Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Figa

V Significação primordial da figa

Texte intégral

1Qual a significação primordial da figa, como gesto?

  • 1 Pág. 626 § 150.
  • 2 In Rev. de Sc. nat. e soc., III, pp. 171-175.

2Para repelir da gente, dos animais, e de tudo, a acção nefasta que se julgava produzida por certas pessoas e por imaginários espíritos da natureza, costumavam os Antigos apresentar-lhes hostilmente coisas tidas como pudendas, v.g. os emblemas de um e outro sexo, ou a própria realidade. Disto trataram com desenvolvimento Sittl no supracitado trabalho dos gestos dos Gregos e Romanos, cap. VI e VII, e Lafaye no Dict. des antiq. gr. et rom. s.v. «fascinam». Também o nosso Brás Luís de Abreu, no Portugal Medico1, baseado em AA. de várias épocas, assentara o mesmo. Veja-se igualmente o que sobre o assunto escreveu Adolfo Celho no seu estudo do «Quebranto»2, ainda que este quis ir um pouco além das doutrinas preestabelecidas.

  • 3 Bellucci, Catálogo de 1881 (Exposição de Milão), n.° 115.
  • 4 Pág. 312.

3No Museu Etnológico há alguns daqueles emblemas ou amuletos, de bronze, antigos: dois, de forma de concha (Cypraea), como representativa da vulva, e outros dois de forma fálica verdadeira. Na colecção de amuletos de A. de Mortillet, levada à Exposição Universal de 1899, colecção a que já me referi, figuravam exemplares, também antigos, de conchas de Cypraea, encastoadas3, e a tradição manteve-se até hoje, pelo menos na Itália, onde se colocam ao pescoço de crianças, contra o mau-olhado, conchas iguais4. Do segundo amuleto não permitem os costumes modernos conservar representação fiel; só dele haverá alguma representação velada.

  • 5 Tomo III, pp. 525-527.

4A figa reúne em si, conjugando-os, os dois emblemas, embora figurados diversamente, pois se imitam com a posição dos dedos. Alguns dos amuletos lusitano-romanos que publiquei nas Religiões5, e outros antigos que há por toda a parte, em museus, são de carácter misto, porque, à figa, apesar do que já significa, se agregou ainda o emblema masculino. Este complexo tipo está hoje reproduzido, quanto a mim, num amuleto infantil de osso, usado entre nós, no qual a uma figa se juntou simetricamente um cornicho.

  • 6 Cfr. Dict. génér. de la l. fr., s.v. «figue».
  • 7 Cfr. Liebrecht, Der Pentamerone, II, pp. 272-273.

5Do acto mental de que resultou comparar-se a vulva com a Cypraea, resultou o comparar-se também com um figo entreaberto6, o que da mesma maneira acontecera em grego, onde σῦχov desfruta as duas significações7. A significação sexual conserva-se ainda no italiano fica. Em italiano antigo havia, a par, fico, em dar una fico «dar uma figa». Em português popular, da Beira e do Norte, também bêbera, ou figo temporão, significa vulva. A palavra latina ficus, que quer dizer «figueira» e «figo», e tem a variante ficum, no sentido de «figo», tornou-se em latim vulgar e em romanço, ora ficu-, ora fica, como outros nomes que com a terminação -us significam uma planta, e com a terminação -um ou -a o respectivo fruto, a baga, etc.: cfr. murtus (ou myrtus), que significa «murta», e murtum (ou myrtum) e murta (ou myrta), que significa «murtinho». Outro exemplo é pirus, que significa «pereira», e pirum, em latim vulgar pira, que significa «pêra».

Notes

1 Pág. 626 § 150.

2 In Rev. de Sc. nat. e soc., III, pp. 171-175.

3 Bellucci, Catálogo de 1881 (Exposição de Milão), n.° 115.

4 Pág. 312.

5 Tomo III, pp. 525-527.

6 Cfr. Dict. génér. de la l. fr., s.v. «figue».

7 Cfr. Liebrecht, Der Pentamerone, II, pp. 272-273.

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search