Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Barba em Portugal

Capítulo I a barba antropologicamente

Texte intégral

Sumário
Definição de barba • A barba como prova de puberdade masculina • Seus caracteres físicos • Hipertricose • Barba da mulher • Observações psicológicas.

  • 1 Na linguagem vulgar chama-se também barba, em sentido muito especial, ao mento ou ponta do queixo i (...)

1Dá-se o nome de barba à porção do sistema piloso que se observa no indivíduo do sexo masculino, depois de púbere, e lhe cobre mais ou menos os lados do rosto, a superfície exterior dos beiços, o mento, e a parte ântero-superior do pescoço1. Este revestimento da maior parte da cara, se é, como se vê, apanágio do sexo forte, também, por excepção (e excepção não rara), aparece na mulher. Em linguagem culta diz-se imberbe o rapaz ainda sem barba. – Cada elemento da barba chama-se vulgarmente pêlo, e às vezes cabelo e guedelha. «Os cabelos da barba», diz Camões, Lusíadas, VI, 17, ao descrever o corpo do Tritão. De «guedelhas da barba», fala Bernardes, Floresta, I (1706), 29, referindo-se a um feito notável, que se mencionará adiante, cap. V. A uma mulher de Vila do Conde ouvi a seguinte quadra popular:

Atira-me um cabeleiro
Da janela para a rua:
Não me vou daqui embora
Sem uma lembrança tua...

onde cabeleiro, que é palavra usual no Minho, significa «um cabelo solto», ou «um fio de cabelo», como palheira (no feminino porém) significa «um fio de palha», erveira «um pé de erva». Dos «Nomes de unidades» formados com o sufixo -eiro (-eira) tratou o Dr. Cláudio Basto num excelente artigo publicado no Exilio, n.° 1 (1916). A barba ainda muito tenra chama-se penugem, em latim lanugo. Cada povo tirou a metáfora daquilo que lhe pareceu mais mimoso: nós, de pena (de ave: isto é, de rama da pena); os Romanos, de lana (lã). No Alto Minho, em vez de penugem, dizem peluge (= pelugem, de pêlo), e por gracejo: pêlo de rato.

  • 2 Deniker, Les races et les peuples de la terre, Paris, 1900, p. 55. Cfr. Le Double & Houssay, Les ve (...)

2A barba não se mostra por igual em todos os povos. Há-os glabros ou quase glabros, como os Mongóis, os Malaios, os Americanos (índios), e há-os muito velosos, como os Ainos, os Iranianos, certos semitas, os Todas, os Australianos, os Melanésios; nos povos de raça negra e nos Bosquímanos atinge só curtas dimensões2.

  • 3 Dr. E. Frizzi, Anthropologie, Iena, 1914, pp. 374-375.
  • 4 Hist. de l’habillement, p. 241.
  • 5 Porto, 1900, p. 323.
  • 6 Notas Contemporaneas, p. 570. – O leitor curioso pode consultar sobre o assunto também: «Le système (...)

3Os antropólogos julgam a barba carácter sexual secundário e progressivo: é por isso que certas raças não a adquiriram ainda, nem o sexo feminino a possui como própria3. Bourdeau chega a afirmar que nas épocas primitivas a barba devia abundar pouco, e que é ao hábito de a cortar, que depois se introduziu, que se deve o poder tomar proporções grandes4. O que Eça de Queirós diz romanticamente do homem pré-histórico, na Ilustre Casa de Ramires, será pois só em parte verdadeiro: «á beira da agua limosa entre os canaviais, um homem monstruoso, pelludo como uma fera, agachado no lodo, partia a rijos golpes, com um machado de pedra, postas de carne humana»5. E noutra obra: «homem hirsuto, ainda sem alphabeto, quasi sem linguagem, etc.»6.

4Em Portugal, único país que importa considerar, a barba, em regra, é copiosa, à parte casos avulsos, individuais. Em que idade começa ela a despontar ou nascer? Observei a este propósito algumas dezenas de estudantinhos de Lisboa, em liceus da mesma cidade.

5Muitos de 13 anos tinham leve penugem, ou não tinham ainda nada; outros de 14 anos ou de 15 rapavam-se já desde os 13 ou 14; só poucos haviam principiado a barbear-se aos 15 ou 16. Dois do Alentejo rapavam-se desde os 13, e outros dois desde os 14. É possível que na Beira e nas províncias do Norte a barba, isto é, a penugem, venha ulteriormente; faltam-me informações. Da barba como sinal de gravidade em anos verdes diz Garcia de Resende na Vida de D. João II, cp. 131, fls. 82 v., da ed. de 1607, que o príncipe D. Afonso «morreo em idade de dezaseys annos e vinte dias, parecendo no corpo, na barba, no saber, siso e sossego homem de vinte e cinco annos». Segundo a superstição popular, há maneiras artificiais de fazer crescer a barba mais depressa; delas me ocupo no cap. V.

6Sinónimo antigo de nascer a barba era pongir (pungir):

vendo-me a barba pongida,
vejo-te a barba pungir,

  • 7 Obras, ed. de D. Carolina Michaëlis, II, Coimbra, 1923, p. 185 e 187.
  • 8 Aquilino Ribeiro, Estrada de Santiago, p. 63.

diz Bernardim Ribeiro7. Hoje diz-se com igual metáfora picar: «ainda não me picava a barba»8. Também usamos: apontar a barba; na Aulegrafia de Jorge Ferreira, 1619, fls. 20, diz Rocha: «par estas repas que me apontão».

7Os pêlos da barba têm forma análoga à dos da cabeça; a barba pode pois ser lisa, encrespada, etc. Em denários ibéricos, do tipo que os numismáticos chamam argentum Oscense, observa-se com frequência uma cara barbada e crespa, como crespo é o cabelo: vid. Fig. I (anverso). Já no meu Elencho das Lições de Numismatica, I, 6, nota, comparei com um passo de Marcial, Epigramm., X, 65, esta feição antropológica que as moedas exprimem. É possível que ela denuncie influência africana, pois desde épocas muito remotas a Ibéria estava em relações étnico-sociais com a África.

  • 9 O exemplar que serviu para a gravura pertence a um particular, e foi encontrado em Portugal. – Acer (...)

Fig. I Argentum oscense9

Fig. I Argentum oscense9
  • 10 Hazlitt, Faiths & Folklore, I, Londres, 1905, p. 297, col. I, onde cita exemplos literários. Há der (...)
  • 11 A feitos de Barba Roxa, sem especificação de pessoa, praticados em 1517, 1520, etc., se referem os (...)
  • 12 Vid. Les contes de Ch. Perrault, por A. Lefèvre, Paris, 1875, pp. 101-108. – Corresponde-lhe nos Co (...)
  • 13 El secreto de Barba Azul, 1923 (conheço-o porém só de nome).
  • 14 Vid. Jérémie de Tours, La divine mélodie du saint Psalmiste, p. 829, citado no Alman. de Lembr. de  (...)
  • 15 Nova Floresta, v (1728), 21.
  • 16 Tempo de agora (séc. XVIII), ed. de 1785, t. I, pp. 182-183.

8Quanto à cor da barba, há barbas pretas, ruivas, ruças, loiras (ou aloiradas), castanhas (ou acastanhadas), para não falar das barbas brancas ou cãs (canície), que são em parte patológicas. O que fica dito aplica-se também ao cabelo. É opinião vulgar que uma barba pode branquear-se de repente, sob a impressão de súbito e violento terror10. Ruço, relativamente ao cabelo e à barba, tem em português várias significações: ruivo (de cor de barbas de milho secas; de cor dos porcos do Alentejo), por exemplo, em Vila Pouca de Aguiar, em Monção, Torres Vedras; loiro muito claro, por exemplo, na Beira Alta; grisalho, passim. No concelho de Arganil havia dois albinos, homem e mulher, que tinham a alcunha de Os Ruços. Por graça emprega-se algures pigaço em vez de «grisalho» (pigaço ou pigarço) aplica-se propriamente ao cavalo malhado ou de duas cores, branca e preta, e também há uma espécie de pêras chamadas pigaças). Certas cores de barba eternizaram-se como nomes de personagens históricos ou fantásticos, que assim tinham a sua: Barba Roxa, epíteto de Frederico I da Alemanha, séc. XII (roxa = ruiva), e também epíteto de dois piratas do séc. xvi, senhores de Argel11; Barba-Azul, nome de um personagem de um conto de Perrault12 e de um romance de Fernández Flórez13, e título de uma peça de Offenbach. Como acontece com outras cores, inventou-se uma lenda para explicar a cor da barba dos Israelitas, ruiva ou loira14. Por outro lado, não falta quem dê à barba (e ao cabelo) cor artificial, e a tal propósito refere o P. Bemardes uma anedota de Alexandre Magno: «Havendo este Monarca nomeado por Juiz a certo parente de Antipatro, seu amigo, soube depois como tingia a barba e os cabelos. Mandou logo riscallo da pauta, dizendo: não fio tantas cabeças de quem é infiel com a sua»15. Também Marfim Afonso de Miranda satiriza as barbas tingidas, contrafeitas, remendadas16.

  • 17 Vid. Tradiç. Pop. de Portugal, p. 256.
  • 18 Vid. Matinées sénonoises ou proverbes françois, Paris, 1789 (sem n. de A.), pp. 145-146, onde se ci (...)

9Algumas cores, por menos usuais que outras, motivaram ditados e provérbios. É corrente ouvir-se: ruço de má pêlo, || má casta, má cara e má cabelo (Trás-os-Montes), ou: ruço de má pêlo, || tem má cara e má cabelo (Estremadura), onde pêlo se referirá a «barba», visto que logo em seguida se particularizou o cabelo. Na Rapa (Celorico da Beira), afirma-se que «homem de barba ruiva ou é muito bom ou muito mau», isto é, toca os extremos, quer se incline ao bem, quer ao mal. Um provérbio que vem em Bluteau, s.v. «barba», diz: falso por natura, || cabelo negro e barba ruiva, a que tenho ouvido dar a seguinte forma: homem de barba ruiva || uma faz, oitra cuida17 quase igual em galego: home de barba ruiba || unha dice, outra cuida, em Saco Arce, Gramática, p. 271. O Sr. J. M. Adrião na Revista Lusit., XIX, 40-41, menciona: a homem ruivo e a mulher barbuda || de longe os saúda, e reúne algumas notas comparativas estrangeiras. Acrescentarei em francês: à barbe rousse et noirs cheveux || ne te fie, si tu ne peux18

  • 19 Wuttke, Der deutsche Volksaberglaube, § 306.
  • 20 Este provérbio vem já em Delicado, Adagios, 1651, p. 92, mas lê-se aí traidores, forma mais moderna (...)

10T. Braga falara já do assunto em O Povo Port., I, 45, e com a habitual facilidade de generalizar sem ter suficientes elementos de generalização, vê nos provérbios deste género um vestígio de aversão aos povos de raça germânica, que constituem um dos elementos da nossa etnogenia; mas o mais curioso, e que refuta completamente a afirmação, é que um provérbio ou ditado análogo existe entre os próprios Germanos! Na Alemanha, com efeito, diz-se: Rotbart, Schlimme Art, isto é, «barba ruiva, má espécie»19. Também nos Sprichwörter de Ida v. Düringsfeld & Otto Reisberg-Düringsfeld, ii, Leipzig, 1875, n.° 265, vêm vários provérbios de análogo teor, tanto germânicos, como românicos. À má ideia que os povos ligam à barba (e cabelo) de cor ruiva se refere Seligmann, Der böse Blick, i, 78-79 e nota. Os provérbios, no caso presente, não têm explicação histórica, têm-na psicológica. Wuttke, na obra que cito em nota, observa que o povo alemão entende que nos devemos precaver de alguém que a natureza desfigura; e o nosso povo entende o mesmo, quando assevera de um homem imperfeito: Deus que o assinalou, || algum defeito lhe encontrou. O que é raro é maravilhoso: e em tal aforismo está a chave da explicação de muitas crendices. – Pior que o homem de barba ruiva é o que tem barba de três cores: barba de tres cores, | barba de treidores (Bluteau)20. Não se explica que cores são; provavelmente são a grisalha, misturada com loira ou com ruiva.

  • 21 Temos nesta frase o que em estilística se chama «comparação com o impossível», de que há muitos exe (...)
  • 22 O conhecimento de alguns destes ditados devo-o a Luís Saavedra Machado, aluno da Faculdade de Letra (...)

11A barba, apesar de, como se disse acima, ser entre nós geralmente copiosa, pode abundar mais ou menos. Quando é rala, diz-se do respectivo indivíduo: tem tanta barba como um cão na língua (Lisboa)21; tem tanta barba, que é preciso andar a gente à procura dela (ibidem); tem a barba semeada ao vento (São Pedro do Sul, Pampilhosa da Serra), ou em dia de vento (algures), ou à sovela (Douro), ou mal semeada (Sul)22. E chamam-se então repas os pêlos soltos (como também do cabelo: vid. o passo, há pouco citado, da Aulegrafia; e cf. Morais, s.v., e Freire, Reflexões sobre a Ling. Portug., III, 50). A propósito de sovela transcreve-se aqui uma cantiga popular:

Estes rapazes d’agora,
Estes que d’agora são,
Têm três pêlos na cara
Metidos a sovelão

  • 23 Ouvida a uma pessoa culta. – Suponho que o terceiro verso o cantarão assim: «têm tres pelinhos na c (...)
  • 24 Barbas asserias nada têm pois com barbas assírias ou dos Assírios (notáveis pela grandeza delas), c (...)
  • 25 Em Apell, Contos Pop. Russos, I (1920), 112.
  • 26 Lusíadas, VIII, I.

Oliveira de Azeméis23. Do conceito satírico em que o vulgo tem um rosto glabro de homem falar-se-á no cap. v. O abundar a barba parece também não ter sido visto com agrado, pois um adágio inculca que homem astroso, |barba até o olho, isto é, «quem possui muita barba não alcança venturas». À barba abundante chamam em várias terras: barbas asserias ou assarias: «aquele sujeito sempre tem umas barbas asserias...». O adjectivo asserio quer dizer «grande», quando se fala de certos legumes, por exemplo, «favas assarias» (Nisa, etc.)24. A barba grande, e alva, é natural atributo de muitos velhos. No conto russo d’As Três Irmãs entra em cena um velho cujo cabelo, sobrancelhas e barba estavam já tão crescidos, que tinham penetrado pelo chão dentro25. Quando Vasco da Gama expõe ao Catual, ao chegar a Calecut, as bandeiras em que se viam pintados os heróis antigos da nossa história, Luso apresentava-se de barba branca longa e penteada26.

12Como no nosso organismo nem sempre existem limites claros entre normalidade e anomalia, passa-se insensivelmente, às vezes, de casos de mera fartura de barba para casos de hipertricose verdadeira. Chama-se hipertricose ao excessivo desenvolvimento, em número e comprimento, dos pêlos já da barba, já do restante sistema piloso. Esta deformidade dá-se em homens e mulheres. Aqui porém só tenho de me ocupar da barba feminina, pois que o seu aparecimento, por não ser fenómeno essencial do sexo, embora frequente, constitui, segundo os países, apreciável elemento de indagação antropológica, como o constitui etnográfico, por causa das lendas, ditados, e sarcasmos que têm provocado e lhe andam anexos. Investigar a hipertricose da face masculina compete exclusivamente à Medicina; pelo menos não conheço a seu respeito nada que pertença à Etnografia portuguesa.

  • 27 Historia, liv. I, cap. 175. O textotem Πηδασέες: traduzi por Pedasianos, porque, se a cidade se cha (...)

13Já Heródoto fala da barba de uma mulher, como de cousa digna de admiração, pois conta que à sacerdotisa da deusa Atena (Minerva), nos Pedasianos (Ásia Menor), aparecia barba, sempre que a estes ou aos povos vizinhos estava para acontecer um infortúnio; e que o fenómeno se manifestara por três vezes27.

14Não uma sacerdotisa, porém, mais do que isso, uma deusa barbada, a menciona Macróbio, Saturnal., 3. 8, 2, referindo-se a Vénus: signurn eius est Cypri barbatum corpore, sed veste muliebri, notícia que também foi conhecida do nosso Viterbo, Elucidario, s.v. «barba». Acerca da Fortuna barbata, outra deusa romana, vid. o que se diz adiante, cap. V.

  • 28 Dict. des antiq. chrétienn., s.v. «barbe», col. 489.
  • 29 Cfr. Martyrologio Romano, Coimbra, 1591, fls. 149 v. (Wilgeforte).

15Uma santa, igualmente com barbas, de suposta origem lusitana, figura em narrativas medievais, mantidas até hoje: tenho em mente Sancta Wilgifortis, chamada entre nós Santa Vilgeforte, ou Santa Liberata, a qual, para evitar um proco que a perseguia, pediu a Deus a tornasse tão feia, que fizesse fugir o pretendente: Deus concedeu-lhe barba; por isso o pai, desesperado, mandou-a crucificar. Logo os cristãos começaram a venerar a mártir, que se tornou milagrosa28. – Os hagiológios colocam a festividade da santa em 20 de Julho29.

Fig. 2 Imagem de Santa Vilgeforte em Beauvais (França)

Fig. 2 Imagem de Santa Vilgeforte em Beauvais (França)

16O culto de Santa Vilgeforte está muito espalhado pela Europa: na Espanha, onde a Santa se chama Liberada; na França, onde se chama Vilgeforte, e por etimologia popular Milleforte; na Alemanha e na Polónia, Kümmernis (palavra alemã que significa «aflição»), etc. Vid.: Le Double & Houssay, Les velus, pp. 319-322, e Figs. de pp. 312; 389-390 (a p. 389 lê-se Kummernus, em vez da forma arcaica Kummernüss, forma moderna Kümmernis); e o Dict. d’archéol. chrét., s.v. «barbe», col. 489. Da imagem dá-se notícia no Guide Joanne (Les environs de Paris), 1914, p. 233; o Sr. Dr. Fernando Correia, subdelegado de Saúde nas Caldas da Rainha, que me deu esta informação, presenteou-me com um postal em que se representa a imagem da santa, o qual aqui reproduzo na Fig. 2. A lenda da crucificação parece que se originou em imagens de Cristo barbadas, e de túnica bizantina, tidas por mulheres: vid. Le Double & Houssay, ob. cit., pp. 319-320, que notam que foi sem razão que se quis ver no crucifixo barbado de Luca (Itália), ou volto santo in Lucca, segundo dizem os Italianos, um retrato da santa. A propósito ocorre-me dizer que o falecido professor da Universidade de Bona, Wendelin Foerster, escreveu um erudito opúsculo intitulado Le saint vou de Lucques, Erlangen, 1906, de que possuo um exemplar por dádiva sua, e onde publica um poema francês do séc. XIII, que tem aquele título, e se guarda na Biblioteca de Turim.

Fig. 3 De um livrinho impresso no séc. xviii

Fig. 3 De um livrinho impresso no séc. xviii
  • 30 Do opúsculo do Dr. Pires de Lima fez-se uma separata num volumezinho de 13 páginas, Porto, 1916, de (...)
  • 31 A Fig. 3 é feita por uma fotografia que o meu velho amigo, e erudito arqueólogo conimbrigense, Dr. (...)
  • 32 Este registo é análogo a um que eu tinha posto no Museu Etnológico, e aos do álbum de A. Fernandes (...)
  • 33 Às notícias dadas por L. Chaves n’O Archeologo a este respeito de Santa Comba de Celas (vid: a nota (...)

17Em Portugal falaram ultimamente do assunto o hoje falecido Ribeiro Artur, oficial do Exército, num artigo intitulado «A Lenda de Santa Kümmerniss», e inserido n’O Seculo, de 12 de Novembro de 1898, e o Dr. J. A. Pires de Lima, professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, num artigo intitulado «Uma Santa Barbada», e inserido nos Arquivos de Hist. da Medicina Portuguesa, 2.a série, t. VII, p. I ss., onde menciona escritos de Zacuto Lusitano, Reis Franco, e outros modernos, entre eles os já citados Le Double & Houssay, e reproduz uma das figuras que estes últimos autores publicaram, e a que já aludi30. O também já hoje falecido publicista Teixeira Bastos adicionou ao artigo de Ribeiro Artur umas linhas n’O Seculo, de 13, em que diz que Santa Kümmernis «é nem mais nem menos do que a nossa Santa Comba, cuja lenda é aproximadamente a mesma». A lenda de Santa Comba, localizada em Celas, ao pé de Coimbra, vem contada no Flos Sanctorum, de Fr. Diogo do Rosário, II (1767), 212-216, onde porém, por piedoso decoro, muito próprio do carácter sentimental e cristão dos Portugueses, não se fala de barba, mas simplesmente se conta que a santa recebeu de Deus fealdade; a crucificação foi numa árvore, que a tradição diz ter sido uma oliveira. Reproduzo na Fig. 3 uma estampa que acompanha um raro livrinho do cónego D. Timóteo dos Mártires (séc. XVII), intitulado Vida e Martyrio da Gloriosa Santa Comba, impresso em Coimbra em 173431, e na Fig. 4 um registo da mesma santa, que adquiri em 192432: quer a estampa quer o registo representam o martírio da santa, que naquela está pregada numa cruz, e neste pregada numa árvore33.

  • 34 Dict. des antiq. chrétienn., s.v. «barbe», col. 489.

18A pretensa virgem lusitana Santa Liberata, cuja lenda é paralela à de Santa Paula Barbata, a quem a Igreja também venera34, pode, quanto ao rosto, considerar-se patrona das mulheres portuguesas providas de barba, que não são em pequeno número.

19Lê-se num jornal, em artigo firmado por uma senhora, e em vista disso insuspeito de exageração:

  • 35 Diar. de Notic., de 1-2-923 (devo a indicação deste trecho ao Dr. Manuel Heleno). No artigo há duas (...)

20«Está-se desenvolvendo escandalosamente a barba nas mulheres. Qual é o homem que não tem surpreendido a esposa, a mãe, uma filha, uma tia impertinente, ou uma sogra, com permanente cara de temporal desfeito, em frente do espelho, de pinça na mão, arrancando nervosamente os pêlos que as impedem de possuir uma cútis macia e cetinosa? É um espectáculo triste e doloroso, que nos enche a nós, senhoras, de vergonha, e a eles de comiseração e de aborrecimento. Rapazinhos de dezoito e vinte anos, que começam a envaidecer-se com o bigodinho que lhes mascara o beiço superior, empalidecem de raiva e desespero, topando amiúde por essas ruas com mulheres de aspecto severo, que ostentam bigodeiras fartas, como a dos antigos e já lendários porta-machados»35.

Fig. 4 «Registo» popular moderno (Coimbra)

Fig. 4 «Registo» popular moderno (Coimbra)
  • 36 Entre barbado e barbudo vai esta diferença: barbado quer dizer que tem, ou já tem barba («encontrei (...)

21Pela minha parte conheço inúmeros casos de barba feminina, isto é, de mulheres barbadas ou barbudas36, já por toda a cara, mais ou menos, já preponderantemente, o que é mais vulgar, em algumas regiões desta, também com maior ou menor fartura. Quem não encontra diariamente, num eléctrico, ou num adjunto, aqui em Lisboa, meninas com um feixinho de pêlos nas comissuras labiais, ou o lábio superior sombreado por uma penugem? De investigações feitas por mim, há muito, e por todo o Portugal, concluo que não existirá no nosso país, ou não existe, freguesia alguma em que não haja mulher com barba. Sei de matronas que possuem tanta barba como homens, e que a fazem a si próprias, periodicamente, ou a mandam fazer por criadas. Informaram-me num afamado consultório dentário da capital que raro passa um dia em que lá não entra uma barba ou uma penugem feminina. Publica-se na Fig. 5 a fotografia de uma mulher do Minho, provida de bastante barba, mulher solteira, sem filhos, e já de idade.

22Alguns ditados aludem importunamente a barba de mulheres:

  • 37 Note-se a sintaxe do segundo verso: outra – outra, por uma – outra, como em latim aliud hic homo lo (...)

Mulher barbuda
Outra diz, outra cuida (Barroso)37,

variante do «homem de barba ruiva» (vid. supra, p. 259);

Mulher barbuda,
De longe a saúda! (passim),

porque «a mulher barbuda ou é bem boa, ou bem danada» (explicam em Arganil); em espanhol, la mujer bigotuda, de lejos la saluda! (Castela-a-Velha);

  • 38 Palavra derivada de buço.

É buceta38...
É pior que a geneta! (Mexilhoeira Grande),

23ou, com outra forma:

Aquela é buceta...
Tem cara de geneta! (ibidem);

e ouvi dois tão rudes (de Trás-os-Montes, e do Minho), que não os posso publicar.

24Acerca do segundo daqueles ditados vid. as notas comparativas que o Sr. Adrião recolheu na Rev. Lusit. IX, 42, onde também se refere a um adagiário do séc. XVI, publicado por Sousa Viterbo na Portugalia, I, 532, no qual aparece o mesmo ditado. A explicação não me parece que seja a que deu T. Braga, O Povo Portug., II, 344 (que a barba feminina anuncia desgraça, como a da sacerdotisa da Ásia Menor: vid. supra, p. 273); quanto a mim, o ditado explica-se como o do homem de barba ruiva, de que há pouco falei. Embora a barba feminina seja, como disse, bastante frequente, não deixa de constituir singularidade no sexo.

Fig. 5 Retrato de uma aldeã minhota

Fig. 5 Retrato de uma aldeã minhota

25Aos ditados é paralela a seguinte quadra:

Meu espelhinho sem aço,
Viradinho p’ra a janela:
Toda a mulher que é barbada,
Todos devem fugir dela!

que ouvi algures (pelo que toca à sintaxe dos dois últimos versos, cfr. o que escrevi nos Textos Arcaicos, 3.a ed., p. 154).

26Sendo vulgar, como disse, a barba feminina em Portugal, admirará que a literatura satírica a respeito dela não seja mais abundante do que é. Creio que isso resulta de que todos se lhe vão habituando, e igualmente do natural culto que se tributa à mulher na poesia popular. Como haviam de chasqueá-la os mesmos que com tanto fervor, sentimento, admiração a cantam todos os dias em delicadíssimas trovas? Não é a mulher a noiva, a esposa, a mãe, que entusiasma e enlouquece uns, que acompanha e acaricia outros? Quem ousaria andar constantemente a motejá-la?

27Do carácter biológico que estou notando na mulher portuguesa comparticipam as do Sul da Europa, sobretudo as espanholas, segundo afirma Deniker, Races etpeuples, p. 55. Le Double & Houssay, Les velus, p. 46, afirmam também: «c’est en Espagne et en Portugal qu’on rencontre le plus de femmes à barbe». O Dr. Pires de Lima, nos Arquivos já citados, escreve, p. 3 que considera menos justa essa opinião, no que toca a Portugal, apesar de observar a p. 9: «a cada passo se encontram na rua buços bem nítidos, ou menos ricamente povoados de pêlos, em faces femininas». Se a cada passo se encontra barba assim, porque é que não se dirá que ela é frequente? Valia a pena em todo o caso elaborar uma estatística circunstanciada.

  • 39 Lehrbuch der Anthropologie (já cit.), p. 375.
  • 40 Anthropologie (já cit.), pp. 86-88.

28Conquanto o Dr. Martin exclua do campo da Antropologia o estudo da barba feminina39, o antropólogo Dr. Frizzi distingue dois tipos de hipertricose, tanto masculina como feminina: hypertrichosis lanuginosa, e hypertrichosis vera; e dá as razões ontogénicas da doença40. Não necessitando de aqui insistir nisto, apenas quero observar, por ser o meu trabalho puramente de Etnografia, que o povo português explica num conto, pertencente ao vasto e conhecido ciclo de «Cristo e S. Pedro», a existência de barba na mulher. Ei-lo:

  • 41 Informação do Rev. P.e Celestino de Figueiredo, abade da Régua, que ouviu o conto em Monção. – Com (...)

29Andava o Senhor pelo mundo com S. Pedro, e lá numa terra de muito longe o Senhor viu tanta maldade nas gentes, que mandou cortar-lhes a cabeça. S. Pedro, que não era lá muito fino, mas gostava de fazer figura, pediu ao Senhor que restituísse a vida àquelas gentes; e tanto pediu, que o Senhor disse-lhe que tornasse a pôr as cabeças nos seus lugares, e que assim todos viveriam, homens e mulheres. Como já os dois tinham continuado a caminhar, e estavam um pouco afastados do local da mortandade, mandou o Senhor a S. Pedro que não se demorasse: este foi pois a correr, para reunir as cabeças aos corpos. Nos primeiros casos aconteceu tudo muito bem. Mas por último, como os membros sobreviventes de cada família que traziam os corpos e cabeças das pessoas que S. Pedro tinha de restituir à vida quisessem ser atendidos em primeiro lugar, S. Pedro aborreceu-se com a história, e no meio da sua indignação principiou a apressar o serviço, dando isto em resultado juntar ele algumas cabeças de homens a corpos de mulheres. Tal foi a origem de haver mulheres barbadas41.

30No livro que várias vezes tenho citado, tão rico de factos e de ideias, Les velus, distinguem os AA., p. 26, treze espécies de barba feminina, em geral: 1) barba temporária da prenhez; 2) barba permanente, não congénita (barba que se segue ao parto, à supressão não gravídica da menstruação, e à menopausa, e barba que depende de castidade prolongada, (e de esterilidade); 3) barba permanente congénita. Destas três espécies julgam muito rara a primeira, e muito amiudada a terceira, à qual pertencem quase todos os casos que se têm publicado. Na Encyclopœdia de Chambers, s.v. «beard», p. 819, leio que a barba surge às vezes na mulher de certa idade, nos últimos anos de vida.

Fig. 6 Retrato de uma alienada

Fig. 6 Retrato de uma alienada

31À segunda ou terceira espécie podiam Le Double & Houssay agregar os casos de alienação mental de que falam a p. 62, aos quais são comparáveis os que o Dr. A. J. Pires de Lima, a quem acima fiz referência enumera no Portugal Medico (revista), 3.a série, vol. III, n.° 11, 1917 (separata num opúsculo de 4 páginas com o título de Hipertricose feminina e alienação mental, Porto, 1917), donde tomei a liberdade de extrair para aqui, Fig. 6, a gravura que acompanha a menção de um deles. A este propósito comunicame o meu preclaro colega e amigo Dr. Sobral Cid, director do Manicómio de Miguel Bombarba, outros casos de alienadas com barba, observados na clínica daquele hospital: dois de demência precoce juvenil (mulheres respectivamente de 33 e 64 anos no momento da observação ou do diagnóstico); um de demência precoce juvenil, de forma periódica (33 anos); um de demência precoce de forma paranóide (48 anos); um de loucura epiléptica (52 anos); outro, finalmente, de delírio persecutório (59 anos; alcoolismo crónico). Algumas destas mulheres costumavam cortar a barba, por a julgarem incómoda ou desagradável.

32À terceira espécie indicada no livro de Le Double & Houssay pertencem alguns poucos exemplos, que eles citam de barba em mãe e filha, p. 51 e 56. Por mim, advertirei que alguns casos conheço de barba feminina em diversas pessoas de uma mesma família: mãe e filha; duas irmãs; três irmãs; duas irmãs e a mãe; avó e neta; mãe, filha e neta. Esta concomitância com aparecimento de barba permitirá talvez considerar factor digno de nota na etiologia da hipertricose a hereditariedade (directa, e atávica).

33Mais um factor o teríamos na emotividade do carácter, se o que se narra de Santa Liberata (vid. supra, p. 273) não fosse puramente lendário; a isto mesmo aludiu Le Double e o seu colaborador, p. 172.

34Lamento não ter podido ler um artigo, que um amigo me indicou, de Laignel-Lavastine, intitulado «Femmes à barbe et endocrino-psychiatrie», e publicado no Paris médical, de 29 de Outubro de 1921.

  • 42 Vid. Villas-Boas Neto, Tinha da Barba, Porto, 1922 (separata da «Medicina Moderna», n.° 353).

35A barba, além da hipertricose, de que acabo de falar, está, como parte que é do sistema piloso, sujeita a várias afecções que alteram, destroem e fazem cair os cabelos dela, por exemplo, canície, a que acima se fez referência (p. 270), alopecia areata (que os Franceses chamam pelade), acne, sicose, etc. A sicose é parasitária, ou não parasitária; a sicose parasitária, ou tinha da barba, pode ser devida a diversos cogumelos, em geral pertencentes ao género Trichophyton42.

36Pelo que tange à Etnografia, conheço a propósito de doenças da barba as duas seguintes curiosas canções populares, que ouvi em Melgaço, variante uma da outra:

Anjos do Céu, vinde ao mundo,
Vinde ver o que cá vai:
Deu a morrinha nos homens,
E toda a barba lhes cai!

  • 43 Este santo venera-se, com grande culto popular, na freguesia da Murtosa, concelho de Estarreja, e s (...)

Ó S. Paio da Torreira43,
Vinde ver o que cá vai:
Deu a morrinha nos homens,
Até l’es a barba cai!

  • 44 Macedo Pinto, Compendio de Veterinaria, Coimbra, 1854, p. 122.
  • 45 Não é este o único caso em que a morrinha se atribui a pessoas; na Beira Baixa é frequente rogar-se (...)

(a última canção com les por lhes). Diz-se vulgarmente morrinha a sarna do gado lanígero44, doença contagiosa, por vezes epidémica; por isso que esta doença pode fazer que o pêlo caia aos animais, as cantadeiras minhotas transferiram-na maliciosamente para os homens, considerando com chiste, e de acordo com o que se dirá no cap. III, a barba como lã45.

37Em seguida ao que fica exposto acerca dos caracteres físicos da barba convém dizer que ela concorre não poucas vezes para a exteriorização de certos fenómenos psíquico-individuais, imediata e espontaneamente, ou como complemento de gestos.

Fig. 7 Denário da República romana alusivo à Gália

Fig. 7 Denário da República romana alusivo à Gália
  • 46 Vid. Babelon, Monn. de la Republique rom., i, 545-552; e Grueber, Coins of the Roman Republic in th (...)

38Numa moeda de prata da República romana, cunhada por L. Hostílio Saserna, que exerceu o cargo de triúnviro monetário por 49-46 a. C., representa-se a figura do Pavor ou Palor com as feições de um ancião de barba e cabelos eriçados, por alusão a Vercingetórix e à Gália vencida por César46. Vid. Fig. 7 (anverso).

39O torcer a barba, catá-la, cofiá-la serve de distracção em momentos de enfadamento, ajuda a meditação, e até acompanha um discurso pacífico ou turbado.

40Diz Ovídio do deus Jano, quando este lhe estava falando:

Ille, manu mulcens propexam ad pectora barbam,
Protinus Oeballi rettulit arma Tati,

nos Fastos, I, 259 (ed. de H. Peter, 1907). Aflito por a filha recusar um casamento vantajoso que lhe propunha,

41– «que te leve o Diabo! resmungava o Simeão, rissando freneticamente as suissas», em Camilo, Brazileira de Prazins, p. 266 (respeito a ortografia do romance).

  • 47 Vid. Refranes de la lengua castellana (extraídos do Dicc. da Acad. Hespanhola), Barcelona, 1815, p. (...)

42Arrancam-se pêlos da barba em sinal de desespero. O Diccionario da Academia, s.v. «arrepelar», produz trechos literários a este propósito: arrepelá-la de braveza e ira. Um provérbio declara: quem empresta, | suas barbas arrepela, em Rolland, Adagios, s.v. «barba», que é paralelo a um provérbio espanhol: hombre que presta, || sus barbas mesa47. Na narração do falecimento do príncipe D. Afonso, filho de D. João II, feita por Garcia de Resende, aos gritos, na Vida deste rei, cap. 131, conta que em todos os presentes se levantou «grande e muito triste e desaventurado pranto, dando todos em si muitas bofetadas, depenando muytas e muy honradas barbas e cabelos, etc.»; fls. 87 da ed. de 1622.

  • 48 Grande Diccion. da Ling. Portug., I, 769, col. 1.a

43Trincar o bigode é expressão que significa «estar zangado»48; aqui se traduz ipso facto um gesto.

44O gesto de puxar pela barba e pelo cabelo para exprimir dor repete-se muito na epopeia francesa da Idade Média, como diz L. Bezard in Zs. f. rom. Phil., XXVII, 668-669, onde cita vários exemplos. «Au contraire, acrescenta, le Cid se caresse la barbe dans ses moments de bonne humeur». Deste gesto do Cid fala também Pidal, Cantar, Vocabulário, p. 494. Outro gesto do herói consistia em pôr a mão na barba, por arrogância: idem, ibidem.

  • 49 P. 16.

45Nas mouriscadas ou comédias, representações dramáticas populares ao ar livre, muito usadas na ilha de São Miguel, Açores, aparece por vezes (como ouvi ao meu amigo Dr. Leite de Ataíde) um rei de barba longa, o qual, quando está reinando, isto é, quando está irado, puxa por ela, bruscamente, e tudo treme! Também no Baile dos Três Reis Magos, Porto, 1888 (folheto de cordel, publicado com o nome de Costa Nabiça, mas refundição de textos mais antigos), se declara que Herodes, ao anunciarem-lhe que na mortandade, que ordenara, dos inocentes, nem o próprio filhinho escapara, «atira a espada ao chão, e arrancando as barbas, foge gritando: ai que morreu o meu filho!»49.

  • 50 Informação da Exma. Senhora D. Maria Angélica Furtado de Mendonça.

46Posso, a propósito do mesmo gesto, reproduzir a seguinte anedota que se conta na Rapa (Celorico da Beira), e tem bastante valor etnográfico50:

47Havia uma família que tinha nomes esquisitos: a mãe, comadre Clamoquês; o pai, Calhantrampos; duas filhas, Sederica e Puxantrês. Ouviram dizer que vinha um pretendente a uma delas, e como já muitos haviam fugido, horrorizados de tais nomes, combinaram não se nomearem diante dele.

48Quando chegou, estavam à braseira, e a saia de uma das meninas começou a queimar-se, o que muitas vezes acontece a quem se aquenta à braseira, e disse a outra:

– Ó Sederica, Sederica,
Que se te queima a fraldica!

49E ela, toda ofendida, volta-se para a mãe, por a irmã ter dito o nome:

– Ó comadre Clamoquês,
Olha o que disse a Puxantrês!

50E o pai, ainda mais zangado, por já serem três os nomes revelados, bradou, puxando pelas barbas:

– Pelas barbas do Calhantrampos,
Que me haveis de pagar ambos!

51[Esperar-se-ia Calhantrampas, e ambas, mas assim ouvi].

52O pretendente levantou-se para sair, e respondeu:

– Onde há nomes tão tortos,
Não casam Barrocos,

53que era o nome dele (isto é, não casam indivíduos da família dos Barrocos).

Variante:
Em casa onde ha nomes tais e quais,
Não casa João Morais!

54O que da psicologia individual se diz na última parte do presente capítulo relaciona-se um tanto com o que se dirá da psicologia social no cap. V.

Notes

1 Na linguagem vulgar chama-se também barba, em sentido muito especial, ao mento ou ponta do queixo inferior. E cfr. B. Pereira, Prosodia, s.v. «mentum». Barba nesse sentido entra em frases como: ter a barba tesa a alguém, resistir-lhe com ânimo, competir, porque, diz Morais, s.v. «barba», o queixo ou a barba facilmente tremem nos perigos, aos medrosos. Vid. outras frases na mesma obra. – No Vocabulario Anatomico Pop., de J. A. Pires de Lima, Porto, 1919, p. 5, dá-se barbela como sinónimo de «mento»; mas eu creio que o povo, pelo menos algures, se refere com tal vocábulo principalmente à parte inferior e que só ao conjunto do mento chama barba, como acima digo. – Acerca de outras acepções de barbela vid. Morais, Dicc., s. voce.

2 Deniker, Les races et les peuples de la terre, Paris, 1900, p. 55. Cfr. Le Double & Houssay, Les velus: p. 198 (Índios da América do Sul); p. 205 (Dayak, Bornéu): p. 206. Tuaregues (Berberes); p. 27 (Oigures). E cfr. R. Martin, Lehrbuch der Anthropologie, lena, 1914. pp. 374-375.

3 Dr. E. Frizzi, Anthropologie, Iena, 1914, pp. 374-375.

4 Hist. de l’habillement, p. 241.

5 Porto, 1900, p. 323.

6 Notas Contemporaneas, p. 570. – O leitor curioso pode consultar sobre o assunto também: «Le système pileux chez l’homme et dans la série des mamifères», por Clémence Royer, in Revue d’Anthropologie, t. iii, 2.a série (1880), p. 13 ss.; e «La barbe comme caractère des races», por Staniland Wake, ibid., p. 54 ss.

7 Obras, ed. de D. Carolina Michaëlis, II, Coimbra, 1923, p. 185 e 187.

8 Aquilino Ribeiro, Estrada de Santiago, p. 63.

9 O exemplar que serviu para a gravura pertence a um particular, e foi encontrado em Portugal. – Acerca das moedas deste tipo vid. Hübner, Monumenta linguae Ibericae, Berlim, 1893, p. 52, n.° 47.

10 Hazlitt, Faiths & Folklore, I, Londres, 1905, p. 297, col. I, onde cita exemplos literários. Há dermatologistas que admitem isto, outros porém, como Hebra e Kaposi, que negam: vid. Berlioz, Manuel prat. des maladies de la peau, Paris 1884, p. 131. Na Dermatologie (da colecç. de tratados médicos de Sergent), publicada ultimamente (Paris, 1923), lê-se, p. 438: «il existirait des cas très rares de canitie très rapide à la suite d’émotions vives».

11 A feitos de Barba Roxa, sem especificação de pessoa, praticados em 1517, 1520, etc., se referem os Anais de Arzila, ed. de David Lopes: vid. II, 515.

12 Vid. Les contes de Ch. Perrault, por A. Lefèvre, Paris, 1875, pp. 101-108. – Corresponde-lhe nos Contos dos irmãos Grimm o n,.° 46 (Fitchers Vogel).

13 El secreto de Barba Azul, 1923 (conheço-o porém só de nome).

14 Vid. Jérémie de Tours, La divine mélodie du saint Psalmiste, p. 829, citado no Alman. de Lembr. de 1911, p. 119. Do cabelo ruivo de Judas se fala já no séc. XIII, ainda que no Evangelho nada se diga dessa cor: Seligmann, Der böse Blick, i, 78-79 e nota.

15 Nova Floresta, v (1728), 21.

16 Tempo de agora (séc. XVIII), ed. de 1785, t. I, pp. 182-183.

17 Vid. Tradiç. Pop. de Portugal, p. 256.

18 Vid. Matinées sénonoises ou proverbes françois, Paris, 1789 (sem n. de A.), pp. 145-146, onde se citam paralelos literários.

19 Wuttke, Der deutsche Volksaberglaube, § 306.

20 Este provérbio vem já em Delicado, Adagios, 1651, p. 92, mas lê-se aí traidores, forma mais moderna que treidores.

21 Temos nesta frase o que em estilística se chama «comparação com o impossível», de que há muitos exemplos em todas as línguas. Mencionei alguns nos Ensaios Ethnographicos, IV, 92; e III, 395.

22 O conhecimento de alguns destes ditados devo-o a Luís Saavedra Machado, aluno da Faculdade de Letras de Lisboa.

23 Ouvida a uma pessoa culta. – Suponho que o terceiro verso o cantarão assim: «têm tres pelinhos na cara», ou «só tres pelos», porque o povo geralmente não diz teem. Os dois primeiros versos são comuns a outra cantiga igualmente satírica: vid. adiante, cap. VI.

24 Barbas asserias nada têm pois com barbas assírias ou dos Assírios (notáveis pela grandeza delas), como alguém poderia imaginar.

25 Em Apell, Contos Pop. Russos, I (1920), 112.

26 Lusíadas, VIII, I.

27 Historia, liv. I, cap. 175. O textotem Πηδασέες: traduzi por Pedasianos, porque, se a cidade se chamava Pédasa, o território chamava-se Pedasia. – Sirvo-me da ed. de E. Sommer, Paris, 1872. O editor acrescenta, a p. 189, que também Aristóteles, Hist. dos Animais, III, II, se refere ao mesmo prodígio de crescimento da barba.

28 Dict. des antiq. chrétienn., s.v. «barbe», col. 489.

29 Cfr. Martyrologio Romano, Coimbra, 1591, fls. 149 v. (Wilgeforte).

30 Do opúsculo do Dr. Pires de Lima fez-se uma separata num volumezinho de 13 páginas, Porto, 1916, de que me ofereceu um exemplar. Ao mesmo ilustre professor devo a posse de vários outros opúsculos seus de assunto teratológico, que ele versa com entusiasmo e brilho, relacionando-o por vezes com a Etnografia. O campo da Teratologia creio estar ainda pouco explorado em Portugal. Os trabalhos do Dr. Pires de Lima têm pois grande actualidade.

31 A Fig. 3 é feita por uma fotografia que o meu velho amigo, e erudito arqueólogo conimbrigense, Dr. A. M. Simões de Castro, me ofereceu, tirada de um exemplar que ele possui do livrinho. No Catalogo da Livraria do Conde do Ameal (para leilão), por José dos Santos, Porto, 1924, p. 382, n.° 11465, menciona-se outro exemplar, como também provido de estampa.

32 Este registo é análogo a um que eu tinha posto no Museu Etnológico, e aos do álbum de A. Fernandes Tomás, comprado por mim para o mesmo Museu: vid. Luís Chaves, «Os Registos de Santos», em O Archeologo Portug., XXI, 76, onde dá algumas indicações literárias acerca da santa, mas o poemeto que cita, intitulado Hist. de Santa Comba dos Vales, do Dr. António Ferreira, contido nos Poemas Lusitanos, Lisboa, 1598, fls. 116 ss, (de que possuo um exemplar), refere-se a uma santa diversa desta: cfr. Religiões da Lusitania, I, 382 (nota).

33 Às notícias dadas por L. Chaves n’O Archeologo a este respeito de Santa Comba de Celas (vid: a nota precedente), juntem-se mais estas:
a) Na Capela de Santa Comba, que fica cerca de 1 quilom. ao n. de Celas, conc. de Coimbra, há uma imagem da santa, de vulto, pregada numa cruz.
b) Numa quinta em Vai Meão, próxima da referida capela, existe uma «fonte de Santa Comba», e aí, num nicho, uma imagem da santa, de pedra, pregada também numa cruz.
c) No terceiro altar da nave direita da Sé Velha vê-se uma tela com outra imagem da santa, crucificada porém numa árvore.
O Dr. Simões de Castro encontrou na capela de que já falei no § a) um cartão ou papel com uns versos latinos em honra da santa, que tinham tradução portuguesa. Dela dou as seguintes amostras:
Entende-se que é Cristo quem fala:
Salve oh Tu, que na cruz pregada,
A voz de Deus ouvistes (sic): oh Chara,
Vem, vem já, oh! minha Amada,
Vem a seres no Ceo coroada.
Entende-se que fala um devoto:
Oh fiel Lusitana, agora
La na Gloria no Firmamento
Ante o divino acatamento
Pelos que infermão pede e ora.
Outras indicações bibliográficas acerca da santa:
Jardim de Portugal, de Fr. Luís dos Anjos, 1626, p. 96;
Sermão de Santa Comba, de Fr. Jerónimo Vahia, Coimbra, 1661;
Guia do Viajante em Coimbra, de Simões de Castro, Coimbra, 1867, pp. 133-135.
No santuário do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, existe ainda um relicário e uma uma em que, segundo a crença, se guardam restos de Santa Comba.
(Toda a matéria desta nota a devo à amizade do Dr. Simões de Castro, a quem já me referi na nota 2 da pág. 276).

34 Dict. des antiq. chrétienn., s.v. «barbe», col. 489.

35 Diar. de Notic., de 1-2-923 (devo a indicação deste trecho ao Dr. Manuel Heleno). No artigo há duas gravuras, extraídas, como penso, do já citado livro de Le Double & Houssay, Les velus, pp. 48-46. – Acerca dos porta-machados vid. o cap. IV, onde se figura um.

36 Entre barbado e barbudo vai esta diferença: barbado quer dizer que tem, ou já tem barba («encontrei um indivíduo barbado», «Fulano está muito barbado», «um rapaz já barbado»); barbudo quer dizer que tem naturalmente muita barba, a quem compete barba como carácter ingénito e próprio («o barbudo gallo» em Sepúlveda, citado por Morais no seu Diccionario da Lingua Portuguesa. Não raramente porém a diferença é insensível ou nula:
Mars, planeta dos soldados
Faz nas guerras conteudas,
Em que os reis são ocupados,
Que morrem de homens barbados
Mais que mulheres barbudas,
diz Gil Vicente, I, 153. O sufixo -udo aplica-se muito para indicar que alguém ou um animal possui exageradamente uma qualidade física, por exemplo: barrigudo (de barriga grande), beiçudo (de beiços grossos), bochechudo, braçudo, cabeludo (que tem muito cabelo), dentudo, espadaúdo (em vez de espadoúdo: pois vem de spathulutus), focinhudo, galhudo, guedelhudo, joeIhudo (creio que se diz), lanzudo, membrudo, nadegudo, narigudo (creio que se diz), olhudo (que tem olhos grandes e fita muito uma pessoa), orelhudo, ossudo, pançudo, papudo, peludo, pestanudo (de pestanas fartas e compridas), rabudo e trombudo: em latim cornutus, nasutus. Já Diez, Grammaire, II, 330, disse que «utus indica grau intenso, a par com o primitivo». Cfr. Meyer-Lübke, Gramatica, § 478, e D. Carolina Michaëlis, Studien, p. 31. Nos citados exemplos portugueses a ideia é de ordinário um tanto pejorativa. – O sufixo -udo na nossa língua aparece nos seguintes casos: 1) em particípios antigos dos verbos da II conjugação, como devudo, recebudo (lat. minutus de minuo, tributus de tribuo, solutus, volutus, pois a III conj. lat. passou em parte para a II em romanço; esp. antigo asconduto; ital. veduto; prov. volgut; rom. tăcut; fr. reçu), do que há ainda hoje vestígios em particípios substantivados, como: Temudo, teúdo e manteúdo, conteúdo; 2) em adjectivos (vid. os mencionados exemplos); 3) na frase jogar o sisudo (estarem duas pessoas a fitarem-se algum tempo sem se rirem; a que se riu, perdeu), onde sisudo é também originariamente adjectivo, do latim sensutus; 4) em casos avulsos, como graúdo de granatus, miúdo de minutus, veludo deriv. de velo (vello: lat. vellus, que passou da III declin. para a II): repolhudo (couve), rechonchudo, gordanchudo (= gord-anch-udo), façanhudo. Cf. também: cabeçudo, telhudo (indivíduo com telha ou mania: assim como a telha cobre a parte mais alta da casa, assim se supõe que a mania existe na cabeça, parte mais alta do corpo).

37 Note-se a sintaxe do segundo verso: outra – outra, por uma – outra, como em latim aliud hic homo loquitur, aliud sentit (exemplo que vem em Madvig, Gramm. lat., trad. de Epifânio Dias, § 496, obs. I).

38 Palavra derivada de buço.

39 Lehrbuch der Anthropologie (já cit.), p. 375.

40 Anthropologie (já cit.), pp. 86-88.

41 Informação do Rev. P.e Celestino de Figueiredo, abade da Régua, que ouviu o conto em Monção. – Com este conto etiológico, ou lenda, cfr. um artigo que publiquei na Vanguarda (1881), n.° 39, depois reproduzido nas Trad. Pop. de Portugal, § 334-d, onde lhe apus uma nota comparativa, extraída da Mythologie Zoologique, de De Gubernatis, I, 325.

42 Vid. Villas-Boas Neto, Tinha da Barba, Porto, 1922 (separata da «Medicina Moderna», n.° 353).

43 Este santo venera-se, com grande culto popular, na freguesia da Murtosa, concelho de Estarreja, e sei de outra cantiga que lhe cantam, alusiva à superstição de o molharem com vinho.

44 Macedo Pinto, Compendio de Veterinaria, Coimbra, 1854, p. 122.

45 Não é este o único caso em que a morrinha se atribui a pessoas; na Beira Baixa é frequente rogar-se a alguém esta praga: «uma morrinha te desse, que nela fiquésses! (=ficasses)» (Alcangosta). – Tenho também ouvido ao povo aplicar o nome de morrinha, falando do cão. – Cfr. sobre o assunto: Dr. A. Lima Carneiro, Dermatomicoses, Porto, 1922, pp. 21-22.

46 Vid. Babelon, Monn. de la Republique rom., i, 545-552; e Grueber, Coins of the Roman Republic in the British Museum, i (1910), 513, e Est. 4, n.° 10.

47 Vid. Refranes de la lengua castellana (extraídos do Dicc. da Acad. Hespanhola), Barcelona, 1815, p. 114: provérbio «que advierte el cuidado con que se debe prestar, para no tener que arrepentirse».

48 Grande Diccion. da Ling. Portug., I, 769, col. 1.a

49 P. 16.

50 Informação da Exma. Senhora D. Maria Angélica Furtado de Mendonça.

Table des illustrations

Titre Fig. I Argentum oscense9
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4473/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Fig. 2 Imagem de Santa Vilgeforte em Beauvais (França)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4473/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Fig. 3 De um livrinho impresso no séc. xviii
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4473/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Fig. 4 «Registo» popular moderno (Coimbra)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4473/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Fig. 5 Retrato de uma aldeã minhota
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4473/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 6 Retrato de uma alienada
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4473/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 7 Denário da República romana alusivo à Gália
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4473/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 5,2k

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search