Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Barba em Portugal

Capítulo II feitura da barba

Texte intégral

Sumário
Expressões técnicas • Modos primitivos de fazer a barba • Progressos sucessivos • Autobarbeamento • Barbeiro e barbeira • Tenda de barbeiro • Particularidades da feitura da barba • O preço da barba na literatura • Barbeiro com funções de curandeiro

  • 1 Vid. Ad. Coelho, Os Ciganos de Portugal, Lisboa, 1892, p. 78.

1Rapar a barba por inteiro, ou só em parte, deixando saliente certas porções que serão indicadas no cap. III, diz-se fazer a barba, como em espanhol hacer la barba, segundo o Dicc. de la Academ. (expressão porém pouco usada hoje em Castela; as expressões correntes são: arreglar la barba, afeitar la barba, isto é, quitaria). Por extensão de sentido, também em português se diz fazer a barba por apará-la ou cortá-la. A expressão escanhoá-la significa «cortar os canhões... que são o cabelo que ficou mais chegado á raiz depois de feita» (Bluteau), isto é: alisá-la ou aperfeiçoá-la. A par de fazer a barba usa-se barbear, rapar os queixos, e em língua chula arear o tacho, porque tacho, em calão, quer dizer «cara»1, e porque a vasilha assim chamada areia-se com terra, etc., depois de ter servido.

  • 2 Cronica de Guiné, cap. 49: Paris, 1841, p. 378.
  • 3 Les races et les peuples de la terre, Paris, 1900, pp. 210-211.

2O homem pré-histórico devia empregar instrumentos de pedra para cortar a barba, pois ainda, no século XV, Gomes Eanes de Azurara, referindo-se aos habitantes da ilha de Gran Canária, escreve: «as barbas não fazem senão com pedras»2. O que se repete noutros povos, como consta das seguintes palavras de Deniker: «L’usage de raser les cheveux de la tête et de la barbe, ainsi que l’habitude de s’épiler, sont plus repandus chez les peuples dont le système pileux est peu développé que dans les races velues. Tout les Mongoloïdes, tous les Indiens de l’Amérique et presque tous les Océaniens se rasent ou s’épilent. Le rasoir, parfois un éclat d’obsidienne ou de verre, accompagne chez eux la pince épilatoire»3. Na nossa África, tanto Oriental, como Ocidental, segundo me informam conhecedores dela, os Pretos nem sempre fazem a barba, porque têm pouca; mas, se a querem fazer, servem-se também de vidros, geralmente pedaços de garrafa.

Fig. 8 Navalha de barba, de bronze, da época do ferro (Museu Etnológico Português)

Fig. 8 Navalha de barba, de bronze, da época do ferro (Museu Etnológico Português)
  • 4 Vid. sobre o assunto: Mortillet, Musée Préhist., n.° 11334 ss.; Déchelette, Manuel d’archéologie (I (...)
  • 5 Vid. exemplos de novaculae romanas no Dictionn. des antiq. de Daremberg & Saglio, s.v. «novacula», (...)

3Da época do bronze, e com maior razão, da do ferro, conhecem-se navalhas que se crê serem da barba, com a folha ou o corte de forma de crescente, aparecidas em escavações arqueológicas feitas na Grécia e na Itália4; na Fig. 8 se publica uma da Idade do Ferro, que obtive neste último país, e hoje se guarda no Museu Etnológico. A estas formas sucedem outras5, que de aperfeiçoamento em aperfeiçoamento se transformaram nas que hoje se usam, com as quais vai concorrendo, como recente expressão de progresso, a máquina de barbear chamada gillette, do nome do seu inventor. Juntamente usam-se máquinas de aparar a barba. A navalha de barba tem em Lisboa, em linguagem pitoresca, o nome de rapa-queixos, porque «fazer a barba» diz-se em linguagem burlesca rapar os queixos. Quando a navalha range na face, chama-se cantadeira.

4Cada indivíduo ou faz a barba a si mesmo, ou a manda fazer por outrem. No que se está dizendo toma-se em conta só o homem, porque a feitura da barba da mulher é sempre clandestina, e portanto não submetida a regras gerais.

5Nos Contos Escolhidos de Júlio Brandão, p. 120, temos um exemplo de autobarbeamento: um abade faz «a barba a um espelho já partido, pendurado na porta da janela». É esta a habitual maneira de um indivíduo se barbear. Também não raramente o espelho se pendura no caixilho da janela, em vez de se pendurar na porta.

  • 6 L’habillement, p. 246.

6A pessoa que faz a barba a outrem é em regra um mesteiral, homem ou mulher, isto é, um barbeiro ou uma barbeira. Digo em regra, porque às vezes dão-se casos curiosos: assim Luís XIII de França gostava de fazer a barba aos seus privados; como «cabeleireiro» se diz familiarmente merlan em francês, Bourdeau chama-lhe com graça «merlan couronné»6. Na ilha do Corvo (Açores), como certamente noutras povoações portuguesas de somenos importância, não existem barbeiros, cada um se barbeia; quanto ao cabelo, há lá apenas curiosos que o cortam aos amigos.

  • 7 Coimbra, 1913, p. 11.

7Entre nós não é costume exercerem mulheres o ofício de barbear: só homens. Mas noutros países há barbeiras, por exemplo, na Suécia, onde as vi em 1921, e na Alemanha. A uma barbeira tirolesa, que exercia a profissão em Berlim, consagra Alberto de Oliveira um capítulo nos Pombos Correios7. Já os Gregos conheciam a χουρεύτρια. como os Romanos a tonstrix, e é pela palavra barbeira, que acima empreguei, que Bento Pereira na Prosodia traduz a palavra latina.

  • 8 Barbearia diz Morais que também significa, de modo geral, «arte de barbeiro», e que nos conventos e (...)
  • 9 Cf. A. Pimentel, in A Tradição, i, 148.149.
  • 10 Mestre chama o povo não só ao barbeiro (cfr. Portugal Medico, de B. L. de Abreu, 1726, p. 677, §§ 5 (...)
  • 11 O grande pintor, que me autorizou a reproduzir uma fotografia do seu quadro (por falta de espaço re (...)
  • 12 Vid. uma carta de Nicolau Clenardo em O Renascimento em Portugal, pelo Dr. Gonçalves Cerejeira, t. (...)

8O barbeiro ou trabalha em casa própria (loja, e barbearia; antigamente tenda, que porém é palavra de significação mais geral)8, ou ao ar livre (refiro-me particularmente ao barbeiro popular, e não ao barbeiro figurão), por exemplo, ao pé do adro da igreja paroquial, antes da missa, anunciando-se por um toque de buzina, como o sardinheiro no Alto Minho, e o carteiro no Douro, ou num recanto de uma feira9. Nuns inspirado quadro de Malhoa, que se intitula «O Barbeiro de Aldeia», o mestre barbeiro faz a barba a um campónio que está ao pé de outros sentado debaixo de um castanheiro de grosso tronco10. Vid. Fig. 911 Também o barbeiro vai com frequência servir os fregueses na própria habitação destes. Do que acontecia em Portugal no séc. XVI nos fala satiricamente um escritor flamengo contemporâneo: «Quereis ser barbeado? Mandai adiante um criado a rogar ao vosso barbeiro que venha. Julgais que vem logo? Faz-se esperar um bom pedaço, até que chega enfim – mas não, como os nossos, munido da sua competente bacia e gomil. Não fica bem a um galã trazer na mão o mínimo objecto. É o vosso criado, o vosso próprio criado em pessoa, que tem de trazer a bacia e o gomil, e de os levar depois»12. Hoje não se necessita de tanta cerimónia. A título de curiosidade referirei que nas Enquêtes du Musée de la vie wallonne, n.° 2-3 (1924), p. 55, se grava a figura de «un vieux pauvre homme de barbier qui va raser sa clientèle à domicile, à Gosselies», o qual neste sentido é colega de tantos nossos.

Fig. 9 D’«O Barbeiro de Aldeia» (quadro de José Malhoa)

Fig. 9 D’«O Barbeiro de Aldeia» (quadro de José Malhoa)
  • 13 Os Meus Primeiros Contos, 3.a ed. (Lisboa), 1914, p. 218-219.

9Se na loja do barbeiro figurão há, na parede, um ou mais espelhos, e há uma mesa com aparato de vidros de perfumes, um cabide para os chapéus dos fregueses, cadeirame para estes repousarem, e aí alguns jornais que sirvam de distracção a quem espera vez enquanto outro se barbeia, a loja do barbeiro aldeão é quase sempre muito modesta. De uma loja apurada do séc. XVII (boiões com pomada, bacia, etc.), nos dão amostra azulejos que adornam o jardim do Palácio do Marquês de Fronteira em Benfica. Num conto de Teixeira de Queirós descreve-se assim uma de aldeia (o autor está-se referindo ao barbeiro minhoto Zé Máximo): «onde principalmente elle era forte, era na loja, que tinha artisticamente decorada com estampas da guerra da Crimeia e da de Italia. Os zuavos, recortados á thesoura e grudados na parede, com o seu aspecto carregado e marcial, tinham-se tomado suspeitos dos freguezes, que os julgavam do Anti-Christo pelos bigodes arrogantes e retorcidos. Zé Maximo vingava esta aleivosia nos domingos, antes da missa, quando elles – os calumniadores! – iam fazer a barba. Via-se então, no centro da loja, sentado n’uma cadeira, petrificado, um homem de olhos fechados, os masseteres tetanicamente contrahidos, os punhos cerrados e os pés no ar. Em volta, encostados á parede ou sentados n’um banco, estavam os outros já com sustos reconditos e tremuras de coração, ao lembrarem-se de que pelas mãos tinham de lhe passar. À dor e á queixa do suppliciado, se elle dizia que a navalha tinha mau genio, o tyranno não respondia; mas precipitava denodadamente o cutello homicida na cafeteira d’agua quente, para lhe dar um fio, e voltava a retalhar com prepotencia antiga aquellas caras honradas. Depois d’isto todas as observações se tornavam indiscretas ou inuteis; por que elle não as attendia. Para Zé Maximo, aquelle que ali estava sentado, debaixo da sua fouce, não era um similhante, nem um amigo – era um adversario, era a sua victima, a victima d’um homem enthusiasta. Livre-nos Deus dos homens enthusiastas, porque todos tem o seu momento de colera!»13.

  • 14 Dictionarium Latino-Lusitan., Coimbra, 1570, fls. 251, v.
  • 15 Die Sprichwörter der Römer, Leipzig, 1890. p. 350.
  • 16 Contos, ed. de 1624, fls. 94 v. e 95.

10A loja de barbeiro passou sempre por ser local de cavaqueira e palrice. O mesmo acontecia na tonstrina romana, donde o ditado: tonsoribus omnibus notum, que o nosso Jerónimo Cardoso (séc. XVI) comenta deste modo: «dirseha das cousas notorias porque nas tendas dos barbeyros se contão todas as novas»14. Otto, que cita a frase, refere também uma grega, de Luciano, sobre o assunto15. No séc. xvi observa Gonçalo Fernandes Trancoso: «os barbeiros tem por seu natural serem praticos e chocarreiros»16; do XVI para o XVII compara Soropita a loja de barbeiro com o soalheiro, dizendo pela boca de um tolo amoroso:

  • 17 Poesias e Prosas Ineditas, Porto, 1868, p. 54. Por lentejam, palavra derivada de lento, da qual Sor (...)

Ancorado em tendas de barbeiro,
Onde as novas do mundo se lentejam,
Namora com achaque de soalheiro;
Ali contam da dama, ali praguejam
Os outros todos d’elle, igualmente
Com pragas e remoques se cravejam17;

  • 18 Rolland, Adagios, Lisboa, 1780, p. 36.

e no séc. xviii volta a insistir nisto Brás Luís de Abreu no Portugal Medico, p. 116, § 63: «os barbeiros, dando sabonetes a meyo mundo, e afiando a navalha das linguas...» Um provérbio popular confirma o que fica dito: nem barbeiro mudo, nem cantor surdo18, carácter igualmente bem expresso na lenda do rei Midas, de que se fala adiante, cap. VI, secção B-a.

11Complemento ou apenso natural da barbearia é às vezes o rebolo, onde se amolam as navalhas: cilindro de pedra, que gira numa caixa de pau por intermédio de um eixo de ferro, que o atravessa, e pousa nas bordas desta, ligado numa das extremidades, de forma angulosa, a um pedal, por uma corda; a caixa tem água dentro, e está apoiada em pés, que lhe dão aspecto de banca: vid. Fig. 10 (antiga barbearia do Porto).

  • 19 Esta loja já não existe, mas o ilustre professor de Desenho o Sr. Emanuel Ribeiro, que ainda a conh (...)

Fig. 10 Loja de barbeiro, do Porto19

Fig. 10 Loja de barbeiro, do Porto19

12De um desenvolvido e curioso artigo que o Sr. A. Pimentel inseriu n’A Tradição, I, 148-151, tomo a liberdade de transcrever o seguinte trecho em que se descreve a operação de barbear:

13«O barbeiro antigo não tinha as mais das vezes official, porque os seus escassos lucros lh’o não consentiam, mas tinha sempre um aprendiz, que fazia tirocínio ensaboando as faces dos freguezes e, cuidava da hypothetica limpesa da loja.

14A operação de ensaboar requeria grande destresa de movimentos, que se não podia adquirir de um dia para o outro. A mão manobrava agil sobre a cara do padecente, sendo o dorso dos dedos que ia distribuindo a espuma n’uma fricção rapida, quasi sempre contundente.

15O frèguez, ajoujado dentro de uma toalha folhuda, muito recalcada no pescoço, soffria ainda o supplicio de uma semi-colleira de barro: era a bacia de louça branca, em forma de crescente musulmano, com ornatos azues.

16No fôlho da toalha consistia o luxo unico admittido n’esta industria pela tradição; mas a mesma toalha servia para uma longa serie de dias e queixos, salvo o caso de apparecer na loja algum forasteiro graúdo, o que raras vezes acontecia.

17O paninho da barba, hoje substituído nas cidades pelo livrete de papel, que perde uma folha depois de servido cada frèguez, ficava atravessado no hombro direito da victima á laia de dragona pendente sobre a omoplata.

18Emquanto o aprendiz manobrava com o tradicional sabão amarello, gordo e pegajento, o mestre dando trella aos freguezes, porque não havia melhor soalheiro, passava a navalha sobre o assentador, que era ordinariamente um pau de piteira.

19A mão calosa do rapaz, roliça de frieiras no inverno, punha de tal modo arrepiada a face do frèguez, se não contundida, que bem póde ser que viesse d’ahi o chamar-se «ensaboadella» a qualquer reprimenda aspera, que deixa uma pessoa de cara á banda.

20O que não padece duvida, porém, é que a palavra barbeiro, na accepção de vento rijo e cortante, proveio da brutalidade com que o mestre-escama fazia a barba aos freguezes, não obstante o previo simulacro de assentar o fio á navalha e experimental-o golpeando a unha do dedo pollegar mais de uma vez.

21Tambem ficou em uso a locução fazer a barba para significar que se deixou qualquer pessoa bem castigada.

22Terminada a ensaboadella pelo aprendiz, preparava-se o mestre para entrar em funcções; e se não estava bem certo nos habitos do frèguez, perguntava-lhe:

23"– Quer dedo ou noz?”

24Metter o dedo dentro da boca do padecente era requisito indispensável para dar-lhe relevo á face, de modo que a navalha podesse correr melhor, levando coiro e cabello.

25Se, porém, ao padecente repugnava a unha negra do barbeiro, tinha de fugir de Scylla para ir naufragar em Charybdis, aceitando a noz, natural ou artificial, que devia conservar na boca emquanto fosse barbeado». – Juntarei algumas observações.

26Em vez de se ensaboar a cara do freguês com a mão, o que, pelo menos nas aldeias, era corrente ainda no último quartel do séc. XIX, ensaboa-se hoje com pincel (pinzel se diz em lingua popular); este, como por intermédio de um amigo, me informa um barbeiro minhoto, de meia-idade, começou por se aplicar ao ensaboamento da cara dos defuntos (repugnaria fazer isso com a mão, por medo de contágio), e depois generalizou-se aos vivos.

27Quando o barbeiro metia na boca do freguês o dedo ou a noz, chamava-se à barba: de caroço ou dedo. O costume da noz existia também em Espanha, ainda nos meados do séc. XIX (na própria Madrid!).

Fig. 11 Bacia de barbeiro, de folha (Museu Etnológico)

Fig. 11 Bacia de barbeiro, de folha (Museu Etnológico)
  • 20 O costume de barbear os mortos, quando os amortalham para irem a enterrar, é comum a todo o Portuga (...)

28Ao começar o trabalho, o barbeiro costuma perguntar: a navalha incomoda ? A isto alude numa graciosa caricatura que o Sr. Francisco Valença me mostrou, feita por ele, e publicada há tempos num jornal de Lisboa: um barbeiro, com o cabelo dividido em dois tufos por um rego mediano, barbeia com toda a elegância um morto, que jaz estendido num leito com grande nariz levantado para o ar, como um charuto, e dirige-lhe aquela pergunta automaticamente, pela força do hábito20.

Fig. 12 Bacia de barbeiro, de barro vidrado (Museu Etnológico)

Fig. 12 Bacia de barbeiro, de barro vidrado (Museu Etnológico)
  • 21 El ingenioso hidalgo Don Quijote de la Mancha, pt. I, cap. XXI (sirvo-me de uma ed. de Barcelona, s (...)
  • 22 Poesias e Prosas Ined., Porto, 1868 (ed. de Camillo C. Branco), p. 9.

29A bacia, como o Sr. Pimentel diz noutro lugar do seu artigo, podia ser de latão. Toda a gente a conhece do D. Quixote: um pobre barbeiro de aldeia, que ia montado num burrico exercer o seu mister a um lugarejo, pousara-a na cabeça, para evitar que a chuva lhe estragasse o chapéu, e o herói arremete a ele, julgando-o um cavaleiro que levava o yelmo de Mambrino21. Soropita refere-se também à bacia pela boca de um negro que diz a uma dama: «como vossa formusura seja mais luzente que a minha limpa bacia de barbeiro...»22. Vid. nas Figs. 11 e 12 duas bacias do Museu Etnológico: uma de folha, outra de barro vidrado. No Museu de Machado de Castro, de Coimbra, há, pelo menos, cinco bacias de barbear, de faiança, e artísticas: três delas estão subordinadas à rubrica de «séc. XVIII», como produtos da fábrica de Costa Brioso, ceramista conimbrigense, – bacias muito lindas, pintadas de flores, e finamente coloridas.

  • 23 Desenho executado à vista de um esboço feito do original.

Fig. 13 Insígnia de uma loja de barbeiro em V. N. de Famalicão23

Fig. 13 Insígnia de uma loja de barbeiro em V. N. de Famalicão23
  • 24 Vid. Letreiros Célebres d’Esta Capital (por A. M. do Couto), Lisboa, 1806, pt. 2.a, p. 63 e 123.

30A bacia metálica servia outrora de insígnia à loja, e talvez ainda sirva em alguma terra de província, porque o uso deixou de ser geral há poucos anos. A Fig. 10 recorda, como já se disse a p. 293, nota 1, uma antiga barbearia da Rua dos Caldeireiros, no Porto, de portas baixas; lá está a insígnia da bacia, e entre as portas, cá fora, o rebolo, porque o respectivo mestre exercia também a profissão de amolador de navalhas. Na Galiza obtive para o Museu Etnológico uma bacia de latão (verdadeiro elmo de Mambrino!), que desempenhara aquele papel à porta de um barbeiro em La Guardia, onde vi mais; ela é igual às nossas. Além de bacia metálica servem, entre nós, de insígnia: já uma tesoura grande, e aberta de forma de X, como o Sr. Pimentel informa a respeito da Póvoa de Varzim, e eu tenho observado em muitas povoações, já um globo que tem suspenso por baixo um feixe ou manada de crinas de cavalo, de forma de pincel, e assim chamado, ou chamado mais correntemente penacho, por exemplo, em Ponte de Lima, já ao mesmo tempo uma tesoura aberta sobre um globo de penacho, por exemplo, em Famalicão: Fig. 13. O globo pode ser de vidro, com luz dentro, ou de madeira pintada. Numa tesoura que forma insígnia em Braga, vê-se escrito, com letras gordas, numa folha a palavra BARBEIRO, na outra a palavra CABELEIREIRO. Na mesma cidade há outra loja cuja insígnia é de igual modo uma tesoura e um letreiro, mas este diz só: BARBEIRO, e está posto numa lâmina que encima a tesoura. Em vez de terem insígnias, há ou houve barbearias que têm simplesmente alguns dizeres de carácter geral, às vezes graciosos: barbeiro que faz só barbas, barbeiro expedito, começos do séc. XIX24, ou o apelido do proprietário, apelido que serve de título ou nome ao estabelecimento (exemplo moderno): Barbearia Fulano (em tabuleta). Parece-me que a insígnia do globo de penacho é de introdução moderna e devia convir propriamente apenas ao «cabeleireiro», cujas funções são usurpadas pelo barbeiro, tomado barbeiro-cabeleireiro. Na ilha de São Miguel (Açores) os barbeiros, creio que por influência norte-americana, usam na porta, como insígnia, uma vara, a modo de pau de bandeira, às vezes torneada; observei isso, por exemplo, em Vila Franca do Campo: vid. Fig. 14.

Fig. 14 Insígnia de uma loja de barbeiro, emVila Franca do Campo (Açores)

Fig. 14 Insígnia de uma loja de barbeiro, emVila Franca do Campo (Açores)

31A frase levar coiro e cabelo, lembrada pelo Sr. Pimentel, tornou-se proverbial e metafórica: Jerónimo Bahia na Fenix Renascida, III, 182, diz: arrancar couro e cabelo. Ao barbeiro chama-se realmente em Lisboa mestre-escama, por graça, isto é, «mestre da escama» (cfr. mestre-escola), tendo-se assimilado a escamas de peixe ou de réptil os pêlos ensaboados que a navalha arranca; se é que os que criaram esta expressão não pensaram acaso nas finas lâminas epidérmicas de carácter mórbido que podem formar-se na face, e que os médicos chamam realmente escamas. Da expressão tropológica fazer a barba falo no cap. VI; e de barbeiro no sentido de «vento áspero», ocupei-me nas Lições de Philologia, p. 432. Outras acepções curiosas de barbeiro (no português do Brasil) as dá Alberto Saavedra, Linguagem Medica Popular, Porto, 1919, p. 43.

  • 25 Na Grande Bulha, etc., folheto da literatura de cordel, Lisboa, 1787, p. 12 e 15, alude-se ao trajo (...)
  • 26 Cancioneiro Geral. III, 109.

32Falta indicar uns pormenores: o aprendiz, enquanto o mestre arranha glorioso a cara de sua vítima, segue-o atento, sem perder de vista um único movimento da navalha (assim se habilita para futuras e sangrentas empresas!)25; no séc. XV, quando o barbeiro acabava o trabalho, costumava dizer, satisfeito, ao freguês: prol faça!26, isto é, «parabéns!», «bom proveito!», ao passo que hoje diz: às suas ordens! mais modesto; para o barbeiro indicar ao público que tem muita clientela, deixa acumular no chão o cabelo que cai da barba ou da cabeça dos fregueses, ficando a loja anti-higienicamente por varrer até se fechar. Na época romana, em que o mesmo já acontecia, apanhavam-se os cabelos para feitiços, como se dirá no cap. V.

33A outras circunstâncias se refere o Sr. Pimentel no seu artigo, além das já enumeradas: a perfumes postos na cabeça dos fregueses, visto que o barbeiro exerce também o mister de cabeleireiro; ao preço da barba; à pergunta com que os garotos arreliam o barbeiro, perguntando-lhe se tem obra feita; e à acumulação de funções de cirurgião-sangrador, e tiradentes. – Adicionarei também algumas notícias.

34Dos perfumes se lembra um dos poetas da Fenix Renascida:

...se fazer quizesse
A barba, que ha mil dias que lhe cresce,
Encaxes escuzára do barbeyro,
Servindolhe o chorar d’agua de cheiro,

  • 27 «Encaxar a barba: apertá-la com a mão», diz Morais.

no t. v, p. 5827; porém não tenho aqui de me demorar com o cabeleireiro, sendo o meu tema somente a barba.

  • 28 Vid. uma sua carta em Gonçalves Cerejeira, O Renascimento em Portugal, t. II, p. 13 do Apendice, – (...)
  • 29 Vid. Moedas de Portugal, II, 241.
  • 30 A Grande Bulha, etc. (literatura de cordel), p. 6.

35Se não há exagero no que diz o já mencionado Nicolau Clenardo, o preço de fazer a barba no seu tempo (sec. XVI), entre nós, eram 30 réis28, que porém não tinham o valor moderno, e pelo contrário, conforme os cálculos de Teixeira de Aragão, correspondiam a 105 réis29. Depois o preço tomou-se diminutíssimo: «A barba feita por um vintem» diz um entremez de 178730. Mas para logo foi sucessivamente aumentando, conservando-se o preço antigo, durante algum tempo nas aldeias. Daí nasceu a anedota que se conta ainda hoje de um indivíduo que ia de Lisboa à Outra Banda fazer a barba por um vintém: apesar de gastar mais na passagem, gozava a ventura de se barbear barato! A tradição do preço antigo manteve-se igualmente no Minho, onde se canta a seguinte cantiga:

Estes mocinhos d’agora
Diz que têm, e não têm nada:
Só têm o triste vintém
Para mandar fazer a barba...

a qual ouvi este ano (1924) em Anha, concelho de Viana. Um jornal de 1911 escreve a propósito, e com pilhéria:

36«Barbas a pataco. Em tempos que já lá vão, havia no Caes da Areia uns barbeiros que serviam os seus freguezes por uma tabela de preço resumido: – trinta reis de cara para a terra, um vintem de cara para o mar!

37O pacifico freguez ali estava em plena rua, – o estabelecimento era ao ar livre ouvindo a navalha cantadeira ceifando-lhe o producto dos seus bolbos cabeludos.

38Vistosas barbearias foram pouco a pouco abrindo pela cidade, e os Figaros nacionaes continuaram a sua escanhoadora industria.

39Mas como o progresso tambem pelos barbeiros entrasse, as barbas... acompanhando o movimento... subiram de preço, porque tambem de preço subiu o imposto da cadeira, que o mestre-escama hoje paga ao Estado por 7$200 cada uma!

40Como porém, a fazer concorrencia aos barbeiros, começassem a surgir as Gillette, as Apollo, as Star e tutti quanti (sic) navalhas automaticas que se espalham por esse mundo além, os mestres vêem-se algo atrapalhados.

41Mas... um Figaro nunca teme e... cá a terra da alface, era optimo campo de operações, e ha poucos dias, um Figaro atilado, abria no antigo restaurant o Inferno, em frente da estação central, uma barbearia a 40 reis a barba e 40 reis o corte do cabello, installando 14 officiaes.

42Caiu lá o poder do mundo; até á porta se fazia cauda, e tanto assim, que dos 14 operadores pensa chegar aos 18.

43Como o espirito d’imitação não pára nunca, na Calçada do Duque, grande cartaz annuncia: – Barbas 40 reis, cabello 40 reis, barbas dispontadas 60 reis, fricção de Violeta ou Rhum e Quina 40 reis!

44Na rua de Gomes Freire, outro barbeiro seguiu o exemplo, e na rua dos Poyais de S. Bento idem, levando só mais dez reis!

  • 31 Diário de Notícias, de 4 de Abril.

45Vamos lá que, para pagar apenas o fôro de cidadãos da capital, ter só de differença um vintem sobre o preço da modesta aldeia provinciana, onde a barba custa 20 reis, não é caso para affligir ninguem»31.

46Actualmente torna-se necessário trazer a carteira cheia de notas grandes para contentar um mísero barbeiro! Parece fábula.

47À pergunta da garotada, de que fala o Sr. Pimentel, se referiu o genial artista Bordalo Pinheiro no Besouro (jornal de caricaturas), 1878, p. 148, num artigo intitulado «As Eleições no Barbeiro», onde se figura com outras cousas uma navalha de barba aberta e uma tesoura.

  • 32 Omito a menção de tratados de sangria em cujos títulos não aparece a palavra «barbeiro». Alguns pos (...)

48Quando num ramo da civilização se realiza um progresso, nunca este é repentino: ficam sempre, e longamente, vestígios de estados ou fases anteriores. Assim acontece nas ciências médicas. Com a Medicina científica coexiste a Medicina popular: à Terapêutica, baseada em princípios sólidos, deduzidos da Química, da Anatomia, da Fisiologia, contrapõe o povo às vezes os ensalmos e as mezinhas, que assentam não raro em concepções mágicas; ao médico e ao cirurgião contrapõe do mesmo modo o curandeiro, o endireita, enfim, o barbeiro. Conheço um livrinho dos começos do séc. XVII intitulado Pratica de Barbeiros, com várias edições (sirvo-me da de 1691, Lisboa; a primeira é de 1604), por Manuel Leitão, o qual, apesar do título, nada contém de arte tonsória, e trata exclusivamente da maneira de sangrar, de lançar ventosas, aplicar sanguessugas e de «outras muitas curiosidades pertencentes para o tal officio». Menos enganoso, por causa da sinonímia, é estoutro título: Pratica de Barbeyros Phlebotomanos (sic) ou Sangradores, Reformada, de um livrinho de Leonardo de Pristo (pseudónimo do Dr. Bernardo Pereira), impresso em Coimbra em 1719, embora os assuntos tratados sejam os mesmos do livrinho anteriormente citado32. Ao sangrador tenho visto em textos antigos dar o nome de barbeiro de lanceta. Vid. também a seu respeito os Arquivos de Hist. da Medicina, nova série, XII, 129, 171, e XIII, 1, 38, e 65. As sanguessugas ou bichas, que o barbeiro costumava deitar, guardava-as em frascos piriformes, chamados bicheiros, como se lê no Grande Diccion. da Ling. Portug.: vid. vários exemplos disto nos Letreiros Célebres, 1806, parte 1.a, pp. 174, 205, 213, parte 2.a, pp. 11, 198, 201, – obrinha que já acima citei, e que, apesar de ter sido escrita para fazer rir o leitor, dá curiosos subsídios para o conhecimento da vida popular lisbonense dos fins do séc. XVIII e começos do XIX; informa-me um amigo que em Santarém havia por 1880 e tantos, entre outros barbeiros, que deitavam bichas, um de apelido «Barquinha», que tinha à porta, por fora, um daqueles bicheiros, de vidro, bojudo, semelhante a cabaça, com um cartão ou papelão ao lado em que se lia: bichas boas. O barbeiro metido a clínico ridiculariza-o amargamente Brás Luís de Abreu num capítulo do Portugal Medico, Coimbra, 1726, p. 676. Não obstante ter sido extinto o ofício de sangrador em 1870 (vid. Archivos de Historia da Medicina, loc. cit., pp. 78- -79), continuou muito tempo a havê-los pelas aldeias. Numa xácara transmontana lêem-se estes versos:

1. – Ó minha mãe, não me bata
Com varas de marmeleiro,
Que eu estou muito doente,
Mande chamar o barbeiro.

2. – 0 barbeiro já aí vem
Com a lanceta na mão,
Para sangrar a menina
Na veia do coração.

  • 33 No meu Romanceiro Português, Lisboa, 1886, p. 17.

3. – Malo hajas tu, barbeiro,
E mais a tua navalha!
Foste sangrar a menina
Na veia mais delicada!33,

onde mandar chamar o barbeiro é frase estereotipada que muito se ouvia no Norte de Trás-os-Montes por 1880 e tantos, época em que lá colhi a xácara, e talvez se ouça ainda hoje, no sentido de «mandar chamar o médico». A segunda destas quadras canta-se usualmente noutras terras, com leves variantes:

Lá ’baixo vem o barbeiro
Com a lanceta na mão,
Que vem sangrar a menina
Na veia do coração:

  • 34 A mesma quadra se canta aplicada à Lua: Lá vem a lua saindo || C’ũa lanceta na mão, etc. As cantiga (...)

versão da Rapa (Celorico da Beira)34. Noutra cantiga, que nada tem com a xácara, barbeiro significa o mesmo:

Quem me dera a liberdade
Que tem o mestre barbeiro!
Vai ver as moças à cama,

Encosta-se ao travesseiro!

  • 35 Raynaud, Les médecins au temps de Molière, Paris, 1862, p. 278.
  • 36 Vid.: Raynaud, ob. cit., pp. 287-290; J. Bouillet, Précis d’hist. de la Médecine, Paris, 1883. p. 1 (...)
  • 37 Raynaud, ob. cit. p. 290.
  • 38 Dubreuil-Chambardel, La médecine en Touraine au xi siècle, Tours, 1911 (extr. da Gazette médic. du (...)

versão da Pampilhosa da Serra. Conheci em pequeno, em Mondim da Beira, um barbeiro, mestre Manuel do Carmo, que receitava em doenças agudas, sangrava, curava feridas, lancetava abcessos, exactamente como se fosse médico ou cirurgião. – Este papel dos barbeiros não era exclusivo nosso: existia, e naturalmente, noutros países. Na Itália, por exemplo, vê-se em algumas lojas de barbeiro uma insígnia de sangrador, com estes dizeres: barbitonsore, basso chirurgo35. Em França gozaram de certa importância os barbeiros na Idade Média, como ajudantes dos cirurgiões, e foram muito favorecidos de Carlos V, em 137236, e da Faculdade de Medicina, no séc. XV137. Ainda hoje os barbeiros «sont les grands virtuoses du bistouri»38.

49Quanto a ser tira-dentes o barbeiro, advirto que muitas pessoas do meu tempo se lembrarão, como eu me lembro, de ter visto em feiras um ou outro, que ostentava com garbo a tiracolo um rosário de dentes humanos, como documento de antigas operações cirúrgicas, levadas a cabo com êxito, – e dor! Já no séc. XVIII:

...charlatão dentista em longa praça,
Que ao som dos gritos tira ao pobre o dente,
Com rozario de dentes faz negaça,
Movendo a desdentar-se a bruta gente...

  • 39 Os Toiros por A. J. de Carvalho, Lisboa, 1796, canto IV, est. 15.

como se lê num poema39. Em Avis é corrente dizer-se figuradamente: nem só o barbeiro tira dentes, o que significa que nem só certa pessoa sabe do seu ofício, e há outras com igual conhecimento. Tal era a intensidade com que o barbeiro praticava a arte de dentista, que isso o tornou alegórico!

Notes

1 Vid. Ad. Coelho, Os Ciganos de Portugal, Lisboa, 1892, p. 78.

2 Cronica de Guiné, cap. 49: Paris, 1841, p. 378.

3 Les races et les peuples de la terre, Paris, 1900, pp. 210-211.

4 Vid. sobre o assunto: Mortillet, Musée Préhist., n.° 11334 ss.; Déchelette, Manuel d’archéologie (Idade do Bronze), pp. 261-266; (Idade do Ferro. Halstatt), pp. 877-879; (La Tène), pp. 1278-1279; Helbig, L’épopée homérique (trad. do alemão), Paris, 1894, p. 312, nota 4, e pp. 313-314; Montelius, La civilisation primitive en Italie, 2.a parte, atlas, Est. n.° 132 (Fig. 2), Est. 213 (Figs. 8 e 9), etc.

5 Vid. exemplos de novaculae romanas no Dictionn. des antiq. de Daremberg & Saglio, s.v. «novacula», Fig. 5:334.

6 L’habillement, p. 246.

7 Coimbra, 1913, p. 11.

8 Barbearia diz Morais que também significa, de modo geral, «arte de barbeiro», e que nos conventos era o mesmo que «casa de rasoura», onde se fazia a barba e cortava o cabelo ou a coroa aos religiosos. Barberia em espanhol tem as três significações de barbearia. Esta última palavra, no sentido, de «loja de barbeiro», não se usa ainda muito entre nós, mas vai-se usando, talvez por influência do espanhol: num jornal de Ponta Delgada, Correio dos Açores, de 23-iii-924, lê-se, por exemplo, «a barbearia tal, na rua de tal, etc.».

9 Cf. A. Pimentel, in A Tradição, i, 148.149.

10 Mestre chama o povo não só ao barbeiro (cfr. Portugal Medico, de B. L. de Abreu, 1726, p. 677, §§ 53, 54), senão a qualquer mesteiral.

11 O grande pintor, que me autorizou a reproduzir uma fotografia do seu quadro (por falta de espaço reproduzo porém aqui apenas parte), disse-me que a aldeia em que pensou para a elaboração dele foi uma do concelho de Figueiró dos Vinhos. – O original está hoje no Brasil.

12 Vid. uma carta de Nicolau Clenardo em O Renascimento em Portugal, pelo Dr. Gonçalves Cerejeira, t. II, Coimbra, 1918, p. 14 do Apêndice.

13 Os Meus Primeiros Contos, 3.a ed. (Lisboa), 1914, p. 218-219.

14 Dictionarium Latino-Lusitan., Coimbra, 1570, fls. 251, v.

15 Die Sprichwörter der Römer, Leipzig, 1890. p. 350.

16 Contos, ed. de 1624, fls. 94 v. e 95.

17 Poesias e Prosas Ineditas, Porto, 1868, p. 54. Por lentejam, palavra derivada de lento, da qual Soropita precisou para rima, parece que entende ele «relaxam, enfraquecem, perdem a força, o brilho»; cfr. lat. lentescere.

18 Rolland, Adagios, Lisboa, 1780, p. 36.

19 Esta loja já não existe, mas o ilustre professor de Desenho o Sr. Emanuel Ribeiro, que ainda a conheceu na Rua dos Caldeireiros, teve a bondade de a esboçar de memória, e de me dar o esboço que aqui se publica.

20 O costume de barbear os mortos, quando os amortalham para irem a enterrar, é comum a todo o Portugal.

21 El ingenioso hidalgo Don Quijote de la Mancha, pt. I, cap. XXI (sirvo-me de uma ed. de Barcelona, s. d.).

22 Poesias e Prosas Ined., Porto, 1868 (ed. de Camillo C. Branco), p. 9.

23 Desenho executado à vista de um esboço feito do original.

24 Vid. Letreiros Célebres d’Esta Capital (por A. M. do Couto), Lisboa, 1806, pt. 2.a, p. 63 e 123.

25 Na Grande Bulha, etc., folheto da literatura de cordel, Lisboa, 1787, p. 12 e 15, alude-se ao trajo do aprendiz de barbeiro: casaca e chinelos. Hoje o barbeiro usa bata, como o enfermeiro e o farmacêutico.

26 Cancioneiro Geral. III, 109.

27 «Encaxar a barba: apertá-la com a mão», diz Morais.

28 Vid. uma sua carta em Gonçalves Cerejeira, O Renascimento em Portugal, t. II, p. 13 do Apendice, – obra já acima citada.

29 Vid. Moedas de Portugal, II, 241.

30 A Grande Bulha, etc. (literatura de cordel), p. 6.

31 Diário de Notícias, de 4 de Abril.

32 Omito a menção de tratados de sangria em cujos títulos não aparece a palavra «barbeiro». Alguns possuo na minha livraria, assim como o de B. Pereira, de que falo no texto.

33 No meu Romanceiro Português, Lisboa, 1886, p. 17.

34 A mesma quadra se canta aplicada à Lua: Lá vem a lua saindo || C’ũa lanceta na mão, etc. As cantigas populares voam de terra para terra, e acontece adaptar-se uma a vários assuntos, ora de um modo, ora de outro.

35 Raynaud, Les médecins au temps de Molière, Paris, 1862, p. 278.

36 Vid.: Raynaud, ob. cit., pp. 287-290; J. Bouillet, Précis d’hist. de la Médecine, Paris, 1883. p. 186. E cfr.: Dictionn. des origines, I (1777), 189, S.V. «barbiers»; e La grande Encyclopéd., s.v. «barbier».

37 Raynaud, ob. cit. p. 290.

38 Dubreuil-Chambardel, La médecine en Touraine au xi siècle, Tours, 1911 (extr. da Gazette médic. du Centre, de 1 -IV-1911), p. 12.

39 Os Toiros por A. J. de Carvalho, Lisboa, 1796, canto IV, est. 15.

Table des illustrations

Titre Fig. 8 Navalha de barba, de bronze, da época do ferro (Museu Etnológico Português)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4476/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Fig. 9 D’«O Barbeiro de Aldeia» (quadro de José Malhoa)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4476/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Fig. 10 Loja de barbeiro, do Porto19
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4476/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Fig. 11 Bacia de barbeiro, de folha (Museu Etnológico)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4476/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Fig. 12 Bacia de barbeiro, de barro vidrado (Museu Etnológico)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4476/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 13 Insígnia de uma loja de barbeiro em V. N. de Famalicão23
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4476/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 14 Insígnia de uma loja de barbeiro, emVila Franca do Campo (Açores)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4476/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 6,0k

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search