Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Barba em Portugal

Conclusão

Texte intégral

  • 1 Do grego πώγωυ,–ωυορ, barba. Escreveram-se já obras com este título, por exemplo: Pogonologie ou hi (...)

1Do que acima se escreveu advirá seguramente ao leitor a convicção de que o estudo da barba, ou Pogonologia1, não é uma curiosidade de almanaque, como ao repente acaso pareceria a alguém menos reflectido.

2Fisicamente, a barba varia com os povos; loira, no Norte da Europa, crespa na África, rala em partes do Oriente. Eis aí pois um carácter antropológico mui digno de nota, carácter comparável à cor e forma do cabelo, à cor dos olhos e da pele, à disposição da abertura palpebral, ao feitio do crânio, à estatura.

3Quando aparece um indivíduo com uma cor ou forma de barba que contrastam com as que se julgam típicas do povo a que pertence, ou quando, em maior ou menor grau, se observa hipertricose no sexo que a natureza não dotou habitualmente de barba: logo surgem daqui e dali ditados, canções, historietas, que formam outras tantas manifestações de graciosidade, que o etnógrafo não deve desprezar, se quiser encarar os diversos aspectos psicológicos da vida quotidiana da nação que ele estuda. Não são estas circunstâncias as únicas que despertam o engenho satírico ou agudo das multidões perante uma barba: encontramo-lo do mesmo modo em palavras que a definem; em epítetos que se conferem ao mesteiral que a faz; em alcunhas transitórias ou permanentes. Como isto enriquece o léxico, necessita-se de aproveitar tudo o que contribuir para o tornar conhecido.

4Muitas vezes a barba exterioriza o ânimo de quem a ostenta: que mais fútil do que um bigodinho aparado, e reduzido quase a zero? que mais grave do que em certos rostos uma ampla barba, grisalha ou alva, que chega ao peito? Nem sempre porém as cousas se passam assim. A moda impera tiranamente, não só nas mulheres, senão também, e com muito força, nos homens. Há formas de barba que resultam apenas de submissão à tirania, e não de pensamentos ou sentimentos naturais. E há-as que obedecem à tradição, como outrora na Rússia, onde se usou barba longa até o tempo de Pedro o Grande (1682-1725) ou dependem de praxes religiosas e de pragmáticas, quando não servem simplesmente para encobrir defeitos do rosto, como aconteceu ao imperador Adriano, seguido no uso de barba inteira por seus súbditos, e durante muitos anos por seus vindouros. Sendo objecto fundamental da Etnografia o exame dos costumes dos povos, não lhe dá, como se vê, diminuta matéria o exame da barba. Ainda quando esta nasce da moda, isto é, do influxo da civilização, que tende a desfazer diferenças étnicas, a importação de novas barbas acompanha-se não raro de particularidades locais, que não devem escapar ao investigador da Etnografia: por exemplo, barba de porta-machado passou jocosamente da sua significação verdadeira à de barba demasiado comprida em qualquer pessoa.

5Como não merecerá atenção a enquisa de um atributo humano, que, embora físico por origem, recebeu um nome que serve para representar a honra de um indivíduo, e o próprio indivíduo? que simboliza nobres actos sociais? e até pode autenticar documentos jurídicos?

6A inspecção de uma barba num painel, numa gravura, numa estátua permite-nos com frequência determinar uma data, um momento histórico. Só pela barba se reconhece um deus assírio, ou um rei dos Partos. Critério análogo nos dá, considerada através do tempo, a nossa Etnografia, pois sucessivamente reinou entre nós barba afonsinha, cara rapada, barba heróica, bigode e pêra, outra vez cara rapada, patilha simples, e assim por diante.

7As comparações que no decorrer do presente trabalho instituí de costumes nossos com outros estranhos mostra que, por um lado, temos de ir buscar lá fora a explicação de muita coisa que se afiguraria nascida espontaneamente do nosso solo, e por outro, que, com relação a certos factos, as mesmas causas produziram os mesmos efeitos. No primeiro ponto o estudo da barba, mercê do contacto das civilizações, ministra-nos ensinamentos históricos não desprezíveis; no segundo leva-nos a tirar ilações demopsicológicas: riqueza ou falta de imaginação no apreciar fenómenos; vivacidade ou embotamento no julgá-los.

  • 2 In Dictionn. d’archéolog. chrét., s.v., «barbe».

8Por conseguinte não assiste razão a H. Leclercq, quando diz, que «au point de vue littéraire et au point de vue historique la seule idée d’une histoire de la barbe ne va pas sans quelque ridicule». É verdade que logo em seguida atenua ou refuta a asserção: «il n’en saurait être ainsi au point de vue archéologique», e acrescenta com todo o fundamento: «le nombre et importance des monuments figurés qui offrent les éléments d’une étude sur le port de la barbe chez les ancients devrait, à lui seul, suffire à réhabiliter un sujet dont on est en droit d’attendre des indications précieuses pour l’histoire de l’art et des usages»2. Tanto no que toca ao passado, como ao presente, o estudo da barba é por igual instrutivo.

9E assim o têm reconhecido inúmeros escritores, do séc. XVI para cá, segundo se pode ver nas bibliografias que acompanham as encicliopédias e dicionários citados acima, no preâmbulo. Se alguns desses escritores falaram da barba zombando, pois não falta nela motivo de zombaria, muitos a trataram no estrito campo didáctico. Ao elemento risível pode também caber por sua vez interpretação científica, isto é, psicológica, histórica, e social.

Notes

1 Do grego πώγωυ,–ωυορ, barba. Escreveram-se já obras com este título, por exemplo: Pogonologie ou hist. philos. de la barbe, de Dulaure, 1706. Cfr.: Pogonias, sive de barba et coma dialogus, de Hotman, 1599 (πωΥωυίας,– ου: barbudo).

2 In Dictionn. d’archéolog. chrét., s.v., «barbe».

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search