Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Figa

III A figa na antiguidade

Texte intégral

1Nesta resenha, feita do presente para o passado, a data mais remota a que cheguei, foi o século XII; de então para trás, até à época romana, não encontrei textos nem monumentos que me elucidassem no meu estudo. É pois à época romana que vou em seguida referir-me. Outrem preencherá a lacuna que deixo aberta, ou eu próprio a preencherei ainda um dia.

2Conta Ovídio, ao tratar das festas lemurais, ou dos mortos, que o Romano, cuidadoso das antigas cerimónias, e respeitador dos deuses, se levantava à meia-noite, e fazia descalço, e em silêncio, uma figa, para que a sombra dos Manes lhe não aparecesse:

  • 1 Fastos, V, 431-434, ed. de Ermann Peter, Leipzig & Berlim, 1907. – Estes versos não estão bem inter (...)

ille memor veteris ritus timidusque deorum
surgit (habent gemini vincula nulla pedes)
signaque dat digitis medio cum pollice iunctis,
occurrat tacito ne levis umbra sibi1,

  • 2 Tomo iii, pp. 525-527.
  • 3 Verona 1672, p. 50.
  • 4 Pp. 13-14. Folheto extraído da Revue d’Anthropologie, 1876.
  • 5 La Société d’Anthropologie etc. à l’Exposition, p. 311.

3Por todo o orbe romano se têm encontrado amuletos representativos da figa, já simples, já ligada com o phallus, que por outro lado aparece também sozinho: a esta chamavam os Romanos concretamente fascinum, de onde veio o verbo fascinare. Nas Religiões da Lusitania publiquei alguns amuletos de bronze e de ouro de ambas aquelas espécies, aparecidos em Portugal2, e ultimamente adquiri outro para o Museu Etnológico, de ouro, formado do emblema da geração, que termina de um lado numa figa feita com a mão direita, e do outro numa cabeça leonina (n.° 56). No mesmo Museu há duas figas romanas, simples, de coral, que comprei em Paris, como provindas de Alexandrette, na Síria, e uma complexa, de bronze, também antiga, que comprei igualmente em Paris, mas cuja proveniência se ignora. Numa publicação italiana do século XVII, intitulada Museo Moscardo, de que só porém possuo umas folhas, figura-se um amuleto antigo, que julgo romano, formado pela figa e o phallus, e outro formado simplesmente pela figa3. Em Arles, no Sul da França, apareceu dentro de um túmulo um amuleto romano daquele tipo, descrito por Gabriel de Mortillet nas suas Amulettes gauloises et gallo-romaines4; e na Exposição parisiense de 1889 apresentou seu filho Adrien de Mortillet, com os amuletos italianos modernos de que falei acima, mais um amuleto romano como aquele5. Da figa na superstição romana trata Lafaye no Dictionnaire des Antiquités, s.v. «fascinum». Diz o A. que o gesto se fazia com a mão direita: e de facto isso se vê das figuras que no Dicionario se publicam s.v. «fascinum» e s.v. «amuletum»; todavia uma das que publiquei nas Religiões, e uma do Museo Moscardo parecem feitas com a esquerda.

  • 6 The evil eye, p. 255.
  • 7 A. Vives, Arqueología cartaginesa, Madrid 1907, pp. 83 e 86, e Est. xxviii e xxx. Quanto à data, vi (...)

4Para além da época romana pouco posso penetrar. Elworthy, no seu livro sobre o mau-olhado, menciona um amuleto de forma de figa como existente no Museu Ashmoliano de Oxford entre amuletos egípcios, e outro no Museu de Bolonha entre amuletos etruscos6. Nas antiguidades cartaginesas de Iviça, do século VII (ou VI) ao III antes de Cristo, aparecem figas de osso, com orifício de suspensão, e alfinetes de penteado com cabo de igual forma7.

Notes

1 Fastos, V, 431-434, ed. de Ermann Peter, Leipzig & Berlim, 1907. – Estes versos não estão bem interpretados nos antigos tradutores e comentadores de Ovídio, por falta de conhecimentos de Magia. Creio que foi Echtermeyer quem primeiro os entendeu bem: vid. Jahn, Der böse Blick (p. 80). Digitis medio cum pollice iunctis, isto é: «com os dedos juntos com o polegar que lhes ficava no meio». Cf. a nota de Peter. É, como se vê, o gesto da figa.

2 Tomo iii, pp. 525-527.

3 Verona 1672, p. 50.

4 Pp. 13-14. Folheto extraído da Revue d’Anthropologie, 1876.

5 La Société d’Anthropologie etc. à l’Exposition, p. 311.

6 The evil eye, p. 255.

7 A. Vives, Arqueología cartaginesa, Madrid 1907, pp. 83 e 86, e Est. xxviii e xxx. Quanto à data, vid. p. viii.

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search