Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

A Figa

II A figa fora de Portugal

Texte intégral

1Exposto assim o que eu colhera acerca da figa em Portugal, passarei a falar de outras terras em que ela também existe como amuleto, como gesto ou como simples vocábulo, e também da sua origem histórica, e significação primitiva.

2Começarei pela Galiza, que está tão relacionada geográfica e etnicamente com Portugal.

  • 1 2a ed„ Madrid, 1910, p. 201.
  • 2 Azabaches, p. 64-65.
  • 3 Azabaches, p. 113.
  • 4 Azabaches, p. 209. Cfr. p. 58, 115, 179.
  • 5 Porto 1916, p. 132.
  • 6 Azabaches, p. 222 ss.
  • 7 Azabaches, p. 179.
  • 8 Azabaches, p. 178 e 234.
  • 9 = contra as más-línguas, isto é, contra quem rogar pragas, ou fizer louvores com má intenção. Vid. (...)

3A superstição da figa na Galiza é bastante vivaz. Não só eu a tenho lá observado, mas conheço-a de obras impressas. Em 1924, por exemplo, vi figas de prata, azeviche, etc., pendentes do bracinho esquerdo de crianças, contra bruxedo. Rodriguez Lopez, nas Supersticiones de Galicia, fala de figas usadas como preventivas de mal de olho1, e o Diccionario galego-castell. de Valladares diz (s.v.): «figa», espécie de amuleto. «Usanle los necios, poniendole al cuello, ó en la muñeca, de los niños. Facer unha figa á alguèn: enseñarle el puño cerrado, asomando el dedo pulgar por entre el indice y su immediato, en señal de burla, escarnio, ludíbrio etc., acción sumamente ofensiva y que se cree una verdadera injuria». E sabe-se bastante da antiguidade da figa nesta província, pelos documentos coligidos a estudados por Osma, no seu livro intitulado Catálogo de azabaches compostelanos, Madrid 1916: havia na Galiza, desde o século XIII (pelo menos), confrarias de artífices que fabricavam objectos de azeviche (imagens, anéis, etc.), que os romeiros de S. Tiago levavam de lá como recordação2; entre esses objectos figuram figas, do século XVI em diante: por exemplo, num documento de 1538, mencionam-se 466 manos de azabache3, mas sem se expressar o nome de «figa», o qual aparece pela primeira vez num de 1546, onde se lê «santiagos de figas», isto é, figuras em que se vê a imagem do Apóstolo pousada sobre uma figa, tipo tradicional da iconografia4, que também chegou ao conhecimento do nosso Amato Lusitano, conforme um extracto tomado dele pelo Dr. Ricardo Jorge nos seus atraentes Comentos5. Osma reproduz vários exemplares de figas compostelanas, que vão do século XVII ao xix6, ora esquerdas, ora direitas, embora o mesmo autor suponha que as direitas são mais antigas7. Muitas delas estão muito estilizadas8. Pela minha parte consegui obter notícia da superstição galega ainda anteriormente ao século XVI. Mandaram-me há tempos da Galiza cópia de uma inscrição para eu decifrar, sob a qual se desenham duas figas formadas com as duas mãos, e dispostas cada uma para seu lado; a inscrição diz: á las malas lemguass9 estas figuass, e está gravada em uma pedra que faz parte de uma torre, onde existem siglas dos séculos XIII e XIV. As figas estão, como disse, dispostas cada uma para seu lado, por necessidade da inscultura, mas entende-se que partem ambas da pedra, e que por isso se imaginam os braços estendidos para diante (cfr. p. 243). Era este o caso que eu tinha em mente, quando acima, p. 200, aludi a proteger a figa edifícios. A superstição na Galiza podemos supor que se intensificou por causa do culto de S. Tiago.

4Relativamente a outras províncias da Espanha posso dar informações não menos abundantes.

  • 10 Madrid 1892, p. 35.

5Nas Astúrias, onde estive em 1922, disseram-me que a figa se usa contra mau-olhado e bruxedo, e que é posta ao pescoço dos meninos, ou num dos pulsos. Ouvi chamar-lhe jiga (com j castelhano) e também cigua. Efectivamente no Vocabulario de palavras e frases bables de Rato de Argüelles, lê-se: «cigua, el amuleto que se coloca à los niños en la muñeca ó al cuello, y que consiste en uma manecilla de marfil ó de coral, y con lo cual pretenden librar las criaturas de mal de ojo»10. Em Vidiago (Lhanes) não lhe ouvi dar nome nenhum especial, apenas a designação perifrástica de manita de azabache. No tesouro da Colegiada de Covadonga vi uma figa esquerda de prata, suspensa por uma argolinha, a qual figa estava ali inexactamente como ex-voto representativo de mão doente curada. Ao lado havia uma verdadeira mão, também de prata, de tamanho natural.

  • 11 Rodriguez Lopez, p. 201; Salillas, pp. 70-79; P. Hurtado, p. 163.
  • 12 «Notes on Spanish Amulets», in Folk-lore, Dez. de 1906, pp. 454-472. Da figa trata a pp. 458-460; e (...)

6Tanto o citado Osma, como outros autores que trataram de superstições espanholas, por exemplo, Salillas, La fascinación en España (1905), Publio Hurtado, Supersticiones extremeñas (1902), se referem ao amuleto da figa em tempos modernos, já na Galiza e nas Astúrias, de que acabo de falar, já em Leão, Salamanca, Zamora, Cáceres, Badajoz, Estremadura, Palença, Almeria, Xaém11. No Museu Etnológico reuni as seguintes figas que obtive em Espanha: uma de azeviche, de Leão, que me pertence, e que suponho foi fabricada na Galiza; uma de Salamanca, muito estilizada, e de substância preta; uma de Plasença, de metal branco, ligada artisticamente com o amuleto de meia-lua. Vid. n.os 47 a 49. O Sr. Hildburgh, sócio da Sociedade Inglesa de Folclore, consagrou aos amuletos espanhóis um artigo em inglês, onde descreve e figura figas de vidro, coral e azeviche que adquiriu em Granada, Sevilha, e Madrid, e se refere a duas dos fins do século xvi, mencionadas por Cuming, – todas elas contra o mau-olhado; contudo o autor nota que a figa, que até ainda há pouco tempo era muito querida em Espanha, tem perdido muito da sua voga primitiva12.

  • 13 Azabaches, p. 21.
  • 14 Ibidem, p. 21
  • 15 Ed. de Londres, 1830, pp. 25-26.
  • 16 Vid. vol. VI, p. 156. Wichersham junta breves notas comparativas a esta frase, a pp. 157- -158; e c (...)
  • 17 Apud Wichersham, a p. 161, artigo citado na nota anterior.
  • 18 Apud Salillas, La fascinacion, p. 103, e Ozma, Azabaches, p. 15; aquele tem mangue las, este manezu (...)
  • 19 Apud Osma, Azabaches, p. 3, 66, e 181 (nota). A figa está gravada a p. 181 dessa obra.

7Da figa na Espanha, em tempos antigos, ministrarei mais algumas notícias. Osma aduz textos do século XVIII, XVII, e XVI e informa que o nome higa não aparece em documentos anteriores a este último século, supondo sem razão, como logo mostrarei, que ele proveio do francês ou do italiano13; atribui a modas dos séculos XVI-XVII e seguintes certa importância na estimação em que então se tinha a figa em Espanha14. Quanto ao século xvii, conta D. Francisco Manuel de Melo, na Carta de Guia de Casados, que uma mulher, estando ele em Madrid, pedira sobre certo penhor doze reales para comprar «media dozena de higas de azavache lindissimas15. Numa écloga do século xvi, extractada por Wickersham Crawford in The Romanic Review, um rústico dá una higa a um pastor, como gesto16; e na Comedia Aquilana, de Torres Naharro, brada um dos interlocutores ao outro: arrojote un par de higas17. Em 1411 escreveu D. Henrique de Vilhena um tratado de mau-olhado ou fascinação, em que fala de manezuelas de plata usadas pelos meninos como amuletos18. Finalmente, para me não alongar demasiado, acrescentarei que num achado em Epanha de moedas arábicas do século XIII havia uma figa de azeviche, e que um médico e naturalista que viveu em Saragoça, de 1085 a 1109, na corte de Ahmed Almostain, faz referência a zabaches postos ao pescoço de crianças contra mal de olho19. Em espanhol corrente, hacer higas ou dar higas significa desprezar uma coisa ou pessoa, zombar dela.

  • 20 Vid. La Société, l’Ecole et le Laboratoire d’Anthropologie à l’Exposition etc., Paris 1889, pp. 308 (...)
  • 21 Cfr. Matinées sénonoises ou proverb. françois, Paris 1789 (sem nome do A.).

8Na França creio que a figa, como amuleto, goza de pouca importância ou nenhuma. Entre os 243 amuletos que o Sr. Adrien de Mortillet apresentou na Exposição Universal de Paris de 1889 não figura nenhuma figa especificadamente francesa, apenas algumas italianas a que logo me referirei20; e contudo o Sr. Mortillet não só é francês, senão que possui grande colecção de amuletos, que já uma vez vi em sua casa, em Paris. Na língua francesa há correspondentemente à espanhola, à portuguesa e a outras, a expressão faire la figue à quelqu’un21, que o Dictionnaire général explica assim: fazer-lhe um gesto de zombaria, mostrando a ponta do polegar entre o dedo indicador e o médio.

  • 22 Glossarium, s.v. «ficha» (=fica). Despiege ou despieche, de despechar, «desprezar».

9Num doc. de 1449, citado por Du Cange, fala-se de um indivíduo que por ofensa fez a outro figas cum ambabus suis manibus, dizendo em provençal: je t’en fau la figua & t’en despiege22.

  • 23 T. IV, col. 1107-1108.

10Ou originário da Bélgica, ou existente casualmente lá, reproduzo do Dictionnaire de l’ameublement de H. Havard um desenho que se conserva na Biblioteca Real de Bruxelas, o qual representa o seguinte: uma caixa do rapé, de marfim, do século xvi, com uma figa (direita) numa extremidade23, caixa comparável pois ao frasquinho de loiça do Museu Etnológico, de que falei acima. Vid. adiante, n.° 55.

11Na Suíça, segundo me informou um natural de lá, a figa raro se usa como amuleto, parece que unicamente a trazem como enfeite; todavia os rapazes na Suíça alemã é costume fazerem o gesto uns aos outros, como sinal de que não se importam de certo assunto de que estão falando, isto é, como manifestação de desdém.

  • 24 Vid. Elworthy, The evil eye, p. 25, e Seelmann, Der böse Blick, I, pp. 116-118.
  • 25 Catalogo delia collez, di amuleti inviata all’Esposizione di Milano (1881), Perugia 1881, n. 97 e 1 (...)
  • 26 Vid. La Société, l’Ecole etc. (já cit.), p. 311.
  • 27 Der Pentamerone, ii, 266-276.

12A nação, por excelência, em que a figa floresce é a Itália. Aí a crença no mau-olhado dos jettatori é profundíssima. Em Portugal também a figa, como temos visto, goza de grande aceitação; todavia a crença a que ela se refere não pode comparar-se, em intensidade, com a italiana, sobretudo com a crença napolitana, que excede todos os limites. Nem o papa Pio IX escapava à fama de jettatore: quando os fiéis lhe pediam a bênção, faziam-lhe figas ocultamente, e uma vez que ele havia de ir a uma praça de Roma, onde andavam operários trabalhando, estes recusaram continuar a trabalhar com medo do mau-olhar que ele, como em geral os jettatori, involuntariamente deitava24. Ainda que fica em italiano tem a significação de «figa», e os AA. estrangeiros, quando se lhe referem, lhe chamam assim e mano-fica, expressões que quase se tomaram técnicas, a designação culta entre os Italianos é mano in pugno, porque fica é fundamentalmente para eles palavra licenciosa. Disto terei de tomar a falar adiante, quando chegar à conclusão. Todavia na linguagem familiar diz-se far le fiche em sinal de desprezo, e também far la fico = = far la fica. Nos escritos do professor Giuseppe Belluci (hoje falecido), que possuía grande colecção de amuletos, que em 1909 me mostrou na sua casa, em Perugia, há várias notícias do amuleto de que estrou tratando: figa de coral, encastoada de prata, figa de osso, com orifício de suspensão, alfinete de cabelo terminado em figa, – tudo contra o mau-olhado (jettatura) e análogos malefícios25. Na Exposição de Paris, a que há pouco aludi, apresentou também A. de Mortillet exemplares de figas, umas que declara serem de Itália, outras sem indicação, mas que também seriam de lá, pois vêm acompanhadas da palavra fica26. A propósito das expressões fare na fico e ecco na fico, que se lêem no Pentamerone de Giambattista Basile, traduzido do napolitano, e comentado, por Felix Liebrecht, Breslau 1846, em dois volumes, escreveu este no volume 2.° uma erudita dissertação acerca da figa, e da antiguidade das superstições ligadas com ela27. Dante no canto XXV do Inferno tem os seguintes versos (I, 3):

...il ladro
Le mani alzo con ambedue le fiche,
Gridando: «Togli, Dio! che a te le squadro».

  • 28 La Divina Commedia, vol. i, L’Inferno, Leipzig 1874, p. 278.
  • 29 S. v. «figa».

isto é: «o ladrão levantou as mãos, fazendo duas figas e dizendo: – toma-as, Deus! que é a ti que as faço», aos quais Scartazzini, na edição que tenho presente28, junta uma nota em que descreve o gesto que nós já conhecemos, «che si fa in sommo dispregio verso alcuno», e se refere a uma rocha que havia em Carmignano onde se figuravam duas figas dirigidas a Florença, rocha destruída no século XIII. Também o mesmo comentador extracta o statuto ou constituição medieval de Prato, em que se cominam penas contra quem fizer figas ao céu ou à imagem de Deus e da Virgem, – o que tem o seu paralelo em «fazer figas ao Sacramento» num processo da Inquisição portuguesa do século xvi, a que a pág. 193 aludi. Leia-se também Du Cange, Glossarium, s.v. «ficha». Observa Bluteau, no Vocabulario Portuguez e Latino, baseando-se em vários AA., que uma das maiores injúrias que podem fazer-se aos Milaneses é dizer-se-lhes far la fica, e narra, para o justificar, uma anedota respectiva ao tempo de Frederico I (século xii)29, a qual encontro reproduzida num antigo livro francês que tenho presente, intitulado Matinées Sénonoises, anónimo, Paris 1789, e vem igualmente no citado comentário dantesco de Scartazzini. No Museu Etnológico há duas figas italianas modernas de osso, encastoadas de metal, com argola de suspensão, e uma de azeviche, ou de massa preta, com um furo. Uma das de osso representa a mão esquerda, as outras a mão direita. Adquiri-as todas três na Itália. Vid. n.os 52 a 54.

  • 30 Die Gebärde der Griechen und Römer, Leipzig 1890, p. 123.

13Diz Carl Sittl, no seu estudo dos gestos dos Gregos e Romanos, que o gesto da figa se usa na Grécia moderna contra o mau-olhado30; um médico grego com quem falei, em Karlsbad, em 1921, informou-me de que o mesmo gesto indica obscenidade. Liebrecht no comentário do Pentamerone, há pouco citado, lembra que os Gregos modernos exprimem o gesto pelo verbo

  • 31 Der Pentamerone, ii, 274.

14γειλοχπώ, composto de Υεĩλoς «partes pudendas da mulher» e χοπώ = χοπτώ «cortar», «romper»31.

  • 32 Die Gebärde etc., pp. 102-103, e 123 (-124), nota 10.

15Da Alemanha (séculos XVII, XVI, e XII), da Boémia, da Polónia, e do Sul da Rússia menciona o citado Carl Sittl alguma pouca cousa32. Pela minha parte juntarei o seguinte a respeito de alguns desses países, e de outros da Europa Central, Oriental e Setentrional.

  • 33 Cfr. Marie Andree, Volkskundliches, Braunschweig 1910, p. 118 (e 119).
  • 34 Zeitschrift des Ver. f. Volkskunde, x, 448-449.

16A Baviera, como próxima da Itália, conhece a figa como amuleto contra várias doenças e bruxedo: no Museu de Etnografia Alemã de Berlim vi, em 1921, um amuleto destes, de osso, encastoado, e com argola de suspensão33. Outrora, no mesmo antigo reino, um namorado que pretendia casar enviava à respectiva rapariga uma figa de prata ou de ouro como presente, para saber se seria ou não correspondido: se a rapariga lha reenviava, tudo estava perdido; se em troca, porém, lhe mandava um coração de prata, era sinal de que o amava; depois ele punha o coração de prata na cadeia do relógio, e ela a figa no cordão do pescoço34. Além de servir de amuleto, a figa emprega-se na Alemanha como gesto licencioso para indicar uma mulher de má vida, – informação que colhi em Berlim em 1921. Outro emprego, que porém da figa só tem a forma exterior, e nada do sentido, consiste em fingir por brincadeira um adulto que arranca o nariz a uma criança com os dedos indicador e máximo dobrados, fazendo seguidamente o gesto da figa para indicar que o nariz da criança, representado aqui pelo polegar do adulto, ficou entre aqueles dois dedos.

  • 35 Informação oral do Dr. Bacinschi, professor de Filologia Românica na Universidade de Bucareste, com (...)
  • 36 Informações que colhi em Karlsbad, em 1921, da boca do Dr. Bacinschi (vid. nota 5 da pág. 213), no (...)

17Na Roménia, quando entre rapazes um dirige um pedido a outro, por exemplo, de comida ou dinheiro, e este quer recusar, faz uma figa com os dedos, e clama ao mesmo tempo: figa! Entre adultos, só muito familiarmente, e por gracejo35. Na Bucóvina, na Galícia Oriental, na Boémia e na Polónia acontece o mesmo, entre gente moça, principalmente estudantes, quanto ao gesto negativo, – só a palavra varia: na Bucóvina e na Polónia dizem também figa; na Galícia dizem dúla no sentido de «nada», embora a palavra signifique «pêra»; na Boémia dizem fik, propriamente, fik ti dám, isto é, «figa te darei»36.

18Na Finlândia, onde estive em 1921, não se conhece a figa como amuleto, nem como gesto; apenas a fazem de brincadeira, como para arrancar o nariz às crianças, segundo o que já disse da Alemanha. Na Suécia onde estive no mesmo ano, a figa tem só este último emprego. Na Noruega, contudo, alguém me disse que se lhe liga, entre gente moça, sentido de licenciosidade, como na Alemanha e na Grécia moderna.

  • 37 Belluci, Parallèles ethnogr. (já cit.), p. 17.
  • 38 Vi em poder de uma senhora do Minho uma figa de ouro (mão e punho) encastoada do mesmo metal, a qua (...)

19Tenho-me na minha exposição circunscrito na Europa, embora para terras extra-europeias colonizadas ou influenciadas em tempos modernos por europeus, eles levassem também a figa, como, por exemplo, sei a respeito do Norte de África37 e do Brasil38; mas para o meu intuito basta por agora o que aí fica.

Notes

1 2a ed„ Madrid, 1910, p. 201.

2 Azabaches, p. 64-65.

3 Azabaches, p. 113.

4 Azabaches, p. 209. Cfr. p. 58, 115, 179.

5 Porto 1916, p. 132.

6 Azabaches, p. 222 ss.

7 Azabaches, p. 179.

8 Azabaches, p. 178 e 234.

9 = contra as más-línguas, isto é, contra quem rogar pragas, ou fizer louvores com má intenção. Vid. o que escrevi no Boletín de la Acad. Gallega, n.° 165 (1924), pp. 209-210.

10 Madrid 1892, p. 35.

11 Rodriguez Lopez, p. 201; Salillas, pp. 70-79; P. Hurtado, p. 163.

12 «Notes on Spanish Amulets», in Folk-lore, Dez. de 1906, pp. 454-472. Da figa trata a pp. 458-460; e vid. est. V.

13 Azabaches, p. 21.

14 Ibidem, p. 21

15 Ed. de Londres, 1830, pp. 25-26.

16 Vid. vol. VI, p. 156. Wichersham junta breves notas comparativas a esta frase, a pp. 157- -158; e cf. p. 159.

17 Apud Wichersham, a p. 161, artigo citado na nota anterior.

18 Apud Salillas, La fascinacion, p. 103, e Ozma, Azabaches, p. 15; aquele tem mangue las, este manezuelas.

19 Apud Osma, Azabaches, p. 3, 66, e 181 (nota). A figa está gravada a p. 181 dessa obra.

20 Vid. La Société, l’Ecole et le Laboratoire d’Anthropologie à l’Exposition etc., Paris 1889, pp. 308-323.

21 Cfr. Matinées sénonoises ou proverb. françois, Paris 1789 (sem nome do A.).

22 Glossarium, s.v. «ficha» (=fica). Despiege ou despieche, de despechar, «desprezar».

23 T. IV, col. 1107-1108.

24 Vid. Elworthy, The evil eye, p. 25, e Seelmann, Der böse Blick, I, pp. 116-118.

25 Catalogo delia collez, di amuleti inviata all’Esposizione di Milano (1881), Perugia 1881, n. 97 e 108 (cf. o que acerca deste Catalogo escrevi na Rev. Scientifica do Porto, p. 579 ss.); Amuletti italiani (Catalogo della collez. inviata all’Esposiz. di Torino), Perugia 1898, p. 72 (n.° 11) e 73 (n.° 16); Il feticismo primitivo in Italia, Perugia 1907, p. 48. Vid. também: Bullet. et Mémoires de la Soc. d’Anthrop. de Paris, Paris 1900, p. 285, n.° 7.

26 Vid. La Société, l’Ecole etc. (já cit.), p. 311.

27 Der Pentamerone, ii, 266-276.

28 La Divina Commedia, vol. i, L’Inferno, Leipzig 1874, p. 278.

29 S. v. «figa».

30 Die Gebärde der Griechen und Römer, Leipzig 1890, p. 123.

31 Der Pentamerone, ii, 274.

32 Die Gebärde etc., pp. 102-103, e 123 (-124), nota 10.

33 Cfr. Marie Andree, Volkskundliches, Braunschweig 1910, p. 118 (e 119).

34 Zeitschrift des Ver. f. Volkskunde, x, 448-449.

35 Informação oral do Dr. Bacinschi, professor de Filologia Românica na Universidade de Bucareste, com quem me relacionei em Karlsbad em 1921. Ele informou-me de que figa em romeno significa também «figo».

36 Informações que colhi em Karlsbad, em 1921, da boca do Dr. Bacinschi (vid. nota 5 da pág. 213), no que respeita a Bucóvina; do Dr. Markow, de Lvov (Galícia Oriental), no que respeita à Galícia e à Polónia; do Prof. Jan Skola, de Praga, no que respeita à Boémia.

37 Belluci, Parallèles ethnogr. (já cit.), p. 17.

38 Vi em poder de uma senhora do Minho uma figa de ouro (mão e punho) encastoada do mesmo metal, a qual lhe fora oferecida em terras de Santa Cruz.

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search