Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Arqueologia de

Sepulturas abertas em rocha1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo II, fase. 2.° (Porto, 12 de Maio de 1906), pp. 287-288

1Como materiais para um inventário de antiguidades e ainda porque alguns destes despojos arqueológicos estão destinados a desaparecerem, arquivamos as seguintes nótulas referentes a alguns monumentos de inumação inéditos ou pouco conhecidos :

2I. – MONTALEGBE. Juntas à capela de Santo Adrião, que fica situada a meia légua de distância da freguesia e vila de Montalegre, encontram-se quatro sepulturas abertas em rocha, todas cavadas de sorte a denunciarem os lugares da cabeça e ombros e estreitando para os pés. Três delas são de granito de grão grosso, soltas, fora da sua posição primitiva, que é hoje desconhecida, e dispostas numa parede fronteira à capela. A quarta é de xisto, repousa na situação inicial atrás da capela, com a orientação SO.NE, avultando nela a exiguidade da largura dos ombros relativamente à altura do corpo que teria sido inumado em tal sepultura.

3Efectuámos as seguintes medições interiores da parte cavada : 1.a, comprimento total, 1,m80 ; idem da linha dos ombros à dos pés, 1,m56 ; diâmetro máximo da fossa destinada a alojar a cabeça, 0,m35 ; largura dos ombros, 0,m46 ; largura da linha onde davam os pés, 0,m20– 2.a, respectivamente, 1,m90 ; 1,m60 ; 0,m35 ; 0,m45 ; 0,m30 – – 3.a (a que se encontra em melhor estado de conservação), 1,m80 ; 1,m51 ; 0,m25 ; 0,m46 ; 0,m23 ; fundos, respectivamente dos lados da cabeça e pés, 0,m25 e 0,m20 – 4.a (a de xisto, bastante deteriorada), 1,m77 ; 1,m59 ; 0,m20 ; 0,m34 ; 0,m27.

4II. – DENÕES. A um dos lados da capela de Santo Amaro, na freguesia de Denões, concelho de Montalegre e muito próximo desta vila, encontram-se cinco sepulturas abertas em granito, irregularmente distribuídas: 1.a, 1,m80 ; 1,m60 ; 0,m20 ; 0,m44 ; 0,m20 ; fundo médio, 0,m23 ; orientação, E. O. – 2.a (incompleta), 1,m86 ; 1,m64 ; 0,m20 ; 0,m50 ; 0,m20 (provável) ; 0,m22 ; E. O. – 3.a, mais distante, muito obstruída, E. NE. – 4.a (muito deteriorada), 1,m85 ; 1,m63 ; 0,m24 ; 0.m46 ; 0,m19 ; E. O. – 5.a (a mais conservada), 1,m84 ; 1,m58 ; 0,m21 ; 0,m49 ; 0,m24 ; E. O.

5Detrás do muro que fica posterior à capela encontraram uns cavadores, há algumas dezenas de anos, umas seis sepulturas formadas de tijolos, não encerrando coisa alguma. Destruíram tudo.

6III. – TOURÉM. Numa das ruas da povoação, concelho de Montalegre, encostada a uma parede, existia (1901) uma sepultura avulsa de granito com a cavidade para a cabeça.

7IV. – PITÕES. Freguesia do concelho de Montalegre. Nas ruínas do interessante mosteiro da Senhora das Júnias de Pitões existe uma sepultura aberta num bloco de granito, deslocada indefectivelmente da sua situação primitiva. Dimensões : 1,m83 ; l,m60 ; 0,m26 ; 0,m50 ; 0,m27.

8Referiu-nos o abade que havia outra a qual, ainda em 1901, fora ocupada por um cadáver, mercê do desejo e retribuição duma pessoa de família. Transportaram-na assim para o cemitério !

9Em frente a Pitões, junto à capela de S. João da Fraga, existiam ou existem sepulturas abertas em rocha. Este informe vago, carece, entanto, de verificação.

10V. – VILA VELHA. Estação proto-histórica das proximidades da vila de Moncorvo. Aberta no xisto da área arqueológica vê-se uma sepultura em forma de canoa.

11VI. – ESTEVAIS. Nesta freguesia do concelho de Moncorvo (não Mogadouro), no monte Valdoeiro, lugar de S. Mamede, existe, segundo informação fidedigna obtida nas proximidades do local, uma sepultura aberta em granito com a distinção do lugar para o repouso da cabeça.

12VII. – RUIVÃES. Num arredor da freguesia de Ruivães, concelho de Vieira, sobre um cômoro sobranceiro à estrada e no qual, segundo a tradição e os vestígios, existira outrora uma capela, encontram-se duas sepulturas abertas na rocha natural, que é o granito, e muito próximas uma da outra. Medições : 1.a, 1,m74 ; 1,m56 ; 0,m28 ; 0,m44 ; 0,m20;NE.SO. –2a, 1,m72 ; 1,m48 ; 0,m25 ; 0,m41 ; 0,m34 ; NE. SO. Referiram-nos que, há anos, existiam mais, contando-se algumas em blocos avulsos.

13VIII. – PADERNE. No adro da igreja românica de Paderne, concelho de Melgaço, encontra-se solta uma sepultura de granito, com o recorte e cavado para a cabeça do inumado.

14IX. – REFOJOS DE BASTO. Certificaram-nos a existência de sepulturas no lugar de Chacim, nas quais apareceram potes. E parece que ainda existem algumas abertas em rocha.

15X. – RIODOUEO. No lugar de Cambezes, freguesia de Riodouro, concelho de Cabeceiras de Basto, não muito distante da cividade que tem o nome da freguesia aludida, afirma-se que existem duas sepulturas abertas em rocha. Uma tem a configuração grosseira do corpo humano ; na outra, de menores dimensões, não se vê esse contorno definido.

  • 2 As arcas funerárias que Rocha Peixoto fez transportar para o antigo « Museu Municipal» do Porto pas (...)

16XI. – S. MAETINHO DE GUIFÕES. Por várias casas de lavoura desta freguesia do concelho de Bouças estão distribuídas algumas sepulturas soltas, abertas em, granito e actualmente utilizadas como pias para diversos destinos. São monólitos grosseiros, de cavado semi--cilíndrico, em geral com as dimensões suficientes para a introdução dum corpo de adulto, se bem que, em menor número, outras só pudessem alojar corpos de crianças. Temos conhecimento de nove. Segundo a tradição local, eram as antigas sepulturas cristãs, outrora dispostas em volta do templo. Veio uma para o Museu Municipal do Porto (2).

17XII. – SANTA CEUZ DO BISPO. Num lugar desta freguesia de Bouças, denominado Souto da Portela, depara-se-nos uma sepultura aberta no granito, sendo a actual profundidade da fossa de pouco mais de 0,m1, o comprimento 1,m80, voltada para nascente e ligeiramente mais larga no lugar onde deviam ter repousado os ombros. Acima encontra-se metade de outra com orientação diferente : NE.SO.

18Como os montantes hajam arrancado pedra no lugar é bem presumível que outras tenham sido destruídas. A região efectivamente fornece para exame várias antiguidades. Assim, próximo da segunda sepultura referida, vê-se uma laje dum diâmetro proximamente de três metros, com forma circular e rebordo no circuito ; no Souto de Aguiar houvera outra laje, actualmente destruída, onde do centro se erguia uma espécie de cabeça humana ; e o mesmo informador aludiu a pedras com covinhas pelas proximidades. Parece que em Santa Cruz existem outras sepulturas abertas em rocha, algumas com a forma da cabeça ; e na região contígua de Guifões fica situado o castro lusitano-romano do mesmo nome, próximo do qual, onde se ergue a casa natal de Passos Manuel, se encontra o sítio chamado o Lugar da Mámoa. De resto é em Santa Cruz que existem duas intrigantes peças de granito : o « Homem da maça » e o casco de navio.

19XIII. – PERAFITA. Dum observador consciencioso obtivemos uma informação absolutamente fidedigna (Maio de 1899). Próximo da memória comemorativa do desembarque do exército liberal, em frente do mar, distante dois quilómetros da costa e no cimo duma colina, via-se uma espécie de -pia estreita e comprida, onde caberia deitado um homem de estatura mediana ; era aberta na rocha e a contorná-la observava-se um rebordo saliente, da largura duma mão travessa. Numa das cabeceiras uma depressão como indicava o lugar da cabeça ; ao fundo, um sulco. Deveria ter desaparecido dentro de alguns dias, pois andavam ao tempo a extrair pedra do lugar, já muito perto da sepultura aludida.

20Nesta freguesia do concelho de Bouças outras antiguidades existem ou existiram porventura. O nome e a revelação, a sul e a norte, de despojos antigos fazem-nos persuadir de tal, embora só tenhamos notícia, a mais, da presença dum penedo com insculturas. Ao sul, efectivamente, denunciam-se as antigualhas enumeradas em Santa Cruz e Guifões ; ao norte foi sede duma estação arqueológica importante a região compreendida entre a igreja da freguesia de Lavra, do mesmo concelho, e a praia. Possui o Museu Municipal do Porto, dessa estância, perdida em máxima parte para a ciência, fragmentos de mosaicos, restos de olaria romana, telhas de rebordo, erc.

21XIV. – S. CRISTÓVÃO DE RIO MAU. A matriz desta freguesia do concelho de Vila do Conde é um conhecido e interessante templo românico. Dispersas pela residência subsistem três sepulturas abertas em granito e nas quais os cavados distinguem o corpo da cabeça.

22XV. – S. PEDRO DE RATES. Às conhecidas sepulturas que estão dispostas em torno do adro do interessante templo românico que é a matriz desta freguesia do concelho da Póvoa de Varzim, há a acrescentar uma outra até há pouco inédita (1901) e actualmente no Museu Municipal do Porto. Foi encontrada nos alicerces da casa da residência, demolida então para ser substituída por outro prédio. É do mesmo tipo das que já existiam, ou seja com a configuração humana ; e até parece que uma laje solta, também destacada dos fundamentos, é a sua tampa.

23A época a que pertencem as sepulturas abertas em pedra, avulsas ou na rocha natural, tem sido e continuará a ser matéria em debate, mercê do mutismo epigráfico ou figurativo em que se exibem. As variadas circunstâncias e condições locais parece legitimarem a atribuição a tempos romanos, nuns casos, aos primeiros tempos cristãos, noutros.

24Relembra-se, entanto, a existência duma sepultura aberta num marco miliário e que possui o Museu de Bragança ; e não é para menosprezar a consideração do aparecimento do mesmo modelo de sepulcros nas aproximidades de vários templos românicos mais ou menos intactos, ou completamente transformados pelas restaurações.

Notes

1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo II, fase. 2.° (Porto, 12 de Maio de 1906), pp. 287-288.

2 As arcas funerárias que Rocha Peixoto fez transportar para o antigo « Museu Municipal» do Porto passaram depois para o actual «Museu Nacional de Soares dos Reis» (Porto).

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search