Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Arqueologia de

A cividade de riodouro 1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo II, fase. 2.° (Porto, 12 de Maio de 1906), p. 284.

1Quem de Cabeceiras de Basto se dirige a Salto pode, com um insignificante desvio, visitar a cividade de Riodouro. Está situada esta estação em parte da freguesia deste nome e em parte da de Refojos. A nascente fica o lugar de Leiradas, freguesia de Riodouro ; ao norte, o de Cambezes, da mesma freguesia ; a poente, a de Abadim ; ao sul, Chacim, da freguesia de Refojos. Em virtude da designação pela qual é nomeada pretende-se encontrar uma cividade da amplitude de outras conhecidas, Terroso, por exemplo, no concelho da Póvoa de Varzim, Bagunte, no de Vila do Conde. Depara-se-nos, entretanto, um castro de âmbito muito restrito, se bem que a visita, por fugaz, impedisse um exame mais detido das cercanias.

2A cividade de Riodouro, a distância, figura como uma das elevações mais consideráveis daquela região montanhosa e é quase inacessível pelo nascente. Pelo noroeste divisam-se duas ordens de muralhas : uma no alto, com panos ainda regularmente conservados, medindo três metros de espessura e cujo aparelho é poligonal e sem reboco ; a outra, inferior e alagada, posto que ainda se lhe reconheçam nitidamente os vestígios.

3No alto do castro vários penedos afloram ou irrompem arredondados pela erosão, existindo em vários deles bastantes orifícios que parecem praticados com um motivo intencional : num observa-se uma espécie de rosário de covinhas, em semi-círculo, medindo cada uma 0,1 m. de diâmetro ; noutro, um orifício quadrangular ; ainda em outro há cavado um como assento de encosto ; noutro, por fim, uma cavidade mais extensa.

4Entre certos penedos do alto está praticada uma passagem em degraus que não repugna crer contemporânea da estação quando habitada, recordando as três ou quatro similares, embora mais a pique, que se nos deparam no interessantíssimo castelo da Piconha, na Galiza, próximo da fronteira portuguesa e a meia hora da nossa povoação de Tourém. Nem era necessário abrir com custo semelhante passagem para uso quase exclusivo dos pequenos pastores que por ali vigiam o gado miúdo !

5O limitado mobiliário que nos foi dado apreciar restringe-se a telhas de rebordo e outros despojos de olaria. Desta última observámos : um rebordo de grande vaso, medindo 0,035 m. de espessura, pasta muito grosseira, e com tantos grãos de quartzo anguloso que, nas fracturas, tinha o fragmento um aspecto de rocha brechiforme ; pedaços de bojos de outros vasos menores, barro melhor peneirado e vestígios muito pronunciados do torno de oleiro ; outros com indícios exteriores da acção do fogo pelo uso ; outros ainda de barro muito mal cozido, tendo sofrido apenas os efeitos térmicos nas superfícies exterior e interna ; despojos, por último, de muito pequenos vasos, fundos, rebordos e uma asa. Todas as pastas desta olaria vermelho-amarelada, mais ou menos salpicadas de quartzo, são, em geral, extremamente polvilhadas de moscovite. Por entre estes destroços de cerâmica, uma escória de ferro.

6A explicação dos mouros e até a duma buraca, um minôto, por onde aqueles iam buscar água a um regato que corre perto, não deixou de ser dada pelos informadores ocasionais das proximidades do castro. E por eles soubemos, no que foram concordantes outros mais, da existência de duas sepulturas abertas em rocha no próximo lugar de Cambezes, tendo uma a forma do corpo humano, e outra, mais pequena, como de criança, sem esses contornos definidos. Por igual aludiram a outras dispersas em campos de Chacim, algumas já destruídas, e ainda a várias, de situação mais imprecisa, em que havia tampas e potes que foram despedaçados. De resto, na cividade, ainda eram visíveis e recentes os indícios da lavra dos pesquisadores de tesouros.

7Vem a propósito referir que, não distante da cividade, sítio do Outeiro, lugar de Leiradas e freguesia de Riodouro, o povoado se dispõe num cômoro que dá a impressão dum castro sobrevivente, não só pela disposição das casas, como, em parte, pelo aspecto destas. São prédios humildes, construídos com blocos de granito de aparelho poligonal e miúdo, sem cal nem rebocos, e cobertura de colmo ; de resto, quadradas, pequenas dimensões e poucas dependências. Na mancha irrompem para o alto as medas de centeio e medram, aqui e além, a figueira e a oliveira. Abaixo, os campos de cultura.

8Penetrando no povoado distinguem-se então outras casas de pavimento superior e varanda externa de madeira, com hortejos anexos, as moreias e o espigueiro. Mas ainda a simplicidade se mede quase pela das restantes : nem cal, pequenas janelas sem guarnições, ausência de vidraças, e o colmaço fixado pelas pedras que protegem o abrigo do destempero das rajadas !

Notes

1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo II, fase. 2.° (Porto, 12 de Maio de 1906), p. 284.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search