Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

Signum Salomonis

Aditamento

Texte intégral

1Durante o trabalho de composição tipográfica, paginação, e impressão do artigo intitulado Signum Salomonis n’O Archeologo Português, donde se extrai o presente volume, colhi outros apontamentos que importa aditar-lhe.

21. O pentalfa aparece no alfabeto dos Índios Mikmaks da América do Norte, e significa aí mayok, isto é «no céu»: vid. Carl Faulmann, Das Buch der Schrift, Viena 1880, p. 11 (repetidamente). A escrita deste povo, como o A. diz, era outrora comum aos primitivos habitantes do Canadá. – Temos aqui talvez, quanto à origem, um problema análogo ao da existência da suástica também na América: cf. Th. Wilson, «The suastika» in Annual Report of the Board of regents of the Smithsonian Institution (Report of the U.S. National Museum), Washington 1896, p. 879. Há, de facto, certa analogia entre a história dos dois sinais, o pentalfa ou hexalfa, e a suástica: ambos têm origem muito remota, e extensa área de propagação.

32. No tomo XI de Cérémonies et coutumes religieuses de tous les peuples du monde, Paris 1810 (liv. 5.°), estampa 6.a e 9.a, figuram talismãs com o pentalfa e o hexalfa. – Devo esta informação ao Dr. Artur Lamas, que me mostrou a obra.

43. Acerca do uso do hexalfa e do pentalfa na Idade Média, vid. também A. Demmin, Encyclopédie des beaux-arts plastiques, vol. i, p. 184.

54. Num trabalho que ultimamente me enviou o Sr. W. Deonna, intitulado «Les croyances relig. et superst. de la Genève antérieure au Christianisme» (separata du Bullet. de l’Institut Nation. Genevois, XLII, 209 sgs.), e escrito com o acume e erudição habituais deste autor, há breves alusões ao pentalfa e hexalfa, a pp. 204, 316, 365, em parte concordantes com as que eu fizera supra. O trabalho do Sr. Deonna deu-me conhecimento de uma notícia acerca do pentalfa inserida por F. Röck no Globus, 1909, pp. 7-9, a qual sinto não ter podido ler antes de estar impresso o meu estudo.

65. Em Vila do Conde dizem que o pentalfa livra de mau-olhado. – Quem está dentro do sinsalamão está livre do Diabo (Ponte do Lima): – O amuleto do sino-salamõ compra-se na feira, dá-se a benzer ao padre da freguesia, e ata-se com uma fitinha de seda, lã, etc., ao pulsinho direito de uma criança, e livra-a de maus ares e do Pecado. «Bonda ser o sino-salamõ, tem a cruz, e arrenega o Diabo. Arrenegado ele seja!» (assim me disse uma mulher do concelho de Melgaço). O Pecado é o Diabo. «Os maus ares vêm com os ares, de cemitérios, etc.: vêm com os ventos! sabe Deus donde!» (acrescentou a mesma mulher).

76. Nas cangas que jungem os bois, em Aveiro, figura por vezes o pentalfa, «por causa das Bruxas», ainda que se diz também que «o boi, por ter cornos, não é embruxado». Mas é bom sempre forçar as acções mágicas umas com as outras! – Na figura adjunta reproduzo uma canga de bois, que observei no concelho de Melgaço, e foi lá desenhada pelo Sr. Ventura Duarte Igrejas: na frente, ao meio, está insculpida uma cruz, que tem à sua direita «A» «R» ligados (iniciais do nome do dono), e à sua esquerda um pentalfa. O comprimento da canga é 1 metro.

Canga de Melgaço

Canga de Melgaço

87. Sei que há em Aveiro uma mulher que tem no antebraço direito uma tatuagem azul, feita em 1861, constante de um crucifixo ladeado dos emblemas do martírio, e encimado do Sol e da Lua, e bem assim das iniciais «I. N. R. I.»; na tabaqueira anatómica esquerda tem um hexalfa, que encerra um ornato imperceptível (talvez estrela), e está encimado de uma cruz posta sobre uma peanha, vendo-se em volta de tudo oito pontos.

98. Um pergaminho de 1490, proveniente do Convento de Jesus de Aveiro, e ora na Repartição de Fazenda da mesma cidade, está escrito e assinado por um tabelião que usa como «sinal» dois triângulos elegantemente enlaçados, de modo que constituem um hexalfa; em volta deste agrupam-se vários ornatos de fantasia, em número de doze. Vid. a Fig. da página seguinte. – Numa folha de guarda do foral da vila de Soure, de 1513, há uma assinatura do séc. xvi, feita com o pentalfa, que foi traçado entre Amtam e Lopez. – O mesmo sinal aparece num documento de 1649, de um livro de notas do tabelião Antonio Arnao: na Lousã, em poder do Dr. Carlos Sacadura (o termo da abertura é de 1639, assinado por João de Saa). – As chaves de S. Pedro, que se vêem na Fig. 179-bis, – sinal de tabelião –, aparecem em sinais de notários apostólicos de França: Guigue. De l’origine de la signature, já cit., p. 80. – As Figs. 227-228, de que falei a p. 265, e a que comparei outras ibidem, as quais terão acaso carácter mágico, existem também em França: vid. Guigue, est. VII, n.° 19, etc.

Sinal do tabelião de um pergaminho do séc. XV do Convento de Jesus de Aveiro na Repartição de Fazenda

Sinal do tabelião de um pergaminho do séc. XV do Convento de Jesus de Aveiro na Repartição de Fazenda

109. Entre várias siglas do Mosteiro da Ermida do Paiva (Castro Daire) conta-se o pentalfa, como o Sr. Dr. Aarão de Lacerda mostrará no livro que tem no prelo sob o título de O Templo das Siglas.– No Catálogo do Museu do Carmo, Lisboa, 1891, n.° 3:898, lê-se: «Pedra com o signo de Salomão, achada nas ruinas do edificio do Carmo». Esta pedra não aparece, apesar de procurada. Provavelmente era pedra sepulcral, como as de que falo no meu estudo.

1110. Informa-me o Sr. Major Fernando Barreiros de que na capa de um romance intitulado Rosquedo, de Delfim Guimarães, Lisboa 1912, se desenha uma fonte de Ponte de Lima, e que na mesma se vê um hexalfa que contém no centro um ponto.

1211. O artista Bordalo Pinheiro serviu-se do sino-saimão dobrado, como tipo de ornamentação de azulejos. Esse sino-saimão é formado por quatro azulejos ligados entre si. Vi espécimes no Museu Industrial do Porto. – O sino-saimão dobrado não é conhecido em todo o País: assim, por exemplo, no Alto Minho nunca ouvi falar nele, apesar de ser muito supersticiosa a gente de lá, e de atribuir grande valor mágico ao pentalfa.

Table des illustrations

Titre Canga de Melgaço
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4431/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Sinal do tabelião de um pergaminho do séc. XV do Convento de Jesus de Aveiro na Repartição de Fazenda
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4431/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 17k

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search