Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Arqueologia de

Arqueografia local: As siglas da ponte 1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado no Almanaque Illustrado de «O Commercio do Lima», coordenado pelo Dr. António de M (...)
  • 2 Mercê do probo e antigo funcionário das Obras Públicas do distrito de Viana, Sr. JOSÉ BENTO DA ROCH (...)

1Em 1897, por ocasião do alargamento e reparos da ponte da vila de Ponte do Lima, obtivemos (2) a quase totalidade das marcas abertas nas pedras deste interessante e deturpado monumento arqueológico. À excepção de alguns arcos, partindo do largo da Alegria para a vila, todos os mais exibem, na profusão da sua cantaria, grande quantidade de sinais, frequentemente repetidos ; e ainda nos passeios da Rua Agostinho Taveira e da Alameda marginal deparam-se-nos muitos outros gravados em pedras que anteriormente faziam parte de construções anexas à ponte, e, há muitos anos já, tinham sido demolidas e utilizadas da sorte que hoje se vê.

  • 3 J. P. N. DA SILVA, Mémoire de l’archéologie sur la véritable signification des signes qu’on voit gr (...)
  • 4 A. RACZYNSKI, Les arts en Portugal, Renouard et C.e eds. Paris, 1846.

2O sentido das marcas em pedras, existentes principalmente nos monumentos mediévicos, promoveu, entre nós, a elaboração duma memória exclusivamente restrita à sua interpretação (3). Mas já precedentemente um estrangeiro ilustre que se ocupou de assuntos de arte em Portugal (4) pusera reparo em semelhantes sinais, inclinando-se a suspeitar que eles representassem, porventura, uma linguagem simbólica usada pelos franco-maçãos. O crítico não se pronuncia decisivamente e até lhe parece – o que é menos verdadeiro – que existe pouca semelhança entre as marcas e só em pequeno número se repetem. Assim é, confinando-se o observador nas séries das três planchas que interpola no livro. O arqueólogo português, todavia, que nas reproduções enquadradas em XLV planchas não vê, por igual, identidade de sinais, esforça-se e limita-se a demonstrar que tais marcas nada têm que ver com a famosa corporação nascida na Lombardia.

  • 5 RAMALHO ORTIGÃO, O culto da arte em Portugal, pág. 33. Pereira ed. Lisboa, 1896. Neste livro encont (...)

3A hipótese de Raczynski não era absolutamente desarrazoada em face do número restrito de elementos de que dispôs para exame, e ainda porque, então e hoje, se atribuía com muita plausibilidade à interferência da maçonaria a construção de vários monumentos nacionais : o mosteiro da Batalha, por exemplo, « surgindo repentinamente, imprevistamente, esporàdicamente, na corrente da arquitectura portuguesa, como a flor desconhecida de uma planta exótica». (5)

  • 6 E. GUHL et W. KONER, La vie antique, I, La Grèce, pág. 341. Rothschild ed. Paris, 1884.
  • 7 GUHL et KONER, Ob. cit. II, Rome, pág. 460.
  • 8 J. DENIKER, Les races et les peuples de la terre, pág. 163. Schleicher ed. Paris. 1900.

4Demais, além de se saber da existência duma linguagem simbólica, traduzida na escrita por uma espécie de hieróglifos convencionais, a lembrança de outros precedentes similares acudiria certamente ao pensamento : os sinais dos escudos gregos, diversos para sicionianos, para lacedemónios e para messénios (6) ; os losangos, as águias, os crescentes, as coroas de louros e os raios alados que, nos escudos, distinguiam os diferentes corpos de tropas romanas (7); as marcas de propriedade, de tribo, de parentesco, em certos povos bárbaros, nas habitações, nos animais, nos próprios homens, e de que posteriormente os brasões do armorial e recentemente as marcas de fábrica (8) são e foram uma maneira idêntica de distinção.

  • 9 RENÉ DUSSAUD, Questions mycéniennes, in Rev. de l’Hist. des Religions, pág. 50, tom. LI. Leroux, ed (...)
  • 10 S. RJEINACH, Les fouilles de Phaestos en Créte, in L’Anthropologie, págs. 678-82, tom. XII. Masson, (...)
  • 11 PERROT et CHIPIEZ, Histoire de l’art dans l’antiquité. VI. La Grèce primitive, págs. 461-2, flg. 17 (...)

5Ante a multiplicidade de sinais num mesmo monumento e a presumida ausência de similitude entre os de várias edificações coevas, o arqueólogo Possidónio da Silva conclui e decide que tais marcas nada entendiam com os sinais do antigo rito maçónico. Acresce ainda que em outros monumentos de construção anterior à organização das confrarias dos pedreiros livres já apareciam marcas lapidares. E naturalmente ignorava então factos muito mais remotos mas de aquisição ulterior: além das bipenas do palácio de Cnossos (9) e da bipena com outros símbolos porventura rituais de Phaestos (10), as siglas da silharia dum edifício em ruínas também cretense (11) mas que Stillmann então considerava como marcas de carpinteiro.

  • 12 GABRIEL PEREIRA, A egreja de Santo Antão in Estudos eborenses, XI, pág. 13. Minerva Eborense. Évora (...)
  • 13 BORGES DE FIGUEIREDO, O primeiro architecto de Odivellas e Monumentos historicos, in Rev. Archeolog (...)

6As nossas seriam, pois, uma espécie de assinatura convencional para que cada operário, revelando o que trabalhara, soubesse e desse a saber quanto lhe era devido pelo labor. Esta opinião fora ulteriormente partilhada, entre nós, por dois investigadores muito ilustres ; um, a propósito da igreja de Santo Antão, em Évora, assinalando que as numerosas marcas dispersas pela silharia do templo serviam para a avaliação do trabalho e maneira da colocação12 ; o outro reconhecendo, por igual, nas 74 cifras decalcadas nos despojos da primitiva fábrica do mosteiro de Odivelas, os sinais com que os obreiros faziam denunciar a sua obra na contagem (13).

7É famosa a profusão de siglas em todos os monumentos mediévicos da Espanha ; e mesmo anteriormente já os canteiros romanos marcavam a silharia das suas muralhas, como ainda tão nitidamente se vê e distingue, por exemplo, nas fiadas horizontais dos solidíssimos lanços sobrepostos aos muros ciclópicos de Tarragona ! E as considerações que sobre elas poderíamos formular são extensivas às que se exibem nos monumentos portugueses.

  • 14 MARTINEZ SALAZAR, Signos lapidarios, in Bolet. de la Comision provincial de monumentos historicos y (...)

8Ora comparando os sinais do monumento de Ponte do Lima com os das estampas que acompanham a monografia de Possidónio da Silva e ainda com os das duas primeiras planchas do livro de Eaczynski (aliás também reproduzidas na memória precedente) é precisamente a semelhança e por vezes a quase perfeita igualdade figurativa o que impressiona desde logo. Esta identidade não significa, de modo algum, que se trate de sinais combinados entre membros duma mesma corporação – como também julgou ainda recentemente um antiquário espanhol a propósito de dois templos da Corunha de estilos e portanto de épocas diversas (14)– mas sim outra causa que escapou ao arqueólogo português : a limitação gráfica dos iletrados e o paralelismo das suas faculdades artísticas, ainda mesmo que se trate de povos de vária estirpe.

9Não paga a pena, tão minúsculo é este insignificante tópico arqueológico, cotejar, individuando, marca a marca. Umas considerações gerais, apenas, serão suficientes para a elucidação do caso. Em primeiro lugar os sinais de configuração e complicação ornamental mais intrincada são sempre raros. Depois, adstringindo-nos à série de Ponte, observa-se que tais marcas são : letras maiúsculas e minúsculas ; algumas incompletas e até tão imperfeitas que lembram certos caracteres que os analfabetos tentam por cópia ; outras, mal traçadas, como é frequente ver-se na escrita popular ; certas invertidas, excluindo mesmo as que podem, ser vistas em. posição indevida ; algumas, então, floreadas como os S S, na factura das quais é fácil ver comprazerem-se as pessoas quase incultas. Há ainda os algarismos–e sabe-se que muitos artífices só escrevem os dez sinais da numeração árabe. Temos, por fim, os traços paralelos, os ângulos, os triângulos, os rectângulos, as cruzes, as ingénuas combinações, como em toda a arte popular, das linhas rectas, curvas e mistas.

  • 15 CHARLES BOREUX, Les poteries décorées de l’Egypte prédynastique, in Rev. des études ethnographiques (...)
  • 16 REINACH, La Crète avant l’histoire, in L’Anthropologie, págs. 2-3. Tomo XIII. Paris, 1902.
  • 17 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., pág. 461.
  • 18 É transparente o intuito e significado das numerosas cruzes esculpidas nos silhares duma construção (...)
  • 19 J. DE MORGAN, Recherches sur les origines de l’Egypte, pág. 91 e segs. Paris, 1897.
  • 20 L’Anthrop. cit. XVII, pág. 446. Paris, 1906.
  • 21 E. GROSSE, Les débuts de l’art, trad. de E. Dirr, págs. 103-4. Alcan ed. Paris, 1902.
  • 22 ROCHA PEIXOTO, Survivances du régime communautaire en Portugal in Annaes scientificos da Academia P (...)
  • 23 ROCHA PEIXOTO, ob. cit., págs. 215 e 220.
  • 24 VIEIRA NATIVIDADE, Note ethnographique sur les chiffres usés dans les pressoirs d’olives dans l’arr (...)
  • 25 J. DÉCHELETTE, Manuel d’archéologie préhistorique, celtique et gallo-romaine, pág. 235. I. Picard, (...)
  • 26 H. TAINE, Voyage aux Pyrénées, pág. 172. Hachette, ed. Paris, 1900.

10Certo que uma imaginação exuberante poderia ver no triângulo o esquadro simbólico ; nos S S e em certos círculos, emblemas helíacos ; bandeiras, insectos, um tridente, mesmo. Mas tudo isto em si resume as limitadas faculdades de humildes artífices que de tal sorte assinalavam a sua obra à fiscalização para os pagamentos, como Possidónio da Silva assentou primeiramente e muito bem. A frequência do mesmo sinal, nesta ponte – como, de resto, em todos os monumentos – é um dos argumentos favoráveis e convincentes. E o emprego das letras é tão natural e tão longínquo que já F. Petrie reconhecia nas marcas geométricas das loiças egípcias pré-dinásticas certos elementos dos alfabetos creto-egeanos (15). Herzog vira, nos blocos empregados na construção da fortaleza de Rodes, caracteres da escrita egeana sobreviventes empregados pelos canteiros (16), e ainda, nas ruínas já citadas de Cnossos, entre as marcas encontradas, várias se exibiam análogas a elementos do alfabeto cipriota. (17) Anotemos ainda que semelhantemente os pescadores da Póvoa de Varzim marcam todos os utensílios de pesca dum dono com o mesmo sinal: um, dois ou mais piques (traços) paralelos, ângulos, triângulos, signos e cruzes (18), como já bem remotamente usavam os egípcios nos seus barcos (19), como certos romanos assinalam ainda a propriedade individual na sua indumentária e utensílios de trabalho, independentemente dos característicos de cada aldeia (20), como os esquimós usam nas suas flechas e arpões, como os habitantes das ilhas Aleutas procedem nos remos das suas naves e os australianos nas suas armas (21). Em S. Silvestre da Ermida, na Serra da Amarela, por igual se marcam a canivete e a fogo as armações das vacas, para, no regime das vezeiras, se distinguirem os donos, identicamente ao que sucede, em Cutelo, na freguesia de Cibrões, onde as rêses têm impressos, nos chifres, algarismos, letras, cruzes e outros sinais lineares, na Cabreira ainda, com marcas nas orelhas, nos paus, nos coxões (22), e por fim nas oviárias transumantes que da Estrela anualmente vêm a Montemuro, e distintas, conforme a propriedade, por um número, um ás ou uma ferradura (23). Os lagareiros estremenhos possuem a sua numeração convencional (24); os tendeiros marcam a giz as dívidas dos clientes, exprimindo vinténs, tostões e outras quantias, por traços, circunferências avulsas ou tangentes, com diâmetros ou secantes ; e com entalhas incisas numa vara se contam, na lavoura, os cestos de grão que se arrecadam, as vasilhas que saem ou entram no lagar ou ainda outras ocupações dos jornaleiros, como em Barroso, os quais, para tal, já trazem, num dos bolsos, seu pauzinho. É o que sucedia nos tempos pré-históricos, narrando-se, analogamente histórias de caças e registrando-se até mensagens (25) ; é o processo adoptado em algumas comunas pirenaicas, inscrevendo-se num pau as entalhas expressoras, e só pelos serranos compreendidas, das imposições aos deputados, por exemplo (26); é o que acontecia, não há muito, em Montezinho, registrando-se numa só vara as variadas contribuições dos vizinhos a saldar, por um delegado, na recebedoria de Bragança.

  • 27 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Exposição de cerâmica, ests. I e II (Separata da Rev. de Sociedade de Instr (...)

11Por fim, até em indústrias mais cultas, as marcas, nas faianças por exemplo, bem se identificam frequentemente (27) com as letras bisonhas dos canteiros de outrora.

  • 28 DENIKER, Ob. cit., pág. 161. – DÉCHELETTE, Ob. cit., pág. 235.
  • 29 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., II, L’Egypte, pág. 506, fig. 288.

12E tal meio de contagem, de diferenciação e mesmo de anotação de acontecimentos, ainda sobrevivente, nem é peculiar de certos povos nem pouco remoto : vem já dos tempos quarternários (28) antecedendo outras mnemónicas mais complicadas, passando à pietografia e anunciando já a escrita – que artífices mais letrados aproveitaram, ou gravando, por exemplo, nas telhas romanas os nomes dos cônsules ou estampando nos tijolos egípcios, (29) a partir da época tebana, as cartouches reais.

13Porto, Janeiro, 1909

Notes

1 Artigo publicado no Almanaque Illustrado de «O Commercio do Lima», coordenado pelo Dr. António de Magalhães, ano III (Ponte de Lima, 1909), pp. 217-223.

2 Mercê do probo e antigo funcionário das Obras Públicas do distrito de Viana, Sr. JOSÉ BENTO DA ROCHA PEIXOTO, parente do A.

3 J. P. N. DA SILVA, Mémoire de l’archéologie sur la véritable signification des signes qu’on voit graves sur les anciens monuments du Portugal. Lisbonne, 1868.

4 A. RACZYNSKI, Les arts en Portugal, Renouard et C.e eds. Paris, 1846.

5 RAMALHO ORTIGÃO, O culto da arte em Portugal, pág. 33. Pereira ed. Lisboa, 1896. Neste livro encontra-se excelentemente resumido (págs. 33-46) o eminente papel da franco-maçonaria, os seus intuitos primordiais, a sua estética, a sua ciência e os seus admiráveis serviços à arte e à religião. – ESTEVES PEREIRA, Industria Portugueza (Séculos XII a XIX). Lisboa, 1900. O A. deste opúsculo traslada resumidamente o escritor precedente (págs. 14-5) sem citar a fonte, o que não é caso novo. Veja Portugalia, I, pág. 661. – CONDE DE SABUGOSA, O paço de Cintra, págs. 209-13 e figuras intercaladas. Imp. Nac. 1903. O A. compendia o que estava averiguado, parecendo inclinar-se para a explicação de Possidónio da Silva. – Veja ainda algumas notas deste último, na memoria atrás citada.

6 E. GUHL et W. KONER, La vie antique, I, La Grèce, pág. 341. Rothschild ed. Paris, 1884.

7 GUHL et KONER, Ob. cit. II, Rome, pág. 460.

8 J. DENIKER, Les races et les peuples de la terre, pág. 163. Schleicher ed. Paris. 1900.

9 RENÉ DUSSAUD, Questions mycéniennes, in Rev. de l’Hist. des Religions, pág. 50, tom. LI. Leroux, ed. Paris, 1905.

10 S. RJEINACH, Les fouilles de Phaestos en Créte, in L’Anthropologie, págs. 678-82, tom. XII. Masson, ed. Paris, 1901.

11 PERROT et CHIPIEZ, Histoire de l’art dans l’antiquité. VI. La Grèce primitive, págs. 461-2, flg. 174. Hachette, ed. Paris, 1884.

12 GABRIEL PEREIRA, A egreja de Santo Antão in Estudos eborenses, XI, pág. 13. Minerva Eborense. Évora, 1887.

13 BORGES DE FIGUEIREDO, O primeiro architecto de Odivellas e Monumentos historicos, in Rev. Archeologica, págs. 150, 180 e nota 2. Est. XIX, Tom. I. Lisboa, 1887.

14 MARTINEZ SALAZAR, Signos lapidarios, in Bolet. de la Comision provincial de monumentos historicos y artisticos de Orense, págs. 313-18 e est. Tomo I. Orense, 1901.

15 CHARLES BOREUX, Les poteries décorées de l’Egypte prédynastique, in Rev. des études ethnographiques et sociologiques, pág. 38 e nota, I. Geuthner ed. Paris, 1908.

16 REINACH, La Crète avant l’histoire, in L’Anthropologie, págs. 2-3. Tomo XIII. Paris, 1902.

17 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., pág. 461.

18 É transparente o intuito e significado das numerosas cruzes esculpidas nos silhares duma construção que se chama a Ponte do Diabo, em Cahors : PAUL SÉBILLOT, Les iravaux publics et les mines dans les traditions et les superstitions de tous les pays, pág. 223. Rothschild, ed. Paris, 1894.

19 J. DE MORGAN, Recherches sur les origines de l’Egypte, pág. 91 e segs. Paris, 1897.

20 L’Anthrop. cit. XVII, pág. 446. Paris, 1906.

21 E. GROSSE, Les débuts de l’art, trad. de E. Dirr, págs. 103-4. Alcan ed. Paris, 1902.

22 ROCHA PEIXOTO, Survivances du régime communautaire en Portugal in Annaes scientificos da Academia Polytechnica do Porto, pág. 214, Tom. III. Imp. da Universidade Coimbra, 1908.

23 ROCHA PEIXOTO, ob. cit., págs. 215 e 220.

24 VIEIRA NATIVIDADE, Note ethnographique sur les chiffres usés dans les pressoirs d’olives dans l’arrondissement d’Alcobaça,– Àlcobaça. 1891.

25 J. DÉCHELETTE, Manuel d’archéologie préhistorique, celtique et gallo-romaine, pág. 235. I. Picard, ed. Paris, 1908.

26 H. TAINE, Voyage aux Pyrénées, pág. 172. Hachette, ed. Paris, 1900.

27 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Exposição de cerâmica, ests. I e II (Separata da Rev. de Sociedade de Instrução do Porto). 1883. –FIGUEIREDO DA GUERRA, Archivo Viannense. pág. 80. Viana do Castelo, 1895.––JOSÉ QUEIRÓS, Ceramica Portugueza, dic. das marcas. Lisboa, 1907.–Portugalia, Tom. II. págs. 487-9.

28 DENIKER, Ob. cit., pág. 161. – DÉCHELETTE, Ob. cit., pág. 235.

29 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., II, L’Egypte, pág. 506, fig. 288.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search