Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Barba em Portugal

Preâmbulo

Texte intégral

  • 1 Na ampla publicação artística que o Sr. Alberto de Sousa está agora fazendo, aos fascículos, com o (...)

1A uma obra de Etnografia Portuguesa em que, a par de outras, labuto há muito, pertence um capítulo dedicado ao vestuário antigo e moderno, e ipso facto à barba (liv. III, pt. I.a, série B, cap. 4)1. Sabendo disto os meus estimáveis amigos João Saavedra Machado e Mateus Moreno, directores da Alma Nova, pediram-me que preparasse para o prelo o capítulo, e o publicasse como artigo, e com desenhos, naquela revista. Acedendo de boa mente ao pedido, comecei, em Janeiro do corrente ano, a preparar o capítulo, isto é, o artigo, e pois que era destinado a uma publicação periódica, entendi dever dar-lhe forma própria, e juntar-lhe algumas notas comparativas, para o tomar mais atraente. A pouco e pouco, porém, o assunto foi-se-me dilatando de mais, para que coubesse na Alma Nova, e resolvi, com adição de novos desenhos, publicar o artigo no Boletim de Etnografia, consagrando-lhe um número inteiro desta revista, e oferecendo à Alma Nova, em compensação, outro trabalho menor. Por fim vi que nem o Boletim comportaria o assunto, de tanto que cresceu, e decidi-me por conseguinte a tratá-lo em um livro, de cuja edição aprouve à Imprensa Nacional incumbir-se. Este livro é o que o leitor tem aqui de fronte, o qual está dividido, ele mesmo, em capítulos:

2Ainda assim, para eu escrever desenvolvidamente do uso da barba em Portugal, e sobretudo para fazer largas comparações, necessitaria de observar maior número de factos da vida contemporânea do que aqueles que observei, explorar melhor a iconografia e a literatura antigas, e consultar inúmeras obras estrangeiras. Eis o motivo por que o meu actual livro é mais uma colecção de apontamentos, do que estudo definitivo. – Não formei capítulo especial acerca da representação artística da barba na Arte (barba característica de certos personagens; o barbeiro como tipo social): escultura, pintura, caricatura, porque o que poderia aí dizer vai distribuído por outros capítulos.

3Devo declarar que, sendo meu desejo dar a este trabalho carácter completamente histórico, escolhi para figuração da barba na actualidade retratos autênticos; e para figuração da barba no passado, ou de barbas lendárias (por exemplo, de Herodes, de Judas, etc.), gravuras, pinturas e esculturas antigas. Com relação a cousas ou assuntos conexos com a barba (insígnias, bacias, etc.), salvo a figura da p. 293, que foi feita de memória, baseei-me também na própria realidade, quanto à escolha das figuras. A da p. 290 (o barbeiro da aldeia) reproduz um quadro muito conhecido e admirado. Só a figura que abrilhanta simbolicamente o frontispício é um pouco imaginativa, ainda assim com feições do autor dela.

Bibliografia

4Sei de muitas monografias estrangeiras a respeito da barba, mas por causa da pobreza das bibliotecas portuguesas, poucas pude consultar directamente, e tive de me contentar quase só de artigos de enciclopédias, embora alguns sejam muito bons, e de notícias dispersas em obras gerais de Etnografia.

5Aqui farei uma lista do que consultei.

Monografias

6Les Velus par Le Double & Houssay, Paris 1912: os AA. tratam da hipertricose no homem e na mulher, expondo observações clínicas e teorias, e formando um capítulo acerca da hipertricose na Etnografia, e outro acerca da hipertricose na Arte. Este trabalho abunda de informações, e está ornado de muitas gravuras. – É talvez abusivamente que por vezes, no último capítulo, os AA. chamam «hipertricose» ao que são fases da moda no uso da barba e cabelo.

7Geschichte und Verbreitung der Fräse por Hugo Mötefindt, de Wernigerode (Prússia), Wernigerode 1922, 8 páginas: extracto de uma dissertação inaugural (manuscrita) que o A. defendeu na Universidade de Hamburgo para obter o grau de doutor em Filosofia. – O mesmo A. publicou em 1923, em Leipzig, um trabalho intitulado Zur Geschichte der Barttracht im alten Orient, que porém não pude ainda ver.

Enciclopédias

8Dictionnaire des antiquités grecques et romaines, de Daremberg & Saglio, s.v. «barba»;

9The Jewish Encyclopaedia, s.v. «beard»;

10Dictionnaire d’Archéologie chrétienne, Cabrol & Leclerq, s.v. «barb»;

11The Catholic Encyclopedia, vol. II «the beard».

12Todas elas com preciosas indicações bibliográficas, a respeito do presente e do passado (há escritos ou memórias respeitantes à barba, já desde o séc. XVI, em latim e noutras línguas).

13Também consultei a Encyclopedia Britanica e a de Chambers, os Léxicos de Brokhaus e Weber, La Grande Enciclopédie, e o Larousse illustré.

14– Merece especial menção o artigo, que igualmente tive presente, com o título de «barba», no Cantar de Mio Cid de R. Menéndez Pidal, vol. II (Vocabulário), pp. 494-499, importante principalmente pelo que aí se diz da Idade Média espanhola.

15Pelo que toca a Portugal utilizei, por exemplo:

16– O Elucidario do P.e J. de Santa Rosa de Viterbo, s.v. «barba» (1.a ed., 1798-1799; 2.a ed., 1865);

17– «Barbas e barbear» no Panorama, I (1837), 243-244, que suponho foi escrito por Herculano. Na secção de Manuscritos da Biblioteca Nacional de Lisboa existe uma redacção manuscrita deste artigo (marcação: n.° 600, mod.; B 9/48, ant.), a letra da qual, tanto quanto pude julgar de cor, faz lembrar a de Herculano, mas deixo a outrem, se quiser, averiguar isso, e também o confrontar o texto impresso do Panorama com o manuscrito, para apurar semelhanças ou diferenças. A mim falta-me tempo para tal trabalho. – O artigo do Panorama foi extractado no Almanach de Lembranças de 1864, p. 152, sem porém se declarar a origem.

18– Dois artigos de J. M. Adrião: no Gil Bras (periódico), ano 2.°, n.os 27 e 29, Outubro e Novembro de 1899; e outros dois na Revista Lusitana, XIX, 40-42, e 59-60.

19– Um artigo de Ribeiro Artur, e dois do Dr. J. Pires de Lima, especificados adiante, no cap. I (pp. 9-10).

20O Diccionario Popular de Pinheiro Chagas, e a Encyclopedia de Maximiano Lemos, um e outro s.v. «barba», onde se lêem resumos de artigos de enciclopédias estrangeiras, e sem indicações bibliográficas, ou com indicações imprecisas, ainda que abundantes.

21Este trabalho foi acabado em 13 de Maio de 1924; mas tendo eu estado depois disso na ilha da Madeira e no arquipélago dos Açores, colhi outras observações, que acrescentei nos seus lugares.

22Lisboa, 7 de Julho de 1924.

Notes

1 Na ampla publicação artística que o Sr. Alberto de Sousa está agora fazendo, aos fascículos, com o título de O Trajo Popular em Portugal nos Séculos XVIII e XIX, espero colher muitos elementos para o meu trabalho.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4470/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 11k

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search