Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Barba em Portugal

I Regimento dos barbeiros (séc. XVI)

Texte intégral

  • 1 Hist. da Administr. Publica, i, 517.
  • 2 Documentos Hist. da Cid. de Evora, de G. Pereira, II, 160. – Acerca da magnificente procissão do Co (...)

1Todos sabem quanta importância gozaram em tempos antigos as corporações de artes e ofícios, cujo protótipo estava já na época romana: O Sr. Gama Barros busca até, pelo menos, o século XIV vestígios da sua organização entre nós1 . Nessas corporações era natural que figurassem barbeiros: e efectivamente um Regimento da procissão de Corpo de Deus, respectivo ao séc. xv (Évora), menciona-os, como corporação, a par de outros mesteirais2 . Maior importância porém do que o documento eborense tem para o meu caso o Liuro dos Regimentos dos Officiaes Mecanicos da Mui Excelente e sempre Leal Cidade de Lixboa Refromados per Ordenãça do Illustrissimo Senado della pello L.do Duarte Nunez do Liam: Año MDLXXII, que o Dr. Manuel Heleno, conservador do Museu Etnológico Português, teve a amabilidade de procurar no Arquivo Municipal, e extractar no que toca aos barbeiros. Seguidamente publico o extracto (todo um capítulo) que ele me ofereceu:

Cap. xiiii. Do Regimento dos barbeiros

Este regimento está conferido e o seu acrescentamento vai no L.° delles a f. 125.
Lima

2No mes de Janeiro de cada hũ anno os barbeiros se ajuntaraõ em huã casa que elles para ysso ordenarem e os Juizes do dito offiçio que entaõ acabaõ cõ seu escriuaõ daraõ juramento dos Sanctos Evangelhos a todos os que presentes forem que bem e verdadeiramente sem odio nem affeiçaõ dee cada hũ sua voz a dous homẽs que aquelle anno haõ de seruir de Juizes e examinadores do dito offiçio. E sendo lhes assi dado Juramento os ditos Juizes cõ o escriuaõ se apartaraõ para hũ cabo da dita casa, onde teraõ posta huã mesa e aly perguntaraõ a cada hũ dos ditos offiçiaēs per si sob cargo do dito Juramento que receberaõ a quaes daõ sua voz para aquelle anno seruirem de Juizes e examinadores do dito offiçio, e o que cada hũ disser em segredo o escriuaõ o escreueraa, e acabado assi de pergũtar os ditos offiçiaes elles Juizes alimparaõ a pauta cõ o dito escriuaõ e em outro papel poeraõ per letra aquelles dous offiçiaes que mais votos tiuerem para aquelle anno seruirem de Juizes e examinadores do dito offiçio ⩫

31

4E despois de os ditos Juizes assi serem eleitos Iraõ aa camara para lhes ser dado Juramento dos Sanctos Evangelhos que bem e verdadeiramête siruaõ seus cargos e para os assentarem no Liuro da Camara como he costume e aquelles Juizes e examinadores que cõ esta solenidade naõ fore eleitos naõ vsaraõ dos ditos cargos sob pena de qualquer que o contrairo do Tronco pagar mil rs a metade para as obras da çidade e a outra para quem o accusar

52

6E o offiçial que sair per examinador hũ anno naõ siruiraa o mesmo cargo dahi a tres annos contados do dia em que acabar seu anno %

73

8E nenhuã pessoa assi natural como estrangeiro que do dito offiçio de barbeiros quiser vsar e poer tenda o poderaa fazer sem primeiro ser examinado pelos examinadores que para ysso saõ eleitos. O qual exame se faraa em casa de hũ dos ditos examinadores qual elles entre si ordenarem a que elles saraõ presentes para que veiaõ se o tal offiçial faz obra coueniente per que mereça ser approuado ⩫

94

10E o offiçial que do dito offiçio tenda houuer de ter hade saber amolar muy bem huã naualha noua e afiala e huã lançeta ⩫

115

12Item hade saber bem amolar e afiar huã tesoura noua %

136

14Item hade saber amolar e açacalar ferros de lanças e quaesquer outras armas e assi mesmo todas as ferramentas de cortar que lhe demandarem e lhe derem que amole %

157

16Item hade saber molhar huã barba e rapala e cortar cõ huã tesoura e fazer cõ ella hũ cabello bem feito e assi huã trosquia ࿓

178

18Item hade saber guarneçer huã espada noua e laurar lhe as taboas e assentar lhe sua bainha e bocale punho e tudo mais que lhe for neçessario ⩫

199

20Item hade saber guarnecer huã espada mourisca da maneira que lhe requererem ⩫

  • 3 [Está assim «cap.», aqui, e algumas vezes mais adiante; esperar-se-ia antes «§», porque tudo faz pa (...)

21Cap. 103

22E ao que assi for examinado na maneira sobredita e for hauido por habil e pertençente para poer tenda lhe passaraõ sua carta de examinaçaõ assinada pelos examinadores e feita pelo escriuaõ de seu cargo. A qual leuaraõ aa camara para la ser vista e confirmada e se registar no liuro em que as taes cartas se registraõ ⩫

23Cap. 11

24Da qual examinaçaõ o offiçial que se assi examinar pagaraa trezentos rs e sendo estrangeiro seiscentos rs de que seraõ as duas partes para as despesas do dito offiçio e a terça parte para os examinadores⩫

25Cap. 12

26E porque nesta Cidade ha algũs offiçiaes que tem tendas de barbear soomente e elles per si naõ guarneçem porem tem obreiros que açacalaõ e guarneçem e naõ saõ casados nem tem tendas, mandaõ aos examinadores que estes taes obreiros seiaõ examinados pois ho mestre da tenda naõ vsa das taes cousas nem hade ser examinado dellas ⩫

27Cap. 13

28E qualquer barbeiro que daqui em diante tenda poser sem primeiro ser examinado da maneira sobredita seraa preso e da cadea onde jaraa quinze dias pagaraa dous milrs a metade para as obras da çidade e a outra para quem o accusar, e a mesma pena haueraa qualquer offiçial naõ sendo examinado que tomar obra do dito offiçio para fazer fora da tenda do offiçial examinado ࿓

29Cap. 14

30E quando algũ offiçial do dito offiçio se poser a examinar se naõ souber fazer o conteudo em sua examinaçaõ os ditos examinadores 0 naõ examinaraõ e lhe mandaraõ que vaa aprender, e do dia que se poser aa tal examinaçaõ a seis meses o naõ tornaraõ a examinar, e passados os ditos seis meses entaõ se poderaa poer outra uez aa examinaçaõ e sendo apto lhe passaraõ sua carta e naõ o sendo o tornaraõ outra vez a mandar aprender outros seis meses, e assi o faraõ tantas vezes quãtas acharem que naõ sabe fazer como deue as peças de sua examinaçaõ, e os examinadores que assi naõ fizerem e antes do dito tempo o tornarem a examinar pagaraõ dous milrs a metade para as obras da çidade e a outra para quem os accusar %

31Cap. 15

32E sendo caso que os ditos examinadores fauorauelmente ou por peita ou por qualquer respeito ou maliçia derem por suffiçientes aquelles que o naõ forem e lhes derem lugar que ponhaõ tenda da cadea onde estaraõ trinta dias pagaraa cada hũ quatro milrs a metade para as obras da çidade e a outra para quem os accusar %

33Cap. 16

34E os examinadores do dito offiçio naõ examinaraõ seus filhos, parentes, cunhados, ou Criados. E quando qualquer dos sobreditos se quiser examinar faraa petiçaõ aa camara para lhe ser dado hũ dos Juizes do anno passado qual aa Cidade bem pareçer para o examinar em lugar do examinador suspeito, e qualquer dos examinadores que o contrairo fizer pagaraa dous milrs a metade para a Cidade e a outra para quem o accusar e a tal examinaçaõ naõ seraa valiosa :

35Cap. 17

36E seraõ avisados os ditos examinadores que nenhũ per si soo examine offiçial algũ senaõ sendo ambos juntos sob a mesma pena

3718

38E mandaõ por serem informados que muitos barbeiros daõ espadas de suas tendas a Adelas e porteiros e outras pessoas no que o pouo recebia engano que daqui em diante nenhũ barbeiro desta çidade e seu termo dee espadas a pessoas alguãs para lhas venderem e que elles as vendaõ em suas tendas limpas e açacaladas e naõ em preto de maneira que se enxergue bem nas ditas espadas qualquer seda e esfolhamento ou qualquer outro defeito que nellas houuer em que os compradores possaõ ser enganados. E o barbeiro que o contrairo fizer ou lhe for prouado do Tronco onde jaraa dez dias pagaraa dez cruzados a metade para as obras da çidade e a outra para quem o accusar, no que os juizes do offiçio teraõ muito cuidado ao tempo que visitarem as tendas como saõ obrigados por este regimeto

3919

40Item Mandaõ que nenhuã pessoa que espadas de fora trouxer a esta çidade para vender as venda sem primeiro serem vistas pelos ditos Juizes do offiçio dos barbeiros, e pelo Juiz do offiçio dos espadeiros sob pena do que o contrairo fizer perder toda a obra que lhe for achada que vedeo e pagar mil rés de que seraõ quinhentos rs para a çidade e os outros quinhentos para a çera da confraria do bem aventurado Saõ Jorge que estaa no hospital de tos os Sanctos

4120

42E quando quer que os ditos Juizes dos barbeiros e espadeiros forem examinar quaesquer espadas que a esta çidade vierem de fora as que refugarem e acharem que naõ saõ para vender ao pouo os ditos Juizes as leuaraõ aos almotaçes para serem vistas e mandarem nellas fazer execuçaõ conforme ao dano que teuerem. E porque os mercadores muitas vezes saõ rigurosos em deixar ver aos Juizes as ditas espadas para se nellas fazer o exame necessario, Mandaõ que o tal mercador ou pessoa que naõ deixar trazer o dito refugo aos ditos Juizeds e nisso for reuel pague dous milrs a metade para as obras da çidade e a outra para a çera da confraria de Saõ Jorge, da qual desobediençia o escriuaõ do dito offiçio faraa auto %

4321

44E porque muitas vezes de alguãs partes de fora do regno vem a esta çidade espadas e tarçados guarniçidos e acabados cõ obra de tauxia e outros lauores de baxo nos quaes ha muito engano por serem quebrados e terem sedas cõ que o pouo muitas vezes he enganado mandaõ que quando taes obras vierem a esta çidade os mercadores e possoas que os trouxerem antes que os ponhaõ aa venda o façaõ saber aos ditos Juizes dos barbeiros e espadeiros para per elles serem vistos e examinados se saõ taes quaes deuem para desengano do pouo. E as que acharem defeituosas as leuaraõ aos almotaçés os quaes faraõ nellas como merecerem seus defeitos, e os mercadores ou pessoas que as ditas espadas e tarçados trouxerem a esta çidade e os poserem a venda sem os mostrar aos ditos Juizes do tronco pagaraõ quatro milrs a terça parte para as obras da çidade e a outra terça parte para quem os accusar e a outra para a confraria do bem aventurado Saõ Jorge, e os ditos Juizes teraõ cuidado de com seu escriuaõ visitar as tendas e lugares onde souberem que se vendem as ditas espadas e traçados para nelles fazer o dito exame. E dos defeitos que acharem faraa o dito escriuaõ auto %

4522

46Item Mandaõ que pessoa alguã que barbeiro naõ for ou porteiro ou adela ou offiçial que faça espadas as compre para tomar a vender por o engano que disso se segue ao pouo, e o que o contrairo fizer e for achado que compra as ditas espadas para tornar a vender do Tronco onde jaraa dez dias pagaraa dous milrs a metade para as obras da çidade e a outra para quem o accusar. E porem qualquer home do pouo poderaa vender sua propria espada sem pena alguã fazendo certo que naõ he dos ditos regataēs ∻

4723

48Item nenhũ offiçial do dito offiçio hora seia mestre de tenda hora obreiro per si nem per outrem compraraa espadas alguãs que a esta çidade vierem sem licença dos ditos Juizes do offiçio dos barbeiros, por que elles as compraraõ e partiraõ antre todos os offiçiaes do dito offiçio para que cada hũ aja seu quinhaõ e qualquer offiçial que o contrairo fizer do Tronco pagaraa doul milrs da qual pena seraa hũ terço para as obras da çidade e o outro para quem o accusar, e outro para a dita cõfraria do bem aventurado Saõo Jorge⩫

49Cap. 24

50E os Juizes do dito offiçio teraõ cargo de trinta en trinta dias visitar as tendas dos offiçiaes e fazer correição cõ o escriuaõ de cargo e assi todas as mais vezes que necessário lhes pareçer. E as obras que acharem que naõ saõ feitas como deuem tomaraõ e leuaraõ aos almotaçees das execuçoẽs para fazerem nisso o que for justiça e darem o castigo ao offiçial conforme aa culpa que lhe for achada. E esta diligençia faraõ sem odio nem affeiçaõ nem outro algũ modo ou especie de maliçia, e os Juizes que nas ditas obras engano e falsidade acharem e a dissimularem per qualquer via que seia e naõ fizerem diligencia para se fazer a dita execuçaõ contra os culpados pagaraõ dez cruzados a metade para as obras da çidade e a outra para quem os accusar, e da mesma maneira correraõ as tendas dos espadeiros cõ o Juiz dos mesmos espadeiros, e nas obras que acharem defeito ou engano faraõ execuçaõ pela sobredita maneira %

5125

52E Mandaõ aos offiçiaes do dito offiçio que quando quer que os ditos Juizes chegarem a suas tendas para lhas visitarem lhes obedeçaõ e mostrem as obras do seu offiçio que quiserem para veraõ se ha alguãs mal feitas e como naõ deuem para se fazer nellas execuçaõ sob pena de qualquer que desobediente for a Cidade lhe dar por isso o castigo que lhe bem parecer, e da desobediençia que o tal offiçial cometter contra os ditos Juizes ou cada hũ delles o dito escriuaõ faraa auto e o leuaraa na Camara para se nella ver e mandar o que for justica:

53Cap. 26

54E qualquer offiçial que for chamado por parte dos ditos Juizes e examinadores para algũ ajuntaměto ou auto que ao dito offiçio pertença ou para ver alguãs obras sobre que aja differença e for reuel e naõ vier pagaraa duzentos rés para a çera do bem aventurado Saõ Jorge em que os mesmos Juizes o condenaraõ, e Mandaõ a qualquer porteiro do conçelho que sendo requerido pelos ditos Juizes penhorem os ditos reués per a dita quontia de duzentos %

5527

56E nenhũ offiçial do dito offiçio tomara criado que sair de outro offiçial sem licença do mesmo offiçial con que esteue para que se saiba a rezaõ porque saio de sua casa assi por euitar escandalos que pode sucçeder como por os moços naõ virem a ser offiçiaes por as mudanças que fazem, e o offiçial que tal moço tomar sem o primeiro fazer ao amo cõ que começou a aprender pagaraa dous milrs a metade para as obras da Cidade e a outra para a çera da dita Confraria de São Jorge %

5728

58E per este Mandaõ aos Almotacees das execucoẽs, meirinho da çidade e alcaides della que ora saõ e ao diante forem que sendo requeridos pelos ditos Juizes por alguã cousa que seia necessaria para comprimento e execuçaõ do que toca a este regimento lhes acudaõ cõ diligençia e façaõ nisso Justiça %

5929

  • 4 [Segue-se o «Treslado de huã pretençaõ dos barbeiros», para poderem «azular cabos» e a seguir o «de (...)

60E Mandaõ outro si a qualquer porteiro do concelho e homes dos Alcaides desta çidade que sendo requeridos pelos ditos examinadores para fazerem alguã execuçaõ de Sentença, ou mandado dos almotaces ou qualquer outra cousa que outro si toque a compriměto e execuçaõ deste regimento o cumpraõ e lhes seiaõ obedientes... E naõ fazêdo assi a çidade lhes daraa castigo que merecerem4

61Aqui termina o extracto.

  • 5 No mesmo Livro do Regimento dos Officiais Mecanicos, não no cap. dos barbeiros, mas em lugares dife (...)
  • 6 Garrett dá ao alfageme de Santarém funções de armeiro; põe forjas no 1.° acto da peça, e as seguint (...)

62Neste Regimento ou regulamento há alusões à tenda (§ 3, etc.), de que falei supra, p. 289, à feitura da barba, em geral (§§ 4 a 7), de que falei a p. 288 ss.5, e a outra e curiosa função que o barbeiro acumulava: de açacalar ferros de lança e quaisquer outras armas e ferramentas de cortar (§ 6), de guarnecer espadas, lavrar-lhes as tábuas e assentar-lhes sua bainha, bocal e punho (§ 8), limpá-las (§ 18), – ao que se chamava ser barbeiro de espadas, como diz Bluteau, s.v. «barbeiro», ou alfageme, como diz o Dicc. da Academia, p. 206, e o P.e Viterbo, Elucidario, s.v. «alfageme»6. Vemos ao mesmo tempo aí os cuidados de que a administração do município rodeava a arte de barbear, obrigando a rigorosa examinação os que pretendiam pôr navalha na cara dos seus semelhantes. A ligação do mester de barbeiro com a de açacalador de alfageme provinha, sem dúvida, da paridade que se estabelecera de amolar navalhas com polir armas.

  • 7 A fls. 158 fala-se um pouco dos pretos de S. Jorge, que figuraram nas procissões até o tempo da imp (...)

63Várias vezes ordena o Regimento que as multas provenientes da infracção dele revertam para a cera da confraria de S. Jorge, erecta no Hospital de Todos os Santos; daqui se infere que S. Jorge, estoutro manejador de espada, era patrono dos barbeiros-alfagemes, como S. José o era dos carpinteiros. Outro códice da Câmara de Lisboa, intitulado Livro Segundo de Accrescentamento dos Regimentos dos Officios Mecanicos, dá a este respeito várias informações: vid. fls. 154-155 v. (origem da confraria, estendarte, gremio ou corporação de S. Jorge na entrancia do reinado de D. João I: «conjunto de oficios da Republica que militavam em ferro e fogo... a cujo cuidado está encarregado o lustroso estado em que he acompanhado o Santo Martyr quando sae na procissão do Corpo de Deus da cidade»; capela de S. Jorge, existente no hospital até 1750, em que esta se queimou; oficios de serralhedeiros, ferreiros, ferradores, bate-folhas, bainheiros, cronheiros, celeiros (sic), fusteiros, latoeiros de folha branca, douradores, cutileiros, frieiros, anexos á bandeira ou confraria do Santo)7.

64O Dr. Manuel Heleno, no firme desejo de me obsequiar, esclarecendo, quanto possível, o assunto, levou ainda mais longe as suas buscas no Arquivo da Câmara de Lisboa, como consta da seguinte notícia que igualmente me entregou:

65O cap. XIIII do Liuro dos Regimentos de Duarte Nunes do Lião é o mais minucioso, porém não o mais antigo regimento dos barbeiros. Anterior, e sua fonte principal, é o Liuro -q fez mestre gamito barbeiro et solorgiam do Regimto do hoficio e da igiminaçã dos barberios na era de mill et quinhẽtos e onze años, que se encontra no Arquivo Geral da Câmara Municipal de Lisboa (Livro de Posturas Antigas, fls. 180 a 193).

66A primeira parte deste livro – «Esta he a manra que se terra na exsamjnaçam dos barbeiros» – consta de vinte artigos, datados de 1511, que serviram de fonte na copilação de Duarte Nunes do Lião, aos capítulos 3 a 9, 12, 13, 10, 11, 17, 26, 28 e 15, correspondendo a segunda, que é constituída por vários acrescentamentos e acórdãos posteriores, a muitos dos restantes capítulos.

67Há porém artigos que não passaram à referida copilação e destes devo notar os seguintes, por me parecer provarem ser livre o exercício do ofício de barbeiro antes de 1511:

68– «E todos os ofiçiaaes que ora tem temdas seram exsamjnados casso que conhecidamente sejam avudos por boõs hofiçiaães e ha muyto tempo que tem temdsa por que a ley seja gerall a todos porem nom pagaram nehuũa cousa de exsamjnaçam visto como a mujto tempo que tem temdas e husam do dito ofiçio».

69– « E se acomtecer que alguũs oficiaães do dito hofiçio a jaa año que tem temda nom saybam alguũas cousas das conthudas em este Regimento ou daquellas que elles deuem de saber pera poderem poer temda seram emsamjnados e dado logar que hussem das cousas que bem souberem fazer e das que nom souberem lhes sera defesso que nom hussem so a dita penna».

70Posteriormente a 1572 também o Regimento dos barbeiros sofreu modificações conforme se poderá verificar no mesmo Arquivo Geral da Câmara no Liuro Primeiro dos Acrecentamentos, 1712, fls. 125 a 130 (Acrecentamto do Regimto dos Barbeiros, Petiçaõ sobre a feira da Ladra, Petiçaõ sobre os Barbeiros de Espadas poderem anogueirar os cabos das Espadas traçados e adagas, etc.) e ainda no Liuro do Rezisto de Regimentos Velhos, t. II, fls. 86 a 118, aonde se encontra o registo da certidão do Regimento e outras disposições que os mesmos requereram depois do terramoto de 1755, em cujas cinzas tinham ficado sepultados os originais que possuíam.

71Devo mais ao Dr. Manuel Heleno as informações que se seguem a respeito do Liuro dos Regimentos dos Offiçios Mecanicos, de 1572, de que acima se extractou o capítulo concernente aos barbeiros.

72O Liuro dos Regimentos dos Offiçios Mecanicos compõe-se de duas partes.

73I. A primeira parte, não contando 3 páginas deixadas antes do índice, onde se exarou depois uma petição dos ladrilhadores de Lisboa, dos princípios do séc. xvii, consta de 273 folhas; nas primeiras 262 estão os regimentos dos seguintes ofícios:

A

Acarretadores de Azeitona, cap. 60, fl. 224.

Acarretadores de cal, cap. 65, fl. 240.

Adargueiros, cap. 26, fl. 94.

Adeis, cap. 76, fl. 259.

Adellas, cap. 76, fl. 259.

Albardeiros, cap. 58, fl. 218.

Alfayates, vid. 2.a parte.

Aliabetes, vid. 2.a parte.

Alueitares, cap. 16, fl. 59.

Anzoleiros, cap. 17, fl. 63.

Armeiros, cap. 12, fl. 46.

Atafoneiros, cap. 59, fl. 221.

Ataqueiros, cap. 20, fl. 71.

B

Bainheiros, cap. 22, fl. 78.

Barbeiros, cap. 14, fl. 52.

Barqueiros, cap. 63, fl. 230.

Batifolhas, cap. 3, fl. 13.

Beesteiros, cap. 18, fl. 66.

Boticarios, cap. 68, fl. 246.

Brosladores, cap. 49, fl. 188.

C

Cabeyros, cap. xv, fl. 56.

Caeiros, cap. 65, fl. 240.

Caldeireiros, cap. 9, fl. 35.

Cantebreiros, cap. 11, fl. 44.

Capateiros, cap. 23, fl. 81.

Carpenteiros de casas, cap. 34, fl.125.

Carpenteiros de tenda, cap. 36, fl. 135.

Cauouqueiros, cap. 66, fl. 241.

Cirieiros, cap. 73, fl. 250.

Colchoeiros, cap. 53, fl. 199.

Compradores da rua das arcas,

cap. 37, fl. 139.

Confeiteiros, cap. 67, fl. 241.

Conteiros, cap. 39, fl. 146.

Cordoeiros de violas, cap. 42, fl. 160.

Cordoeiro de obra grossa, cap. 46, fl. 176.

Cordoeiro de obra delgada, cap. 47, fl. 180.

Coronheiros, cap. 19, fl. 69.

Correeiros, cap. 26, fl. 94.

Cortadores de carne, cap. 64, fl. 238.

Cortidores, cap. 24, fl. 87.

Couraceiros, cap. 12, fl. 46.

Coveiros, cap. 80, fl. 262.

Cristaleiras, cap. 72, fl. 249.

Curadeiras de pano, cap. 78, fl. 262.

Curradores, cap. 25, fl. 92.

Cutelleiros, cap. 21, fl. 74.

Carapuceiros. Vid. parte 2.a

D

Douradores, cap. 4, fl. 16.

Drogoeiros, cap. 69, fl. 246.

E

Embarcadores de pedra, cap. 66, fl. 241.

Ensambladores, cap. 35, fl. 129.

Entalhadores, fl. 35, fl. 131.

Espadeiros, cap. 13, fl. 50.

Esparaueleiros, cap. 52, fl. 196.

Esparteiros, cap. 45, fl. 173.

Estalaiadeiros, cap. 62, fl. 229.

Esteireiros, cap. 44, fl. 169.

F

Ferradores, cap. 16, fl. 59.

Ferreiros, cap. 10, fl. 39.

Freeiros, cap. 15, fl. 56.

Fusteiros, cap. 27, fl. 98.

G

Guadamecileiros, cap. 28, fl. 102.

L

Lagareiros, cap. 60, fl. 224.

Lagareiros de vinho, cap. 79, fl. 262.

Lapidarios, cap. 1, fl. 3.

Latoeiros, cap. 7, fl. 29.

Latoeiros de folha, cap. 8, fl. 33.

Liureiros, cap. 32, fl. 118.

Luueiros, cap. 30, fl. 111.

M

Maceneiros, cap. 35, fl. 129.

Meedeiros de azeitona, cap. 60, fl. 224.

O

Odreiros, cap. 31, fl. 114.

Oleiros, cap. 43, fl. 164.

Ouriuezes de ouro, cap. 1, fl. 3.

Ouriuezes de prata, cap. 2, fl. 9.

P

Parteiras, cap. 71, fl. 248.

Pastelleiros, cap. 74, fl. 253.

Pedreiros, cap. 34, fl. 125.

Pelliteiros, cap. 29, fl. 107.

Picheleiros, caps. 5 e 6, fl. 20.

Pintores, cap. 33, fl. 122.

Ponteyros, cap. 20, fl. 71.

S

Sangradores, cap. 70, fl. 247.

Selleiros, cap. 27, fl. 98.

Serralheiros, cap. 11, fl. 42.

Sirgueiros, cap. 48, fl. 184.

Sombreireiros, cap. 55, fl. 207.

T

Taipeiros, cap. 34, fl. 125.

Tanoeiros, cap. 40, fl. 149.

Tapeceiros, cap. 50, fl. 190.

Tauemeiros, cap. 61, fl. 227.

Tecelões, cap. 54, fl. 202.

Telheiros, cap. 43, fl. 164.

Texilheiros, cap. 75, fl. 256.

Tijoleiros, cap. 43, fl. 164.

Tintoreiros, cap. 56, fl. 210.

Tinteiros, cap. 77, fl. 261.

Torneiros, cap. 38, fl. 142.

Tosadores, cap. 57, fl. 214.

V

Varejadores dos arcos e pipas, fl. 155.

Veedores dos pannos, cap. 57, fl. 214.

Vestimenteiros, cap. 57, fl. 194.

Violeiros, cap. 41, fl. 157.

Viroteiros, cap. 18, fl. 67.

Nas restantes folhas desta primeira parte lê-se este acrescentamento:

Despacho sobre os corieiros, fl. 264.

Treslado doutro despacho doficio dos corieiros, fl. 265.

Acrescentamento ao regimento dos suradores, fl. 265.

Trelado dum despacho dado aos corieiros, fl. 265 v.

Acrescentam.10 do Regim.10 do oficio dos barbr.os, fl. 266.

Sobre o officio dos Latoeiros, fl. 267.

Regim.10 do oficio dos medidores da corda, fl. 268.

Regimêto dos mestres de ensinar a jugar as armas, fl. 270 v.

74II. A segunda parte do códice a que nos estamos reportando chama-se Livro Segvndo da Postvras Geraes para os Officiaes Mecanicos. Começa pelo assunto indicado pelo título, a que se segue o «Trelado de dous capit.os dados ao oficio dos corieiros» (fl. 278), o «Despacho do Senado em petição de João Machado e Silva e D.os Gomes q. arematarão as guardas da castanha» (fl. 279), um «Repertorio do que se cõtem nos dovs Livros dos Regimêtos» (fl. 280) e finalmente um novo acrescentamento em que além do «Regim.to dos fomeiros» (fl. 303 v.) se pode ler o «Regimento dos Alfaiates, Jubet.ros, Calcet.ros e Aljabebes» (fl. 304), a «Sentença q. alcançaraõ os barbeiros de Espadas contra os douradores» (fl. 313), e o «Regimento dos Carapuceiros» (fl. 313 v.).

75Tal é, conclui o Dr. Heleno, o conteúdo do notabilíssimo Liuro dos Regimentos, o qual, completado com as modificações que lhe foram introduzidas nos séculos posteriores, existentes nos Livros de acrescentamentos e nos de Registo de Regimentos dos Oficios (Arquivo Municipal), constitui preciosa fonte para o conhecimento do estado e organização das corporações de artes e ofícios do século XVI ao XVIII.

76Assim o penso também: e pois que do conhecimento dessas corporações depende ipso facto o de grande parte da vida geral portuguesa, vou dar uma amostra de como o Livro dos Regimentos me poderá servir na obra que estou preparando acerca da nossa Etnografia, com a qual obra o presente estudo da barba se relaciona (vid. supra, pg. 263).

77Segundo o plano que adopto na Etnografia, temos ali, por exemplo:

78Respectivamente à vida material:

79Secção A): pesca (anzolos, gorazeiros, seirão, atafina, etc.), fls. 63 v. 173- -174; alveitaria (doenças que o ferrador saberá conhecer nos animais), fls. 59 v.-60; vida do campo, fls. 39; indústrias derivadas da vida rural: lagareiros de azeite, fls. 224 V.-226 v. (termos técnicos, medidas, actos, etc.); atafaneiro, fls. 221 ss., cap. 58 (engenho e atafana; muitos termos curiosos); indústrias várias: carpinteiro, fls. 39 v.; cirieiro, fl. 251 v.; couraceiro, fls. 49; curandeira, fls. 262; sapateiro, fls. 74 v.; marceneiro (com ensamblador, entalhador, imaginário, broslador), cap. 35; cordoeiro, cap. 48; oleiro (loiça vermelha, loiça vidrada, loiça branca de Talaveira: muitos nomes de vasilhas), fls. 165-165 v.; ourives (costumes), fls. 5-6; picheleiro (marcas), fls. 24; sapateiro, fls. 74 v. (e vid. adiante: vestuário); sarralheiro, fls. 43. Além do regimento que fica transcrito, dos barbeiros, há outras referências a estes, e às suas lojas, a fls. 34, 78 v. e 260 v. – Cada ano, pelo S. João, diz-se no Regimento, fls. 1, far-se-ia eleição de doze indivíduos que elegeriam os juízes e escrivães da corporação dos ourivezes de ouro, e lapidários; dos doze indivíduos seria metade cristãos-velhos, e a outra metade, da nação dos cristãos-novos. A nomeação de cristãos-novos para juízes mostra a grande importância que se reconhecia aos judeus nas artes mecânicas.

80Secção B): casa, como edifício (ferrolho, chaminé), fls. 43, 125 V.-127; arranjo da casa (gomil, escudela, bocetas, almofariz, fls. 9 v. 20 v. a 26; mobília, fls. 94, 135, 197; iluminação, fls. 33 v., 251: candea de sevo); comidas (no Regimento dos confeiteiros e pasteleiros), fls. 242, 245, 254; vestuário (borziguĩis, chapins, luvas, sombreiro), fls. 4, 5 v., 82 v., 83, 108, 111, 185, 197, 207, 208 v.; transporte terrestre (arreios, andilhas, esporas), fls. 17, 18, 30, 56, 56 v., 94 v., 173 v., 218 v.; navegação (termos técnicos, nomes de embarbações), fls. 30 v., 39 v., 177, 230 V.-237 v.

81Respectivamente à vida psíquica: Objectos de culto e alfaias religiosas, procissões, fls. 8, 10, 23 v., 30 v., 33 v., 146 v„ 185, 194; objectos de escritório, fls. 33 v. e 74 v.; núsica (viola, arpa), fls. 15, 160 v.; jogo do xadrez, fls. 142, v. 158; ciências (medicina, cirurgia, farmácia), fls. 33 v., 78 v., 142 v. Apêndice à medicina: sangrador, fls. 247; cristeleira, fls. 248 v., 249.

82Respectivamente à vida de relação: escravos, fls. 5 v., 226, 228, 234, 237; comércio, fls. 228; estalagem, fls. 229; milícia e armas, em geral, fls. 33, 33 v., 47, 47 v., 50 v., 56 v., 69, 74 v., 78 v., 83, 96 v.; família (alusão à vida infantil.), fls. 143.

83Não desenvolvo estes pontos, para não antecipar o que tenho de dizer na Etnografia Portuguesa.

Notes

1 Hist. da Administr. Publica, i, 517.

2 Documentos Hist. da Cid. de Evora, de G. Pereira, II, 160. – Acerca da magnificente procissão do Corpo de Deus, em que tomavam parte as corporações de artes e ofícios, vid. também o que escrevi no Elencho das Lições de Numismatica, II, 27-30, e as obras que lá cito no texto e nas notas. Quanto à entrada da corporação dos barbeiros em procissões de outras terras, tenho colhido notícias, por exemplo: de Coimbra (1517: Dissertaç. Chronolog., IV-II, 3.a ed., p. 244), do Porto (1621: ibidem, p. 215), de Tomar (séc. XVII: posturas mss. que lá consultei no Arquivo Camarário); de Lisboa (vid. adiante). Cada corporação, confraria ou grémio, estava sob a invocação de um santo, e reunia-se em volta de um estandarte ou bandeira, recebendo por isso às vezes a designação de bandeira ou estandarte (cfr. também Freire de Oliveira, Municipio de Lisboa, I, 4, nota).

3 [Está assim «cap.», aqui, e algumas vezes mais adiante; esperar-se-ia antes «§», porque tudo faz parte de um capítulo].

4 [Segue-se o «Treslado de huã pretençaõ dos barbeiros», para poderem «azular cabos» e a seguir o «despacho da Camara» autorizando-os a «ter em suas tendas as obras do seu offiçio azulladas e douradas e pratadas». Este despacho, segundo nota à margem, foi anulado por sentença do Desembargo do Paço dado a favor dos douradores e transcrita a fl. 313].

5 No mesmo Livro do Regimento dos Officiais Mecanicos, não no cap. dos barbeiros, mas em lugares diferentes, fala-se de «escalpador de barbeiro» (fls. 34), e «caxa de barbeiro» (fls. 78 v.).

6 Garrett dá ao alfageme de Santarém funções de armeiro; põe forjas no 1.° acto da peça, e as seguintes palavras na boca do protagonista: ... rapazes, fazer bem espadas, bem lanças, bem achas, azevans e partazanas (cena 1.a); todavia na Cronica do Condestabre, onde ele se inspirou, diz-se simplesmente, cap. 17: «hũ dia a tarde, depois de çeea, sayo Nunalurez a folgar pella praya do Tejo afundo contra Sancta Eyrea, e passou perante a porta de huũ alfageme, que moraua acerca da praya, e violhe teer ante a porta hũa espada muyto limpa e bem guarnida de seus guarnimentos, e tomoua na maão. e fez pergunta ao alfajeme se lhe corregeria assy hũa sua, e elle lhe respondêu que sy, e muyto milhor, e Nunalurez mandou logo por ella, e mandoua dar ao alfajeme que a corregesse, etc.». Nunes do Lião, citado no Dicc. da Academia, dá como sinónimo de alfageme: guarnecedor de espadas. A palavra alfageme vem do árabe, onde significa «barbeiro», «sangrador», «cirurgião»: vid. os Diccionarios de Sousa & Moura, Dozy & Eguilaz. Depois é que tomou as outras acepções.

7 A fls. 158 fala-se um pouco dos pretos de S. Jorge, que figuraram nas procissões até o tempo da implantação do novo regime; porém não tenho de me ocupar aqui do assunto.

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search