Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Arqueologia de

0 homem da maça 1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo II, fasc. 4.° (Porto, 7 de Setembro de 1908), pp. 676- (...)
  • 2 Referência a um passo do artigo «Sepulturas abertas em rocha», da autoria do próprio Rocha Peixoto (...)

1Refere Pinho Leal, a pág. 452 do vol. II do seu Portugal antigo e moderno, que num cerro da freguesia de Santa Cruz do Bispo, concelho de Bouças, e entre as capelas de Nossa Senhora do Livramento e de S. Sebastião, se encontrou uma estátua de pedra representando Hércules e a que o vulgo chama o homem da maça – « pela que tem na mão ». J. Augusto Vieira, a págs. 670-1 do II tomo do Minho pitoresco, reproduz, aproximadamente, a mesma notícia, sem aditamento que melhor a aclare. Velho Barbosa, não obstante aludir a algumas antigualhas do concelho na sua excelente Memória histórica da antiguidade do mosteiro de Leça, cham da do Balio, não exara referência a semelhante estátua, como, de resto, a outras velharias posteriormente indicadas por Martins Sarmento e ainda na pág. 288 do tomo II da Portugália. (2) Mais alusões vagas, escritas ou verbais, não valem menção, sequer. A verdade é que a estátua, objecto de fantasias que vêem nela desde um Hércules a um S. Cristóvão, foi há anos implantada ao lado da capela de S. Brás, pequeno templo restaurado então e sito num alto que domina ao fundo da Quinta de Santa Cruz do Bispo, a esplêndida propriedade reformada, segundo o Padre Carvalho na sua Corografia, pelo bispo do Porto D. Rodrigo Pinheiro.

2Já não tem, como informava Pinho Leal, a maça na mão ! Enterrada quase até aos joelhos, como na estampa se vê, e de tais proporções que assim mesmo atinge a estatura média dum homem, faltam-lhe os dois antebraços, avantajando-se ainda as mutilações na boca, olhos e nariz. Escultòricamente a figura não é uma obra nem de arte culta, nem de arte bárbara ; reproduz presumivelmente, com escrúpulo de cópia e certa aptidão de cinzel, um velho guerreiro, no qual a cabeleira hirsuta e ondeada, as mangas do gibão, as pregas deste abaixo do cinto, as joelheiras e a provável couraça que uma ténue cristã saliente denuncia ao longo do esterno, são mais hàbilmente delineadas do que vários dos pormenores da nossa conhecida escultura proto-histórica. Junto à figura há uma outra, mais bárbara, representativa dum leão ( ? ) e com a qual se completa a interpretação popular destes velhos despojos de grossa estatuária em. granito.

O Homem da Maça: frente e costas.

Ponte de Lima – As siglas da ponte.

3Assim o « homem da maça » é por ali conhecido desde tempos muito antigos e representa um indivíduo que, vindo uma vez com uma maça de maçar o linho, se viu perseguido por um bicho enorme e temeroso. Defendendo-se, lutando e invocando um santo, com a referida maça conseguiu subjugar a fera. Eis o que, em reconhecimento e para memória, as duas figuras representam.

4Manifestamente o povo não deixaria de explicar as duas esculturas que ali possui, como semelhantemente acontece com as representações menores de bois, porcos e serpentes esculpidas em fontes e outros anexos da quinta ou com os vestígios proto-históricos e romanos desta região e contíguas, aliás ainda pouco estudadas.

5Há a notar, todavia, por sobre a indecisão do observador ante as duas esculturas avulsas e imprecisas, que só o acaso ali reuniu há poucos anos, os vestígios muito atenuados dum culto remoto, porventura até litolátrico. Efectivamente, quando em Fevereiro tem lugar a romaria a S. Brás, as raparigas enfeitam o « homem da maça » com grinaldas de flores no pescoço e na cabeça, abraçando-o depois durante a festa ao orago e rogando-lhe que as case depressa. É claro que ocorrem várias interpretações acerca da sobrevivência deste costume relacionado não com, um monólito intencional ou nativo, mas com uma verdadeira figura humana e, para mais, alentada e heróica. Talvez explorações e aquisições ulteriores esclareçam um. facto que, por agora, e em. virtude de certas névoas e ilogismos, bastará registrar.

  • 3 Vide: Martins Sarmento – « Materiaes para a Archeologia do Concelho de Guimarães », in Revista de G (...)

6Acode ao observador, entretanto, a lembrança dos « penedos dos casamentos», como o que está não muito distante do santuário da Senhora da Peneda, no concelho dos Arcos de Valdevez, o de Santo Tirso de Prazins, de que nos fala Martins Sarmento a pág. 183 do tomo I da Rev. ãe Guimarães (3), e outros ainda a que aludem os nossos foleloristas. Neles a forma e intenção divergem ; mas a verdade é que, em remate, deriva uma consagração similar.

7Aos arqueólogos não tem. passado despercebida a espécie de veneração consagrada às pedras e, nomeadamente, aos « menhir», como se pode ver, por exemplo, a págs. 439 e segs. do I tomo, ainda recente, do Manuel d’Arch. préhist. do sr. J. Déchelette. De Jubainville, no seu artigo Le culte des « menhir » ãans le monde celtique inserto no tomo XXVII da Rev. celtique, alude, em pág. 314, a um culto que consiste em dançar-se à volta dum menhir ; e no tomo seguinte da mencionada revista o mesmo. A., em. artigo intitulado Les pierres baptisées, refere-se às danças de roda em torno de «menhir», no intuito de se encontrar marido ainda no ano da prática.

8O sr. Paul Sébillot, a págs. 56-63 do tomo IV da sua vasta obra Le folk-lore de France, relata maior e mais vário número de casos análogos ainda subsistentes. Assim as raparigas que desejam marido friccionam, o ventre contra um menhir ou mesmo pedra que não o seja, prática que adoptam outras mulheres para serem fecundas e outras ainda para terem, leite. Há casos paralelos ou idênticos entre nós. Para alcançarem filhos varões, os dois cônjugues procedem semelhantemente e por igual também se abraçam ao penedo. E andar em volta dos megálitos ou de quaisquer blocos naturais reputados pelas suas virtudes, ou ainda dançar em torno deles, são costumes dos mais frequentes, principalmente nos dias das festas patronais, sempre relacionando-se tais práticas com o amor ou com a fecundidade.’Ora os símiles entre nós, e as suas variantes, são bem conhecidos ; e o caso do « homem da maça » decerto enraíza, embora desnaturado ou transferido, no mesmo longínquo fundo pagão.

Notes

1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo II, fasc. 4.° (Porto, 7 de Setembro de 1908), pp. 676-677.

2 Referência a um passo do artigo «Sepulturas abertas em rocha», da autoria do próprio Rocha Peixoto (Vide p. 372 deste vol. I das OBRAS de Rocha Peixoto).

3 Vide: Martins Sarmento – « Materiaes para a Archeologia do Concelho de Guimarães », in Revista de Guimarães, vol. I (Porto, 1884), p. 183.

Table des illustrations

Légende O Homem da Maça: frente e costas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4354/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Légende Ponte de Lima – As siglas da ponte.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4354/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 57k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search