Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Figa

Apêndice

Texte intégral

1Durante a revisão das provas deste livro vieram ao meu conhecimento vários factos que me permitem ampliar algumas das notícias dadas acima: e passo a mencioná-los sob a forma de apêndice.

2Págs. 177-179:

3Em Melgaço, ao contrário do que acontece em Lisboa, dizem que a figa deve fazer-se com a mão direita, porque com a esquerda tem menos força; mas ainda assim é melhor fazer figas com ambas as mãos, estendendo os braços paralelamente para diante, isto é, cum ambabus manibus! (como se lê num documento do séc. XV, de França, citado supra, p. 210).

4A alguém de Guimarães ouvi dizer que é bom fazer figas com ambas as mãos, sim, mas voltando a direita para o lado esquerdo, e a esquerda para a direita, fazendo, ao que parece, um gesto muito conhecido. A razão talvez seja esta: que a figa direita, voltada para a esquerda, adquire o carácter mágico de que este lado goza na crença; e que a figa esquerda, voltada para a direita, não perde o seu carácter próprio, e reforça ipso facto esse lado. Acerca da importância do lado esquerdo na superstição vid.: Wuttke, Der deutsche Volksaberglaube, 3.a ed., p. 515; Sébillot, Folk-lore de France, IV, 455; cfr. Fryklemd, Les changements de signification des expressions de droite et de gauche, Upsália 1907.

5Pg. 193:

6Em processos da Inquisição, arquivados na Torre do Tombo, encontrou o Dr. Manuel Heleno, conservador do Museu Etnológico, as seguintes notícias que me comunicou:

1. No 22 de Abril de 1588, nos Estaus, foi chamado Francisco, de 18 anos, natural de Braga, moço de pedreiro, que acusou certo homem por fazer figas ao Santíssimo.

2. No dia 28 de Março de 1588 compareceu na Inquisição Estêvão Gonçalves para dizer que estando na Misericórdia a ouvir um sermão do jesuíta de S. Roque, padre João Carvalho, viu um filho do procurador Manuel Mendes, fazer figas quando levantavam a Deus.

3. A 11 de Julho de 1588 se confessou o inglês Guilherme Langley por dizer: «Tenha eu Deus por mim, e quero figas para os santos».

Informaram-me várias pessoas que em alguns santuários, onde se representam passos, se figuram judeus no acto de fazerem figas a Cristo; contudo dou esta notícia com a maior reserva.

7Pg. 193:

8Outro sinónimo de dar e fazer figas, é figar, que ouvi a alguém da Maia: «figar um indivíduo». O verbo figar não está ainda, que eu saiba, arquivado em dicionários; a primeira vez que se menciona na imprensa creio que é agora.

9Pg. 198:

10Os alunos da Escola Agrícola de Coimbra é costume, quando juram, mentindo, cruzarem as pernas e fazerem figas: supõem que deste modo não lhes sucede mal nenhum por mentirem. O mesmo fazem quando dão a palavra de honra em vão. – Cfr. de algum modo o que acontece na Boémia etc.: supra, p. 213.

11Págs. 211-213:

12Sinto não ter podido ler um artigo acerca da cimaruta publicado no Folklore, XVI (1905), pp. 132-155, por Günther, intitulado: «The Cimaruta, its structure and development»; aí se fala da figa a p. 140.

13Pg. 217:

14Camilo faz algumas considerações históricas e lexicais acerca da expressão «virtue? afig!», que se lê no Othelo de Shakespeare, e que el-rei D. Luís traduziu por «virtude? uma figa». Vid. Esboço de Critica, pp. 34-22. (Devo a indicação da frase de Camilo ao Sr. Manuel de Castro, de Gaia, que ma enviou por intermédio do meu amigo e colega Prof. J. A. Pires de Lima).

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search