Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Barba em Portugal

Capítulo IV a barba no decurso dos tempos

Texte intégral

Sumário
A barba na Península Ibérica nos períodos pré-histórico, proto-histórico, romano e visigótico • A barba em Portugal propriamente dito, desde a Idade Média até hoje: uso da barba, desde o séc.
xii até ao tempo de D. Fernando; barba cortada, desde esse reinado e do reinado seguinte até fins do séc. XV e começos do XVI; outra vez barba toda no séc. xvi; usos vários no séc. XVII, e bigode e pêra concomitantemente com cabeleira; a cara torna a rapar-se na segunda metade do séc. XVII, e continua, com a cabeleira, até ao séc. XVIII; modas do séc. XIX e XX, segundo a realeza e as classes sociais (eclesiástica, militar e civil).

1Pensou primeiro o autor em iniciar o presente capítulo com uma resenha da história geral da barba, que servisse de intróito ao que vai dizer desta em Portugal: mas como isso o levaria longe de mais, e nem tudo conviria ao assunto, desistiu do intento, e apenas porá aqui umas linhas, na mor parte relativas à arqueologia ibérica.

  • 1 Vid. Obermaier & Wernet, Pinturas de Valtorta (publicação da Junta para ampliación de estudios), Ma (...)
  • 2 Vid.: Berlanga in Rev. Archeologica de Borges de Figueiredo, II (Lisboa 1888), 37; e D. Antonio Viv (...)
  • 3 Vid. D. Antonio Vives, Estudios de Arqueologia cartag. (cit. na nota anterior), p. 156, n.° 968, es (...)
  • 4 As figuras ibéricas de bigode afastam-se do uso que se nota em muitos monumentos do Egipto, Canaã, (...)
  • 5 Acerca dos guerreiros lusitanos vid.: Religiões da Lusitania, III, 43 ss.; e F. Alves Pereira in O (...)

2Em desenhos rupestres de Valtorta (Castellón), procedentes do período pré-histórico que os arqueólogos chamam «paleolítico superior», figuram homens em cujo mento parecem descobrir-se pêlos1. A tempo posterior pertence um sarcófago antropóide de Cádis, fenício ou greco-fenício, em cuja tampa se representa um carão de ampla barba e bigode2, e pertencem várias figuras cartaginesas da ilha de Iviça, também barbadas, ora com bigode, ora, ao que parece, sem ele3. O sarcófago provém de um período que ficará compreendido entre os séculos X e VII a. C.; as figuras, de um período compreendido entre o século VII (ou VI) e o 1114. A Portugal pertence um curioso e bárbaro bronze (talvez insígnia), que obtive em 1906 no alfoz de Alenquer, e hoje pertence ao Museu Etnológico: Fig. 55, que nos mostra um homem que segura à cabeça com as mãos um vaso ou cesto, e a par com rosto largo, maçãs salientes, nariz achatado, lábios grossos, usa barba comprida e pontaguda, formada de pêlos rígidos. Conquanto não possa marcar-lhe data precisa, julgo-o proto-histórico, isto é, da época do ferro, e paralelo a tantos outros de que no Essai sur l’Art, do Sr. Pierre Paris, e nas Religiões da Lusitania, t. II, se publicaram amostras. Há igualmente barba em algumas das estátuas funerárias proto-históricas de guerreiros lusitanos (vid. uma amostra na Fig. 56, meio corpo: Museu Etnológico)5, e no argentum oscense de que se falou no cap. I, Fig. 1. Na época romana o uso da barba variou conforme os tempos.

Fig. 55 Figura lusitana de bronze do Museu Etnológico Português

Fig. 55 Figura lusitana de bronze do Museu Etnológico Português

Fig. 56 Estátua lusitana do Museu Etnológico Português

Fig. 56 Estátua lusitana do Museu Etnológico Português
  • 6 Vid. acerca da barba nos Romanos: Dict. des Antiq., já cit., s.v. «barba»; Dict. des antiq. chrét., (...)

3Os Romanos mais remotos deixavam crescer a barba. Os escritores posteriores chamam-lhes barbati. Cícero, Pro Sestio, 19, para se referir a homens de então, escreve: unus aliquis ex barbatis illis. Por 300 a. C., apareceu pela primeira vez um barbeiro em Roma, ido da Sicília, e entrou em uso a navalha (novacula) e a tesoura (forfex). cfr. cap. ii, p. 288. Cipião Emiliano (séc. ii a. C.) passa por ter sido o primeiro romano que se barbeou. Pelo tempo de Cícero, e como parece, quer antes, quer depois, só os rapazes traziam barba cortada com elegância, sendo os homens de 40 anos, ou mais, os únicos que se barbeavam; barba comprida só em certas circunstâncias se usava, como luto, etc., ao que tornará a aludir-se no cap. V. O imperador Adriano (117-138) usou barba cerrada, moda seguida pelos seus sucessores, quase sem excepção, até Caracala. De Caracala (211-217) em diante, uns usam-na, outros não, e tanto menos quanto mais se aproxima o tempo de Constantino. Este imperador (306-364) rapou-se, e depois dele nenhum dos sucessores, com excepção de Juliano (361- -364), tornou a usar barba até Maurício, imperador grego ( ߙ 4602)6. Segundo o que assim fica exposto, é provável que pertença ao século I da era cristã o retrato sem barba que se gravou n’O Arch. Port., VII, 243 (cfr. VIII, 165), aparecido em Beja; e ao séc. II a cabeça barbada do santuário de Endovélico, publicada nas Religiões, II, 144, e reproduzida aqui, Fig. 57, de um desenho.

  • 7 Vid. Florez, Medallas, III, 269, que cita a D. Antonio Agustín, Dialogos; Campaner y Fuertes, Indic (...)
  • 8 vid. g. paris, hist. poétique de charlemagne, paris, 1905, p. 349.

4Em moedas do séc. VII, de reis visigóticos da Hispânia, de Chintilo, e Tulga, cunhadas em Córdova, e de Ervígio, cunhadas em Toledo, há bustos barbados, como sinal de autoridade, ou por moda7. Compare-se com isto o elogio que a epopeia francesa tece ao tamanho das barbas de Carlos Magno, rei dos Francos, e imperador cristão do Ocidente (sécs. viii-ix)8.

Fig. 57 Monumento do templo de Endovélico hoje no Museu Etnológico Português

Fig. 57 Monumento do templo de Endovélico hoje no Museu Etnológico Português

5Feita esta breve introdução, em que chegámos à Idade Média, passemos ao uso da barba em Portugal.

6De afirmar Vilasboas na Nobiliarchia, Lisboa 1676, p. 6, que D. Fernando, falecido em 1383, foi o primeiro que cá se barbeou, infere-se que até então se usava entre nós trazer barbas. Embora no Panorama, II, 413, se repita aquela notícia, tinha-se dito no vol. I, p. 243, que o uso de barbas se prolongara até ao tempo de el-rei D. Duarte «em cujo reinado (1433-1438) parece que as traziam só os que eram militares, e os que andavam de luto».

7Fosse como fosse, é certo que em várias esculturas anteriores a D. Fernando vemos personagens barbados, e que não só algumas moedas daquele soberano, quer por cópia da realidade, quer por imperfeição de cunhagem, no-lo mostram sem barbas, mas também do reinado seguinte, até fins do séc. XV e começos do XVI, temos exemplos de indivíduos, ou igualmente sem barba, ou não de todo barbados.

Fig. 58 Conde D. Hermenegildo, séc. XII (Museu Municipal do Porto)

Fig. 58 Conde D. Hermenegildo, séc. XII (Museu Municipal do Porto)

Fig. 59 Do túmulo de Egas Moniz, séc. XII

Fig. 59 Do túmulo de Egas Moniz, séc. XII
  • 9 Devo ao Dr. Pedro Vitorino, conservador do Museu do Porto, e muito sabedor e apreciador de assuntos (...)

8Personagens barbados do séc. XII são, entre outros, os seguintes: um, que se representa num fragmento de estátua jacente do Museu Municipal do Porto, respectiva ao conde de Tui, D. Hermenegildo, cuja mulher fundou o mosteiro de Pademe, no concelho de Melgaço (barba inteira, arredondada no queixo), Fig. 58; outro, que faz parte do séquito de Egas Moniz no seu túmulo de Paço de Sousa (barba partida a meio), Fig. 59; outro, que passou à posteridade numa estátua sepulcral do mosteiro de Pombeiro, no concelho de Felgueiras (barba pontaguda), Fig. 60; outro, finalmente, que figura num capitel românico da primitiva fábrica da matriz de Amorim (Póvoa de Varzim), capitel que está também hoje no Museu do Porto, Fig. 61: o personagem mostra triunfantemente com a mão esquerda uma cabeça de mouro, que ele decepara com a espada que segura na dextra9. – Ainda que o primeiro túmulo é de um conde galego, não hesitei em o incluir aqui, pois que então Galiza e Portugal eram etnograficamente quase um só povo.

Fig. 60 De um túmulo do Mosteiro de Pombeiro, séc. XII

Fig. 60 De um túmulo do Mosteiro de Pombeiro, séc. XII
  • 10 Acerca destes túmulos vid. Dr. António de Vasconcelos in O Instituto, XLII, p. 6 ss., e 68 ss.
  • 11 Informação epistolar do Dr. A. de Vasconcelos, citado na nota anterior.

9Nas Figs. 62 e 63, temos dois túmulos da Sé Veha de Coimbra onde foram sepultados os bispos D. Tibúrcio, falecido em 1246, e D. Estêvão, falecido em 1318. Ambos eles se representam deitados (estátuas jacentes), de barba inteira, não porém muito comprida, e mitra na cabeça, aquele de mãos cruzadas sobre o peito, este encostado ao báculo10. Na mesma Sé existe um terceiro túmulo de bispo barbado, D. Egas Fafes (1247-1268), nos sulcos de cujas barbas se divisam restos de tinta verde, o que nos indica que a estátua foi policromada11.

10À Sé de Lisboa pertence o túmulo aqui figurado com o n.° 64: de Lopo Fernandez Pacheco, senhor de Ferreira, mordomo-mor do infante D. Pedro, e chanceler da rainha D. Beatriz ou Brites (mulher de D. Afonso IV), falecido em 1349, o qual tem barba comprida e encaracolada.

Fig. 61 Cristão e mouro, séc. XII (Museu Municipal do Porto)

Fig. 61 Cristão e mouro, séc. XII (Museu Municipal do Porto)
  • 12 D. Afonso está sepultado no Mosteiro de Santa Clara de Vila do Conde: vid. Mgr. Ferreira, Vila do C (...)

11Dois filhos de D. Dinis, de que existem ainda os túmulos, D. Afonso Sanches († 1329), e o conde de Barcelos († 1354), estão representados na tampa deles com barba inteira: vid. o primeiro na Fig. 6512.

  • 13 Inês de Castro, Lisboa 1880, de F. Fonseca, F. Simões e Simões de Castro: vid. p. 38.
  • 14 Cronica de El-Rei D. Pedro, nos Ineditos da Acad., t. IV, cap. XI, p. 29. – O cronista refere-se a (...)

12Da estátua tumular de D. Pedro I (ߙ 1367), existente em Alcobaça, escreve Filipe Simões: «a barba e bigode, frisados, dividem-se em partes encaracoladas. Este costume, que já tinham os monarcas sassanidas da Persia, continuou até ao sec. XIV, pelo menos, nas estátuas sepulcrais, pois se observa n’outros monumentos de Hespanha»13. Propriamente o rei tem barba inteira. Apesar da observação de Filipe Simões, as feições indicadas na estátua alcobacense coincidem com as que se viam em moedas de ouro chamadas dobras, de que hoje não se conhece exemplar nenhum, mas que Fernão Lopes conheceu: o rei estava figurado nelas «com barvas nas faces»14.

Fig. 62 (vid. p. 329) Túmulo do bispo D. Tibúrcio, séc. XIII (Sé Velha)

Fig. 62 (vid. p. 329) Túmulo do bispo D. Tibúrcio, séc. XIII (Sé Velha)

Fig. 63 (vid. p. 329) Túmulo do bispo D. Estêvão, séc. XIV (Sé Velha)

Fig. 63 (vid. p. 329) Túmulo do bispo D. Estêvão, séc. XIV (Sé Velha)

Fig. 64 (vid. p. 330) Túmulo de Lopo Fernandez Pacheco, séc. xiv (Sé de Lisboa)

Fig. 64 (vid. p. 330) Túmulo de Lopo Fernandez Pacheco, séc. xiv (Sé de Lisboa)

Fig. 65 (vid. p. 330) Túmulo de D. Afonso Sanches

Fig. 65 (vid. p. 330) Túmulo de D. Afonso Sanches

13Vejamos personagens não barbados:

  • 15 O Sr. Ferreira Braga, como me disse oralmente, põe em dúvida a autenticidade do tornês n.° 33, por (...)
  • 16 Crónica de D. João I, cap. 49 (ed. de Braamcamp Freire).

14As moedas de D. Fernando, a que se aludiu a p. 328, nas quais o rei se mostra sem barba, são as dobras pé-terra e gentis, e os torneses e meios torneses: vid. os n.os 1 a 3, 33 a 36, e 37-38 da Est. vii das Moedas de Portugal de Aragão15. Também há uma classe de moedas do mesmo rei com o nome de barbudas ou barvudas; mas, com quanto a palavra barbuda venha de barba, nada aqui tem com o nosso caso, pois significou originariamente, como diz Fernão Lopes16, «bacinete», isto é, uma das peças de armadura que defendiam a cabeça, e depois aplicou-se às moedas, por terem representada uma barbuda no anverso.

Fig. 66 Condestável D. Nuno Alvares Pereira

Fig. 66 Condestável D. Nuno Alvares Pereira

15Do tempo de D. João I é o Barbadão, que devemos supor não costumava usar barba, e só por desgosto a deixou crescer, como se dirá no cap. V.

  • 17 Conde de Sabugosa, Paço de Cintra, p. 25. Refere-se à Crónica de D. Duarte, cap. I.
  • 18 Vid.: uma gravura do túmulo da Batalha em Vilhena Barbosa, Monumentos de Portugal, p. 37; e acerca (...)
  • 19 Vid. Vilhena Barbosa, Monum. de Portugal, p. 487.
  • 20 Cfr. Vida do Beato Nuno A. Pereira pelo P.e Valério Cordeiro, Lisboa 1921, p. 220, onde se reproduz (...)

16Ao falar da morte de D. João I (1433), conta Rui de Pina que o rei, levando por acaso as mãos à sua barba real, e achando-a crescida, mandou que lha cortassem, por não convir a rei, que muitos haviam de ver, ficar depois de morto espantoso e disforme17. Se uma barba crescida tornava disforme, em certo momento, uma pessoa, parece que usualmente a não trazia. Em verdade a estátua que encima o túmulo do rei na igreja da Batalha apresenta-no-lo com a cara rapada, o que se repete num retrato do mesmo rei, existente num museu de Viena de Áustria18. Na estátua jacente de João das Regras ( ߙ 1404) na Igreja de Benfica, também não se figuram barbas19. Outro personagem do tempo e da roda de D. João I é o condestável D. Nuno Álvares Pereira, que num desenho que acompanha a sua Coronica, publicada a primeira vez em 1554, mas redigida no século anterior, aparece vestido de guerreiro, e igualmente de cara rapada: Fig. 66, extraída do Catalogo da Livraria do conde do Ameal, feito por José dos Santos, Porto 1924, n.° 617. Só num painel, que o representa tardiamente como carmelita, o vemos de bigode, e pêra comprida20. O Condestável faleceu em 1431.

Fig. 67 (vid. p. 335) Retrato de Sá de Miranda (séc. xvi)

Fig. 67 (vid. p. 335) Retrato de Sá de Miranda (séc. xvi)
  • 21 Vid. Arte Portug. Primitiva de J. de Figueiredo: i (Lisboa 1910), 61, 67, etc., e respectivas estam (...)

17Nos Painéis de S. Vicente (séc. XV) quase todos os personagens estão de cara rapada. Apenas usam barba um velho, um frade bernardo, e poucos mais21.

Fig. 68 (vid. p. 335) Retrato de João de Barros (séc. xvi)

Fig. 68 (vid. p. 335) Retrato de João de Barros (séc. xvi)
  • 22 Viv. a ed. feita pelo visconde da Carreira em Paris, em 1841.
  • 23 Vid. a introdução escrita pelo V. da Carreira (cfr. nota anterior), p. XIV.

18O códice da Cronica da Conquista de Guiné, de Azurara, que se guarda na Biblioteca Nacional de Paris, está acompanhado de um retrato do infante D. Henrique: este ostenta bigode estreito e de pontas caídas, e mosca bipartida em pontas divergentes22. A Cronica foi terminada em 1448, como consta do cap. 49; e o códice, no parecer do visconde de Santarém, seria oferecido entre 1453 e 1457 por D. Afonso V a D. Afonso de Nápoles, o Magnânimo23: encontramos pois em alguma destas datas um terminus ad quem na história da barba.

  • 24 Vid. Aragão, Moedas de Portugal, t. I, Est. XII, n.os 3 e 4. Acerca da data de 1490: ibidem p. 243.

19Se houvéssemos de se dar fé à exactidão do desenho da moeda de D. João II chamada justo, de 1490, teríamos aí o rei sem barba24.

20Lê-se no citado lugar d’O Panorama, isto é, I, 243 (e reporto-me por vezes a este artigo, porque é do tempo em que Herculano redigia o jornal), que nos fins do século XV, e em grande parte do XVI, as barbas tornaram a

  • 25 Vid.: uma miniatura publicada na Lusitania (revista), t. 1, fascículo 1.°, entre p. 44 e 45; e o re (...)
  • 26 Vid. a miniatura citada na nota antecedente.

21ser moda. Também no Elucidario, s.v. «barba», se diz que no tempo de D. Manuel elas «se praticavam por todas as pessoas graves, honradas, e de bem». Efectivamente alguns retratos de personagens históricos confirmam tais asserções, ainda que outros nos mostram ausência de barbas, por exemplo, dois do próprio D. Manuel25 e um de Rui de Pina26.

Fig. 69 Retrato de Damião de Góis (séc. xvi)

Fig. 69 Retrato de Damião de Góis (séc. xvi)

22Personagens do séc. XVI com barba:

  • 27 O retrato reprodu-lo o Dr. António Baião no seu livro intitulado Afonso d’Albuquerque, Lisboa 1918; (...)
  • 28 Nova Floresta, II (1708), 314. – Cfr. o que também disse Fr. Gaspar de S. Bernardino, Itinerario da (...)

23Nas Lendas da Índia de G. Correia, há um retrato de Afonso de Albuquerque em que este exibe pêra ou mosca-pêra, muito comprida, que penetra no gibão27, o que fez dizer a Bernardes: «Quem havia de imitar ao grande Albuquerque, prendendo a barba no cinto?»28.

24Na gravura que acompanha um exemplar, que possuo, da Vida de D. João de Castro de Freire de Andrade, Lisboa, 1671, o herói ( ߙ 1548) usa suíças, bigode, mosca, e barba comprida, que se estende até ao peito e tem a ponta bipartida. Vid. uma gravura no cap. V.

  • 29 Reedição feita pela Sra. D. Carolina Michaëlis, Coimbra 1923, p. 77.

25De um pastor da Menina e Moça faz dizer Bernardim Ribeiro à ama de Aónia: «a barba hum pouco espessa, e hum pouco crecida... parece que he aquella ainda a primeira», – a fls. 39 da edição de Ferrara (1554)29.

26D. João III († 1557) em gravuras arquivadas na Biblioteca Nacional, talvez do séc. XVI, tem barba inteira (aparada), bigode e mosca, exactamente como Filipe II noutra gravura pertencente à mesma Biblioteca.

27O poeta Sá de Miranda ( ߙ 1558) na gravura que acompanha a edição feita das suas Poesias pela Sra. D. Carolina Michaëlis, Halle 1885, está de bigode, e barba comprida, que se vai estreitando até meio do peito. Dessa obra tomo a liberdade de reproduzir na Fig. 67 o retrato que a acompanha.

28João de Barros († 1570) na descrição que dele fez Severim de Faria, Discursos, 1.a ed. (1624), usava «barba comprida e toda branca», fls. 54: o retrato que aí se publica mostra-o de barba inteira, bigode de pontas caídas, e larga pêra fendida (isto é, mosca e pêra). Reproduzo-o na Fig. 68.

29Numa gravura antiga que um amigo meu possui de Damianus a Goes, eques Lusitanas, este tem bigode, e barba toda, mas aparada e apartada no mento (Fig. 69). A data da morte de Góis é incerta, mas ele ainda vivia em 1572, diz Inocêncio. – Vid. também o fasc. 3.° da Lusitania, publicado já depois de escrita esta notícia: aí se reproduz de um raro livro de J. Vasconcelos um retrato de Góis por A. Dürer, desenhado, como se supõe, de 1526 a 1527.

Fig. 70 Medalha do rei D. António (séc. xvi)

Fig. 70 Medalha do rei D. António (séc. xvi)

30O retrato de Camões († 1580) no citado Discurso de Severim mostra o Poeta de barba inteira, bigode e mosca.

31Numa medalha de D. António ( ߙ 1595), publicada por Lopes Fernandes, Memoria das Medalhas, Est. 4, extraída da Sylloge de Luckius, o infeliz príncipe também assim está, mas a barba termina em ponta, como a de Henrique de Guise (1550-1588). Reproduzo-a na Fig. 70.

  • 30 O personagem representado na estátua da Fig. 71 tem o cabelo caído atrás, e enrolado na nuca, mas p (...)

32Do séc. xvi creio serem, por causa do trajo, duas estátuas de granito que estão no pátio da Misericórdia de Ponte de Lima, encostadas à parede, mas fixas nela: ambas ostentam barba de passa-piolho simplesmente: vid. Figs. 71 e 72, feitas por fotografias30.

  • 31 A obra de Fr. Gaspar que o articulista tem em mente é o Itinerario da índia, impresso em 1611, e qu (...)

33Dizendo o articulista do Panorama, lugar citado, que «desde a usurpação dos Felipes (1580-1640) as barbas portuguesas foram desaparecendo, e que Fr. Gaspar de S. Bernardino, que escrevia por 1600, lamenta que os homens do seu tempo as tivessem mudado para as grandes trunfas que traziam na cabeça»31, creio que só se refere às barbas crescidas, pois da 1.a me tade do séc. XVII há vários retratos com bigode e pêra. – Estas trunfas eram postiças.

Fig. 71 Estátua do pátio da Misericórdia de Ponte de Lima (séc. XVI)

Fig. 71 Estátua do pátio da Misericórdia de Ponte de Lima (séc. XVI)

Fig 72 Estátua do pátio da Misericórdia de Ponte de Lima (séc. xvi)

Fig 72 Estátua do pátio da Misericórdia de Ponte de Lima (séc. xvi)

Fig. 73 (vid. p. 339) Retrato de D. João IV († 1656)

Fig. 73 (vid. p. 339) Retrato de D. João IV († 1656)

Fig. 75 (vid. p. 340) Retrato de Agostinho Barbosa, em 1633

Fig. 75 (vid. p. 340) Retrato de Agostinho Barbosa, em 1633

Fig. 77 (vid. p. 341) Retrato de D. Pedro II (1683-1706)

Fig. 77 (vid. p. 341) Retrato de D. Pedro II (1683-1706)

Fig. 74 (vid. p. 340) Retrato de D. Luís Pereira da Costa (séc. xvii)

Fig. 74 (vid. p. 340) Retrato de D. Luís Pereira da Costa (séc. xvii)

Fig. 76 (vid. p. 341) Retrato de D. Francisco de Melo, em 1668

Fig. 76 (vid. p. 341) Retrato de D. Francisco de Melo, em 1668

Fig. 78 (vid. p. 341) Retrato do Dr. João Curvo Semedo, em 1707

Fig. 78 (vid. p. 341) Retrato do Dr. João Curvo Semedo, em 1707
  • 32 Acerca da data vid. o que diz Camilo, p. 165. – Na Biblioteca Nacional de Lisboa compulsei um ms. m (...)

34Dos dois usos, isto é, da barba crescida e do bigode, fala Soropita no «Parrafo notavel sobre as barbas deste mundo», incluído por Camilo C. Branco nas Poesias e Prosas Ineditas daquele autor, Porto 1868, p. 57, o qual fora escrito nos começos do séc. XV1132. É uma dissertação graciosa e crítica acerca de diversos portes de barba usados ao tempo. Sirvo-me do texto manuscrito a que me refiro na nota 1, mas ponho entre parênteses as páginas do texto camiliano:

  • «“villão de hũa barba sôfrega, em que todo anda cosido”, muito fertil, onde podem criar-se coelhos de Almeirim e corços» (Camilo, p. 57);

    • 33 Do contexto resulta que por «barbas de Antre Douro e Minho» entende Soropita barba mesquinha, escas (...)

    «vereis outro com umas barbinhas de Antre Douro e Minho, que parece que lh’as pedírão pela freg(u)esia... feveras de linho cánamo muito ralas e corredias...»33 (p. 60);

  • «outros ha de hũs barbarrões tudescos, que lhes dão palmo e meo abaixo da cintura, e representam-vos assim um hermitão da serra de Sardenha» (p. 61);

    • 34 = morzela.

    «outros calçã-vos hũa barba tosada, toda murzela34 de alto a baixo, e tão basta em si, que para um pente entrar por ella, ha mister que se arme de úonto em branco» (p. 62);

  • «hay huns a que por seus pecados cahio por destribuição hũa barba luterana, tinta de açafram falso» (p. 63);

    • 35 sítio, nota Camilo.

    «achareis outros que se vos presentão com hũa barba mourisca, que se parte em duas estradas, como o posto35 do chafariz d’Arroyos, ruça, cardãa, e mais viçosa que labaças em Agosto, os cabellos compridos até ao peito» (p. 65);

    • 36 Isto é, de forma de cunha

    «barbas Castelhanas,... cunha de fender lenha36» (p. 66);

  • «bigodes... levados em alto» (p. 68). Cfr. adiante, p. 340, nota.

35Numa poesia, p. 51, refere-se Soropita também a bigode legítimo barreto, expressão a que Camilo faz o seguinte comentário: «emprega o poeta o termo no sentido em que o tomava a engenharia militar, – pela semelhança dos bigodes com os ângulos salientes do barreto ou barrete».

  • 37 De Martim Afonso de Miranda: vid. t. i, ed. de 1785, p. 182.

36À barba castelhana de que fala Soropita alude também o Tempo de agora (1622)37. – Numa poesia faceta de 1641 diz D. Francisco Rolim:

  • 38 No texto com mim.
  • 39 Vid. Rev. Michaelense, iii, 702.

Estes bigodes assim
Teve o primeiro Rolim
E foi doudo coma38 mim39,

  • 40 Vid. Costa e Silva, Ensaio Biogr.-Crit. sobre os Melhores Poetas Port., v, 155.

poesia cujo autor deve ser filho de D. Francisco Child Rolim de Moura, que faleceu um ano após aquele a que os versos se referem40.

Fig. 79 (vid. p. 341) Estampa da forma em que os Portugueses se hão-de vestir, e pela qual se hão-de regular todos os vestidos que se fizerem depois da publicação da Pragmática de 1698

Fig. 79 (vid. p. 341) Estampa da forma em que os Portugueses se hão-de vestir, e pela qual se hão-de regular todos os vestidos que se fizerem depois da publicação da Pragmática de 1698

37Exemplos iconográficos de bigode e pêra (isto é bigode e mosca-pêra).

  • 41 Vid. Lopes Fernandes, Mem. das Medalhas, Est. 5.

38Seja o primeiro o próprio rei D. João IV, que assim figura no anverso de uma medalha cunhada em 164141, em retratos existentes na Biblioteca Nacional, e na Fig. 73 (gravura do Museu Etnológico Português).

39O tipo dos bigodes, conforme a disposição das guias, é:

  • 42 A frase que sublinhei fora já dada no Vocabulario de Bluteau, t. ii (1712), p. 122, onde se traduz (...)

40Ao primeiro destes tipos seiscentísticos se refere manifestamente Contador de Argote, quando escreve nas Memorias de Braga, t. I (1747), p. 618: «em tempo de nossos pays se costumava entre nós trazer os cabellos que formão os bigodes levantados, e unidos á força de arte, e com ferros quentes, a que chamava-mos levantar o bigode ao ferro»42.

Fig. 80 (vid. p. 342) Retrato de Tomás Pinto Brandão ( ߙ 1730)

Fig. 80 (vid. p. 342) Retrato de Tomás Pinto Brandão ( ߙ 1730)

41Tambem no Museu de Arte Antiga há um retrato de pessoa de idade, pintado de bigode e pêra por Domingos Barbosa, que, segundo uma indicação posta ao pé do quadro, o fez na primeira metade do séc. XVII. Em idênticas circunstâncias estão os retratos publicados na Historia do Infante D. Duarte, irmão de D. João IV, por José Ramos Coelho, quer o do infante ( ߙ 1649), quer os de alguns personagens da época: em todos se vê juntamente cabeleira grande. Reproduz-se na Fig. 74 um dos retratos (bigode e mosca).

42Em países estrangeiros acontecia o mesmo, pois que os modelos vinham de lá: vejam-se, por exemplo, os retratos de Van Dick ( ߙ 1641), Richelieu ( 1642 ߙ), Voiture ( ߙ 1648). Do bigode e pêra castelhanos temos vários exemplos em retratos de autores: Cervantes ( ߙ 1616), Quevedo ( 1645), e outros. Bem semelhante ao retrato de Richelieu é o do filólogo e jurista Agostinho Barbosa, que, conquanto português de nação, é mencionado neste lugar, entre estrangeiros, porque viveu muito tempo em Itália, e morreu bispo de Ugento, no reino de Nápoles, em 1649: vid. Fig. 75, que reproduz uma gravura de 1633, junta ao De officio et potestate episcopi, obra sua.

Fig. 81 (vid. p. 342) Retrato de D. Pedro de Almeida de Lencastre (séc. xviii)

Fig. 81 (vid. p. 342) Retrato de D. Pedro de Almeida de Lencastre (séc. xviii)

43Em todos os tempos quem quer tomar aspecto de gravidade deixa crescer a barba (vid. o cap. V): por isso D. Francisco Manuel de Melo ( ߙ 1666) nos Apologos Dialogaes, pp. 156-157, fala das «barbas rocegantes» dos letrados. O P.e Vieira ( ߙ 1697), que era missionário, figura num painel da Biblioteca Nacional, e em gravuras que andam nas mãos dos coleccionadores, com barba toda e bigode nítido, de pontas voltadas para baixo, o que lhe dá aspecto de asa de braseira. Reproduzi na Fig. 24, p. 297, uma gravura que possuo.

  • 43 O cabelo podia ser objecto de um estudo tão desenvolvido como o da barba (relativamente à mulher at (...)

44Na 2.a metade do séc. XVII a cara toma outra vez a rapar-se, compensando isso a continuação do uso, que já vimos, p. 326, da cabeleira grande, postiça43, – modas estas vindas de outros países. Quem não se espanta das imensas cabeleiras do duque de Gloucester (1669), de Johann Bernhard (1670), de Molière (1673), de Luís XIV (1715), todas elas ao alcance dos curiosos em gravuras da Biblioteca Nacional de Lisboa?

Fig. 82 (vid. p. 342) Retrato de D. João V, em 1743

Fig. 82 (vid. p. 342) Retrato de D. João V, em 1743

45Um retrato do diplomata D. Francisco de Mello, de 1668, Fig. 76, o do rei D. Pedro II (1683-1700), Fig. 77, e o de Curvo Semedo, estampado nas suas Observações Medicas, Lisboa 1707 (vid. Fig. 78), dão testemunho, entre nós, dessas modas que vemos autorizadas num modelo que acompanha a Pragmatica de 14 de Novembro de 1698 (o qual possuo), e adoptadas em muitos retratos e medalhas de todo o séc. XVIII: Fig. 79.

  • 44 Vid. p. 212.

46O que diz o P.e Bautista de Castro, no t. I do Mapa de Portugal, 2.a edição, 1772, concorda com o que fica exposto; «as barbas compridas até a cintura se forão diminuindo no tempo del Rey D. João IV, em que ainda se usavam bigodes: depois no Governo do Senhor Rey D. Pedro II se extinguirão, e entrou o uso das cabeleiras, já agora tão domesticado, que se faz reparavel o que não usa dellas, e ainda neste genero de compostura ha cada dia differentes novidades»44.

  • 45 Vid. Archivo dos Açores, I, 178.

47Tanto estava fora de moda o bigode no séc. XVIII, que numa festa que se fez em Ponta Delgada em 1761, em honra da Virgem, pelo regozijo público que o nascimento do príncipe D. José causara, se diz no programa que, entre várias figuras que apareceriam na festa, iria o reino de Portugal «vestido á antiga, com capa curta, manteo enrocado, e seus bigodes, espada larga, etc.»45.

Fig. 83 Retrato de Henriques de Paiva

Fig. 83 Retrato de Henriques de Paiva
  • 46 D. Pedro III faleceu em 1786, mas figura ainda em moedas de ouro (peça e meia peça) da mesma data. (...)

48Como exemplos de cara rapada e cabeleira grande no séc. xviii, lembrarei ainda os retratos de Tomás Pinto Brandão, em 1730 (Fig. 80: de uma gravura), de D. Pedro de Almeida de Lencastro (Fig. 81: de outra gravura), e as moedas e medalhas de D. João V, D. José e D. Pedro III: de 1716 a 178646. Na Fig. 82 reproduz-se o retrato de D. João V, mas de uma gravura (feita em 1743), possuída pelo Museu Etnológico Português. A par com a cabeleira comprida, também esta se usou enrolada de cada lado, junto das orelhas, conservando-se porém a cara rapada: assim se vê numa gravura, que possuo, e aqui reproduzo na Fig. 83, do médico e escritor M. J. Henriques de Paiva, executada em 1752, e noutras da Biblioteca Nacional: do duque de Lafões (1779); do intendente Pina Manique (1797). Na Fig. 84 reproduz-se de uma gravura o retrato de António Manuel Leite Pacheco Malheiro e Melo Baena, que viveu nos reinados de D. José e D. Maria I; na Fig. 85, de outra gravura, o retrato de Cyrillo Wolkmar Machado, pintado, como nele se diz, em 1971; e na Fig. 86, de uma litrografia do Museu Etnológico Português, o retrato de Bartolomeu da Costa (1731-1801): em todas as três figuras se vê a mesma moda.

Fig. 84 Retrato de Melo Baena (séc. xviii)

Fig. 84 Retrato de Melo Baena (séc. xviii)

49Era isto outro costume geral da Europa, como consta de gravuras da Biblioteca de Lisboa: do duque de Praslin (1771), de Christianus Daniel Schreber (1776), de Carlos III de Espanha (1783), de Sheridan, inglês (1789), de Adam Smith († 1790). Também assim se retrata Luís XVI (ߙ 1793).

  • 47 Luís Cândido C. P. Furtado seguiu a vida das armas, percorrendo toda a carreira militar até o posto (...)

50A Fig. 87 apresenta-nos um retrato que tenho razões para crer que é o de Luís Cândido Cordeiro Pinheiro Furtado, que nasceu nos meados do séc. XVIII e morreu em 1822: cara rapada e cabeleira postiça, que, por ser curta, e não enrolada dos lados, como as que acabamos de ver, estabelece transição para tempos modernos, em que o cabelo natural readquiriu os seus direitos47.

Fig. 85 Retrato de Cyrillo Wolkmar Machado, em 1791

Fig. 85 Retrato de Cyrillo Wolkmar Machado, em 1791

51Temos visto até aqui a barba tanto na realeza, como segundo as classes sociais, nobreza, milícia, clero, burguesia, e também às vezes segundo as idades. Agora somos chegados a tempos modernos, séc. XIX e XX: mais que nunca, a moda se desenfreia, e há, por assim dizer, infinita variedade de barbas. Um mesmo indivíduo muda de sistema, conforme a época da vida, por exemplo, Castilho (1800-1875), que em gravuras da Biblioteca Nacional aparece: 1) com patilha, 2) com cara rapada, 3) com barba inteira. Somente na classe militar está (ou esteve) a barba subordinada ao rigorismo das leis, excepto, ainda assim, na actualidade!

Fig. 86 Retrato de Bartolomeu da Costa (1731-1801)

Fig. 86 Retrato de Bartolomeu da Costa (1731-1801)

52Para o estudo da barba no tempo presente possuímos maior abundância de documentos, e podemos seguir melhor as datas.

53Começarei pelos monarcas, pois estes é costume considerá-los fora das classes. D. João VI (1799-1826) nas moedas e medalhas usa patilha encurvada (com a curvatura para o lados dos olhos); o mesmo acontece em retratos, como o que acompanha o Almanach do Armo de 1807, e que reproduzo na Fig. 88, de um exemplar que existe na minha livraria. D. Pedro IV em moedas de 1826 a 28 usa patilha, como o pai, chegando numa medalha de 1826 a patilha à ponta do bigode; depois, por exemplo, numa medalha de 1833, e em muitos retratos, vemo-lo de barba plena, arredondada em baixo, ficando nítidos o bigode e a mosca (ou mosca-pêra): este tipo de barba plena, arredondada, tornou-se nele característico: vid. na Fig. 89 um retrato reproduzido da Rev. Contempor. de Portugal e Brazil, vol. mihi, entre pp. 338 e 339. Em alguns retratos de D. João VI a patilha tornou-se matacão. Há também retratos de D. Pedro IV, com matacão, pêra e mosca. D. Miguel, numa medalha de 1827, e em moedas de 1828 e 29, usa cara rapada; numa «peça» de 1830 tem patilha, como o pai e o irmão; no exílio deixou crescer a barba, de modo igualmente característico, como consta, por exemplo, deste retrato que acompanha o Almanak Portuguez para 1852, e que reproduzo na Fig. 90 de um exemplar meu (D. Miguel faleceu em 1866). No retrato de de D. Pedro V, que exorna a sala dos actos da Faculdade de Letras de Lisboa, o chorado soberano, que faleceu de 24 anos, figura de bigodinho. D. Luís ( ߙ 1889) continua a patilha de seu avô e bisavô, mas acrescenta bigode militarmente: vid. Fig. 91. El-rei D. Carlos ( ߙ 1908) usava também patilha, e bigode militar, de pontas torcidas e encurvadas para cima: vid. Fig. 92. O Sr. D. Manuel II, quando saiu de Portugal (1910) contava 21 anos de idade, e tinha apenas buço juvenil. – No que digo haverá excepções.

Fig. 87 (vid. p. 343) Retrato de Luís Cândido Cordeiro Pinheiro Furtado (sécs. xviii-xix)

Fig. 87 (vid. p. 343) Retrato de Luís Cândido Cordeiro Pinheiro Furtado (sécs. xviii-xix)

Fig. 88 Retrato de D. João VI, em 1807

Fig. 88 Retrato de D. João VI, em 1807

54A moda da patilha corresponde originariamente, como muitas, a modas estrangeiras: vejam-se, por exemplo, os retratos do marquês de Bonchamp ( ߙ 1793), de Luís Bonaparte (rei da Holanda, 1806-1810); do marechal Ney ( ߙ 1815).

55Aos Srs. Presidentes da República, que sucederam aos monarcas, não tenho de me referir aqui de modo particular, porque, segundo a lei, não são entidades privilegiadas, como estes; embora também de alta categoria, são simples cidadãos, e portanto inclusos, conforme os casos, em alguma ou algumas das classes sociais de que vou agora falar, mas onde, como bem se compreende, não posso especificar todas as pessoas.

A barba nas nossas classes sociais:

a) Classe eclesiástica:

Fig. 89 Retrato de D. Pedro IV

Fig. 89 Retrato de D. Pedro IV
  • 48 Cf.: The Catholic Encyclopedia, vol. ii, «the beard»; Dictionn. d’archéolog. chrét. s.v. «barbe», c (...)
  • 49 Assim o diz o papa Gregório VII (1078-1085) no livro VII das suas Epístolas: apud Du Cange, Gloss., (...)

56O que toca à barba do clero obecede a ritos e usos gerais da Igreja48. Vimos supra, Figs. 62 e 63, em túmulos de Coimbra, dos séculos XIII e XIV, longas barbas episcopais. Os simples padres é provável que sempre se barbeassem49. Pelo menos, do séc. XV em diante, as Constituições dos bispos prescrevem isso: as de Lisboa, de 1402-1414, publicadas no vol. I da Revista Archeologica, no título 5 (p. 28), dizem: «todollos creligos de hordens sacras e benefiçiados, de 15 em 15 dias, façam talhar os cabellos... e rapar as coroas e barbas»; as de Coimbra, de 1521, constit. 71.a, as de Braga, de 1538, fol. 27, ordenam o mesmo; as da Guarda, de 1686, liv. III, tit. I. cap. 4.°, p. 188, mandam fazer a coroa e barba «á navalha, ou ás pontas de tesoura, cada vinte dias, ao mais»; as de Évora, de 1753, tit. X, cap. 2.°, p. 40, são quase de igual teor. No clero superior temos, no séc. XVI, o cardeal-rei, no séc. XVII, D. Rodrigo da Cunha, arcebispo de Lisboa, no séc. XVIII-XIX, Cenáculo, todos eles barbeados.

Fig. 90 Retrato de D. Miguel, em 1852 (no exílio)

Fig. 90 Retrato de D. Miguel, em 1852 (no exílio)

57O cardeal-patriarca D. Fr. Francisco de S. Luís, falecido em 1845. usava patilha, segundo os modelos reais, que acima observámos: vid. Fig. 93. O uso estendia-se a eclesiásticos não graduados: uma estampa que acompanha o Oriente do P.e José Agostinho de Macedo, Lisboa 1827, dá o autor também com patilha, como continuação do canto do cabelo. O clero, porém, em regra, com excepção principalmente das ordens religiosas dos Barbadinhos, e dos missionários, tem-se conformado com as Constituições.

Fig. 91 (vid. p. 344) Retrato de el-rei D. Luís ( ߙ 1889)

Fig. 91 (vid. p. 344) Retrato de el-rei D. Luís ( ߙ 1889)
  • 50 Fortunato de Almeida, Hist. da Igreja, t. iii, pt. I, p. 482 e 485.

58Os Barbadinhos, ou, como diz Bluteau, Vocab., s.v. «terceiro», Capuchinhos das barbas, entraram em Portugal no séc. XV1150, e eram de duas nacionalidades: barbadinhos franceses, que tinham um convento em Lisboa na freguesia de Santos, e barbadinhos italianos, que tinham um convento na freguesia de Santa Engrácia. Os nomes ainda hoje se perpetuam, respectivamente, numa travessa e numa calçada. Os barbadinhos italianos diz o Mappa de Portugal, III, 273, que eram missionários.

  • 51 Acerca dos barbatos, leigos ou conversos, entre os Cartuxos e outras congregações monacais, e acerc (...)

59Aos missionários concede a Igreja o uso de barba, já por causa da dificuldade de por vezes se barbearem no sertão, já para se imporem com maior majestade às populações incultas a que se dirigem: vid. exemplos nas Figs. 94 e 95, extraídas do álbum do «Portugal em Africa», retratos do Rev. P.e Pascal Campana, prefeito apostólico do Congo Inferior (ߙ 1901), e de D. António José Gomes Cardoso, bispo de Angola e Congo. O venerando D. António Barroso, que fora missionário (Fig. 96), conservou o costume quando bispo do Porto51.

Fig. 92 (vid. p. 344) Retrato de el-rei D. Carlos ( ߙ 1908)

Fig. 92 (vid. p. 344) Retrato de el-rei D. Carlos ( ߙ 1908)
  • 52 Diz a lenda que S. Barão ia todos os sábados pedir a Mértola, e que depois se recolhia a uma lapa q (...)

60Aqui, em apêndice ao clero, posso aludir aos ermitães, sempre insignes por barbas longas e brancas, e tidos por isso na conta de tipos populares. No n.° 1 de uma colecção de estampas intitulada Costumes Portugueses, de 1832, que possuo, figura-se um nesse gosto, de rosário à cinta, chapéu desabado, capote e descalço, que, qual pastóforo isíaco, leva na mão uma espécie de maquineta, cuja imagem ou imagens dá a beijar a uma vendedora de fruta: vid. Fig. 97. O tipo do ermitão vai rareando; o último que vi foi o de S. Barão, em Mértola, em 190852. Quando alguém traz barbas grandes, costuma dizer-se, por graça, que traz barbas de ermitão. Por isso, falando de um indivíduo assim barbado, exclama Fr. Simão António:

...andava feito ermitão,
C’umas barbas atèqui...

nas Orações Academicas, Lisboa, 1723, p. 329. Cfr. supra, p. 338, uma alusão de Soropita aos ermitões da Sardenha.

Fig. 93 (vid. p. 345) Retrato do cardeal D. Fr. Francisco de S. Luís, patriarca de Lisboa, historiógrafo e lexicólogo (ߙ 1835)

Fig. 93 (vid. p. 345) Retrato do cardeal D. Fr. Francisco de S. Luís, patriarca de Lisboa, historiógrafo e lexicólogo (ߙ 1835)

b) Classe militar:

  • 53 Ao Sr. Coronel Garcês Teixeira, meu confrade na Associação dos Arqueólogos do Carmo, e muito instru (...)

61O Sr. P.e Ernesto Pereira de Sales, ilustre Bibliotecário da Biblioteca do Ministério da Guerra, a quem devo quase todas as informações adiante dadas sobre a barba da milícia de terra53, diz-me em carta de 26-II-1924, que julga poder afirmar que as praças, e também os oficiais, usaram entre 1760 e 1800 e tal, a cara barbeada. «Os regulamentos, prossegue ele, do Conde de Lippe, que deram feitio novo às nossas tropas (Regulamento para o exercicio e disciplina dos regimentos de Infantaria,... Lisboa 1763; e Regulamento para o exercício e disciplina dos regimentos de Cavallaria,... Lisboa 1764), nada dizem quanto a cabelo ou barba, se bem que desçam a muitas minuciosidades em diversas coisas. No cap. XVII do primeiro, e no cap. XIX do segundo, sob. o n.° 4, lê-se: Os capitaens devem contentar-se do cirurgião, que segue a sua companhia, se fizer a barba aos soldados todas as vezes que for preciso. É o único passo em que se fala de barba. E nada mais».

Fig. 94 (vid. p. 346) Retrato do Rev. Pascal Campana ( ߙ 1901)

Fig. 94 (vid. p. 346) Retrato do Rev. Pascal Campana ( ߙ 1901)

Fig. 95 (vid. p. 346) Retrato de D. António J. G. Cardoso, bispo de Angola e Congo

Fig. 95 (vid. p. 346) Retrato de D. António J. G. Cardoso, bispo de Angola e Congo
  • 54 Cópia de um retrato devido ao lápis de Dutagne, o qual retrato anda na família de António Cândido. (...)

62Em livros de uniformes, de 1783 e 1791, existentes na mencionada Biblioteca, e que têm o seu quê de oficial, aparecem os figurinos completamente barbeados. Nos próprios figurinos do Plano & Uniformes de 1806 não se vê oficial algum ou soldado com barba ou bigode, «parecendo em todos haver suiças mais ou menos crescidas». Entre suíças (matacões) pouco desenvolvidas, e patilhas compridas, não há realmente muita diferença. Vimos acima patilhas em pessoas reais, e igual forma de barba se observa em retratos de oficiais, de 1803 (de Belmiro Transtagano, posto no começo das suas Composições Poéticas, impressas em Lisboa naquele ano), de 1809 (de B. Freire de Andrade), de 1817 (de Gomes Freire de Andrade), Fig. 98, de 1823 (do coronel Francisco António Leitão), de 1830 (do tenente-coronel António Cândido Cordeiro Pinheiro Furtado), Fig. 10054. Continua o Sr. Bibliotecário P.e Pereira de Sales: «O que havia regulamentado em cada corpo anteriormente á publicação das ordens do dia dadas ao exército (1809), era mui provavelmente determinado pelo respectivo coronel-comandante nas ordens do regimento; e de crer é, que essas ordens, no que dizia respeito a cabelo e barba, fossem semelhantes entre si, senão iguais, e tendentes a manter certa uniformidade de apresentação, que tão bem quadra nas coisas militares».

63Na Collecção de Figurinos Militares de Tropas Portuguesas Destacadas para o Brasil desde 1815 a 1823 pelo capitão Soares Serrão, Lisboa, Imprensa Nacional, 1866, que consultei na Biblioteca do Ministério da Guerra, por indicação do Sr. P.e Sales, nota-se o seguinte:

Fig. 96 (vid. p. 346) Retrato do Rev. António Barroso, que faleceu bispo do Porto

Fig. 96 (vid. p. 346) Retrato do Rev. António Barroso, que faleceu bispo do Porto

64bigode e mosca, num tenente-general, num capitão, num tenente de infantaria, e num sargento;

65bigode simples, num oficial de estado-maior, em soldados, e num capitão de cavalaria;

66barba toda (com bigode), num oficial da administração militar, num polícia do exército;

67barba toda, mas sem bigode, num soldado;

68suiças, bigode e mosca-pera, num cirurgião-mor.

69Na Fig. 99 temos o retrato de Bernardo Correia de Castro e Sepúlveda, coronel do Regimento n.° 18, e um dos membros, ou revolucionários, do sinédrio de 1820: unicamente patilha.

70Durante a guerra civil de 1832-1834, lê-se no Panorama, I, 243, que os militares deixaram geralmente crescer a barba, sobretudo os do exército libertador, o que penso seria para imitarem D. Pedro IV, que usava barba crescida, como vimos na Fig. 89. Acabada a guerra, diz o mesmo periódico (que tem a data de 1837), as barbas desaparecem outra vez. Contudo um plano de uniformes (manuscrito) da Biblioteca do Ministério da Guerra, e outro que acompanhas as Ordens do Exército, de V. P. Alves Pereira, t. II, Lisboa 1860, – ambos de 1834 –, mostram-nos oficiais com bigode e mosca, e matacão estreito. O mesmo se vê em retratos, de 1835, do duque da Terceira (Fig. 101) e do marquês de Saldanha (Fig. 102), e no Regulamento e Tactica Elementar para o Exercício da Infantaria, ano de 1841, a respeito de todos os soldados. Numa estampa, que possuo, de 1848, com um modelo de «uniforme» para estado maior d’engenharia», dão-se aos oficiais as formas de barba que constam das Figs. 103 a 105.

Fig. 97 (vid. p. 347) Um ermitão de 1832

Fig. 97 (vid. p. 347) Um ermitão de 1832
  • 55 Citado por J. J. Alcântara, Legislação Militar, vol. i, Lisboa 1861 (alfabeticamente), artigo «barb (...)

71Na Ordem do Exercito, n.° 53, de 22 de Setembro de 1852 (do marechal Saldanha), ordena-se, em bem fraco português, que «todos os srs. officiais generaes poderão usar de bigode, pera e suiças direitas até à altura do bigode; os officiaes e praças de pret dos corpos de cavallaria e caçadores; os officiaes montados dos corpos de Infantaria; as companhias de flanco dos mesmos corpos; os officiaes do Corpo de Estado-Maior; no Comando em chefe do Exercito; nos estados maiores dos srs. Generaes e o Regimento de Granadeiros da Rainha, usarão de bigode e pera, não devendo esta exceder a extremidade do queixo emquanto ao comprimento, nem ter mais de meia polegada de largura. Somente os porta-machados deverão usar de barbas crescidas». Num ofício do comandente-chefe, de 1 de Abril de 185955, vem a seguinte disposição: que «os oficiaes e mais praças montadas de baterias apparelhadas usarão de pera, ficando assim entendido que dos indivíduos do quadro da arma só os daquellas baterias poderão fazer uso».

72Uma série de retratos de oficiais de infantaria, de 1870 a 1870 e tantos, mostram simples bigode, estando rapado todo o resto da cara: Figs. 106 a 109. Na Fig. 110 temos o retrato de um tenente de 1887, de bigode e mosca.

  • 56 Segundo uma estampa possuída pelo festejado pintor portuense o Sr. Joaquim Vitorino Ribeiro, de que (...)
  • 57 Vid. Franco, Legislação Militar de 1864 a 1887, Coimbra 1891, p. 214.

73Os porta-machados, a que há pouco se aludiu, possuíam longa barba (que, quando não existia suficiente por natureza, lhes era emprestada pelo casão para as formaturas), traziam na cabeça barretina sólida e semelhante a um torreão, e na dianteira do corpo, até abaixo do joelho, avental branco de couro, como de criado de restaurante: constituíam assim ornato próprio e pitoresco dos regi mentos, marchando na rua compassados, de cabeça erguida, que meneavam vagarosamente de um lado para o outro, quase sem pestanejarem, e olhando, meio graves, meio confusos, para as janelas, donde uma multidão de pessoas apinhadas os contemplavam com alegre agitação. Vid. na Fig. 111 um porta-machado de 182056. Esta classe foi extinta pelo artigo 248 do Decreto de 30 de Outubro de 1884 (Ordem do Exercito do mesmo ano)57.

Fig. 98 (vid. p. 348) Retrato de Gomes Freire († 1817)

Fig. 98 (vid. p. 348) Retrato de Gomes Freire († 1817)

Fig. 99 Retrato de Bernardo Correia de Castro e Sepúlveda (gravura existente no Museu Etnológico Português)

Fig. 99 Retrato de Bernardo Correia de Castro e Sepúlveda (gravura existente no Museu Etnológico Português)

Fig. 100 (vid. p. 348) Retrato do tenente-coronel António Cândido Pinheiro Furtado, em 1830

Fig. 100 (vid. p. 348) Retrato do tenente-coronel António Cândido Pinheiro Furtado, em 1830

Fig. 101 Retrato do duque da Terceira, em 1835

Fig. 101 Retrato do duque da Terceira, em 1835

Fig. 102 Retrato do marquês de Saldanha, em 1835 (depois duque)

Fig. 102 Retrato do marquês de Saldanha, em 1835 (depois duque)

Fig. 103 Uniforme do Estado-Maior de Engenheiros, 1848

Fig. 103 Uniforme do Estado-Maior de Engenheiros, 1848

74Tenho aqui presente um álbum de uniformes do Exército e da Armada, intitulado Portugal Militar, de 1890, onde, pelo que toca ao Exército, que é aquilo que me agora importa, vêm muitos desenhos de oficiais e soldados, todos eles figurados com bigode, ora simples, ora acompanhado de mosca ou de mosca-pêra. Conquanto o autor pensasse exclusivamente nos uniformes, representou ipso facto aquelas formas de barba, por se relacionarem com ele.

75Outras disposições a respeito da barba militar:

  • 58 Regulamento Geral para o serviço dos corpos do Exército, de 24 de Dezembro, publicado na Ordem do E (...)

761896. «Os officiaes, aspirantes a official, sargentos e seus equiparados, usarão o cabello curto, de fórma a não se poder aparar, e as demais praças usá-lo-ão cortado á escovinha. Todos o cortarão, pelo menos, uma vez cada mez, e deverão apresentar-se sempre devidamente barbeados»58.

  • 59 Vejam-se as Alterações ao Plano de Uniformes para o Exército, na Ordem do Exerc., n.° 15, da I.a(...)

771913. «É permitido o uso de barba, não devendo, porêm, pelo seu comprimento occultar os emblemas ou numeros das golas. – Aos comandantes de unidades, chefes e directores de estabelecimentos militares cumpre exercer rigorosa fiscalização sobre o pessoal seu subordinado, por fórma a evitar que se apresente com a barba pouco cuidada»59.

  • 60 Veja-se a Ordem do Exercito, I.a série, n.° 17, de 13 de Novembro de 1915.

781915. Alterações ao plano de uniforme a que se refere o Decreto de 6 de Novembro de 1915: «Aos oficiais e praças de pret é permitido o uso de qualquer talhe de barba, não devendo, porêm, pelo seu comprimento, ocultar os emblemas ou numeros das golas. As praças de pré que desejem usar qualquer talhe de barba deverão prèviamente declará-lo aos respectivos comandantes de bataria, companhia, ou esquadrão, a fim d’estes lhes dispensarem o apresentar-se devidamente barbeados, não podendo alterar o talhe de carba sem nova autorização dos mesmos comandantes. Quando não façam uso de qualquer talhe de barba, os oficiais e praças de pré apresentar-se-hão sempre devidamente barbeados»60.

Fig. 104 (vid. p. 350) Uniforme do Estado-Maior de Engenheiros, 1848

Fig. 104 (vid. p. 350) Uniforme do Estado-Maior de Engenheiros, 1848

Fig. 105 (vid. p. 350) Uniforme do Estado-Maior de Engenheiros, 1848

Fig. 105 (vid. p. 350) Uniforme do Estado-Maior de Engenheiros, 1848

Fig. 106 Retrato de um oficial, de 1870

Fig. 106 Retrato de um oficial, de 1870

Fig. 107 Retrato de um oficial, de 1870

Fig. 107 Retrato de um oficial, de 1870

Fig. 108 Retrato de um oficial, de 1847

Fig. 108 Retrato de um oficial, de 1847

Fig. 109 Retrato de um oficial, de 1877

Fig. 109 Retrato de um oficial, de 1877

79Esta disposição de 1915 vigora ainda ao presente: por causa dela se contempla nas ruas de Lisboa e de outras terras grande diversidade de aspectos militares: ora cara inteiramente rapada, ora simples patilha, simples bigode, ora bigode e pêra, ora barba toda: faltando pois aquela apreciável e uniforme compostura de que o Sr. P.e Pereira Sales justamente se lembrou numa carta sua, extractada acima.

Fig. 110 Retrato de um tenente, de 1887

Fig. 110 Retrato de um tenente, de 1887

80O que fica dito refere-se, como já notei, à milícia de terra. Com relação à marinha, consultei o Sr. Comandante Henrique Quirino da Fonseca, para o qual a nossa história e etnografia marítimas não têm segredos, e ele me respondeu em carta de 1 de Abril de 1924:

81«Sobre o uso da barba, na gente do mar, verifiquei na lesgislação especial para a Marinha, desde 1317 até à actualidade, que nada foi estabelecido. Na epoca das conquistas e descobrimentos, os marinheiros antigos, pelo menos, usariam a barba toda e a isso por certo alude o conceito de Afonso de Albuquerque a proposito das trabalhosas viagens durante as quais os navios faziam água em abundância, pelas costuras do costado: com uma mão nas barbas e outra na bomba».

82Num álbum manuscrito que manuseei na já por vezes mencionada Biblioteca do Ministério da Guerra, respeitante a 1851, vê-se uma praça, um sargento e um oficial da armada real, todos de matacão. Relativamente a 1890, no mesmo álbum em que vêm representados soldados e oficiais do Exército, há grande variedade de usos em marinheiros (oficiais e soldados): bigode simples, bigode e mosca, barba toda, cara rapada; e num reformado, como pessoa mais antiga, barba de passa-piolho. Esta variedade, que é ainda a actual (e a mais, bigode à americana) corresponde à do Exército. Num retrato do Sr. Capitão-de-Mar-e-Guerra Manuel de Azevedo Gomes, comandante do antigo cruzador «D. Carlos I», figura ele de barba inteira e bigode farto, como se vê na Fig. 112.

c) Classe civil:

  • 61 Vid. Inocêncio, Dicc. Bibliogr., iii, 198.

83No primeiro quartel do séc. XIX a patilha granjeara muitos adeptos, não somente pessoas reais. O calígrafo J. J. Ventura da Silva, num retrato de 1803, o Dr. B. A. Gomes (Sénior) num de 1811, Fig. 113 (cópia litográfica, que possuo, de um desenho de Sequeira), o marquês de Marialva, num de 1813, o marquês de Borba, num de 1815, o conde de Peniche, num de 1816, o conde dos Arcos no mesmo ano, figuram com ela. Outro exemplo temos na Fig. 114: retrato do desembargador Pina Leitão, no seu poema da Alfonsinada impresso em 1818. Os conjurados de 1820 ostentavam-na quase todos, quer os civis, quer os militares (cf. supra, p. 349): foi Sequeira quem os pintou; os retratos existem no Museu de Arte Antiga, e estão publicados numa colecção que os amadores de arte guardam com orgulho. Alguns têm matacão; mas nem sempre, como já disse acima, é fácil distinguir uma forma da outra. Suíça propriamente dita é que não encontrei neles. Outros exemplos de patilha: Bocage (ߙ 1805); Dr. Basílio Alberto de Sousa Pinto, deputado às Cortes em 1822 (Fig. 115); J. D. Bomtempo († 1842); Pinheiro Freire ( ߙ 1846). Num retrato de 1811, de Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça, que porém viajou muito61, vê-se matacão ou patilha grande: Fig. 116. O Dr. Santos Brilhante, em 1821, apresenta-se de suíça, num retrato. Na mesma época observa-se juntamente cara rapada em retratos de Luís Pinto de Sousa Coutinho, 1801; António de Araújo de Azevedo, ministro de Estado, 1804; Santos e Silva (autor da Brasiliada), 1815.

Fig. 111 (vid. p. 352) Tipo de um porta-machado de 1820

Fig. 111 (vid. p. 352) Tipo de um porta-machado de 1820

84Em estampas etnográficas que consultei na Biblioteca Nacional deparam-se-nos: numa assembleia de 1834, de gente fina, indivíduos de patilha ou de cara rapada; um personagem de casaca, de 1835, de patilha, e outro, de mais idade, de cara rapada; um limpa-chaminés de 1833, e um vendedor de colheres, de 1835, de cara rapada.

85Em estampas análogas de 1840 e tantos, que possuo, mostram-se tipos populares com barba cerrada (por exemplo pescadores, a quem falta ensejo de se barbearem no alto mar!), passa-piolho, matacão, às vezes patilha e suíça, cara rapada. Em estampas da mesma época estão estudantes de Coimbra de bigode ou de passa-piolho. Num ex-voto que vi no santuário da Senhora do Pilar (Castelo de Lanhoso), um campónio, de matacão, cumpre a sua promessa em 1840. Pessoas graves dos meados do século: barão de Ancede, 1843, José Gomes Monteiro (1850-1852), e o já citado Dr. Santos Brilhante, 1853, de matacão; Gomes Monteiro, noutro retrato, 1842, e o deputado Freire de Lima, 1846, de passa-piolho.

Fig. 112 (vid. p. 355) Retrato do capitão-de-mar-e-guerra Manuel de Azevedo Gomes

Fig. 112 (vid. p. 355) Retrato do capitão-de-mar-e-guerra Manuel de Azevedo Gomes

86Em 1853, D. José de Almada Lencastre usa bigode num retrato; em 1858, Inocêncio da Silva, no vol. I.° do Diccionario Bibliographico, bigode e mosca comprida; em 1861, J. F. de Castilho, suíça ou matacão, e bigode de pontas recurvadas, noutro retrato. De 1870 em diante, como consta de retratos que examinei, o bigode impera, bigode com pêra ou mosca grande: Rebelo da Silva, Mendes Leal, José Estêvão, Alexandre de Castilho, Tomás Ribeiro, Bulhão Pato. Com simples bigode: Manuel Bento de Sousa, Pinheiro Caldas, Fig. 117, Júlio César Machado, Mariano de Carvalho (vid. p. 313, Fig. 38). Também de 1870 há em pessoas de qualidade exemplos de cara rapada e suíça, e de bigode e matacão longo ou suíça. O escritor Lopes Fernandes, que faleceu naquele ano, usava patilha, como os heróis de 1820. De Sampaio ( ߙ 1882) vimos o retrato na Fig. 26, p. 309: barba de passa-piolho, bigode, e mosca aparada (não pêra).

87Noutras pessoas graves de 1880 e tantos: professores Morais Caldas (vid. p. 319, Fig. 47) e Daniel de Matos (Fig. 118), de bigode, e queixo inferior barbado. De dezassete estudantes que em 1886 acabaram o curso da Escola Médica do Porto (de que o autor do presente livro fez parte) treze usavam sim ples bigode, dois bigode e mosca, dois barba inteira despontada; de quatro professores, que com eles estão retratados num quadro que possuo, dois têm bigode, um (de idade) barba toda, outro amplas suíças e bigode.

Fig. 113 (vid. p. 355) Retrato do Dr. Bernardino António Sénior, em 1811

Fig. 113 (vid. p. 355) Retrato do Dr. Bernardino António Sénior, em 1811

Fig. 114 (vid. p. 355) Retrato do desembargador Pina Leitão, em 1818

Fig. 114 (vid. p. 355) Retrato do desembargador Pina Leitão, em 1818

Fig. 115 Retrato do Dr. Basílio Alberto de Sousa Pinto, em 1822

Fig. 115 Retrato do Dr. Basílio Alberto de Sousa Pinto, em 1822

Fig. 116 Retrato de Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça, em 1811

Fig. 116 Retrato de Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça, em 1811

Fig. 117 (vid. p. 356) Retrato do poeta Pinheiro Caldas

Fig. 117 (vid. p. 356) Retrato do poeta Pinheiro Caldas

Fig. 118 (vid. p. 356) Retrato do Prof. Daniel de Matos

Fig. 118 (vid. p. 356) Retrato do Prof. Daniel de Matos

88Na Fig. 119 temos o retrato do Sr. Dr. Manuel de Arriaga, primeiro presidente da República Portuguesa (1911-1915), hoje falecido: vê-se aí amplo bigode, e mosca-pêra.

Fig. 119 Retrato do Dr. Manuel de Arriaga, 1.° presidente da República Portuguesa ( ߙ 1917)

Fig. 119 Retrato do Dr. Manuel de Arriaga, 1.° presidente da República Portuguesa ( ߙ 1917)

89Actualmente é raro encontrar na capital uma pessoa nova, da classe civil (alta, média ou baixa), que não use bigode pleno, bigode americano, ou cara rapada, frequentemente porém com patilha. O bigode pleno predomina no povo, por exemplo, serviçais, vendedores de cautelas, revisores de eléctricos, operários, polícias. Barba toda, ou pelo menos barba abundante (matacão, etc.) só gente de idade (Fig. 120: matacão e bigode, conforme o tipo da Fig. 49, p. 320, que lembra o do imperador Francisco José, de Áustria), ou gente pobre. Há grupos especiais, também com moda especial: por exemplo, actores (pela necessidade de se caracterizarem), toireiros, cocheiros, – todos de cara rapada.

Fig. 120 Retrato contemporâneo

Fig. 120 Retrato contemporâneo

90Nas aldeias do Continente os rapazes, de 20 anos para cima, andam de bigode simples; as pessoas idosas andam de matacão ou suíça, ou com a cara rapada. É isto o normal, ou era há anos. Todavia cumpre não esquecer que os hábitos da cidade avalassam os campónios dia a dia, e alteram pois regras preestabelecidas. Nas Figs. 121, 122 e 123 vemos retratos de pescadores de Esposende, de barba abundante, pela razão dada a p. 356. As pessoas de idade que estiveram na tropa mantêm não raramente o seu antigo e predilecto bigode militar.

  • 62 A moda deste último tipo é muito antiga na humanidade: cfr. o trabalhinho de Mötefindt, que citei a (...)

91Nos Açores, em vários ajuntamentos de muita gente, observei este ano (1924) que os velhos, ou pessoas de certa idade, trazem barba cerrada e de passa-piolho62; os novos trazem geralmente bigode farto. Por moda (que é sempre tirânica!) vai-se propagando o uso de rapar a barba, e também o de trazer bigodito à americana.

Fig. 122 Pescadores de Esposende

Fig. 122 Pescadores de Esposende

92Do bigode americano, que tanto se observa nas Ilhas Adjacentes, como no Continente, é aqui por vezes sucedâneo o de Charlot, tão cerceado, tão microscópico, tão mísero, que, em comparação dos que imponentemente adornam os retratos de um Saldanha ou de um Bismarck, até parece que rebaixa a dignidade humana. Mais valia não usar nada!

Notes

1 Vid. Obermaier & Wernet, Pinturas de Valtorta (publicação da Junta para ampliación de estudios), Madrid 1919, p. 50 (e 51) e 97. Quanto à data, vid. p. 78.

2 Vid.: Berlanga in Rev. Archeologica de Borges de Figueiredo, II (Lisboa 1888), 37; e D. Antonio Vives, Estudios de Arqueologia cartaginesa, p. 17, Madrid 1917 (publicação da Junta para ampliación de estudios), e cfr. pp. X-XI da mesma obra.

3 Vid. D. Antonio Vives, Estudios de Arqueologia cartag. (cit. na nota anterior), p. 156, n.° 968, est. lxxxiii, 1; p. 157, n.°970, est. lxxxiv; p. 162, n.°995, Fig. 141; p. 162, n.° 11027, Est. XCIII, 5.

4 As figuras ibéricas de bigode afastam-se do uso que se nota em muitos monumentos do Egipto, Canaã, Sídon, etc., representativos de fenícios: neles se atribui a estes somente barba, e não bigode: vid. Helbig, L’épopée homérique (trad. do alemão), Paris, 1894, pp. 314-316. Barba em contraste com cara rapada passou sempre por enfeite muito estimado dos povos orientais. Nos monumentos da Assíria os reis apresentam-se com extensa barba, entrançada e estilizada; e ela se observa também em monstros mitológicos desse povo, como pode ver-se em qualquer dos bons museus da Europa (Louvre, etc.). Os Egípcios, como consta de muitos dos seus monumentos mais arcaicos, rapavam o beiço superior e as faces, e só deixavam barba no mento: Helbig, ob. cit., p. 314. «O mais singular costume dos Egípcios, diz G. Wilkinson, era o de atarem uma falsa barba sob o queixo, feita de tranças de cabelo, e de forma peculiar, segundo a pessoa que a trazia. Indivíduos particulares tinham-na pequena; a dos reis era muito comprida, esquadrada em baixo; as figuras dos deuses distinguiam-se por ela se voltar na extremidade»: A popular account of the ancient Egyptians, Londres 1871, p. 326. A pêra postiça usada pelo faraó chamava-se «barba osiríaca»: Maillart, Athéna, Paris, s.d., p. 32. Veja-se, por exemplo, a cabeça da estátua colossal de Amen-Hetep III, 1450 anos antes de Cristo, em A guide to the Egyptian collections do Museu Britânico, est. XXXII. Sinto não ter podido ler o artigo de Mötefindt, intitulado «Der ägyptische Königsbart» e publicado in Mitteil. d. anthrop. Gesellsch. de Viena, 1920, p. 135 e seguintes. – Outros povos do antigo Oriente, como os Persas e os Judeus, faziam análoga estimação da barba, que usavam comprida. Ainda agora os judeus polacos exibem barba toda, às vezes com o cabelo caído em repas pelas fontes: assim os vi em 1921 e 1922 passar pausadamente debaixo da arcada ou colunata de Karslsbad, de grande chapéu de aba redonda na cabeça, e casacão até quase aos pés. Em muitos países os filhos de Israel vão com a moda reinante: assim como substituem o idioma, transmudam a barba. À barba dos Israelitas se fazem várias referências na Bíblia: Reis, II, 10, 5; Esdras, I, 9, 3; Salmos, 132, 2; Isaías, 7, 20. Em monumentos muito antigos da Grécia os Gregos figuram sem bigode, mas com barba comprida e pontaguda, embora em alguns vasos se vejam com bigode: Helbig, L’épop. homér. (já cit.) p. 316 e 320. De Alexandre em diante cortavam a barba, excepto, como se dirá no cap. V, os filósofos para alardearem gravidade: Dict. d’archéol. chrét., s.v. «barbe», col. 479. – De Mouros medievais de Portugal fala-se infra, p. 329, nota 1.

5 Acerca dos guerreiros lusitanos vid.: Religiões da Lusitania, III, 43 ss.; e F. Alves Pereira in O Arch. Portug., XX, 1-16.

6 Vid. acerca da barba nos Romanos: Dict. des Antiq., já cit., s.v. «barba»; Dict. des antiq. chrét., também já citado, s.v. «barbe»; Pauly & Wissowa, Encyclopädie, s.v. «Bart»; Marquardt, La vie privée des Romains, i, 247-248. E. Augusto Allen, Memor. descript. do sarcófago romano do Porto, p. 17, e nota.

7 Vid. Florez, Medallas, III, 269, que cita a D. Antonio Agustín, Dialogos; Campaner y Fuertes, Indicador de la Num. españ., 1891, p. 189; E A. Allen, Catalogo da coll. de moed. visigot. de L. J. Ferreira, Porto 1890. n.os 56 e 57.

8 vid. g. paris, hist. poétique de charlemagne, paris, 1905, p. 349.

9 Devo ao Dr. Pedro Vitorino, conservador do Museu do Porto, e muito sabedor e apreciador de assuntos de Arte, o conhecimento dos monumentos n.os 58 a 61. O capitel, n.° 61, além de constituir documento da matéria que estou tratando, tem ao mesmo tempo muita importância, por ser, quanto sei, a mais antiga representação que existe entre nós de uma cabeça de mouro. O feito heróico aqui assinalado assemelha-se ao do mata-mouros de Évora (Giraldo o sem Pavor), que nas armas da cidade, desde a Idade Média, figura de espada na dextra, entre duas cabeças, uma de mouro e outra de moura.

10 Acerca destes túmulos vid. Dr. António de Vasconcelos in O Instituto, XLII, p. 6 ss., e 68 ss.

11 Informação epistolar do Dr. A. de Vasconcelos, citado na nota anterior.

12 D. Afonso está sepultado no Mosteiro de Santa Clara de Vila do Conde: vid. Mgr. Ferreira, Vila do Conde e Seu Alfoz, Porto 1923, p. 16. O C. de Barcelos no Mosteiro de São João de Tarouca: vid. Ab.e Vasco Moreira, Monografia do Concelho de Tarouca, Viseu 1924, p. 73 (e cfr. Arte Romanica de J. de Vasconcelos & M. de Abreu, p. 64). A Fig. 65 é extraída, com a devida vénia, do livro de Mgr. Ferreira.

13 Inês de Castro, Lisboa 1880, de F. Fonseca, F. Simões e Simões de Castro: vid. p. 38.

14 Cronica de El-Rei D. Pedro, nos Ineditos da Acad., t. IV, cap. XI, p. 29. – O cronista refere-se a dobras, como as de Sevilha, e a dobras mais pequenas, que se vê serem «meias dobras», pois 50 daquelas faziam um marco, ao passo que destas eram necessárias 100. A pontuação do texto da Cronica não está bem: deve haver dois pontos depois de «cento», porque o que ele diz da legenda tanto se entende de umas como de outras, ao passo que, estando vírgula, como está, pode parecer que só se entende das meias dobras.

15 O Sr. Ferreira Braga, como me disse oralmente, põe em dúvida a autenticidade do tornês n.° 33, por ter Lisboa escrito por extenso, e com s, em vez de x. O retrato que acompanha o cap. vi do dial. 3.° da Historia de Mariz (sirvo-me da edição, que possuo, de 1599) dá-nos D. Fernando barbado; que autoridade tem porém este retrato?

16 Crónica de D. João I, cap. 49 (ed. de Braamcamp Freire).

17 Conde de Sabugosa, Paço de Cintra, p. 25. Refere-se à Crónica de D. Duarte, cap. I.

18 Vid.: uma gravura do túmulo da Batalha em Vilhena Barbosa, Monumentos de Portugal, p. 37; e acerca do retrato de Viena, Ferreira Lima in Arqueologia e Historia (publicação da Associação do Carmo), I (1912), 183 e 186.

19 Vid. Vilhena Barbosa, Monum. de Portugal, p. 487.

20 Cfr. Vida do Beato Nuno A. Pereira pelo P.e Valério Cordeiro, Lisboa 1921, p. 220, onde se reproduz um retrato que o Dr. José de Figueiredo julga quase coevo (Iconografia Portug., por A. Sousa & M. Salgueiro: i, 31 ss.).

21 Vid. Arte Portug. Primitiva de J. de Figueiredo: i (Lisboa 1910), 61, 67, etc., e respectivas estampas.

22 Viv. a ed. feita pelo visconde da Carreira em Paris, em 1841.

23 Vid. a introdução escrita pelo V. da Carreira (cfr. nota anterior), p. XIV.

24 Vid. Aragão, Moedas de Portugal, t. I, Est. XII, n.os 3 e 4. Acerca da data de 1490: ibidem p. 243.

25 Vid.: uma miniatura publicada na Lusitania (revista), t. 1, fascículo 1.°, entre p. 44 e 45; e o retrato que publiquei em Da Numismatica em Portugal, Est. VI.

26 Vid. a miniatura citada na nota antecedente.

27 O retrato reprodu-lo o Dr. António Baião no seu livro intitulado Afonso d’Albuquerque, Lisboa 1918; e eu também o reproduzo adiante, cap. V.

28 Nova Floresta, II (1708), 314. – Cfr. o que também disse Fr. Gaspar de S. Bernardino, Itinerario da índia, Lisboa 1611, p. 59.

29 Reedição feita pela Sra. D. Carolina Michaëlis, Coimbra 1923, p. 77.

30 O personagem representado na estátua da Fig. 71 tem o cabelo caído atrás, e enrolado na nuca, mas penteado na frente, até ao bordo da testa; traja pelote aberto adiante, e de manga curta, nas pernas uma espécie de calções ou bragas estreitas, recortadas sobre o joelho, descalço, e ao pescoço um cordão cujos ramos se unem em baixo em um fio único que se prende à parte superior de uma sacola escutiforme em que pousa a mão esquerda (a direita pousa na aba do pelote); à cinta tem outro cordão. O personagem representado na estátua da Fig. 72 usa vestuário análogo; todavia nos pés tem sandálias, e o pelote ou túnica, de mangas mais curtas que as do anterior, e de forma de escamas, é fechado adiante e abotoado; na mão direita, encostada na parte superior da aba, segura um rosário; a mão esquerda pousa numa cabaça que pende do mesmo lado; os pés apoiam-se numa peanha. Na vila supõem que estas figuras representam mendigos que viriam solicitar apoio à antiga Misericórdia, de que a actual é sucessora. (Elas lembram um pouco os romeiros de S. Tiago).

31 A obra de Fr. Gaspar que o articulista tem em mente é o Itinerario da índia, impresso em 1611, e que já citei na nota 5 de p. 334.

32 Acerca da data vid. o que diz Camilo, p. 165. – Na Biblioteca Nacional de Lisboa compulsei um ms. miscelâneo que lhe emprestaram, e que ela tenciona adquirir, no qual está incluído este trabalho de Soropita. A parte do ms. que o contém intitula-se Obras do l(icenciado) Fernão Roíz O Curupita (com C por Ç); e o título do trabalho é: Parrafo Notavel sobre as Barbas deste Nosso Tempo, fls. 94v. e seguintes. O texto difere do de Camilo em alguns lugares.

33 Do contexto resulta que por «barbas de Antre Douro e Minho» entende Soropita barba mesquinha, escassa, por atribuir à gente de lá, segundo parece, carácter semelhante. Com efeito os Interamnenses são um pouco menosprezados pelo povo de fora da província: Pica-Milhos lhes chamavam dantes (cf. Lusa, I, 161, e II, 1); comem pão de passarinho, diz-se deles ainda agora, numa perlenga, como eco do passado.

34 = morzela.

35 sítio, nota Camilo.

36 Isto é, de forma de cunha

37 De Martim Afonso de Miranda: vid. t. i, ed. de 1785, p. 182.

38 No texto com mim.

39 Vid. Rev. Michaelense, iii, 702.

40 Vid. Costa e Silva, Ensaio Biogr.-Crit. sobre os Melhores Poetas Port., v, 155.

41 Vid. Lopes Fernandes, Mem. das Medalhas, Est. 5.

42 A frase que sublinhei fora já dada no Vocabulario de Bluteau, t. ii (1712), p. 122, onde se traduz em latim por superiorum labiorum pilos calamistro surrigere. Cf. supra, p. 339, a frase de Soropita: bigodes levados em alto.

43 O cabelo podia ser objecto de um estudo tão desenvolvido como o da barba (relativamente à mulher até havia mais que dizer do que no estudo da barba). Parte do estudo do cabelo é comum ao da barba (por exemplo, o que respeita ao barbeiro); outras partes são paralelas: natureza e cor do cabelo, diferenças sexuais e étnicas, doenças; pente, escova; modo de o tratar (grenha, escovinha, rego ao meio e ao lado), e de o ornar; penteados altos; costumes jurídicos (cabelo solto, cabelo rapado); poesia popular, provérbios. – Para o respectivo capítulo da Etnografia Portuguesa possuo muitos apontamentos antigos e modernos, e figuras.

44 Vid. p. 212.

45 Vid. Archivo dos Açores, I, 178.

46 D. Pedro III faleceu em 1786, mas figura ainda em moedas de ouro (peça e meia peça) da mesma data. Acerca das moedas, vid. Aragão, Moedas de Portugal, t. II, Ests. 41, 42, 44 e 45; acerca das medalhas, vid.: Lopes Fernandes, Mem. das Medalhas, Ests. 8 a 10 e 14; e Artur Lamas, Medalhas Portuguesas, t. I, Ests. 5, 6, 17 e 18.

47 Luís Cândido C. P. Furtado seguiu a vida das armas, percorrendo toda a carreira militar até o posto de marechal-de-campo efectivo. Fez e dirigiu importantes trabalhos cartográficos: cf. Ernesto de Vasconcelos, Exposição de Cartografia da Soc. de Geogr., Lisboa 1904, n.os 353, 368, 406, 697, 720, 721 e 754.

48 Cf.: The Catholic Encyclopedia, vol. ii, «the beard»; Dictionn. d’archéolog. chrét. s.v. «barbe», col. 481-485.

49 Assim o diz o papa Gregório VII (1078-1085) no livro VII das suas Epístolas: apud Du Cange, Gloss., s.v. «barba». Das variações que houve na barba do clero vid. as obras citadas na nota antecedente.

50 Fortunato de Almeida, Hist. da Igreja, t. iii, pt. I, p. 482 e 485.

51 Acerca dos barbatos, leigos ou conversos, entre os Cartuxos e outras congregações monacais, e acerca da ordem dos barbatos (séc. XII), todos eles de barba crescida, vid. o que do Elucidario de Viterbo se transcreve adiante no cap. VI. Nas províncias de Nápoles e Sicília, onde muito se crê em mau-olhado (jettatura), pensa-se que os frades mendicantes são jettatori, sobretudo se trazem longa e desgrenhada barba: Seligmann, Der böse Blick, I, 91. – Os sacerdotes orientais ainda hoje usam barba toda, o que lhes dá grande aspecto de gravidade. Este uso não foi também sem exemplo no próprio claro do Ocidente: cfr., além do que fica dito no texto, O Panorama, II, 244; e o Elucidario, s. v. «barba». Os papas, como consta do vol. II, que possuo, da obra intitulada Vitae et res gestae Pontificum Romanorum, Roma 1630, deixaram quase todos, desde Júlio II (1503-1513) até Urbano VII (1623-1644), crescer a barba.

52 Diz a lenda que S. Barão ia todos os sábados pedir a Mértola, e que depois se recolhia a uma lapa que existia perto do sítio em que hoje está a ermida que lhe é dedicada. Os lobos arranhavam a lapa, mas por milagre não chegavam a tocar no santo. Ainda lá estão as arranhadelas na pedra, acrescenta o povo piedosamente. S. Barão teve mais seis irmãos, também santos, nascidos, como ele, em Mértola, e também venerados em ermidas. As sete ermidas estão à vista umas das outras, e são, além da de S. Barão, das seguintes invocações: Senhora d’Arceles (Ara Caeli), do Amparo, de Guadalupe, das Neves; S. Pedro das Cabeças, e S. Veríssimo. – Acerca de S. Barão, vid. Mappa de Portugal, 2.“ ed., ii, 173, onde se citam outras obras, mas do que me não servi aqui.

53 Ao Sr. Coronel Garcês Teixeira, meu confrade na Associação dos Arqueólogos do Carmo, e muito instruído em antigas instituições militares portuguesas, testemunho também o meu reconhecimento pelo que dele ouvi sobre o mesmo assunto.

54 Cópia de um retrato devido ao lápis de Dutagne, o qual retrato anda na família de António Cândido. Este não somente, como se disse acima, seguiu a milícia de terra, mas escreveu acerca de muitos materiais, imprimindo uns trabalhos, e deixando inéditos grande número de outros: vid. a biografia inserida na Rev. de Medicina Veterinária, 1931, pp. 172-176, e o que diz Inocêncio, Dicc. Bibliog., VIII, 108-109. Além dos trabalhos que constam destas publicações, tenho conhecimento de mais alguns, e também da sua aplicação desenhativa, comprovada por cartas de artistas notáveis, como Machado de Castro, Cyrillo Volkmar Machado, Arcangelo Fuschini, etc., de 1814. António Cândido pertenceu ao Partido da Liberdade, nas lutas entre D. Pedro e D. Miguel, e como tal esteve emigrado em França, época da feitura do retrato. Foi pois pessoa de muitos méritos.

55 Citado por J. J. Alcântara, Legislação Militar, vol. i, Lisboa 1861 (alfabeticamente), artigo «barba», p. 66.

56 Segundo uma estampa possuída pelo festejado pintor portuense o Sr. Joaquim Vitorino Ribeiro, de que seu filho o Sr. Emanuel Ribeiro me deu amavelmente cópia.

57 Vid. Franco, Legislação Militar de 1864 a 1887, Coimbra 1891, p. 214.

58 Regulamento Geral para o serviço dos corpos do Exército, de 24 de Dezembro, publicado na Ordem do Exerc., n.° 1, da I.a série de 1897.

59 Vejam-se as Alterações ao Plano de Uniformes para o Exército, na Ordem do Exerc., n.° 15, da I.a série de 1913, p. 707.

60 Veja-se a Ordem do Exercito, I.a série, n.° 17, de 13 de Novembro de 1915.

61 Vid. Inocêncio, Dicc. Bibliogr., iii, 198.

62 A moda deste último tipo é muito antiga na humanidade: cfr. o trabalhinho de Mötefindt, que citei acima, no preâmbulo (Gesch. und Verbreitung der Fräse, que foi pena que o seu autor não acompanhasse de um ou outro desenho).

Table des illustrations

Titre Fig. 55 Figura lusitana de bronze do Museu Etnológico Português
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 56 Estátua lusitana do Museu Etnológico Português
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Fig. 57 Monumento do templo de Endovélico hoje no Museu Etnológico Português
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 58 Conde D. Hermenegildo, séc. XII (Museu Municipal do Porto)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 59 Do túmulo de Egas Moniz, séc. XII
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Fig. 60 De um túmulo do Mosteiro de Pombeiro, séc. XII
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Fig. 61 Cristão e mouro, séc. XII (Museu Municipal do Porto)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 62 (vid. p. 329) Túmulo do bispo D. Tibúrcio, séc. XIII (Sé Velha)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 63 (vid. p. 329) Túmulo do bispo D. Estêvão, séc. XIV (Sé Velha)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 64 (vid. p. 330) Túmulo de Lopo Fernandez Pacheco, séc. xiv (Sé de Lisboa)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 65 (vid. p. 330) Túmulo de D. Afonso Sanches
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 66 Condestável D. Nuno Alvares Pereira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Fig. 67 (vid. p. 335) Retrato de Sá de Miranda (séc. xvi)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 68 (vid. p. 335) Retrato de João de Barros (séc. xvi)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 69 Retrato de Damião de Góis (séc. xvi)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 70 Medalha do rei D. António (séc. xvi)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 71 Estátua do pátio da Misericórdia de Ponte de Lima (séc. XVI)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Fig 72 Estátua do pátio da Misericórdia de Ponte de Lima (séc. xvi)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Fig. 73 (vid. p. 339) Retrato de D. João IV († 1656)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 75 (vid. p. 340) Retrato de Agostinho Barbosa, em 1633
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 77 (vid. p. 341) Retrato de D. Pedro II (1683-1706)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 74 (vid. p. 340) Retrato de D. Luís Pereira da Costa (séc. xvii)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 76 (vid. p. 341) Retrato de D. Francisco de Melo, em 1668
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 78 (vid. p. 341) Retrato do Dr. João Curvo Semedo, em 1707
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 79 (vid. p. 341) Estampa da forma em que os Portugueses se hão-de vestir, e pela qual se hão-de regular todos os vestidos que se fizerem depois da publicação da Pragmática de 1698
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Fig. 80 (vid. p. 342) Retrato de Tomás Pinto Brandão ( ߙ 1730)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 81 (vid. p. 342) Retrato de D. Pedro de Almeida de Lencastre (séc. xviii)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 82 (vid. p. 342) Retrato de D. João V, em 1743
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 83 Retrato de Henriques de Paiva
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 84 Retrato de Melo Baena (séc. xviii)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 85 Retrato de Cyrillo Wolkmar Machado, em 1791
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 86 Retrato de Bartolomeu da Costa (1731-1801)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 87 (vid. p. 343) Retrato de Luís Cândido Cordeiro Pinheiro Furtado (sécs. xviii-xix)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Fig. 88 Retrato de D. João VI, em 1807
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 89 Retrato de D. Pedro IV
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 90 Retrato de D. Miguel, em 1852 (no exílio)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 91 (vid. p. 344) Retrato de el-rei D. Luís ( ߙ 1889)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 92 (vid. p. 344) Retrato de el-rei D. Carlos ( ߙ 1908)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 93 (vid. p. 345) Retrato do cardeal D. Fr. Francisco de S. Luís, patriarca de Lisboa, historiógrafo e lexicólogo (ߙ 1835)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-41.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 94 (vid. p. 346) Retrato do Rev. Pascal Campana ( ߙ 1901)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-42.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 95 (vid. p. 346) Retrato de D. António J. G. Cardoso, bispo de Angola e Congo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-43.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 96 (vid. p. 346) Retrato do Rev. António Barroso, que faleceu bispo do Porto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-44.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 97 (vid. p. 347) Um ermitão de 1832
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-45.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 98 (vid. p. 348) Retrato de Gomes Freire († 1817)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-46.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 99 Retrato de Bernardo Correia de Castro e Sepúlveda (gravura existente no Museu Etnológico Português)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-47.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 100 (vid. p. 348) Retrato do tenente-coronel António Cândido Pinheiro Furtado, em 1830
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-48.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 101 Retrato do duque da Terceira, em 1835
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-49.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 102 Retrato do marquês de Saldanha, em 1835 (depois duque)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-50.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 103 Uniforme do Estado-Maior de Engenheiros, 1848
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-51.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 104 (vid. p. 350) Uniforme do Estado-Maior de Engenheiros, 1848
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-52.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 105 (vid. p. 350) Uniforme do Estado-Maior de Engenheiros, 1848
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-53.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 106 Retrato de um oficial, de 1870
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-54.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 107 Retrato de um oficial, de 1870
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-55.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 108 Retrato de um oficial, de 1847
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-56.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 109 Retrato de um oficial, de 1877
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-57.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 110 Retrato de um tenente, de 1887
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-58.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 111 (vid. p. 352) Tipo de um porta-machado de 1820
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-59.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 112 (vid. p. 355) Retrato do capitão-de-mar-e-guerra Manuel de Azevedo Gomes
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-60.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 113 (vid. p. 355) Retrato do Dr. Bernardino António Sénior, em 1811
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-61.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 114 (vid. p. 355) Retrato do desembargador Pina Leitão, em 1818
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-62.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 115 Retrato do Dr. Basílio Alberto de Sousa Pinto, em 1822
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-63.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 116 Retrato de Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça, em 1811
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-64.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 117 (vid. p. 356) Retrato do poeta Pinheiro Caldas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-65.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 118 (vid. p. 356) Retrato do Prof. Daniel de Matos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-66.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 119 Retrato do Dr. Manuel de Arriaga, 1.° presidente da República Portuguesa ( ߙ 1917)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-67.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 120 Retrato contemporâneo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-68.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 121
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-69.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 122 Pescadores de Esposende
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-70.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 123
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4482/img-71.jpg
Fichier image/jpeg, 11k

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search