Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Barba em Portugal

II Aditamentos vários

Texte intégral

1Ao preâmbulo:

2Pág. 265 (Bibliografia):

3Durante a impressão desta obra veio-me às mãos o seguinte livro: Ethnographische Rösselsprünge de F. von Hellwald, Leipzig 1891, onde há, a p. 261 ss., uma dissertação intitulada Zur Verbreitung und Geschichte des Bartes. Começa o A. por tratar da hipertricose masculina e feminina, baseado em trabalhos de Max Bartels: verifica que das nações da Europa é a Ibéria aquela em que há mais barbudas, e refere-se a Portugal a p. 263. Tratando da distribuição da barba em vários povos, segundo os estudos antropológicos de Stanisland e Pesche, torna a referir-se a Portugal, a p. 265, dizendo que também cá e na Espanha há exuberância de barba masculina. Alude por alto a costumes, como o de arrancar a barba com dentes de tubarão e lascas de conchas (no Taiti), à significação social da barba, e à história desta desde a Antiguidade até ao séc. IXI.

4«De la barbe au point de vue anthropoligique», pelo Dr. A. Bloch, in Bulletin et Mémoires de la Soc. d’Anthropolog. de Paris, 1915, pp. 305-316, para o qual me chamou a atenção o meu amigo e colega Dr. J. A. Pires de Lima, quando já estavam impressos alguns capítulos do presente livro.

5Sendo meu desejo citar tudo aquilo de que tive conhecimento, não omitirei um artigo do Diário de Braga de 22-X-24, publicado já depois de pronto o meu livro: intitula-se «Barbas», escrito com pilhéria, e com indicação de bibliografia antiga (sécs. XVI-XVIII). O A., que adopta um pseudónimo, e me consta ser pessoa culta, informa, não sei se a sério, se a rir, que está escrevendo uma história universal da barba.

6Ao CAP. I:

7Menino Jesus com barba (Amarante):

8«O distinto escritor catalão Eugenio d’Ors, que esteve em Amarante com Teixeira de Pascoaes, e viu o Menino Jesus barbado que uma virgem tem lá no colo, produziu em Novembro de 1920 uma conferência subordinada ao tema de «Uma lección de la Madona de Amarante». Infelizmente não tenho aqui El Sol de 6 de Dezembro seg., em que apareceu uma sintese dela, mas recordo-me que a tam curiosa imagem era apresentada como um simbolo que representava não sei se o importar á mãi ter presente o futuro viril do filho, desde os seus primeiros vagidos, se a necessidade de sobreviver a assistência materna aos anos da meninice e da adolescencia; ou se ambas as cousas ao mesmo tempo».

9(Informação epistolar do meu amigo Sr. Santos Agero).

10Pág. 273 (Santa Liberata):

11Na copiosa obra de Hovorka & Kronfeld, Vergleichende Volksmedizin, que ultimamente adquiri, vêm, t. I, pp. 265-266, algumas notícias etnográficas e literárias acerca de Santa Kummernis: seu culto na Baviera, baladas do rabequista que figura na lenda, etc.

12Págs. 279-280 (Mulheres com barba):

13No passo de uma obra de Lombroso, traduzido no periódico portuense A Revista, ano l.°, n.° 5, lê-se: «Já dizia o latim: a mulieribus barbatis et inimicis reconciliatis cave. A mesma cousa dizia o proverbio romano: pouca barba e nenhuma côr, não ha nada peor sob o ceu. E o toscano: afastai-vos do homem imberbe e da mulher barbuda».

14A sentença latina citada acima (não se indica a fonte) é provavelmente medieval, pois não a acho na obra de Otto sobre os provérbios e frases proverbiais dos Romanos: Die Sprichwörter und sprichwörtlichen Redensarten der Römer; Leipzig 1890. Todavia também não vem nos Lateinische Sprichwörter u. Sinnsprüche des Mittelalters, de J. Werner, Heidelberg 1912.

15Em San Martin de Trevejo (Cáceres) ouvi em 1924 este ditado:

Muller barbua || báli por duas,
I si a tratas por muller, || báli por tres.

16E esta cantiga:

Estas si, que son fatigas,
Casarmi cõ ũ barbeiro:
Eitarmi sĩ cear
I àmànêcer sĩ diñeiro.

17O ditado espanhol, que se imprimiu a p. 279, a la mujer bigotuda, de lejos la saluda, costuma completar-se do seguinte modo: y si sabes escojer, tómala por mujer.

18Outro ditado espanhol: a la mujer con bigode, || no le hace falta dote.

19Pág. 280:

20A cantiga Meu espelhinho sem aço ouvi-a no Alto Minho. No v. 3 imprimiu-se barbada em vez de barbuda.

21Pág. 281:

22Quando, a p. 284, falei de Vercingétorix, podia ter-me referido ao que da barba dos Gauleses diz Dottin, Antiquité celtique, 2.aed., pp. 176-177: uns rapavam-se, outros deixavam crescer moderadamente a barba, mas os nobres rapavam os lados do rosto, e usavam grande bigodeira.

23Ao cap. ii:

24Pág. 287:

25Além de afeitar, há em espanhol, como notei a p. 275, a expressão hacer la barba, a respeito da qual me diz o meu amigo Sr. Santos Agero o seguinte, em carta: «parece galicismo, e certamente o é, mas existe em castelhano ha já varios seculos; e antes de ser sinonimo de barbear, teve o sentido de aparar, arranjar o cabelo da barba. Que esta acepção a perdeu por influência do francês faire la barbe, de que tomou o seu actual significado, é cousa que eu de sobra percebo, mas fico em dúvida, por falta de livros, se este estrangeiramento não seria afinal mais do que a actualização de um velho galicismo, por a frase francesa ter também significado outrora o arranjo da barba, e passado com este sentido ao castelhano».

26Pág. 289 (Barbeiras):

Fig. 130 Barbeira (de um Capricho de Goya)

Fig. 130 Barbeira (de um Capricho de Goya)

27Como ilustração do que se disse a p. 289, da existência de barbeiras lá fora, acrescentarei que também em Madrid as houve há uns seis ou sete anos, e que já Goya (1746-1828), num dos seus Caprichos, imaginou uma, como consta da Fig. 130, onde se reproduz uma fototipia que me foi oferecida pelo Sr. Santos Agero.

28Pág. 292:

29Ditado espanhol correspondente ao que aí se diz da palrice do barbeiro:

30Barbero, || ó loco ó parlero.

31Pág. 293 (Insígnia de loja de barbeiro):

32Na R. do Marechal Saldanha, n.° 24, em Lisboa, há, como me dizem, uma loja de barbeiro que tem por insígnia uma bacia metálica, insígnia comparável à que se publicou acima, p. 293.

33Pág. 295 (Bacia de barbeiro):

34Aludi a p. 295 a algumas bacias artísticas do século XVIII, da fábrica de Brioso, existentes no Museu de Machado de Castro, em Coimbra. O meu amigo Álvaro Viana Lemos, professor da Escola Normal Primária da mesma cidade, teve a bondade de me enviar um belo desenho que fez de uma delas, – e aqui reproduzo na Fig. 131.

35Pág. 297:

36As acepções de barbeiro no Brasil, a que se refere o Dr. Alberto Saavedra, s.ao: 1) nome vulgar da tripanossomíase americana; 2) nome vulgar do percevejo que os naturalistas chamam Conorrhinus megistus. – Quanto à primeira, vid. também Diar. de Notic., de 2 de Novembro de 1924 (resumo de uma conferência do Dr. Carlos Chaves na Sociedade das Sc. Med. de Lisboa).

Fig. 131 Bacia de barbeiro do séc. xviii (Museu de Machado de Castro)

Fig. 131 Bacia de barbeiro do séc. xviii (Museu de Machado de Castro)

37Pág. 300:

38Do documento antigo acerca de barbeiros, vindo a lume nos Archivos de Hist. da Medicina, a que aludi a p. 300, é autor o Dr. Costa Santos, que o reproduziu em opúsculo, com o seguinte título: Sobre Barbeiros Sangradores do Hospital de Lisboa, Porto 1921, de 74 páginas. Devo a posse de um exemplar à sua generosidade.

39O senado de Lisboa tinha outrora um barbeiro oficial que devia barbear os vogais da direcção, cargo instituído por Filipe II, e extinto em 1657: vid. Freire de Oliveira, Municipio de Lisboa, t. II, p. 208, e nota, p. 17.

40Ao passo que os antigos membros do senado lisbonense cuidavam assim de si próprios no séc. XVII, o alcalde de Madrid, no séc. XX, atendeu mais prudentemente ao interesse público, estabelecendo «medidas profilácticas encaminadas a evitar el contagio de la sífilis, tinas y otras afecciones, en las barberías y peluquerías», as quais medidas se vêem afixadas, em cartazes grandes, nas lojas de barbeiro. Deu-me notícia disto o meu prestimoso amigo Sr. Luís Derouet, director da Imprensa Nacional; e havendo eu, como director do Museu Etnológico, pedido um exemplar dos cartazes ao Sr. Alcalde de Madrid (conde de Vallellano) para o Museu Etnológico, ele enviou-mo imediatamente.

41Ao cap. iii:

42Pág. 305:

43Barbas encaracoladas também se mostram em figuras esculpidas nos dos túmulos reais de Alcobaça: vid. Vieira Natividade, Ignez de Castro e Pedro Cru, Lisboa, 1910, est. 16.

44Pág. 313:

45Outra forma de bigode: bigode de escova, que creio será semelhante à de bigode de veterano (ou à veterana). Lê-se nas Infelizes (contos) de D. Ana de Castro Osório, Lisboa 1898, pp. 34-35: um dos personagens «lá ia vivendo, certo em todas as festas, imaginando-se imponente á força de tesura, o bigode branco cortado em escova, a calva luzidia, a face sanguínea».

Fig. 132 Túmulo de Martim Meendez Paiz, séc. xiii (Sé do Porto)

Fig. 132 Túmulo de Martim Meendez Paiz, séc. xiii (Sé do Porto)

46Ao cap. iv:

47Pág. 329:

48Com os túmulos da Sé de Coimbra, de que falei a p. 329, emparelha um da Sé do Porto, que foi publicado no Boletim da Associação do Carmo 2.a série, t. V, e aqui em parte reproduzo na Fig. 132: túmulo de Martim Meendez Paiz, do fim do séc. XIII, como me diz o meu amigo Dr. Pedro Vitorino.

49Pág. 352:

50Quando um militar não tem barba, é costume nos quartéis dizer-lhe: precisas tirar umas barbas do casão, aludindo ao costume que existia para os porta-machados.

51(Informação do Sr. P.e Pereira Sales).

52Pág. 357:

53Por lamentável, mas desculpável, inadvertência minha na revisão das provas, lê-se sob a Fig. 113: «Bernardino António Sénior» em vez de Bernardino António Gomes (Sénior). Que a memória do grande médico me perdoe! – O leitor terá pois a bondade de acrescentar «Gomes» no exemplar que lhe pertencer.

54Ao cap. v:

55Pág. 369:

56«O cadaver do Cid, fez mais do que ganhar uma batalha: passivamente atochado na sela de Babieca, cobriu de sôcos a um judeu que confiadamente se aproximou d’ele para puxar-lhe das barbas».

57(Informação do Sr. Santos Agero).

58Pág. 372:

59«Do Duque de Alba, conta-se que acossado pela necessidade empenhou um dos seus bigodes, – embora a popularidade d’esta anedota não tenha ponto de comparação com a das barbas de D. João de Castro».

60(Informação do mesmo Sr.).

61Págs. 376-378:

62Além das superstições da barba, de que falei a pp. 376-378, há muitas outras, e vários costumes, que não citei no texto, por não ter encontrado paralelos a elas em Portugal, por exemplo:

63– não se barbear ninguém em domingo, por causa de malefícios feitos em animais domésticos (Inglaterra): Tuchmann in Mélusine, IX, 81. Talvez porque a sordidez é contrária ao mau-olhado.

64– figura de homem barbado em uma safira, usada como amuleto contra influências más: id., ibidem, 179.

65– Superstições e costumes respectivos à barba: Sébillot, Folklore de la France, IV, 431.

66– cortar, ou deixar crescer a barba: Sartori, Sitte unb Brauch, II, 65; III, 143, nota 2.

67Ao cap. vi:

68Expressões espanholas a respeito da barba:

69Si tiene barbas, San Antón, y si no, la Purísima Concepción. – É sem dúvida o epílogo de um conto, e aplica-se aos trabalhos executados a esmo.

70Bigotito de gobernaó. – É um remoque muito vulgar na boca das ciganas espanholas.

71Meter barba en caliz (cal. ecles.) = receber ordens sacras.

«Pastrana ya no es Pastrana
que es una segunda corte;
¿quién ha visto por Pastrana
molineros con bigotes?»

72Vem a p. 320 do Diccion. Geogr. Pop. de cantares, refranes de G. M. Vergara.

73(Informações do Sr. Santos Agero).

Table des illustrations

Titre Fig. 130 Barbeira (de um Capricho de Goya)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4500/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Fig. 131 Bacia de barbeiro do séc. xviii (Museu de Machado de Castro)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4500/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Fig. 132 Túmulo de Martim Meendez Paiz, séc. xiii (Sé do Porto)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4500/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 26k

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search