Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Barba em Portugal

Capítulo V simbolismo da barba

Texte intégral

Sumário
A barba como símbolo de virilidade e de honra • De onde provém este símbolo • Homem sem barba não é homem • A velhice acrescenta ainda mais honra à barba • Barba honrada como sinónimo de pessoa honrada • Barba povoada e grave: em filósofos, em monges, em deuses, em reis • Outras manifestações sociológicas da barba: a barba como referência de medida; arrancar a alguém a barba por ofensa; messar a barba; castigos; a barba na opção jurídica • Nobres actos desempenhados com a barba: hipoteca, aposta, empenho, juramento, selo • O sobrenatural na barba: feitiço; lenda; o Entrudo; depositio; bênção • A expressão pagar a patente • A barba como manifestação de tristeza

1Um dote físico, que na mulher é desgosto, serve de orgulho ao homem como símbolo de virilidade e de honra, ao que sumariamente me referi nas Lições de Philologia, pp. 87-88; cfr. também Adrião in Rev. Lusit., XIX, 59-61; e supra, cap. I.

2Os rapazes, quando estão próximos da puberdade, começam logo a tactear a cara, e a puxar pela penugem, na esperança e no desejo de encontrarem barba que os faça homens. Canta-se a vulgarmente a tal respeito uma cantiga:

Estes meninos d’agora
São franguinhos de vintém.
Prometem 10 réis às almas
A ver se lh’a barba vem...

cantiga, como ponderaria um alemão, «rica de conteúdo», – porque, pela comparação dos rapazes com frangos, liga-se a uma das funções mais activas da vida da linguagem, qual a da criação metafórica, tão fecunda no vocabulário quotidiano, como na escolha de apelidos, e pela promessa às almas pertence ao extenso quadro das crenças populares: a isto agrega-se o pensamento geral satírico que conjuga aqueles dois, traduzido, demais a mais, por forma simples e elegante. Eis outra versão da mesma cantiga:

Estes mocinhos d’agora
Só dizem que têm, que têm:
Pormetem dez réis às almas
P’ra ver se l’a barba vem...

a qual me cantaram em Anha, concelho de Viana do Castelo. Como variante das duas cantigas se pode considerar de certo modo a seguinte, que colhi no concelho de Melgaço, onde é muito conhecida:

Estes rapazes d’agora
São poucos, nem barba têm:
Já deram dez réis ao cuco
A ver se a barba l’e vem...

(le por «lhes»). Com ela se relacionam as frases que vou mencionar, ouvidas por mim no mesmo concelho de Melgaço, e que lhe servem de explicação. De um rapaz que ainda não tem barba caçoa-se assim: «há-de-se fazer uma encomenda ao cuco, para te trazer a barba para o ano»; e de um que, apesar de estar nas mesmas condições, já namora: «tens de dar dez réis ao cuco, para te trazer a barba para o ano que vem». Ao aparecer na cara a primeira peluge (vid. cap. I, p. 268), diz-se ao respectivo rapaz: «já tens os pêlos do cuco: é que já lhe deste os 10 réis!». Se a barba só nasce no mento, e não no resto da cara, o pobre rapaz ouve dizerem-lhe: «tu não encomendaste a barba ao cuco, mas à poupa!», onde poupa (ave) é simples trocadilho com o verbo poupar (barba poupada, isto é: rara, ou incompleta). Segundo a crença popular, o cuco dá pois a barba, e torna-se necessário pedir-lha.

  • 1 Cfr.: A. de Gubematis, Mythologie zoolog., ii, 243 ss.; e Otto Keller, Die antike Tierwelt, II (Lei (...)
  • 2 No cap. III vimos que à barba que nasce no mento do homem se atribuiu o nome de um fruto (pêra).
  • 3 Vid. a respeito de Portugal: Adolfo Coelho, Cantos Popul., n.° 12, e um artigo in Rev. Scientif. (d (...)

3Porque é que o cuco (Cuculus canorus de Lin.) dá barba ao homem? A razão, quanto a mim, está em ser o cuco ave da Primavera, anunciadora dela. Um provérbio nosso diz: se o cuco não vem entre Março e Abril, || ou o cuco é morto, ou não quer vir. Variante da segunda parte: ou o fim (do mundo) está para vir. O não vir naquele prazo o cuco, isto é, no começo da Primavera, equivaleria a interromperem-se as leis da natureza. É bem sabido que o cuco emigra no tempo do frio para climas quentes, e volta à sua terra quando o tempo melhora. Já na Antiguidade Clássica se celebrava o carácter primaveril da ave. Ela acompanhou as festas do consórcio de Zeus e Hera, ou do Céu e da Terra1. Na Primavera vicejam as plantas, e ornamenta-se de flores toda a natureza. A barba do homem é comparável a rebento vegetal: e pois que os verdores da Primavera os anuncia ou acompanha a vinda do cuco, este foi considerado causador deles (post hoc, ergo propter hoc), e ipso facto do rebento da barba, esta aparente vegetação do rosto humano2. O cuco ao mesmo tempo espalha barbas pelos matos: barba-de-cuco se chama uma planta, de que falo adiante no cap. VI, a qual aparece na Primavera, quando ele começa a cantar, planta que suponho ser a mesma que pêlo-de-cuco. A ela fica portanto, no conceito do povo, equiparada a barba do homem. O cuco, por causa do seu canto compassado, monótono, e de várias singularidades, como pôr os ovos em ninhos alheios, tem chamado em particular a atenção dos povos, e não só se baptizam com o seu nome outros produtos da natureza, linho-de-cuco, maçã-de-cuco ou maçacuca, cuspo-de-cuco, mas tornou-se objecto de muitas superstições, ditos, lendas, etc., já em Portugal, já por toda a parte: França, Suíça, Alemanha, Escandinávia, terras eslavas, Japão, etc.3.

4Vem a pêlo notar que em algumas terras St.° André Avelino é advogado da barba; de facto, no vol. I dos registos de santos do Museu Etnológico, p. 196, figura-se aquele santo com barba toda. Em Quintela (Mangualde) os rapazes dirigem-se no dia de festa dele à capela a fazer-lhe promessas para a barba lhes nascer cedo. Outra superstição conheço da mesma localidade: quem quer que a barba lhe cresça, fricciona o rosto com excremento de galinha e de pomba, superstição igual a uma francesa, relatada por P. Sébillot, Le Folklore de France, III, 245. Provavelmente a superstição originou-se na analogia (mágica) que se estabeleceu entre a penugem ou duvet da cara humana e o pêlo fino das asas de duas aves domésticas muito queridas. Todavia há um animal, não doméstico, que goza de virtudes análogas à daquelas aves: é o morcego. Quando um rapaz não tem barba, por ser novo de mais, ou ela lhe tardar, caem-lhe logo em cima zombarias análogas às há pouco mencionadas: «tu não tens barba! pega num morcego vivo, e esfrega-o nos queixos para ela te nascer» (Santa Marta, concelho de Viana do Castelo), ou: «esfrega a cara com sãigue de morcego» (Cerveira, e Ponte de Lima). A superstição perdeu aqui já a importância primitiva, passou a mero gracejo, quase sem significação, a qual só se compreende de maneira cabal perante o que fica antes exposto. Igualmente por gracejo esfrega um barbado o rosto de um rapaz que deseja barba. Isto pode ter tido do mesmo modo na origem significação mágica, directa ou indirecta.

5De ser a barba sinal de virilidade nasce o sinal de ser honra, pois um homem, para ser perfeito, tem de ser honrado. Por isso em italiano se chama fedine às «suíças», palavra derivada de fede «fé». No Juiz da Beira, de Gil Vicente, queixa-se Ana Dias de que o filho de Pero Amado lhe inquietou a filha, e diz:

  • 4 Obras, ed. de Hamburgo, III, 168-169.

Hum moço, já homem barbado
(Benza-o Deos!), e mancipado,
Ir fazer taes desatinos!4

donde se vê que bom conceito o Poeta formava da barba. Tanto esta se julga um símbolo de honra, que de um homem imberbe ou com cara mal povoada se zomba assim num adágio: pouca barba, pouca vergonha, comentado por Adrião no citado volume da Revista Lusitana, e do qual conheço variantes e ampliações: homem sem barba não tem vergonha (Rapa, – Celorico da Beira); queixadas sem barba não merecem ser honradas (Bluteau, s.v. «barba»). Em Valezim (Seia), quando se vê um homem sem barba, diz-se: homem que não tem barba não tem vergonha-, mas ele responde filosoficamente, e como consolo: Deus dá a barba a uns, e a vergonha a outros! Especificando um das formas da barba, clamam os de Ardãos (Boticas): home que num tem bigode | num éi home.

6Aos adágios acrescentam-se as trovas:

  • 5 Esta cantiga colhi-a em Vila Franca do Campo (Açores), e é paralela ao ditado de Boticas, transcrit (...)
  • 6 Colhi-a no Faial. Em vez de caso, a pessoa que ma ditou, disse causa (quereria dizer causo, como no (...)

Espelho que não tem aço
Atira-s’a u’a parede;
Rapaz que não tem bigode,
Poucas conversas com ele!5
Espelho que não tem aço
Virado para a parede:
O homem que não tem barba
Ninguém faça caso dele!6
Azeitona pequenina
Que azeite pode render?
Quem não tem barba na cara
Que vergonha pode ter? (concelho de Coimbra).
Azeitona miudinha
Qu’ azeite pode render?
O homem que não tem barbas
Que palavra pode ter? (Mexilhoeira Grande).
Azeitona miudinha
Qu’azeite pode render?
Homem sem barba na cara
Que respeito pode ter? (Vila do Conde).
Oliveira pequenina
Que azeitona pode dar?
Em homem de pouca barba

Que vergonha se há-de achar? (Cabaços: Alvaiázere).

Todas estas cantigas as ouvi do povo.

7Participantes ao mesmo tempo da forma de adágio e da de cantiga são uns versos que dei a lume nas Tradições Populares de Portugal, p. 256:

Homem sem barba,
Fala amulherada.
Muita festa para a festa,
Mais d’isso... nada!

os quais correspondem no sentido às cantigas.

  • 7 Vid. as citadas Trad. Pop. de Portugal, p. 256.

8De acordo com o que fica exposto, afirmam na Beira Alta que não nasce barba ao homem que faz meia, por isso ser ofício de mulher7. A afirmação é um pouco graciosa; funda-se porém no vivaz princípio mágico da analogia. A um homem desses chamam correntemente maricas.

  • 8 Martim Afonso de Miranda (séc. XVII), Tempo de agora, ed. de 1785, t. I, p. 182

9A velhice acrescenta ainda naturalmente mais honra às barbas: «não ouvistes dizer em quanta veneração se tinhão antigamente as cãs, e o caso que se fazia de humas barbas brancas e largas?»8. E assim representa a Arte ordinariamente os velhos. Cfr. p. 273.

  • 9 Vid. Boletín de la Academ. gallega, n.° 72, p. 290.

10A expressão barbas honradas, ou simplesmente barbas, toma-se pois sinónima ou quase sinónima de honra e de pessoa, como em espanhol (quer no plural, quer no singular). De barba, inteiramente no sentido de «pessoa», nos fala um provérbio galego: a barba do hòme || si o gana, tamén o come9.

11Vejamos agora a importância das barbas honradas. Ao pastor Jano diz Pierio na égloga 2.a de Bernardim Ribeiro (séc. XVI);

Por teu bem... te creça
A barba de honrado!

a p. 291 da ed. de 1785, e a p. 188 do vol. II da ed. de D. Carolina Michaëlis. Na Santarenaida, poema herói-cómico de P. Figueiredo, grita Vitorino num desafio:

... Se tem barbas,
... se é capaz, ponha-se em campo!

canto IV, p. 29 (Coimbra 1792). Mais recentemente, nos Mysterios de Fafe, de Camilo, fala do seguinte modo um campónio com a patroa: – Excellentissima senhora comadre, eu preciso saber se a minha filha me deshonra estas barbas: 5.a ed., p. 27. Dantes, quando se corria o galo em Tolosa (Alto Alentejo), dizia ele no testamento:

  • 10 Completei entre colchetes o que falta; pois quem me recitou os versos não sabia mais nada.

E as minhas barbas honradas
Deixo-as a quem as não tem,
Que sem elas não se pode
Chamar [honrado a ninguém]
10 .

12Em todo o caso, mais honra ha que a barba (Bluteau). Nem só pêlos da cara nobilitam o homem!

13Tanto se considera a barba como símbolo de nobreza de carácter, que uma vez ouvi uma mulher na rua a dizer para outra, em conversa: por vergonha das minhas barbas... A força do automatismo levou a mulher a aplicar a si própria uma expressão que rigorosamente convém só a homens.

  • 11 Vid. Fenix Renascida, III, mihi, p. 179
  • 12 Acerca do provérbio francês, vide o que diz o autor (anónimo) das Matinées sénonoises ou proverbes (...)
  • 13 Informação do Dr. Enrico Emilio Franco, director do Instituto de Patologia Geral e Anatomia da Univ (...)
  • 14 Portugal Medico, Lisboa 1726, p. 732, §§ 70 e 71.
  • 15 Wuttke, Der deutsche Volksaberglaube, Berlin 1900, §§ 15 e 20.
  • 16 Apud Adrião in Rev. Lusit. xix, 61
  • 17 Aos valetes, ou condes, concede-se simples bigode, quando muito, acompanhdo de pêra. São personagen (...)

14A ideia de honra, ligada de modo íntimo com a barba, pode tomar forma aparatosa: «uma barba povoada e bem penteada, lê-se in Panorama, I, 243, acrescenta a gravidade do aspecto, e, mais que tudo, dá grande expressão aos olhos». Barba longa e manto, ou pallium, eram insígnias de filósofos antigos, sobretudo dos estóicos, que pensavam ostentar desse modo severidade, e serem mais respeitados: vid. Forcellini, Lexicon totius latinit., s.v. «barba», e Otto, Sprichwörter der Römer, p. 53, nota. Ambos citam de Gellio, 9, 2: video barbam et pallium, philosophum nondum video, sentença que está representada em Jerónimo Bahia por a barba não faz monge11 (porque a barba era característica de alguns frades: cf. supra, cap. IV, p. 345 e 346), ou a que, se suprimir a barba, corresponde o nosso provérbio: o hábito não faz o monge, que tem paralelos noutras línguas: el hábito no hace al monje; l’habito non fa il monaco; l’habit ne fait pas le moine12. Da sentença latina transcrita acima existe uma variante pós-clássica: barbam alere non facit philosophum, que anda na boca dos estudantes italianos13. Transferindo a barba da cara dos filósofos para a dos médicos, pondera com graça Bernardo Luís de Abreu (séc. XVIII): «nesta nossa idade, já a barba crescida tem passado a ser signal evidente de medico falso, prezumido, & vangloriozo», e produz um trecho de Zacuto Lusitano no mesmo sentido, e uns versos latinos de Alciati vertidos do grego. O mesmo autor português acrescenta que a barba «devia ser o ornamento mais preciozo de hum varão sabio, visto que he judiciozo emblema de hum homem douto»14. Em Paris é praxe corrente e tradicional usarem barba os médicos. As próprias estátuas dos deuses se adornavam às vezes com barba: barba aurea, diziam os Romanos; e à que com imponência ostentavam monstros mitológicos e reis da Assíria fiz referência a p. 326, nota 4. Aos deuses germânicos Vótan, da tempestade, da floresta, da guerra, e Dónar, do trovão, atribuía-se também barba: àquele barba comprida, a este barba ruiva, cor do raio15. Descendo de tão alto a humildes estâncias, encontraremos em povos da nossa África tal veneração da barba, que uma que seja imponente decide por vezes a escolha de um homem para soba16. Nas cartas de jogar os reis são sempre representados com grandes barbas, por causa da majestade17. Cfr. também supra, p. 285.

15De outras maneiras se exprime socialmente a ideia de honra, manifestada na barba.

  • 18 Vid. Boletín de la Comis. de los mon. de Orense, iii, 168 (foral de Alariz: 1153-1154), 351 (de Rib (...)
  • 19 «da barba para cima», i. é, na cabeça, como expressamente se diz no foral galego de Alariz: in capi (...)
  • 20 «da barba para baixo», i. é, no resto do corpo, ou no corpo.
  • 21 Leges et Consuet., p. 423
  • 22 Barba está aqui com a acepção de «conjunto de barba», e não com a acepção translata de mento (vid. (...)
  • 23 Vid. também sobre isto L. Sommer, Das Haar in Relig. u. Aberglaub. der Griechen, Münster da Vestefá (...)

16Em forais galegos do séc. XII ordena-se que o vizinho que bater noutro desde a barba até aos pés, lhe pague sete soldos e meio18. A mesma disposição deve vir noutros de Espanha. No foral de Melgaço (1181), que é posterior aos forais galegos a que me refiro, há disposições semelhantes: siquis vicinus vicinum suum de barba superius19percusserit, XV solidus pariat; de barba inferius20, VII solidos et medium21. Porque é que se diz desde a barba? Porque é que se escolheu a barba como ponto de referência? É porque a barba, como sede da honra, é exteriormente a parte mais nobre do corpo humano22. Por isso na Ilíada, I, 502, Tétis, ao fazer uma súplica a Zeus, toca-lhe a barba com a mão direita (com a esquerda toma-lhe os joelhos)23.

  • 24 Lex Lang., 1. i, tit. vi, cap, iv: ap. Dict. d’archéol, chrét. de Cabrol & H. Leclercq, letra B, co (...)
  • 25 Publicados no Boletín de la Acad. de la Hist., XXXVII, 426 (§ 445).
  • 26 Isto é, metade da multa paga por homicídio.

17Arrancar a barba a alguém era grave vitupério, punido duramente pela lei, já desde Alta Antiguidade: cf. Otto e Forcellini, locis citatis. As expressões gregas e romanas a este respeito eram respectivamente: τόυ πώγωυα τίλλειυ τιυί, barbam alicui vellere. Uma lei de Rotarico (636-652), rei dos Langobardos, condenava aquele que nas altercações arrastasse pela barba ou pelos cabelos um homem livre: per barbam aut capillos traxerit24. De afronta feita a um homem livre por se lhe cortar a barba dá exemplos da Idade Média francesa (séc. XII) Violet-le-Duc, Dic. du mobilier, III, 191. Tivemos costumes análogos na Península Ibérica. Os Espanhóis chamam mesar a arrancar com a mão cabelos da cabeça ou pêlos da barba: verbo derivado de messum, que é o particípio passivo de metere, «segar», «cortar». O Cid vangloriava-se de nunca ninguém lhe haver mesado ou messado a barba, poema, vv. 2832 e 3186: vid. Pidal, Vocabulario do Cantar de Mio Cid, p. 498, que cita exemplos da legislação espanhola da Idade Média; o mesmo ilustre filólogo, Estudios literarios, Madrid 1920, pp. 121, 124, 131, lembra trechos concernentes ao assunto em romances populares e numa comédia. Pela minha parte aduzirei as Leges et Consuetudines: no foral de Freixo (de Espada Cinta ou à Cinta), do séc. XII, diz-se que, se alguém bater noutrem com as mãos aut mesar, aut cum pede, pectet 4 morabitinos, t. I, p. 380; nos Costumes da Guarda, do séc. XIII (ou anterior, t. II, p. 4, e no foral leonês de Castel Melhor, de 1209, t. I, p. 905, há disposições análogas. Em todos os casos mesar tanto pode referir-se às barbas como ao cabelo, ainda que nos Costumes da Guarda parece especificar-se melhor este. Referindo-se ao reinado de D. Manuel pondera o P.e Viterbo no Elucidario, t. I, I.a ed., p. 176, «que se reputava por uma injuria das mais atrozes, e da primeira cabeça, ainda só o arrancar, ou descompôr um só pelo da barba». Em vez de mesar ou messar (arrancar ou cortar), era não inferior insulto o puxar pela barba. Lê-se nos «Fueros ineditos de Viguera e Val de Funes», outorgados por D. Afonso o Batalhador, rei de Aragão, séc. XII25 :«si alguno tirare á otro por la barba ó por los cabeyllos ó con otra ferida lo echare en tierra, darlá de calonia medio homicídio26, sil fuere probado, e si non fuere con quereylla al seynnor».

  • 27 Variante zombeteira (pleonástica): «aqui só eu e o filho do meu pai!». Ou: «aqui só a mulher e o ba (...)
  • 28 Paralipomena, liv. I, cap. 19, § 4.
  • 29 Dict. des antiq. de Daremberg & Saglio, s.v. «barba»
  • 30 Acerca de acertar-se e arrancada veja-se o Elucidario de Vitebo.
  • 31 Informação do meu amigo Mário Saa.

18Não era somente injúria arrancar a barba a alguém, ou puxar por ela; era dano. Nas nossas aldeias, por exemplo, em Barroso, quando dois homens altercam entre si, ou enguedelham, grita um para o outro como ameaça: «ah seu barbas de chibo, que l’as arranco todas!». Mais atenuadamente diz tambem um indivíduo a quem outro tocou a cara: «tira lá a mão! aqui só eu e o barbeiro!»27. Pois que a barba significava virilidade e honra, e o arrancá-la ou cortá-la com violência constituía ofensa tão grave, não causará estranheza que os códigos penais escolhessem como punição de certos delitos fazer o mesmo aos criminosos, ou aos que se reputavam por tais. Hanão, rei dos Amonitas, julgando, por sugestão dos próceres, que os embaixadores que David lhe enviara para o consolarem da morte de Naás, seu pai, iam com intenções sinistras, mandou-os decalvar, e rapar-lhes a barba28. Em Esparta infligia-se aos cobardes a pena de se lhes cortar parte desta29. Como curiosidade literária transcrevo o seguinte do nosso Bernardes, Nova Floresta, t. V, I.a ed., p. 272: «Alexandre Magno, segundo refere Plutarco (in Teseu), mandava que os seus soldados ao entrar em batalha levassem a barba feita, porque não succedesse, que, ficando prisioneiros, o inimigo lha mandasse rapar, cousa então usada, e muy injuriosa». Na Idade Média estatuem os Costumes e foros de Castelo Bom, território outrora leonês, que «totus homo qui in lide se acertaret, et antequam se tornauerit de la arrancada aliquem expoliauerit aut aliquid rapuerit, perdat la racion, et mesent illi la barba», nas Leges et Cons., I, 76630; e noutro lugar: «toto caualero aut peon, quando audierit apelido et non fuerit trotando aut correndo et non exierit de uilla et de aldea priuado, – al peon messen la barba, et al caualero corten la cola al cauallo etc.», ib,. p. 782. Como eco do passado, conta-se na Figueira dos Barros, concelho de Avis, que o antigo senhor da herdade de Terrosa, quando alguns de seus criados cometiam certos delitos, lhes mandava, como castigo, fazer a barba em seco, isto é, sem água nem sabão31.

  • 32 Apud Dict. d’archéol. chrét., s.v. «barbe», col. 490.

19Por outro lado, cortar a barba ou o cabelo servia de símbolo jurídico da adopção nos Bárbaros (adopção de alguém como filho). Clóvis I (sécs. V-VI) enviou embaixadores a Alarico II († 507) para tratar da paz com ele, e pedir-lhe que lhe tocasse a barba (isto é, que a cortasse), e ficasse por este meio seu pai adoptivo32.

20Tão precioso documento de honra, como, segundo vimos, era a barba, devia servir, e serviu, para a execução de nobres actos sociais: dá-la em penhor e de aposta, e jurar por ela.

Fig. 124 Afonso de Albuquerque 2.° governador da Índia (1509-1515) (Cfr. p. 334)

Fig. 124 Afonso de Albuquerque 2.° governador da Índia (1509-1515) (Cfr. p. 334)
  • 33 Guilherme de Tiro, Historia bella sacriverissima, liv. XI, cap. II (servi-me da velha ed. de Basile (...)

21Numa aventura de Balduíno, conde de Edessa (depois Balduíno II, rei de Jerusalém, ߙ 1131), acontecida em Melitena com o sogro, de quem queria obter dinheiro, diz um dos seus companheiros de armas que ele empenhara a barba com tal condição, que se até certo dia não pagasse o soldo que devia aos soldados, ela lhe seria rapada: porquanto, acrescenta o cronista, mos est Orientalibus tam Graecis quam aliis nationibus barbas tota cura et sollicitudine nutrire, tendo-se por grande ignomínia, de acordo com o que se expôs acima, arrancar da barba de alguém um só pêlo que fosse33.

  • 34 Apud L. Bourdeau, Hist. de l’habillement, Paris 1904, pp. 244-245.

22Caso semelhante, quanto ao desfecho, conta o historiador italiano Paulo Jove (1485-1552): dois helenistas da época do Renascimento, que estavam em desacordo acerca do valor de certo ditongo grego, resolveram submeter a dúvida a um júri, apostando que o que saísse vencedor raparia a barba ao outro34.

23Entre nós menciona-se já no Cancioneiro Geral um acto de empenho da barba: na Farsa do Alfaiate, de Henrique da Mota, dos fins do séc. XV, ou inícios do xvi, diz Manuel, o alfaiate, por modo de jura, a D. João de Noronha:

Estas barbas vos empenho,
que valia d’hum çermenho
me nam fica por perder...

vid. III, ed. de Kausler. Facetamente diz no séc. XVII Jerónimo Bahia a um general espanhol vencido em Montes Claros:

Com barbas não torneis a Portugal;
E se para tirardes
As vossas de vergonha, cá tornardes,
Do grande Apollo as barbas vos empenho!

na Fenix Renascida, III (1718), 184. Superiores porém a tudo são os conhecidos empenhos de Afonso de Albuquerque (Fig. 124) e D. João de Castro (Fig. 125), no séc. XVI.

24O feito de Albuquerque é contado pela primeira vez, parece, por Fernão Lopes de Castanheda, Hist. do Descobrimento e Conquista da índia, Coimbra 1551, liv. III, cap. 155: um lascarim pede a Albuquerque algum soldo do que lhe deviam, e o governador entregou-lhe uns cabelos da própria barba, para que «buscasse dinheiro sobrelles, porque não tinha outro penhor que lhe dar». No séc. xvii refere-se a isto João Pinto Ribeiro, Elogio de D. João de Castro, Lisboa 1644, p. 73.

25Em 1898 Lopes de Mendonça, inspirado em Castanheda, põe as seguintes palavras na boca do governador da Índia:

E forçado a irmanar o esplendor que me abarba,
Ha dias empenhei tres pêlos desta barba...

  • 35 Quanto aqui digo de Albuquerque baseia-se no que o Sr. Lopes de Mendonça escreveu no Boletim da 2.a(...)

no drama Afonso de Albuquerque, acto III, cena IX. Por fim, em 1912 toma a versar o assunto o Dr. Sousa Pinto no seu livro Dom João de Castro, cap. V11135.

26D. João de Castro, desejando reedificar Diu, rogou à Câmara de Goa em 1546 lhe emprestasse vinte mil pardaus, também sobre alguns pêlos da barba. Este feito retumbou mais na literatura e na tradição do que o de Albuquerque. Logo no séc. XVI consagra Diogo Bernardes o soneto 144 das Flores do Lima «aos cabellos da barba, que D. João de Castro, Viso--Rey da índia, empenhou á cidade de Goa»:

Despojos do mais forte e valeroso
Capitão, que se vio em nossa idade...

a p. 107 da ed. de 1770. Faria e Sousa, Asia Portuguesa, pt. II (1674), cap. 3, § ii, e mais individualizadamente Jacinto Freire na Vida de D. João de Castro, liv. III, cap. 29, da ed. de 1671, pp. 244 ss., tornam a celebrá-lo. Outro Bernardes, o da Nova Floresta, ibidem, t. I (1706), pp. 328-329, repete Faria e Sousa, e borda de considerações morais a narrativa, considerando a barba sinal de animo viril. Cf. também o que em 1726 diz Brás Luís de Abreu no Portugal Medico, p. 731, § 69. No séc. XIX e XX não faltam notícias do feito em almanaques, enciclopédias, livros de história. Como a Câmara de Goa, confiada na fidalguia de Castro, respondesse com maior quantia que a pedida, e devolvesse as barbas, ficaram estas na família do herói até tempos modernos, recolhidas, como diz Freire, «em huma urna ou pyramide de cristal, assentada em huma base de prata»; ainda no Almanach de Lembranças de 1859, diz o Ab.e de Castro, p. 148, que elas se conservavam em poder do conde de Penamacor. Falta-me tempo para outras investigações.

Fig. 125 D. João de Castro 13.° governador da índia, e 4.° com o título de viso-rei (1545-1548) (Cfr. p. 334)

Fig. 125 D. João de Castro 13.° governador da índia, e 4.° com o título de viso-rei (1545-1548) (Cfr. p. 334)

27Aos nossos heróis da Índia o que minguava em dinheiro sobrava em guedelhas, mas guedelhas gloriosas, que, ainda decorridos vai para quatrocentos anos, como que enchem de orgulho o rosto dos netos!

  • 36 B. L. de Abreu, Portugal Medico, Coimbra 1726, p. 731, § 69. O imperador a que se refere será Oto ( (...)

28Passemos agora ao juramento. Do juramento pela barba no direito germânico, fala J. Grimm, Deutsche Rechtsaltertümer, cap. IV, 2.a ed., p. 146 (na 4.a ed., t I, p. 203). Carlos Magno, jurando, dizia: par ceste barbe qui al pis me ventèle: vid. Hist. poétique de Charlemagne de G. Paris, Paris 1905 (reprodução da edição de 1865), p. 349, onde reúne outros textos. Em La Fontaine, Fables, III, 5, faz o bode um juramento à raposa, e diz do mesmo modo par ma barbe! (Da barba de bode se falou acima, p. 315). «O Emperador Otto, escreve um autor nosso do séc. XVIII, tão cuidadozamente estimava a respeitada nutrição da barba, que nas couzas de mayor consequencia costumava jurar por ella, como se fosse uma divindade»36. Juramento análogo ao de Carlos Magno faz o Cid: vid. Grimm, loc. cit., e sobretudo Pidal, Vocabulario de Mio Cid, pp. 497-498. Na literatura portuguesa também colhi alguma coisa. Acerca de um fidalgo, de quem Pero Vaz era credor, faz Gil Vicente dizer a este:

Elle pôs desta maneira
A mão na barba e me jurou
De meus dinheiros pagá-los,

Obras, III, 216 (Auto dos Almocreves). A frase da Aulegrafia que citei acima, p. 269, par estas repas que me apontão, é também uma espécie de jura. No séc. XVII alude o supracitado Jerónimo Bahia rapidamente ao assunto, na Fenix Renascida:

Hum só cabello, que testemunhasse
Ter barba ali nascido
Para jurar por ella...

t. III, p. 182 (mihi). No Auto dos Três Reis Magos, original dum poeta analfabeto – «O Cego da Gorda» – natural de Palmeira, Esposende, fala Herodes:

Retira-te de mim miserável!
Juro-te por estes bigodes
Que brevemente saberás
Qual é a justiça de Herodes.

Mais abaixo, a uma informação do Embaixador, que diz que o Deus Menino é nascido, Herodes, irado, reponta em voz de estentor:

  • 37 Estes passos do Auto foram-me enviados pelo Sr. M. Boaventura, professor oficial na Palmeira, o qua (...)

Seja nascido ou não seja,
Suceda o que suceder,
Por estas barbas te juro
Qu’esse infante hade morrer37.

Vid. na Fig. 126 como e que à mente popular se apresenta o rei Herodes.

29Informou-me um indivíduo da Beira, já idoso, que nos dias da sua mocidade ouvia contar que dantes, quando se jurava pela barba, a fórmula do juramento era: juro por estas minhas barbas, e que ao mesmo tempo «se afagava a barba». Transportando para o campo da chalaça a ideia de juramento, não só o autor de Gaticanea (séc. XVIII) diz de si próprio: juro pelos bigodes do valeroso Maluco (cão), p. XIII da ed. de 1816, senão que afirma dos cães que figuram no poema:

  • 38 Esta figura foi extraída, um pouco ampliadamente, de um folheto de «cordel» intitulado Auto da Mort (...)

Fig. 126 O rei Herodes38

Fig. 126 O rei Herodes38

Fizeram pelas barbas juramento
De seguir do Maluco o nobre intento,

  • 39 Apud Chambers, Encyclopedia, s.v. «beard».
  • 40 Scilicet dança.
  • 41 Por arrematante dos impostos das barbas, creio.
  • 42 = siseira.

p. 18. – Fora dos povos indo-europeus há igualmente exemplo de se jurar pela barba: os muçulmanos juram pela sua e pela do Profeta39. – Não propriamente de juramento, mas de uma jura, fala uma anedota que a outro propósito foi transcrita no cap. I, p. 20. Também num folheto de cordel do séc. XVIII (embora sem data expressa), intitulado «Banquete das danças que para a sua40 das regateiras fravicou a Mestra Brazia Martins, rendeira das brabas41, cizeira42 do marisco, mestra das escamadeiras, e supertendente dos lava pexes: com huma relação curiosa dos milagres de sua vida», há outra jura, a p. 4, referindo-se às demais regateiras, fala assim:

  • 43 O folheto está, como se vê, escrito, em parte, em linguagem popular. – Sirvo-me de um exemplar que (...)

não me gabo, mas por estas,
que o que ellas dávum por vinte
eu vindia por sesenta43.

  • 44 Numa fórmula mágica suíça faz-se um conjuro par la barbe de nostre Seigneur Gesus Crit. Vid. Archiv (...)
  • 45 Vid. Dicc. de la Academia Gallega, I, 304.

30À importância e solenidade destes juramentos e juras44 contrapunha-se o mentir pola barba, como dizem os Galegos, isto é, mentir descaradamente45 .

  • 46 Devo ao meu amigo e colega Dr. António de Vasconcelos o conhecimento deste passo do livro de Roman.

31Quem jurava pela barba e a empenhava, e via no seu arrancamento um ultraje da própria honra, era natural que a utilizasse como sinal e parte de si para autenticar um documento. Escreve o P.e Viterbo, Elucidario, t. I, p. 176, I.a ed.: «no sec. xii se acham sellos de cera, e outras matérias, nos quais se misturavam algumas pontas da barba, como protestando pela ímmudavel firmeza do que na escritura se tratava». Em verdade, num documento de 1121, citado por Cheruel, Dict. hist. des institut, de la France, s.v. «barbe», lê-se: «j’ai apposé au présent écrit mon sceau avec trois poils de ma barbe (cum tribus pilis barbae meae)». Vid. também: Du Cange, Gloss., s.v. «barba»; e Roman, Manuel de Sigillographie française, Paris 1912, p. 2146.

  • 47 Aqui sabidor quer dizer pouco mais ou menos o mesmo que «feiticeiro». Cf. o que de sábio e sábia es (...)
  • 48 Sirvo-me da edição de E. Krapf, Vigo 1902, p. 155. Acerca das funções do conto cfr. A. Hilka in Lit (...)

32Paralelo de algum modo a isto é o emprego de pêlos da barba como feitiço, aplicado ao possuidor dela. Num conto de D. Juan Manuel (sécs. XIII-XIV), intitulado «De como un buen omne y su mujer fueron bueltos por dichos de una falsa mujer» (Conde de Lucanor), encontrarão os leitores especificado um caso. Trata-se de uma velha que por instigação do Diabo pretendia alterar a paz de dois esposos, dizendo a cada um que o outro lhe queria mal, e prometendo à mulher que arranjaria meio de o marido lhe querer bem. «Et la buena muyer, cobdiçiando buena vida con su marido, díxol quel plazia et que gelo gradesceria mucho. Et a cabo de vnos dias (a velha) díxol quel fallara vn omne muy sabidor47 et quel dixera que, si ouiera vnos pocos de cabellos de la barua de su marido, delos que estan so la garganta, que fazia conellos vna maestria que perdiese el marido toda la sana que auia della»48. Nas superstições portuguesas, tanto antigas como modernas, conheço o emprego de partes do corpo humano na preparação de feitiços: não especificadamente de pêlos da barba, mas de pontas de cabelo, o que dá na mesma. No séc. xvi o pastor Alejo, numa égloga de Sá de Miranda, em espanhol, lamenta-se de andar fora de si, sem saber ao certo porquê, e acrescenta:

Quizá de los mios cabellos
Debajo de mi portal
Me los pusieron, por tal
Que pasase ende sobre ellos,...

  • 49 Münster da Vestefália, 1912, pp. 84-85.
  • 50 Faiths and Folklore, I (Londres 1905), 297, col. I.
  • 51 Plínio, Nat. Hist., liv. xxviii, cap. 44: «veneficiis rostrum lupi resistere inveteratum (quando se (...)

vid. Poesias, ed. de D. Carolina Michaëlis, p. 100. Das superstições modernas lembrarei uma de Vila do Conde: feitiçaria feita em Quinta-Feira Santa com qualquer parte do corpo, cabelos, etc., e com outros ingredientes, nunca mais tem cura. Na expressão «qualquer parte do corpo, cabelos, etc.» cabe a barba. Do temor que tinham gregos e romanos de que se fizessem feitiços com cabelos, às vezes apanhados nas próprias lojas dos barbeiros, dá exemplos Ludwig Sommer no seu livro Das Haar in Religion u. Aberglauben der Griechen49. É superstição inglesa, corrente e antiga que, se se deita cabelo fora, e uma ave o apanha, isso se torna prejudicial ao dono do cabelo, principalmente sendo uma pega a ave50. A razão de tais superstições está num princípio mágico enunciado por Frazer, de que quando do corpo humano se separa uma parte, continua entre esta parte e ele a existir a mesma relação que quando unida: vid. Le rameau dor, I, 302, onde, no que respeita ao cabelo, reúne muitos exemplos comprovativos, colhidos na etnografia geral (nenhum porém da barba). – Talves eu possa aqui acrescentar que os Romanos se serviam do focinho do lobo e seus pêlos contra malefícios e como amuleto51.

  • 52 Vid. O Arch. Portug., xxii, 36.

33Como superstição conexa com a barba deverá considerar-se o dizerem os Transmontanos que Chelas (Mirandela) é a terra das barbas, pois existiu aí, segundo a lenda, uma velha que as fazia nascer imediatamente aos homens52, e o pensarem os Minhotos que uma mulher que fia uma estriga de linho no Carnaval fia as barbas do Entrudo, pelo que, quando alguma aparece com ela lha queimam: vide Ensaios Ethnographicos, III, 270. O Entrudo é aqui personificado; e efectivamente em Alenquer, no enterro do Entrudo, representa-se este na figura de um boneco de longas barbas de estopa, deitado como morto numa padiola, que vai, a modo de esquife, às costas de quatro homens. Nestas e noutras terras santificam-no: Santo Entrudo, Santo Antrudo, e já no Cancioneiro Geral, III, 647: pareçeis-me Santo Entruydo. Em espanhol San Antruejo, em Pidal, Estudios literarios, p. 313. No concelho de Seia queimam o Entrudo sob a forma de outro boneco de palha. Todos estes costumes constituem certamente ecos da antiga cerimónia mítica da expulsão do Inverno.

  • 53 Braga Barreiros in Revista Lusit., XIX, 96.
  • 54 Uma vez um juiz, a quem em Sexta-Feira Santa levaram um requerimento para despachar, despachou-o as (...)

34Outras superstições. Não se deve fazer a barba à terça-feira, porque anda o Diabo à solta, nem à sexta, porque nesse dia a fizeram os judeus a Nosso Senhor: assim dizem em Barroso53. O primeiro caso pertence ao quadro geral das superstições populares, de ser aziaga a terça-feira; o segundo tem outras correspondências analógicas, por exemplo, não escrever em Sexta-Feira Santa, por Pilatos ter assinado nesse dia a sentença de Cristo54.

35E não param aqui as relações que existem entre a barba e o sobrenatural.

  • 55 Cfr. ao mesmo tempo: Marquardt, La vie privée des Romzins, ii, 246; e A. Franz, Die kirchlichen Ben (...)

36Tanto os Gregos como os Romanos consagravam a certas divindades os pêlos da primeira barba que cortavam ou rapavam: vid. L. Sommer, Das Haar in Relig. und Aberglauben der Griechen, Münster da Vestefália, 1912, p. 26 ss., onde reúne muitos textos gregos e latinos. Quanto aos Romanos, em cuja língua a ablação da barba se dizia ponere ou deponere barbam, vid. também Forcellini, Lex. tot. latinit., s.v. «barba». O costume romano parece ter ido da Grécia para a Itália55. Uma das divindades, a quem os Romanos dedicavam os primeiros pêlos da barba cortada, tinha o significativo nome de Fortuna Barbata: vid. A. Franz, loco citato na nota 4.

37Com a festa romana da depositio barbae relaciona, e naturalmente, Du Cange, Glossar., e H. Leclercq, Dict. d’Archéol. chrét., um e outro s.v. «barba» ou «barbe», a cerimónia da bênção da barba, que se fazia nos mosteiros antigos, quando se tomava o hábito monástico: então o indivíduo que entrava na ordem cortava o cabelo e a barba (barbam tangebat), e nessa ocasião recitava-se uma fórmula, de que há várias versões nos rituais. Leclercq transcreve uma da igreja moçarábica, que ascenderá ao séc. VIII ou vii, e da qual aqui extraio os seguintes trechos:

  • 56 [Esta expressão é tirada do Livro dos Salmos de David, 132, 2].

38Antiph. Sicut unguentum a capite quod descendit in barbam, in barbam Aaron56, manda huic, Domine, benedictionem et vitam usque in seculum.

39Benedictio. Christe Domine, qui es caput in te credentium virorum: da unguentum verticis tui in barbam famuli tui cum tua gratia e benedictione decoris perfectionisque descendere Amen (ob. cit., s.v. «barbe»), Cf. também Du Cange, «barbae benedictio».

40O P.e Viterbo alude a este costume em documentos nossos do séc. XI: vid. Elucidário, t. I, 1798, p. 175 ss.; por esse tempo (1797), e independentemente de Viterbo, escreveu João Pedro Ribeiro uma carta ao arcebispo Cenáculo acerca de iguais costumes, publicada cem anos depois no t. I do Boletim de Bibliogr. Portug., p. 34. Os documentos a que ambos estes AA. se referem, redigidos na era de 1097 (= ano de 1059), não na de 1037, como por erro se imprimiu no Boletim, estão hoje patentes na íntegra aos estudiosos nos Diplom. et Ch., n.° 417 e 418. Deles consta que duas senhoras, chamadas respectivamente Bellita e Antilli, fizeram doação de certas propriedades a seu sobrinho Vellino, no dia da bênção da barba do mesmo, isto é, no dia em que se fez frade em Pendorada, o que coincidiu com a fundação da igreja do mosteiro. Já em 1882 me referi aos dois documentos nas Trad. Pop. de Portugal, p. 256. Acrescenta Viterbo, loc. cit., que «no Pontifical Romano se tem conservado até hoje o titulo de barba tondenda, com a bênção que o Bispo dava aos serventes e ministros do altar, na ocasião que pela primeira vez tosquiavam a barba».

  • 57 Apud Frazer, Le Rameau dor, i, 231 -232.

41Os actos religiosos, que acabamos de observar, de deponere, tangere e tondere barbam, um puramente pagão, os restantes já cristãos, derivados daquele, eram, segundo os casos, actos de júbilo, e por isso se acompanhavam de folganças ou de bênçãos. Creio que poderá emparelhar-se-lhes, posto que em esfera muito profana, e muito inferior, o costume coimbrão de quem submete a primeira barba à tesoura ou navalha do barbeiro pagar a patente, isto é, dar a este uma gratificação. Aqui patente, popularmente patenta, é expressão tirada da linguagem oficial, em algum dos sentidos que lhe dá o Diccionario de Morais. O rapaz que se barbeia pela primeira vez, – e não o fazia antigamente sem licença do pai, e sem este declarar ao barbeiro que a concedia (costume ainda agora vigente, por exemplo, na Estremadura, no Algarve, etc.) –, passa, por assim dizer, da adolescência à juventude: quase se torna, ou torna-se viril. Ora passar de um estado fisiológico ou de um estado social a outro originou por vezes cerimónias a que Van Gennep chama rites de passage, e a que consagrou um notável livro intitulado assim mesmo, e publicado em Paris em 1909. Se o A. conhecesse o costume de Coimbra, tê-lo-ia acaso incluído nos «ritos de primeira vez», de que fala a p. 249, ou mais particularmente a seguir ao de «cortar o cabelo», p. 238. Van Gennep faz referência à barba a p. 185, mas muito por alto. Entre nós paga-se a patente em várias circunstâncias: quando se vai a primeira vez a uma terra, ou a uma casa. Diz Bluteau, Vocabul., t. VI, p. 316: «Pagar patente entre estudantes he pagar o novato aos veteranos algũa merenda ou cea; applica-se a outros que entram de novo em algum congresso». Morais repete e amplia um pouco esta notícia, especificando os estudantes de Coimbra, e acrescentando, como também tenho ouvido, que até se um preso entra na cadeia a primeira vez tem que pagar aos outros um tanto para doces ou para outra coisa! Lá fora existem costumes parecidos. Em Bornéu, quando chega um estrangeiro, há-de pagar uma quantia destinada a um sacrifício de búfalos ou de porcos oferecidos aos espíritos da terra e da água para lhes apaziguar a cólera causada pela invasão da gente de fora e para que eles continuem a proteger os naturais57. Este costume asiático mostra que o nosso de pagar a patente foi provavelmente na origem religioso, degenerando, e generalizando-se depois.

42Para completar o que pretendi dizer do simbolismo da barba na vida social, sobretudo portuguesa, resta-me falar dela como sinal de penitência, desgosto, e especialmente luto.

  • 58 La vie privée des Romains, ii, 247-248. A Marco António e Augusto, representados nas moedas com bar (...)

43Naqueles povos ou naquelas épocas em que trazê-la cortada era moda corrente ou pelo menos apanágio da idade viril, deixá-la crescer significava luto, e concomitantemente desgosto. Assim acontecia, por exemplo, em Roma, pelo tempo de Cícero, e conforme parece, quer antes, quer depois, como declara Marquardt, que cita alguns exemplos de barba promissa, ou comprida, em personagens históricos, que tinham que manifestar luto pátrio, na qualidade de chefes políticos de partidos. O mesmo autor refere-se ao uso da barba comprida nos acusados e nos condenados58.

  • 59 P.e Viterbo, Elucidario, s.v. «barba».
  • 60 Vid. Lúcio de Azevedo, Os Christãos Novos, Lisboa 1922, p. II.

44Pelo contrário, os Hebreus antigos, visto que normalmente traziam barba crescida (vid. p. 326, n. 4), «só por occasião do maior sentimento, e afflicção appareciam em publico com a cara sem barba»59. Quanto aos Hebreus modernos, de Castela, existe uma pragmática de 1412, de Henrique III, que lhes proíbe barbearem-se e cortarem o cabelo, como os cristãos: «em lugar de barba cortada, trazemo-la crescida, como por dó», exclama Salomão Alami60.

45O Cid, «con pena que sentia por vivir desterrado, hizo voto de no meter tijera en su barba, y siguió con la barba intonsa, aun después de reconciliado con el rey, sin duda porque seguia viviendo fuera de Castilla», observa Pidal, Cantar de Mio Cid, Vocabulario, p. 495, que cita outros exemplos de barba por fazer, como prova de dor, colhidos na literatura espanhola.

  • 61 Vid. Herculano, Hist. de Portugal, 5.“ col., II, 374. – Nesta época usava-se entre nós barba toda ( (...)

46Em Portugal dá-nos a história um exemplo de barba crescida na penitência imposta pelo papa ao príncipe de Serpa (séc. XIII), por desmandos cometidos por este61. E toda a gente ouviu também falar do Barbadão, isto é, de Pedro Esteves, pai de Inês Pires, da qual D. João I, por 1370, teve D. Afonso, tronco da casa de Bragança. Vid. Sousa, Hist. Genealogica, II, 49, 56-57, e V, 5. Conta-se que a alcunha de Barbadão nascera de ter Pedro Esteves deixado crescer a barba pelo pesar que a filha lhe causara com a sua falta: Hist. General., II, 49, explicação que já se dava no séc. XVI: ob. cit., V, 51-52. Sousa produz outros exemplos da alcunha de Barbadão ou Barbarrão, vol. II, p. 50. «Esta denominação de Barbadão ou Barbarrão era apelido». Pinheiro Chagas, que menciona a alcunha de Barbadão no Dicc. Popular, III, 95 (sem porém citar a Hist. Genealogica, de que se serviu), informa que esta tradição dera origem a vários romances e dramas, entre eles, como mais notável, a Herança do Barbadão, drama de António Pereira da Cunha (1848).

  • 62 Não sei qual é a forma mais antiga da palavra Barbadam, se for com -om, temos nela um aumentativo d (...)
  • 63 Foi o Sr. Pedro de Azevedo que me chamou a atenção para este passo.

47Dois séculos depois do que aconteceu ao Barbadão62, diz-nos Castanheda, Hist. do Descobr. e Conq. da India, II (1552), 200, o seguinte: D. Francisco de Almeida, estando na Ásia, e determinando tirar o dó que trazia pela morte de seu filho D. Lourenço de Almeida, fez um discurso aos capitães e principais da frota, concolando-os pelas perdas de alguns parentes e amigos, e rogou a todos que o tirassem também, pois já estavam vingados dos desgostos sofridos, e acrescentou que fizessem as barbas63. Daqui se conclui que as haviam deixado intonsas por luto. D. Francisco de Almeida governou a Índia na qualidade de viso-rei ou vice-rei, de 1505 a 1509.

  • 64 Apud Adrião in Rev. Lusit., XIX, 62.

48Quando morreu el-rei D. Manuel (1521), determinou-se aos barbeiros, como manifestação pública de tristeza, que durante seis meses não barbeassem ninguém, nem cortassem cabelos64.

  • 65 Trad. Pop. de Portugal, p. 242.
  • 66 Rev. Lusit., XIX, 80 (artigo de B. Barreiros).
  • 67 Informação do Dr. Manuel Heleno, conservador do Museu Etnológico.
  • 68 Informação do Sr. José Paulo Pereira, da Associação dos Arqueólogos do Carmo.
  • 69 A Vila, IV, 39.
  • 70 Há outros costumes que eu poderia talvez referir no fecho do presente capítulo, por exemplo, o jogo (...)

49Em tempos mais recentes continua a barba a ser entre nós barómetro de sentimento. A Camilo, que particulariza tantos pormenores da etnografia nacional, não escapou também este: do morgado de Quadros, fidalgo miguelista, que figura na Brasileira de Prazins, diz ele, p. 74, que desde a convenção Évora Monte (1834) não tornara a cortar as barbas. Por todo o Portugal se observam ainda agora factos semelhantes, sobretudo por causa de falecimento de pessoas de família: em Famalicão, por exemplo, os doridos ficam um mês sem fazer a barba65; em Fronteira três meses (como lá ouvi); em Barroso pelo menos um ano (os viúvos)66; em Monte Real (Leiria), de quinze dias a quatro meses, conforme o grau de sentimento, e conforme o parentesco67; no Jarmelo (Guarda) três meses (os viúvos)68. Em V. Nova de Cerveira, mais ou menos tempo, também consoante a paixão de cada um (assim me lá informaram); em Jolda, Arcos de Valdevez (onde mo disseram), quando morre pai ou mãe, o filho deixa crescer a barba um mês todo, e quando morre a mulher, o viúvo, se tem muito sentimento, faz o mesmo. A respeito de Vila Franca do Campo (Açores) escreve o Dr. Urbano de Mendonça Dias69: «é costume e muito antigo em todas as classes não se fazer a barba nos primeiros tempos de luto; e este uso é tanto mais prolongado, quanto mais próximo é o parentesco da pessoa, chegando mesmo viúvos a não mais fazerem a barba desde o falecimento da sua companheira, devendo-se notar, porém, que continuam a cortar o cabelo da cabeça, do mesmo modo e feitio que tinham e usavam, – que o luto é só na barba»70.

Notes

1 Cfr.: A. de Gubematis, Mythologie zoolog., ii, 243 ss.; e Otto Keller, Die antike Tierwelt, II (Leipzig 1913), 63-67.

2 No cap. III vimos que à barba que nasce no mento do homem se atribuiu o nome de um fruto (pêra).

3 Vid. a respeito de Portugal: Adolfo Coelho, Cantos Popul., n.° 12, e um artigo in Rev. Scientif. (do Porto), pp. 524-525; T. Braga, O Povo Portuguez, II, 81; e as minhas Trad. Pop. de Portugal, § 284. A respeito de outros países, por exemplo: De Gubernatis, ob. cit., II, 467- -468 (índice); O. Keller, ob. cit., ii, 62-67; E. Rolland, Faune pop., t. II; Sébillot, Folklore de France, IV, 443 (índice); Riegler, Das Tier im Spieg. der Sprache, 1907, p. 124-129; Liebrecht, Zur Folksk., 1897, 1879, p. 332-361; Wuttke, Der deutsche Volksaberglaube, 1900, p. 514 (índice); Sartori, Sitte und Brauch, ii (Leipzig 1911), 21.

4 Obras, ed. de Hamburgo, III, 168-169.

5 Esta cantiga colhi-a em Vila Franca do Campo (Açores), e é paralela ao ditado de Boticas, transcrito antes. Cf. também Adrião in Rev. Lusit., XIX, 60.

6 Colhi-a no Faial. Em vez de caso, a pessoa que ma ditou, disse causa (quereria dizer causo, como no Continente se diz algures, e como já vem num doc. do séc. XVI: vid. Bolet, da 2.° Cl. da Acad. das Sc., IV, 135).

7 Vid. as citadas Trad. Pop. de Portugal, p. 256.

8 Martim Afonso de Miranda (séc. XVII), Tempo de agora, ed. de 1785, t. I, p. 182

9 Vid. Boletín de la Academ. gallega, n.° 72, p. 290.

10 Completei entre colchetes o que falta; pois quem me recitou os versos não sabia mais nada.

11 Vid. Fenix Renascida, III, mihi, p. 179

12 Acerca do provérbio francês, vide o que diz o autor (anónimo) das Matinées sénonoises ou proverbes françois, Paris 1789, pp. 243-246.

13 Informação do Dr. Enrico Emilio Franco, director do Instituto de Patologia Geral e Anatomia da Universidade de Lisboa.

14 Portugal Medico, Lisboa 1726, p. 732, §§ 70 e 71.

15 Wuttke, Der deutsche Volksaberglaube, Berlin 1900, §§ 15 e 20.

16 Apud Adrião in Rev. Lusit. xix, 61

17 Aos valetes, ou condes, concede-se simples bigode, quando muito, acompanhdo de pêra. São personagens amilitarados.

18 Vid. Boletín de la Comis. de los mon. de Orense, iii, 168 (foral de Alariz: 1153-1154), 351 (de Ribadavia: 1164), 396 (Bonoburgo: 1169).

19 «da barba para cima», i. é, na cabeça, como expressamente se diz no foral galego de Alariz: in capite.

20 «da barba para baixo», i. é, no resto do corpo, ou no corpo.

21 Leges et Consuet., p. 423

22 Barba está aqui com a acepção de «conjunto de barba», e não com a acepção translata de mento (vid. supra, p. 267, nota 1). De contrário, não se compreenderia que se escolhesse o mento, e não outra parte do rosto, ou o pescoço.

23 Vid. também sobre isto L. Sommer, Das Haar in Relig. u. Aberglaub. der Griechen, Münster da Vestefália 1912, pp. 13-16.

24 Lex Lang., 1. i, tit. vi, cap, iv: ap. Dict. d’archéol, chrét. de Cabrol & H. Leclercq, letra B, col. 487. Cf. já Du Cange, Gloss., s.v. «barba»

25 Publicados no Boletín de la Acad. de la Hist., XXXVII, 426 (§ 445).

26 Isto é, metade da multa paga por homicídio.

27 Variante zombeteira (pleonástica): «aqui só eu e o filho do meu pai!». Ou: «aqui só a mulher e o barbeiro!». Informação de Luís Saavedra Machado, aluno da Faculdade de Letras.

28 Paralipomena, liv. I, cap. 19, § 4.

29 Dict. des antiq. de Daremberg & Saglio, s.v. «barba»

30 Acerca de acertar-se e arrancada veja-se o Elucidario de Vitebo.

31 Informação do meu amigo Mário Saa.

32 Apud Dict. d’archéol. chrét., s.v. «barbe», col. 490.

33 Guilherme de Tiro, Historia bella sacriverissima, liv. XI, cap. II (servi-me da velha ed. de Basileia, 1564, existente na Biblioteca da Academia das Ciências). Este trecho foi já citado por Du Cange, s.v. «barba».

34 Apud L. Bourdeau, Hist. de l’habillement, Paris 1904, pp. 244-245.

35 Quanto aqui digo de Albuquerque baseia-se no que o Sr. Lopes de Mendonça escreveu no Boletim da 2.a Cl. da Acad. das Sc., VI (1913), 260 ss., num artigo intitulado «As barbas dos heroes indiaticos»; mas tive presentes todas as obras citadas acima. – Menéndez Pidal, Vocabul. do «Cid», p. 497 (-498), nota 2, cita um passo de Hinard respeitante ao assunto de que me estou ocupando, mas vê-se do contexto que este autor confundiu Albuquerque com Castro.

36 B. L. de Abreu, Portugal Medico, Coimbra 1726, p. 731, § 69. O imperador a que se refere será Oto (ou Otão) I. Apoia-se em Cuspin., lib. 3, cap. 8 (João Cuspiano, séc. XVI?).

37 Estes passos do Auto foram-me enviados pelo Sr. M. Boaventura, professor oficial na Palmeira, o qual me disse mais o seguinte: «Chamo-lhe original, mas suponho que é cópia, com modificações apenas, feita por um certo = Cego da Gôrda =, que ainda conheci, e que passava por ser poeta-repentista». – O Auto dos Reis Magos está bastante propagado na literatura de cordel, e já acima, p. 285, me referi a uma peça do mesmo ciclo.

38 Esta figura foi extraída, um pouco ampliadamente, de um folheto de «cordel» intitulado Auto da Morte e Payxam de N. S. Jesu Christo, Lisboa 1790, p. 26. Este auto teve muitas edições (vid. A. Forjaz de Sampaio, Teatro de Cordel, Lisboa 1920, n.° 58), mas nem em todas se vê esta figura.

39 Apud Chambers, Encyclopedia, s.v. «beard».

40 Scilicet dança.

41 Por arrematante dos impostos das barbas, creio.

42 = siseira.

43 O folheto está, como se vê, escrito, em parte, em linguagem popular. – Sirvo-me de um exemplar que existe na Biblioteca da Universidade de Coimbra, onde o consultei.

44 Numa fórmula mágica suíça faz-se um conjuro par la barbe de nostre Seigneur Gesus Crit. Vid. Archives suisses des trad. pop., X, 49.

45 Vid. Dicc. de la Academia Gallega, I, 304.

46 Devo ao meu amigo e colega Dr. António de Vasconcelos o conhecimento deste passo do livro de Roman.

47 Aqui sabidor quer dizer pouco mais ou menos o mesmo que «feiticeiro». Cf. o que de sábio e sábia escrevi no Archeologo Portug., XXIII, 234, nota I, a propósito do signum Salomonis.

48 Sirvo-me da edição de E. Krapf, Vigo 1902, p. 155. Acerca das funções do conto cfr. A. Hilka in Literaturblatt f. germ. u. roman. Philologie, 1919, col. 310-311.

49 Münster da Vestefália, 1912, pp. 84-85.

50 Faiths and Folklore, I (Londres 1905), 297, col. I.

51 Plínio, Nat. Hist., liv. xxviii, cap. 44: «veneficiis rostrum lupi resistere inveteratum (quando seco), obdique villarum portis praefigunt». Horácio, Sátir., i, 8, 42, diz expressamente: lupi barbam.

52 Vid. O Arch. Portug., xxii, 36.

53 Braga Barreiros in Revista Lusit., XIX, 96.

54 Uma vez um juiz, a quem em Sexta-Feira Santa levaram um requerimento para despachar, despachou-o assim: responda Pilatos!

55 Cfr. ao mesmo tempo: Marquardt, La vie privée des Romzins, ii, 246; e A. Franz, Die kirchlichen Benediktionen in Mittelalter, ii, (1909), 253-257.

56 [Esta expressão é tirada do Livro dos Salmos de David, 132, 2].

57 Apud Frazer, Le Rameau dor, i, 231 -232.

58 La vie privée des Romains, ii, 247-248. A Marco António e Augusto, representados nas moedas com barba, em sinal de luto pela morte de César, se refere Babelon, Moedas da Republica Rom., I, 161, 168 II, 560.

59 P.e Viterbo, Elucidario, s.v. «barba».

60 Vid. Lúcio de Azevedo, Os Christãos Novos, Lisboa 1922, p. II.

61 Vid. Herculano, Hist. de Portugal, 5.“ col., II, 374. – Nesta época usava-se entre nós barba toda (vid. supra, p. 328); mas há-de entender-se que era por vezes aparada, ao passo que na penitência imposta ao príncipe ela devia ficar completamente intonsa.

62 Não sei qual é a forma mais antiga da palavra Barbadam, se for com -om, temos nela um aumentativo de barbado, se porém for paralela a Barbadam, em Petrus Barbadam, que figura na acta do concílio celebrado em Oviedo em 1115 (vid. Leges et Consuet., p. 141), talvez o étimo esteja em barba d’Adam, pois é tradição antiga (cfr. Encyclopaedia Britan., III, 9.a ed., p. 462) que o pai da humanidade tinha barba.

63 Foi o Sr. Pedro de Azevedo que me chamou a atenção para este passo.

64 Apud Adrião in Rev. Lusit., XIX, 62.

65 Trad. Pop. de Portugal, p. 242.

66 Rev. Lusit., XIX, 80 (artigo de B. Barreiros).

67 Informação do Dr. Manuel Heleno, conservador do Museu Etnológico.

68 Informação do Sr. José Paulo Pereira, da Associação dos Arqueólogos do Carmo.

69 A Vila, IV, 39.

70 Há outros costumes que eu poderia talvez referir no fecho do presente capítulo, por exemplo, o jogo inglês da barba, ou mais exactamente do beaver (castor), porém não conheço nada do folclore de Portugal com que isso pudesse comparar-se. De usarem outrora alguns fidalgos miguelistas barba comprida, como símbolo político, por assim a usar então D. Miguel no exílio (vid. Fig. 90, p. 345), não falei no texto, visto ser isso caso acidental, e não geral. À mesma categoria pertence o que diz Afonso de Bragança nas Amostras sem Valor, Figueira da Foz, 1921, acerca da influência da pêra na «ministeriagem».

Table des illustrations

Titre Fig. 124 Afonso de Albuquerque 2.° governador da Índia (1509-1515) (Cfr. p. 334)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4485/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 125 D. João de Castro 13.° governador da índia, e 4.° com o título de viso-rei (1545-1548) (Cfr. p. 334)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4485/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 126 O rei Herodes38
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4485/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 45k

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search