Version classiqueVersion mobile

Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal

 | 
José Leite de Vasconcelos

Signum Salomonis

Sumário

Texte intégral

Non pude mais escreuer,
Por nã těer mais descuberto.
G. de Resende, Miscellania, est. 311.

...sirva o pouco que disse . . de
abrir caminho aos curiosos, a que pro
curem aventajarse neste estudo.
D. Rodrigo da Cunha, História Eccles. de Lisboa, fls. 17.

1Palavras prévias: formas e nomes gerais; divisão do presente trabalho • I. Pentalfa e hexalfa. Antiguidade dessas figuras. O seu uso nos Gregos. Transmissão aos Semitas, aos Índios, aos Romanos, e a outros povos (medievais e modernos). O pentalfa e o hexalfa em Portugal. Documentos arqueológicos e literários. Nomenclatura. Magia, religião e arte. Vida prática e recreativa • II. Sino-saimão dobrado. Seu uso no continente português e nos Açores. Na Espanha medieval • Conclusão. Origem astrológica do pentalfa. Pentalfa, hexalfa, e outras figuras geométricas. O pentalfa tem entre nós origem judaica • Apêndice • I. Nómina contra endemoninhados • II. Nó de Salomão • III. Moeda com o pentalfa • IV. Frontispício do Livro de S. Cypriano. Estampas, e respectivas explicações. Origem das gravuras.

  • 1 Pentalfa, de πέντα «cinco», e ἄλφα, nome da primeira letra do alfabeto, – significa «cinco alfas», (...)
  • 2 Hexalfa, de εξ «seis» e ἄλφα. Sinónimos: hexagrama (hexagramo), etc.
  • 3 Vid. O Arch. Port., X, 171.

2O signum Salomonis, propagado desde longínquas eras por grande parte da superfície do globo, goza de grande vitalidade nos costumes e crenças de todo o Portugal, e toma, quer entre nós, quer lá fora, várias formas, que vão figuradas com os n.os 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7. Às formas representadas nas Figs. 1, 2 (a Fig. 2 é apenas a Fig. 1, às avessas) e 3, que são respectivamente um pentalfa ou pentágono regular estrelado («estrela de cinco pontas»)1, e um hexalfa («estrela de seis pontas»)2, dá o nosso povo o nome genérico de sino-saimão; às formas representadas nas Figs. 4, 5 (mera variante da anterior), 6, 7, ou a algumas delas, chama sino-saimão dobrado. Concomitantemente com a primeira denominação há outras, por igual populares, como veremos depois. O povo denomina também, mas de maneira muito imprópria, sino-saimão a esfera armilar que se vê em certas moedas portuguesas dos séculos XVIII e XIX3.

3Vou aqui juntar uns apontamentos que concorram para maior conhecimento da história destes curiosos símbolos astrológico-mágicos. Desejava tratar em três capítulos seguidos as três formas; contudo, se quando temos diante de nós representações gráficas delas, é visível a distinção, nem sempre acontece o mesmo quando só temos textos em que de modo geral se diz apenas signum Salomonis: muitas vezes não sabemos se tal designação se refere ao pentalfa ou ao hexalfa. Por isso farei apenas dois capítulos: um acerca do pentalfa & hexalfa, o outro acerca do sino-saimão dobrado. A matéria ficará assim menos nitidamente exposta, porém talvez com maior exactidão. Por falta de documentos, serei obrigado a dar grandes saltos cronológicos e geográficos. – No fim juntarei um apêndice, com matérias que não pude tratar ou desenvolver no corpo do meu trabalho.

I – Pentalfa & hexalfa

  • 4 Early man in Britain, Londres 1880, p. 378, Cf. também Matériaux pour l’hist. primit. et natur. de (...)
  • 5 Este texto tem sido já muitas vezes citado pelos eruditos que se ocupam de magia.

4Ainda que, como adiante direi, suponho que o pentalfa antecedeu na história o hexalfa, temos deste, contudo, pela arqueologia notícia mais antiga do que daquele: pelo menos Boyd Dakwins inclui o hexalfa, Fig. 8, entre desenhos que decoram objectos da Britânia e da Irlanda pertencentes à Idade do Bronze4. No que toca porém a textos literários, o pentalfa sobrepuja em ancianidade o seu rival. No n.° 19 das Obras de Luciano, § 5, p. 205 da edição greco-latina de F. Didot, Paris, 1840, diz-se que Pitágoras (séc. VI a. C.) mandava aos seus discípulos que no princípio das cartas traçassem um πεντάγραμμον, a que eles chamavam «saúde»: ύγείεια πρός αύτώκν ώνομάζατο5. Era pois o «pentagrama» ou pentalfa, nos Gregos, um sinal de bom agouro, e de profilaxia contra doenças.

  • 6 Vid.: Wroth & Poole, Greek coins of Mysia (publicação do Museu Britânico), Londres 1892, est. xxxiv(...)
  • 7 Vid. Head, Greek coins of Caria, Cos, Rhodes, etc. (publicação do Museu Britânico), Londres 1897, p (...)
  • 8 Consta de dois volumes, um de texto, outro de estampas.
  • 9 Vid. nas estampas, p. 123, o n.° 62. A p. 125 figura o pentalfa a par com o hexalfa.
  • 10 Vid. no texto e nas estampas os n.os 341, 357, 377, 379.
  • 11 P. 343.
  • 12 P. 343.
  • 13 Vid. Mionnet, Description des médaill. antiq. (1822-1847), t. i, p. 123, n.° 246. – Na secção das m (...)
  • 14 Head, Hist. numorum, p. 89.
  • 15 Mionnet, Descr. des méd., I, 125, n.° 265. – No nosso Gabinete Numismático há também um exemplar: é (...)
  • 16 Cf. Head, p. 36, que a não cita porém.
  • 17 Cf. Rasche, Lexicon univ. rei numariae, vol. vi, col. 827, s. v. «pentagonon». A moeda tem: YEɅHTΩN (...)
  • 18 Relacionei-me com o Sr. Polítes em Atenas, em 1805, por ocasião de um congresso arqueológico a que (...)

5O mesmo pentalfa aparece como tipo monetário, e como símbolo, em várias moedas antigas: de Pitane (séc. IV a. C.), na Mísia, em conexão com Asclépio ou Esculápio, deus da saúde, Fig. 96; de Rodes (séc. IV a II a. C.)7. Na Numismatique d’Alexandre le Grand de L. Müller, Copenhaga, 18558, figura várias vezes o hexalfa, que o A. chama inexactamente «pentagone»9; Müller diz que esse símbolo representa aqui cidades da Trácia Meridional, moedas de Alexandre Magno. Na mesma obra se fala do verdadeiro pentalfa em tetradracmos de Filipe III, também da Trácia Meridional10. Os Gregos antigos e outros povos costumavam gravar com um ponteiro nas suas moedas inscrições amorosas, nomes de divindades, etc. – graffiti – (algumas destas moedas eram postas nos templos): vid. Lenormant num artigo da Revue Numismatique, nova série, t. XV, 1874-1877, p. 325, no qual se lê: «un didrachme de Tarente au Cabinet de Berlin offre le dessin d’un pentagramme à la pointe»11. E noutro lugar: «La même figure, à laquelle on attribuait une valeur talismanique, a été tracée au revers de deux tétradrachmes ptolémaïques de l’atelier de Racotis (= Alexandria), avec des monogrammes secondaires différents sur l’un et sur l’autre»12. Em moedas autónomas de Nucéria (Brutii, na Itália), de legendas gregas, aparece um cavalo que tem por baixo um pentalfa13, Fig. 10; estas moedas (de cobre) são do séc. IV-III a. C.14. Outra moeda, de Teanum (na Campânia), tem o mesmo símbolo15, Fig. 11: deve ser de cerca do séc. III a. C.16. Também o pentalfa se vê como símbolo, sobre um leão, numa moeda de Velia (Lucânia), Fig. 1217. O ilustre professor ateniense, o Sr. N. G. Polítes, lembra-me mais as seguintes moedas gregas, mencionadas em obras que não pude compulsar, por não as haver em Lisboa: da ilha de Leucada (com o pentalfa como tipo); de Tarso, na Cilicia (com o pentalfa como símbolo); e lembra-me além disso tesseras de Atenas (idem)18.

  • 19 Vid. um artigo de R. Förster nos Annali dell’ Istituto, Roma 1869, p. 157, e a estampa nos Monument (...)
  • 20 Vid. Palestine Exploration Fund, de Thiersch-Petters, «Prainted tombs ar the Necropolis of Marissa, (...)

6Se das moedas nos voltarmos para outros monumentos da Antiguidade, encontramos o pentalfa pintado duas vezes num vaso grego, ou greco-etrusco, de Cerveteri, outrora Caere, na Etrúria, hoje no Museu Capitolino de Roma, Figs. 13 e 1419, e encontramo-lo num túmulo de Marissa, com inscrição grega, da época helenística20.

7Dos Gregos, onde o pentalfa e o hexalfa ainda desfrutariam maiores vantagens do que as que se patenteiam nos citados esparsos documentos, passaram eles por vias directas ou indirectas, que pela história conhecemos de modo geral, para os Semitas (Hebreus e Árabes), para os Índios, para os Romanos, e por fim para vários povos da Europa medieval e moderna, donde depois tomaram a emigrar para longe (América, etc.). O principal veículo de transmissão na Antiguidade deverá buscar-se nos Judeus, que, pela sua infiltração entre Gregos e Romanos, estavam em excelentes condições para isso: Alexandria primeiro, Roma e Bizâncio depois, desempenhariam aqui papéis importantes. No séc. VII d. C. aparecem, por assim dizer, os Árabes na história, e eles estendem-se em seguida por grande parte da Ásia, pelo Norte de África, e por parte da Europa Ocidental e Meridional, e em todas essas regiões viveram em contacto com os Judeus, de quem podem ter recebido os símbolos de que me ocupo. Pelos Judeus ou pelos Árabes, e não, de certo, imediatamente pelos Gregos, se transmitiram estes símbolos aos Índios. O pentalfa e o hexalfa associaram-se nos Semitas aos nomes e lendas de David e Salomão, que pela sua sabedoria e glória exerceram, sobretudo o último, poderosa influência nas tradições judaicas e maometanas: e assim associados os encontramos muitas vezes fora dos círculos originários.

  • 21 De incantationibus seu ensalmis, Évora 1620, p. 27. Discute as virtudes da raiz a p. 195.
  • 22 Vid. a ed. de F. Liebrecht, Hannover 1856, pp. 8-9, e a anotação 12 que este erudito lhe apõe a p. (...)
  • 23 Antiguidades Judaicas (ed. de Didot, 1845), liv. VIII, cap. II, § 5.
  • 24 A respeito do anel e selo de Salomão, cf. Rev. des trad. pop., VII, 377 segs.

8Desde épocas distantes que o pentalfa e o hexalfa, e correlativas lendas salomónicas, existem nos Judeus. O nosso Vale de Moura, séc. xvii, fala da «raiz de Salomão», quae ad nares daemoniaci applicata Daemonem extrahebat et effugebat, quaque exorcistae Iudaeorum utebantur21 Esta superstição é mencionada noutras antiquadas obras, por exemplo nos Otia imperialia de G. de Tilbury (séc. XIII)22, e provém do historiador Josefo (séc. I)23: a raiz estava inclusa num anel. Neste anel imaginaram os crentes um selo, que a maior parte das vezes é o pentalfa24.

  • 25 The Jewish Encyclopedia, viii, 251-252. Acerca do anel e selo de Salomão, vid. a mesma Enciclopédia (...)
  • 26 A. Blanchet, Études de Numismatique, I, 127. Diz ele que o hexalfa foi preferido pelos Judeus ao pe (...)
  • 27 Extraídas de Jewish Encyclopedia, xi, est. 2.a, figs. 38 e 41. No segundo selo o hexalfa está segur (...)
  • 28 G. Girot, Recherches sur les juifs espagn. et portug. de Bordeaux, Bordéus 1909, p. 121.
  • 29 Os desenhos são extraídos de um diploma que o Sr. Dr. Alfredo Bensaúde me comunicou.
  • 30 Aubrey, Remains of gentilisme and judaisme (séc. XVII), publicados por J. Britten, Londres 1881, p. (...)

9O hexalfa aparece, no séc. III da nossa era, num túmulo judaico de Tarento ; e o pentalfa na antiga sinagoga de Tell Hum e num manuscrito judaico do séc. XI; Carlos IV prescreveu para os Judeus de Praga em 1354 uma bandeira com o «escudo de David» ou hexalfa, e o «selo de Salomão» ou pentalfa25. Com data de 1299 existe na Biblioteca Nacional de Lisboa uma rica Bíblia hebraica iluminada, de procedência espanhola (moçarábica?), onde numa das páginas se pintaram as armas de Castela e Leão dentro de dois hexalfas: o castelo, símbolo do primeiro reino, num, e o leão, símbolo do segundo, no outro: Figs. 15 e 16. O hexalfa constitui um «símbolo falante» em selos judaicos, dos sécs. XIV-XV, cujo proprietário se chamava «Salomão»: vid. um exemplo na Fig. 1726. Na Revue Numismatique, 1892, pp. 240 e 245, trata-se de amuletos, igualmente judaicos, com o pentalfa, os quais porém não ascendem além do séc. XVI; e no vol. de 1894, p. 247, trata-se de uma medalha da mesma procedência, existente na Biblioteca Nacional de Paris, com o «sceau de Salomon», talvez do séc. xvi ou XVII (vid. p. 241). O selo comunal de Kremsier (Áustria) e o de Beuthen (Alemanha) têm o hexalfa, como consta das Figs. 18 /1690) e 19 (actualidade)27. O hexalfa está gravado numa sepultura judaica de Bordéus, de 1731, Fig. 2028, onde ele, como «escudo de David», creio que alude emblematicamente ao nome do falecido – Moisés David Lameiro. Uma associação judaica moderna, destinada à plantação de oliveiras na Palestina, tem nos diplomas dos seus membros o hexalfa, quer como emblema principal, ligado com o leão de Judá e seis estrelas, Fig. 21, quer como emblema secundário em cada um dos lados, Fig. 2229. Alguns judeus, como os pitagóricos, escrevem o pentalfa no começo das cartas; os da Berbéria usam-no como sinal nas mesas, etc.; as mulheres judias fazem o mesmo sinal no vestuário das crianças30. Segundo me informa o meu colega Alfredo Apell, o hexalfa é também conhecido dos Judeus da Rússia, e tem entre eles o já indicado nome de escudo de David.

  • 31 Medida da l.a esteia; 0,56 m x 0,41 m.
  • 32 Em Luxor comprei um disco análogo, porém não tem hexalfa, só tem inscrição.

10Quanto aos Árabes, aduzirei em primeiro lugar duas estelas funerárias que em 1909 vi no Museu Arábico do Cairo, pertencentes ao séc. VIII-IX, uma delas com um simples pentalfa por debaixo da inscrição, a outra com três hexalfas nas mesmas condições, e assim dispostos: Figs. 23 e 2431. No referido museu, bem como no de Alexandria, existem vários discos de vidro, que se julga serem do séc. VIII, e terem servido de padrões de peso: cada um tem numa das faces um hexalfa ou uma inscrição, estando lisa a outra face; na Fig. 25 copio um do Museu Etnológico Português, que o Sr. Aly Bey Bahghat, conservador do Museu Arábico do Cairo, obteve particularmente e me ofereceu, e que aparecera nas ruínas do Cairo antigo32.

  • 33 O reverso é anepígrafo. Esta moeda é um «meio quirate». Cf. A. Vives, Monedas de las dinast. arábig (...)
  • 34 Ofereceu-ma o Sr. Francisco Pedro Galinoti. A outra face da moeda tem letras arábicas, porém nenhum (...)
  • 35 Cf. outros exemplos in France-Maroc (revue mensuelle), Paris-Rabat, n.° 2, 1818, pp. 37- -38 («haça (...)
  • 36 Études de Numismatique, I, 128.
  • 37 Monuments arabes du Duc de Blacas, II, 49-55.

11Tanto o pentalfa como o hexalfa constituem tipos e símbolos de moedas maometanas da Idade Média e de épocas posteriores até à actualidade. Na Fig. 26 represento o anverso de uma moeda de prata do séc. XII ou começos do xiii, que examinei no Museu Arqueológico de Madrid (exemplar único)33, e na Fig. 27 uma das faces de uma de cobre, também medieval, que adquiri em Beja em 1916, e pertence hoje ao Museu Etnológico34. A moeda do séc. XII, descrita no n.° 1770 das Monedas de Vives, que cito em nota, tem um hexalfa, como o próprio autor me disse em Madrid. Na obra de W. H. Valentine, intitulada The modern copper coins, que porém só conheço por umas páginas soltas, citam-se várias moedas de Trípoli, dos sultões Mustafá III (séc. xviii), Abdul Hamid (idem), e Mahmud II (séc. xix), com o hexalfa, Figs. 28 a 33, e o mesmo sinal se vê em muitas moedas modernas de prata e de cobre, de Marrocos, etc., que vêm ter a cada passo às mãos dos coleccionadores portugueses, e de que há igualmente exemplares no Museu Etnológico: vid. Figs. 34 a 3735. O emblema salomónico figura nas moedas arábicas, diz A. Blanchet, desde os primeiros califas até aos últimos imperadores de Marrocos, e substitui o nome de cada monarca, Soleiman36; é este um facto análogo ao já observado por M. Reinaud, tanto a respeito das moedas, como dos selos37, e também comparável a outro que vimos acima, p. 54.

  • 38 Cf. O Arch. Port., X, 171, onde publiquei outros exemplares.
  • 39 Vid. vol. ii, p. 52 sgs. e 240, e est. i e ii.

12Das moedas de cobre de Marrocos, «feluzes», fazem as mulheres portuguesas amuletos, que colocam ao pescoço das crianças: Fig. 3838. Também na Argélia as citadas moedas marroquinas servem de amuletos, como me informa o Sr. P. Sébillot. O ter falado de amuletos leva-me naturalmente a mencionar outros objectos de uso, em que se vê o hexalfa, e são: uma jóia de senhora, talvez do séc. xviii, que vi no Museu Arábico do Cairo; um anel de metal que vi em casa de um antiquário de Luxor (o hexalfa estava na pedra da pala ou centro do anel); um disco de faiança antiga, pintada de azul, que comprei no Alto Egipto para o Museu Etnológico, e que represento na Fig. 39; um caco do mesmo museu, de barro branco, aparecido em Faro, e dado como arábico por Estácio da Veiga, caco em que se desenhou um pentalfa, quando o barro ainda estava fresco, Fig. 40; finalmente um objecto, Fig. 41, que se vê desenhado num bilhete-postal em que se pinta a loja de um negociante de curiosidades, de Tunes. Nos seus Monuments arabes du Duc de Blacas descreve Reinaud várias pedras preciosas em que se vê gravado um hexalfa ou um pentalfa39, e a propósito deles faz judiciosas considerações, algumas das quais cito no decurso deste trabalho.

  • 40 Seligmann, Der böse Blick, II, 254-,
  • 41 E. Doutté, Magie & Religion dans l’Afrique du Nord, Argel 1903, p. 1908, pp. 154-156. (Deste livro (...)
  • 42 Belluci, Parallèles ethnographiques, Perúgia 1915, pp. 47, 48 e 50. Na Fig. 42 há um simulacro da m (...)
  • 43 The Evil Eye, Londres 1895, pp. 249-250.
  • 44 Seligmann, Der böse Blick, II, 19, e vid. p. 140.
  • 45 Da revista londrina, intitulada Man, Setembro de 1905.
  • 46 Acerca de palavras mágicas vid. o que adiante, p. 60 e nota 4, se diz das letras efésias. Cf. també (...)
  • 47 Como observarei adiante, há por vezes confusão entre pentalfa e hexalfa. Assim, o Sr. Doutté, na ob (...)
  • 48 Acerca da crença no poder de Salomão, no Alcorão, sura XXI, v. 79, vid. Reinaud, Monuments arabes d (...)
  • 49 A lenda do anel de Polícrates, que nos é conhecida por um passo de Heródoto, aplica-se a Salomão na (...)

13Lembrarei em seguida algumas superstições modernas. Os Muçulmanos livram-se do mau-olhado, pintando o pentalfa nas casas40, e os do Norte de África fazem uso dele em quadros e fórmulas mágicas41. O hexalfa, diz-me o Sr. P. Sébillot, em carta, «est aussi fréquemment dessiné sur les feuillets écrits cousus dans des sachets de peau que portent pour ainda dire tous les indigènes; parfois il est également imprimé sur la face supérieure de l’enveloppe en peau». As mulheres da Líbia usam como enfeite da cabeça discos de prata, de várias dimensões, chamados xelas pelos Árabes, nos quais discos está inscrito um hexalfa: vid. uma amostra nas Figs. 42 e 43; estes discos, no todo ou em parte, livram do mau-olhado42. Elworthy fala de uma espécie de tambor, de carácter mágico, usado em Tunes, no qual se vê pintado um hexalfa sobre os dois primeiros dedos de uma mão aberta, e ao lado do crescente; Fig. 4443. Desenho análogo temos na Fig. 45, da Argélia44. Na Fig. 46 vê-se uma tatuagem usada modernamente em Tunes45. Quando estive no Egipto, em 1909, observei que o pentalfa era lá muito querido dos Árabes, e até comprei para o Museu Etnológico dois amuletos ou chapas de prata em que ele se representa, cada um com sua inscrição religiosa: Fig. 47 (na parte inferior da chapa há cinco discos pendurados, a modo de medalhas, mas lisos); e Fig. 4846. O pentalfa chama-se khâtam Salaïman «anel de Salomão»: vê-se, por exemplo, figurado no tecido do fato. Indo eu a uma escola de instrução primária em Luxor, tracei-o na pedra, e logo os rapazes disseram alto, e em coro, o nome47. O Sr. Aly Bey Baghat informou-me de que, no campo, os feiticeiros traçam o pentalfa com versículos do Alcorão em objectos de uso (por exemplo: pratos, cacos) e dão isso aos doentes, dizendo a cada um: «amanhã de manhã faz dissolver esta escritura, bebe-a em jejum, três (ou sete vezes), e curar-te-ás de tal ou tal doença». A mesma narrativa ouvi a outras pessoas48. Sem ser propriamente como agente mágico, mas como sinal, um professor de primeiras letras costumava desenhá-lo com lápis nas pernas dos discípulos, proibindo-os ao mesmo tempo que entrassem na água de um rio: se entrassem, a água apagava-o, ele ficava sabendo se os rapazes cumpriam ou não a ordem. Num prospecto que tenho presente do Third Report dos «Wellcome Research Laboratories» (Gordon Memorial College) de Cartum, vem, a p. 22, um espécime das ilustrações de um artigo em que se trata de superstições do povo de Kordofan (Sul da Núbia, maometanos negros), e entre essas ilustrações figura um «charm» com dois pentalfas: Fig. 4949.

  • 50 King, The Gnostics, Londres 1887, p. 388.
  • 51 Th. Inman, Ancient pagan and modern christian symbolism, Londres-Liverpool 1869, p. 26.
  • 52 Inman, ut supra, p. 27.
  • 53 Vid. Panjab Notes & Queries, vol. II (1884), p. 5: pentalfa com várias letras e números, e no centr (...)
  • 54 Vid. Panjab Notes & Queries, vol. iii (1885), p. 205: «Draw this figure (pentalfa) in ink three tim (...)
  • 55 Tuchmann, «La fascination», in Mélusine, ix, 127.
  • 56 King, ut supra, p. 388.

14Dos índios tenho pouco que referir. O hexalfa representa a conjunção de dois elementos, Siva ou o fogo, e Vixnu ou a água; o pentalfa simboliza Siva, o destruidor (fogo) e Brama, o criador, que tem cinco cabeças50. O Dr. Thomas Inman, num seu opúsculo sobre simbolismo, publica o desenho que reproduzo na Fig. 50, e que ele diz ser «an ancient Hindoo emblem, called Sri Jantra». Acrescenta: «The circle represents the world, in which the living exist; as male, the triangle with the point upwards; and as female, the triangle with the apex downwards; as distinct, yet united. These have a world within themselves, in which the male is uppermost. In the central circle the image to be worshipped is placed. When used, the figure is placed on the ground, with Brahma to the east, and Laksmi to the west. Then a relic of any saint, or image of Buddha, like a modern Papal crucifix, is added and the shrine for worship is complete»51. Também o mesmo autor desenha na sua Fig. 34.a um pentalfa a que igualmente chama «a very ancient Hindoo emblem», cuja significação não pôde descobrir. Acrescenta: «it is used in calculation; it forms the basis of some game, and it is a sign of vast import in sacti worship»52. – O pentalfa figura na Índia num feitiço «to bring a fractious woman into your power»53, e na cura supersticiosa de uma picada de escorpião54; trazido no braço (como tatuagem?) livra de doenças e de desgostos55. O hexalfa temo-lo na porta de Agra, ainda que a edificação é trabalho árabe56. – Na nossa Biblioteca Nacional há três moedinhas de cobre em que se representa o pentalfa, Figs. 51, 52 e 53, as quais suponho serem de Travancor. – É possível que o signum Salomonis chegasse ainda mais longe, no Oriente; para o afirmar faltam-me porém notícias suficientes.

  • 57 Vid. A. Blanchet, Monnaies Gauloises, Paris 1905, figs. 265 e 378. Cf.; Mélanges de Numismatique, i(...)
  • 58 Revue Numismatique, 1857, p. 189 (Cavedoni); Babelon, Monn. de la Républ. rom., I, 101, e cf. p. 34 (...)

15Tomando às fontes helénicas, de onde na maior parte fizemos derivar este estudo, podemos assentar que com o pentalfa que encontrámos em moedas gregas se deve relacionar o que aparece em moedas da Gália e em moedas romanas do tempo da República. Nas moedas da Gália temos o pentalfa em várias circunstâncias, e aí toma a forma , que consta das Figs. 54 e 5557. Nas moedas romanas temo-lo, por exemplo, na gens Acilia, na qual figurará como símbolo da saúde, pois esta família pretendia ter introduzido a medicina em Roma58: Fig. 56. Acerca de outras famílias vide: Rasche, Lexic. univ. rei numar., VI, s. v «pentagonon»; Babelon, Monn. de la Républ., I, 25, 48, 409; e Grueber, Coins of the Roman Republic, Londres 1910, II, 163, 213.

Image 100000000000003A0000003A212BFD9D58C717C0.jpg

  • 59 Vid. «Estações pré-romanas da Idade do Ferro», in Portugalia, II, 343. Ele também publica desenhos (...)
  • 60 Loc. cit., p. 316; cf. p. 317.
  • 61 A cerâmica de Santa Olaia, a que os desenhos pertencem, é de tipo ibérico. Segundo as últimas inves (...)

16Pela data (La Tène I, ou 2.° do período da época do ferro) poderei mencionar aqui dois fragmentos de vasos de barro da estação pré-romana de Santa Olaia (Portugal), explorada com muito método pelo falecido Dr. Santos Rocha, em cada um dos quais, depois da cozedura, se gravou um pentalfa (graffito): vide Figs. 57 e 58, feitas sobre desenhos que o meu antigo aluno da Faculdade de Letras Dr. Manuel Domingues Heleno Júnior de propósito tomou, a meu pedido, no Museu da Figueira, onde os dois citados fragmentos estão sob os n.os 6820 e 8234. Santos Rocha especifica já o pentalfa ou pentagrama na memória que consagrou às antiguidades de Santa Olaia59. O Sr. Heleno desenhou mais um fragmento cerâmico, n.° 8109, que represento na Fig. 59, onde parece ver-se parte de um hexalfa: deve corresponder a um dos muitos sinais que Rocha insere nas est. XXVI e XXVII da sua memória. Se Rocha não dissesse que «absolutamente nada com feição romana»60 se encontrara no local de que provêm os fragmentos cerâmicos em que se vêem o pentalfa e o hexalfa (se o é), haveria grande tentação de estabelecer, não direi confronto, mas parentesco entre os graffiti dos barros de Santa Olaia e os dos fragmentos cerâmicos de Numância e Fiesole, de que adiante falarei61.

17Fora das moedas acima citadas, a época romana ministra-nos outros factos, e muito importantes, embora de origem diferente da das moedas, e menos antigos, pois os julgo provenientes de origem judaica, e judaico-cristã.

  • 62 Vid. Heim, Incantamento magica, § 56 e 169. As palavras Gaius Seius parece que querem dizer «Fulano (...)
  • 63 Cf. Heim, ut supra, p. 522.
  • 64 Silviae vel potius Aetheriae Peregrinatio ad loca sancta, ed. de W. Heraeus, Heidelberga 1908, p. 4 (...)
  • 65 Chamam-se letras efésias, em grego ’Εφέσια γράμματα, em latim Ephesiae litterae, certas palavras má (...)
  • 66 Este prego foi estudado e publicado várias vezes. Tenho aqui presentes: um eruditíssimo e raro opús (...)
  • 67 Novelle dilucidazioni, já cit., p. 23,

18Citarei primeiro três textos. No Pseudoplínio (séc. IV), III, 15, prescreve-se que contra as febres quartãs se tracem num papel (que ainda não servisse) as palavras recede ab illo Gaio Seio, Solomon te sequitur, e que o doente o traga atado no braço direito62; Salomão no presente ensalmo figura pela força ou poder misterioso do seu nome, como outras entidades bíblicas, Abraão, Isaac, Jacob, em ensalmos semelhantes63. Descrevendo-se actos religiosos passados na Terra Santa, diz-se na Peregrinatio (séc. IV): stat diaconus, tenet anulam Salomonis64. Num famoso prego mágico, de bronze, em que há letras efésias65, lê-se uma invocação a Àrtemis ou «Diana», a qual acaba assim: ter dico, ter incanto in signu Dei et Signv Salomonis et signu Domna Artemix66. No primeiro destes três textos aparece apenas o nome de Salomão; no anulas do segundo, se nele havia uma figura, tanto pode subentender-se que seria o pentalfa como o hexalfa; no terceiro, porém, é possível que o signum seja o pentalfa, como Minervini suspeita67.

  • 68 A este propósito diz uma graciosa cantiga mexicana: Salomón, con ser tan sabio,
    lo engañaron las muj (...)
  • 69 Antiguidades Judaicas (já cit.), liv. VIII, cp. II, § 5. Há quem suponha interpolado este texto, ma (...)
  • 70 Vid.: The Jewish Enciclop., xi, 446., Roux de Liney, Le Livre des proverbes, t. i, p. viii e n. 1, (...)
  • 71 Códex da Biblioteca Nacional de Atenas, n.° 1265, do séc. XV ou XVI, fl. 33.a; códex do Archivo da (...)
  • 72 Cód. n.° 1265, fl. 16.a; da Soc. Hist., fl. 12.a Eis outros preceitos tirados da Solomoniké: Para a (...)
  • 73 Apud Minervini, Novel. diluc., já cit., pp. 23-24. – Conquanto antiquada, convém lembrar aqui a seg (...)
  • 74 In Bulletino di Arch. cristiana, vii (1869), 59-64.
  • 75 Acerca de medalhas bizantinas com ideias gnósticas vid.: Schlumberger, in Mélanges d’archéolog. byz (...)
  • 76 A palavra deriva de γνωσιχοί «sabedores», – de que γνώσις «acção de conhecer», «ciência», no nosso (...)
  • 77 Vid. Enciclopädie de Paulym s. v. «Gnosis (Gnostici)».
  • 78 A palavra «abraxas» tem sido variamente explicada. Uns vêm nela αδραξάς ou ἁδρασαξ cujas letras per (...)
  • 79 L’antiquité expliquée, t, ii (= vol. 4.°), est. 169, em frente da p. 374, est. 160. Cf. também: Rei (...)
  • 80 O nome está em latim: Abrahamus Gorlaeus. Este A. é de Amsterdão.
  • 81 Devo o conhecimento desta obra ao sr. Polítes. Sirvo-me de um exemplar da ed. de 1695 (Leiden), 2 t (...)
  • 82 No texto diz-se, por equívoco, hexagonum em vez de pentagonum.
  • 83 Uma serpente que morde a cauda é bem conhecido símbolo do curso da eternidade (curso do Sol e do te (...)
  • 84 Isto é, «de Chiflet».
  • 85 Cf. o que escrevi supra, p. 51.

19Salomão, sábio como era68, e fabricador de ensalmos, como conta Josefo69, passou, entre judeus e cristãos, por feiticeiro e autor de vários livros em que havia preceitos mágicos, a cujo complexo os cabalistas chamaram Clavicula Salomonis: dela se conhecem muitos manuscritos, alguns deles já publicados70. Num manuscrito de uma Clavicula Salomonis, ou Solomoniké, existente em Atenas, diz-se que o selo de Salomão é um pentagrama com inscrições mágicas71; o mesmo selo é também designado na Solomoniké com o nome de «anel da arte» (δαχτύλιοζ τῆζ τέχνης), que o mágico usaria nos seus encantamentos e noutras práticas importantes, anel cuja pala devia ter o pentagrama com doze nomes escritos dentro ou em volta72. Entre as obras falsamente atribuídas a Salomão há uma com o título de Liber pentaculorum, de que fala Tritémio (de Tréveris, sécs. XV-XVI)73. Rossi cita uma lâmina de bronze, furada, em que proclama a eficácia do sigillum Salomonix (sic), de mistura com o nome de Cristo74. Esta lâmina é de algum modo comparável às medalhas bizantinas, aparecidas em túmulos, nas quais se figura Salomão a cavalo, o Anjo Arlaf, os Reis Magos, astros, legendas gregas, S. Miguel, S. Gabriel, etc., medalhas a que se dava o nome de selo de Salomão, isto έ, σφραγιζ Σολομώνοζ, e que se relacionam com ideias gnósticas75. O gnosticismo, que formava uma das seitas religiosas que existiam nos primeiros tempos da era actual76, parece ter penetrado no cristianismo, do séc. I para o 1177; compunha-se de um misto de crenças de múltipla origem (pagã, etc.), e infiltrou-se em Bizâncio. Supõe-se que os gnósticos escolheram como um dos seus símbolos o pentalfa, pois Montfaucon traz vários abraxas78 com o pentalfa, os quais lhes atribui79. Alguns destes abraxas tinham já sido publicados por Abraham Gorle ou Gorlée80 na Dactyliotheca «seu annulorum sigillarium apud priscos tam Graccos quam Romanos usus...» (1601)81, e dele reproduzo nas Figs. 60 a 62 três desenhos de pedras ou gemas que têm o pentalfa82: n ° 192, pt. I, anel em cuja pala se vê o pentágono inscrito na rosca formada por uma serpente que morde a cauda83; n.° 429, pt. II, ectypum (gema, que tem gravados vários símbolos, como estrelas, etc., e entre eles o pentalfa duas vezes); n.° 459, também da pt. II, heliotropium outra gema ou pedra preciosa, em que se vê gravado um pentalfa acompanhado de letras desconhecidas. Do último desenho diz o anotador Gronovio, sob o n.° 192 da pt. I, que o extraiu «ex Chifletii84Abraxicis, tabul. XXV», e acrescenta que as letras, segundo alguns eruditos, significam ὺγιεὶαν85.

  • 86 Vol. III (ed. de Paris), entre pp. 358 e 359.
  • 87 Ob. cit., s. v. «abacus».
  • 88 Corpus Inscr. Lat. XVI, 4091-72.
  • 89 Corpus Inscr. Lat., XIV, 4091-80. Remete-se aí o leitor para as Notizie degli scavi, 1883, p. 88.
  • 90 Mélida, Excavaciones de Numancia, Madrid, 1898, p. 68.
  • 91 Notiones Archaeologiae Christianae, II, ii, 10.
  • 92 Tom. x, p. 486: apud Revue Archéolog., 1860, ii, 345-350.
  • 93 Vid. O Arch. Port., I, 104 (artigo de V. Natividade), e III, 86 (artigo do Dr. Santos Rocha). Os do (...)
  • 94 In Revue Arch., II, 345-350.

20Eis outros testemunhos arqueológicos, quer do hexalfa, quer do pentalfa, na época romana (e cristã). Duruy reproduz na sua Histoire des Romains, 1879-1889, um mosaico de Constantina, em que se representa aquele, como ornato, com Neptuno e Anfitrite86, e no Dict. des antiquités de Rich dá-se o desenho de uma tábula marmórea de jogo, da era cristã, achada em Roma em escavações, na qual aparece o mesmo sinal sotoposto a uma cruz: vide Fig. 6387. Numa tégula de Preneste, hoje em Roma, vê-se a Fig. 64: isto é, um pentalfa inscrito num círculo, havendo letras nos ângulos externos, as quais significarão M(arci) Sici(ni)88. Numa tégula de Valmonte, também na Itália, vê-se a Fig. 6589. Em 1912 examinei, no Museu de Fiesole, um fragmento de vaso romano, de barro preto, achado naquela cidade, o qual tinha um graffito que representava um pentalfa: copiei-o com a maior exactidão que pude, no tamanho e na forma, Fig. 66. Nas escavações arqueológicas de Numância (Espanha) apareceram analogamente fragmentos cerâmicos (arretinos) da época romana com o pentalfa inciso neles, Fig. 6790. De uma sepultura dos primeiros tempos do cristianismo copio a Fig. 68, publicada pelo P.e Systo91. Também Fabretti menciona a existência do pentalfa numa inscrição cristã, datada de 45792. Nas Catacumbas, ad clivum Cucumeris, consta-me que há um graffito que representa o pentalfa, porém não posso dar mais informações. O nosso próprio país oferece dois exemplos antigos do pentalfa: um tijolo de Alcobaça e uma tégula de Vilar Seco, ambos da época romana ou visigótica, têm gravado, cada um, o seu pentalfa.93; o tijolo de Alcobaça vai copiado na Fig. 69, extraída do vol. I d’O Arch. Port., citado em nota. Numa lápide trilingue, isto é, com inscrições em hebreu, latim e grego, que apareceu em Tortosa, e deve datar do séc. VI, representa-se, no começo da 1.a linha hebraica (à esquerda), um pentalfa, e no fim da 1 ,a linha latina, debaixo da inscrição hebraica, outro pentalfa, a par com um candelabro: Fig. 70. Este monumento foi estudado em 1860 por Le Blant & Renan, que dizem: «L’étoile à cinq pointes, qui rappelle le pentalpha de Pythagoras, est sans doute purement ornementale. Le chandelier à sept branches est souvent gravé, on le sait, sur les épitaphes hébraïques des premiers siècles de notre ère»94. Vide também Hübner, Inscr. Hisp. Christ., n.° 186, que diz: «pentalpha ornamenti tantum locum obtinere putat; candelabrum contra solemne est in titulis Iudaeorum». E quanto à data: «Saeculi visa est tam Le Blant quam mihis sexti fere exeuntis, ut sit vetustior quam persecutiones contra Iudaeos a Recaredo (a. 586) coeptas et deinde per saeculum septimum repetitas». – É curioso que, ao passo que Le Blant & Renan, por um lado, e Hübner, pelo outro, assinalam a importância do candelabro, não atribuam nenhuma ao pentalfa! Pois eu creio que a presença deste símbolo num túmulo judaico de Espanha tem muitíssima importância para a nossa etnografia, como adiante veremos.

  • 95 Vid. Longobardische Plastik, 2.a ed., Kempten-Munich, 1909, pp. 18 e 55.

21Não em sepulturas, nem em cerâmica, mas como tema simplesmente escultural, cita o Prof. E. A. Stückelberg exemplos do pentalfa em Espálatro, na Dalmácia, e em Como na Itália: um dos pentalfas (Como e Espálatro) é simples, o outro (Espálatro) vai copiado na Fig. 7195.

22Com os últimos documentos estamos já na Idade Média, da qual é preciso dizer mais algumas palavras. Iremos seguindo os tempos até à actualidade. Para não fugir totalmente da ordem cronológica, terei de falar de certos países mais de uma vez. Deixo Portugal para o fim, pelas razões que depois darei.

23Além do que fica exposto, a importância do pentalfa medieval deduz-se de muitos outros factos. Num códice da biblioteca de São Galo (Suíça), do séc. IX, contém-se um salmo ad morbum omnium pecurum (sic), com várias palavras traçadas entre uma estrela e um pentalfa, e entremeadas de cruzes, assim:

Image 10000201000000200000001F1BB55879A4506B35.png

24chavit rauto

Image 100000000000001F0000001E643F269497CFF68A.jpg

25ad qui bany

Image 100000000000001C00000022C301208672341A1E.jpg

  • 96 Heim, Incantamenta (já cit.), pp. 563-564.

26de p corte ut maxime retor96

Image 100000000000001E0000001C54C5BC0DF7B39D69.jpg

  • 97 Vid. Cantigas de Santa Maria, ed. da Academia Espanhola, t. I (1889) p. 187, estampa; e cf. p. 76.
  • 98 The Gnostics, Londres 1887, estampa H, n.° 5 e p. 442.
  • 99 Vid. o meu artigo intitulado «Gonçalves Viana» no Boletim da 2.a cl. da Academia das Ciências, X, 6 (...)

27Num códice, séc. XIII, das Cantigas galegas de Afonso X, «o Sábio», há uma bela iluminura que acompanha a cantiga n.° CXXV, e aí se vê duas vezes o pentalfa como manifestação de crença supersticiosa espanhola, porque se trata de um clérigo nigromante97. Crença semelhante se nos revela numa pedra (gem) mágica, talvez pertencente à Idade Média, ou que pelo menos é anterior ao séc. XVII, citada por King98. A operações mágicas medievais poderá associar-se aqui um passo de um conto de Lytton, que foi traduzido por Gonçalves Viana: diz-se no conto que numa folha de pergaminho «estavam inscritas em duplo sino-saimão umas palavras em latim»99.

  • 100 Colección de firmas de Muñoz y Rivero, Madrid 1887, cuaderno 1.°.
  • 101 Vid. Guigue, De l’origine de la signature et de son emploi au moyen âge, Paris 1863, est. 18.a n.° (...)
  • 102 «Die Symbolik der Mittelaltermunzen», trad. ingl. no Numismatik Circular, Set.-Out. de 1941, col. 5 (...)
  • 103 D’Avant, Monn. féodal. de France, t. I, Paris 1858, est. lx, n.° 20-21, est. xli, n.° 2-19, e est. (...)
  • 104 Vid. o n.° 8 da est. XLI. O anverso diz: RADVLFS + DOM. O reverso: DVX MILICE.
  • 105 O anverso diz: Radulfus: O reverso: Dedolis. – Este Radulfus é um dos senhores de nome «Raoul». Cf. (...)

28Emparelhados com verdadeiras superstições, como as que ficam mencionadas, há casos em que nem sempre poderá decidir-se com certeza se o pentalfa e o hexalfa figuram com intuito sobrenatural ou só incidentalmente, pela grande aceitação que tinham ou tiveram nos espíritos, ainda que isto mostra ipso facto o valor dos mesmos. Assim, aparece o pentalfa ou o hexalfa em assinaturas de reis de Navarra dos sécs. x e XI, Figs. 72 e 73100, como sinal de notários dos sécs. XII e XIII, Figs. 73 bis e 74101, e em moedas de muitas partes da Europa: França, Dinamarca, Goslar, Braunschweig (ou Brunswick), Pomerânia, dos sécs. XI a XIII. Às moedas dinamarquesas e alemãs refere-se Friedensburg num artigo102. Quanto às francesas, especificarei as de alguns senhores de Déols, dos sécs. XI e XII, nas quais o pentalfa alterna com o hexalfa103: vide Fig. 76, extraída da obra D’Avant, que cito em nota104, e Fig. 76, cópia de um exemplar do Museu Etnológico, que comprei em Paris105. Em ambas estas moedas vemos a cruz associada aos dois símbolos. Magia e arte, ou religião e fantasia, dão assim as mãos uma à outra! No Museu Arqueológico de Madrid, sala IV, n.° 1012, examinei uma chapa metálica, de cinturão, de que ofereço ao leitor um esboço na Fig. 77 (altura: uns 0,045 m; largura: uns 0,03 m), que parece visigótica, embora esteja junta com cousas arábicas: no centro dela vê-se um hexalfa, com pontos ou circulozinhos inclusos. O Sr. D. António Vives deu-me conhecimento de outra chapa semelhante, de prata, em mau estado: vide um esboço na Fig. 78; porém, esta foi achada com uma moeda do séc. XII (em Maiorca).

  • 106 Abadias de Furness («early english» período) e Malmsbury: vid. Godwin, «Marks discoverable on the s (...)
  • 107 Vid.: Daniel Wilson, Prehistoric Annals of Scottland, 1863, p. 446, onde com o pentalfa se desenham (...)
  • 108 Lampérez y Romea, Hist. de la arquitect. crist. españ. en la ed. med., t. I, Madrid 1908, est. I, t (...)
  • 109 O autor dos Remains of Gentilisme, já citado, diz a p. 426 que há um pentagrama na Abadia de Westmi (...)
  • 110 Vid. Godwin in Archaeologia, t. iii, est, ix («Marks discoverable on the stones of various building (...)
  • 111 Intitula-se: Cõpendio de la Salud humana. Cf. Hist. do Museu Etnológico, p. 270, onde por engano se (...)
  • 112 Vid. Janér, «Naipes y cartas de jugar», in Museo Españ. de Antigüed, III, 59.
  • 113 Vid. E. A. Barber, Spanish Maiolica in the collect. of the Hispanic Soc. of Amer., New York 1915, e (...)
  • 114 A. Blanchet, Études de Numismat., I, 182, n.°2 . – Acima, p. 54, indiquei actos paralelos a este.

29Temos o pentalfa ou o hexalfa com carácter industrial, também na Idade Média, quando insculpidos em cantarias que fazem parte de paredes de mosteiros, catedrais, igrejas várias, na Inglaterra106, na Escócia107, na Espanha108, etc.109; e temos o hexalfa, por exemplo, como marca de canteiro, na Igreja de Santa Radegundes, em Poitiers110. Não já propriamente da Idade Média, mas de 1494, é o pentalfa que figura na marca de água do papel de um livro impresso em Saragoça, e ora existente no Museu Etnológico: Fig. 79111. Igual carácter industrial apresenta o hexalfa no séc. xvi numa carta de jogar, talvez da Catalunha ou de Aragão, Fig. 80112, e num azulejo de Cuenca, Fig. 81113. Um pintor lionês (França), do séc. XV, chamado Bernardo Salomon, faz figurar o pentalfa depois do seu nome, como «símbolo falante»114.

  • 115 Perdi a nota respectiva, e não posso indicar o título do livro, nem onde o vi. O dono era estrangei (...)
  • 116 Fls. 217 e 217 v («Fray Iñigo de Mendoça a vn signo de Salomon», e «EI Conde de Tendilla sacó en bo (...)

30Tanto nas assinaturas e moedas como nas cantarias e noutras marcas o pentalfa ou o hexalfa têm feição distintiva e individual. A mesma encontramos para o pentalfa num incunábulo de 1483 (Veneza), onde significa posse115, e em emblemas de cavaleiros espanhóis que entraram em torneios cantados no Cancionero General de 1557 (Anvers = Antuérpia)116.

  • 117 Vid. F. Pradel, Griechische und suditalienische Gebete, Beschwörungen und Rezepte des Mittelalters, (...)
  • 118 Vid. Inventaire des marques d’imprimeurs, 3.° fascículo, 1888, p. 8. Este desenho lembra um pouco o (...)
  • 119 Vid. Lampérez y Romea, Hist. de la arquit. (já cit.), tábua das marcas: séc. XIV a XVI, Catedral de (...)
  • 120 Aí se diz que alguns dos elementos da obra provêm da Cabala (p. 1). De uma edição francesa do Enchi (...)
  • 121 Vid. Magasin Pittoresque, ano 22.° (1854), p. 24.

31Aos fins da Idade Média, ou começos do séc. XVI, pertence uma oração grega (de Creta) que se recitava para se obter boa pesca, e na qual se figura um peixe com um hexagrama, que encerra outro incluso, estando por baixo de tudo um pentagrama: Fig. 82117. No séc. xvi, o pentagrama serviu de marca ao impressor Joannes Soter, em Colónia, Fig. 83118 (talvez por causa do apelido Soter = σωτήρ, «salutar», e «salvador»), e a muitos canteiros em Espanha119. Do mesmo século é, como creio, a 1.a edição do Enchiridion Leonis Papae (1525), livro apócrifo, mas de carácter mágico: a Biblioteca da Ajuda possui uma edição de Roma, 1800, que consultei: a obra contém salmos, orações, fórmulas supersticiosas, palavras hebraicas, nomes próprios e o desenho do pentagrama, com outros desenhos igualmente talismânicos120. Na antiga Biblioteca Imperial (hoje Nacional) de Paris há um manuscrito com um desenho de uns brincos de orelhas, do séc. xvi, com a forma de um hexagrama, Fig. 84121.

  • 122 Vid. sobre isto o resumo que faz Borges Grainha na Hist. da Maçonaria em Portugal, Lisboa 1912, pp. (...)
  • 123 King, The Gnostics, p. 392.
  • 124 A Ordem dos Templários foi extinta no séc. XIV (G. Barros, Hist. da Administr., I, 381), porém as s (...)
  • 125 King, The Gnostics (já cit.), pp. 396-400.

32Não falta quem suponha a moderna Maçonaria relacionada com os franco-mações da Idade Média, de que falei supra, p. 66 nota 7122; mas, segundo diz King, os franco-mações modernos devem o nome à casual coincidência de ter sido primitivamente o seu estabelecimento no «Common Hall of London Guild of the Freemasons»: a primeira reunião deles celebrou-se em 1646. A Maçonaria adaptou a um intuito especial outra sociedade então florescente, «The Rosicrucian»123. Ora, do séc. XVI-XVII, há um manuscrito, Diary of Hosea Lux, com pinturas relacionadas com essa sociedade ou seita religiosa (Rosa-Cruz), que é de origem protestante – pinturas análogas às que figuram como símbolos dos Templários124, e entre elas também o selo de Salomão125. – Em 1612, nos Veterum sophorum sigilla e Trithemii manuscripto eruta, e em 1630, no Trimum magicum sive secretorum opus, imprimiu-se um antigo tratado cabalístico intitulado Imagines seu sigilla Salomonis, porém não posso adiantar mais, porque não li o tratado e só o conheço pelas breves indicações dadas na Revue Archéologique, 3,a série, t. XIX (1892), p. 56 (a Tritémio, ou Trithemio, me referi supra, p. 61). Acerca de uma obra italiana de 1644, satírica, em que figura um hexagrama, vide adiante, p. 76.

33Do séc. XVIII possuímos um trecho poético, muito conhecido, e muitas vezes recordado pelos etnógrafos, o qual se lê na 1 ,a parte do Faust de Goethe, v. 1040 sgs. (continuação do diálogo travado entre Mefistófeles e Fausto, quando aquele, tendo ido ao gabinete do famoso Mago, quer sair):

  • 126 Goethes «Faust», ed. do Dr. Ludw. Wilh. Hasper, Gotha 1888, cap. I. Para comodidade do leitor, aqui (...)

Meph.

Gesteh’ ich’s nur! Dass ich hinausspaziere,

Verbietet mir ein kleines Hinderniss,

Der Drudenfuss anf eurer Schewelle.

Faust.

Das Pentagramma macht dir Pein?

Ei, sage mir, du Sohn der Hölle,

Wenn das dich bannst, wie kamst du denn herein?

Wie ward ein solcher Geist betrogen?

Meph.

Beschaut es recht! es ist nicht gut gezogen;

Der eine Winkel, der nach aussen zu,

Ist, wie du sichst, ein wenig offen126.

  • 127 Nota Wuttke: «der volkstümliche Name für das Pentagramma und den sechsspitizigen (manchmal auch sie (...)
  • 128 Sobre estes e outros casos vid.: Grimm, Deutsche Mythologie, t. III, «Aberglaube», n.° 644 (extr. d (...)
  • 129 Ofereceu-mo em Albufeira, em 1917, o Sr. Joaquim José de Sousa.
  • 130 Der böse Blick, II, 294.
  • 131 In Monthly Numismatic Circular, XII (1914), 573. Ele lembra que talvez o hexalfa represente a estre (...)
  • 132 Ut supra. Da razão disto, falo adiante, p. 84, n. 1.

34O pentalfa chama-se em alemão Drudenfuss, isto é, «pé de Drude», como quem dissesse em português «pé de bruxa»127. A popularidade que o Poeta deixa entrever, continua ainda hoje na Alemanha. O Drudenfuss livra de bruxedo, e pintam-no frequentemente nas portas, nos leitos, etc., contra isso e contra o pesadelo. No Sul fazem-no de um pavio bento. Quem tem sezões, e as quer evitar, escreve com giz certa fórmula dentro de um Drudenfuss128. – Não como superstição, mas como mero emblema, à semelhança de outros que já vimos acima, está o sino-saimão representado numa medalhinha moderna, ou senha, de uma sociedade alemã do Brasil, Fig. 85, segundo um exemplar que obtive para o Museu de Etnologia129. À mesma categoria pertence a Fig. 86, que encontrei num prospecto de uma revista de higiene e terapêutica de Estugarda, onde o pentalfa entra evidentemente em memória de Pitágoras (cf. supra, p. 51). Seligmann fala de um pentagrama gigantesco que se figurou no pavimento de uma das mais concorridas ruas de Hamburgo130: terá aqui significação mágica, ou quis apenas obter-se efeito artístico? É um caso análogo ao de Westminster: vide, supra, p. 66, n. 7. Diz Friedensburg que o hexalfa aparece com frequência como insígnia de hospedarias do Sul da Alemanha131 e se vê figurado na Alemanha Oriental em objectos relacionados com bebidas (copos, etc.)132.

  • 133 Acerca desta fórmula mágica vid. O Arch. Port. xxiii.
  • 134 Vid. Archives Suisses des tradit. pop., XIII, 152 (artigo de Hoffmann-Krayer).
  • 135 Tuchmann, in Mélusine, IX, 127.
  • 136 Dr. Ploss, Das Kind in Brauch. u. Sitte der Völker, I (Leipzig 1884), pp. 115 e 122.
  • 137 Vid. Archives Suisses (já cit.), IV, 327-328. O Sr. Prof. Stückelberg enviou-me um desenho: é deste (...)
  • 138 Lambelet in Archives Suisses (já cit.), XII, 105 e 123-121.
  • 139 Vid. «Aberglauben im Kanton Bern» nas Archives Suisses des tradit. pop., XXI, pp. 49, 50, e nota 1.
  • 140 Vid. Revue Anthropologique, xxvi (1916), 360.

35De outros países germânicos e da Suíça romande conheço, de tempos modernos, unicamente o que se segue. Num papel, proveniente de Lörrach (grão-ducado de Baden), espécie de nómina, em que se lê um salmo contra maus espíritos, figuram três pentagramas debaixo das célebres letras mágicas que transcrevo ao lado133, e ao pé de várias iniciais134. Na Áustria tem o pentalfa a forma representada na Fig. 87135. Nos Alpes Nóricos, no Tirol e na Suíça alemã, os montanheses, por causa dos espectros e Kobolde (plural) ou «Trasgos», desenham-no nos berços: com esse preservativo as crianças não emagrecem136. No cantão de Argóvia encontrou-se um Thaler de chumbo que tem no SATOR AREPO TENET OPERA ROTAS reverso um pentalfa em cujo centro se mostra o disco radioso do Sol: este objecto serviu certamente de amuleto, pois está provido de um furo para suspensão: Fig. 88137. Em superstições populares do Pays-d’Enhaut (Haute--Gruyère) figura le sceau de Salomon e le miroir de Salomon («propre à toute divination»)138. A Fig. 89 reproduz um desenho que estava feito em tiras de papel aparecidas no primeiro quartel do séc. xix em Wattenwil, num saco onde havia vários objectos de feitiçaria e outras tiras com o conhecido jogo de palavras SATOR ROTAS, etc., de que já falei supra, p. 71; a referida figura deve representar mais ou menos um Drudenfuss139. Num manuscrito suíço, também do séc. XIX, de receitas mágicas, intitulado L’art de la magie noire pour se garantir des coups de bâles, representa-se um hexalfa, com letras e sinais dentro dele140. – Num jornal dinamarquês encontrei a seguinte marca de mercearia, ou Varemaerke, Fig. 90, onde se diz que Alfa corresponde ao «primeiro», porque é esse um dos sentidos do alfa grego (propriamente: α), e porque na figura temos cinco alfas (o produto de que se trata aqui é a margarina, isto é, Alfa Margarine).

36Informa-me o Sr. Prof. Kaarle Krohn, em bilhete-postal de 8 de Novembro de 1907, que na Finlândia o pentalfa, cujo nome finlandês é viisikanta («cinco pés»), tem vários usos supersticiosos: o caçador desenha-o na bala com que atira, ou no chão, quer diante do covil onde o urso dorme, quer diante de si, com o calcanhar, quando o urso o ataca; o pescador desenha-o na tábua extrema da rede de arrastar. Também o pentalfa figura num conto popular da Estónia, publicado por Andrejanoff. Lettische Mãrchen, Leipzig (Reclam), que o Sr. J. Runeberg, de Helsingfors, fez o favor de me comunicar em bilhete-postal de 23 de Maio de 1904: há um vampiro que entra em várias casas, excepto em uma em cuja porta, na soleira, está um pentalfa (como no Faust, vid. supra, p. 69): por fim prega-se um pentalfa no caixão do vampiro (que estava enterrado, mas aparecia cá fora todas as noites) e força-se assim o espectro a ficar quieto no túmulo.

37Do Norte e Centro da Europa voltemo-nos para o Sul e Ocidente (Grécia, Itália, França e Espanha).

  • 141 Cf. Pradel, Griechische und sudital. Gebete (já cit.), pp. 128-129.
  • 142 Neles se indicam receitas mágicas e se dão instruções para a manipulação de amuletos, prescrevendo- (...)
  • 143 Cf. supra, p. 68, n. 2. –Tudo o que aqui digo acerca dos Gregos modernos, assim como o que digo na (...)

38O uso dos amuletos em que figura o pentagrama está muito espalhado nos Gregos modernos: de ordinário o pentagrama vem acompanhado de outros emblemas, e raras vezes sozinho. Os indivíduos que trazem um amuleto com pentalfa julgam ter «cabeça de ferro», isto é, estar σιδεροχέφαλοι, ficando livres de qualquer doença. Na ilha de Rodes as mulheres trazem consigo amuletos triangulares de prata nos quais se vê gravado o pentagrama. A mesma figura, traçada num papel, é trazida pelas pessoas que se julgam vítimas de influência mágica. Em certas localidades, colocam uma espécie de pentagrama de cera na boca dos mortos, quando os levam às costas. Noutras partes põem no peito dos cadáveres um pedaço de barro em que está gravado um pentagrama. Quando alguém tem erisipela ou uma parotidite, julga eficaz contra isso colocar sobre a região erisipelada ou na face um papel em que se traçou um pentagrama; também contra as febres se faz o seguinte: queima-se um semelhante papel e dão-se a beber ao doente as cinzas141. O pentagrama figura em pedras funerárias, e igualmente o traçam na porta de uma casa construída de novo: isto sem dúvida, para afastar o mal. Se pelo contrário se quer danificar a propriedade de um inimigo, traça-se-lhe o pentagrama na árvore do jardim, e esta seca. Estas superstições do povo grego emanaram das instruções contidas nos livros mágicos gregos, como a Solomoniké, de que falei acima, pp. 60-61, e os Iatrosóphia ou manuais (manuscritos) de medicina popular142, livros que certamente ascendem aos papiros mágicos da Antiguidade143.

  • 144 Credenze popol. veneziane, Veneza 1874, p. 43.
  • 145 Acerca da cimaruta vid.: Elwortly, The Evil Eye, Londres 1895, p. 345 etc.; e Seligmann, Der böse B (...)

39Pelo que toca à Itália, apesar de muito supersticiosa e muito rica de amuletos, poucas notícias tenho a respeito do signum Salomonis, que talvez não goze lá de geral aceitação. O pentalfa acho-o em Veneza, numa bênção curativa, citada por Bernoni144, e sei que faz parte do conhecido amuleto pânteo chamado cimaruta (Itália Meridional)145, como se patenteia de um desenho que o Sr. Prof. Hoffmann-Krayer, de Basileia, fez o favor de me enviar: Fig. 91. O hexalfa ocupa uma das faces de uma medalha religiosa que vi em 1909 no museu particular do Sr. Prof. Belucci, em Perúgia, Fig. 92, e constitui o ornamento central de um pratinho de faiança moderno, que possuo, comprado por mim em Roma, Fig. 93.

40Em semelhante escassez de informações me vejo com relação à França e Espanha.

  • 146 Dalinowicz, L’art rustique français (sem paginação).
  • 147 Paul Sébillot, in Rev. des trad. pop. III, 315.

41Em França, aparece o pentalfa como ornato de um battoir à linge, Fig. 94146, e enfeita a parte inferior da vestimenta de um padre ou santo bretão, que como que se afasta de um altar, na postura de quem acaba de dizer missa: Fig. 95147. O hexalfa vi-o gravado em objectos de madeira de Alverne, no Museu do Trocadero, Fig. 96; no mesmo museu vi entre vários objectos antigos, de atavio corporal, de Sabóia e do Delfinado, dois ornatos metálicos em que um hexágono tem engastada uma pedra vermelha no centro: na Fig. 97 dou o desenho de um dos ornatos (diâmetro, plus minus: 0,045 m). Nem o pentalfa nem o hexalfa são porém conhecidos em França, como amuletos, segundo me informaram os Srs. P. Sébillot e A. de Mortillet, ambos eles possuidores de colecções de amuletos.

  • 148 O próprio R. Salillas, La Fascinación en España, Madrid 1905, apesar de ter enumerado muitos amulet (...)
  • 149 Forma local de pantasma «fantasma». Nesta região galega o s antes de m e de outras consoantes sonor (...)
  • 150 Informei-me disto em 1918, conversando com vários galegos.

42Quanto à Espanha, quer o Sr. Hildeburgh, de Londres, a quem consultei, por se ter ocupado de amuletos espanhóis, quer muitas pessoas de Castela, Andaluzia, etc., interrogadas por mim sobre isto, me disseram que não sabiam de nenhum amuleto relacionado com o pentalfa148; contudo este é conhecido na Galiza, onde o denominam salamón. Em Arbo, povoação só separada de Portugal pelo rio Minho, diz-se que quando alguém vai de noite por um caminho, e lhe aparece o Diabo como uma pantarma149, risca um salamón no chão, mete-se dentro, e fica livre do Espírito Maligno. Em Orense também se diz que onde está un salamón não entra o Diabo150.

  • 151 Vid. Diccionario Univ. Portuguez, publicado por Fernandes Costa, vol. VI (Lisboa 1884), p. 464.
  • 152 A Teosofia, por João Antunes, Lisboa 1915.

43Sem que eu possa indicar com exactidão datas ou locais de origem, terminarei lembrando que, entre os emblemas da moderna Maçonaria (cf. supra, p. 68) se conta o pentalfa, o qual «se coloca no fundo do vestíbulo do Templo: esta figura é o emblema da paz, do bom acolhimento e da amizade fraternal»151. Por outro lado, tanto o pentalfa como o hexalfa, os vejo relacionados com ideias teosóficas: pelo menos o segundo figura como emblema da capa de um livro recente sobre o assunto152, e o primeiro ao pé da assinatura de E. de Guaita numa carta reproduzida a p. 88 do mesmo livro. Dizem-me que quando se começa uma sessão de espiritismo, a pessoa que vai fazer a evocação traça com o dedo sobre a mesa um sino-saimão, para que ele afaste os espíritos maus; em seguida reza certas orações. São superstições civilizadas!

44Após esta resenha histórico-geográfica, que se estende da Antiguidade aos tempos modernos e das mais afastadas paragens até à Espanha, é tempo de me ocupar de Portugal. Deixei para uma secção especial a nossa terra, por ser a respeito dela que eu possuo naturalmente mais notícias, e por ser o sino-saimão português o principal e vero objecto do presente estudo.

45O pentalfa é aqui conhecido, ao que parece, desde a época de La Tène, segundo mostrei acima. Também o vimos na época romana ou visigótica, e em um caco que será do tempo dos Árabes; vimo-lo igualmente, e sem dúvida, em uma moeda arábica aparecida em Beja, e que aí decerto correu, pois várias antigualhas da mesma época aparecem de onde em onde naquela cidade, por exemplo, candeias de barro e lápides com inscrições, além de outras moedas. Do hexalfa é que creio não há em Portugal documentos tão arcaicos; os mais antigos que conheço pertencem já à época portuguesa. De facto o hexalfa não é entre nós, no continente, emblema genuinamente popular: figura, em verdade, aqui e acolá, a par com o pentalfa, mas por confusão com ele, e sob influência mais ou menos culta, ou sob influência estrangeira. Esta última é devida, nos tempos modernos, sobretudo aos feluzes de Marrocos, que, por terem figurado em uma das faces um hexalfa, são, conforme já disse, aproveitados pelas mulheres como amuletos infantis. O lídimo e autêntico sino-saimão é o pentalfa, mal-grado a confusão que com o hexalfa se faz também às vezes na literatura. Nos Açores o hexalfa goza porém de certa vitalidade, e creio que maior que o pentalfa.

  • 153 No Cancioneiro da Vaticana, n.° 1025, há uma obscura poesia em que, na edição diplomática de Monaci (...)
  • 154 É esta a data determinada pelo Sr. Braamcamp Freire na Revista de Historia, VI, 128- -129.

46O mais antigo testemunho gráfico que conheço do pentalfa na época portuguesa propriamente dita é do séc. XII, e o do hexalfa é do séc. XIV: o que adiante provarei. Testemunhos literários do sino-saimão, com esta designação vaga, existem pelo menos, do séc. XV1153. Por exemplo, no Auto das Fadas, representado perante el-rei D. Manuel I, em 1511154, faz Gil Vicente dizer a uma feiticeira:

Ando pelos adros nua,
Sem companhia nenhũ a,
Senão um sino-samão,
Metido n’hum coração
De gato preto, e não al,

  • 155 Ed. de 1834 (Hamburgo). – Estes versos já foram citados por mim em 1882 na Rev. da Soc. de Instr. d (...)
  • 156 Acto III, sec. 2.a, fl. 91.
  • 157 Versos do Idylio Magico (= Almanach das Musas, p. 69):
    Depois que abrazo a myrrha em cinco lumes, So (...)
  • 158 No t. i, (1858), p. 51, diz: «SIGNO SAMÃO, signum Salomonis, cifra ou sello de Salamão, especie de (...)
  • 159 Uma mulher diz para um frade: «... noutro [braço] tenho um Santo Solimão, que livra de feitiços e m (...)

no vol. III das Obras, p. 94155. Na Comédia Aulegrafia, Lisboa, 1619, põe Jorge Ferreira as seguintes palavras na boca de Dinardo, que responde a Filelfo: «Tendes agoas de Matematico, falareys por carateres, dahi vireys ao sino-samão»156. Do séc. XVIII posso citar dois autores: Belmiro Transtagano, já aproveitado por A. T. Pires nos Amuletos Alemtejanos, Elvas, 1904, p. 10157; e Monte Carmelo, que no Compendio de Ortografia, Lisboa, 1767, p. 685, dá signo--salmam como plebeísmo em vez de signo-sàmam. Do séc. XIX aduzo outros dois autores: F. Evaristo Leoni, Genio da Língua Portuguesa158; e Camilo, Bruxa de Monte Cordova, 2.a ed., p. 169159. – Estes textos tanto podem referir-se ao pentalfa como ao hexalfa, posto que seja mais provável referirem-se ao primeiro. Designadamente com o nome de sino de Salomão e de sino-çamão ou samão nos falam do hexalfa Vicente Nogueira (séc. XVII), numa carta em que o desenha, e o lexicógrafo Bluteau (séc. xviii). Aquele, referindo-se a uma lista de livros proibidos pelo papa, acrescenta: «O divorcio celeste, numero 5, notado com o sino de Salomão,

Image 100000000000001F00000022063D78BB2889A996.jpg

  • 160 Vid.: Boletim de Bibliog. Portug., ii, 26; e Archivo Hist. Portug., i. 334. – O Divorcio (ou Divort (...)
  • 161 Vocabulario Portug. e Lat., s. v. «sino çamão» (t. VII, p. 659).

não ly nunca»160; o Divorcio, como digo na nota 2, não era livro nacional, mas citei a frase por causa do nome que Vicente Nogueira dava ao hexalfa. Bluteau confunde-se um pouco, pois escreve: «sino çamão ou sino-samão. Caracter supersticioso. Consta de dous triangulos atravessados, e embibidos hum no outro, que formão hũa figura quasi triangular (sic)», e logo em seguida menciona superstições que, como veremos, o nosso povo refere ao pentalfa161.

  • 162 Assim ouvi no concelho de Óbidos a várias pessoas, velhas e novas.
  • 163 Corrente na Estremadura (Óbidos, Caldas da Rainha, etc.).
  • 164 Assim ouvi nos Arcos de Valdevez.
  • 165 Assim ouvi no concelho de Melgaço.
  • 166 Usa-se no Norte, algures.
  • 167 Assim ouvi no Alto Minho, a par de outras formas.
  • 168 Assim ouvi em Guifões (Bouças) e em Viana do Castelo.
  • 169 Assim ouvi no Alandroal.
  • 170 Assim ouvi também no Alandroal.
  • 171 Assim ouvi em Paredes de Coura.
  • 172 Assim ouvi em 1894 na Cova de Lavos.
  • 173 Assim ouvi em Viana do Castelo, a par de sanselimõu.
  • 174 Vid. Rev. Lusitana, IV, 245.
  • 175 Elixir do Universo... oferecido a Salamaõ, Lisboa Ocidental, s.d. (mas a impressão fez-se por 1735) (...)
  • 176 Parte vi, 1680, pp. 357 e 358.
  • 177 Eis os versos:
    Bem dizia Salamão
    que todas as femeas são
    da pelle de Barzabu,
    no Médico à fôrça Lisboa (...)
  • 178 No Archivo Hist. Port., II, 184; e no Cancioneiro Geral de G. de Resende, I (ed. de Estugarda), 50.
  • 179 Vid. o Onomastico de Cortesão, que os cita.
  • 180 Num ms. da Biblioteca Nacional (cód. 199), cap. IX

47Além da expressão sino-saimão, que é a usual (Beira, Algarve, etc.), encerra o nosso léxico popular muitas outras, que variam com as localidades, as quais, como acima notei, se aplicam também ao hexalfa. Eis uma lista das que me ocorrem: sim-saimão162, cinco-saimão163, sino-selamão164, sino-de-sanselamom (sanselamõ)165, san-selimão166, sanselimom (sanselemom, sonselamom167), sanselimõu168, sino-saimanco169, sino-samanco170, sino-salamonde171, cinco-salmão172, san-simõu173, e já acima vimos sino-salmam sino-sàmão, e santo Solimão. O étimo de todas estas palavras é sino, e Salimão, Salamão, isto é, sino de Salimão, sino de Salamão. A forma Salamão é ainda corrente no povo do Alentejo174; figura também no frontispício de uma obra da primeira metade do séc. XV111175, e vem no Diccionario de Morais, s. v., nos Sermões do P.e A. Vieira176, e em Castilho (por graça)177; no séc. XV apresenta-se com a forma (ortográfica) Salamam178; com a terminação -on = om (Salamon, Salomon, etc.) temo-la em vários documentos latinos do séc. X e X1179. No séc. XIV ou XV: Salamom180. A forma Salimão não a encontrei ainda, independente; deve ter-se formado do cruzamento de Salamão, ou Salomão, com Solimão, palavra conhecidamente arábiga.

  • 181 Vid. as minhas Lições de Philologia Port., p. 345.
  • 182 A sàmão, que pressupõe saamão, já me referi na Rev. Lusit., II, 37. A Sr. D. Carolina Michaëlis exp (...)
  • 183 Salomão é conhecido do nosso povo noutras circunstâncias, por exemplo: numa lenda publicada pelo Sr (...)

48Aqui sino, forma semipopular, está por signum, no sentido de «sinete», «selo», pois atribuiu-se a Salomão, como vimos acima, um anel mágico, provido de um sinete, que outra coisa não é o pentalfa. Em sino de Salamão e sino de Salimão, caiu a preposição de, como é corrente em compostos destes181; de Salamão (ou Salamom) e Solimão (ou Salimom) passou-se respectivamente para saamão (saamom) e saimão (saimom) pela queda normal do -lintervocálico182. Na forma popular sim-saimão temos mera síncope de o (por sino ser proclítico), e sucessiva transformação do n em ressonância nasal; em sanselimão, sanselamom, sanselimõu e sanselmõu temos adjunção de san-. por etimologia popular, como em Santanás, por Satanás; em cinco-saimão substituiu-se sino por cinco, também por etimologia popular, visto haver na figura cinco ângulos ou «pontas»; em sino-saimanco e -samanco, bem como em san-simõu e sino-salamonde, temos outra vez influência da etimologia popular, que nos dois primeiros casos substituiu -mão por -manco, no terceiro substituiu «Salomão» por «Simão», e no quarto se regulou pelo nome do abade de Salamonde, autor de uma Cartilha de doutrina cristã, que teve outrora muita voga; em selamão, selamom e selamõu, por salamão, houve dissimilação vocálica; em salmam, -salmão e -selmõu poderemos ver formas divergentes de saimão, isto é, representantes de *Sal(i)mão. A expressão camiliana Santo Solimão penso ser só do romancista. Literariamente pode dizer-se, e diz-se, signo de Salomão, e já mostrei que Monte Carmelo preconiza signo-sàmão. Esta riqueza de formas prova a popularidade do pentalfa: o povo, de um modo ou de outro, esforçou-se por adaptar aos seus hábitos glóticos o signo e o nome do rei da Judeia183.

49Para maior clareza, e pois que posso fazer a distinção, vou estudar em separado o pentalfa ou sino-saimão propriamente dito, e o hexalfa; o que acrescentarei um parágrafo com a menção de alguns factos menos determinados.

a) Sino-saimão propriamente dito

  • 184 D. Maria Peregrina in Rev. Lusit., vi 131-132; Consiglieri Pedroso, Contribuiç. para Uma Mytholog., (...)
  • 185 Pires, op. cit., p. 9. A. Teixeira Bastos, A Tatuagem nos Criminosos, Porto 1903, estampa sem númer (...)
  • 186 Assim ouvi, por exemplo, no Alandroal. Cf. supra, Camilo, Bruxa de Monte Cordova; e Bluteau, Vocab. (...)
  • 187 Vid. os meus Amuletos Pop. Portug., § 4 (extr. da Rev. da Soc. de Instr. do Porto, II, 397), e o qu (...)
  • 188 Por exemplo, livra de «cães ruins» (danados) em Óbidos; e em Baião de almas penadas e de maus encon (...)
  • 189 Ouvi isto no concelho de Melgaço a várias pessoas. Na vila falei, em 1918, com uma feiticeira ou ad (...)

50De modo geral, o sino-saimão livra de quebranto (causado por mau-olhado)184, de bruxedo ou bruxaria185, de feitiçaria («para as feiticeiras não molestarem as crianças»)186, de acção do Diabo187 e de qualquer «coisa ruim», determinada ou indeterminada188. Certas pessoas têm as linhas ou pregas da palma da mão dispostas de modo que, segundo a concepção popular, se assemelham a um sino-saimão: tais pessoas podem andar por toda a parte, de noite e de dia, que não entra nada (isto é, coisa má) com elas189.

  • 190 Como excepção do amuleto n.° 113, que se copiou de um anúncio, todos os outros pertencem ao Museu E (...)
  • 191 Cf. adiante as figuras que representam o sino-saimão em tatuagens.

51Como amuleto, o sino-saimão é fabricado de várias substâncias: osso, madeira, chumbo, prata, ouro; e pode ser simples, inscrito num aro, desenhado numa chapa, ou estar agrupado intimamente com mais amuletos, de modo que forme corpo com eles (ao que chamo amuleto pânteo). Vid. as Figs. 98 a 113, quatro delas já publicadas n’O Arch., Port.,V, 288-289190. Tanto quanto tenho observado, o sino-saimão é trazido quase sempre, se não de modo exclusivo, por crianças e anda frequentemente ligado com outros amuletos, ao conjunto dos quais dão no Sul o nome de arrelicas e arreliques, palavras que provêm de relíquias. Na Fig. 114 (tamanho natural) copia-se um desenho que o Sr. Dr. Alfredo Bensaúde teve a bondade de fazer e de me dar, tirado de um antigo amuleto infantil de ouro, talvez do séc. xviii, usado em Ponta Delgada (Açores) por uma família, há quatro gerações: o pentalfa é cantonado externamente por orifícios redondos (representação das cinco chagas de Cristo191), e tem na área pentagonal uma flor-de-lis, que suponho mero ornato ou emblema de família. Este amuleto possui pois carácter um tanto artístico e de fantasia. Análogos de certo modo a eles são dois amuletos-medalhas de que vou falar, ambos metálicos: Fig. 115 (anverso e reverso); Fig. 116 (só o reverso). O primeiro foi-me comunicado pelo Sr. Dr. Artur Lamas, e formou-se pela combinação de uma medalha religiosa da Senhora da Conceição com um amuleto de tipo pânteo que mencionei acima (Fig. 106): quem fabricou este amuleto-medalha gravou por erro salmonis (isto é, «do salmão»!) em vez de Salomonis. O outro amuleto-medalha pertence ao Museu Etnológico: o anverso (que não se reproduz aqui) tem, no campo, uma gruta onde uma devota está de joelhos perante a Virgem, e na orla: N.a Senhora de Lourdes.

52Além de servir de amuleto, o sino-saimão tem muitas aplicações, como vamos ver especificadamente.

  • 192 Ouvi no concelho de Melgaço a uma velha; mas a outras pessoas ouvi que o comestível se deve partir (...)
  • 193 Vid. o que escrevi n’O Arch. Port., IX, 141.

53Usa-se em operações mágicas. Se uma pessoa, o que acontece principalmente entre namorados, dá a outra um comestível (maçã, bolo, etc.) «que se suspeita que tem feitiço», esta risca por fora com a ponta de uma navalha o «quadro do sanselamom», e parte o comestível: se ele está sujo por dentro, isto é, enfeitiçado, deita-o ao lume; se está limpo, pode comê-lo192. As adivinhadeiras desenham com o dedo em cinza uma figura a que chamam sino-saimão, e fazem girar pendente sobre ela uma peneira193.

  • 194 Bluteau, Vocabulario, s.v. «sino-çamão». A notícia de Bluteau foi aproveitada no Almanach de Lembra (...)
  • 195 Tradições Pop. de Portugal, § 380-d (p. 307).
  • 196 Trad. Pop. de Portugal, § 239-d (p. 110). Já depois que publiquei esta obra, ouvi a mesma superstiç (...)
  • 197 Foi-me relatada pelo meu antigo aluno universitário, já mencionado acima, Dr. Manuel Domingues Hele (...)

54O sino-saimão, traçado no chão, goza de virtudes sobrenaturais. «Dizem alguns que pela estrada em que estiver ... não poderão passar feras nem animais nocivos»194. – Da meia-noite para a uma hora, as bruxas vão para as encruzilhadas, onde fazem um sino-saimão, dentro do qual se metem (Vila Real de Trás-os-Montes)195. A pessoa que no S. João, à meia-noite, tiver de apanhar a semente da feitelha, mete-se debaixo de um sino-saimão, para o Diabo a não empecer196. – Em Baião, quem quer encomendar as almas sobe de noite, na Quaresma, sozinho, a um outeiro, traça na terra um sino-saimão, «deita-lhe a bênção de Deus» (em nome de Deus Pai, do Filho e do Espírito Santo, ámen!), coloca-se lá dentro, e diz em voz alta, por três vezes: pela alma de Fulano e mais Sicrano, pater-noster! para quem ouvir, rezar. A pessoa não sai de lá sem acabar a encomendação, porque o Diabo anda em roda a fazer-lhe tarretas (isto é, «trejeitos»), para que ela tema e não continue: depois de acabar sai, porém, incólume. Ouvi a mesma superstição, pouco mais ou menos, em Mesão Frio; quem me informou, acrescentou que o Diabo não pode ver o sino-saimão, por este ser feito de cruzes. Em Monte Real (Leiria) corre uma superstição semelhante197; vai uma pessoa a um sítio ermo, numa quarta ou sexta-feira, faz um sino-saimão em volta de uma árvore, previamente escolhida, sobe acima desta, e com voz fúnebre, entoa um cântico religioso pelas almas, o que se denomina «aumentar as almas» (isto é, «ementar»). Crê-se de modo geral no Alto Minho que quando uma pessoa se vê «atormentada» por qualquer mal, deve riscar «um quadro do sanselamon no chão», e meter-se dentro, para se defender; o mal foge logo.

  • 198 Ouvi no Alandroal. – Adiante veremos outros exemplos, mas desprovidos de carácter supersticioso.
  • 199 Informei-me disto em 1918, ao pé de um forno de cal. Nessa ocasião o forno não tinha o sino-saimão, (...)

55Não traçado no chão, mas desenhado com uma faca de ferro, em brasa (chamada faca de fogo), na anca de uma besta muar que tenha dor ciática, alivia-a desta dor198. – Quem empedra um forno de cal e o deixa pronto para começar a cozer, grava no barro que constitui o pano do forno, sobre a boca deste, um sino-saimão ou uma cruz «para que o forno não abata, e funcione bem» (Óbidos)199.

  • 200 Cf.: O Archivo da Torre do Tombo por P. de Azevedo e A. Baião, Lisboa 1905, p. 73 (onde se cita um (...)
  • 201 Estes sinais são até certo ponto comparáveis aos que ilustram uma das Cantigas de Afonso o Sábio, a (...)
  • 202 O autor do Comentário é o monge Beato, de Liébana, como se diz na subscrição. Faleceu em 798: vid. (...)

56A Idade Média ministra-nos no Comentário do Apocalipse de Lorvão, códice da Torre do Tombo, que data de 1189200, os desenhos ou sinais que reproduzo nas Figs. 118 a 123, e se vêem no começo de um capítulo onde se trata da expositio de muliere sedente super bestiam. A mulher tem um cálice na mão direita, e o crisma, ou monograma de Cristo, na mão direita. Os sinais são: o sino-saimão simples, ou pentalfa, duas vezes; o sino-saimão dobrado; uma estrela de sete raios; uma espécie de S; e uma espécie de X: e não há dúvida de que pelo menos ao sino-saimão, quer simples, quer dobrado, librou o desenhador significação mágica, pois no comentário a que eles servem de ilustração se fala de várias superstições, de salmos, de amuletos e de karacteres, quod SIGNUM SALOMONIS rustici dicunt201. Conquanto este Comentário não tenha origem portuguesa, mas asturiana, e apenas o copiasse certo Egeas, que ao certo não sabemos se também é nosso conterrâneo202, não hesitei em o mencionar aqui, já por haver pertencido ao Convento de Lorvão, já porque, fosse qual fosse a origem das ilustrações, tanto das presentes como de outras, elas estão de acordo com costumes nacionais.

57Num códice da Biblioteca Nacional de Lisboa, que contém cópia de papéis do séc. XV, feita no séc. XVIII, há uma curiosa nómina contra os endemoninhados, na qual se desenham cruzes a par de pentalfas. O texto é longo, e vem acompanhado de explicações rituais: portanto não transcrevo nada disso aqui, o que interromperia muito a minha exposição, mas publicarei tudo no fim, como apêndice.

58Gravado, esculpido ou pintado em objectos de uso, em cabeceiras ou tampas de sepulturas, e em lugar conspícuo de certos edifícios, e bem assim esboçado no corpo humano como tatuagem, dá protecção mágica a esses objectos, sepulturas e edifícios e às pessoas que o recebem na pele –, e constitui aí também, em parte, elemento decorativo.

  • 203 Desejava dar aqui algumas gravuras originais de cangas e jugos do Porto: não me foi porém possível (...)

59Os objectos em que assim figura o sino-saimão são múltiplos, nem eu poderia enumerá-los todos. Do sino-saimão gravado em jugos e cangas já falei em 1881 no meu Estudo Ethnographico, onde desenhei bastantes, e de então para cá muitos mais tenho encontrado por todo o Portugal (os aldeões do Minho dizem, geralmente, que com ele não empece aos bois coisa má ; noutros locais, por exemplo, em Óbidos, afirma-se declaradamente que o sino-saimão evita que o «o Diabo entre com os bois»; no Cadaval e em Oliveira de Azeméis supõe-se que é por causa das bruxas). Nos jugos e cangas do Minho e da Beira Ocidental (Feira, Oliveira de Azeméis) o sino-saimão aparece entre ornatos graciosos e curiosos; nas cangas de outras regiões, por exemplo, Mafra e Leiria, aparece solitário, ou apenas acompanhado de desenhos lineares muitos simples. O sino-saimão ora figura na frente das cangas ou jugos, ora na parte posterior, como por vezes observei nos que de diferentes regiões do Norte e Sul do Douro se vêem abundantemente nas ruas do Porto. Na Fig. 124 reproduzo uma canga que se vê gravada nos Elementos de Historia da Arte, de J. Ribeiro Cristino, IV, 110, Fig. 599203. – Aqui em Lisboa, todos os dias se encontravam dantes na rua vendedores ambulantes acompanhados de burros, que levavam no dorso cangalhas (espécie de alforge de madeira, ou caixas duplas, com comestíveis: hortaliça, fruta, etc.), nas faces das quais se viam, por vezes, pintados sinos-saimões, quer em todas as faces, quer só numa, quer um sino-saimão avulso, quer inscrito num aro, quer acompanhado de uma cruz, quer de um coração asseteado: vid. Figs. 125 a 128, copiadas nas ruas de Lisboa há anos (hoje encontram-se já raramente estes emblemas). A Fig. 129 representa mais quatro sinos-saimões acompanhados de cruzes, dois das faces dianteiras de umas cangalhas, dois das faces traseiras. Pintado de branco, o sino-saimão figura não raramente na proa de barcos do rio Lima. Também se vê pintado em barcos do Sado.

  • 204 Sendo o cocho, como é, destinado para por ele se beber água, compreende-se que o pentalfa evite que (...)
  • 205 A razão é análoga à que proponho na nota anterior.
  • 206 Rocha Peixoto, in Portugalia, II, 378 e 379.

60Em certos artefactos populares, de carácter artístico, o sino-saimão é companheiro habitual de outros ornamentos ou símbolos: em ganchos de meia, em reclamos venatórios, em cornas (por exemplo, inscrito num círculo, e acompanhado de outros pentalfas, na Fig. 130: corna de Valpaços), em polvorinhos. N’O Arch. Port., XVII, est. II, entre pp. 288 e 289, publiquei uma pintadeira com um: reproduzo-a na Fig. 131. A Fig. 132, feita pelo meu saudoso colega Gabriel Pereira, mostra-nos um rude cocho de Évora, de cortiça, igualmente com dois no exterior204. No concelho de Óbidos vi, em 1918, uma celha de pau, destinada a dar a ração de favas aos bois, a qual tinha numa das asas o sino-saimão: Fig. 133205. De rocas alcobacenses com sinos-saimões fala Vieira Natividade na Portugalia, II, 643-645, onde publica alguns; de rocas barrosãs, nas mesmas circunstâncias, falo eu n’O Arch. Port., XXII, 28. Em 1908 encontrei em Mértola o ermitão de São Romão que andava a pedir esmolas para o santo, e trazia, como é costume, uma espécie de maquineta portátil, de lata, com a imagem dentro; a maquineta tinha por ornato, picado na lata, uma cruz, em cujo pedestal se via um sino-saimão: Fig. 134. Na serra das Alturas (Barroso), os chapéus de palha são por vezes enfeitados com faixas de chita pespontadas com vários ornatos, e entre eles o sino-saimão (a par com o coração e a cruz)206.

  • 207 A Tatuagem, est. IV, 15.
  • 208 Amuletos Alemtejanos, p. 9, nota 2.
  • 209 A Tatuagem nos Criminosos, est. IX, XI, xv, XXII, xxix, etc.
  • 210 Contribuições ao Estudo da Tatuagem, Lisboa s. d., est. v-14 (na parte anterior do antebraço direit (...)
  • 211 Criminosos Portugueses, p. 279.
  • 212 A tatuagem chama-se, conforme os sítios, crisma, sinais, marcas. – O mais que eu poderia dizer sobr (...)

61Com os trajos se relaciona a tatuagem. Portanto, depois de ter falado do chapéu, posso naturalmente falar desta. A tatuagem tem sido estudada como assunto etnográfico, médico e criminológico: repetidamente aparece nela o sino-saimão (ou sozinho ou com outros emblemas), já porque se presta muito a ser desenhado, já por causa da significação que de ordinário se lhe liga. Vid. os trabalhos (alguns já acima citados) de Rocha Peixoto207, Tomás Pires208, Teixeira Bastos209, Joaquim Fontes210, Mendes Correia211. Pela minha parte, remeto o leitor para o que escrevi nos Ensaios Etnográficos, III, 359-361 (a propósito do livro de Teixeira Bastos), para a bibliografia que aí indiquei a pp. 361-362, para a Historia do Museu Etnologico, p. 216, e est. xxiii (pp. 138-140), e para O Arch. Port., XXII, 156. Nas notas que conservo inéditas estão, pelo menos, vinte e um exemplos do sino-saimão em tatuagens. Aqui reproduzo os principais tipos: Figs. 135 a 140 (com o pentalfa concorrem outros emblemas e iniciais de nomes: entre os emblemas vemos as cinco chagas de Cristo, o coração, a cruz sobre uma peanha, e um crucifixo). Há localidades, como Baião, onde usam muito a tatuagem; aí às vezes até se tatuam as mulheres. Se em certas localidades os tatuados não ligam maior importância ao sino-saimão, considerando-o pura brincadeira, ornamento ou curiosidade, noutras atribuem-lhe as virtudes gerais que já vimos que possui («não entra nada com a gente, de noite, nem bruxas, nem o Demónio») e pode pois ele andar associado à cruz. Tanto o trazem do lado direito como do esquerdo, embora seja mais eficaz do lado esquerdo (no braço, na mão, etc.)212.

  • 213 Cf. o que escrevi na Hist. do Mus. Etnolog., p. 206, n. 6, e na Lusa, I, 81.
  • 214 No Concelho d’Elvas de Vitorino d’Almada, t. i, Elvas 1888, lê-se a p. 497 a seguinte nota, redigid (...)
  • 215 Informação do Sr. Major F. Braga Barreiros. – A existência do Castelo de Piconha ascende, pelo meno (...)

62Protector do indivíduo e dos objectos de que ele se utiliza, ou que pousam no pescoço e no dorso de animais que lhe fazem serviço, também naturalmente protege a cama em que se dorme, a casa de habitação, ou qualquer edifício em que se permaneça. Estive uma vez (1918) numa abegoaria do concelho de Óbidos e observei que, na cabeceira da tarimba em que o abegão dormia, estava talhado um sino-saimão. Em 1894 vi na Cova de Lavos uma casa que tinha o sino-saimão pintado em quase todas as portas: a dona, segundo me informaram, era muito supersticiosa. Em Guifões (arredores de Leça da Palmeira) vi, noutra ocasião, um sanselimõu (assim se pronuncia lá) feito de tinta branca, numa porta, e por cima dele pregada uma ferradura de sete buracos, vid. Fig. 141; na mesma porta estavam pregadas mais duas ferraduras, mas sós. Não há dúvida de que em ambos estes casos o pentalfa desempenhava o seu papel profiláctico: quanto à Cova de Lavos, ressalta isso do carácter da dona da casa; quanto a Guifões, ressalta da associação com a ferradura, que tem, pregada em portas, emprego supersticioso bem conhecido213. No Museu de Faro existe uma pedra de 0,79 m de comprimento e de 0,16 m de largura mínima, a qual tem esculpidas duas cruzes de Cristo (uma acima da outra) e gravado superiormente a ambas um sino-saimão, Fig. 142. O cónego Boto atribuía grande antiguidade a esta pedra, todavia as cruzes de Cristo mostram a sem-razão disso; e o sino-saimão é ainda mais moderno que elas, foi acrescentado, e tanto é assim que ele está gravado, como disse, e não esculpido. Esta pedra encontrou-se na cidade, em antigos alicerces, e parece que teria feito parte de um peitoril de janela, ou de uma soleira de porta (mais provavelmente de peitoril) no que me confirmou um pedreiro que consultei. Temos decerto no pentalfa de Faro um caso análogo aos de Guifões e da Cova de Lavos214. É curioso que também no Museu de Guimarães exista uma pedra que se parece com a de Faro, com 1,54 m de comprimento e 0,29 m de largura; tem três desenhos: uma cruz em baixo, uma suástica flamejante ao meio e um pentalfa em cima, este, como me parece, mais moderno do que os restantes emblemas: Fig. 143. Ignoro as circunstâncias do achado, conquanto eu me incline a crer que a pedra pertencesse igualmente a um edifício. Eis outros empregos do pentalfa, cuja explicação pode caber aqui: ele está gravado numa pedra do chão, à entrada de uma das portas do Castelo de Linhares (Beira Baixa), à direita – como observei em 1910 (sino-saimão simples); e igualmente num penedo do Castelo de Piconha, próximo de Tourém (Montalegre), hoje em território espanhol, outrora em território português: Fig. 144215.

  • 216 Haverá relação entre a abundância de pentalfas em Tomar e a antiga Ordem dos Templários, que aí tin (...)
  • 217 Tenho nota de pentalfas em pedras de outras igrejas, como de uma antiga de Favaios, e da igreja vel (...)

63Admite-se sem custo que o sino-saimão proteja edifícios profanos. Protegerá ele também edifícios religiosos, apesar de estes já por si serem baluartes fortíssimos contra as armas de Satanás? Do que não há dúvida é de que o sino-saimão figura em alguns de tais edifícios: em cima de um arco ogival do Convento da Graça, em Loulé, em lugar de honra, pousado numa cruz ou flor, Fig. 145; sobre a porta da Igreja de Santa Maria dos Olivais, em Tomar, bem como em pedras avulsas da torre da mesma igreja, Figs. 146 a 149216; no Claustro de D. Dinis, em Alcobaça, alternadamente com cruzes, rosas, etc.217.

  • 218 Cf. O Arch. Port., XIX, 314.
  • 219 Informação e esboços do Sr. Abreu e Oliveira.
  • 220 A esta sepultura anda anexa uma lenda etiológica, em que figura um sino-saimão traçado no chão, den (...)
  • 221 Vid., por exemplo: Gama Barros, Hist. da Administração, i, 527, e ii, 275, n. 2; Revue Archéolog., (...)

64O ver-se o sino-saimão gravado em sepulturas provoca o mesmo reparo que já fiz a respeito das igrejas, pois que os cemitérios são lugares sagrados. Todavia, se quanto às igrejas poderá supor-se que o pentalfa constitui aí às vezes mero ornato, creio que nas sepulturas desempenha sempre funções supersticiosas, como dos seguintes exemplos se concluirá. Temos em primeiro lugar cabeceiras, talvez dos fins da Idade Média, em que ele se esculpiu: Figs. 151 a 155, dos Museus de Faro e Beja, e do Museu Etnológico; Fig. 156, de Santa Margarida do Sado218. À mesma classe pertence provavelmente uma pedra que com outras cobria um sarcófago achado em 1914 num desterro da Igreja do Salvador, em Santarém219: Fig. 157, a qual ostenta de um lado o pentalfa, Fig. 158, e do lado oposto uma cruz, Fig. 159. É vulgar estarem as cabeceiras sepulcrais desta espécie esculpidas dos dois lados, na parte superior ou redonda: cf. Hist. do Museu Etnolog., p. 66; e O Arch. Port., xxii, 108-109. Em segundo lugar, temos três tampas de sepultura propriamente ditas, ou campas: num lugar da abadia de Canidelo (Vila do Conde), de 1560, onde o Rev. Sousa Maia, abade da freguesia, ma mostrou: Fig. 160 (as letras querem dizer... de Francisco Piriz, e deve faltar antes a palavra sepultura)220; na capela do Mosteiro ou Mosteirinho, de Penalva do Castelo: vid. a Fig. 161, que extraio de um apontamento que lá tomei em 1896; no pavimento da igreja matriz de Évora Monte, vid. a Fig. 162, feita por um desenho que me foi mandado pelo Sr. António Maria do Carmo, autor do opúsculo Apontamentos para a Monografia de Evora Monte, 1.a ed., Montemor-o-Novo, 1916, onde a p. 14 se refere ao signum Salomonis (este está inscrito num círculo que encima uma coluna posta sobre uma peanha; o conjunto tem aparência de custódia). Em todos esses exemplos o pentalfa ocupa posição conspícua: a magia ajuda a religião! Assim como dantes se julgava que por o Diabo poder atormentar os cadáveres, era bom sepultá-los próximo das igrejas, ou dentro, ou ao pé de mortos venerandos221, que admira que com intuito semelhante se figurasse um sino-saimão numa sepultura? Também esta ficava protegida contra violações.

65Passo agora a mencionar casos em que o pentalfa aparece mais rigorosamente como enfeite, ou em que tem significações diversas das que resultam do seu carácter próprio e originário.

  • 222 À Senhora D. Carolina Michaëlis escapou a menção do sino-saimão quando descreveu as vinhetas na sua (...)
  • 223 Este desenho foi feito pelo Sr. Carlos Augusto Ferreira, a pedido do Dr. Jordão de Freitas, conserv (...)

66Iniciarei a série com a reprodução de um documento respeitável por seu carácter e data: uma das vinhetas do códice, do séc. XIII ou XIV, em que se lêem as poesias que constituem o Cancioneiro da Ajuda. Neste vinheta, correspondente ao fol. 59 (=88), representa-se um grupo de três personagens que são: um trovador (à esquerda do observador), um jogral (à direita), uma dançarina, que toca castanhetas (entre os dois, no campo): ora o jogral dedilha um saltério, em cuja parte central (no tampo) está figurado um sino-saimão cantonado de pontos, e com outro ponto ao meio222. Vid. Fig. 163223. Provavelmente o sino-saimão é aí ornato, ou emblema, embora não talvez de todo destituído de carácter mágico.

67A par com servir de ornato, serve o pentalfa de sinal individual em assinaturas, em firmas de notários ou tabeliães, e em marcas de canteiros, de oleiros, de pescadores, de doceiros, e de donos de animais.

  • 224 Vid. Concelho d’Elvas de V. d’Almada, t. I, p. 497, n. 5.

68Do pentalfa usado em assinaturas de pessoas que não sabem escrever ou usado por elas com a assinatura como sinal próprio, análogo ao dos notários, possuo dezenas de exemplos, dos sécs. XV, XVI, XVII e XVIII. Não vale a pena reproduzi-los todos. Já me referi a isto, pela primeira vez, em 1882, nos Amuletos Popul. Port. (extr. da Rev. da Soc. de Inst., II, 397-398); o meu querido amigo Tomás Pires, hoje falecido, citou em 1888 exemplos de Elvas224, e mandou-me reproduções (séc. XVI). Colhi exemplos do séc. XV em actas da Câmara Municipal de Vila do Conde: sino-saimão simples. Numa acta de 1511 vê-se um sino-saimão encimado de uma cruz: fig. 164. De 1580, do Livro de Vereações da Câmara de Elvas, mandou-me Pires um análogo ao que reproduzo na Fig. 166 (com cruz inclusa no pentalfa). De 1582-1583 publiquei um de Guimarães n’O Arch., XII, 104. Do séc. XVII ofereço ao leitor dois exemplos nas Figs. 165 e 166: um, de 1689, diz do fiador Domingos Neto, e copiei-o do Livro d’Arremetações da vila de Albufeira; o outro, de 1695, colhi-o em papéis paroquiais de Algoz (Algarve), e repete-se em 1704, com o mesmo nome, Fig. 167. Num livro de contas da capela de Vale de Aguiar, na paróquia de Miranda do Douro, vi, com data de 1645, estas assinaturas: De Salvador Martins,

Image 100000000000002800000026C2DA0C7603A5D142.jpg

  • 225 É curioso que hoje em Miranda do Douro não se conheça o sino-saimão: pelo menos as várias pessoas q (...)

69e De Pedro Martins.225

Image 10000000000000210000001EFB8FDFD46C3C5530.jpg

70Do séc. XVIII (1706) temos a Fig. 168, que transcreve de um livro da Misericórdia de Monchique (o nome é: João Duarte Furtado). Posteriores ao séc. XVIII não conheço exemplos, mas é provável que haja alguns ainda da primeira metade do séc. XIX. Vê-se que se «assinava de sino-saimão», como se assinava de cruz. Nos mesmos livros em que copiei os pentalfas havia também, e naturalmente, muitas assinaturas de cruz; estas continuaram a usar-se longo tempo depois. O uso do pentalfa é aqui paralelo ao que acima mostrei que existia na Espanha na Idade Média.

71Do pentalfa como sinal de tabelião ou notário tenho os seguintes exemplos do séc. XIII e XIV, colhidos por mim em pergaminhos da Torre do Tombo, onde devem encontrar-se muitos mais, não só destes séculos, mas de outros:

  • 226 «Martinho, filho de André».

72de 1245 (Fig. 169), caixa 83, maço 1.°, dc. 36. O texto diz: Martinus Andree226notui testis. Este documento trata de uma doação de terras na foz do Dueza, ubi intrat ĩ Seyra et ubi intrat aqua de Castello Venegas in Dueza;

73de 1259 (Fig. 170), c. 84, m. 1°, dc. 10: escritura de uma herdade de Torres Vedras;

74outro da mesma data (Fig. 171), c. 84, m. 1.°, dc. 63. O tabelião diz antes: signũ meũ apossui q tale est;

  • 227 É possível que este sinal e os dois anteriores, ou pelo menos este e o antepenúltimo, sejam de um m (...)

75de 1260 (Fig. 172), c. 84, m. 1°, dc. 26. Pergaminho de Alcobaça227;

76de 1270 (Fig. 173). A nota que tenho a respeito dele é incompleta, diz apenas: «cod. do Cabido da Sé de Lamego. 1270, n.° 29»;

  • 228 O tabelião deve ser o mesmo do sinal anterior.

77de 1271 (Fig. 174), c. 84, m. 1.°, dc. 17. Da Sé de Lamego228;

78de 1272 (Fig. 175), c. 85, m. 1.°, dc. 69. Tabelião público de Torres Vedras;

79de 1279 (Fig. 176), c. 86, m. 1.°, dc. 33. Tabelião de Aguiar de Sousa;

  • 229 Deve ser o mesmo do sinal anterior.

80de 1286 (Fig. 177), c. 87, m. 1°, dc. 20. Tabelião Stephanus Johanis de Aguiar de Sousa229;

81de 1299 (Fig. 178), c. 88, m. 2.°, dc. 3. Tabelião Stephanus Johñis, de Refóios (Minho);

  • 230 Deve ser o mesmo tabelião a quem pertence o sinal que tem o n.° 176.

82de 1304 (Fig. 179), c. 95, m. 1.°, dc. 5. Tabelião de Aguiar de Sousa230.

83N’O Arch. Port., XIX, 87, publiquei um muito bonito, do séc. XVI, e aqui o reproduzo, para ficar junto com os antecedentes (Fig. 179 bis).

  • 231 Vid. Raczynski, Les Arts en Portugal. Paris 1846, diante da p. 333.
  • 232 Vid. conde de Sabugosa, O Paço de Cintra, Lisboa 1903, p. 210.
  • 233 Vid. Luís Chaves, in O Arch. Port., XXII, 229.
  • 234 Porta d’El-Rei, debaixo do arco principal, à direita de quem entra. Aí o observei em 1918. É um pen (...)
  • 235 As siglas que se vêem gravadas nos nossos edifícios antigos têm origem semelhante à dos edifícios d (...)

84As notícias que alcancei acerca de marcas ou siglas de canteiros são poucas e da Idade Média: da sacristia da Capela de São Domingos de Queimada (Lamego)231, do Paço de Sintra ou Cintra232, do Castelo de Estremoz233, e de uma porta das muralhas de Trancoso234. No opúsculo de Possidónio da Silva, intitulado Mémoire sur la signific. des signes gravés sur les anc. mon. du Portugal, Lisboa 1868, não aparece nenhuma vez o pentalfa; nas pedras que tenho examinado ou copiado em diferentes partes de Portugal, encontrei-o só uma vez (Trancoso). Vê-se que, conquanto apareça, não será vulgar235.

  • 236 A talha propriamente dita leva de 40 a 100 almudes.

85Igualmente não o é nas marcas de oleiro: só sei de dois exemplos, ambos em vasilhas de barro que vi há anos no Alandroal. Uma das vasilhas era um atestador (talha de barro, pequena, que leva de 10 a 20 almudes236): tinha a marca que vai copiada na Fig. 180; este atestador fora provavelmente fabricado em Campo Maior, com outros do séc. xviii, assim designados. A outra vasilha é um pote: tinha o desenho que vai na Fig. 181. Tanto no pote como no atestador as marcas haviam sido feitas quando o barro estava ainda fresco.

  • 237 Posteriormente às minhas observações, que ficaram inéditas até 1917, em que apareceram n’O Archeolo (...)
  • 238 Goltz de Carvalho, in Portugalia, I, 347.
  • 239 Já antes de 1895, isto é, em 1890 (como vejo de um apontamento meu de então, que encontrei agora), (...)

86Dos pescadores posso dar várias informações. Em 1895, estando na Póvoa de Varzim, copiei muitas marcas que os pescadores poveiros gravaram, como registo, em móveis da sacristia da igreja matriz e da Misericórdia, e na porta da Capela da Senhora do Desterro: vid. O Arch. Port. XXII, 155. Umas vezes é o sino-saimão simples, outras acompanhado de traços: Fig. 182. Um pescador disse-me que de estarem gravadas as marcas assim em local sagrado resultava pescarem mais peixe. Não sei se a crença é geral237. Nos pescadores de Buarcos238, o sino-saimão «tem largo emprêgo nas cortiçadas dos aparelhos de pesca, associado a outros signaes para se reconhecer de quem são os aparelhos onde figuram»239. – Em Almada vi uma vez um sinal do saco, de cortiça, de uma rede de pesca, o qual vai desenhado na Fig. 183: media 0,17 m de diâmetro longitudinal, e 0,10 m de diâmetro transverso; numa das faces tinha gravado, como consta do desenho, um sino-saimão e uma cruz, ao que ouvi chamar «marca do dono». – Todas estas marcas lembram as dos canteiros.

87Moderníssimo é o pentalfa num doceiro, como marca dos rebuçados de «Marin» (Lisboa): fig. 184.

  • 240 Ao Sr. Braamcamp Freire, que pertence à família, agradeço o ter-me obtido o desenho. – Nas Memorias (...)

88As marcas dos animais, como todas as outras, são muito variadas: e podem fazer-se com ferro em brasa, com tesoura, ou pintando a pele. Nas marcas usadas no concelho de Óbidos, feitas com ferro em brasa, ou com tesoura na ocasião da tosquia, quando o animal é ovelhum, figuram por vezes sinos-saimões, bem como estrelas, monogramas, etc. Na Fig. 185 publica-se o desenho do ferro que marca os animais (bois e cavalos), as mantas dos pastores, etc., da casa dos Srs. Barões de Almeirim, em Pombalinho (o pentalfa está encimado de uma coroa de barão)240.

89E por aqui me fico a respeito do pentalfa em marcas, embora eu com certeza não esgotasse o assunto, pois o povo faz largo emprego delas, em numerosas circunstâncias, além das indicadas.

  • 241 Por exemplo, em uma pipa, como vi ao pé do Porto, em 1918.

90Para remate do que eu tencionei relatar do pentalfa português, e deixando de parte outros usos modernos, sem nenhuma importância, como o adoptar-se o pentalfa em estamparias de tecidos, em marcações acidentais, etc.241, considerarei ainda dois casos curiosos, em que ele aparece por causa da sua forma geométrica.

  • 242 Apud. Vilhena Barbosa, Cidades e Vilas com Brasões, iii, entre pp. 126 e 127.
  • 243 .Vid., por exemplo, Vilhena Barbosa, ob. cit., t. i, pp. 4, 56, 116, 143.
  • 244 P. Leal, Port. Ant. e Mod. X, 3422. Também se disse: V. a par de Evora (vid. P.e Carvalho). – Creio (...)

91Temos na Fig. 186 o brasão de armas de Viana do Alentejo: nele se nos mostra o sino-saimão repetido242. Não me parece fácil dizer a origem: lembrome se nos sinos-saimões quiseram representar duas estrelas estilizadas e reduzidas a emblemas muito conhecidos do povo (pois que várias vezes se figuram astros em brasões de vilas e cidades)243, ou se eles não passam de monogramas amaneirados de V(iana) (de a par de) A(lvito), que assim a vila se chamou dantes244. Na última hipótese, cada monograma seria

Image 10000000000000210000003A715558D8BB7D5BB7.jpg

92estando completado por pontos o que falta para se formar um pentalfa

Image 100000000000002C0000003A5FF55C56771E0B45.jpg

93Também o sino-saimão figura num jogo, por causa da forma. Há anos veio à minha posse um papel antigo (obtive-o em Angorês, Beira) no qual estava desenhado o que se vê na Fig. 187. Quem mo ofereceu, disse-me que era um jogo, porém não soube explicar mais nada. A explicação achei-a depois no fólio 93 v do códice B 9/37 ant. (=589 da numeração moderna) da secção de manuscritos da nossa Biblioteca Nacional, códice do séc. XVII, onde se lê o seguinte:

94«Curiosidade. – P.a semeterê 9. pedras em hũ signo samaõ, -q naõ será possivel fazer-se sem saber o chiste segt.e.

95A Decima seguinte se escreverá á roda deste signo samão cada verso em seu lado.

96A fig.a do signo samão he a prezente.

  • 245 O jogo do alguerue de que acima se fala é o mesmo que o do alguergue de que falam respectivamente J (...)

97O que se hade pedir he, que haõ de meter 9. pedras dentro, de sorte q de 10. angulos -q tem fiquem cheos 9. E se fará contando de 1 the 3. como no jogo do Alguerue. Aduertindo q haõde começar a contar em ponto vazio e acabar noutro tal, onde se assente a ped ainda que o do meyo tenha pedra: Dizendo 1. 2. 3. e pór a pedra, -q socederá cahir onde se cruzaõ os riscos, ou nas pontas, athe encher o n.° dos 9. e ficará sempre hũ lugar vazio. E isto nunca se poderá conseguir se naõ se souber a regra g1. A qual he: sempre se terá sentido no ponto em -q comecey a contar e se procurará encher com pedra; e assi se encheraõ os 9. pontos e meteraõ as 9. pedras ao justo, sem topar com a dif ficuldade de achar o lugar do 3.° ponto occupado e cheo, ou o pr.o ou ainda naõ achar 3. pontos q contar245.

Decima Sobre este signo samaõ, contem angulos dez, contando de hũ até tres, noue pedras se poraõ; mas será com condição q se naõ encontre cheos os extremos, em q os meos estejaõ já occupados: mas isto aos mais letrados fará dar muitos rodeos.

Image 10000000000000760000008C9539BBF442246FA9.jpg

  • 246 Por exemplo, viam-se há tempos, em Lisboa, alguns pintados, num muro ao pé do Campo Grande, e outro (...)
  • 247 O Sr. Luís Chaves, conservador interino do Museu Etnológico, informa-me de que no interior de uma g (...)
  • 248 Possuo, por exemplo, um Compendio de Muitos e Varios Remedios de Çurgia, de Gonçalo Rodrigues, Lisb (...)

98O pentalfa tem tal estimação entre nós, e acode tão naturalmente ao espírito de quem por distracção faz um desenho, que às vezes o traça um garoto numa parede246, o grava um soldado numa guarita247, o rabisca o dono de um livro nas folhas de guarda e espaços brancos deste248, etc. – Acerca do pentalfa em uma moeda atribuída a D. Afonso Henriques, vid. o «Apêndice», iii.

b) Hexalfa português

  • 249 No livro de Vieira Natividade, intitulado Inez de Castro e Pedro o Cru, Lisboa 1910, não acho notíc (...)

99No túmulo de D. Inês de Castro (séc. xiv), que está na igreja do Mosteiro de Alcobaça, há uma figura humana esculpida, que parece tocar um instrumento, no qual o artista gravou uma sigla, e um sino-saimão, como se vê do esboço representado na Fig. 188. Julgo ambos estes sinais marcas do escultor do monumento (pelo menos a sigla), ainda que é curiosa a coincidência com a Fig. 163249.

  • 250 Já me referi a isto nos Estudos de Philologia Mirandesa, I, 57.

100Também na igreja paroquial de Duas Igrejas (Miranda do Douro) se pintou duplamente um hexalfa, não sei com que intuito, numa parede, à esquerda de quem entra pela porta principal: vid. Fig. 189. Está aí associado à cruz250.

  • 251 No Folclore da Figueira, coordenado por Cardoso Martha e Augusto Pinto falam os AA. no t. II (Espos (...)

101Passando de coisas religiosas a profanas, encontramos o hexalfa gravado em um «cornicho» (amuleto), que uma pessoa me mostrou há muitos anos em Lisboa: Fig. 190. Fora disto, e do uso dos feluzes marroquinos (vid. supra, Fig. 38), não sei de mais caso nenhum em que o hexalfa sirva de amuleto em Portugal: ainda assim, no primeiro caso ele está adaptado ao cornicho, e em posição secundária, e no segundo figura por confusão com o pentalfa251.

  • 252 Cf. Estudo Ethnographico, p. 42.

102Assim como nas «cangalhas» da hortaliça se pinta o pentalfa (vid. a Fig. 125), também por vezes se pinta o hexalfa, do que tenho nos meus apontamentos dois exemplos de Lisboa: num o hexalfa está sozinho, no outro tem uma cruz inscrita dentro, como para lhe aumentar a virtude, Fig. 191. O hexalfa aparece às vezes nos jugos dos bois, mas muitíssimo menos que o pentalfa252.

103A esta raridade do hexalfa nas cangalhas corresponde raridade análoga na tatuagem, onde porém vimos que o pentalfa gozava de muito apreço. Dos AA. citados acima, p. 241, só Rocha Peixoto menciona um caso de hexalfa, A Tatuagem em Portugal, est. VII, n.° 16, aqui reproduzido na Fig. 192, onde, como noutras circunstâncias, se anexou ao hexalfa uma cruz (embora grosseira). Por mim, colhi também um único exemplo, e de fora do continente, como adiante digo.

  • 253 Esta pintadeira pertence ao Dr. Artur Lamas, que ma comunicou e permitiu publicar.

104Não menos raro é o hexalfa na ornamentação de objectos manufacturados por pastores. Entre muitas cornas que tenho visto, sei apenas de uma em que aparece aquele sinal: pertence ao Museu Etnológico, para onde eu a trouxe de Ponte de Sor; está belamente ornamentada, mas o hexalfa foi desenhado separadamente da ornamentação, e é muito irregular: Fig. 193. – Eis outro objecto doméstico em que aparece o hexalfa: é uma pintadeira metálica, antiga, espécie de sinete de marcar bolos, de forma de umbela invertida: o hexalfa está na parte média e externa (pala ou centro do sinete; o cabo deste tem um orifício de suspensão, que dá à pintadeira aspecto de berloque de cadeia de relógio, ainda que demasiado grande), Figs. 194 e 195253.

105Como marca de barco (cf. supra, pp. 83 e 91), reproduzo na Fig. 196 um desenho que tomei na Póvoa de Varzim em 1890: mais uma vez o hexalfa com a cruz! E aqui há duas, cada uma de sua forma (o círculo que fica entre as duas cruzes ignoro o que significa, talvez uma hóstia).

106De marca ou sinal serve igualmente o hexalfa a um notário apostólico de Lisboa do séc. XVI: vid. Fig. 197, extraída de um documento da Torre do Tombo, caixa 84, maço 1, n.° 39. Entre tantos documentos que tenho visto com sinais de notários, é este o único que contém o hexalfa: isso, o estar associado à cruz, e o ser usado por um funcionário eclesiástico bem mostram o carácter excepcional do emblema.

107Por simples curiosidade, lembrarei que numas luminárias que em Lisboa se fizeram há alguns anos com gás, se via no Chiado uma casa em que as luzes estavam dispostas a modo de hexalfa: Fig. 198, – disposição meramente geométrica e acidental.

  • 254 Etnografia Artistica (S. Miguel, Açores), Ponta Delgada, 1918, pp. 48-50.
  • 255 P. 49. Não a reproduzo, porque o hexalfa é pouco explícito.

108Se o hexalfa goza de diminuta vida no povo do continente, não acontece isso nos Açores. Pelo menos o Sr. Dr. Mendonça Dias, de Vila Franca do Campo, informa-me de que se usa muito no arquipélago um amuleto de forma de hexalfa, feito de oiro, prata cobre, etc.: o povo chama-lhe senhor san-saimão. Por outro lado leio num livro do Sr. Dr. Leite de Ataíde, publicado recentissimamente, que o hexalfa tem nos Açores também o nome de são-selimão, e afugenta influências diabólicas, malefícios, mau-olhado, e acção de tanglomango, e tanto protege as pessoas como os animais: figura gravado em jugos de bois, e em certas peças de alfaia agrária, e serve de tatuagem (verde) no braço e peito de adultos254. No mesmo livro o Sr. Ataíde publica a figura do cabo de um sacho, onde se representa o hexalfa marcado com pregos amarelos255. Quando eu frequentava como estudante a Escola Médica do Porto, apareceu exposto no teatro anatómico, para dissecação, o cadáver de um indivíduo de Angra do Heroísmo, tatuado: a tatuagem ocupava os dois braços e antebraços, e era muito variada (figuras de mulher, um ramo, uma âncora, uma cruz, uma inicial, etc.), vendo-se também aí um hexalfa, que tinha junto a ele cinco pontos, representantes das cinco chagas de Cristo.

  • 256 Dr. F. A. Pereira da Costa, Folk-lore Pernambucano, Rio de Janeiro 1909, pp. 69-70.

109No Brasil, para onde grande parte das tradições populares que lá existem foi de Portugal, dizem que é bom, para evitar que as Bruxas e as Carochas ataquem as crianças, traçar um hexalfa no quarto em que estas dormem256.

c) Pentalfa ou hexalfa

  • 257 Pereira Coutinho, Flora de Portugal, Paris-Rio-Lisboa 1913, p. 138. – Ao mesmo Sr. agradeço algumas (...)
  • 258 Dict. Génér. de la lang. fr. de Hatzfeld, Darmesteter, & Thomas, s. voce.
  • 259 Amato Lusitano, In Dioscoridis libros quinque, Veneza, 1553, pp. 375-376 (liv. IV, 6).
  • 260 Valladares Nuñez, Dicc. gall.-cast., s. voce.
  • 261 Talvez a raiz de salomão, de que falei supra, pertença ao Polygonatum. Tendo eu lembrado isto ao Sr (...)

110Da forma ou figura do sino-saimão resulta o servir ele de denominação metafórica de uma planta herbácea: selo-de-salomão, – o Polygonatum officinale dos botânicos257; mas esta denominação não é essencialmente portuguesa, porque se encontra noutros idiomas: sceau-de-salomon258 e signet-de-salomon259em francês, sello de Salomón em espanhol e em galego260; ela data verosimilmente da Idade Média. Aqui «selo» é sinónimo de sino(-saimão). O motivo da denominação é difícil de determinar: os povos da Europa Ocidental descobriram semelhança entre qualquer das formas do sino-saimão e certa parte da planta, raiz, folhas, ou cicatrizes dos ramos, como aos Alemães aconteceu, quando compararam o pentalfa com a pata ou pegada da entidade mítica que eles chamam Drude261.

111O que vou referir, prende-se só externa e acidentalmente com tudo quanto fica dito, quer acima, quer nos §§ precedentes.

  • 262 Vid. Os Serões, vi, 164.
  • 263 Efectivamente na gíria usual sino grande significa «copo de litro»: vid. A Giria Portuguesa, Lisboa (...)

112Na linguagem familiar, quando se emprega uma palavra que com frequência se usa junta a outra, esta adiciona-se àquela por gracejo, e portanto em sentido diferente: diz-se, por exemplo: que par de França! com referência a duas pessoas que caminham a par. Temos aqui um fenómeno de associação de ideias, resultante de homofonia verbal: do que nasceu uma espécie de trocadilho. Ora no antigo calão académico de Coimbra dá-se o nome de sino-saimão (provavelmente subentendendo-se o pentalfa, mas também podendo subentender-se o hexalfa), a um copo de boca larga, que vai estreitando para o fundo, e que leva meia canada262. Claro está que o copo se denominou primeiramente, por metáfora, sino, isto é, «copo de boca de sino» (entendendo-se «sino de torre»)263, e que depois se lhe associou saimão, por se supor, ou querer fazer supor, que a primeira palavra de sino-saimão era a mesma que sino (de torre). Eis o grau mais humilde a que o pentalfa ou o hexalfa podiam descer na espiral da fantasia humana!

II – Sino-saimão dobrado

113O sino-saimão dobrado, que é menos popular que o pentalfa, porém mais que o hexalfa, tem três formas principais, que constam das figs. 4, 5, 6 e 7: as mais vulgares são as das Figs. 4 e 5. Vou enumerar os casos que conheço da aplicação deste sinal, casos que coincidem, na mor parte, com os da aplicação do pentalfa e hexalfa.

  • 264 Colecção especial, caixa 78, n.° 1. Nos Portugaliae Monumenta Hist., Dip. et Ch., corresponde ao n. (...)
  • 265 De um documento da Torre do Tombo, de 1283: caixa 86.a, maço 2, doc. 24. O tabelião chama-se Miguel (...)
  • 266 Bluteau, Vocab. Port.-Lat., s.v. «sino-çamão, ou sino-samão» (lugar já citado supra, p. 76), parece (...)

114O mais antigo exemplo que posso citar está numa assinatura de um documento da Torre do Tombo, do ano de 882, talvez da primeira pessoa que assina: Fig. 199264. Depois temo-lo, no séc. XII, no Apocalipse de Lorvão associado ao pentalfa, como já vimos nas Figs. 118-123, e no séc. XIII, como sinal público de tabelião, Fig. 200265. Em 1501 aparece como marca de canteiro no Mosteiro de Belém, Fig. 201: vid. Signes gravés sur les anc. mon. du Portugal de Possidónio da Silva, Lisboa 1868, est. XLII: este exemplo não é perfeitamente igual a nenhum dos tipos que encabeçam o presente artigo, mas aproxima-se do tipo 4.°, e até se identifica com ele, se unirmos por pontos os vértices dos ângulos internos, isto é, se prolongarmos dentro os lados dos mesmos ângulos: 202266.

  • 267 Acerca da sua significação vid. The Jewish Encyclopedia, I, 235.

115O tipo da Fig. 7 está desenhado no frontispício do Livro de S. Cypriano, Porto 1849, e no Verdadeiro Livro de S. Cypriano, Porto 1899. Lê-se no prólogo do primeiro dos dois Livros (ao que corresponde, com leves diferenças de ortografia, igual teor no segundo): « É este o Livro do Milagroso S. Cypriano, que ensina a desfazer toda a qualidade de feitiçarias, descobrimentos encantados, trastes de ouro e prata, e indica todos os lugares onde se podem encontrar, os quais poderá descobrir facilmente quem tiver animo; porque no acto de desencantamento apparecerão grandes fantasmas, estremecimentos de rochedos, e grandes ruidos de ventos; porém, quem tiver animo, depois de estar dentro dos riscos atraz, os quais serão riscados no chão, não lhe succederá mal algum, porque o Santo aprendeu com o diabo a desencantar todas as cousas etc.». Na figura a que o Livro se refere (vid. o frontispício que reproduzo adiante, estampa XXII) está, como noutros casos, uma cruz, porém seis vezes, e a palavra agla, quatro vezes. Esta é cabalística, e tem valor talismânico267. – A mesma figura do tipo 7.° está desenhada num jugo (modelo ou miniatura) do Museu de Elvas: vid. O Arch. Port. XXI, 185. Tenho visto pelo País muitos jugos com ela.

116O tipo da Fig. 6 encontrei-o desenhado, como simples probatio pennae, na folha de guarda de um livro antigo, a qual por acaso me veio à mão; leve variante dele é a Fig. 203, que constitui o sinal do tabelião Francisco Pereira Nunes, de Pernes, na assinatura de um documento, que possuo, de 1852.

  • 268 Esta figura foi já publicada n’O Arch. Port., XXI, 165.

117O tipo da Fig. 4 tem muitas aplicações, e toma vários aspectos: Fig. 204, num pote de barro, de «1661», que está no Museu da Figueira da Foz; Fig. 205, num pote do séc. XVIII que serve para vinagre (Alandroal); Fig. 206, numa talha para vinho, com o nome de «José Pereira», oleiro de Campo Maior (meados do séc. XIX)268; Fig. 207, em uma antiga talha para azeite, que vi partida, e já sem uso, em um quintal no concelho de Óbidos, – figura muito ornamentada, no que se diferença das restantes. Estes desenhos, datas e palavras foram gravados quando o barro estava fresco.

  • 269 A corna a que pertence a tampa que tem a Fig. 210 é artística, e foi comprada em Lisboa. Provavelme (...)

118Na Fig. 208 vemos um desenho que está gravado na superfície de uma corna, onde há mais dois iguais; na Fig. 209 vemos outro desenho gravado em uma corna (alentejana); e nas Figs. 210 e 211 desenhos de tampas de cortiça de cornas semelhantes. Todas as cornas pertencem ao Museu Etnológico Português269. No mesmo Museu há um prato de barro, vidrado por dentro, o qual tem pintado no fundo a Fig. 212, e há um cossoiro, de Alcoutim, com a Fig. 212 bis.

119Também o sino-saimão dobrado constitui um tema de tatuagem; ainda que só sei de dois exemplos: um, que vem em A. Bastos, ob. cit., est. IV; outro, que observei em Pragança (Cadaval). Ambos eles reproduzem o 4.° tipo.

  • 270 Numa canga de bois de Montemor-o-Velho observei em 1896 o desenho da Fig. 214, a que ouvi dar o nom (...)

120A Fig. 213 dá-nos um sinal diverso dos antecedentes, mas a que ouvi chamar sanselimão dobrado: encontrei-o em 1890 na Póvoa de Varzim, como marca de cortiça de barqueiro (cf. supra, p. 91)270.

  • 271 A suástica flamejante é um tema corrente na arte açórica, segundo mostra o Dr. Leite de Ataíde no c (...)
  • 272 Leite de Ataíde, Etnogr. Artist., est. IV, pp. 52 e 53.

121O que até aqui tenho dito do sino-saimão dobrado refere-se ao continente português. Mas também o encontramos nos Açores. Na estampa III da sua Etnografia Artistica traz o Dr. Leite de Ataíde um desenho que reproduzo na Fig. 217, o qual representa um sino-saimão dobrado, com uma suástica flamejante dentro dele271. O mesmo sino-saimão dobrado o poderemos reconhecer na Fig. 218, que constitui um tema ornamental de tecidos micaelenses (colchas)272.

  • 273 Muñoz y Rivero, Colección de firmas, Madrid 1887, «cuaderno 1.°».

122Do sino-saimão dobrado não conheço paralelos fora de Portugal, senão na Espanha, e ainda assim unicamente dois: um deles constitui uma firma ou assinatura do rei Garcia III, de Navarra (séc. X), Fig. 219273; o outro, se, como creio, o é, encontra-se nas Cantigas de Afonso o Sábio, de Leão e Castela (séc. XIII), na mesma iluminura mágica em que se encontra o pentalfa de que falei a p. 220: vid. Fig. 220 (levemente ampliada), que é bem semelhante à marca de canteiro do Mosteiro de Belém (Fig. 201). Como há outras firmas de reis navarros com o pentalfa (vid. supra, p. 65), vemos claramente que em ambos estes paralelos o sino-saimão dobrado tem o seu quê de superstição, o que combina com os factos portugueses.

Conclusão

123O pentalfa, na origem, deve ser uma estrela. O povo considera-o instintivamente «estrela de cinco pontas», os autores de livros mágicos chamam-lhe «étoile de Mercure», os matemáticos «pentágono regular estrelado». Esta estrela, nascida de antigas concepções cosmogónicas, – animismo dos astros, influência deles no curso da vida dos homens –, recebeu na arte forma estilizada, como o Sol girante a recebeu, ao que parece, no suástica, e a Lua no semicírculo chanfrado a que se dá o nome de «crescente», ou na cara com que a costumam representar os amuletos do nosso povo, e os repertórios. O pentágono regular estrelado, que não é mais que um pentágono regular ordinário

Image 100000000000004500000046F42735700E35649C.jpg

124cujos lados se prolongaram, dois a dois, até se encontrarem entre si, a, tornou-se ainda mais simétrico, tomando, pela combinação de dois triângulos, a forma de hexalfa: em vez de cinco ângulos, b, ficaram seis, c, e nessa forma nos aparece já na Idade do Bronze (Fig. 8).

a

Image 100000000000009C000000A2985D48B6FB35B8A1.jpg

b

Image 100000000000009E000000A01E81832BCBA52FBD.jpg

c

Image 100000000000008E0000009CB246957B82B56630.jpg

  • 274 Vid. Katalog der orientalischen Münzen dos museus reais de Berlim, 1898 n.° 2012.
  • 275 Não sei onde ela apareceu; apenas posso dizer que me foi cedida para o Museu pelo Sr. João Manuel d (...)
  • 276 Tuchmann in Mélusine, x, 11. Cf. o que a pp. 57-58 transcrevo a respeito dos Índios.
  • 277 Talvez com os mesmos desenhos se deva enfileirar este de um caco algarvio da época arábica: vid. Fi (...)
  • 278 Vem a par do que copiei na Fig. 84 (cf. p. 68).

125Não ficou por aqui o aumento dos ângulos: a p. 70, n. 1, mencionei, segundo Wuttke, o heptalfa austríaco, ainda que dele não possuo cópia gráfica; as Figs. 221 e 222 mostram-nos desenhos de uma moeda arábica de cobre do Museu de Berlim274, e de uma de prata do Museu Etnológico275, desenhos formados pela combinação de dois quadrados, o que nos dá um octalfa; o mesmo octalfa o vemos num mantra (fórmula, oração) indostânico, Fig. 223276, e bem assim num dos ornatos da Bíblia Hebraica da nossa Biblioteca Nacional (cf. supra, p. 54)277, e nuns brincos desenhados em um manuscrito de Paris, Fig. 224278. Do octalfa se aproximam em certo modo os tipos 4.° e 5.° do sino saimão dobrado, que constam fundamentalmente de uma cruz, mais clara nas Figs. 201 e 220 (sigla arquitectónica do Mosteiro dos Jerónimos de Belém, e enfeite do códice das Cantigas de Afonso o Sábio); o tipo 5.° pode considerar-se variante do 4.°. O nosso povo chamou a qualquer destes tipos sino-saimão dobrado, já porque realmente viu neles, embora sem rigor, a adjunção de dois pentalfas, já pela tendência que tem para chamar sino-saimão a qualquer figura, de linhas mais ou menos complicadas, que lhe pode dar a ideia do seu tão conhecido e amado sino-saimão; pelo segundo motivo impõe essa denominação também à esfera armilar (p. 50), e à Fig. 214 (canga de Montemor). Idêntico processo imaginativo levou outros povos a baptizarem de diversas maneiras o pentalfa e o hexalfa: como Drudenfuss os Alemães, escudo de David e selo (ou sino) de Salomão os povos semíticos, inspirando-se aqueles na sua mitologia, e estes na sua história e lendas religiosas.

  • 279 De Ensalmis. p. 195, col. 2.a.
  • 280 Acerca da acumulação de objectos mágicos, escreveu em especial Karl Helm um artigo (em alemão) nas (...)

126A forma de cruz, que se revela em alguns dos aspectos do sino-saimão dobrado, revela-se melhor no pentalfa, visto na Fig. 1. Parece que já pelo espírito de Vale de Moura passou tal comparação, quando, ao falar da radix Salomonis (cf. supra, p. 53), disse que ela poderia gozar de virtude, porque crucem Dominicam figurabat279. Como a cruz é eminentemente activa contra o Demónio, e contra o mal em geral, compreende-se que essa força aumentasse a já ingénita do pentalfa, o qual adquiria pois maior estimação aos olhos do vulgo. Não obstante, ainda o povo por vezes reforça o sino-saimão com uma cruz genuína: vid. Figs. 126, 128, 129, 139, 164, etc. É fenómeno muito observado em toda a parte o reforço da magia de amuletos por acumulação de muitos: cf. supra, p. 236, ao que posso juntar o que eu disse nas Religiões, III, 353- -356, e na Etnografia Artistica, III, 15280.

127Da importância que o pentalfa e o hexalfa têm tido na vida dos povos, por causa da sua significação astrológico-mágica, desenvolvida e modificada no decurso dos evos – símbolos de bom agouro e de profilaxia, protectores de vivos e de mortos –, passaram em certos casos a valer só pela forma geométrica ou simétrica: e assim os vimos, ora como ornatos, ora como marcas, ora como sinónimos das palavras «Salomão», «David», e outras; e vimos um dos seus nomes empregado como metáfora da linguagem corrente.

128Em seguida ao que fica dito da origem e evolução ideológico-morfológica do signum Salomonis, considerado em geral, importará de modo especial a nós Portugueses saber donde é que ele directamente nos veio.

129Quando um símbolo aparece numa terra, como a nossa, pisada por tantos e tão variados povos que o possuíram, tais como Romanos, Judeus e Árabes, não se toma coisa fácil determinar com precisão a proveniência imediata do mesmo símbolo: todavia creio que no caso presente havemos de encostar-nos principalmente, e mais uma vez, aos Judeus, admitindo que deles o tomámos, embora seja crível que do contacto destes e dos Portugueses com os Árabes não podia vir ao signum Salomonis senão força para a sua fixação no solo nacional. – Deixo de parte os Romanos, porque o pentalfa que achámos neles, fora das moedas, o julgo, no geral, também de origem judaica ou cristã: efectivamente ele, como vimos, aparece quase sempre em conexão com ideias do judaísmo ou do cristianismo. – O hexalfa não adquiriu entre nós, como já notei, cunho verdadeiramente popular, e desenvolveu-se aqui de modo secundário ou esporádico (vid. supra, pp. 80 e 94-96), ainda que não é de estranhar que possam encontrar-se documentos que provem que na vigência dele em Portugal se manifestasse também acção judaica, visto que os Judeus o acatam há longos séculos. Mas eu só quero circunscrever-me nos factos positivos que conheço.

  • 281 Mendes dos Remédios, Os Judeus em Portugal, Lisboa 1895, p. 67.
  • 282 Corpus inscript. Lat., ii 1982: inscrição funerária de Abdera. Cf. também Mendes dos Remédios, ut s (...)

130Os Judeus estabeleceram-se na Península em época muito antiga, e por certo anterior à dos Romanos281, mas é do séc. III p. C. que, como parece, temos testemunho escrito da existência deles cá282. Aos fins do séc. VI é, no parecer dos especialistas (vid. supra, p. 64), uma inscrição trilingue em que já figura o pentalfa, e temos aqui sem dúvida um facto não só muito valioso, mas decisivo, para a história do símbolo que nos ocupa, pois nos patenteia que este existia na Ibéria anteriormente à invasão arábica, que só foi por 711.

  • 283 Religiões, III, 586.
  • 284 Vid.: Religiões, iii, 607; Possidónio, Signes qu’on voit graves, est. vii; Revista Arqueologica (Bo (...)

131À semelhança de outros povos antigos, os Lusitanos esmaltavam de símbolos o quadro das suas crenças sobrenaturais, segundo mostrei nas Religiões da Lusitania – símbolos que datam de remotas eras. Entre eles contava-se a suástica, de muitas formas (flamejante, etc.), e a par estrelas de certo número de raios, geralmente seis. Estes últimos símbolos, isto é, a suástica e as estrelas, chegaram, como tais ao que parece, pelo menos à época dos Bárbaros283; depois continuam ainda a aparecer, mas com carácter apagado, ou meramente como decorações artísticas ou marcas industriais284. Ora, a suástica simples (vid. a 1.° das figuras adjuntas) está muito próximo de uma cruz, donde lhe veio também o nome de «cruz gamada», isto é, feita de gamas; por outro lado o pentalfa é uma estrela, e parece-se igualmente com uma cruz (vid. supra, p. 102), a qual por vezes ele acompanha.

Image 1000000000000110000000C7A6787543D4F97342.jpg

  • 285 Esta ideia de que o signum Salomonis substituiria entre nós a suástica já a emiti em 1892 no meu op (...)

132O terreno estava pois muito bem preparado para que o signum Salomonis cá se implantasse sem dificuldade: era um símbolo que vinha substituir outro (suástica) e coexistir com símbolos parecidos (estrela, cruz)285.

133Com o aparecimento do pentalfa em um monumento arqueológico da Península na época da transição da Antiguidade para a Idade Média coincide a cronologia fonética do primeiro elemento da palavra que o designa em português, visto que sino é, como disse acima, forma semipopular. Se a palavra signum entrasse, com a sua especial significação, no uso corrente da linguagem dos Lusitano-Romanos na época em que o latim vulgar começava a transformar-se claramente em romanço, ela tomaria outro aspecto na boca do povo, como se vê de lignum, que deu lenho, e melhor ainda se vê de signa (propriamente plural de signum, tornado feminino), que deu senha. A palavra sino, em sino-saimão, denota portanto uma época um pouco tardia; está no mesmo caso que a sua homónima sino (de igreja), também de signum, noutro sentido; que sina, provinda de signa, como a citada senha; que dino, benino, malina, respectivamente de dignus, benignus, maligna. As línguas têm as suas épocas: palavras que em uma época se transformam de um modo, transformam-se de outro em uma época seguinte. Signa, no momento A, deu senha; no momento B deu sina, como signum, no mesmo momento deu sino. Estes exemplos são bem curiosos e elucidativos. Quanto ao segundo elemento da palavra, ela é múltipla (vid. pp. 76-77), porque múltiplas são também as bocas que a têm conservado; e entre as formas há umas, como salamão, selimão, mais modernas que outras, o que explico pela acção constante da pronúncia judaica, que se esforçaria por manter puras as veneráveis palavras Salamão e *Salimão.

  • 286 Assim, por exemplo, vi citadas as seguintes obras, que eu desejaria consultar, mas que não encontre (...)

134Traçar ou tentar traçar, sumariamente que fosse, para cada um dos restantes países de que me ocupei a origem do signum Salomonis, como fiz para Portugal, constituiria tarefa superior às minhas forças, pois me falta competência, tempo e livros286, ainda que, com relação a alguns países, me pareça dever também invocar-se o nome dos Judeus, ou directamente, ou por intermédio do cristianismo. Na Grécia moderna a origem desse signum ascenderá, sem interrupção, à Antiguidade Clássica. Muitas vezes o símbolo não se ligará a crenças vivas: nasceria da moda, do gosto, por exemplo, em certas marcas industriais e em ornatos.

135Proveniente de ideias muito enraizadas na alma humana, o signum Salomonis, nas suas duas formas principais, desempenhou papel múltiplo, através dos tempos, na magia, na arte, na literatura, na vida prática, até que modernamente os seus principais campos de acção cuido estarem, depois de Portugal, na Alemanha, na Finlândia, na Grécia e no Norte de África. É notável que na nossa vizinha Espanha, apesar de tão judaizada e arabizada, e de em épocas antigas o ter tido, ele hoje mal apareça, e só junto de Portugal: razão nos assiste para suspeitar que Torquemada, vendo aí uma manifestação demoníaca, o varreu de lá com o seu hálito de fogo!

APÊNDICE

I – Nómina contra endemoninhados (vid. supra, p. 82)

136«Para tirar o Demonio de qualquer homem, ou molher que for tentado, com tanto que não seja bebedo, nem mudo:

137Primeiramente seu padre, e madre, ou parentes, ou amiguo haõ de jejuar por el a honrra da Trindade tres dias, se el nom poder jejuar.

138Tomem 12. candeas [rejdondas e longas, e escrevã em cada huã dellas o nome dos doze Apostolos, os quaes fizerom o Credo in Deum: S. Pedro, Andre, Thomas, Bertholameu, Matheos, Judas, Thadeu, Joã, Santiago mayor, Santiago menor, Phelipe, Simõ.

  • 287 Aqui a é preposição.

139Despois que assi fizerem, escrittos nas candeias, lancênas ante aquelque for demoninhado, que tome huã dellas, a que quiser, e cujo for o nome do Apostollo escritto na candea a287 sua honrra digão Missa ante o seu orago na Igreja onde estiver.

  • 288 Pronuncie-se á.

140O demoninhado tenha aquella candea, que tomou, na mão em quanto disserem a ditta missa, ate que vaõ a288 oferta, e entaõ a offereça com huã obrada, e as outras onse sejaõ sempre acesas com ella e mais tres candeas em que sejaõ escrittos os nomes dos tres Reys Magos, S. Gaspar, Belchior, Baltesar.

  • 289 Ainda se vê parte do l. A forma legar «ligar» é arcaica.
  • 290 Pronuncie-se estê «esteja».

141E acabada a missa, o clérigo lance a estola sobre o doente, e diga o Evangelho de Recumbentibus undecim discipulis sobre el, estando em giolhos, e [l]eguelhe289 [em] o collo esta nomina que este290 no altar em quanto disserem a missa:

142= In nomine Patris et Filii et Spiritus Sancti. Amen.

Image 10000000000000590000004ABE28294E84EA4CA1.jpg

143Rex qui regnas in Trinitate, nom tradas corpus meum in potestatem inimicorum meorum.

Image 10000000000000330000002EDA2DEF68CC35DB43.jpg

144Ecce crucem Domini, fugite partes adversæ

Image 10000000000000520000004059DEB99291EF2EC9.jpg

145Vincit leo de tribu Juda, Radix David Alleluia. Crux

Image 1000000000000040000000342F74E0BA9BFA5AE8.jpg

146Domini, quam semper adoro, sit mecum

Image 100000000000003C0000002C1C23495281C80786.jpg

  • 291 Palavras de forma e sentido ininteligíveis, como nos textos mágicos é vulgar.

147Crux pia sit mihi refugium et salus. Amen. Et Verbum caro factum est et habitavit in nobis, et vidimus gloriam ejus quasi Vnigeniti à Patre, plenum gratiae et veritatis. In nomine Domini nostri IESU Christi, diabole, vade retro, non tentabis de cætero servum Christi. Amen. Amarus es antrax tua et secum es de seculura tu es pelis epilicule peliocre291.

Image 100000000000003800000034ED07F20BF93616FB.jpg

Image 100000000000004A0000003F90A0234B7F1AAAC4.jpg

148Gaspar, Belchior, Balthasar=.

Image 100000000000004A0000003EDB399A7E36D669EA.jpg

149Se for hum espirito, com a primeira missa sairá; se forem mais, digão tres missas sempre com 12. candeas escrittas como da prim[eira: e] daquel Ap[ostolo] cuja for a candea que tom[a]r o enfermo diga a missa».

Do Livro manuscrito da Cartuxa de Évora, códice da Biblioteca Nacional de Lisboa, n.° 3390, cópia de um texto do séc. XV: fls. 188-189 v (=176-177 v). – As folhas estão rotas no alto, e por isso pus entre colchetes as letras que suponho faltam. – Esta nómina pertence a uma classe de fórmulas mágicas que entre nós se chamam também escritos e cédulas (sedulas), e que os Judeus chamavam φυλαχτήρια. Acerca de nómina e escrito vid. O Arch. Port., XXII, 34, n. 2. Cédulas conheço duas impressas, que vi em 1916: uma no Fundão, contra incêndios, outra na Covilhã, contra más tentações, e ambas elas conservadas devotissimamente pelos possuidores. Acerca dos φυλαχτήρια vid. Elworthy The evil eye, p. 389 sgs.

II – Nó de Salomão

Image 10000000000000410000003ED512735010AD2E5E.jpg

  • 292 Da Colección de firmas (já citada) de Muñoz y R vero, cuaderno 1.°.
  • 293 Em pergaminhos da Torre do Tombo; caixa 85, maço 1.°, doc. n.° 12, n.° 46, e maço 2.°, doc. n.° 50.
  • 294 Usi nuziali dell’Umbria, p. 6.
  • 295 N.os de entrada 6:089 e 6:104.

150Vimos a pp. 65 e 100 que numa iluminura das Cantigas galegas de Afonso X de Leão e Castela há um pentalfa e um sino-saimão dobrado; a par com eles figura, entre outros, o desenho que ponho ao lado e que terá pois também significação mágica. Estão no mesmo caso os sinais representados nas Figs. 226 a 229, de assinaturas de reis de Navarra e Aragão, dos sécs. XI e XII, com os quais, como vimos a p. 65 e 99-100, concorre o pentalfa, o hexalfa e o sino-saimão dobrado, em assinaturas análogas292. Podem igualmente comparar-se-lhes as Figs. 230 a 232, que representam sinais de tabeliães nossos do séc. X111293. Todos estes sinais são um tanto parecidos com a Fig. 233, que se vê como emblema de rocas artísticas que os namorados oferecem na Úmbria (Itália) às suas namoradas, emblema que se chama nodo di Salomone. O Prof. G. Bellucci, que é quem ministra esta informação, acrescenta: «Nelle tradizioni popolari, non solo italiane, ma di tutta l’Europa meridionale, Salomone dà il nome anche ad altri nodi o segni»294. Ligar-se-á acaso com isto um desenho que enfeita duas comas artísticas do Alentejo, existentes no Museu Etnológico: Fig. 234295; todavia não lhe ouvi dar nome, nem sei que nas nossas tradições exista a expressão nó de Salomão.

  • 296 «Der Salomonsknoten» nas Mittheilungen der anthropolog. Gesellschaft in Wien, vol. XIX, pp. 41-42.

151Do nó de Salomão italiano conheço outros paralelos, que aqui reproduzo de um artigo de W. von Schulenburg296: Figs. 235 e 236, os quais são também de Itália; o nó representado na Fig. 236 vê-se desenhado em paredes de casas e de igrejas, em bancos, etc., e é usado na costa ligúrica, principalmente entre marítimos, que, além do nome de nodo di Salomone, lhe dão o de gruppo di Salomone; a Fig. 235 representa um nó verdadeiro, usado igualmente pela gente do mar, o qual serve, com os referidos nomes, para, por exemplo, se atar um mastro danificado por tempestade. O autor do artigo não sabe ao certo se a estes ou semelhantes nós se atribuem superstições, ainda que suspeita que sim, e por isso cita a Deutsche Mythologie de J. Grimm, onde se fala de nós mágicos que desencadeiam ventos; ao mesmo tempo pergunta se o nó górdio dos antigos poderá equiparar-se aos factos citados.

  • 297 Pergunto se haverá acaso alguma relação entre as supracitadas figuras e as que têm os n.os 237 e 23 (...)

152Nem Schulenburg, nem Belluci se lembraram de comparar o nodo di Salomone com o nodus Herculaneus = Ήράχλειος δέσμος, ’Η. άμμο dos Gregos e Romanos; por outro lado. E. Saglio, que escreveu um instrutivo artigo acerca deste nodus ou δἐσµoς no Dict. des antiquités grecques e rom., não o compara também com o nodo italiano: e não obstante, a comparação impõe-se, pois tudo isto são nós mágicos: o nome de Hércules, famoso semideus da Antiguidade, foi substituído pelo de outro vulto célebre, qual era Salomão, nas crenças judaico-cristãs297.

153Já nas Religiões da Lusitania, I, 118, nota 2, citei alguma bibliografia sobre nós mágicos, e para lá remeto o leitor. Depois da publicação do meu volume tive conhecimento de uma obra de Frazer, muito notável, Le rameau dor (tradução do inglês): no vol. I (1903), p. 319 sgs., estuda o A. desenvolvidamente os nós mágicos, citando numerosos factos colhidos na etnografia universal, e referindo-se também ao nó górdio. Mais uma obra importante apareceu depois do volume I das Religiões: a Magie & Religion dans l’Afrique du Nord, de E. Doutté, Argel 1908, onde, a p. 87 sgs., se trata igualmente da magia dos nós. Também no sugestivo livro de Ch.-V. Langlois, La connaissance de la nature au moyen âge, Paris 1911, se cita, a p. 163, um trecho literário do séc. XIII, em que se fala de uma superstição finlandesa, respectiva ao nó dos ventos. Vid. além disso: Mélusine, II, 184 sgs.; Curra de Vaux, La doctrine de l’Islam, 1909, p. 70.

  • 298 Ouvi esta superstição a várias pessoas do distrito de Évora (Reguengos, etc.).
  • 299 Vid. as minhas Trad. Pop. de Portugal, p. 313. – Voga uma superstição quase igual na Rússia, e outr (...)
  • 300 Muitas vezes ouvi dizer em pequeno que quando se perde uma cousa, ela se deve dar ao Diabo por amor (...)
  • 301 Já depois de escrito este apêndice, eu soube que nos Açores, quando não se acha uma coisa que se pr (...)

154Embora nos costumes de Portugal nada exista, que eu saiba, a respeito do nó de Salomão, há porém alguma coisa a respeito do nó mágico, considerado em geral. Assim, quando uma pessoa não acha um objecto que perdeu, dá um nó na ponta do lenço de assoar, e vai com este na mão à procura do objecto. Se continua a não o achar, mais aperta o nó. Diz-se, por eufemismo, que se aperta a cauda do Diabo, mas a ideia é que se apertam os testículos dele298. Segundo outra versão, ata-se um lenço à perna de uma cadeira, e recita-se uma fórmula299. Os nós mágicos têm fundamentalmente por fim prender os espíritos, ou os bons ou os maus. Assim como o Diabo leva consigo as almas perdidas, assim se supõe que tem em seu poder qualquer cousa que se perde300, e por isso prendem-no para evitarem que ele faça maior mal. Contudo a boa lógica mandaria que o prendessem antes de ele o ter feito301!

III – Moeda com o pentalfa (vid. supra, p. 93)

155No vol. I das Moedas de Portugal, p. 143, publica Teixeira de Aragão uma moeda de bolhão, que represento na Fig. 239, e em cujo anverso se vê um pentalfa – moeda que ele diz aparecera em Coimbra com outras de que lhe fora às mãos um exemplar por dádiva do Dr. Serra de Mirabeau, hoje falecido. Este exemplar passou depois para o gabinete de numismática do Paço Real da Ajuda. Aragão atribui a moeda a D. Afonso Henriques, e junta a propósito do sino-saimão algumas notas comparativas, a pp. 146-147. – Por curiosidade, reproduzi, como símbolo numismático-etnográfico, a moeda no frontispício de um opúsculo que publiquei em 1888 com o título de Numismática Nacional, lição inaugural de um curso professado por mim na Biblioteca Pública de Lisboa.

  • 302 O Sr. Ferreira Braga, sem mais, considera-a grosseira falsificação: vid. O Arch. Port., xxii, 213.

156Como, apesar da notória autoridade do mestre da Numismática portuguesa, a moeda tem o seu quê de estranho302, escrevi ao Dr. Mirabeau pedindo-lhe informações circunstanciadas do achado, e ele mandou-me as seguintes, que extraio de uma carta sua, de 15 de Fevereiro de 1889:

157«A moeda desenhada no rosto da sua prelecção inaugural foi encontrada na demolição de parte da antiga muralha de Coimbra, junto á Estrella. Muito ao sopé da muralha preparava-se o terreno para se edificar um predio. Foi necessário brocar algumas saliencias e desfazel-as por meio de polvora, afim de se nivellar o terreno. A muralha, que sustentava um pequeno quintal e talvez os alicerces da casa pertencente então ao D.or Neiva, resentiu-se do abalo, causado pela explosão da polvora. Entenderam os peritos que era indispensável apear a muralha e fazer de raiz um grosso paredão para sustentar o pequeno quintal e talvez tambem a casa. Não posso indicar a V. em que altura da demolição appareceram as moedas; sei que os operarios despresaram inteiramente o achado, e que apenas foram ter á mão d’um sujeito de edade quatro exemplares para que elle dissesse se aquillo tinha valor. O homem respondeu que servia para o seu neto brincar; e levou as moedas ao neto. Passado tempo um amigo, a quem eu já devia a fineza d’uma offerta, vio o pequeno a brincar com as moedas e pediu-lh’as para m’as offerecer. Recebi-as passado quatro mezes talvez depois que foram encontradas. Duas estavam muito bem conservadas, uma defeituosa e outra tão carcomida que era inaproveitavel. Confesso que não consegui classificar aquellas moedas. Apareceu pouco depois em Coimbra o nosso collega Aragão; mostrei-lhas, e foi elle quem classificou os exemplares como pertencentes ao 1.° Affonso. Nos escriptores portugueses não achava eu esclarecimentos alguns. A numismatica de Hespanha devia dar-me alguma luz. Infelizmente na segunda biblioteca do reino não ha livros de numismatica daquella nação. Aceitei pois a classificação do amigo Aragão, voto autorisado pelo que conhecia das moedas espanholas. Não consegui ainda consultar nenhuma das obras classicas, que conheço de nome, sobre as moedas hispano--christãs & &. Depois das ultimas edições da historia do Lafuente, onde se acham os desenhos das moedas dos diferentes reinados, somente encontrei o desenho d’uma moeda de D. Affonso 1.° d’Aragão, quando casado com D. Urraca, e ainda contemporaneo do nosso 1.° rei, que se assemelha ás do achado em Coimbra. Na mesma obra vem outro desenho muito mais semelhante ao n.° 5, da obra de Aragão. Escuso dizer a V. que empreguei todos os esforços para alcançar maior numero das moedas encontradas na muralha. Certificaram-me que haviam apparecido muitas, com a infelicidade de serem despresadas pelos operarios. Aqui tem pois a informação exacta do que se passou».

158Depois que recebi a carta, estive em Coimbra, e tornei a falar na moeda do Dr. Mirabeau: ele confirmou naturalmente o que escrevera na carta, e acrescentou que, se havia alguma moeda autêntica, era esta.

159Apesar de tudo, seria bom que uma junta de numismáticos examinasse de novo a moeda, e discutindo a sua autenticidade, visse se nela realmente se lê «Port», inicial de Portugalis ou Portugaliae. O exemplar que existia no Gabinete Real do Paço da Ajuda consta-me que está guardado com o restante monetário, e não pode hoje facilmente ser visto; mas os exemplares com que ficou o Dr. Mirabeau existirão talvez ainda em poder de quem lhe herdou os bens.

IV – Frontispício do Livro de S. Cypriano

  • 303 Adquiri-a num alfarrabista do Porto, há muitos anos.

160Para melhor inteligência do que se diz acima, p. 98, reproduz-se na Fig. 240, de tamanho natural, o frontispício da primeira das obras lá citadas, a qual faz parte da secção etnográfica da minha livraria particular303.

161O Livro de S. Cypriano pertence à literatura mágica: vid. supra, p. 68, nota 2.

Notes

1 Pentalfa, de πέντα «cinco», e ἄλφα, nome da primeira letra do alfabeto, – significa «cinco alfas», por causa do aspecto da figura: é palavra usada por vários eruditos, por exemplo: Chr. A. Lobeck, Aglaophamus sive de theologiae mysticae Graecorum causis 1829, p. 1346; Minervini, Novelle dilucidazioni sopra uri antico chiodo magico, 1846, p. 23; Le Blant & Renan, in Revue Archéolog., ii, 345; Teixeira de Aragão, Moedas de Portugall, I, 147; Head, Historia nummorum, p. 465 (pentalgon or pentalpha.) Os eruditos dizem além disso: pentagrama (melhor seria dizer pentagramo = gr. πεντάγραμμον); também são deles as expressões pentágono, polígono estrelado. Os Ingleses empregam pentacle (vid. o Dicionário de Webster). Nos livros de Magia lê-se estrela de Mercúrio, por exemplo nos Secrets merveilleux de la magie naturelle et cabalistique du Petit Albert, trad. do lat., Lião de França 1791, p. 147. Adiante encontraremos designações paralelas.

2 Hexalfa, de εξ «seis» e ἄλφα. Sinónimos: hexagrama (hexagramo), etc.

3 Vid. O Arch. Port., X, 171.

4 Early man in Britain, Londres 1880, p. 378, Cf. também Matériaux pour l’hist. primit. et natur. de l’homme, II, 501-502 (notícia bibliográfica do opúsculo de G. de Mortillet, Le Signe de la croix avant le christian., Paris 1866).

5 Este texto tem sido já muitas vezes citado pelos eruditos que se ocupam de magia.

6 Vid.: Wroth & Poole, Greek coins of Mysia (publicação do Museu Britânico), Londres 1892, est. xxxiv, e pp. 171-172; Head, Historia numorum, 1.a ed., pp. 464 e 465.

7 Vid. Head, Greek coins of Caria, Cos, Rhodes, etc. (publicação do Museu Britânico), Londres 1897, p. 242.

8 Consta de dois volumes, um de texto, outro de estampas.

9 Vid. nas estampas, p. 123, o n.° 62. A p. 125 figura o pentalfa a par com o hexalfa.

10 Vid. no texto e nas estampas os n.os 341, 357, 377, 379.

11 P. 343.

12 P. 343.

13 Vid. Mionnet, Description des médaill. antiq. (1822-1847), t. i, p. 123, n.° 246. – Na secção das moedas dos «Populi et urbes et reges» do Gabinete Numismático da nossa Biblioteca Nacional há um exemplar com o pentalfa bem claro: é o que represento na figura do texto.

14 Head, Hist. numorum, p. 89.

15 Mionnet, Descr. des méd., I, 125, n.° 265. – No nosso Gabinete Numismático há também um exemplar: é o que represento no texto.

16 Cf. Head, p. 36, que a não cita porém.

17 Cf. Rasche, Lexicon univ. rei numariae, vol. vi, col. 827, s. v. «pentagonon». A moeda tem: YEɅHTΩN, isto é, «dos Velienses».

18 Relacionei-me com o Sr. Polítes em Atenas, em 1805, por ocasião de um congresso arqueológico a que aí assisti. Tendo-me ele mostrado em bibliotecas públicas vários códices em que se via traçado o signum Salomonis, pedi-lhe me desse extractos dos respectivos textos, o que ele fez depois por carta, e levou a sua amabilidade a acrescentar-lhe notícias sobre o mesmo signum, colhidas, umas na tradição oral grega, outras em livros impressos. Destas últimas eu já possuía algumas, pois havia muito que pensava em publicar o trabalho que hoje dou a lume. Com relação às que não possuía, e cujo conhecimento devo ao Sr. Polítes, bem como com relação às notícias manuscritas e às orais, terei o cuidado de, como acima comecei a fazer, citar no decurso do presente trabalho o nome do meu generoso informador.

19 Vid. um artigo de R. Förster nos Annali dell’ Istituto, Roma 1869, p. 157, e a estampa nos Monumenti dell’ Istituto, t. IX, tab. IV (devo esta indicação ao Sr. Professor Polítes). As figuras extraio-as dos citados Monumenti.

20 Vid. Palestine Exploration Fund, de Thiersch-Petters, «Prainted tombs ar the Necropolis of Marissa, de ed. Londres (esta obra não a conheço directamente: regulo-me por uma informação que me deram).

21 De incantationibus seu ensalmis, Évora 1620, p. 27. Discute as virtudes da raiz a p. 195.

22 Vid. a ed. de F. Liebrecht, Hannover 1856, pp. 8-9, e a anotação 12 que este erudito lhe apõe a p. 77.

23 Antiguidades Judaicas (ed. de Didot, 1845), liv. VIII, cap. II, § 5.

24 A respeito do anel e selo de Salomão, cf. Rev. des trad. pop., VII, 377 segs.

25 The Jewish Encyclopedia, viii, 251-252. Acerca do anel e selo de Salomão, vid. a mesma Enciclopédia, XI, 442, e também Reinaud, Monuments arabes du Duc de Blacas, I, 165-166; II, 52-55. (Desta bela obra há um exemplar na Biblioteca Nacional de Lisboa, que para ela comprei em Paris, chez Maisonneuve).

26 A. Blanchet, Études de Numismatique, I, 127. Diz ele que o hexalfa foi preferido pelos Judeus ao pentalfa, por causa do seu aspecto simétrico; mas, como vamos vendo, os Judeus usam bastante o pentalfa. – Este A. cita a p. 128 muitas obras que não posso aproveitar, por não as haver em Lisboa.

27 Extraídas de Jewish Encyclopedia, xi, est. 2.a, figs. 38 e 41. No segundo selo o hexalfa está seguro pelas garras dianteiras do leão de Judá, posto de pé.

28 G. Girot, Recherches sur les juifs espagn. et portug. de Bordeaux, Bordéus 1909, p. 121.

29 Os desenhos são extraídos de um diploma que o Sr. Dr. Alfredo Bensaúde me comunicou.

30 Aubrey, Remains of gentilisme and judaisme (séc. XVII), publicados por J. Britten, Londres 1881, p. 51.

31 Medida da l.a esteia; 0,56 m x 0,41 m.

32 Em Luxor comprei um disco análogo, porém não tem hexalfa, só tem inscrição.

33 O reverso é anepígrafo. Esta moeda é um «meio quirate». Cf. A. Vives, Monedas de las dinast. arábigo-españ., Madrid 1893, p. 338, n.° 2006.

34 Ofereceu-ma o Sr. Francisco Pedro Galinoti. A outra face da moeda tem letras arábicas, porém nenhum emblema.

35 Cf. outros exemplos in France-Maroc (revue mensuelle), Paris-Rabat, n.° 2, 1818, pp. 37- -38 («haçanis» de Mulay El Hassan e de Mulay Abd El Aziz.) – A moeda desenhada na Fig. 37 (de bronze) foi cunhada em Paris no ano de 1330 da Hégira.

36 Études de Numismatique, I, 128.

37 Monuments arabes du Duc de Blacas, II, 49-55.

38 Cf. O Arch. Port., X, 171, onde publiquei outros exemplares.

39 Vid. vol. ii, p. 52 sgs. e 240, e est. i e ii.

40 Seligmann, Der böse Blick, II, 254-,

41 E. Doutté, Magie & Religion dans l’Afrique du Nord, Argel 1903, p. 1908, pp. 154-156. (Deste livro deu notícia o Sr. Pedro de Azevedo na Rev. Lusit., XIV, 309 sgs.).

42 Belluci, Parallèles ethnographiques, Perúgia 1915, pp. 47, 48 e 50. Na Fig. 42 há um simulacro da mão de Fátema ou Fátima: cf. Belluci, p. 47.

43 The Evil Eye, Londres 1895, pp. 249-250.

44 Seligmann, Der böse Blick, II, 19, e vid. p. 140.

45 Da revista londrina, intitulada Man, Setembro de 1905.

46 Acerca de palavras mágicas vid. o que adiante, p. 60 e nota 4, se diz das letras efésias. Cf. também: Rev. Lusitana, II, 261; e The evil eye, Londres 1895, p. 389 sgs. onde seu autor, Elworthy, consagra um capítulo a «cabalistic writing, magicai formula».

47 Como observarei adiante, há por vezes confusão entre pentalfa e hexalfa. Assim, o Sr. Doutté, na obra há pouco citada, diz a p. 156 que a forma hexagonal se chama entre judeus e muçulmanos khatêm Souleïman «selo de Salomão»; eu ouvi no Egipto, como noto acima, dar o mesmo nome ou nome quase igual (khâtam Salaïman) ao pentalfa: e isto sem dúvida nenhuma.

48 Acerca da crença no poder de Salomão, no Alcorão, sura XXI, v. 79, vid. Reinaud, Monuments arabes du Duc de Blacas, II, 162 ss. (Paris 1828).

49 A lenda do anel de Polícrates, que nos é conhecida por um passo de Heródoto, aplica-se a Salomão na tradição arábica: o Rei-Sábio perde o anel, que depois se encontra no estômago de um peixe. Tanto o selo como o anel figuram em contos populares muçulmanos. Vid sobre estes assuntos: Jones, Finger-ring Lore, Londres 1898, pp. 91 e 503; Basset in Rev. des trad. pop., III, 365-368; F. M. Esteves Pereira, O Anel de Policrates, Coimbra 1915 (separata do Boletim da 2.a cl. da Ac. das Sc., vol. IX).

50 King, The Gnostics, Londres 1887, p. 388.

51 Th. Inman, Ancient pagan and modern christian symbolism, Londres-Liverpool 1869, p. 26.

52 Inman, ut supra, p. 27.

53 Vid. Panjab Notes & Queries, vol. II (1884), p. 5: pentalfa com várias letras e números, e no centro o nome da mulher de que se trata.

54 Vid. Panjab Notes & Queries, vol. iii (1885), p. 205: «Draw this figure (pentalfa) in ink three times, at intervals of five minutes, over the wound, and the pain will disappear».

55 Tuchmann, «La fascination», in Mélusine, ix, 127.

56 King, ut supra, p. 388.

57 Vid. A. Blanchet, Monnaies Gauloises, Paris 1905, figs. 265 e 378. Cf.; Mélanges de Numismatique, i, 171, e 391; e H. Gaidoz, Le dieu du soleil, Paris 1886, pp. 69-71. – Entre os meus apontamentos acho um em que se figura uma chapa com um hexalfa, e que tem ao lado a seguinte indicação: Bulliot, Sur l’émaillerie gauloise (Bibracte: fouilles), p. 4. Este apontamento foi tomado há muito e não me lembro do que é que particularmente significa.

58 Revue Numismatique, 1857, p. 189 (Cavedoni); Babelon, Monn. de la Républ. rom., I, 101, e cf. p. 347.

59 Vid. «Estações pré-romanas da Idade do Ferro», in Portugalia, II, 343. Ele também publica desenhos dos dois fragmentos na est. XXVII, n.os 192-193.

60 Loc. cit., p. 316; cf. p. 317.

61 A cerâmica de Santa Olaia, a que os desenhos pertencem, é de tipo ibérico. Segundo as últimas investigações dos arqueólogos, a Grécia pode ter exercido, por importação, muita influência na origem da cerâmica ibérica dos sécs. VIV-V a. C. em diante (vid. Bosch Gimpera, El Problema de la cerámica ibérica, Madrid 1915, p. 63); não é porém de tão longe que virão os nossos graffiti.

62 Vid. Heim, Incantamento magica, § 56 e 169. As palavras Gaius Seius parece que querem dizer «Fulano»: vid. eundem, § 56, n. 1.

63 Cf. Heim, ut supra, p. 522.

64 Silviae vel potius Aetheriae Peregrinatio ad loca sancta, ed. de W. Heraeus, Heidelberga 1908, p. 42.

65 Chamam-se letras efésias, em grego ’Εφέσια γράμματα, em latim Ephesiae litterae, certas palavras mágicas e ininteligíveis, de origem antiquíssima, que os Gregos, Egípcios e Romanos usavam escritas em amuletos, etc., contra diversos males. Há uma colecção publicada por Wessely em 1886 num programa do Gimnasio Vienense de Francisco José, à qual Heim acrescenta outras, nos Incantamenta, p. 525 sgs. Vid. também o Dict. des antiq. de Daremberg & Saglio s. vv. «amuletum» (p. 255) e Ephesia» (p. 639). E cf. supra, p. 57.

66 Este prego foi estudado e publicado várias vezes. Tenho aqui presentes: um eruditíssimo e raro opúsculo de Minervini, Novelle dilucidazioni sopra un antico chiodo magico, Napoles 1846; Delectus inscriptionum Romanarum de C. Zell, Heidelberga 1850, p. 61, n.° 420; Anleitung der römisch. Inschrift, p. 164; a conhecida dissertação de Iahn, Der böse Blick bei den Alten (1855); Exempla inscript. Latinar. de Wilmanns, t., II (Berlim 1873), n.° 2751; Incantamenta magica de Heim, § 236. Na minha transcrição sigo a lição de Heim. Na lição de Minervini há de antes de Domna. – Quanto à data do prego, não estão de acordo os arqueólogos: será ele do séc. v ou IV da era cristã (Minervini, p. 4).

67 Novelle dilucidazioni, já cit., p. 23,

68 A este propósito diz uma graciosa cantiga mexicana: Salomón, con ser tan sabio,
lo engañaron las mujeres...
vid. A. M. Espinosa in Journal of American Folklore, xxvi, 112, n.° 609.

69 Antiguidades Judaicas (já cit.), liv. VIII, cp. II, § 5. Há quem suponha interpolado este texto, mas a Encicloprdia Judaica, xi, 446, dá-o como genuíno, e cita outros documentos históricos.

70 Vid.: The Jewish Enciclop., xi, 446., Roux de Liney, Le Livre des proverbes, t. i, p. viii e n. 1, e p. ix-xi; Minervini, Novelle dilucidar., já citadas acima, pp. 21-22, E. Lévi, Hist. de la Magie, Paris 1812, p. 109; Maury, La Magie et l’Astrolog., 4.a ed., p. 224. Na Biblioteca de Oxford há um manuscrito da Clavicula doado a ela no séc. XVII: vid. Aubrey, Remains of gentil., já cit., p. 51. Um manuscrito do Museu Britânico foi publicado em Londres em 1889 por Mac Gregor Mathers com o título de The Key of Solomon: vid. Mod. Language Notes, XXII, 248. O lexicólogo Bluteau diz que viu «em Paris hum livro manuscrito, cheyo de sinos circulares, pentagonos, hexagonos, rhombos, e rhomboides, falsamente attribuido a Salomão; o titulo do livro dizia: Clavicula de Salomão» (vid. Vocabul. Port. e Lat., s. v. «sino-çamão».) A Clavícula também foi conhecida em Portugal: fala-se nela no processo inquisitorial do P.e António de Gouveia, alquimista do séc. XVI: Clavycola de Salamão (e Arte de Salomão); vid. P. de Azevedo in Archivo Hist. Port., III, 195. (Creio ter outra nota portuguesa, porém não a encontro agora).

71 Códex da Biblioteca Nacional de Atenas, n.° 1265, do séc. XV ou XVI, fl. 33.a; códex do Archivo da Soc. Hist. e Etnológica de Atenas, do séc. XVIII, fl. 32.“. – Esta notícia e a que se lhe segue devo-as ao Sr. Polítes, a quem já me referi supra.

72 Cód. n.° 1265, fl. 16.a; da Soc. Hist., fl. 12.a Eis outros preceitos tirados da Solomoniké: Para a preparação dos amuletos, o mágico que convoca os espíritos terá consigo um amuleto em que haja um pentagrama inscrito num círculo e traçado em um pergaminho feito da pele de um veado ainda não nascido (ms. da Soc. Hist., f.° 17 b). Para o descobrimento de um tesouro, o mágico deve ter um círio em que esteja traçado um pentagrama; a criança que o acompanha deve ter outro pentagrama, a modo de amuleto (ms. da Bibl. Nac. de Atenas, f. 26.a).

73 Apud Minervini, Novel. diluc., já cit., pp. 23-24. – Conquanto antiquada, convém lembrar aqui a seguinte obra, que trata dos livros de Salomão: De rebus Salomonis regis, por Juan de Pineda, Sevilhano e Jesuita, Lião de França 1809, p. 156 sgs. isto é, liv. III, cap. 29 (consultei o exemplar da Academia das Ciências de Lisboa). Às incantationes, clavicula e anulus há referências no §7. O A. fala, já se vê, como católico, e suspeita da autenticidade do que diz Josefo. Mas para o meu intuito o que me importa são as superstições, e extensão destas, e não se o texto de Josefo é puro ou impuro. Cf. supra, p. 60, nota 8.

74 In Bulletino di Arch. cristiana, vii (1869), 59-64.

75 Acerca de medalhas bizantinas com ideias gnósticas vid.: Schlumberger, in Mélanges d’archéolog. byzant., 1895, 1.a série, 117 sgs.; Sorlin-Dorgny, in Rev. des études grecq., iv, 1891, p. 287; Babelon, in Bullet. de la Soc. des Antiq. de France, 1897, p. 190; Bullet. de corresp. hellén., XVII, 1893, p. 638. (Consultei algumas destas obras em Atenas em 1905, no Museu Numismático). Vid. também: Babelon, Traité des mon. gr. et rom., I, 689, onde menciona as referidas obras e cita por exemplo medalhas com legendas como: CΦΡΑΓΙC CΟΛΟΜΟⲨΝΟΣ ΒΟΗΘΙ ΙΩΑΝΝΟⲨ «selo de Salomão, socorre João»; e Heim, Incantamenta magica Graeca Latina, Leipzig 1892, §§61 e 62, que remete para Schlumberger, in Rev. des études grecq., v (1892), 73 sgs., artigo intitulado: «Amulettes Byzantins anciens destinés à combattre les maléfices el maladies». – Nos citados Mélanges, i, 1895, Schlumberger não indica a data das medalhas, mas o sábio director do Museu Numismático de Atenas, o Sr. Svoronos, disse-me que talvez sejam do séc. vi da era actual.

76 A palavra deriva de γνωσιχοί «sabedores», – de que γνώσις «acção de conhecer», «ciência», no nosso caso «conhecimento de Deus».

77 Vid. Enciclopädie de Paulym s. v. «Gnosis (Gnostici)».

78 A palavra «abraxas» tem sido variamente explicada. Uns vêm nela αδραξάς ou ἁδρασαξ cujas letras perfazem o número «365», que representava 365 manifestações da divindade. Depois a palavra passou a significar não só uma pedra ou amuleto que a tivesse gravada, mas qualquer outra pedra que contivesse símbolos gnósticos. Vid. Dict. génér., s.v. «abraxas». Outros supõem que a palavra será desfiguração de uma bênção hebraica (o que parece mais provável): vid. Hubert., in Dict. des Antiq., s. v. «magia», p. 1505. Cf. o mesmo, no cit. Dict. des Antiq., s. vv. «abraxas» e «gemma». – No 4.° compartimento egípcio do Museu Britânico há muitas pedras gnósticas (gnostic gems), com sentenças mágicas, figuras de deuses, de demónios, de animais, etc.: cf. A guide to the exhibition galleries, Londres 1912, p. 48. Entre essas pedras preciosas vi também um «pantheistic god Abrasax», com cabeça de galo, pernas terminadas em serpentes, etc. – Acerca de documentos gnósticos na Espanha (inscrições, etc.) vid. M. Macias, Epigrafía romana de Astorga, Orense 1903, pp. 41-44, 113-116 e 141 sgs.

79 L’antiquité expliquée, t, ii (= vol. 4.°), est. 169, em frente da p. 374, est. 160. Cf. também: Reinaud, Monuments arabes du Duc de Blacas, já cit., II, 241 e nota 4; Loiseleur, La doctrine secrète des Templiers, 1872, pp. 130; e King, The Gnostics, p. 423.

80 O nome está em latim: Abrahamus Gorlaeus. Este A. é de Amsterdão.

81 Devo o conhecimento desta obra ao sr. Polítes. Sirvo-me de um exemplar da ed. de 1695 (Leiden), 2 tomos, com explicações de Gronovio, que existe na biblioteca da nossa Academia, onde também encontrei uma edição francesa, mais breve, com o título de Cabinet des pierres antiques gravées... tirées du Cabinet de Gorlée et autres célèbres cabinets de l’Europe, Paris 1778, igualmente de dois tomos. Da edição latina conheço outro exemplar, Leiden 1707, que consultei em Roma.

82 No texto diz-se, por equívoco, hexagonum em vez de pentagonum.

83 Uma serpente que morde a cauda é bem conhecido símbolo do curso da eternidade (curso do Sol e do tempo). Cf. Cumont, in Rev. Arch., 1902, i, 3 e 5; eundem, Imithras ii, 208, e Fig. 36, e i, 80; Toutain, Les cultes paiens, ii, 127; Elworthy, The Evil Eye, p. 311 (símbolo de perpétua união).

84 Isto é, «de Chiflet».

85 Cf. o que escrevi supra, p. 51.

86 Vol. III (ed. de Paris), entre pp. 358 e 359.

87 Ob. cit., s. v. «abacus».

88 Corpus Inscr. Lat. XVI, 4091-72.

89 Corpus Inscr. Lat., XIV, 4091-80. Remete-se aí o leitor para as Notizie degli scavi, 1883, p. 88.

90 Mélida, Excavaciones de Numancia, Madrid, 1898, p. 68.

91 Notiones Archaeologiae Christianae, II, ii, 10.

92 Tom. x, p. 486: apud Revue Archéolog., 1860, ii, 345-350.

93 Vid. O Arch. Port., I, 104 (artigo de V. Natividade), e III, 86 (artigo do Dr. Santos Rocha). Os dois autores dos artigos atribuem as peças à época romana. Todavia não seria impossível que pertencessem antes à visigótica.

94 In Revue Arch., II, 345-350.

95 Vid. Longobardische Plastik, 2.a ed., Kempten-Munich, 1909, pp. 18 e 55.

96 Heim, Incantamenta (já cit.), pp. 563-564.

97 Vid. Cantigas de Santa Maria, ed. da Academia Espanhola, t. I (1889) p. 187, estampa; e cf. p. 76.

98 The Gnostics, Londres 1887, estampa H, n.° 5 e p. 442.

99 Vid. o meu artigo intitulado «Gonçalves Viana» no Boletim da 2.a cl. da Academia das Ciências, X, 619, n.° 3.

100 Colección de firmas de Muñoz y Rivero, Madrid 1887, cuaderno 1.°.

101 Vid. Guigue, De l’origine de la signature et de son emploi au moyen âge, Paris 1863, est. 18.a n.° 6, e est. 19.a, n.° 1 (devo o conhecimento e comunicação desta obra ao Sr. Pedro de Azevedo).

102 «Die Symbolik der Mittelaltermunzen», trad. ingl. no Numismatik Circular, Set.-Out. de 1941, col. 573. Todavia Friedensburg confunde o pentagrama com o fylfot. Esta última palavra é sinónima de suástica ou cruz gamada: vid.: Goblet d’Alviella, La migration des symboles, Paris 1891, pp. 49-50; e Elworthy, The evil eye, Londres 1895, p. 289.

103 D’Avant, Monn. féodal. de France, t. I, Paris 1858, est. lx, n.° 20-21, est. xli, n.° 2-19, e est. xlii, n.° 19.

104 Vid. o n.° 8 da est. XLI. O anverso diz: RADVLFS + DOM. O reverso: DVX MILICE.

105 O anverso diz: Radulfus: O reverso: Dedolis. – Este Radulfus é um dos senhores de nome «Raoul». Cf. D’Avant, ob. cit., est. xli, n.° 9 (texto p. 273, n.° 1946).

106 Abadias de Furness («early english» período) e Malmsbury: vid. Godwin, «Marks discoverable on the stones of various buildings erected in the middle ages» in Archaeologia (revista), vol. XXX, p. 114, est. VII

107 Vid.: Daniel Wilson, Prehistoric Annals of Scottland, 1863, p. 446, onde com o pentalfa se desenham outros mason-marks; e P. Chalmers, «On the use of mason-marks in Scotland», in Archaeologia, vol. xxxiv, p. 33 e sgs., est. iii e iv.

108 Lampérez y Romea, Hist. de la arquitect. crist. españ. en la ed. med., t. I, Madrid 1908, est. I, tábua em que reproduz vários sinais. Romea ora dá o pentalfa como sinal mágico, ora com o valor de «cinco» (por causa das cinco pontas); ao hexalfa chama também signo numérico, e «macrocosmos, ó sello de Salomón» (vid. a cit. estampa, e também pp. 48-49).

109 O autor dos Remains of Gentilisme, já citado, diz a p. 426 que há um pentagrama na Abadia de Westminster, onde lhe atribui poder mágico; mas será também simples marca de canteiro? O Sr. Dr. Polítes informa-me que o mesmo sinal «forme aussi quelque fois l’ornement central du dallage de certaines églises [da Grécia], comme dans la cathédrale d’Athènes, dans l’église de Megalo Spiléon, etc.». Faço a mesma interrogação. – As marcas ou siglas dos edifícios medievais crê-se que foram gravadas nas pedras pelos canteiros para se saber que trabalho cada um executava. Algumas delas são tradicionais, e ascendem já à Antiguidade. Vid. sobre isto King, The Gnostics (já cit.), p. 385 sgs; colecção de marcas: ibid., p. 386. A uniformidade de tais siglas explica-se por serem na Idade Média feitas as obras de certa importância por obreiros que estavam organizados de modo especial, e comunicavam de uns países com outros. A respeito da França, Inglaterra e Alemanha, a história conhece os obreiros pelo nome de franco-mações; na Espanha parece que não houve propriamente franco-mações, e houve apenas certas corporações gremiárias, que duraram até ao séc. xvi: vid. Lampérez y Romea, ut supra, I, 41-44. O documento mais antigo e mais genuíno acerca dos mações ou construtores da Inglaterra (e refiro-me a este país, por também citar exemplos dele no texto) é do séc. XIII. O «mediæval guild of masons» não era sociedade secreta, era análogo a outras corporações, de carpinteiros, alfaiates. Vid. King, ut supra, p. 385.

110 Vid. Godwin in Archaeologia, t. iii, est, ix («Marks discoverable on the stones of various buildings erected in the middle ages»),

111 Intitula-se: Cõpendio de la Salud humana. Cf. Hist. do Museu Etnológico, p. 270, onde por engano se imprimiu «1914» em vez de «1494».

112 Vid. Janér, «Naipes y cartas de jugar», in Museo Españ. de Antigüed, III, 59.

113 Vid. E. A. Barber, Spanish Maiolica in the collect. of the Hispanic Soc. of Amer., New York 1915, est. 37.

114 A. Blanchet, Études de Numismat., I, 182, n.°2 . – Acima, p. 54, indiquei actos paralelos a este.

115 Perdi a nota respectiva, e não posso indicar o título do livro, nem onde o vi. O dono era estrangeiro.

116 Fls. 217 e 217 v («Fray Iñigo de Mendoça a vn signo de Salomon», e «EI Conde de Tendilla sacó en bordados vn medio signo de Salomon»), Consultei o exemplar da nossa Biblioteca Nacional.

117 Vid. F. Pradel, Griechische und suditalienische Gebete, Beschwörungen und Rezepte des Mittelalters, Giessen 1907, p. 15 e nota à 1.6.

118 Vid. Inventaire des marques d’imprimeurs, 3.° fascículo, 1888, p. 8. Este desenho lembra um pouco o que figurei sob os nos 62 e 64.

119 Vid. Lampérez y Romea, Hist. de la arquit. (já cit.), tábua das marcas: séc. XIV a XVI, Catedral de Lérida e S. Juan de los Reyes (Toledo).

120 Aí se diz que alguns dos elementos da obra provêm da Cabala (p. 1). De uma edição francesa do Enchiridion, de 1813, se dá desenvolvida notícia na Wallonia, I, 145, sgs. A este livro mágico é paralelo o Grémoire du pape Honorius avec un recueil des plus grands secrets, Roma (indicação fictícia) 1670; vid. também Le Grand Grimoire avec la grande clavícula de Salomon et la magie noire ou les forces infernales du grand Agrippa, etc.: é a edição mais ampla; há outra de 1702. Vid. Brunet, Manuel du libraire. A palavra francesa grimoire (ou grémoire) é variante dialectal de grammaire, isto é, «gramatica latina», por conter cousas que o povo não entendia: cf. Dict. génér. de la l. fr., s. v. «grimoire». À mesma classe pertence o famoso Alberto Magno, e bem assim o já citado Petit Albert com os Secrets merveilleux de la magie naturelle et cabalistique (tradução do latim), Lião de França 1791. A respeito de Agrippa, Alberto Magno e de outros muitos magos ou supostos magos, vid. Tuchmann in Mélusine, IV, 396 sgs. e 415 sgs. Entra na mesma categoria o nosso Livro de S. Cipriano. Acerca deste último vid. as minhas Tradições Pop. de Portugal, pp. 305-306, e Adolfo Coelho in Revista Lusitana, i, 166 sgs. – Os livros mágicos modernos e os medievais relacionam-se com os da Antiguidade (papiros mágicos e outros). Dos livros mágicos antigos trata H. Hubert no Dict. des antiq., s. v. «Magia». Cf. também Cumont in Revue de l’instr. publiq. en Belgique, XLVIII (1904), 1 sgs., onde discute um trabalho de A. Dietrich, Eine Mithrasliturgie, publicado em Leipzig em 1903.

121 Vid. Magasin Pittoresque, ano 22.° (1854), p. 24.

122 Vid. sobre isto o resumo que faz Borges Grainha na Hist. da Maçonaria em Portugal, Lisboa 1912, pp. 9-14.

123 King, The Gnostics, p. 392.

124 A Ordem dos Templários foi extinta no séc. XIV (G. Barros, Hist. da Administr., I, 381), porém as suas tradições não desapareceram com a extinção.

125 King, The Gnostics (já cit.), pp. 396-400.

126 Goethes «Faust», ed. do Dr. Ludw. Wilh. Hasper, Gotha 1888, cap. I. Para comodidade do leitor, aqui lhe dou a tradução de Agostinho d’Ornelas:
Mefistófeles:
É mister confessá-lo, um embaraço
A partida me veda, a garatuja
Ali no limiar.
Fausto:
O pentagrama
Aflige-te? Ora dize, infernal ente,
Como pudeste entrar, se te ele expulsa?
Espírito, qual tu, deixa enganar-se?
Mefistófeles:
Repara que não foi bem desenhado:
O ângulo, que p’ra fora se dirige,
Um pouco aberto está, como ver podes...
Fausto, Lisboa 1867, pp. 73-74. – O citado anotador alemão Hasper diz em nota à sua edição: «a força que o pentalfa tem de arredar os maus espíritos cessa de actuar daquele lado em que a ponta do pentalfa está falhada: por isso faz depois Mefistófeles roer por um rato a ponta voltada para dentro».

127 Nota Wuttke: «der volkstümliche Name für das Pentagramma und den sechsspitizigen (manchmal auch siebenspitzigen, Östreich) Stern ist Druden-, Truden- oder Mahrfuss, weil die Hexen und Alpe (Drunden) solche Füsse d. h. Vogelfüsse haben (.. die Fussspur einer Gans, mit den vier Zehen und dem Ballen bildet ungefähr ein Pentagramm)». Vid. Der deutsch Volksaberglaube, 3.° ed., pp. 181-182.

128 Sobre estes e outros casos vid.: Grimm, Deutsche Mythologie, t. III, «Aberglaube», n.° 644 (extr. de um jornal de 1787) e 812 («varia»); Simrock, Hdb. der deutsche Mytholog., Bona 1874, p. 477; Carl Meyer, Der Aberglaube des Mittelalter, etc., Basileia 1884, p. 257; Wuttke, Der deutsche Volksabergl., 3.a ed., §§ 246, 419, 420, 509 etc.; Tuchmann in Mélusine, IX, 127 (este A. diz que também na Alemanha se usa a expressão Drachenfuss, porém não a encontro em mais parte alguma). Acerca da etimologia de Drude vid. Kluge, Etymologisches Wörterbuch, 3.a ed., p. 56.

129 Ofereceu-mo em Albufeira, em 1917, o Sr. Joaquim José de Sousa.

130 Der böse Blick, II, 294.

131 In Monthly Numismatic Circular, XII (1914), 573. Ele lembra que talvez o hexalfa represente a estrela dos Magos que eram olhados como patronos dos viajantes e peregrinos.

132 Ut supra. Da razão disto, falo adiante, p. 84, n. 1.

133 Acerca desta fórmula mágica vid. O Arch. Port. xxiii.

134 Vid. Archives Suisses des tradit. pop., XIII, 152 (artigo de Hoffmann-Krayer).

135 Tuchmann, in Mélusine, IX, 127.

136 Dr. Ploss, Das Kind in Brauch. u. Sitte der Völker, I (Leipzig 1884), pp. 115 e 122.

137 Vid. Archives Suisses (já cit.), IV, 327-328. O Sr. Prof. Stückelberg enviou-me um desenho: é deste, combinado com o que vem nas Archives, que se tirou o que serviu para a Fig. 88.

138 Lambelet in Archives Suisses (já cit.), XII, 105 e 123-121.

139 Vid. «Aberglauben im Kanton Bern» nas Archives Suisses des tradit. pop., XXI, pp. 49, 50, e nota 1.

140 Vid. Revue Anthropologique, xxvi (1916), 360.

141 Cf. Pradel, Griechische und sudital. Gebete (já cit.), pp. 128-129.

142 Neles se indicam receitas mágicas e se dão instruções para a manipulação de amuletos, prescrevendo-se muitas vezes que se trace um, dois ou mais pentagramas nos amuletos. Vid. Polítes na revista grega Pandora, 1867, t. XVII, e os íατροσόφια publicados por É. Legrand na Biblioteca Grega Vulgar, t. II.

143 Cf. supra, p. 68, n. 2. –Tudo o que aqui digo acerca dos Gregos modernos, assim como o que digo na nota antecedente, o devo ao Sr. Polítes, que mo comunicou em carta.

144 Credenze popol. veneziane, Veneza 1874, p. 43.

145 Acerca da cimaruta vid.: Elwortly, The Evil Eye, Londres 1895, p. 345 etc.; e Seligmann, Der böse Blick, I, 296, 297.

146 Dalinowicz, L’art rustique français (sem paginação).

147 Paul Sébillot, in Rev. des trad. pop. III, 315.

148 O próprio R. Salillas, La Fascinación en España, Madrid 1905, apesar de ter enumerado muitos amuletos contra o mau-olhado, pp. 71-91, não especifica o sino-saimão; apenas fala, de modo geral, de «asteriscos» e de «amuletos astrológicos», e decerto o não inclui neles.

149 Forma local de pantasma «fantasma». Nesta região galega o s antes de m e de outras consoantes sonoras muda-se em r: ouvi a galegos, por exemplo, duar mans (duas m.), dour meses (dous m.); factos semelhantas se observam no concelho de Melgaço, que fica fronteiro (dir-me = diz-me, far-me = faz-me, etc.). A palavra grega pantasma ou pantarma tem paralelos noutros falares de Espanha, e igualmente em Portugal.

150 Informei-me disto em 1918, conversando com vários galegos.

151 Vid. Diccionario Univ. Portuguez, publicado por Fernandes Costa, vol. VI (Lisboa 1884), p. 464.

152 A Teosofia, por João Antunes, Lisboa 1915.

153 No Cancioneiro da Vaticana, n.° 1025, há uma obscura poesia em que, na edição diplomática de Monaci, p. 354, se lê «e fisus sou mão», palavras que o Sr. Teófilo Braga transcreveu afoitamente por «e sinus saimãos» na sua edição daquele Cancioneiro, p. 194, e às quais tornou a dar o mesmo sentido n’0 Povo Português, II, 92; mas tal interpretação é mais que incerta! À ininteligibilidade dos versos acresce que na época a que eles pertencem a palavra que hoje se diz sino-saimão terminava em -om, e não podia pois formar o plural em -ãos. Bem sei que isto são coisas de gramática, e que o Sr. Teófilo Braga, apesar de ser autor de uma, zomba dos gramáticos (vid. Obras de C. Falcão, ed. da Renascença, p. 187): mas sem alicerces não podem levantar-se edifícios sólidos.

154 É esta a data determinada pelo Sr. Braamcamp Freire na Revista de Historia, VI, 128- -129.

155 Ed. de 1834 (Hamburgo). – Estes versos já foram citados por mim em 1882 na Rev. da Soc. de Instr. do Porto, II, 397.

156 Acto III, sec. 2.a, fl. 91.

157 Versos do Idylio Magico (= Almanach das Musas, p. 69):
Depois que abrazo a myrrha em cinco lumes, Sobre o sino-sàmão descrito ás canhas...

158 No t. i, (1858), p. 51, diz: «SIGNO SAMÃO, signum Salomonis, cifra ou sello de Salamão, especie de talisman, a que o vulgo attribue differentes virtudes».

159 Uma mulher diz para um frade: «... noutro [braço] tenho um Santo Solimão, que livra de feitiços e maus olhados». A 1.a ed. é de 1867.

160 Vid.: Boletim de Bibliog. Portug., ii, 26; e Archivo Hist. Portug., i. 334. – O Divorcio (ou Divortio) celeste é uma satira italiana do sec. xvii, dirigida contra a Igreja Romana; ha edd. de 1644, 1649 e 1696; vid. Brunet, Manuel du libraire, II, 774, e IV, 327. Como a carta de Vicente Nogueira é datada de 20 de Janeiro de 1646, vê-se que ele se referia à 1.a daquelas edições.

161 Vocabulario Portug. e Lat., s. v. «sino çamão» (t. VII, p. 659).

162 Assim ouvi no concelho de Óbidos a várias pessoas, velhas e novas.

163 Corrente na Estremadura (Óbidos, Caldas da Rainha, etc.).

164 Assim ouvi nos Arcos de Valdevez.

165 Assim ouvi no concelho de Melgaço.

166 Usa-se no Norte, algures.

167 Assim ouvi no Alto Minho, a par de outras formas.

168 Assim ouvi em Guifões (Bouças) e em Viana do Castelo.

169 Assim ouvi no Alandroal.

170 Assim ouvi também no Alandroal.

171 Assim ouvi em Paredes de Coura.

172 Assim ouvi em 1894 na Cova de Lavos.

173 Assim ouvi em Viana do Castelo, a par de sanselimõu.

174 Vid. Rev. Lusitana, IV, 245.

175 Elixir do Universo... oferecido a Salamaõ, Lisboa Ocidental, s.d. (mas a impressão fez-se por 1735): vid. Bibliografia de Manuel dos Santos, n.° 1, de 1918, p. 50, onde se reproduz o frontispício.

176 Parte vi, 1680, pp. 357 e 358.

177 Eis os versos:
Bem dizia Salamão
que todas as femeas são
da pelle de Barzabu,
no Médico à fôrça Lisboa 1869, acto I, c. 1.a.

178 No Archivo Hist. Port., II, 184; e no Cancioneiro Geral de G. de Resende, I (ed. de Estugarda), 50.

179 Vid. o Onomastico de Cortesão, que os cita.

180 Num ms. da Biblioteca Nacional (cód. 199), cap. IX

181 Vid. as minhas Lições de Philologia Port., p. 345.

182 A sàmão, que pressupõe saamão, já me referi na Rev. Lusit., II, 37. A Sr. D. Carolina Michaëlis explicou saimão e saamão como faço acima: vid. Studien z. hisp. Wortdeutung, p. 114, porém na Rev. Lusit., IV, 186, prefere admitir sal’mão, explicando ai por al, o que a mim, salvo o devido respeito, me não parece justo. Vid. também Cornu, Gram. der port. Sprache, 2.a ed., nota ao § 255.

183 Salomão é conhecido do nosso povo noutras circunstâncias, por exemplo: numa lenda publicada pelo Sr. Adolfo Coelho na sua Revista d’Ethnologia, p. 207 («O saibo Salomão»); noutra (diversa), que me contaram em 1917 no Algoz (Algarve); e num anfiguri que ouvi no mesmo ano a uma mulher de Cemache (Condeixa), e que começa assim:
Quando Selamão morreu,
Corpo deu à sepultura:
3 Dentro da caveira nasceu
Uma arbe de grande altura.
Casa rica tem fartura,
6 Quem doba tem seu sarilho
versos de que possuo uma variante, acompanhada de uma lenda, da Mexilhoeira Grande (a ideia de nascer de uma sepultura uma árvore, vv. 3 e 4, conquanto aqui seja zombeteira, tem funda raiz nas crenças do povo: cf. Tradições Popul. de Portugal, p. 125). Salomão tornou-se também na nossa língua o tipo da sabedoria: (cf. supra, p. 60) «é um Salamão, isto é, mui sabio» (Morais, Dicc., s. v. «salamão»); a um herói de um seu romance chama Camilo «o Salomão da terra», por ser muito lido (A Quéda de Um Anjo, 4.a ed., p. 17); «Salamão era um homem muito saibo» (ouvi isto em Beja). Assim como Sansão quer dizer «força», Salamão quer dizer «sabedoria» (Algarve). Vid. também «Conceito popular de Salomão» em A. T. Pires, Cantos Popul. Port. IV, 378-379. – No séc. xvi escreveu Baltasar Dias o Auto delrey Salamam, que foi publicado em Évora em 1612, e outra vez em Lisboa em 1613. – Devo acrescentar que ao epíteto saibo ou sabio, junto pelo povo à palavra Salomão, liga este ideia mais complexa do que a de «sabedoria», isto é, liga também certa ideia de «magia», porque, por exemplo no Minho, diz-se que sabios e sabias são pessoas que adivinham. Também no Minho ouvi falar de um padre sabio da Galiza, que lia exorcismos.

184 D. Maria Peregrina in Rev. Lusit., vi 131-132; Consiglieri Pedroso, Contribuiç. para Uma Mytholog., v, «Superstições» (1881), n.° 314, também citado por Ad. Coelho no «Quebranto» in Rev. de Sc. Nat. e Soc., III, 120, e aproveitada, sem citação, por T. Braga n’0 Povo Portuguez, II, 105. Vid. mais: A. T. Pires, Amuletos Alemtejanos, Elvas 1904, p. 9; Rocha Peixoto, A Tatuagem em Portugal, Porto 1892, p. 25. Idêntica observação vimos acima na Bruxa de Camilo. E eu também assim tenho ouvido, por exemplo, no Cadaval e outras localidades.

185 Pires, op. cit., p. 9. A. Teixeira Bastos, A Tatuagem nos Criminosos, Porto 1903, estampa sem número; Mendes Correia, Os Criminosos Portugueses, 2,a ed. (Coimbra 1914), p. 283. O mesmo tenho ouvido também em várias partes, por exemplo no Alentejo (Alandroal) e no Algarve (Alportel, Cabanas da Conceição).

186 Assim ouvi, por exemplo, no Alandroal. Cf. supra, Camilo, Bruxa de Monte Cordova; e Bluteau, Vocab. Port. e Lat., s. v. «sino çamão ou sino-samão», ainda que ele tem em mente o hexagrama. «O sino de sanselimon é bom contra o feitiço», dizem no concelho de Melgaço.

187 Vid. os meus Amuletos Pop. Portug., § 4 (extr. da Rev. da Soc. de Instr. do Porto, II, 397), e o que digo adiante a respeito de «encomendar as almas». No Alto Minho supõem que o sanselemon serve também «para arrenegar o pecado». Na Guarda crê-se que o sino-saimão evita que entre com a gente o Diabo ou qualquer coisa má.

188 Por exemplo, livra de «cães ruins» (danados) em Óbidos; e em Baião de almas penadas e de maus encontros. Vid. também o meu Estudo Ethnographico, Porto 1881, p. 41, e A Tatuagem de R. Peixoto, p. 25. «Livra de coisa má», dizem no concelho de Melgaço, onde ele é muito conhecido. Muita gente diz apenas: «é bom ter isto». Acerca da dor ciática vid. adiante.

189 Ouvi isto no concelho de Melgaço a várias pessoas. Na vila falei, em 1918, com uma feiticeira ou adivinhadeira, chamada Caiadora, que me mostrou, muito orgulhosa, a palma da mão porque efectivamente as linhas assemelhavam-se a um pentalfa. Esta mulher é muito conhecida na localidade, e dela fala por exemplo, o Jornal de Melgaço, de 7 de Setembro de 1918 (n.° 1:222, ano XXV).

190 Como excepção do amuleto n.° 113, que se copiou de um anúncio, todos os outros pertencem ao Museu Etnológico: são de osso, prata e chumbo.

191 Cf. adiante as figuras que representam o sino-saimão em tatuagens.

192 Ouvi no concelho de Melgaço a uma velha; mas a outras pessoas ouvi que o comestível se deve partir em cruz.

193 Vid. o que escrevi n’O Arch. Port., IX, 141.

194 Bluteau, Vocabulario, s.v. «sino-çamão». A notícia de Bluteau foi aproveitada no Almanach de Lembranças de 1875, p. 272, onde se juntam outras; Pires refere-se a este Almanach na Rev. Lusit., IX, 118. O mesmo Almanach publica um sino-saimão de fantasia, formado de compasso, tira-linhas, régua, lapiseira, com uma estrela no centro, a qual lança raios para todos os lados.

195 Tradições Pop. de Portugal, § 380-d (p. 307).

196 Trad. Pop. de Portugal, § 239-d (p. 110). Já depois que publiquei esta obra, ouvi a mesma superstição noutras partes do Minho. A semente do feto tem muita serventia, por exemplo: quando uma rapariga não quer bem a um rapaz, ele atira-lhe com a semente, e ela «fica logo tola...».

197 Foi-me relatada pelo meu antigo aluno universitário, já mencionado acima, Dr. Manuel Domingues Heleno Júnior.

198 Ouvi no Alandroal. – Adiante veremos outros exemplos, mas desprovidos de carácter supersticioso.

199 Informei-me disto em 1918, ao pé de um forno de cal. Nessa ocasião o forno não tinha o sino-saimão, mas uma cruz: vid. um esquema na Fig. 117. Substitua-se pois mentalmente a cruz pelo pentalfa. O pano, quando se quer extrair a cal, desmancha-se.

200 Cf.: O Archivo da Torre do Tombo por P. de Azevedo e A. Baião, Lisboa 1905, p. 73 (onde se cita um passo de Herculano); e A Arte Portuguesa, I, 135.

201 Estes sinais são até certo ponto comparáveis aos que ilustram uma das Cantigas de Afonso o Sábio, a que me referi supra, p. 65, cantiga em que se fala de um clérigo nigromante. – Mais notarei que o sinal de forma de S tem conhecidamente carácter mágico: vid. Religiões da Lusitania, III, 586, e 587, nota 4. O sinal de forma de X pode apenas ser um S cruzado com outro; todavia é comparável, de algum modo, a um sinal gravado em uma pedra proto-histórica da Citânia de Briteiros: vid. ob. cit., III, 73. A estrela é natural que ande associada a símbolos mágicos, que em grande parte são ao mesmo tempo astrológicos. – Do sino-saimão dobrado trato adiante.

202 O autor do Comentário é o monge Beato, de Liébana, como se diz na subscrição. Faleceu em 798: vid. Gröber, in Grundriss der roman. Philol., vol. ii-1, p. 128.

203 Desejava dar aqui algumas gravuras originais de cangas e jugos do Porto: não me foi porém possível obter fotografias, apesar de ter recorrido com insistência a pessoas amigas, e a dois fotógrafos. – Agradeço ao Sr. Ribeiro Cristino a permissão que me deu de reproduzir o seu desenho, e ao Sr. Júlio Aillaud, a quem a gravura hoje pertence, o empréstimo desta.

204 Sendo o cocho, como é, destinado para por ele se beber água, compreende-se que o pentalfa evite que com esta uma pessoa ingira «coisa má».

205 A razão é análoga à que proponho na nota anterior.

206 Rocha Peixoto, in Portugalia, II, 378 e 379.

207 A Tatuagem, est. IV, 15.

208 Amuletos Alemtejanos, p. 9, nota 2.

209 A Tatuagem nos Criminosos, est. IX, XI, xv, XXII, xxix, etc.

210 Contribuições ao Estudo da Tatuagem, Lisboa s. d., est. v-14 (na parte anterior do antebraço direito), est. IX-23 (peito, e parte posterior do antebraço direito).

211 Criminosos Portugueses, p. 279.

212 A tatuagem chama-se, conforme os sítios, crisma, sinais, marcas. – O mais que eu poderia dizer sobre tatuagem fica para a Etnografia Portuguesa.

213 Cf. o que escrevi na Hist. do Mus. Etnolog., p. 206, n. 6, e na Lusa, I, 81.

214 No Concelho d’Elvas de Vitorino d’Almada, t. i, Elvas 1888, lê-se a p. 497 a seguinte nota, redigida por Tomás Pires: «No revestimento de cantaria do Arco, da praça, proximo á janela da repartição das contribuições indirectas municipaes, está insculpido numa pedra o signo-sàmão». Que espécie de pedra será? A mesma pergunta faço a respeito da que se desenhou n’O Arch. Port., I, 260.

215 Informação do Sr. Major F. Braga Barreiros. – A existência do Castelo de Piconha ascende, pelo menos, ao reinado de D. Sancho I: vid. G. Barros, Hist. da Admin., II, 134.

216 Haverá relação entre a abundância de pentalfas em Tomar e a antiga Ordem dos Templários, que aí tinha a sua sede? Acerca dos Templários, vid. supra, p. 69.

217 Tenho nota de pentalfas em pedras de outras igrejas, como de uma antiga de Favaios, e da igreja velha de Aveiras de Cima, porém não posso dizer que espécie de pedras são. A de Favaios tinha a forma que consta da Fig. 150. Informa-me o Sr. Fernando Barreiros, major de Infantaria 11, de que numa das faces do pedestal de uma cruz, nas traseiras da Igreja da Misericórdia, em Montalegre, se vê gravado um sino-saimão. Gravura casual ou propositada? – No seu livro, tão rico de factos como de ideias, intitulado The Evil Eye, Londres 1895, explica Elworthy como instrumentos de defesa contra malefícios (mau-olhado, etc.) as esculturas grotescas que adornam as igrejas medievais, por exemplo as das torres de Notre Dame de Paris. Era natural supor que os ataques dos maus espíritos se dirigissem especialmente contra edifícios e pessoas destinadas a cultivar e fortificar ideias de bondade e virtude. Pp. 229-232.

218 Cf. O Arch. Port., XIX, 314.

219 Informação e esboços do Sr. Abreu e Oliveira.

220 A esta sepultura anda anexa uma lenda etiológica, em que figura um sino-saimão traçado no chão, dentro do qual certo padre devia colocar-se.

221 Vid., por exemplo: Gama Barros, Hist. da Administração, i, 527, e ii, 275, n. 2; Revue Archéolog., 1894, p. 149; Analecta Bollandiana, xxviii, 166 sgs.

222 À Senhora D. Carolina Michaëlis escapou a menção do sino-saimão quando descreveu as vinhetas na sua magnífica edição do Cancioneiro: vid. t. II, p. 160, onde indica outros pormenores, que por brevidade omito.

223 Este desenho foi feito pelo Sr. Carlos Augusto Ferreira, a pedido do Dr. Jordão de Freitas, conservador da Biblioteca da Ajuda.

224 Vid. Concelho d’Elvas de V. d’Almada, t. I, p. 497, n. 5.

225 É curioso que hoje em Miranda do Douro não se conheça o sino-saimão: pelo menos as várias pessoas que consultei não me souberam falar dele.

226 «Martinho, filho de André».

227 É possível que este sinal e os dois anteriores, ou pelo menos este e o antepenúltimo, sejam de um mesmo tabelião. Não posso agora verificar, porque isso me roubaria tempo. Eu fiz os extractos por diversas vezes.

228 O tabelião deve ser o mesmo do sinal anterior.

229 Deve ser o mesmo do sinal anterior.

230 Deve ser o mesmo tabelião a quem pertence o sinal que tem o n.° 176.

231 Vid. Raczynski, Les Arts en Portugal. Paris 1846, diante da p. 333.

232 Vid. conde de Sabugosa, O Paço de Cintra, Lisboa 1903, p. 210.

233 Vid. Luís Chaves, in O Arch. Port., XXII, 229.

234 Porta d’El-Rei, debaixo do arco principal, à direita de quem entra. Aí o observei em 1918. É um pentalfa, e não um hexalfa, como inexactamente se figura no Almanach-Anuario de Trancoso, II (1916), 62, obra, porém, que a muitos respeitos é importante.

235 As siglas que se vêem gravadas nos nossos edifícios antigos têm origem semelhante à dos edifícios de Espanha e doutros pontos da Europa que citei a p. 66. Ainda que entre nós, anteriormente ao séc. XIV, não há documentos com vestígios seguros da existência de corporações de artes e ofícios (G. Barros, Hist. da Adm., I, 517), devia porém havê-las, porque isso estava «na indoles dos costumes da idade media, em que predominava a distinção das classes» (G. Barros, loc. cit.. ibid.), e concorda com o que acontecia em Espanha, país a que então sempre estivemos chegados no que importa a coisas de arte. – Um vestígio dessas associações estará acaso, como nota o Sr. Romea, na obra há pouco citada, Hist. de l’Arquit. (vid. I, 44), no uso que os pedreiros galegos e portugueses fazem de gírias especiais. Efectivamente os pedreiros do Alto Minho vão em grupos trabalhar para diferentes partes do país, por exemplo, para a Estremadura. Não são eles, porém, os únicos que usam de gíria. Já em 1882 no meu opúsculo O Dialecto Mirandês, pp. 8 (-9), nota 4, me referi à gíria dos pedreiros e de outras classes. Em 1893 e 1911 colhi no Cadaval muitos termos de gíria, ou latim, da boca de pedreiros de Soutelo e Afife (Viana do Castelo), que lá andavam a trabalhar: o que tudo conservo inédito. A gíria dos cardadores de Minde (Estremadura) é também curiosa, e tenho dela igualmente espécimes. Da gíria, pelo lado glotológico, tratou em 1892 o Dr. Adolfo Coelho n’Os Ciganos de Portugal, onde cita trabalhos de outros investigadores. Depois de 1892 só sei, que me lembre, de: A Giria Portuguesa de A. Bessa, 1901; Giria de Crianças Deliquentes do Dr. Mendes Correia (opusc., s.d.); Os Criminosos do mesmo A., 1914, p. 244; e de alguns artigos aparecidos em jornais.

236 A talha propriamente dita leva de 40 a 100 almudes.

237 Posteriormente às minhas observações, que ficaram inéditas até 1917, em que apareceram n’O Archeologo, tratou do assunto o Sr. Cândido Landolt, Folk-Lore Varzino, Póvoa 1915, pp. 133-135, e o Dr. Pires de Lima na Lusa, t. I, pp. 115-117: ambos eles publicam também marcas, e entre elas o pentalfa.

238 Goltz de Carvalho, in Portugalia, I, 347.

239 Já antes de 1895, isto é, em 1890 (como vejo de um apontamento meu de então, que encontrei agora), eu havia copiado na Póvoa as mesmas marcas de que falo acima, e que, com outras que também copiei, correspondem às das cortiçadas.

240 Ao Sr. Braamcamp Freire, que pertence à família, agradeço o ter-me obtido o desenho. – Nas Memorias de la Soc. Españ. de Hist. Nat., X (1916), 278, cita o Sr. E. Frankowski um exemplo análogo, de Lisboa. – O costume de marcar os animais veio-nos imediatamente dos Romanos. Diz Virgilio, Geórg., I, 263, referindo-se ao lavrador que, por causa do mau tempo, não pode ir para os campos e tem de se dedicar em casa a algumas ocupações: pecori signum... impressit. O mesmo costume existia também nos Gregos: vid. Dict. des antiq., s.v. «equus», t. II, 1.a pt., p. 800. Ibidem se representam algumas marcas (nome do cavalo ou do dono, emblemas vários, etc.; há um epitáfio da era cristã em que se representa um cavalo marcado com o nome de Cristo): Figs. 2756 a 2758, e s.v. «circus», t. i, 2.a pt., Figs. 1520, 1532 e 1536, etc.

241 Por exemplo, em uma pipa, como vi ao pé do Porto, em 1918.

242 Apud. Vilhena Barbosa, Cidades e Vilas com Brasões, iii, entre pp. 126 e 127.

243 .Vid., por exemplo, Vilhena Barbosa, ob. cit., t. i, pp. 4, 56, 116, 143.

244 P. Leal, Port. Ant. e Mod. X, 3422. Também se disse: V. a par de Evora (vid. P.e Carvalho). – Creio que a designação de do Alentejo não é muito velha.

245 O jogo do alguerue de que acima se fala é o mesmo que o do alguergue de que falam respectivamente J. Cardoso (séc. xvi), A. Barbosa (séc. XVII), Bluteau (séc. XVIII) nos seus dicionários: vid. Dicc. da Acad. s.v. «alguergue». O que não posso dizer é se em alguerue temos um lapso por alguergue, ou uma forma viva (=alguerve). – Posteriormente à composição tipográfica da notícia transcrita acima, encontrei outra versão com leves diferenças, na Biblioteca da Universidade de Coimbra, também do séc. xvii, em um volume miscelâneo que tem o n.° 346. Em vez da figura do pentalfa tem porém a do hexalfa (provavelmente por ser mais fácil de desenhar, e por confusão do escriba). – O Dr. Joaquim Fontes disse-me possuir um papel com um desenho semelhante à Fig. 187.

246 Por exemplo, viam-se há tempos, em Lisboa, alguns pintados, num muro ao pé do Campo Grande, e outros gravados numa parede da Rua das Amoreiras.

247 O Sr. Luís Chaves, conservador interino do Museu Etnológico, informa-me de que no interior de uma guarita do Quartel de Artilharia de Queluz se abriu um com uma navalha, o qual mede de altura uns 8 centímetros.

248 Possuo, por exemplo, um Compendio de Muitos e Varios Remedios de Çurgia, de Gonçalo Rodrigues, Lisboa 1671, que tem, nessas circunstâncias, o sino-saimão dez ou onze vezes, feito, como probatio pennae, por mão inexperiente; e possuo um volume dos Sermões do P.e Vieira (o IV, Lisboa 1685), onde, igualmente como probatio pennae, se vê o sino-saimão na parte interior da capa. Isto acontece também numa das folhas de guarda das Annotaçõens ao Genero e Preteritos da Arte Nova, Coimbra 1676, exemplar da Academia das Ciências, que encontrei em um alfarrabista (Sr. José dos Santos), e que este generosamente enviou para a biblioteca da mesma Academia: o pentalfa figura aí umas oito ou nove vezes, a par com outras figuras de carácter popular, o Sol, a Lua, um coração antropomorfizado e provido de uma chave, etc., tudo feito no séc. xviii, ao que parece (pelo menos os pentalfas, o Sol e a Lua).

249 No livro de Vieira Natividade, intitulado Inez de Castro e Pedro o Cru, Lisboa 1910, não acho notícia do sino-saimão.

250 Já me referi a isto nos Estudos de Philologia Mirandesa, I, 57.

251 No Folclore da Figueira, coordenado por Cardoso Martha e Augusto Pinto falam os AA. no t. II (Esposende 1912), p. 83, de um amuleto, chamado sino-saimão ou san-selimão, o qual consiste, segundo eles, em um aro de prata, ou de outra substância, com dois triângulos equiláteros inscritos, em sentidos opostos. Suponho haver equívoco. Nunca observei amuleto algum assim, no continente. Os AA. querem decerto referir-se àquele que represento na Fig. 101: o que aí se vê é um pentalfa, e não um hexalfa.

252 Cf. Estudo Ethnographico, p. 42.

253 Esta pintadeira pertence ao Dr. Artur Lamas, que ma comunicou e permitiu publicar.

254 Etnografia Artistica (S. Miguel, Açores), Ponta Delgada, 1918, pp. 48-50.

255 P. 49. Não a reproduzo, porque o hexalfa é pouco explícito.

256 Dr. F. A. Pereira da Costa, Folk-lore Pernambucano, Rio de Janeiro 1909, pp. 69-70.

257 Pereira Coutinho, Flora de Portugal, Paris-Rio-Lisboa 1913, p. 138. – Ao mesmo Sr. agradeço algumas indicações particulares que me deu acerca da anatomia da planta, além das que vêm na sua magistral obra.

258 Dict. Génér. de la lang. fr. de Hatzfeld, Darmesteter, & Thomas, s. voce.

259 Amato Lusitano, In Dioscoridis libros quinque, Veneza, 1553, pp. 375-376 (liv. IV, 6).

260 Valladares Nuñez, Dicc. gall.-cast., s. voce.

261 Talvez a raiz de salomão, de que falei supra, pertença ao Polygonatum. Tendo eu lembrado isto ao Sr. Pereira Coutinho, ele não o julgou botanicamente impossível, «pois que (disse-me em carta), como os rizomas vivem subterrâneos, e têm mais ou menos o aspecto de raízes, recebem de ordinário esta última denominação na linguagem vulgar». Já os Gregos se haviam impressionado com as nodosidades ou joelhos do rizoma da planta de que falo no texto, e por isso chamaram a esta πολυγο΄νατον, que quer dizer «de muitos joelhos», «de muitos nós»: donde o latim polygonatum. – Reinaud, ob. cit. (Monumens arabes etc.), ii, 55, e nota, falando da planta (muguet) chamada sceau de Salomon, diz que ela «porte la trace d’un jet» que se comparou, sem motivo, com o hexalfa.

262 Vid. Os Serões, vi, 164.

263 Efectivamente na gíria usual sino grande significa «copo de litro»: vid. A Giria Portuguesa, Lisboa 1901, p. 289, por A. Bessa, que dá esta expressão como do Porto. Pela minha parte encontrei no Hercules Preto, romance de Augusto Aragão (isto é, Augusto Carlos Teixeira de Aragão), Lisboa 1846, p. 150, o seguinte: (numa tasca) «na cabeceira presidia o mestre-esfola, abraçado com o sino grande». – Metáfora análoga temos nós em «calças de boca de sino» que se alargam em baixo, o que corresponde em certo modo ao francês jupe-cloche. Diz Dauzat, Philosophie du langage, Paris 1912, p. 96: «Quand les coutouriers parisiens ont lancé la jupe-cloche, ils ne se doutaient certainement pas que le bas-latin avait donné le nom de cloche à un costume féminin, et que l’argot espagnol du XVIIe siècle appelait la jupe campana (cloche)». Os dicionários espanhóis ainda dão como da gíria actual ou germanía a palavra campana no sentido de «saya ó basquiña». Também nas modas portuguesas havia há poucos anos a saia de sino. Como o estudo de uma palavra pode fazer-se quase indefinidamente, porque a linguagem domina tudo o que existe, acrescentarei que no Museu Etnológico existe uma campainha metálica que representa uma mulher bem trajada: a saia, que é o caso de que se aqui trata, figura a parte sonora, ou campanular propriamente dita; o tronco, cabeça e membros superiores servem de cabo. Assim como se comparou a um sino uma saia, também se comparou a uma saia um sino mínimo, que outra coisa não é uma campainha, – e foi-se ainda mais longe, porque se materializou a metáfora! Para terminar, lembrarei que nuns versos teatrais, Adelaides e Cartolinhas, Lisboa 1916, folheto de cordel (tirado de uma peça de E. Schwalbach), diz o Adelaide à Cartolinha: «Da cinturinha para baixo || D’uma campainha tens o aspecto».

264 Colecção especial, caixa 78, n.° 1. Nos Portugaliae Monumenta Hist., Dip. et Ch., corresponde ao n.° 9. O desenho foi copiado do próprio original.

265 De um documento da Torre do Tombo, de 1283: caixa 86.a, maço 2, doc. 24. O tabelião chama-se Miguel Heañs (=Eanes), de Óbidos. O sinal repete-se, de formato menor, noutros documentos.

266 Bluteau, Vocab. Port.-Lat., s.v. «sino-çamão, ou sino-samão» (lugar já citado supra, p. 76), parece dar a entender que conheceu o sino-saimão dobrado, pois traz à colação uma «dobadoura de mulheres», da qual dão realmente uns ares, as Figs. 6 e 7.

267 Acerca da sua significação vid. The Jewish Encyclopedia, I, 235.

268 Esta figura foi já publicada n’O Arch. Port., XXI, 165.

269 A corna a que pertence a tampa que tem a Fig. 210 é artística, e foi comprada em Lisboa. Provavelmente veio do Alentejo. A qui o sino-saimão tem inclusa uma cruz; cf. a Fig. 206.

270 Numa canga de bois de Montemor-o-Velho observei em 1896 o desenho da Fig. 214, a que ouvi dar o nome de sino-saimão. Sem dúvida o entalhador fez desenho de fantasia (embora casualmente um tanto análogo a uma tatuagem que vi em Alexandria, na mão direita de um árabe, em 1909, tatuagem comparável ao quadro mágico de que fala Doutté, Magie & relig. dans l’Afrique du N„ Argel 1908, p. 162), mas talvez tivesse em mente um sino-saimão dobrado, que ampliou assim. – Noutra canga da Figueira da Foz vi a Fig. 215, que se assemelha à Fig. 216 de uma cangalha de fruta, de Lisboa: estas duas figuras, se à imaginação de quem as gravou apareceram como representações do sino-saimão dobrado, é que porém estão demasiado distantes dele.

271 A suástica flamejante é um tema corrente na arte açórica, segundo mostra o Dr. Leite de Ataíde no citado livro, pp. 23 sgs. Do seu uso antigo no continente falei nas Religiões da Lusitania, vol. III, em vários lugares: vid. índice, p. 633; na arte moderna também aparece por vezes: em sepulturas (cf. obr. cit., III, 607), e noutras circunstâncias (espelho de candeia, cangas de bois, etc.).

272 Leite de Ataíde, Etnogr. Artist., est. IV, pp. 52 e 53.

273 Muñoz y Rivero, Colección de firmas, Madrid 1887, «cuaderno 1.°».

274 Vid. Katalog der orientalischen Münzen dos museus reais de Berlim, 1898 n.° 2012.

275 Não sei onde ela apareceu; apenas posso dizer que me foi cedida para o Museu pelo Sr. João Manuel da Costa, de Mértola, a quem a havia oferecido o Dr. Teixeira de Aragão.

276 Tuchmann in Mélusine, x, 11. Cf. o que a pp. 57-58 transcrevo a respeito dos Índios.

277 Talvez com os mesmos desenhos se deva enfileirar este de um caco algarvio da época arábica: vid. Fig. 225, d’O Arch. Port., xxii, 128.

278 Vem a par do que copiei na Fig. 84 (cf. p. 68).

279 De Ensalmis. p. 195, col. 2.a.

280 Acerca da acumulação de objectos mágicos, escreveu em especial Karl Helm um artigo (em alemão) nas Archives Suisses des trad. pop., xx, 177 sgs.

281 Mendes dos Remédios, Os Judeus em Portugal, Lisboa 1895, p. 67.

282 Corpus inscript. Lat., ii 1982: inscrição funerária de Abdera. Cf. também Mendes dos Remédios, ut supra, p. 67. – Conquanto mutilada, conhece-se que a inscrição se refere a uma menina judia, falecida na idade de um ano, 4 meses e 1 dia, e de apelido Salomonula ou Salomoniula. Eis o texto: . . niasalo || . . nvla ♤ ani| mensiiii ♤ diei || ivdaea ||. As primeiras letras são complemento de um nomen gentilicium, tal como Iunia, Annia, vel simile. Vid. o que diz o editor do vol. II do Corpus (Hübner), loc. citato.

283 Religiões, III, 586.

284 Vid.: Religiões, iii, 607; Possidónio, Signes qu’on voit graves, est. vii; Revista Arqueologica (Borges de Figueiredo), I 25, II 64; Historia do Museu Etnológico, p. 396. A suástica flamejante figura também em espelhos de candeias de lata (por exemplo, no Museu Etnológico); acerca dele na arte açórica vid. supra p. 100, nota 2.

285 Esta ideia de que o signum Salomonis substituiria entre nós a suástica já a emiti em 1892 no meu opúsculo Sur les amulettes portugaises, p. 12; à equivalência que se nota entre o mesmo signum e a cruz me referi ibidem, p. 11.

286 Assim, por exemplo, vi citadas as seguintes obras, que eu desejaria consultar, mas que não encontrei nas bibliotecas públicas de Lisboa, nem eu possuo (algumas delas tê-las-ia mandado vir da Alemanha, senão fosse a guerra): Seyfarth, Sachsen; Lammert, Volksmedizin; John, Westböhmen; Schramek, Böhmerwaldbauer; Zs. f. österr. Wolksk., t. vi (possuo alguns tomos desta revista, porém não o citado); Longpérier, Œuvres, t. i; Elephas Levy, L’anneau de Salomon, Paris; Grimm, Deutsches Wörterbuch.

287 Aqui a é preposição.

288 Pronuncie-se á.

289 Ainda se vê parte do l. A forma legar «ligar» é arcaica.

290 Pronuncie-se estê «esteja».

291 Palavras de forma e sentido ininteligíveis, como nos textos mágicos é vulgar.

292 Da Colección de firmas (já citada) de Muñoz y R vero, cuaderno 1.°.

293 Em pergaminhos da Torre do Tombo; caixa 85, maço 1.°, doc. n.° 12, n.° 46, e maço 2.°, doc. n.° 50.

294 Usi nuziali dell’Umbria, p. 6.

295 N.os de entrada 6:089 e 6:104.

296 «Der Salomonsknoten» nas Mittheilungen der anthropolog. Gesellschaft in Wien, vol. XIX, pp. 41-42.

297 Pergunto se haverá acaso alguma relação entre as supracitadas figuras e as que têm os n.os 237 e 238, que se vêem várias vezes ornando a Bíblia hebraica da Biblioteca Nacional (acerca desta Bíblia, vid. supra, p. 208). Algum hebraísta poderá responder.

298 Ouvi esta superstição a várias pessoas do distrito de Évora (Reguengos, etc.).

299 Vid. as minhas Trad. Pop. de Portugal, p. 313. – Voga uma superstição quase igual na Rússia, e outras análogas, mas atenuadas, na Alemanha e na Itália: vid. Mélusine, VI, 258. – Acerca das relações da cadeira com o Diabo cf. Trad. Pop. de Port., § 361, onde o Trasgo, que em certos casos é uma espécie de Lar familiaris, por vezes equiparado ao Diabo, toma a forma de banquinho.

300 Muitas vezes ouvi dizer em pequeno que quando se perde uma cousa, ela se deve dar ao Diabo por amor de Deus. Claro está que dando uma coisa ao Diabo, por vontade, e além disso invocando o nome de Deus, ele a poderá largar facilmente.

301 Já depois de escrito este apêndice, eu soube que nos Açores, quando não se acha uma coisa que se procura, se diz: O Diabo esteja de joelhos em frente duma cruz, enquanto tal cousa não aparece. E a breve trecho, aparece a coisa! (Informação do Sr. Dr. A. Bensaúde). Conquanto aqui não figure o nó mágico, entendi poder citar a crença, a título de comparação. – Querer que o Diabo esteja diante de uma cruz, e demais a mais de joelhos, é exigir um acto que ele evitaria por todos os modos: é pois natural que procure evitá-lo, largando aquilo que retiver em seu poder.

302 O Sr. Ferreira Braga, sem mais, considera-a grosseira falsificação: vid. O Arch. Port., xxii, 213.

303 Adquiri-a num alfarrabista do Porto, há muitos anos.

© Etnográfica Press, 1996

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search