Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Figa

IV Propagação histórica da figa

Texte intégral

1Talvez a figa passasse do Oriente para a Itália antiga.

  • 1 In Zeitschrift des V. f. Volksk., x, 448-449.

2Da figa romana, como amuleto, é claramente herdeira e continuadora a italiana moderna, que se perpetuou no mesmo solo, e com a mesma intensidade. Da Itália passou ela para a Baviera Alta, e acaso para toda a Alemanha, como pensa Höfler1. Da Alemanha passaria para outras nações da Europa Central, Oriental e Setentrional. Quando à Grécia, não estou no caso de dizer se iria de fora, se continua tradições antigas, que não conheço, do próprio território. A figa da França, da Espanha, e de Portugal, regiões profundamente romanizadas, é natural admitir que seja também hereditária, como a da Itália, visto que aparece aí desde tempos muito remotos.

  • 2 Dict. génér. de la l. fr. s.v. «figue».
  • 3 Der Pentamerone, II, 273.

3As próprias palavras figa, em português e provençal, higa em espanhol e fica em italiano representam fica em latim vulgar, a que em breve tornarei a referir-me. A palavra francesa figue, que significa ao mesmo tempo «figa» e «figo», foi levada da Provença, em substituição da arcaica fie2 ou fi, que, pelo menos, significava «figo». Alguns autores, como Liebrecht, julgam que o gesto, com as expressões faire la figue (em francês), hacer la figa (em espanhol), dar huma figa (em português), e bem assim die Feige weisen (em alemão), to give the fico ou to fig (em inglês) seriam traduções ou adaptações da expressão italiana far una fica3. A semelhança da frase italiana com as restantes é realmente extraordinária; todavia uma cousa é o gesto e a palavra que o exprime, e outra cousa são as frases. Que a palavra figa do português, espanhol e provençal assenta no latim, e não no italiano, o prova a existência do g, que não pode ter-se desenvolvido do c italiano, e apenas do c latino em tempos antigos. A síncope do c em francês revela de modo análogo que fie ou fi veio directamente do latim. Ainda que as frases da Península Ibérica e a frase francesa faire une figue, como a provençal faire una figa, pudessem ter provindo de correspondente frase latino-vulgar, não nego o carácter internacional do conjunto das frases, tanto mais que paralela a far una fica era em italiano antigo dar una fico, de que se aproximam na Ibéria dar ũa figa e dar una higa.

Notes

1 In Zeitschrift des V. f. Volksk., x, 448-449.

2 Dict. génér. de la l. fr. s.v. «figue».

3 Der Pentamerone, II, 273.

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search