequência, procurar um novo alojamento, respondendo, na medida do possível, às novas exigências de trabalho que implicava este tipo de estudo.

56A rede de relações estabelecidas anteriormente, permitiram encontrar um novo alojamento a umas escassas centenas de metros da aldeia, em casa de uma meia-irmã da minha primeira anfitriã, junto à estação de caminho-de-ferro do Alcaide (estação situada a meio caminho das duas aldeias). A situação social desta pessoa, na aldeia, oferecia-me uma situação optimum de trabalho: não se encontrava em conflito importante com outras pessoas e gozava, pelo contrário, de certo prestígio; por outro lado, estava no centro de inúmeras ramificações de parentesco e bem informada sobre a vida da aldeia. Esta casa constituía, em si, uma boa fonte de informação para iniciar a reconstituição das genealogias orais de partida e, em seguida, realizar o conjunto do protocolo de estudo do sistema de parentesco.

57Este protocolo devia permitir evidenciar as principais categorias analíticas de parentesco, em função da sua mais ou menos grande afectação do espaço, a partir da especificidade do sistema observado. Mas, para isso, era necessário abordar, previamente, as categorias do sistema de parentesco de maneira clássica, antes de poder desenvolver a sua especificidade local, à medida que avançava.

58Nesta perspectiva, caracterizei este sistema segundo as categorias evidenciadas no decurso do inquérito: vocabulário da consanguinidade e da aliança, visão local da consanguinidade e do parentesco, grupos operatórios de parentesco de ego, residência matrimonial, filiação pelo nome e pelos bens.

59Decidi enfim, por razões práticas, e sempre que se impunha, expor o método seguido em cada um dos pontos tratados, no contexto dos capítulos, em vez de o apresentar, globalmente, nesta introdução, o que remetiria o leitor constantemente para o início da obra.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

placedeslibraires.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search