Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Arqueologia de

Um guerreiro lusitano 1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado no jornal O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 14 de Maio de 1903 (p. 2).

1Como os borrões transmontanos, as porcas de Bragança e Murça, os bezerros de Espanha e outra estatuária zoomórfica da primitiva arte ibérica, as nossas estátuas calaicas, pela sua execução sumária, ingénua e hirta, pelo ilogismo anatómico e pela ausência de valores expressivos, integram-se no mesmo aspecto genérico que caracteriza, em toda a parte, os debutes do instinto plástico. Assim foi de Tirinto a Atenas : limitação do sentimento da forma e do movimento, braços cingidos ao tronco, pernas unidas, formas gerais rígidas e quadradas evolvendo, na Hélade, até à divina arte.

2A nossa escultura inicial em pedra, duma factura tão bárbara que é, a bem dizer, um caso de teratologia estética, exprime valores documentais de outra ordem, cujo relevo avulta na história e na mitologia indígenas. Há um costume funerário, há um traje militar ibérico, há uma lição epigráfica que precisa a época e há a legitimação concreta do texto de Estrabão sobre os guerreiros da Lusitânia que derivam dum calhau, o qual é, a um tempo, um aborto plástico, e um singular, real e admirável depoimento histórico.

3As denominadas estátuas calaicas, assim chamadas por terem sido encontradas só até ao Douro, ou seja o limite sul da Calaecia, são nove : duas procedentes de Montalegre, que pertencem ao rei e estão na Ajuda ; uma de Fafe e outra de Vizela, no Museu de Guimarães ; outra de Vila Pouca, actualmente no Museu Etnológico de Lisboa ; a de Basto, conservada como epónimo em Refojos ; duas da Galiza e a de Viana do Castelo, concedida obsequiosamente como depósito, por instâncias do Museu do Porto,, a este estabelecimento público.

4Foi esta última a primeira que originou os estudos da famosa estatuária militar indígena pelo exame directo do insigne epigrafista alemão Emílio Hübner e ainda pela cooperação de Alexandre Herculano e Augusto Soromenho. Existia então numa casa da rua da Bandeira, em Viana ; e o que sobressaía neste vulto quase informe onde se distinguia, entanto, um saial de mangas curtas, um cinturão, um escudo oval seguro pelas mãos à frente do abdómen e uma adaga de lâmina larga e curta, era a inscrição, aliás obliterada, insculpida no sago e na perna direita.

  • 2 A bibliografia que, sobre a estátua de Viana do Castelo, era conhecida ao tempo de Rocha Peixoto, f (...)

5O cartáceo de Soromenho, o calco em gesso de Herculano e o exame de Hübner determinaram o estudo publicado pelo insigne antiquário germânico no « Archaeologische Zistung » (1861) ao diante corrigido no seu famoso « Corpus Inscriptiones Hispaniae Latinae» (2). E concluia que se tratava presumivelmente dum guerreiro calaico ou galaico bracaraugustano, dotado de direito cívico romano, esculpido para monumento sepulcral, não representativo do morto, mas como distinção genérica, e contemporâneo, quando muito, dos tempos de Nero. À parte a preferência da denominação de lusitano em vez de calaico, que Martins Sarmento indisputàvelmente justificou, todos os eruditos estão de acordo com a interpretação inicial de Hübner fundamentada em motivos que não são para exibir neste lugar.

  • 3 Actualmente esta estátua encontra-se no Museu Municipal de Viana do Castelo.

6De então para cá a estátua lusitana de Viana interessou numerosos historiadores, desde os trabalhos de Godoy, de Guerra, de Rada y Delgado, de Murguia até aos mais recentes de Eudes, apresentando (1896) uma comunicação à Sociedade dos Antiquários de França sobre os nossos guerreiros em pedra, a monografia de Pierre Paris e as estampagens em numerosas publicações estrangeiras e nacionais. Em volta da estátua de Viana – que hoje pode ser examinada no claustro da Biblioteca Pública do Porto pelos curiosos da relíquia histórica (3) – há uma icónica e uma bibliografia que se conta por várias dezenas de espécies, interesse e vulgarização estas que não têm logrado outros monumentos de mais alto valor artístico. É que o guerreiro lusitano representa o mais vetusto e autêntico despojo antropomórfico, em grande, que nos legou o tempo antigo.

7Todavia a antiguidade da estátua já sofreu (1878) um efémero percalço. Numa sessão do Instituto de Coimbra, o ilustre antiquário sr. Figueiredo da Guerra chamava a atenção para o capacete medieval, de dupla viseira e gola, para as cinco vieiras em santor que ornamentavam o escudo, para a cruz aberta no tórax. Não se trataria antes duma rude escultura dos séculos XII ou XIII ? A observação promoveu um cuidadoso inquérito ao monumento por parte do insigne publicista e historiador, sr. José Caldas, o qual, numa comunicação a Sarmento, legitima a evidente adição da cabeça e a ridícula e brutal violação do escudo. Para transformar a velha estátua galaica de Viana num lidador da Idade Média, diz Sarmento numa memória sobre o monólito, bastou ajeitar uma cabeça ao corpo e ressaltar no escudo um certo brasão para o bom do galego entrar no panteão duma família determinada.

8Ora é Camilo Castelo Branco quem mais tarde (1882) vem completar o esclarecimento do caso. As armas eram dos Rochas e esta família tinha o solar em Meixedo, entre o monte de Arga e a serra de Geraz, lugar onde ainda existem muitos vestígios luso-romanos. Foi um padre da família quem mandou abrir o escudo na estátua que lhe surgiu de entre as velharias locais. Anos depois, em 1622, é que a estátua vem para Viana, onde o povo faz passar um episódio, em pleno séc. XVII, em que o protogonista, de elmo medievo, e com rodela e sica à maneira dos lusitanos do primeiro século, ficou perpetuado na estátua ! ...

9De facto contava-se que um antigo senhor da casa dos Rochas fora perigosamente ferido no ventre quando entrava na casa da rua da Bandeira ; animoso, porém, abate o inimigo com a dextra enquanto, com o escudo, denodadamente segurava as tripas ! ... Como nas etimologias locais, para explicar a atitude inventou-se a lenda heroica !

10Porto.

A Pedra dos Namorados.

Notes

1 Artigo publicado no jornal O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 14 de Maio de 1903 (p. 2).

2 A bibliografia que, sobre a estátua de Viana do Castelo, era conhecida ao tempo de Rocha Peixoto, foi indicada por este investigador em diversas notas do seu artigo « O Basto», publicado em 1903 na Portugália (tomo I, fasc. 4.°, p. 833) (Vide pp. 364-365 deste vol. I das OBRAS de Rocha Peixoto).

3 Actualmente esta estátua encontra-se no Museu Municipal de Viana do Castelo.

Table des illustrations

Légende A Pedra dos Namorados.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4336/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Légende O Basto.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4336/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 20k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search