Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Barba em Portugal

Capítulo III formas e cortes da barba

Texte intégral

Sumário
Formas naturais e artificiais • Barba medrada e seus nomes • Barba aparada • Nomenclatura da barba, segundo as partes do rosto que esta ocupa • Uso de formas de barba, já avulsas, já combinadas entre si • O que é
projecto • Explicações etimológicas

Fig. 15 Selvagem australiano (vid. p. 305, nota 1)

Fig. 15 Selvagem australiano (vid. p. 305, nota 1)
  • 1 Assim ouvi em Anha (Viana do Castelo). Porque é que aqui se diz, de modo especial, de jesuíta, e nã (...)

1A barba ou se rapa ou corta de todo, ou se deixa medrar natural e inteiramente. No primeiro caso diz-se cara rapada, e em algumas terras cara de padre, barba de jesuíta1; no segundo caso barba crescida, barba inteira, barba toda, e em linguagem literária barba hirsuta ou intonsa. Noutras línguas há expressões paralelas, por exemplo, em italiano: barba piena ou intera.

Fig. 16 (Registo)

Fig. 16 (Registo)
  • 2 F. J. Gillen, Across Australia, t. i, Londres, 1912, Fig. 75.

2Homens inteiramente barbados os vemos aqui: Fig. 15, imagem de um australiano2; Fig. 16, registo em que se representa St.° Antão, como tipo um pouco também selvático (metido numa gruta, a ler, entre um crucifixo e a cabeça de um porco); Fig. 17, retrato de José Maria da Silveira; Fig. 18, retrato de um mendigo das ruas de Lisboa. Ao falar dos velhos que no sonho de D. Manuel personificam os rios Ganges e Indo, diz Camões, Lusiadas, IV, 71, que tinham.

  • 3 Do Tiro Civil, n.° 180.

Fig. 17 Retrato de José Maria da Silveira, o Saloio, exímio jogador de pau3

Fig. 17 Retrato de José Maria da Silveira, o Saloio, exímio jogador de pau3

3A barba hirsuta, intonsa, mas comprida, expressões vindas de outras latinas, hirsuta barba, intonsa ora, que se encontram em autores do período clássico, ao lado de barba promissa. Do adjectivo hirsuto formou-se a palavra hirsutismo, como sinónima de hipertricose (vid. cap. I). A barba comprida ou que se desenvolveu para o lado do peito denominavam-na os nossos antigos longa, à latina, como não só na representação mitológica de rios aparece, senão também em estátuas jacentes de túmulos (cf. cap. IV). Outro epíteto de barba o achamos em Camões, na pintura que faz do Adamastor no poema imortal:

Fig. 18 Retrato fotográfico de um mendigo

Fig. 18 Retrato fotográfico de um mendigo

De disforme e grandissima estatura
O rosto carregado, a barba esqualida,
Cheios de terra e crespos os cabellos,
A boca negra, os dentes amarelos

  • 4 A Exposição de Arte Ornamental, Lisboa, 1882, pp. 70-71.
  • 5 Acerca da barba entrançada e agaloada na Idade Média, vid. os passos recolhidos por M. Pidal, Canta (...)
  • 6 A forma clássica desta palavra é Longuinhos: cf. P.e Vieira, Sermões, III (1683), 228, e assim se e (...)
  • 7 A figura de Longuinhos está, pelo menos, duas vezes representada no Bom Jesus do Monte: de forma de (...)

(cant. V, est. 39). Num notável tríptico da Colegiada de Guimarães, que Filipe Simões4 julga ser do séc. XIV ou xv, e onde entre outras cenas religiosas se reproduz a da adoração do Menino Jesus pelos Reis Magos, um destes apresenta-se também com a barba mui comprida, mas entrançada, como o cabelo das mulheres, no que se reflectem usos orientais ou medievais, Fig. 195. Por motivos que se indicarão no cap. IV, há barbas grandes que se designam com nomes históricos: barba à moda de D. Miguel, de D. Pedro IV, também dita de porta-machado. Na Alemanha: Prinz Heinrich-Bart; na Itália: barba alla Cavour (o mesmo que a sottogola; vid. adiante). À iconografia cristã devem-se expressões domo barba de S. Longuinho6 (representado com barba no Bom Jesus do Monte, ao pé de Braga7) de S. Caetano, e outras, que se mencionarão no decurso do presente trabalho. Também se diz barba de Zé-Povinho, por influência da conhecida caricatura com que Bordalo Pinheiro costumava representar o povo português. A mitologia popular, como ouvi algures, conhece a expressão barba de lobisomem (Sabugal).

Fig. 19 Do tríptico da Colegiada de Guimarães

Fig. 19 Do tríptico da Colegiada de Guimarães

4Em contrário da barba toda, pode ela ser, como se disse acima, cortada (com tesoura ou máquina), ou rapada (à navalha ou com gillette), o que em latim se exprimia por barbam tondere, ponere, e barbam recidere, abradere, resecare; ou ser apenas aparada, ou deixada só em certas regiões do rosto. Cfr. cap. ii (começo).

fig. 20 Retrato litográfico de Inácio Pizarro de Morais Sarmento, escritor († 1870)

fig. 20 Retrato litográfico de Inácio Pizarro de Morais Sarmento, escritor († 1870)
  • 8 Por barba malhada entende o Grande Diccionario da Ling. Port. «barba meia rapada»; mas parece que h (...)

5Creio que é à barba um tanto aparada ou esponteada, mas que se mostra basta e forte, que chamamos cerrada; em espanhol, barba cerrada significa do mesmo modo «muy poblada y fuerte» (Dicc. de la Academia)8. Paralela à supracitada expressão histórica barba de D. Miguel, etc., é barba de Guise, que se aplica à barba imitada da de retratos de Henrique, duque de Guise (séc. XVI), que usava barba pontaguda. No Funchal ouvi dizer barbinhas no sentido de «barbas de Guise», expressão que lá não se usa. Chama-se barba apartada, ou de Cristo, a que em baixo tem um rego ao meio, como a que às vezes se faz no cabelo: Fig. 44, p. 318 (António Maria Cardoso). Outra forma é barba de leque.

Fig. 21 Retrato fotográfico de Joaquim Martins de Carvalho, redactor do antigo Conimbricense

Fig. 21 Retrato fotográfico de Joaquim Martins de Carvalho, redactor do antigo Conimbricense
  • 9 Tomo aqui face no sentido vulgar (cada lado do rosto), e não no que lhe dão os anatómicos (toda a p (...)
  • 10 Sarralhão (ou melhor: serrilhão) aplicou-se provavelmente a outra forma de barba, pois essa palavra (...)

6A barba que corre, aparada, desde o cabelo ao longo de uma das faces9, e segue por baixo do queixo sem interrupção de continuidade, para a face oposta, ficando rapado todo o resto da cara, recebe a designação, pouco eufónica, de barba de passa-piolho, porque, explicam, o Pediculus capitis passa da cabeça para lá; todavia, contanto que fique como que uma faixa insulada, Figs. 20 a 23, de cortes mais ou menos apurados, ao longo da maxila, creio que não é forçoso que tudo o mais esteja rapado: assim as barbas do P.e Vieira (Fig. 24), de Garrett (Fig. 25) e de Sampaio (Fig. 26), poderão chamar-se também de passa-piolho. No calão (argot) militar francês usa-se analogamente a expressão piège à poux para significar barba toda. Esta, quando aparada, chama-se nessa língua collier de barbe, em italiano barba a sottogola. – Um indivíduo, já idoso, da Aldeia do Bispo da Raia (Sabugal), disse-me que aí se usara dantes uma forma de barba chamada sarralhão, correspondente, parece, a passa-piolho; não posso, porém, aclarar isto melhor10. Conforme as regiões do rosto ocupadas por barba, assim esta recebe nomes particulares. Os principais são: suíça, bigode, mosca, e pêra.

Fig. 22 Retrato do Dr. J. Pereira Reis, lente da antiga Escola Médico-Cirúrgica do Porto ( ߙ 1887)

Fig. 22 Retrato do Dr. J. Pereira Reis, lente da antiga Escola Médico-Cirúrgica do Porto ( ߙ 1887)

Fig. 23 Retrato litográfico de J. J. de A. de Moura Coutinho, juiz da Relação de Lisboa ( ߙ 1864)

Fig. 23 Retrato litográfico de J. J. de A. de Moura Coutinho, juiz da Relação de Lisboa ( ߙ 1864)

7SUÍÇA, em sentido lato, é a porção de barba que cresce de cada lado do rosto, e nasce pelas alturas da arcada zigomática. Diz-se no plural (dual) suíças, por serem duas. Em Mangualde junta-se um a no princípio, e diz-se: assuíça, assuíças (as assuíças). Algures ouvi suíces (com -es, por influência, creio, da terminação de bigodes). Quando a barba, como continuação do canto do cabelo, forma uma espécie de tira estreita, pouco farta, mais ou menos comprida, e mais ou menos nítida em baixo, chama-se patilha: vid. muitos exemplos no cap. IV; na Fig. 27, a patilha é triangular. No Porto, como me diz o meu colega Dr. Manuel Ramos, há uma forma de suíça a que dão, ou deram, o nome de coronha. Informam -me que no Brasil chamam costeletas às patilhas (talvez quando um pouco encurvadas). Quando a barba desce mais que a patilha, ocupando todo o lado do rosto, até o ângulo do maxilar inferior, onde às vezes, ou mais acima, fica arredondada, chama-se matacão (ou no plural): Figs. 28 a 31. A barba cobre então as bochechas (regiões massetérica e genal dos anatómicos). Outras expressões em voga, mais ou menos sinónimas, são: tacões (Famalicão, Monção, Mangualde, etc.), meias-solas (Ponte de Lima, Ponte do Sótão, etc.), tamancos (Mangualde), meias-suíças (Lisboa). Aos matacões amplos e fartos chamam em várias partes bufas, de que creio que nos dá um exemplo a Fig. 31. Numa aldeia da Beira Alta havia um indivíduo de alcunha o José das Bufas, porque tinha assim os matacões, isto é, bufudos ou bojudos. Cfr. galinha bufuda (cap. VI). Sinónimo de bufas é cantoneiras no Sabugal. Na mesma vila ouvi as expressões matacoilas e tacoilas, por matacões e tacões, com o sufixo depreciativo -oilas; também aí um indivíduo idoso me falou de missagras (referindo-se a outro, disse: «já tem um par de missagras na cara!»). Quando a barba se prolonga de cada lado para baixo, no ar, e se pode apanhar com a mão, chama-se suíça propriamente dita: Figs. 32 e 33. Na linguagem usual emprega-se frequentemente suíça por matacão, e julgo que também por patilha, pelo menos em épocas passadas. Numa ordem do Exército de 22 de Setembro de 1852, fala-se de «suíças direitas até à altura do bigode», o que significa patilha. Tanto patilha como matacão são palavras que só vêm nos últimos dicionários, e não ainda, nestas acepções, nem no de Morais, nem no de Roquete, nem no Grande Dicc. da Lingua Portuguesa. Tudo se englobava dantes, como me parece em suíça (ou suíças). O mais antigoDiccionario que, quanto sei, a arquivou, foi o de A. M. do Couto, Lisboa, 1842, p. 359, col. 1.a (suissa). Às suíças (ou aos matacões) susceptíveis de se agarrarem com a mão, e com as quais se pode segurar alguém, puxando-se por elas, como quem puxa as extremidades ou asas de um harmónio, chamam em Melgaço e em Monção harmónicas, em Anha (Viana do Castelo) halmónicos, no Porto asas de harmónico. O próprio instrumento varia, como se vê, de nome. Em Ponte de Lima, Esposende e Porto dizem no mesmo sentido carquejas, donde vinha o gritarem dantes nesta última cidade os garotos a quem as usava: «ó tio, você tem carqueja ?». E ouvi a este propósito em Esposende uma cantiga que me informaram se cantava haveria uns 40 anos no Porto:

Ó tio, você tem carqueja,
O tio, você tem pó-pó?

Fig. 24 P.e António Vieira (gravura antiga)

Fig. 24 P.e António Vieira (gravura antiga)

Fig. 25 Almeida Garrett

Fig. 25 Almeida Garrett
  • 11 De uma gravura.

Fig. 26 António Rodrigues Sampaio, estadista († 1882)11

Fig. 26 António Rodrigues Sampaio, estadista († 1882)11
  • 12 De uma gravura do Album de Portugal e Africa.

Fig. 27 Retrato de Roberto Ivens, africanista († 1898)12

Fig. 27 Retrato de Roberto Ivens, africanista († 1898)12

Fig. 28 Retrato fotográfico antigo

Fig. 28 Retrato fotográfico antigo

Fig. 29 Retrato fotográfico antigo

Fig. 29 Retrato fotográfico antigo

Fig. 30 Retrato fotográfico antigo

Fig. 30 Retrato fotográfico antigo

Fig. 31 José Tedeschi, Professor de Farmácia da antiga Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa

Fig. 31 José Tedeschi, Professor de Farmácia da antiga Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa

Fig. 32 Retrato (gravura) de João Manuel Gonçalves

Fig. 32 Retrato (gravura) de João Manuel Gonçalves

Fig. 33 Retrato fotográfico de um conhecido do Autor

Fig. 33 Retrato fotográfico de um conhecido do Autor

na qual com pó-pó se traduzia o som que se extrai do harmónico ou harmónio, quando se toca; o resto não é necessário publicar-se. Nos Mysterios do Alentejo, p. 17, lê-se: «suiças á ponta do queixo».

  • 13 De uma gravura de jornal.

Fig. 34 (vid. p. 47) Retrato do general Mello Breyner13

Fig. 34 (vid. p. 47) Retrato do general Mello Breyner13

8Fica bem patente que há nisto bastante variedade de nomes, e confusão. Mas convém arquivar as notícias que pude obter, e por isso aqui exponho outras, segundo as localidades em que pessoalmente as colhi. Em Coimbra patilhas são as que alargam em baixo, como as do rei Afonso XII de Espanha, e as do nosso africanista Roberto Ivens (Fig. 27); matacões são as patilhas estreitas (as patilhas de outras terras, ou patilhas em acepção própria); as meias-solas ocupam as faces, e são tosquiadas (correspondem aos matacões de outras terras, ou matacões propriamente ditos). Em Anha não se diz «patilhas», mas tacões; as suíças descidas por baixo do queixo são presuntos. Em Melgaço dizem indiferentemente patilhas ou tacões. Em Esposende, como ouvi a um barbeiro, tacões são a continuação dos cantos do cabelo, e podem ter forma rectangular, ou terminarem em bico; meias-solas são as suíças aparadas, que pois não descem. Nos arredores do Porto chaniscas são, como me informam, as porções da barba que cobrem as faces, sem passarem para baixo do queixo, mas saídas; meias-solas e matacões são chaniscas rasas e curtas. No Funchal dizem tacões em vez de «patilhas»; suíça tem a mesma significação geral do Continente, e usurpa concomitantemente a de «matacão» (a palavra matacão é lá desconhecida).

Fig. 35 Retrato fotográfico do Dr. Nogueira Souto, antigo juiz de Direito de Aldeia Galega

Fig. 35 Retrato fotográfico do Dr. Nogueira Souto, antigo juiz de Direito de Aldeia Galega

9Como o falar ordinário se adorna a cada passo com trocados de palavras, também a propósito de suíça se costuma gracejar do seguinte modo:

10– Onde fica a suíça ? pergunta um.

11– Entre a França, e a Alemanha, etc., responde outro, que cuida que se fala da nação assim chamada.

12– Não, torna o primeiro: a suíça fica ao pé do bigode.

Fig. 36 Retrato fotográfico de um oficial do nosso Exército

Fig. 36 Retrato fotográfico de um oficial do nosso Exército

13Todas as línguas abundam de tais equívocos, significtiones ambiguae, jeux de mots, e por isso não julguei fora de propósito mencionar o diálogo num trabalho de Etnografia.

  • 14 J. J. Nunes, in Rev. Lusit., vii, 110.
  • 15 J. J. Nunes, in Rev. Lusit., vii, 111.

14BIGODE é o conjunto de pêlos que nascem no lábio superior; como este está dividido ao meio pela goteira subnasal, o bigode apresenta duas partes simétricas, uma de cada lado, pelo que se emprega muitas vezes o plural bigodes: cf. já Jerónimo Cardoso (séc. XVI) no Dict. Lusit.-Latinum. Em algumas localidades o povo diz bidogue e bigote, no Algarve especialmente begote14. Ao bigode pequeno chama-se bigodinho, e ao grande e farto chama-se comummente bigodão, bigodeira, no Algarve begotão e bigodelha15. Informam-me que no Alentejo nomeiam bigode-estopa o bigode grande, não cuidado. Aos pêlos do bigode pode dar-se a denominação de febras, às extremidades dá-se a de pontas. Quando as pontas são finas, chamam-se guias (Figs. 34 a 36). A pessoas de Pampilhosa da Serra e Góis ouvi: bigode-latão, no sentido de um de febras e guias muito compridas; lã--d’ovelha no de um mal feito. Por sátira dizem pelo Minho: bigode de ferro, e paralelamente a algumas das expressões supramencionadas: barbas de latão, barbas de estopa.

  • 16 Depois conde. Hoje falecido.

Fig. 37 Retrato (gravura) do visconde de Paço de Arcos16

Fig. 37 Retrato (gravura) do visconde de Paço de Arcos16
  • 17 Do Album de Portugal em Africa.

Fig. 38 Retrato (gravura) do conselheiro Mariano de Carvalho, professor da antiga Escola Politécnica, e estadista († 1905)17

Fig. 38 Retrato (gravura) do conselheiro Mariano de Carvalho, professor da antiga Escola Politécnica, e estadista († 1905)17
  • 18 Depois de escrito isto, vi na Aguia, Julho a Dezembro de 1923, p. 63 (por indicação do Sr. Francisc (...)
  • 19 Tanto em português como noutras línguas há muitos casos não só de personificações mais ou menos gra (...)

15Outra expressão satírica é vassoira: e até por acaso sei de cor uma quadra epigramática feita com ela em Coimbra a certo professor de Direito que usava grande bigode18. Bigode torcido ou retorcido e frisado são aqui expressões técnicas. Vários tipos de bigode: de guias levantadas (Fig. 35); de guias descidas (Fig. 36); de pontas caídas angularmente (Fig. 37), ou encurvadas, Fig. 38; de guias quase horizontais (Fig. 34); bigode de veterano, sem guias, e aparado no bordo inferior e na frente (Figs. 39 e 53); bigode aparado por todo (Fig. 40); à americana, ridiculamente pequeno, e aparado por todo à tesoura, sobretudo nas extremidades; à maneira do Kaiser, ou de refilão, muito retorcido para cima; à do rei Humberto, muito abundante e igualmente torcido. Vê-se que a linguagem quotidiana continua a servir-se de nomes históricos, como acima. No calão de Minde o bigode chama-se zé-pedro, por exemplo, nesta frase «o covano (pessoa de quem se fala) tem um grande Zé-Pedro»19.Buço, no diminutivo bucinho, significa bigode incipiente, simples penugem, nos moços (como vimos no cap. I, frequente em meninas). – Antigamente, quando se estava em casa, ou na cama, e se desejava que o bigode não se descompusesse, segurava-se com uma tira de couro, camurça ou seda, que tinha uma fita que se prendia nas orelhas. Chamava-se a esta espécie de açamo bigodeira em português (Bluteau), bigotera em espanhol (Dicc. de la Acad.). Diz Bluteau que o costume tinha desaparecido no seu tempo (séc. XVIII); mas modernamente renovou-se por influência francesa: só em vez de camurça ou couro, usa-se uma gaze. O nome é também francês: dresse-moustache.

  • 20 Num texto gracioso, do séc. xvii, figura um «Antonio Correia, armado de barbas de bode»: vid. Revis (...)
  • 21 Um «Soneto a Don Ramón del Valle-Inclán» de R. Darío, inserto a p. 184 de Los mejores cuentos y sus (...)

16MOSCA é a porção de barba que nasce ao meio do beiço inferior (vid., por exemplo, Figs. 41 e 42), e PÊRA a que nasce no mento, descendo em regra abaixo dele. Ambas podem ser mais ou menos largas e compridas, e até confundir-se uma com a outra: dizendo-se então simplesmente pêra (Fig. 52), embora eu aqui empregue às vezes, para maior clareza, a palavra composta mosca-pêra, ou mosca e pêra. A certa forma de pêra chamam na Beira (Mangualde, etc.), pêra de Satanás: de facto a Fig. 43 mostra que para a concepção popular o inimigo do género humano ostenta uma bastante evidente; a pêra resulta de ser o Diabo considerado como bode, e o bode ter uma, pelo que é muito usual em todo o País a expressão barba de bode ou de chibo para significar pêra comprida e de base larga20, expressão também usada em espanhol (barba de chivo21), em francês (bouc), em alemão (Ziegen- ou Bocksbart) etc., a qual já ascende à Antiguidade Greco-Latina, como consta de um passo do Portugal Medico de B. L. de Abreu, p. 732, § 70, e do que se dirá adiante, cap. V. Tenho contudo ouvido por vezes chamar no Minho barbas de chibo a quem as traz em desalinho. Não raramente se deixa coberto todo o mento: em tal caso não há nome especial, pode dizer-se meia barba inferior. Diz-se barba à maneira de Cristo a que é bifurcada no mento (Fig. 44).

Fig. 39 (vid. p. 301) Retrato (gravura) de D. António da Costa, escritor (séc. XIX)

Fig. 39 (vid. p. 301) Retrato (gravura) de D. António da Costa, escritor (séc. XIX)

Fig. 40 (vid. p. 313) Retrato fotográfico do Dr. Ferraz de Macedo, médico e antropólogo (séc. XIX)

Fig. 40 (vid. p. 313) Retrato fotográfico do Dr. Ferraz de Macedo, médico e antropólogo (séc. XIX)

Fig. 41 Retrato fotográfico antigo de um oficial do nosso Exército

Fig. 41 Retrato fotográfico antigo de um oficial do nosso Exército

17Qualquer das formas da barba de que acabo de falar usa-se de per si só. Indivíduos só com bigode, só com suíças, matacões ou patilhas, só com passa-piolho, abundam: toda a gente os conhece. Quem porém traga apenas mosca, ou apenas pêra, é mais raro: sem embargo, o Dr. Serra Mirabeau, lente que foi da Universidade de Coimbra, usava só mosca: vid. o seu retrato na Fig. 45; e sei de um indivíduo do Alto Minho que por 1870 usava só pêra (sem mosca, e sem mais nada): estando nos dois casos inteiramente rapado o resto da cara. Em Fão (concelho de Esposende) houve em tempos um indivíduo que usava só mosca-pêra, propriamente barba de chibo ou de bode, – conforme lá mesmo me disseram; e também já assim vi um retrato.

Fig. 42 Retrato fotográfico de um oficial do nosso Exército (1876)

Fig. 42 Retrato fotográfico de um oficial do nosso Exército (1876)

18Muitas vezes combinam-se as formas da barba umas com as outras, por exemplo:

  1. bigode, com mosca (sem pêra), estando rapado todo o resto da cara (cfr. Figs. 39, 41,42);

  2. bigode, com pêra sem mosca;

  3. bigode, com mosca-pêra (a este conjunto chamam em algumas partes, por exemplo, no Alto Minho e na Beira Central, cavanhaque, ou à cavanhaque);

  4. bigode, com mosca e pêra separadas (vi assim um retrato);

  5. bigode ligado com meia barba, com um círculo (vi assim igualmente um retrato);

  6. bigode, com barba aparada ou meia barba (Figs. 46, 47 e 48);

  7. bigode, com matacões, ligado a estes (Fig. 49) ou separado (Fig. 50);

  8. bigode, com suíças amplas, estando rapado tudo o mais (Fig. 51);

  9. bigode, com mosca-pêra e matacões (Fig. 52);

  10. barba de passa-piolho, com mosca ou com bigode, já citada (p. 309), de Vieira, Garrett, e Sampaio (e vid. Fig. 53, com bigode de veterano);

  11. barba pontaguda, com mosca, pêra e bigode (retrato de A. P. Lopes de Mendonça);

  12. bigode, com barba inteira, Fig. 54;

  13. bigode curto, com barba também curta, e mosca;

  14. bigode torcido, com mosca, e barba de dois bicos, continuada sob o queixo;

    • 22 Esta expressão inglesa corresponde na América do Norte um tanto ao nosso Zé-Povinho: a ela e outras (...)

    cara rapada, com pêra (cf. p. 316), a que algures ouvi chamar Uncle Sam22. Podiam ainda indicar-se outros casos de observação diária.

19Estando um indivíduo com a barba por fazer, e depois a faz, e deixa sinal de suíça, pêra, bigode, para continuar a desenvolver-se, diz-se que deixa projecto. A palavra projecto emprega-se aqui em sentido rigoroso, do latim proiectus, particípio de proicere «lançar para fora». Deita-se o ministério abaixo, quando se rapa só o bigode.

  • 23 Gravura extraída da Payxam de Christo, Évora 1687, p. 19.

Fig. 43 (vid. p. 315) Satanás23

Fig. 43 (vid. p. 315) Satanás23

20Definidas assim as formas naturais e artificiais (ou cortes) que a barba toma, passarei a dar algumas explicações filológicas das palavras que as exprimem.

21A barba é ornato mui sujeito a modas. Por isso que as modas vêm para nós ordinariamente de fora, algumas dessas palavras têm origem estrangeira.

  • 24 Depois de estar no prelo o cap. II da presente obra, tive conhecimento da publicação do D. Pedro I, (...)

22Em tal caso está suíça, resultante talvez de influência militar: cfr. em Morais, Diccion., s.v. «soïcia»: «exercício militar regular, que os Suissos introduzírão: ordenança suissa, fazer suíças, evoluções, e exercícios d’armas», e cita textos do séc. XVI. Cfr. também: S. R. Dalgado: Influenc. do Vocabular. Port. em Ling. Asiaticas, Coimbra, 1913, p. 146, e Gloss. Luso--Asiat., II, 324. Em espanhol: zoizo, soldado de infantaria; o que fazia parte da zuiza; e zuiza, diversão militar; soldadesca festiva. O aparecimento da palavra suíça na nossa literatura, no sentido de barba das faces, parece-me porém moderno, como acima disse, e portanto, embora a palavra pudesse algum tempo existir apenas oralmente, sem se escrever, não sei se ascenderá já àquele século. Só estampas de antigos trajos de soldados suíços confirmariam ou anulariam a explicação que proponho24. Ou datará a palavra somente do séc. XVIII? De facto, em 1762, havia entre nós dois batalhões de tropas suíças, como se lê num apontamento de um álbum de Figurinos militares, não impresso, que consultei na Biblioteca do Ministério da Guerra, onde também, numa colecção de legislação, se declaram, com data de 12 de Junho do dito ano, mas sem indicação dos fardamentos, as condições em que os mesmos batalhões deviam ser levantados.

  • 25 Do Album de Portugal em Africa.

Fig. 44 (vid. p. 316) Retrato (gravura) de António Maria Cardoso, africanista25

Fig. 44 (vid. p. 316) Retrato (gravura) de António Maria Cardoso, africanista25
  • 26 Fotografia de um quadro que existe em Coimbra.

Fig. 45 (vid. p. 316) Retrato do Dr. Serra de Mirabeau, lente da Universidade de Coimbra26

Fig. 45 (vid. p. 316) Retrato do Dr. Serra de Mirabeau, lente da Universidade de Coimbra26

23Não faltam nomes de formas de barba nascidos, como aqui será o caso, de razões históricas, além dos que acima vimos (D. Miguel, etc.). Em francês chama-se impériale à mosca-pêra, por Napoleão III usar esta forma de barba (juntamente com bigode), e a palavra passou, se não me engano, no sentido de «mosca», para o inglês da América do Norte: imperial. O que nós dizemos pêra dizem os Ingleses e os Norte – -Americanos, creio, Van Dyke, segundo a moda nos retratos do pintor flamengo Van Dyck. Também os Ingleses chamam Kruger beard à meia barba usada por Kruger, presidente da República do Transval, que foi muito falado no seu tempo, e dão o nome de Charlie Chaplin moustache a um bigodinho curto, por causa de Charlot (Charles), actor cinematográfico, que o usa postiço; em português também bigode à maneira de Charlot. O general Burnsides, que usava suíças, foi motivo de se dar a estas o seu nome, nos Estados Unidos.

Fig. 46 (vid. p. 316) Retrato (gravura) do Dr. Costa Simões, lente da Universidade de Coimbra

Fig. 46 (vid. p. 316) Retrato (gravura) do Dr. Costa Simões, lente da Universidade de Coimbra

24Patilha é claramente o espanhol patilla, que porém significa «suíças compridas»; deriva de pata, certamente na acepção de «pé (de animal)». A par de patilla diz-se nessa língua, por hipérbole, muito de acordo com o génio dela, piés de patilla. Cfr. quanto ao sentido, a expressão portuguesa pé-de-galinha, que significa metaforicamente o enrugado que com o andar dos anos se forma na pele da cara do homem, junto do ângulo externo do olho, de cada lado. Em espanhol há também pata de gallina, no mesmo sentido, e em francês há pattes-de-lapin por «patilhas». Meia-sola, em espanhol igualmente media sola, resultou de outra metáfora: viu-se certa semelhança de forma entre a barba que se estende ao longo da face, e a sola ou meia sola de um sapato. Daí vem o dizer-se de certas pessoas: cara de sola, cara de sola batida, isto é, sem vergonha. Ideologicamente aparentado com meia-sola está tamanco e tacão, se este não provém de matacão, por aférese artificial e graciosa. – É curioso que se façam referir à cara palavras que significam objectos destinados aos pés, ou relacionados com eles: patilha, meia-sola, tamanco, e acaso tacão! A força metafórica, ou da imaginação, venceu aqui o raciocínio, pois nem sempre as línguas se regulam pela lógica: por outra, elas obedecem a uma lógica muito sua.

Fig. 47 (vid. p. 316) Retrato do Dr. Morais Caldas, lente da antiga Escola Médico-Cirúrgica do Porto

Fig. 47 (vid. p. 316) Retrato do Dr. Morais Caldas, lente da antiga Escola Médico-Cirúrgica do Porto

25Costeletas, que eu disse se usava no Brasil, vem do francês côtelettes, nome familiar dos «matacões» ou «suíças» (favoris). Os Ingleses traduzem a mesma ideia pela expressão mutton-chop whiskers, à letra, «suíças (patilhas) de costeletas de carneiro». Na Espanha chamam familiarmente chuletas às «suíças», sobretudo às suíças quando curtas (patillas curtas, ou patillitas, como também dizem); chuletas são em sentido próprio «costillas de temera, carnero ó puerco, fritas ó asadas». À mesma série culinária pertence presunto, pela semelhança que pitorescamente se encontrou entre as suíças, caídas de cada lado da cara, e os presuntos que estão pendurados do fumeiro, nas cozinhas da aldeia, ou suspensos do tecto de uma despensa ou de uma mercearia. À palavra chanisca, do Porto, é que não encontro correspondência lexical que me satisfaça. – Pois que à barba se unem mistamente ideias de seriedade (barba no conjunto) e de zombaria (formas especiais da barba), segundo o que se ponderará no cap. V, não cause estranheza que se comparem certas espécies de barba com objectos de significação modesta: pata, sola, costeleta, presunto.

Fig. 48 (vid. p. 316) Retrato (gravura) de Silva Túlio, escritor

Fig. 48 (vid. p. 316) Retrato (gravura) de Silva Túlio, escritor

26A matacão conferem os dicionários significações várias:

Fig. 49 (vid. p. 316) Retrato fotográfico antigo

Fig. 49 (vid. p. 316) Retrato fotográfico antigo
    • 27 Vid. Prof. A. de Vasconcellos, Dicion. das Plantas de Portugal, Porto, 1914, p. 58.

    planta venenosa, o Colchicum autumnale de Lineu27: de mata-cão, porque envenena o cão (cfr. mata-lobos, mata-cavalo, mata-pulgas, nomes de outras plantas);

  1. vadio: singular de matacães, porque se entende, parece, que os vadios ou ociosos matam cães, como os estudantes de Coimbra se entretêm de noite matando gatos.
    O cão, se nos anexins e frases recebe louvores, e serve para formar comparações agradáveis, como animal doméstico que tantos serviços presta, é também por vezes aí muito molestado, como animal que se submete humilde, e se dana: tratar outrem como um cão, cheirar a cães mortos, como cão vadio. Assim se compreende bem o significado de matacães;

  2. seixo pequeno (Morais), pedra que se apanha na rua e com que se atira a alguém (cf. esp. matacán «piedra grande de ripio»); grande pedaço, «oh que grande matacão de queijo!» (Grande Diccion.), isto é, naco (Figueiredo). AFigura-se-me que seria no sentido de «pedaço grande» ou «naco», que se aplicou matacão a significar metaforicamente a porção de barba que avoluma a face.

27Valor análogo ao de matacão possui bufa, que não passa de mero nome verbal tirado de bufar, que significa, segundo Morais, soprar, inchando as bochechas, e tem origem onomatopaica: cfr. Meyer-Lübke, REW, n.° 1373. Harmónica e harmónico, palavras que, como disse, se usam no Minho, no sentido de suíça ou matacão, provêm claramente, como o próprio povo explica, e acima se disse, da disposição (e acaso do movimento) dos foles do instrumento assim chamado: significação portanto correspondente à de bufa. A expressão metafórica missagras deve-se a serem duas as missagras ou bisagras de uma porta, – comparação porém bastante forçada!

Fig. 50 (vid. p. 316) Retrato fotográfico antigo

Fig. 50 (vid. p. 316) Retrato fotográfico antigo

28Bigode. O mais antigo texto que conheço em que existe esta palavra é o Cancioneiro Geral, III, 111. As formas populares que mencionei acima bigote e begote provêm claramente da forma espanhola bigote, à qual corresponde outra igual em mirandês. A forma espanhola bigote há sido objecto de várias explicações, não ainda claras: vid. Morel--Fatio in Romania, XXIII, 618 (onde toma para base um artigo de Baist nas Romanische Forschungen, 407); Nigra ibidem, xxxi, 504; Meyer-Lübke, REW, § 1097. Bigote e bigode têm uma mesma origem, mas para se admitir que esta palavra veio daquela, seria necessário explicar a mudança do t em d. Talvez sejam formas independentes uma da outra.

  • 28 De uma gravura de jornal.

Fig. 51 (vid. p. 316) Retrado do Dr. Alves Branco, médico (séc. xix)28

Fig. 51 (vid. p. 316) Retrado do Dr. Alves Branco, médico (séc. xix)28

29Ao chamar o nosso povo vassoira, estopa e lã-de-ovelha ao bigode faz comparações felizes com coisas de uso, com que está em contacto. À comparação com a lã referi-me ao cap. I (lanugo), e tornarei a referir-me no VI (borrego). Da comparação com a estopa falarei no cap. V.

30Quanto à vassoira, cfr. o inglês whisker «suíça», que vem de whisk «vassoirinha», e o italiano baffi a spàzzola «bigodes de escova»: três povos tiveram aqui visão análoga, pois os cabelos do bigode fazem lembrar pêlos de escova, e palhas de vassoira.

31A buço atribui a Sra. D. Carolina Michaëlis por étimo bucceus (deriv. de bucca) in Rev. Lusit., III, 134; Meyer-Lübke, REW, 944, objecta que a explicação não é admissível, de certo por causa do espanhol bozo, com o.

Fig. 52 (vid. p. 315 e 317) Retrato fotográfico antigo

Fig. 52 (vid. p. 315 e 317) Retrato fotográfico antigo

32A quem contempla a leve mancha de pêlos que aparece no beiço inferior afigura-se ver uma mosca pousada aí. Não é a mosca insecto tão vulgar, sempre no Verão diante dos olhos da gente, e tão importuno, que todos procuram atacá-lo? Ao leitor ocorrerá provavelmente a conhecida fábula de Fedro em que se diz que

  • 29 De uma gravura de jornal.

Fig. 53 (vid. p. 317) Retrato de José de Mello Gouveia, ministro de Estado (séc. xix)29

Fig. 53 (vid. p. 317) Retrato de José de Mello Gouveia, ministro de Estado (séc. xix)29

Calvi momordit musca nudatum caput

  • 30 Informação do Sr. G. Moldenhauer. – O mesmo Sr. deu-me outras informações alemãs que não pude aprov (...)
  • 31 Vid. Ricardo Jorge, O Mal do Bicho, Lisboa 1909 (separata da Medicina Contempor.): rectite ulceroga (...)
  • 32 Vid. sobre o assunto: Alberto Saavedra, Linguagem Medica Pop., Porto, 1919, passim; Riegler, Das Ti (...)

(V, 3). Por isso a comparação daquele conjunto de pêlos com o corpo do insecto tem base natural. Vários povos românicos nos acompanham no uso desta metáfora: os Espanhóis e os Italianos com mosca, os Franceses com mouche. A metáfora deve ter-se originado num destes países, e passado para os restantes, pois de certo não provém em todos imediatamente do latim, onde musca não tinha essa acepção. Aumentativo de mosca em italiano é moschettone (derivado duplo), que significa a mosca que desce muito, ou antes o que eu chamo mosca-pêra. Em alemão também se diz Fliege (mosca) no mesmo sentido de «mosca» do beiço30. Outras partes do corpo, e concomitantemente produtos e estados mórbidos, recebem nomes tirados de comparações com animais, tanto na linguagem popular, como na culta, tanto em português, como noutras línguas, a) Exemplos portugueses: bicho em muitos sentidos (herpes, etc.), (ter) bicho-carpinteiro, (mal do) bicho31, (matar a alguém o) bicho do ouvido, bichoca, bichoco, cavalo, cobrão = cobrelo, galo, lobinho, mula, minhoca (e no plural), sapinhos; b) exemplos estrangeiros: chat, Kätzchen, Maus, partes pudendas da mulher; pajarilla, baço; c) expressões que se correspondem em diferentes línguas: crow’s foot, Krähefüße, pata-de-galo, patte--d’oie, o mesmo que pé-de-galinha, de que falei há pouco; avoir une araignée dans le plafond, ter teias de aranha (ou macaquinhos) no sótão; d) exemplos pertencentes à linguagem médica geral: alopecia do gr. άλώπεξ «raposa», porque a raposa em certas doenças fica pelada; lábio leporino, labbro leprino, bec-de-lièvre; lúpus (por causa do carácter corrosivo do mal)32.

Fig. 54 (vid. p. 317) Retrato fotográfico antigo

Fig. 54 (vid. p. 317) Retrato fotográfico antigo

33A porção de barba chamada em português e espanhol pêra (nesta língua também perilla), que cai elegantemente do mento, foi comparada com o fruto da pereira, pendente da árvore. Como a respeito da mosca, há também várias expressões botânicas aplicadas a partes do corpo e a doenças, quer na nossa língua, quer noutras: bogalhas dos olhos, batata do nariz ou penca, botão (pápula), maçãs do rosto, melão (cabeça calva); em francês pommette, lichen (linguagem médica), miliaire (idem); em alemão Augapfel. A uma expressão nossa, são como um pêro, corresponde em espanhol: sano como una manzana. Cfr. carqueja, supra, p. 311. Consagrei a este assunto uma lição na Faculdade de Letras de Lisboa num dos passados anos lectivos, a propósito do apelido Caroço, a qual há-de fazer parte de uma obra que estou preparando para o prelo: lá estabeleci outros paralelos.

34A abundância de metáforas zoológicas e botânicas de que acabo de falar, respectivas a partes e doenças do corpo humano, mostra que não só mosca e pêra são translações muito naturais, mas que ao propagarem-se de um país para outro encontram sempre terreno propício para se fixarem.

35Quanto a cavanhaque, de que falei a p. 316, como sinónimo regional de bigode e pêra, nada mais é que Cavaignac, nome de um general francês (1802- -1857) que retratam daquele modo e ao mesmo tempo com barba pontaguda. Comparem-se-lhe várias expressões que já vimos acima, de carácter realengo, às quais juntarei barba à maneira de Francisco José (imperador da Áustria), que ouvi algures na Beira (cf. Fig. 49, a p. 320). Em estética de barba, militares e monarcas dão com frequência a norma, pela atracção que resulta do garbo e do fulgor histórico.

Notes

1 Assim ouvi em Anha (Viana do Castelo). Porque é que aqui se diz, de modo especial, de jesuíta, e não, de modo geral, de padre, como noutras partes, se todos os padres, com as excepções que serão indicadas no cap. IV, usam cara rapada? A nomenclatura da barba, como noto noutro lugar, obedece não raro a impulso satírico, pois que o povo está ordinariamente disposto a zombar. Ora dentre os membros do clero português têm sido sem dúvida os Jesuítas os mais combatidos pelo Estado, sobretudo do tempo de Pombal para cá: portanto o povo, que no campo da ironia jamais se esquece das ordens religiosas, segue aqui a corrente da opinião dominante, e dá à Etnografia expressões como a de cima, e outras da mesma natureza.

2 F. J. Gillen, Across Australia, t. i, Londres, 1912, Fig. 75.

3 Do Tiro Civil, n.° 180.

4 A Exposição de Arte Ornamental, Lisboa, 1882, pp. 70-71.

5 Acerca da barba entrançada e agaloada na Idade Média, vid. os passos recolhidos por M. Pidal, Cantar de Mio Cid, Vocab., p. 456, onde há também uma referência aos reis da Pérsia. E cfr. adiante, cap. IV (Judeus e Mouros).

6 A forma clássica desta palavra é Longuinhos: cf. P.e Vieira, Sermões, III (1683), 228, e assim se escreve usualmente; talvez se suprimisse o -s, por se supor que este era desinência de plural. No Martyrologio Romano, Coimbra, 1591, lê-se já, na taboada: Longuinho, nome de um soldado e mártir (que suponho que é o de que estou falando), e de outro mártir; a par de Longinho. nome de um mártir e de um bispo também mártir. Estes nomes vêm de Longinus, cognome muito usado na época romana. Longinho assenta directamente no acusativo de Longinus; Longuinho recebeu influência da palavra portuguesa longo, cujo diminutivo não podia ser senão longuinho (e de facto o lat. Longinus assenta em longus). Quanto ao -s de Longuinhos, representa a desinência do nominativo latino, com outros nomes, por exemplo, Maximinos (em Braga). – O povo também diz S. Longuinhos.

7 A figura de Longuinhos está, pelo menos, duas vezes representada no Bom Jesus do Monte: de forma de estátua equestre, cá fora, perto do templo, à esquerda de quem sobe; e no altar-mor. Em ambos os casos, barbada e bigodada. A respeito da primeira dizem as Memor. do Bom Jesus do Monte, de Sampaio Pimentel, Lisboa, 1883, p. 38: «a estatua de Longuinhos, um soldado de estatura agigantada e com morrião na cabeça, escudo embraçado, e lança em punho, sentado em soberbo e bem ajaezado cavallo. Na peanha lê-se: LONGVINHOS 1819». Creio que a figura que impressionou mais o povo foi essa, pelo seu aspecto guerreiro, que chama logo a atenção. O povo tornou dentro do templo a contemplá-la (embora ela aqui esteja noutra postura), e isso aumentou o espanto. Já vi ambas as figuras, e por isso falo por experiência.

8 Por barba malhada entende o Grande Diccionario da Ling. Port. «barba meia rapada»; mas parece que houve confusão com barba remolhada, que na referida obra se menciona, e de que falo no cap. vi.

9 Tomo aqui face no sentido vulgar (cada lado do rosto), e não no que lhe dão os anatómicos (toda a parte ântero-inferior da cabeça: cfr. J. A. Pires de Lima, Programa da cadeira de Anatomia Topográfica da Faculdade de Medicina do Porto).

10 Sarralhão (ou melhor: serrilhão) aplicou-se provavelmente a outra forma de barba, pois essa palavra designa uma peça de ferro convexo-côncava, de pouco mais de um decímetro de comprimento, que se coloca sobre a cana ou dorso do nariz dos cavalos ou muares de tracção, presa à cabeçada por duas argolas laterais (cada uma em seu extremo), e provida de mais três centrais, na parte superior e convexa, nas quais se enfia a rédea ou arreata. O serrilhão tem nos bordos uma série de dentes compridos (serrilha, donde o nome), cobertos de couro, para que, quando se puxa pela rédea ou arreata, o animal se magoe, sem se ferir, e assim abrande a fúria, não se levantando, nem se espantando.

11 De uma gravura.

12 De uma gravura do Album de Portugal e Africa.

13 De uma gravura de jornal.

14 J. J. Nunes, in Rev. Lusit., vii, 110.

15 J. J. Nunes, in Rev. Lusit., vii, 111.

16 Depois conde. Hoje falecido.

17 Do Album de Portugal em Africa.

18 Depois de escrito isto, vi na Aguia, Julho a Dezembro de 1923, p. 63 (por indicação do Sr. Francisco Valença), publicada a quadra: e para lá remeto o leitor.

19 Tanto em português como noutras línguas há muitos casos não só de personificações mais ou menos graciosas de cousas, e nações, e substituição de nomes de pessoas por outros mais típicos, mas nomes comuns que provêm de nomes próprios de homens, mulheres, santos.
Da segunda série temos por exemplo: pantalonas, que se supõe ter por étimo S. Pantaleão, venerado em Veneza (a palavra para nós veio por intermédio do espanhol ou do italiano); marrafa, de Marrafi, nome de um bailarino italiano do séc. XVIII; gaforina, de Gafforini, nome de uma cantora do séc. XIX. Acerca de pantalonas vid. REW, § 6206. Acerca de marrafa e gaforina cfr. marquês de Resende, Outeiro Nocturno, Lisboa, 1868, p. 8; e Alman. de Lembr., de 1872, p. 121 (onde se lê porém ganforina e Ganforini). De marrafa trata também Morais, s.v.; pela minha parte leio num entremez do séc. XVIII «toucados á Marrafe» (A Partida Forçada, Lisboa, 1789).
Da primeira série reuniu muitos exemplos, respeitantes a João e Maria, a Sra. D. Carolina Michaëlis in Revista Lusit., I, 35, nota. Outros exemplos são: zé-pereira (zabumba), zé--zabumba; josé-do-sacho, coveiro (Lisboa); joão-da-rua, vento; Zé-Povinho, povo português (cfr. Jacques Bonhomme, e infra, p. 305 e nota 1); tia-maria, menstruação (vid. A. Saavedra, Linguag. Medica Pop., p. 7); joão-da-cruz, dinheiro (cfr. juan platero em espanhol); joão-de--cordas, um pobre diabo (vid. Rev. Lusit., II, 250). No Cancioneiro Geral, de Resende (séc. XV) lê-se:
...es com’al negro lhamar-se
Joam Branco,
vid. I, 421. Em Lisboa chama-se dia de s
anta-cruz em palma a um dia de qualquer pagamento (santa-cruz = dinheiro; palma da mão). No Vimieiro chamam maria-de-pavia à preguiça, e dizem:
Já estás como a
maria-de-pavia:
Veio pela manhã, ficou p’ra todo o dia,
rifão proveniente de estar Pavia perto do Vimieiro (rivalidade étnico-geográfica). Quanto a outras línguas, omito mais exemplos, por brevidade.

20 Num texto gracioso, do séc. xvii, figura um «Antonio Correia, armado de barbas de bode»: vid. Revista Michaelense, iii, 695.

21 Um «Soneto a Don Ramón del Valle-Inclán» de R. Darío, inserto a p. 184 de Los mejores cuentos y sus mejores cantos, começa assim:
Este gran don Ramón de las barbas de chivo,
cuya sonrisa es la flor, etc.
(Comunicação do meu ilustre amigo Sr. Santos Agero Merino).

22 Esta expressão inglesa corresponde na América do Norte um tanto ao nosso Zé-Povinho: a ela e outras análogas me referi nos Ensaios Ethnograph., iv, 34-35. Cfr. supra, p. 314, nota.

23 Gravura extraída da Payxam de Christo, Évora 1687, p. 19.

24 Depois de estar no prelo o cap. II da presente obra, tive conhecimento da publicação do D. Pedro I, do Sr. General Morais Sarmento, Lisboa, 1924, onde a pp. 475-478, fala da organização, segundo o regime ou ordenança suíça, a que Afonso de Albuquerque submeteu os aventureiros que iam do Reino para a Índia. Os militares da Suíça eram notáveis por sua disciplina e destreza: Castela havia contratado, para a conquista de Granada (1492), um corpo de tropas suíças; e a fama de tal soldadesca teve natural eco em Portugal, Ob. cit., pp. 473-475.

25 Do Album de Portugal em Africa.

26 Fotografia de um quadro que existe em Coimbra.

27 Vid. Prof. A. de Vasconcellos, Dicion. das Plantas de Portugal, Porto, 1914, p. 58.

28 De uma gravura de jornal.

29 De uma gravura de jornal.

30 Informação do Sr. G. Moldenhauer. – O mesmo Sr. deu-me outras informações alemãs que não pude aproveitar, porque, quando as recebi, já o meu trabalho estava redigido.

31 Vid. Ricardo Jorge, O Mal do Bicho, Lisboa 1909 (separata da Medicina Contempor.): rectite ulcerogangrenosa, p. 33.

32 Vid. sobre o assunto: Alberto Saavedra, Linguagem Medica Pop., Porto, 1919, passim; Riegler, Das Tier im Spiegel der Sprache, 1907, pp. 64, 78, 101, 152, 288, 278; os meus Ensaios Ethnogr., 111, 192, 201.

Table des illustrations

Titre Fig. 15 Selvagem australiano (vid. p. 305, nota 1)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 16 (Registo)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre Fig. 17 Retrato de José Maria da Silveira, o Saloio, exímio jogador de pau3
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 18 Retrato fotográfico de um mendigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 19 Do tríptico da Colegiada de Guimarães
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre fig. 20 Retrato litográfico de Inácio Pizarro de Morais Sarmento, escritor († 1870)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 21 Retrato fotográfico de Joaquim Martins de Carvalho, redactor do antigo Conimbricense
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 22 Retrato do Dr. J. Pereira Reis, lente da antiga Escola Médico-Cirúrgica do Porto ( ߙ 1887)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 23 Retrato litográfico de J. J. de A. de Moura Coutinho, juiz da Relação de Lisboa ( ߙ 1864)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 24 P.e António Vieira (gravura antiga)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 25 Almeida Garrett
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 26 António Rodrigues Sampaio, estadista († 1882)11
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 27 Retrato de Roberto Ivens, africanista († 1898)12
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 28 Retrato fotográfico antigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 29 Retrato fotográfico antigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 30 Retrato fotográfico antigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 31 José Tedeschi, Professor de Farmácia da antiga Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 32 Retrato (gravura) de João Manuel Gonçalves
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 33 Retrato fotográfico de um conhecido do Autor
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Fig. 34 (vid. p. 47) Retrato do general Mello Breyner13
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Fig. 35 Retrato fotográfico do Dr. Nogueira Souto, antigo juiz de Direito de Aldeia Galega
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 36 Retrato fotográfico de um oficial do nosso Exército
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 37 Retrato (gravura) do visconde de Paço de Arcos16
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Fig. 38 Retrato (gravura) do conselheiro Mariano de Carvalho, professor da antiga Escola Politécnica, e estadista († 1905)17
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 39 (vid. p. 301) Retrato (gravura) de D. António da Costa, escritor (séc. XIX)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 40 (vid. p. 313) Retrato fotográfico do Dr. Ferraz de Macedo, médico e antropólogo (séc. XIX)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 41 Retrato fotográfico antigo de um oficial do nosso Exército
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 42 Retrato fotográfico de um oficial do nosso Exército (1876)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 43 (vid. p. 315) Satanás23
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 44 (vid. p. 316) Retrato (gravura) de António Maria Cardoso, africanista25
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 45 (vid. p. 316) Retrato do Dr. Serra de Mirabeau, lente da Universidade de Coimbra26
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 46 (vid. p. 316) Retrato (gravura) do Dr. Costa Simões, lente da Universidade de Coimbra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 47 (vid. p. 316) Retrato do Dr. Morais Caldas, lente da antiga Escola Médico-Cirúrgica do Porto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 48 (vid. p. 316) Retrato (gravura) de Silva Túlio, escritor
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 49 (vid. p. 316) Retrato fotográfico antigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 50 (vid. p. 316) Retrato fotográfico antigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 51 (vid. p. 316) Retrado do Dr. Alves Branco, médico (séc. xix)28
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Fig. 52 (vid. p. 315 e 317) Retrato fotográfico antigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 53 (vid. p. 317) Retrato de José de Mello Gouveia, ministro de Estado (séc. xix)29
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 54 (vid. p. 317) Retrato fotográfico antigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4479/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 11k

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search