Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Barba em Portugal

Capítulo VI a barba no léxico e na literatura

Texte intégral

Sumário
Palavras que indicam indivíduos de barba abundante, escassa ou alcunhas e apelidos • Locuções e sentenças em que entra a palavra barba e congéneres • Metáforas primárias e secundárias; metáforas circulatórias • A barba na literatura culta, do séc. xv à actualidade • A barba na literatura popular: provérbios, canções, etc.

Dividir-se-á o capítulo em duas secções, correspondentes às duas partes do título. Não se repetirão aqui as frases, canções e provérbios já aproveitados nos anteriores capítulos.

A. A barba no léxico

1Vai falar-se: em primeiro lugar, dos modos pitorescos com que na linguagem corrente se exprime que um homem ou uma mulher possui muita ou pouca barba no rosto, e ao mesmo tempo das alcunhas e apelidos que daí derivam; em segundo lugar, de algumas acepções translatas que à palavra barba e suas congéneres se dão na linguagem usual, e juntamente do emprego dessas palavras em várias frases e sentenças.

2A um homem de barba grande, isto é, a um barbado ou barbudo, chama-se burlescamente barbaças, como à própria barba se chama nesse caso barbaça. Camilo, por exemplo, na Brazileira de Prazins, p. 163, emprega o barbaças. O lexicógrafo Morais, a par de barbaças, traz barbaça no mesmo sentido (se não há erro) s.v. «barbarrão». De barbaça como aumentativo pejorativo de barba (cf. caraça, mulheraça, etc.), provieram: de um lado, barbaçudo, adjectivo, formado como barbudo; do outro, os substantivos barbaçana = barb-aç-ana, e barbaçanas («um barbaçana, um barbaçanas»), palavras formadas como beiçana, beiçanas («um beiçana, um beiçanas»), A palavra barbaçanas pode Leo Spitzer juntá-la ao que diz a p. 138 do seu rico trabalho Die epizönen Namen auf -a(s). Paralelo a barbaçanas é barbatolas = barb--at-ola-s; cf. barbatana = barb-at-ana, e dentolas = dent-ola-s («o que tem dentes grandes»), sinónimo de dentola. No Diction. Lusitanico-Latino, de Cardoso (séc. XVI), traduz-se barbarrão por barba promissa vel prolixa, mas Barbosa, na obra do mesmo título (1611), liga-lhe fundadamente a ideia de «homem de grandes barbas», isto é: vir prolixa vel promissa barba praeditus.

3Algures ouvi a expressão homem sarrudo e mulher sarruda, respectivamente por «homem barbado» e «mulher barbada». Podia escrever-se çarrudo, -a, visto que temos aqui a palavra cerrado, -a (cf. barba cerrada, no cap. III), modificada na terminação pelo sufixo -udo, -uda de barbudo, -a. O e mudou-se em a sob a influência do r (rr), como em sarrar, de serrar, na linguagem do povo.

  • 1 Pode comentar-se isto com a seguinte frase do P.e Viterbo no Elucidario, s.v. «barba»: «Para demons (...)
  • 2 É o mesmo auto, mas de outra edição mais antiga, donde se extraiu a Fig. 126 (p. 375).

4Pois que o Padre Eterno ostenta sempre grandes barbas na iconografia cristã (Fig. 127)1, costuma dar-se aquele nome por galantaria a um indivíduo muito barbado. Na narração do episódio da Brazileira de Prazins, pp. 161-162, quando os soldados procuram o suposto D. Miguel, que estava escondido entre as pipas da adega do abade Marcos, observa Camilo: «E n’isto apareceu uma cabeça com enormes barbas sobre um dos tampos». Depois um dos soldados brada muito espantado: “– Parece o Padre Eterno, ó meu sargento!”.». Da barba do próprio D. Miguel como tipo de barba grande já se falou no cap. III; o retrato deste príncipe foi publicado a p. 347, Fig. 90. Também a um indivíduo que usa esta se chama porta-machado, pela razão produzida no cap. IV; e cf. cap. III, p. 306. Em Anha (Viana do Castelo) ouvi dizer que a um indivíduo muito barbado se dá o nome de Judas: temos aqui a mesma influência da iconografia cristã a que se aludiu no mencionado cap. III, pois que a figura do famoso traidor aparece, ou aparecia, com frequência à contemplação do povo, já em santuários onde se representam ao vivo os «passos» de Jesus, já em «autos» respectivos ao mesmo assunto: vid. Fig. 128, extraída de um folheto «de cordel», que possuo, Auto da Morte e Paixam de N. S. Jesu Christo, Évora, 1687, p. 19 (e cfr. p. 6)2.

  • 3 Cf. Luís Chaves, «Registos de Santos» in O Archeologo Portug., XXI, 88.

Fig. 127 Imagem tradicional do Padre Eterno (De um registo do Museu Etnológico Português3)

Fig. 127 Imagem tradicional do Padre Eterno (De um registo do Museu Etnológico Português3)

5De nomes como os que ficam enumerados, ou semelhantes a eles, passa-se com facilidade a alcunhas e apelidos, que podem significar não só abundância de barba, senão, e sobretudo, barba inteira, ou por fazer.

  • 4 Vid. Reichert, Die deutschen Familiennamen, Breslau, p. 110.
  • 5 Vilmar, Deutsches Namenbüchlein, Marburgo, 1880, p. 66.
  • 6 Godoy y Alcántara, Apellidos castellanos, Madrid. 1871, p. 183.

6Em latim Barba e Barbatus usavam-se como cognomes: este último, por exemplo, em Cornellius Lucius Scipio Barbatus, numa das inscrições dos túmulos dos Cipiões, achados ao pé da Porta Capena em Roma. Outros exemplos: Barbatus, servus, em Peñaflor (vid. Corpus inscr. Lat., ii, 2332), Barbatus e Barbata, em Roma (ap. Dessau, Inscr. Lat. select., 2048, 2156). Também em latim Aenobarbus ou Ahenobarbus, cognome de gens Domitia, bem conhecido dos numismáticos, e que significa literalmente «de barba ruiva», ou avermelhada (aenus ou ahenus, «de cobre», aqui: cor de cobre). Diz o P.e Viterbo no Elucidario, s.v. «barbato», que entre os Cartuxos e outras congregações de monges receberam a alcunha de Barbatus «os leigos ou conversos, que suposto eram tratados na vida e na morte como monges, não faziam com tudo a mesma profissão, e para distincção traziam a cabeça inteiramente rapada, e as barbas compridas»; mas acrescenta que tais costumes não entraram jamais em Portugal. Além disso houve uma ordem de Barbatos, que começou por 1113, e cujos monges usavam barbas compridas: acrescenta Viterbo que ela se estendeu pelos Países Baixos. Nós tivemos frades chamados Barbadinhos, como se disse no cap. IV. Na Alemanha há também nomes de pessoas formados com Bart «barba»: Gelbart, Spiezbart, Koppirbart4; Weissbart, Rotbart, Schitsbart, Spitzbart, Schmel-bart, Breitbart, Wackerbart, Flachsbart, Judenbart, etc.5. Na Espanha: Tello Barba, Domno Barba, senior Barbaza, senior Barbatorta, Barbón, Barbado, Barbancho, nomes medievais6. Na Itália: Nicolao Barbadico, Luigi Barbato, nomes de autores, dos séculos XVIII e XIX.

  • 7 Godoy y Alcántara, Apellidos castell., já cit. p. 183.
  • 8 Le Double & Houssay, Les Velous, pp. 53-63.

7Nada mais natural do que a uma mulher com barba chamar Sancia la Barbuda7, ou La Femme à barbe, La damme barbue; cf. também L’Étoile barbue, La Femme Ourse8. Sei entre nós da existência de várias mulheres alcunhadas de Barbudas, por exemplo: Maria Barbuda, «de grande bigode e barba correspondente», numa localidade da Beira Ocidental; Casemila Barbuda (Casemira) e Laurinda Barbuda, numa aldeia do distrito do Porto; a Barbuda, em Lisboa, «mulher também com farta barba»; outra no distrito de Coimbra; a Bigodeira, «de bigode grande», algures. Numa terra da Beira Baixa, segundo me informaram, o povo dá zombeteiramente o nome de machias, machorras e pedros-machos a mulheres barbadas e estéreis (cfr. p. 282): propriamente machio é o ouriço que não tem castanha, isto é, que só a tem falsa; machorra é a cabra estéril, i. é, semelhante ao macho. As tais mulheres assemelham-se pois, de certo modo, a homens. Pelo que respeita a Pedro, cfr. o que se disse acima, p. 314 e nota.

  • 9 Inquisitiones, p. 310, Também há povoações com o nome de Barbas; como porém o mencionado apelido nã (...)
  • 10 Inquisitiones, I, 308.
  • 11 Pág. 200 e 229.
  • 12 Dissert. Chron. de J. P. Ribeiro, v (2.a ed.), p. 271.
  • 13 Paço de Sintra, do C. de Sabugosa, p. 222. Também há Lopo Barbudo, do séc. XVI, nos Anais de Arzila(...)
  • 14 Boletim dos Arqueólogos do Carmo, 2.a série, t. I, p. 42.
  • 15 Sé de Tanger, do Dr. Rodrigues & Pedro de Azevedo, I, 28. Cf. supra, nota.
  • 16 Saudades da Terra (escritas na segunda metade do séc. XVI), liv. III, p. 58.
  • 17 Matriculas, da Torre do Tombo, I, 204.
  • 18 Matriculas, II, 11.
  • 19 Registo de Santa Cruz do Castelo, de Prestage & Azevedo, p. 143.
  • 20 Inventario das Portarias, da Torre do Tombo, I, 460.

8Alcunhas masculinas, e apelidos relacionados com a barba, dados na origem a pessoas barbadas, e transmitidos, sem especial significação, a descendentes ou a parentes, existem em Portugal, pelo menos, desde o séc. XIII, por exemplo: Suerio Barvas, 12209, Stephanus Suariz Barba leda, 125810os Nobiliarios, séc. xiii-xiv: Martim Vasques Barva, Martim Martins Barva11; num documento de 1331: Afonso Barvas, Fernam Barvas12. Outros exemplos: Diogo Barbudo, 150813; Pedro Barba Alardo, descendente de outro Barba, do tempo de D. Manuel 114; Pero Barbas, 158615; Fuão Barba-Branca, em G. Frutuoso16; do séc. XVII: F. Lopes Barbatão17, Pero da Cunha Barbas18, Domingos Fernandes Barbas19, Gaspar Mousinho Barba, Gonçalo Correia Barba, Manuel Correia Barba, Pedro Travaços Barba, João Barba Mousinho, e Manuel Correia Barbas20. Do séc. XVIII mencionam-se os pseudónimos de Barba e Barbadinho no Diccionario Bibliografico de Inocêncio & Aranha, XI, 22; e vid. o que mais adiante digo do herói da Benteida. Do séc. XIX temos o escritor Manuel Maria Barbas, e sei de um indivíduo da Beira, chamado José, por alcunha das Barbas, por as ter grandes, e de outro de Lisboa, chamado Fulano de Tal das Barbas, por ter suíças abundantes e compridas. Do séc. xx indica um dos volumes do Annuario Comercial três vezes o apelido Barba e duas vezes Barbaças; em dois jornais da capital encontrei recentemente menção de famílias de apelido Barbas, da Beira Baixa (Celorico da Beira, e Gouveia), Barbado se chamou a certo campónio do Alto Minho, por ele usar barba intonsa, e Bigode a certo estremenho, certamente por motivo semelhante. Na Chorographia de Baptista fala-se de propriedades rústicas do Sul com o nome de Barbanxa, isto é, Barbancha = Barba-ancha, que quanto a mim, representa apelido de antigos donos delas.

9Pertence mencionar aqui a chistosa e conhecida alcunha de Gode, isto é, «o Gode», dada, creio, por estudantes de Coimbra (sempre criadores de graças deste género), a certo indivíduo que tinha alopecia num dos lados do beiço superior: como se a palavra bigode fosse formada de bi- (bis) e gode, no sentido de «dois godes»!

  • 21 Arch. Port., IX, 66.
  • 22 Nobiliarios, pp. 179, 180, 182 (bis), 215, 228.

10Esta alcunha, bem como a alcunha e apelido de Barba ou Barbas e Bigode, ficam assim equivalentes a muitos que existem tirados de diferentes partes do corpo, como: Stevêya Domingiz Beyçuda, séc. X11121; Ruy Mendes Beiçana, Estevam Mendes Queixada, Martim Soares Narizes, D. Pedro Alfonso Pestana, D. Rodrigo o Veloso, Martim Cabeça, Martim Nariz, séc. XIII-XIV22. De tempos modernos conheço directa ou indirectamente: Cabeça, Pestana, Barriga, Veloso, como apelidos; Fulano Orelhas, o Dentes, o Seis Dedos, como alcunhas. Tivemos no séc. XIX um oficial de marinha e escritor, de nome Carlos Testa, mas era de origem italiana (testa em italiano quer dizer «cabeça», «fronte», etc.); e a mesma origem têm provavelmente uns indivíduos mencionados com o mesmo apelido no Anuário Comercial.

11Fora do emprego directo de Barba como alcunha ou apelido empregam-se para o mesmo fim expressões metafóricas, por exemplo, Borrego, alcunha de um indivíduo do distrito de Coimbra, que usou ou usava barba toda, comparado assim com a pele de um animal lanígero. A metáfora é a mesma que em lanugo, de que falei no cap. I, e em , de que falei no cap. III. A expressão barba de zamarro significa em espanhol «homem de muita barba e mal-disposta», porque zamarro quer dizer «pele de carneiro». Cfr. no cap. III lã de ovelha, por bigode mal feito. Sempre a lã!

12Por falsa semelhança fonética de certas palavras com barba conferem-se a indivíduos barbados alcunhas como estas: barbacenas, barbacena, o barbosas ou o barbosa! Nos Açores um barbosana (de Barbosa + o suf. -ana)! É certo que Barbosa vem de barba, como já disse, mas de barba em sentido botânico, e não no sentido de pêlo no rosto. A significação de Barbacena (nome de uma vila alentejana) é para mim obscura (origem arábica?).

13Contrariamente às palavras que significam indivíduos providos de barba grande, há algumas, embora poucas, que significam indivíduos de barba pequena ou rala.

14O substantivo latino barbátulus, que se aplica a um jovem, é traduzido assim por Barbosa, Dict. Lusit.-Lat., Braga 1611: barbadinho, Morais dá à palavra portuguesa também a significação de «que tem pouca barba». Contudo barbadinho, como epíteto de frade, vimos nós no cap. IV que significava «provido de barba», isto é, de barba comprida; diminutivo de afecto, e não propriamente de pequenez.

15De Barbicas, nome do herói de Benteida (séc. XVIII), falarei adiante. Parecido com este nome, e seu sinónimo, é o substantivo comum barbichas, com que Leo Spitzer, Die epizönen Namen (já cit.), p. 138, compara o bogotano barbillas, barbudas, de significação análoga, isto é, «el de escasa barba».

16Num dos Nobiliarios, p. 333, trata-se de Pedro Soarez «que chamarom por sobrenome (alcunha) Escaldado, e porque lhe chamarom Escaldado foy porque tinha poucas barvas». No Alto Douro viveu um indivíduo de pouco cabelo e barba, a quem deram a alcunha de o Tres Pêlos (que o enfurecia!); a mulher chamava-se naturalmente a do Tres Pêlos.

17Como, por semelhança com o que acontece com os homens, se dão nomes aos animais domésticos, devo aqui dizer que, no que concerne a nomes relacionados com a barba, sei de um romance de Paulo de Koch onde figura um cão chamado Bigode, o qual deu o título à obra (tradução portuguesa de F. F. da Silva Vieira, Lisboa 1878).

  • 23 Rolland, Adágios, p. 131 (1.a ed.).

18Sendo a barba, como vimos no precedente capítulo, parte sobressaliente ou notável do corpo humano, diz-se muito naturalmente: nas barbas d’alguém, por «na cara», «na presença». Por isso, na reunião dos prebendados de Elvas, fala o grande A breu, no Hyssope, cant. III, da injúria que se fez nas barbas deles, e o Alfageme de Santarem, no drama de Garrett, acto III, brada para a sua gente: «Tornem para cá a acclamar rei extrangeiro ás barbas de Portugueses!». Nos Açores (como ouvi ao meu amigo Dr. Leite de Ataíde), o namorado que pediu a noiva fica abarbado á casa (isto é, preso pela barba), logo que começa a ir lá. Um adágio antigo sentenceia que de barba a barba || honra se cata23. Às vezes encontra-se em obras literárias: comer à custa da barba longa, por «ser parasito», ou, como um tanto chistosamente define Morais: «com embuste, e á custa da autoridade que as barbas davam a quem as usava, militares, magistrados, padres e frades, santões, e echacorvos, e outros taes veneraveis, sendo hypocritas». Quando os rapazes andam a cantar as janeiras e os reis pelas portas, e os donos de uma casa não lhes dão nada, vingam-se, cantando (Mexilhoeira Grande):

Cantamos e recantamos,
Tornamos a recantar,
Que estas barbas de farelos
Não têm nada que nos dar!

onde com farelos se quis exprimir, parece, aspecto descomposto de barbas (ou talvez sovinice, porque os farelos não prestam para alimentação), e onde temos estas em vez de estes, por atracção do género (esperar-se-ia estes, referido à ideia de «homens»). Noutra versão canta-se pouco mais ou menos o mesmo, só com maior apuro gramatical.

Estes reis tão bem cantados
Tornemo-los a cantar,
Que estes barbas de farelos
Não têm nada que nos dar! (Aguieira).

19Algumas expressões que no cap. III, pp. 306-317, vimos que servem para definir formas de barba, aplicam-se, por conseguinte, sarcasticamente para definirem pessoas (pars pro toto, como dizem os retóricos): assim, quando um homem se toma com uma mulher, no Minho, costuma esta vociferar: «Ah! seu bigode de ferro! Ah! seu barbas de estopa, que vem pegar-se comigo, estando eu aqui quieta! Aquele barbas de latão! Aquele barbas de chino (porco)!».

20Frases usadas por ironia: fazer a barbinha a alguém (Funchal), por «levá-lo de vencida»: fazer a barba a alguém, na língua corrente, o que corresponde a «fazer certo dano a alguém», por vingança, castigo ou outra razão. Na Fenix Renascida, III, (1718), diz Jerónimo Bahia uns versos em que se refere à derrota dos Castelhanos em Montes Claros:

... ó grão Musa
... convertey-me em penna tal navalha,
Que possa eu só com ella
Barbear de huma vez toda Castella

(p. 179).

  • 24 A caricatura, que está assinada por «Pinto», foi-me comunicada pelo Sr. António Vitorino Ribeiro, q (...)
  • 25 Em dois bilhetes-postais franceses vi caricaturas que têm por tema barbeiros, acompanhadas de verso (...)

21Num antigo jornal portuense de caricaturas, do último quartel do séc. XIX, há um curioso desenho satírico, que, por se integrar no assunto que estou estu dando, reproduzo na Fig. 129: um barbeiro, que deve representar algum político evidente da época, faz a barba ao Zé-Povinho, – o que significa que o obriga a pagar certos festejos públicos. Tanto o político como o Zé-Povinho estão na posição habitual de barbeiro e freguês, conformemente ao que se disse no cap. 1124. Ao mesmo âmbito de ideias políticas deve pertencer a seguinte obra, que só conheço pelo título: O Mestre Barbeiro da Aldeia; carta gratulatória e apologética dirigida ao autor das «Memorias para as Côrtes Lusitanas», Lisboa 1821 (sem nome de autor)25.

Fig. 129 Sátira política

Fig. 129 Sátira política
  • 26 Vid. Matinées sénonoises ou proverb. fr., Paris 1789, p. 348. No Larousse illustré diz-se: faire la (...)

22A frase fazer a barba também existe em francês, mas com mais ampla, ou com outra significação: faire la barbe à quelqu’un. «c’est le braver, lui faire affront, ou même l’effacer en esprit, en talent, etc.»26. No sentido português escreveu Fialho de Almeida um livro que se intitula «Barbear, Pentear», Lisboa 1914, de amarga crítica artístico-literária. O cabelo anda de facto unido com frequência à barba, na linguagem e na etnografia. Um provérbio diz: fazeme as barbas, far-te-hei o cabelo, por «prestar-te-ei um serviço em troca de outro», que corresponde a estoutro espanhol: haz-me la barba, hacerte he el copete (topete). Baseado no que acima, cap. II, se disse de barbeamento recíproco, é o ditado fazem-se as barbas hum ao outro, que vem no Florilegio de B. Pereira, Lisboa 1655, p. 105, e emparelha, quanto à forma, com os precedentes; aquele autor dá-lhe em latim o seguinte sentido metafórico: tradunt operas mutuas.

  • 27 Lúcio de Azevedo, Hist. dos Christãos Novos, p. 324, nota 1.
  • 28 Bento Pereira, Florilegio, Lisboa 1655, p. 118. – O mesmo ditado está incluso num epigrama de J. Ba (...)
  • 29 Fenix Renascida, III, 184, ed. de 1718.
  • 30 Sprichwörter de Ida v. Duringsfeld & Otto Reisberg-Duringsfeld, ii, Leipzig 1875, n.° 127.
  • 31 Sprichwörter, cit. na nota anterior, ibidem, ibidem.

23Bem contrário a esse sentido é o costume que sob o execrando domínio da Inquisição vogava barbaramente de, nos autos-de-fé, o populacho das ruas «queimar as barbas com tições acesos aos impenitentes, condenados ao fogo, antes de os tocarem as labaredas. Chamava-se a isto fazer a barba aos hereges»27. Com o mencionado costume se relacionará em parte o ditado: quando vires as barbas do teu vizinho a arder, põe as tuas de môlho, ou como forma antiquada: quando vires arder as barbas de teu vizinho, deita as tuas em remôlho28. Digo «em parte», por parecer adaptação de outro a que os Espanhóis fazem corresponder: cuando la barba de tu vecino vieres pelar, || echa la tuya a remojar, ou en remojo. Também em português existia outrora a frase: barba remolhada, || meya rapada (Bluteau); e Jerónimo Bahia (séc. XVII) escreveu pôr as barbas de remolho29. Em Valência diz-se como entre nós: quant la barba del veí vetjes cremar, || possa la tua a remulhar30. Mas em provérbios de outros países, Itália, França, Alemanha, Inglaterra, Suécia, etc., e em latim medieval, em vez de «quando vires arder as barbas do teu vizinho», diz-se: «quando vires arder a casa ou a parede do teu vizinho (acautela-te)»31 o que aparentemente tem mais lógica, pois, o que é que significa ver arder as barbas, fora da explicação que acima dei? O existir a expressão somente na Península Ibérica, onde a Inquisição tanto reinou, confirma, creio, essa explicação.

24Assim como barbas se toma por «cara», «presença», assim ter bons bigodes vale por «ter boa fisionomia» (Morais): em espanhol, no tener malos bigotes, por não ser mal-parecida uma mulher, ao que corresponde na nossa língua não ter maus bigodes. Paralela & fazer a barba a alguém é a frase dar um bigode, que significa «matar uma perdiz, errada por outro caçador» (Grande Dicc. da Ling. Portuguesa), e vencer outrem em jogo ou em qualquer luta.

25Passando do homem aos animais e às plantas, encontraremos muitos tropos tirados de barba. Já em grego, πώγων, referido a barba de animal; em latim barba caprae, gallinacei, hirci, mulli (certo peixe), polypi. Diz Fedro:

Barbam capellae cum impetrassent ab Iove,
Hirci maerentes indignari coeperunt,
Quod dignitatem feminae aequassent suam

  • 32 Vid. Kluge, Et. Wb. der deutschen Sprache, s.v. «Barbe»; e Walde, Lat. etym. Wb., s.v. «barbus».
  • 33 Romances y vocabular, de germania, mihi, p. 157.

(IV, 16). Por outro lado: áquila barbata, nux barbata. O peixe que em latim se diz barbus («barbo») chama-se assim «dos fios da sua barba»32. Em germania (gíria) espanhola chama-se barbado ou barbudo a um «cabrín»33. Os Alemães dizem Bartfedern, literalmente «penas de barba», falando de certas aves. Os Franceses: barbes de baleine, la barbe d’une chèvre, d’un bouc, moustaches du chat. Os Italianos: barba di cane.

26Nós, analogamente ao francês, dizemos barbas de baleia, de bode, de chibo (cf. cap. III), de cabra, de galo ou galinha; aos pêlos tácteis do focinho do gato chamamos barbas de gato, nos Açores bigodes de gato. Uma galinha com muita barba é para os de Arganil galinha bufuda (cfr. cap. III). Por graça dizem em Nisa, quando se zangam com um homem:

Deus te dê o que deu às cabras:
chavelhos e barbas!

  • 34 Esta expressão, que se usava na bênção da barba (vid. cap. V), provém da Bíblia: «sicut unguentum i (...)
  • 35 Tappolet in Bullet. du Gloss. des patois, viii, 30.
  • 36 Esthétique de la langue française, Paris, 1905, p, 219.

27O reino vegetal tinha em latim barba Iovis; tem em inglês beard-grass «grama»; em francês barbe-de-moine («cuscuta»); em provençal moderno barbo-de-cabro; em italiano, barba di becco; em romeno, barba lui Aron; em espanhol, também barbas de Aarón34. Na Suíça bèrb, «barba», significa metaforicamente a erva que ficou por cortar; diz-se no mesmo sentido Bart «barba», no antigo grão-ducado de Baden, mouchats «moustaches» em Friburgo35. A propósito da nigela escreve Remy de Gourmont que várias línguas baptizam esta planta por causa da vaguíssima semelhança que tem com as barbas, etc., e acrescenta: «le vieux français disait barbute et barbue; à Parme, c’est comme en Normandie la barbe de capucin, barba de fra; en Roumanie, la barbe de boyard, barba boïarului; en Angleterre, la barbe blanche, old man’s beard»36.

  • 37 O. de Pratt in Rev. Lusit., xviii, 74.
  • 38 Valladares, Dicc. gallego-castell., p. 424.
  • 39 Pereira Coutinho, Flora de Portugal, p. 683.
  • 40 Cf. Rev. Lusit., xxi, 318-319. Barbosa, como nome de quintas e casais, pode porém, às vezes, ter pr (...)
  • 41 Inventario das Portarias, da Torre do Tombo, Lisboa, 1909, i, 460.

28Em português; barba de milho (estiletes); barbas-de-velho (a Nigella damascena de Lineu; vid. Coutinho, Flora, p. 237); barbas de alho (raiz), barba-de-raposa (que pessoas de Cerveira me disseram ser o mesmo que linho-de-cuco: parasito, a Cuscuta de Lin., vid. Coutinho, ob. cit., p. 490: a planta tem na verdade semelhança, ao mesmo tempo, com barbas, e com fêveras de linho); barba-de-cuco (nome que também se usa em Monção; a planta, segundo me informa um ilustre professor de Ciências Naturais, parece ser a Agrostis trunculata Parl., [3, Duriaei, mencionada por Coutinho, ob. cit., p. 74); barba-preta (variedade de trigo)37. Em galego: pan d’ o cuco (Oxalis acetosella dos botânicos), o mesmo que em castelhano pan de cuclillo, planta de raiz vivaz38. No Ribatejo distinguem-se, como me informaram, dua variedades de trigo: trigo-mocho, e trigo-barbudo (barbas de espiga). Os botânicos empregam o adjectivo barbudo na acepção de «com pêlos, semelhantes a barba»39; πώΥων, «barba», em grego, também se empregava falando de barba de plantas. E na toponímia do Minho existem dois lugares com o nome de Barbosa, o qual se relaciona do mesmo modo com a vegetação, e se tornou depois apelido usual40. Pertence aqui o nome barbalho, que Morais explica assim: «as raízes finaes da arvore; demin. de barbas», nome, se não me engano, usado como apelido no séc. XVII: Álvaro Barbalho, Guilherme Barbalho, João Lopes Barbalho, Agostinho Barbalho Bezerra, Luís Barbalho Bezerra, Brás Barbalho Feio41. A expressão barba de milho figura numa cantiga satírica:

Não cortes a barba ao milho,
Nem a raiz à serralha,
Que é o sustento dos homens
Enquanto não vem a palha...

  • 42 Abundam nomes botânicos relacionados com nomes zoológicos: língua-de-cabra, -de-ovelha. -de-vaca; d (...)

que se canta na Rapa (Celorico da Beira)42.

29Se barba se torna nome de planta ou de parte de planta, por metáfora dá-se o contrário em alguns casos: uma planta ou parte de planta empresta o nome à barba: por exemplo, chama-se familiarmente broussailles em francês a barbas mal cortadas; em português pode ouvir-se tojo e carqueja na significação de barba intonsa e áspera (cfr. cap. III). E Jerónimo Bahia, séc. XVII, na Fenix Renascida, III (1718), p. 182, falando das barbas dos soldados castelhanos vencidos em Montes Claros pelos Portugueses, disse:

Não he fraze proterva
A semelhantes barbas chamar erva;
Ainda as não maltrato,
Pudera lhes chamar restolho ou mato.

30Não raro em certas metáforas se perdeu ou esqueceu a noção primitiva da comparação que as originou, e as palavras assim adoptadas serviram para se formarem novas metáforas. Por exemplo: barba-de-cabra, e barba-cabruna, em espanhol; barba cabreira, em galego; barbe-de-bouc, -de-chèvre, -de-renard, em francês; barba ursului («cabrinha»), em romeno: nomes de plantas. Primeiro comparou-se com a barba do homem o pêlo que nasce debaixo do queixo da cabra; e a palavra barba, assim escolhida, identificou-se de tal modo com o novo objecto, que quem dizia barba cabreira não pensava em barba de homem, só pensava nos pêlos de cabra: e por consequência aplicou barba-cabreira como designação de uma planta, com a mesma naturalidade com que aplicou língua-de-gato a outra planta. Temos aqui metáforas secundárias ou repercutidas. Pertence ao grupo em português barba-de-bode, o Tragopogon porrifolius dos botânicos, onde tragopogon ou τραγοπώγωι’ significa à letra isso mesmo.

  • 43 No Alentejo consideram a seguinte série, quanto à cria da cabra:
    chibo ou cabrito, até aos sete mese (...)
  • 44 Vid. Dzcí. d’archéolog. chrét., s.v. «barbe».

31Fenómeno linguístico, ou sematológico, ainda mais curioso, é o seguinte. Por causa do esquecimento a que há pouco se fez referência acontece que uma expressão metafórica se aplica às vezes, como se o não fosse, ao objecto que lhe deu origem. Por exemplo, o peixe-espada (Lepidopus caudatus dos zoólogos) chama-se assim, pela parecença que tem com uma espada; mas, por outro lado, quando há um tumulto, e a guarda militar sobrevém acutilando o povo, diz-se, por gracejo, que há muito peixe-espada, isto é, muita espadeirada, muita espada. A palavra espada aplicou-se metaforicamente a um peixe; e o peixe assim chamado tornou a aplicar-se metaforicamente a uma espada. Chamarei regressivas ou circulatórias a tais metáforas. No assunto que nos ocupa há também exemplos curiosos: barbas de gato, bigodes de gato (Açores), barbas de chibo, de chibato (Algarve), ou de bode43, por barbas e bigodes de certos indivíduos. A barbas de chibo ou de bode me referi já nos caps. III, p. 315-316, e V, p. 370. O povo de Antioquia, na Antiguidade, riu-se do imperador Juliano quando este puxou pelas suas barbas de bode, e chamou-lhe por isso τράΥΟσ «bode»44.

32Da expressão barbas de alho, que mostrei significar raiz ou as raízes do alho, diz Fr. Domingos Vieira, ou quem por ele escreveu no Grande Diccionario, que se usa como «homem sem forças nem coragem», e A. Bessa na Giria Portuguesa, Lisboa 1901, p. 47, como «homem em quem ninguém acredita». No Hyssope, canto V, p. 55 da ed. de 1817, faz Cruz e Silva que o Lara diante da estátua de Páris, na cerca dos Capuchos, em Elvas, digna de Helena, falando com o P. Mestre:

– Pois quê? o Sposo,
A cara patria, o Sceptro, a Fama, a Gloria,
Tudo deixou, por esse
barbas d’alho?

  • 45 Ed. de Tito de Noronha, Porto, 1871, p. 459

onde com barbas d’alho se apoda o filho do último rei de Tróia, como entre os Antioquienses se apodou de bode o imperador Juliano (vid. supra, p. 131). Na ilha de São Miguel (Açores), como lá me informaram, há um indivíduo que tem a alcunha de Barbas d’Alho; e na Estremadura há outro. No Auto dos Cantarinhos de António Prestes (séc. xvi) dá-se a um vilão o epíteto de barbas de picanço45.

33Vimos que familiarmente os estiletes do milho, que são arruivados, se chamam barbas de milho: pois existe a alcunha de Barbas de Milho, dada a certos indivíduos de barba comprida e arruivada! Não só a expressão barbas de milho se empregou regressivamente, senão que se foi mais longe, e ela passou a significar pessoa (pars pro toto, ou qualidade pela própria substância). O mesmo aconteceu com Barbas de Gato, alcunha de um cantador, a quem num despique popular vibrou o adversário este epigrama:

  • 46 = desgarrada.

Desafio, desguerrada,46
Desafio pelo mato:
Não quero ter desafio
Contigo, Barbas de Gato! (Cabaços: Alvaiázere).

  • 47 J. F. Macedo Pinto, Compendio de Veterinaria, 2.a ed., p. 442.

34Fora do círculo da botânica e da zooologia não faltam significações metafóricas de barba em muitas línguas: bordes del papel, cuando no están cortados (Dic. da Acad. Hesp.); nom des filets qui tiennent au tuyau des plumes (Larousse); em italiano, barba di penna: em português, por cabelos do hissope; por fios de um dos extremos da baraça do pião; por pêlos (naturais) da correia que serve de atafal ou retranca, donde a expressão injuriosa dirigida a um homem (Ponta Delgada): ó barbas d’atafal! E cf. barbilho («seda que as fiandeiras não podem aproveitar»: Morais). Ao nevoeiro muito denso chamam em São Miguel (Açores) neve-barbuda, por ele ter o aspecto de barba branca. Temos a par: cometa-barbado. E há uma doença nos bois, que consiste em «excrescências que nascem nos ângulos da boca», chamada dos veterinários barbas ou barbilhões47. Outros sentidos e empregos de barba podem ver-se em dicionários, como os de Bluteau, Morais, e Fr. Domingos de Vieira.

  • 48 D. Francisco Manuel de Melo, Apologos Dialogais, Lisboa, 1721, p. 99.

35Também barba se usa em meras comparações: no Escritorio do Avarento (1655) diz o Vintém (personificado), na apologia de si mesmo: «mais porfias tenho apartado em chegando, mais contas rematey em apparecendo, que de cabelos se me contam na barba»48. Análoga à expressão barbas do hissope é joão-barbudo, que figura numa adivinha da cal (que ouvi em Ponta Delgada e que creio também já tinha ouvido no Continente), no sentido de pincel de caiador:

  • 49 Quanto às personificações D. Branca e João vid. o que se disse no cap. III, p. 314, nota 1.

Estava dona-branca muito bem repousada,
Veio
joão-barbudo, deu-lhe uma bofetada49.

  • 50 Vid. Hernâni Monteiro in Bulletins et Mém. de la Soc. d’Anthropol. de Paris, 1921, pp. 154-156. (De (...)

36Não fica fora de jeito acrescentar que numa terra do Norte de Portugal deram a alcunha de Bis-Bigodes (isto é, Fulano Bis-Bigodes) a certo indivíduo que tinha hipertricose supraciliar. O conjunto das sobrancelhas foi pois comicamente considerado como segundo bigode!50.

37Ao emprego metafórico da palavra barbeiro referi-me no cap. II, p. 297.

B. A barba na literatura

38A barba figura na nossa literatura culta, e na popular, como tema literário propriamente dito, ou como tema tradicional. Começar-se-á por aquela, visto que a achamos testemunhada com documentos, do séc. XV em diante. – Se não fosse o desejo de evitar subdivisões, poderiam nesta secção fazer-se ainda outras. Basta porém como está.

a) Literatura culta

391. No Cancioneiro Geral há três poesias respectivas à barba: uma no vol. I, p. 144, do coudel-mor Fernão da Silveira a seu sobrinho Garcia de Melo, «dando-lhe regras para se saber vestyr e tratar no paço», onde diz:

... a barba tenhaes pouca,
poys bem vestir vos alegra:
rregê-vos por esta rregra
Que fundey, vyndo d’Arouca;

outra, do mesmo, no vol. III, p. 109, «a Dom Rodriguo de Castro, porque, trazendo muyto grande barba... a foy rrapar aa navalha»:

  • 51 1.a pessoa.
  • 52 = em boa hora.

Ouue51 lediça sobeja
da noua que me foy dada,
qu’a vossa barb’ee rrapada
e arrasada
que muy’embora
52 vos seja!

outra, finalmente, no vol. II, p. 427: «trova que mandou Dom Pedro d’Almeida a Joam Rroiz de Saa, vyndo d’Azamor, porque trouxe a barba feyta».

402. No começo do séc. XVII escreveu Fernão Soropita o Parrafo Notavel sobre as Barbas, que ficou extractado no cap. IV, pp. 338-339.

413. D. Francisco Manuel de Melo ( ߙ 1674) consagrou também à barba um diálogo metafórico, cheio de trocadilhos, mas com alguns adágios e frases curiosas, na Feira dos Anexins, Lisboa 1875 (ed. de Inocêncio), pp. 22-24. –Eu possuo um manuscrito desta obra, e dele vejo que Inocêncio alterou um pouco a ortografia original, e num caso o sentido.

424. De Jerónimo Bahia ( ߙ 1688) há uma «sylva» na Fenix Renascida, t. III (1718), pp. 179-184, consagrada «ao Regimento do Conde de Rebat, destruido pelos Portugueses na insigne batalha de Montes Claros no ano de 1665, o qual trazia para maior terror barbas postiças». Bahia satiriza as barbas dos soldados castelhanos, empregando locuções, provérbios e trocadilhos, no gosto dos dois autores precedentes, isto é, no gosto gongórico, que ao tempo dominava a nossa literatura. Já acima fiz vários extractos desta «sylva».

435. As barbas são muito especialmente celebradas na Benteida, poema joco-heróico de Alexandre António de Lima, Lisboa 1752, em três cantos. Sirvo-me porém da ed. de 1772. O herói, Bento António, transforma-se em mulher, Dona Benta. Logo no princípio: «Dona Benta, assafata ad honorem noves fora os bigodes». À tipografia chama-se aí Officina Bigodiana.

44Na 1.a estância:

Canto os bigodes, canto o heroe valente,
por successos de barbas afamado.

45A cada passo se fala em barbas ou bigodes ou bigodeira. Convém especificar alguns casos:

46No canto II, 15, diz-se do herói:

Erigio dous bigodes, que crescendo,
foram altos padrões da sua gloria,

e em nota: «deixou crescer os bigodes, e nunca andou sem elles, dizendo que ali tinha toda a sua honra».

47O bigode era tão grande, que do pai (c. ii, 40)

... pelo bigode foi levado,
como pelo cabresto o burro à feira.

48O tamanho das barbas faz que o A. dê ao seu herói a alcunha de Barbicas (c. II, est. 16), por ironia, pois Barbicas quer dizer «de pouca barba»:

Entendendo o Barbicas, por seus modos,
que he ser homem de barbas ser barbudo,

e cfr. III, 64:

mulherengo com layvos de barbicas,
que he mulher machacaz, e homem Maricas.

  • 53 = girondina.

49Bigodes e barbas aparecem outra vez como símbolos de autoridade (c. II, 42), e as barbas são símbolo de honra (C. II, 43). Bigodes comparados com torcidas de candeia (c. II, 54). Bigode à jerondina53(c. III, 40).

50A D. Benta, que conservava as barbas de quando era homem, chamou o poeta: injuria dos barbados (c. III, 43). Nesta mesma ideia de serem as barbas pouca graça em mulher se insiste noutra estância do mesmo canto:

... o bigode he onde para
a admiração a impulso de estranheza (est. 48).

51D. Benta exclama, na est. 49:

Oh meus ricos bigodes da minha alma,
de mais preço que as barbas de balea!
crescei, e á vossa sombra fique escura
a minha negregada formusura!

52Na est. 53:

homem, que he por mulher tido e havido
só lhe serve de injuria o ser barbado!

536. O Barbeiro Pobre, peça teatral da literatura de cordel, Lisboa 1769, com edições posteriores. Só a conheço por indicação que faz dela Albino Forjaz de Sampaio, Teatro de Cordel (já citado acima), n.° 67; e cf. n.° 495.

547. Honesto Passatempo de Entrudo ou Novo Jogo de Palavras, 1.a e 2.a parte: dois folhetos de cordel (em prosa e verso: assunto faceto), com paginação seguida de um para o outro: Lisboa 1789. Um barbeiro faz a barba a um bêbado, e arranca-lhe o nariz; o caso é levado ajuízo, e o réu tem como advogado o Doutor Barbuda. – Por chalaça diz-se a p. 9: «vai então o meu barbeirinho, que lhe tinha jurado muitas vezes pelas barbas, intentou fazer-lha (ao bêbado)». Acto de o barbeiro fazer a barba ao bêbado, p. 10: «assenta-o na cadeira, põe-lhe por diante uma rodilha que tinha na ropa suja; e correndo-lhe pela cara a roçadura, a manijou de sorte que ao rapaz do bigode veio a terra o nariz cércio juntamente». A p. 12:

... O tal barbeiro
Tomando o nariz por barba,
Le escanho-ou (sic) toda a penca
Co’os fios de huma navalha.

  • 54 Consultei este opúsculo no Colégio dos Jesuítas portugueses de La Guardia (Galiza). Ao meu erudito (...)

55A p. 13 (fala o advogado do acusador): «... dizer que o nariz pareceo bigode. Essa he de barbas!»54.

568. Embora não respectivo a assunto nacional, poderá seguidamente aqui citar-se, por ser escrito em português, um capítulo do livro de João Penha, Por Montes e Valles, Lisboa 1899, intitulado «As Barbas de Carlos Magno. O autor entende que a expressão à la barbe fleurie significa «de barba intonsa», e discorre sobre isso com tanta ignorância, como filáucia, dizendo que o Imperador, na época em que a Chanson de Roland o coloca, era moço de mais para ter barba branca (barbe fleurie); bate as palmas de satisfação pelo argumento, e zomba dos filólogos que traduziram fleurie por «branca» ou «florida» (como uma árvore em flor), mas disparateia acerca da origem da língua provençal e da língua francesa, e mostra desconhecer que na lenda se pinta Carlos Magno como velho: vid. G. Paris, Hist. poétique de Charlemagne, pp. 345-349.

579. Em 1902 representou-se em vários teatros de Lisboa uma peça de Eduardo Garrido intitulada A Pera de Satanaz, en três actos e diversos quadros. A peça não se imprimiu toda, só as cançonetas, de que existe um exemplar na nossa Biblioteca Nacional. Como vimos, Fig. 43, Satanás afigura-se à imaginação popular dotado de pêra. Ora nesta peça, como me informaram pessoas que assistiram à representação, um dos personagens tira-lha, e pratica com ela, como talismã, certos actos maravilhosos e sobrenaturais, que constituem o que propriamente em linguagem teatral se denomina mágica. De facto alude-se nas cançonetas ao talismã.

  • 55 À barba, não como tema de objecto de literatura, mas como assunto de investigação literária, referi (...)

5810. Ultimamente (1923) publicou-se em Lisboa a Arte de Conhecer as Mulheres, por L. de Oliveira Guimarães, onde há um capítulo satírico, intitulado «Mulheres com bigode»55.

  • 56 Por intermédio do Sr. Francisco Valença, desenhador do Museu Etnológico.

5911. Como remate da presente enumeração, transcrevo aqui o seguinte soneto que o conceituoso poeta humorístico Acácio de Paiva teve a bondade de me enviar56, e cujo chiste o leitor apreciará, lembrado do que acerca do barbeiro se expôs no cap. II:

O barbeiro de aldeia
Ele ensaboa em mangas de camisa
A cara do frèguês, que, na cadeira,
Espera que a cruenta cantadeira
Lhe rape a dura pele e a faça lisa.
Dum carôlo de milho se improvisa,
Com cuspo e com paciência, a assentadeira,
E enfim, em termos de serrar madeira,
O navalhão impávido deslisa.
Ouve-se um grande berro, de surpresa,
A que responde, á porta, a jumentinha,
Que na argola o patrão deixára presa.
Pela jaqueta o sangue se esparrinha;
Corre o cão do barbeiro com presteza;
Pende o queixo ao frèguês por uma linha.

60Não obstante a gravidade que as barbas imprimem ao rosto do homem, e de se terem tomado símbolo de honra, o que fez dizer com ênfase a Francisco de Andrade, O Primeiro Cerco de Diu (1589), canto XX, est. 90,

  • 57 Sirvo-me da ed. de 1852 (Lisboa), que possuo na minha biblioteca particular, com outros poemas épic (...)

Que os Portugueses sós merecedores
De trazerem no rosto barbas erão,
E que as outras nações se contentassem
Co’o estylo das mulheres, e este usassem57,

não há dúvida que parecem ao mesmo tempo superfluidade da pele do rosto, sempre à mostra, e donde com frequência, no momento da comida e da bebida, ficam pendentes, como flocos de neve ou gotas de orvalho em ramos de árvore, alguns resíduos do que a boca absorve: pelo que elas se convertem por vezes em matéria de zombaria. A nossa literatura culta, como acabamos de ver (deixando de lado o artigo de João Penha, que se refere a assunto estrangeiro), considerou-as sob esses dois aspectos, tanto as do homem, como as da mulher; procuremos saber agora qual o conceito em que a literatura popular tem as barbas masculinas (e o barbeiro). Não se reproduzirão aqui os provérbios e canções já aproveitados em anteriores capítulos, por exemplo, os que se referem à mulher.

b) Literatura popular ou tradicional

1. Provérbios

61Há provérbios relativos à barba e ao barbeiro em algumas obras especiais e em léxicos, sobretudo no Vocabulario de Bluteau, que serviu de principal base aos escritores que depois trataram do assunto (Rolland, Pina Manique, Morais, Fr. Domingos Vieira). Eis uma amostra.

62A barba é sinal de honradez (vid. cap. v) e também de maldade (vid. cap. I); denota madureza: antes barba branca para tua filha, | que moço de barba partida; o ferreiro com barba || e as letras com baba; se a barba nobilita, o dinheiro porém não menos: barba com dinheiro || honra ao cavalheiro. E : mais vale migalha || que pêlo de barba. Em provérbios se exprimem contingências da vida; a barba cã || se entrega a moça louçã. Eles ensinam a prática do ofício: barba remolhada, || meia rapada (cfr. supra, p. 395); nem o oficial novo, nem o barbeiro velho; nas barbas do homem astroso se ensina o barbeiro novo.

63Alguns dos nossos provérbios correspondem naturalmente a provérbios estrangeiros: antes barba blanca para tu hija, || qu muchacho de crencha partida, diz-se em espanhol. Num livrinho de J. Werner em que se reúnem provérbios e sentenças latinas da Idade Média, Lateinische Sprichwörter u. Sinnssproche des Mittelalters, Heidelberg 1912 (Winter), lê-se (letra E, n.° 93): murilegus bene scit, cui barbam lambere suescit, e (letra S, n° 39): seis, catte, cui Ungis barbam, cui murmura fingis, com os quais combina o provérbio português antiquado: bem sabe o gato cujas barbas lambe. Noutra obra alemã, Sprichwörter der german. u. romanischen Sprachen, de Ida von Düringsfeld & Otto von Reinsberg--Düringsfeld, 2 vols., Leipzig 1872 e 1875, vêm também vários paralelos latinos, germânicos e românicos, t. i, n.os 43, 43*, e 672, e t. ii, n.° 29, correspondentes a três dos nossos, citados acima, por exemplo: sit medicus senex, tonsor juvenis; barbiere giovine e medico vecchio; alte Bademütter und alte Aerzte sind die besten; barba bagnata é mezza rasa; à barbe de fol aprent-on à raire.

64Dos provérbios da Europa moderna, falando em geral, uns têm origem romana, religiosa ou literária; outros voaram de povo para povo, já em livros, já por via oral; e havê-los-á também nascidos espontaneamente aqui e ali (tão simples conceitos eles exprimem às vezes!): por isso não admira que numa nação se encontrem provérbios iguais aos de outra.

2. Canções

65Distinguir-se-ão aqui certos grupos:

a) Barba em geral:
  • 58 Do Porto.
  • 59 De Paredes. – O pronome esses tem aqui valor depreciativo; fa’la barba «fazem a barba» (fazem soa f (...)
  • 60 Da Mexilhoeira Grande (Algarve). Canta-se com outras de muitas espécies em volta do mastro que pelo (...)
  • 61 Dos Cabaços (Alvaiázere). Conheço variantes de outras terras: Em Coimbra aconteceu | Um caso extrav (...)
  • 62 Da Rapa (Celorico da Beira).
  • 63 De Vila Franca do Campo (Açores), onde a ouvi.
  • 64 Entenda-se: do Jordão.
  • 65 Do Porto.
  • 66 De Coimbra. O último verso corresponde a «seria preciso que Maio te desse barbas». A expressão barb (...)
  • 67 Da praia de Espinho. Ouvi outra versão em Braga, que só difere no v. 2: As lindas barbas que tem.
  • 68 Alvaiázere –Nojenta quer dizer nojosa, enojada (como noutras terras).
  • 69 Ervedosa do Douro. – Comunicação do Sr. Luís Sanches Machado, funcionário do Museu Etnológico.

Estes rapazes d’agora
Ainda nem barba tem,
Trazem o relógio ao peito,
Já cuidam que são alguém!
58!
Esses meninos d’agora
Esses que d’agora são,
Fa’la barba com urina,
Pa’nu’ gastá’lo sabão
59.
Tu dizes que me amas,

Mas eu não te posso ver:
Usas o cabelo grande60,
E a barba por fazer.
Em Coimbra vi um caso,
Um caso muito galante:
Fez uma andorinha o ninho
Nas barbas d’um estudante61.
As barbas do meu amor
São pretas como o carvão;
Quando olho para elas,
Estremece o coração62!
Estes rapazes d’agora
Fazem a barba à fadista.
Com quatro, cinco navalhas
Compradas à minha vista63.
S. João das barbas ruças
Tem o lenço d’ouro fino,
Lavado nas águas santas64,
E enxuto ao sol divino65.
Tu dizes que sou andante,
Que sou como o papagaio:
P’ra tu seres como eu,
Barbas que te dera Maio66!
Ó Maria, olha o pai
Que lindas barbas que tem!
Com aquelas lindas barbas
Enganou a nossa mãe67.
Eu venho de barba feita,
’Stou um rapaz que atormenta!
Se a menina me enjeita,
Digo-lhe que está nojenta68.
Sou um rapaz que atormenta
Com a minha barba feita:
Tem muita pouca vergonha
A moça que me rejeita69.

b) Bigode e mosca:
  • 70 De Mangualde. – Cf. cap. v (começo).
  • 71 Da Rapa (Celorico da Beira). – Variantes: v. 4: Trazem lesma no focinho; vv. 3-4: Estes meninos d’a (...)
  • 72 Esta cantiga e a seguinte colhi-as em Melgaço.
  • 73 Da Mexilhoeira Grande. – Quem recitou a quadra não sabia por inteiro o v. 2. – Quanto ao bigode do (...)
  • 74 Ouvi-a algures, fora de Lisboa. Com o v. 2 cf. o que acima, p. 408 nota 2, se disse das barbas em q (...)
  • 75 Dos Cabaços (Alvaiázere). – Acerca da barba crescida como sinal de viuvez, vid. o cap. V.
  • 76 = fadista.
  • 77 Dos Cabaços (Alvaiázere). – Calças de boca de sino são traje corrente na Estremadura.

Estes rapazes d’agora,
Estes que d’agora são,
Têm o buço a apontar,
Não tiram de lá a mão70!
Lá em baixo vem a Lua
Metida num pucarinho;
Estes rapazes d’agora
São malhados no focinho71.
Sou soldado artilheiro
De bigode retorcido:
Agora eu vou p’ra guerra
Batalhar co’ inimigo72.
O soldado bem armado
castigado
De bigode retorcido
Faz figura de Diabo73.
Chamaste ao meu bigode
Poleiro dos passarinhos:
Eu chamo à vossa boca
Enleio dos meus beijinhos74.
Trate bem o seu bigode,
Não o traga desfrisado,
Que lhe chamarão viúvo75,
Viúvo sem ser casado!
Sou soldado artilheiro,
Infantaria no Porto:
Agora vou para Viana
Por causa de ser garoto.
O meu amor é um faia76,
É um faia todo fino:
Usa bigode e mosquinha,
Calças à boca de sino77.

c) O lagarto e a cobra:

66De uma série de cantigas do Algarve (parecem ser de uma moda), em que figura o lagarto e a cobra, extraio as seguintes quadras respeitantes ao assunto que me ocupa:

  • 78 Variante dos vv. 3-4:
    O lagarto de albernó
    É a cobra vestida de folho.

O lagarto mais a cobra
Foram passear ao restolho:
O lagarto d’ barba feita
E a cobra d’ passa-piolho
78.

  • 79 Por casabeque: casaco forte, tanto do homem, como da mulher.

O lagarto mais a cobra
Foram passear à charneca:
O lagarto d’ barba feita
E a cobra de casabeca79.

d) O velho velho:

67Conheço duas versões, que ouvi em épocas diferentes. Parecem também ser de uma moda. Primeira versão (de Valpaços)

  • 80 De velhorro (Lisboa), cf. grandorro.
  • 81 Como as barbas dos velhos, quando crescidas, se assemelham a certas substâncias filamentosas, infla (...)
  • 82 = velh-orr-uço. Um pouco por causa da rima.

Ó meu velho, velho
Ó meu velhorrão
80,
Queimaram-te as barbas
81,
Cheiras a carvão!
Eu casei c’um velho,
Muito velhorrão,
Eu dormi na cama,
Ele dormiu no chão.
Ó meu velho, velho,

Ó meu velhorruço82,
Queimaram-te as barbas,
Cheiras a chamusco.

68Segunda versão (de Baião): as cantigas cantam-se soltas:

  • 83 Creio que velho ruço não são originariamente duas palavras, mas decomposição de velhorruço; cf. vel (...)

Ó seu velho, velho,
Ó seu velho ruço
83,
Queimaram-lhe as barbas
Cheiram-lhe a chamusco!

Ó seu velho, velho,
Ó seu velharrão,
Queimaram-lhe as barbas,
Cheiram-lhe a carvão!

e) De um despique ou desafio:

69As seguintes quadras fazem parte de um despique (Algarve):

  • 84 Cfr. o que se disse acima (barba no léxico), p. 399.

Cantas bem, não cantas mal,
Barbas de chibarro velho84:
Essas tuas cantiguinhas,
Deito eu p’ra trás d’um cerro!

Cantas bem, não cantas mal,
Barbas de galinha choca:
Essas tuas cantiguinhas,
Deito eu p’ra trás da porta.

f) Cantigas várias:

70Em Monforte do Alentejo fizeram a um rapaz esta cantiga satírica, de carácter popular:

Meu amigo José Duro,
És rapaz cá de Monforte:
Já podes pôr no seguro
As guias do teu bigode!

onde os quatro versos rimam entre si, de modo que ficou uma «cantiga quadrada».

71Uma pessoa de Vilar de Nantes (Trás-os-Montes) ditou a seguinte quadra:

  • 85 Esta quadra (como a seguinte) não foi colhida por mim, mas por uma aluna minha. À expressão em por (...)

Olha-me p’ra estas barbas,
Que mas pôs a Providência;
Elas em por si requerem
Respeito e obediência85 ...

a que nas Aguieiras corresponde outra:

  • 86 Emendei, em vez de ás vistas.

Olhai-me p’ra estas barbas,
Que mas deu a Providência;
Eu quero que à vista86 delas
Me guardeis obediência...

as quais quadras têm aspecto de pertencerem a uma peça de teatro, mas peça popularizada.

72Havia em Covas, concelho de Cerveira, um rapaz solteiro, de meia barba, com rêgo ao meio do mento. Uma rapariga, também solteira, disse-lhe por graça:

  • 87 = Pela barba.

Hei-de-me casar este ano
E há-de ser c’um barbado:
Se m’ele quiser fugir,
É por ali87 que me agarro.

73E ele respondeu:

  • 88 Foi uma mulher quem me ditou os versos. Estropiava porém estes dois, pois não os sabia bem, e dizia (...)
  • 89 Este ditado vem já nos «Disparates da índia»: vid. Obras de Camões, ed. de Joromenha, IV, 43, e faz (...)

Por casar, casar, casar...
Quem quer seria casado88!
Sustentar mulher e filhos
É que troce a porca o rabo89!

3. Adivinhas

74Ouvi algures a seguinte adivinha do alho:

Tem dentes e não come,
Tem barbas e não é home1.

onde por barbas se entende a raiz. Pois que o alho, além de barbas e dentes, também tem cabeça, fica patente que a linguagem vulgar o comparou a uma cabeça humana metida verticalmente na terra. Falta apenas dizer que as folhas são cabelo!

75A adivinha aqui transcrita apresenta forma semelhante a uma espanhola:

Tiene dentes y no come,
Tiene cabeza y no es hombre,

a que corresponde outra mais desenvolvida:

  • 90 Demófilo, Colecc. de enigm. y adivinhanças, Sevilha, 1880, p. 28.

En los yermos enterrado,
La mayor parte sumido,
Blanco es y muy barbado,
Y en olor muy conocido;
Tiene dentes y no boca,
Tiene cabeza y no pié:
Decid’me que cosa es
90.

4. Contos

  • 91 Publicado pelo Prof. Bernardino Barbosa in Rev. Lusit., XVIII, 208. – Cf. Ataíde de Oliveira, Conto (...)
  • 92 Por carta que o Sr. U. J. Wuorjoki, de Helsingfors, me escreveu em 22-1-1923, sei que ele se está o (...)

76a) Tanto num conto popular de Évora, intitulado O Filho da Burra91, como numa lenda localizada em Cernache dos Alhos, aparece o Diabo de barbas crescidas. Esta representação do Diabo combina com a ideia de velhice, que o povo também lhe atribui. Cf. as barbas do Entrudo, supra (cap. V). Todavia, segundo outra concepção popular, o Diabo tem simples pêra: vid. Fig. 43, e o que se diz a p. 405. – O citado conto do Filho da Burra pertence ao ciclo que os mitógrafos conhecem por Jean de l’ours92.

77b) Acerca da barba de Cristo num conto vid. este capítulo, supra, p. 386, nota 1. Acerca de outros contos vid. supra, pp. 281 e 285-286.

5. Rimas infantis

78Diz-se a uma criança, tocando-lhe sucessivamente com a mão a barba (mento), a boca, o nariz, a testa, e o cabelo:

  • 93 Vid. Trad. Popul. de Portugal, p. 257.

Esta barba barbeirinha,
Esta boca comedeirinha,
Este nariz de canjirão,
Esta testa de nabarro,
Este pêlo de cão...93.

  • 94 Informação do meu amigo o Sr. Santos Agero.

79Conquanto aqui barba esteja, como disse, no sentido de «mento», há uma perlenga espanhola, paralela a esta, em que se fala de «bigode»: San Virolín tenia un bigote || que le llegaba desde la nariz hasta el cogote, || desde el cogote a la nariz... ¡San Virolín! À medida que estas palavras se dizem, aponta-se também com a mão para as diferentes partes do corpo da criança assim enumeradas, e busca-se a mão que a criança deve ter estendida, para nela se bater na ocasião em que se profere no final San Virolín94.

80Em França há fórmulas semelhantes: vid. Mélusine, I, 126, 294, e 318.

6. O barbeiro

a) Canções:
  • 95 Cantiga que ouvi em Baião.

Malo hajas tu, barbeiro
A mais a tuas navalhas!
Cortastes o meu amor
Nas faces mais delicadas95!

  • 96 Cantiga que ouvi em Melgaço e em Esposende. – Tenho uma versão igual de Sobreira Formosa (Proença-a (...)

O meu amor é barbeiro,
Fá’la barba ao juiz,
C’uma toalha de renda
Lavada no chafariz96.

  • 97 Cantiga que ouvi em Baião. – Por feiras de Viseu, no v. 2, deverá entender-se sucessão de feiras, i (...)

Abençoado barbeiro,
E as feiras de Viseu!
Deixastes o meu amor
Tão bonito como eu
97!

  • 98 Cantiga que ouvi a uma mulher de Monção. – Faz simetria com a antecedente, por causa dos cargos jud (...)

O meu amor é barbeiro
Faz a barba ao delgado,
Com uma toalha bordada
Lavada no mar sagrado
98.

O meu amor é barbeiro,
Não é quem o mundo diz:
Tem na loja no terreiro
Virada p’rò chafariz.

81Conheço ainda outra canção (de Ervedosa do Douro), porém não a posso publicar, por causa da sua rudeza.

b) Dizer rimado:

82Às vezes, por graça, uma rapariga põe a mão na cara a outra, vai seguindo e dizendo:

83– Passou por aqui um barbeirito, fez-me a barba bem feitita, e (batendo com força) inda me deixou aqui um pelito (Melgaço).

84É um dizer rimado, do género de outro que se imprimiu supra, p. 414.

c) Narrativas:

85O barbeiro figura como personagem notável no conto popular do «Príncipe com Orelhas de Burro», publicado por Adolfo Coelho nos seus Contos Populares, Lisboa 1879, n.° 50, e que é em resumo o seguinte: Um barbeiro faz a barba a um príncipe que tinha orelhas de burro, e o rei ameaçou-o de o mandar matar se ele falasse a alguém daquele defeito. O barbeiro guardou o segredo enquanto pôde; mas, tagarela por índole, viu-se obrigado a dizer ao confessor que tinha um segredo tal, que, se o não revelava, morria; e que se o revelava, que o matavam. O confessor então aconselhou-o a que fosse a um vale, abrisse lá uma cova, e dissesse para dentro o segredo tantas vezes, até que ficasse aliviado, e depois tapasse a cova. O barbeiro assim fez, e voltou descansado para casa. Passado tempo nasceram ali canas, de que os pastores fabricavam gaitas, e destas, quando eles as tocavam, saíam vozes: «príncipe com orelhas de burro». – É a conhecida lenda de Midas, rei da Frigia, e há dela outros paralelos em vários povos modernos, como o mesmo professor Adolfo Coelho mostrou num estudo que inseriu no Positivismo, I, 76-83. Cfr. também P. Sébillot, Le Folklore de la France, III, 431 ss., e 527.

86O nosso novelista quinhentista Conçalo Fernandes Trancoso traz na parte III dos Contos e Historias de Proveito e Exemplo um, o 3.°, em que também um barbeiro, porém com outro enredo e desfecho, faz a barba, não a um príncipe, mas a um rei. Este conto tem todo o aspecto de popular, e como tal o admitiu T. Braga nos Contos Tradicionaes, II, n.° 168. Ele foi ultimamente publicado por Agostinho de Campos num dos volumes da Antologia Portuguesa: Trancoso, Lisboa 1921, pp. 143-148 («com pequenas alterações e supressões» ).

87A literatura popular, pelo lado dos provérbios, como composições ponderadas, e das duas narrativas de Évora e Cernache, encarou o aspecto grave da barba; pelo lado das canções, como auras fugidias, encarou o aspecto gracioso. Na adivinha, a barba não tem nada que a realce ou deprima. O barbeiro é-nos apresentado, umas vezes a sério, outras satiricamente.

88À barba na literatura francesa se referem por vezes Le Double & Houssay, Les velus (obra já aqui várias vezes citada): p. 56 («La femme à barbe», canção), 405-406 (sátiras à barba de Mme. Pilou, da corte de Luís XIV), etc. Da mesma literatura é bem conhecido o Figaro, personagem do Barbier de Sèville de Beaumarchais (séc. XVIII), tornado sinónimo de «barbeiro» em várias línguas. Com esta obra se liga Le mariage de Figaro do mesmo autor, e composições de Rossini e Mozart, o que tudo aqui menciono principalmente por causa dos títulos.

89No Correio dos Açores de 22-11-1925 publicou-se a tradução portuguesa de um artigo do escritor americano Mark Twain, intitulado «O Suplício dos Barbeiros».

90Não me seria fácil juntar aqui outros exemplos estrangeiros; nem isso teria para o meu caso importância comparativa: é suficiente saber-se que lá fora houve não só quem também cantasse as barbas, por maneira semelhante à dos nossos poetas, mas quem as tomasse por assunto de obras artístico-literárias, ora graves, ora chistosas. No que toca à literatura popular, já fiz as comparações que podia fazer.

Notes

1 Pode comentar-se isto com a seguinte frase do P.e Viterbo no Elucidario, s.v. «barba»: «Para demonstração da sua eternidade inconceptivel se representa no Apocalypse o Pai Eterno com respeitosas barbas no rosto». – À mente popular também Cristo aparece muito barbado: cf. os meus Opusculos, II, 84, onde publiquei um conto tradicional de Baião, do ciclo de Cristo e S. Pedro. Entende-se que o povo supõe que Cristo ia de jornada, com a barba por fazer. Nada tem esta concepção porém com o tipo de barba de Cristo, de que se falou acima, p. 307. – Acerca da barba de Cristo num conjuro suíço, vid. cap. v, p. 376, nota 2.

2 É o mesmo auto, mas de outra edição mais antiga, donde se extraiu a Fig. 126 (p. 375).

3 Cf. Luís Chaves, «Registos de Santos» in O Archeologo Portug., XXI, 88.

4 Vid. Reichert, Die deutschen Familiennamen, Breslau, p. 110.

5 Vilmar, Deutsches Namenbüchlein, Marburgo, 1880, p. 66.

6 Godoy y Alcántara, Apellidos castellanos, Madrid. 1871, p. 183.

7 Godoy y Alcántara, Apellidos castell., já cit. p. 183.

8 Le Double & Houssay, Les Velous, pp. 53-63.

9 Inquisitiones, p. 310, Também há povoações com o nome de Barbas; como porém o mencionado apelido não traz de, é provável que na origem seja alcunha.

10 Inquisitiones, I, 308.

11 Pág. 200 e 229.

12 Dissert. Chron. de J. P. Ribeiro, v (2.a ed.), p. 271.

13 Paço de Sintra, do C. de Sabugosa, p. 222. Também há Lopo Barbudo, do séc. XVI, nos Anais de Arzila, ed. de David Lopes, t. II, p. 515. Na actualidade: João Figueiredo Barbudo, aluno de Medicina em Lisboa, Francisco da Silva Barbudo, no Anuário Comercial. Nem sempre porém Barbudo é equivalente a «barbado», às vezes é apelido geográfico, pelo menos, quando precedido de de: Belindim de Barbudo, Lopo Dias de Barbudo, Vasco de Barbudo, séc. XV, nas Chancelarias Reais, ed. de P. de Azevedo, t.I, p. 515. Há, de facto, no Minho uma povoação com o nome de Barbudo (e outra com o de Barbudos). A mesma origem geográfica deve ter Barbuda em Manuel Mendes de Barbuda, autor do poema intitulado Virginidos (1667), e em Antonio Innocencio de Barbuda (séc. XIX), embora eu não saiba de nenhuma povoação assim chamada (há uma Horta da Barbuda no concelho de Serpa, mas aqui Barbuda é na origem manifestamente alcunha: foi pois uma pessoa que deu o nome a um local, e não o inverso).

14 Boletim dos Arqueólogos do Carmo, 2.a série, t. I, p. 42.

15 Sé de Tanger, do Dr. Rodrigues & Pedro de Azevedo, I, 28. Cf. supra, nota.

16 Saudades da Terra (escritas na segunda metade do séc. XVI), liv. III, p. 58.

17 Matriculas, da Torre do Tombo, I, 204.

18 Matriculas, II, 11.

19 Registo de Santa Cruz do Castelo, de Prestage & Azevedo, p. 143.

20 Inventario das Portarias, da Torre do Tombo, I, 460.

21 Arch. Port., IX, 66.

22 Nobiliarios, pp. 179, 180, 182 (bis), 215, 228.

23 Rolland, Adágios, p. 131 (1.a ed.).

24 A caricatura, que está assinada por «Pinto», foi-me comunicada pelo Sr. António Vitorino Ribeiro, que a tinha solta e colada numa espécie de álbum. Conquanto não devesse ser difícil averiguar o título e o n.° do jornal, para eu poder dar indicação bibliográfica, falta-me tempo para o fazer; e um amigo que se encarregou disso, não me deu ainda resposta.

25 Em dois bilhetes-postais franceses vi caricaturas que têm por tema barbeiros, acompanhadas de versos; uma delas política, a outra não. Na 1.a um indivíduo tem uma navalha muito grande na mão, na 2.a uma máquina de aparar a barba.
À primeira parece ser uma alusão ao Egipto e aos Ingleses. Um indivíduo de turbante e barba comprida, à janela de uma prisão, diz para um indivíduo de chapéu e casaco, que leva na mão uma navalha de barba muito grande:

A UN RASEUR
Je ne peux plus sortir et ma barbe est inculte,
Pous comble de malheur, je perds mon perruquier.
Oh! vous pour qui raser est un bonheur, un culte,
Montez donc me voir en passant dans le quartier.
La Femme à barbe.

26 Vid. Matinées sénonoises ou proverb. fr., Paris 1789, p. 348. No Larousse illustré diz-se: faire la barbe à quelq’un: triompher d’une personne, se moquer d’elle.

27 Lúcio de Azevedo, Hist. dos Christãos Novos, p. 324, nota 1.

28 Bento Pereira, Florilegio, Lisboa 1655, p. 118. – O mesmo ditado está incluso num epigrama de J. Bautista de Castro, Horas de Recreyo, ed. de 1750, cent. III, p. 3 (como não tenho à mão esta obra, faço a citação segundo a Hist. dos Adagios de Ladislau Batalha, p. 90).

29 Fenix Renascida, III, 184, ed. de 1718.

30 Sprichwörter de Ida v. Duringsfeld & Otto Reisberg-Duringsfeld, ii, Leipzig 1875, n.° 127.

31 Sprichwörter, cit. na nota anterior, ibidem, ibidem.

32 Vid. Kluge, Et. Wb. der deutschen Sprache, s.v. «Barbe»; e Walde, Lat. etym. Wb., s.v. «barbus».

33 Romances y vocabular, de germania, mihi, p. 157.

34 Esta expressão, que se usava na bênção da barba (vid. cap. V), provém da Bíblia: «sicut unguentum in capite, quod descendit in barbam, barbam Aaron» (vid. Salmos, 132, 2). Aaron ou Aarão era irmão de Moisés.

35 Tappolet in Bullet. du Gloss. des patois, viii, 30.

36 Esthétique de la langue française, Paris, 1905, p, 219.

37 O. de Pratt in Rev. Lusit., xviii, 74.

38 Valladares, Dicc. gallego-castell., p. 424.

39 Pereira Coutinho, Flora de Portugal, p. 683.

40 Cf. Rev. Lusit., xxi, 318-319. Barbosa, como nome de quintas e casais, pode porém, às vezes, ter provindo de apelido.

41 Inventario das Portarias, da Torre do Tombo, Lisboa, 1909, i, 460.

42 Abundam nomes botânicos relacionados com nomes zoológicos: língua-de-cabra, -de-ovelha. -de-vaca; dente-de-cão, -de-leão; pé-de-burro, -de-ganso, -de-leão, -de-lebre; unha-de-asno, -de-cavalo, -de-gato; olho-de-boi, -de-gato, -de-mocho; orelha-de-lebre, -de-rato, -de-urso; testículo-de-cão; rabo-de-cão, -de-lebre, -de-raposa; bico-de-cegonha, -de-grou, -de-pomba; erva-aranha, -bezerra, -bicha, -carneira, -cavalinha, -mata-pulgas, -perceveja, -piolheira, -pombinha, -toira, -ursa, -vespa; maçancuca ou maçacuca (maçã de cuco); milhã-pé-de-galo; moscardo; rosa-de-cão, -de-lobo; trigo-de-perdiz; uva-de-cão; verça-de-cão. Todos estes nomes, excepto maçancuca, vêm de Coutinho, Flora de Portugal, pp. 705-71. Só um conhecedor de Botânica poderá dar a razão da escolha destes nomes. Uns devem resultar de metáforas, como língua-de-ovelha; outros de circunstâncias várias, como maçancuca, (= que vem com o cuco), uva-de-cão (de que o cão gosta?). Há nomes que se tiram do grego, em tempos modernos, como: cinoglossa, à letra, «língua de cão»; celidónia, à letra: «(erva) de andorinha»; do latim, como cornicabra. Em alemão sei, não porém directamente, de dois livros sobre o assunto: Germanische Pflanzennamen (Etymologische Untersuchungen über Hirschbeere, Hindebeere, Rehbockbeere u. ihre Verwandten) von Richard Löwe, Heidelberg; e Die Tiere in deutschen Pflanzennamen (Ein botanischer Beitrag zum deutschen Sprachschatz) von H. Marzell, ibidem. Na Flore populaire de E. Rolland, t. I-VI, Paris, 1896-1906, que conheço directamente, e possuo, podem ver-se muitos nomes desta espécie, em muitas línguas, comparados entre si. – Alguns dos nomes mencionados acima sob a rubrica de erva, isto é, erva-carneira, erva-cavalinha, erva-perceveja, etc. mostram atracção de género, figurando carneira, etc. como adjectivos (cf. palha centeia, farinha milha e outros, vid. Rev. Lusit., XVIII, 176).

43 No Alentejo consideram a seguinte série, quanto à cria da cabra:
chibo ou cabrito, até aos sete meses, em que geralmente o desmamam e capam; chibarro, desmamado, até um ano;
anaco, de 1 ano;
chibato, de 2 anos para cima;
bode, chibato inteiro, para casta, de 3 anos em diante. É o chibato velho e duro.

44 Vid. Dzcí. d’archéolog. chrét., s.v. «barbe».

45 Ed. de Tito de Noronha, Porto, 1871, p. 459

46 = desgarrada.

47 J. F. Macedo Pinto, Compendio de Veterinaria, 2.a ed., p. 442.

48 D. Francisco Manuel de Melo, Apologos Dialogais, Lisboa, 1721, p. 99.

49 Quanto às personificações D. Branca e João vid. o que se disse no cap. III, p. 314, nota 1.

50 Vid. Hernâni Monteiro in Bulletins et Mém. de la Soc. d’Anthropol. de Paris, 1921, pp. 154-156. (Devo esta informação ao Sr. Prof. J. A. Pires de Lima).

51 1.a pessoa.

52 = em boa hora.

53 = girondina.

54 Consultei este opúsculo no Colégio dos Jesuítas portugueses de La Guardia (Galiza). Ao meu erudito amigo o Rev.° António Antunes Vieira, professor do mesmo Colégio, agradeço a amabilidade com que o pôs à minha disposição.

55 À barba, não como tema de objecto de literatura, mas como assunto de investigação literária, referi-me no preâmbulo (bibliografia).

56 Por intermédio do Sr. Francisco Valença, desenhador do Museu Etnológico.

57 Sirvo-me da ed. de 1852 (Lisboa), que possuo na minha biblioteca particular, com outros poemas épicos.

58 Do Porto.

59 De Paredes. – O pronome esses tem aqui valor depreciativo; fa’la barba «fazem a barba» (fazem soa faze, faz, pois as vogais finais átonas desnasalizam-se no Baixo Minho). O que duramente e por escárnio se diz nos versos 3 e 4 coincide, por acaso, em parte, com o que Estrabão, Geografia, II, IV, 16, conta dos Cântabros e povos vizinhos: quer os homens, quer as suas mulheres, lavam-se, e limpam os dentes com urina que apodrece em pias.

60 Da Mexilhoeira Grande (Algarve). Canta-se com outras de muitas espécies em volta do mastro que pelo S. João se arma numa rua ou terreiro.

61 Dos Cabaços (Alvaiázere). Conheço variantes de outras terras: Em Coimbra aconteceu | Um caso extravagante, etc. – Também aqui pode estabelecer-se um paralelo com o passado: há lendas em que se fala de eremitas em cujas barbas as aves iam fazer ninhos.

62 Da Rapa (Celorico da Beira).

63 De Vila Franca do Campo (Açores), onde a ouvi.

64 Entenda-se: do Jordão.

65 Do Porto.

66 De Coimbra. O último verso corresponde a «seria preciso que Maio te desse barbas». A expressão barbas que te dera Maio é corrente não só em Coimbra, mas por toda a Beira Ocidental, e na Beira Baixa, e já a ouvi a pessoas velhas de Lisboa. Outro exemplo: «barbas lhe dera o Maio para chegar até ele!» (Celorico); «barbas lhe dera Maio!» para uma pessoa poder igualar outra (Arganil). Como quem dissesse: «ainda há-de comer muito sal!» Tendo-se em mente que no cap. V, pp. 362-363, se assentou que o cuco é quem dá as barbas ao homem, torna-se fácil, me parece, compreender o sentido da expressão de que se está aqui falando: barbas te dera Maio significa: «barbas te dera o cuco», isto é: ainda te falta ter barbas, ser homem, para conseguires o que desejas. Com efeito, dizer «Maio» vale o mesmo que dizer «cuco», porque o cuco é ave de Maio. Na Beira Alta, invoca-se o cuco, chamando-lhe desse modo: vid. Trad. Pop. de Portugal, p. 145, onde transcrevi uma fórmula que soa assim: «Cuco de Maio, cuco d’Aveiro, || quantos anos me dás de solteiro?» É claro que Aveiro figura nela meramente por causa da rima; noutras fórmulas dizem Carrasqueira, para rimar com solteira, beira-mar, para rimar com casar.

67 Da praia de Espinho. Ouvi outra versão em Braga, que só difere no v. 2: As lindas barbas que tem.

68 Alvaiázere –Nojenta quer dizer nojosa, enojada (como noutras terras).

69 Ervedosa do Douro. – Comunicação do Sr. Luís Sanches Machado, funcionário do Museu Etnológico.

70 De Mangualde. – Cf. cap. v (começo).

71 Da Rapa (Celorico da Beira). – Variantes: v. 4: Trazem lesma no focinho; vv. 3-4: Estes meninos d’agora || trazem lêsmia no focinho. Comparou-se o bigode a uma lesma, que é comprida e preta.

72 Esta cantiga e a seguinte colhi-as em Melgaço.

73 Da Mexilhoeira Grande. – Quem recitou a quadra não sabia por inteiro o v. 2. – Quanto ao bigode do Diabo, cfr. o que a pp. 315 e 405 se disse da pêra, e o que adiante, pp. 401-402, se diz das barbas. – Esta cantiga e as duas anteriores vê-se que são um tanto antigas, por causa da menção do bigode militar. Cfr. supra, vid. o cap. IV.

74 Ouvi-a algures, fora de Lisboa. Com o v. 2 cf. o que acima, p. 408 nota 2, se disse das barbas em que uma andorinha fez o ninho.

75 Dos Cabaços (Alvaiázere). – Acerca da barba crescida como sinal de viuvez, vid. o cap. V.

76 = fadista.

77 Dos Cabaços (Alvaiázere). – Calças de boca de sino são traje corrente na Estremadura.

78 Variante dos vv. 3-4:
O lagarto de albernó
É a cobra vestida de folho.

79 Por casabeque: casaco forte, tanto do homem, como da mulher.

80 De velhorro (Lisboa), cf. grandorro.

81 Como as barbas dos velhos, quando crescidas, se assemelham a certas substâncias filamentosas, inflamáveis, por exemplo, estopa, é natural, diante delas, acudir ao espírito a ideia de queima, como acima, cap. V, acudiu a de fiação. No mesmo capítulo se nos deparou também uma figura do Entrudo com barbas de estopa, e o atroz costume de queimar as barbas dos judeus. Quanto à inflamação da estopa, cfr. o bem conhecido ditado: o homem é fogo, e a mulher estopa , vem o Diabo e assopra; e estoutro: mal se apaga o fogo com as estopas (ambos eles vêm de Bluteau, s.v. «estopa»).

82 = velh-orr-uço. Um pouco por causa da rima.

83 Creio que velho ruço não são originariamente duas palavras, mas decomposição de velhorruço; cf. velhorrão e velharrão.

84 Cfr. o que se disse acima (barba no léxico), p. 399.

85 Esta quadra (como a seguinte) não foi colhida por mim, mas por uma aluna minha. À expressão em por si, que significa «só por si», não a conheço no povo, por isso não posso dizer se está exacta (correspondendo sintacticamente a de per si), ou não.

86 Emendei, em vez de ás vistas.

87 = Pela barba.

88 Foi uma mulher quem me ditou os versos. Estropiava porém estes dois, pois não os sabia bem, e dizia:
Casar, casar, casar,
Quem quer era casado.
Emendei, como se viu.

89 Este ditado vem já nos «Disparates da índia»: vid. Obras de Camões, ed. de Joromenha, IV, 43, e faz parte do conhecido conto popular de João Grilo, ou Doutor Grilo, como pode ver-se nas seguintes obras: Tradições Populares de Portugal, do autor, p. 135; Era Nova, pp. 243- -244; Contos Tradicionais, de T. Braga, I, n.° 72, e II, p. 212 (onde aproveita o que eu dissera na Trad. Pop.); Contos Nacionais (para crianças), de Adolfo Coelho, p. 47; Contos Tradicion. Port. (para crianças), de D. Ana de Castro Osório, 12.a série, pp. 86-91. Também colhi uma versão inédita (variante) em Vila Real de Trás-os-Montes. Quanto a versões estrangeiras, vid. Ulrich, Grilo Médico, Liorne, 1901.

90 Demófilo, Colecc. de enigm. y adivinhanças, Sevilha, 1880, p. 28.

91 Publicado pelo Prof. Bernardino Barbosa in Rev. Lusit., XVIII, 208. – Cf. Ataíde de Oliveira, Contos Populares, I, 173, n.° 63.

92 Por carta que o Sr. U. J. Wuorjoki, de Helsingfors, me escreveu em 22-1-1923, sei que ele se está ocupando do estudo comparativo do ciclo a que pertence este conto.

93 Vid. Trad. Popul. de Portugal, p. 257.

94 Informação do meu amigo o Sr. Santos Agero.

95 Cantiga que ouvi em Baião.

96 Cantiga que ouvi em Melgaço e em Esposende. – Tenho uma versão igual de Sobreira Formosa (Proença-a-Nova).

97 Cantiga que ouvi em Baião. – Por feiras de Viseu, no v. 2, deverá entender-se sucessão de feiras, isto é, feiras em vários anos, particularmente a feira franca de 15 de Setembro, que dura 15 dias. À namorada quer dizer que ali fazia a barba o namorado.

98 Cantiga que ouvi a uma mulher de Monção. – Faz simetria com a antecedente, por causa dos cargos judiciais a que numa e noutra se alude. – Do mar sagrado falei nas Tradic. Pop. de Portugal, § 183. cf. Ensaios Ethnograph., III, 208, e IV, 127. Antes de mim se tinha referido a esta superstição D. Maria Peregrina de Sousa in Rev. Univ. Lisbon., iv, 268 (artigo reproduzido na Rev. Lusit., IV, 134). A expressão mar sagrado vem já em Tomás Pinto Brandão, Pint. Renascido, p. 212. Também existe na Espanha: vid. P. Sébillot, Croyanc. et superst. de la mer, Paris, 1886, p. 85. Esta ideia do mar sagrado pode fazer-se ascender à Antiguidade, que fazia dele habitação de deuses e monstros sobrenaturais. O mar é por outro lado o lugar para onde nos exorcismos e nos ensalmos se mandam as cousas más que oprimem os homens. Cf. Maury, Légendes pieuses, pp. 53, 143, 144. A palavra sagrado é nesta cantiga mero e vago epíteto, sem acepção especial.

Table des illustrations

Titre Fig. 127 Imagem tradicional do Padre Eterno (De um registo do Museu Etnológico Português3)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4488/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Fig. 128 Judas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4488/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 129 Sátira política
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4488/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 169k

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search