Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Arqueologia de

O penedo de santa comba 1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo I, fasc. 2.° (Porto, 25 de Agosto de 1900), p. 332.

1No lugar de Santa Comba, freguesia de Vila Fonche, concelho dos Arcos de Valdevez e não muito distante desta localidade, encontra-se um bloco de granito, numa das faces do qual, e ainda superiormente, se vêem cavidades de várias dimensões e em número. Foram evidentemente praticadas com intenção, embora se denunciem os efeitos erosivos que naturalmente explica a exposição sob que a rocha jaz. A altura do bloco deve exceder cinco metros.

2Superiormente observa-se uma cavidade relativamente profunda e extensa, ladeada por quatro outras de muito menor diâmetro e proximamente iguais. Na face que dá para o castelo de Rio Frio as cavidades são em maior número, de dimensões e contornos variáveis, avultando uma situada ao alto e à esquerda, que representa um papel na lenda local. Apesar dum exame muito rápido creio poder assegurar que não se reconhece obediência a qualquer intenção de simetria ou interdependência nas insculturas referidas.

3No lugar esta rocha insculpida é denominada Penedo de Santa Comba por nele ter aparecido a imagem da santa que dá o nome ao monólito. Uma vez descoberta transportaram-na para os Arcos a fim de a recolherem numa igreja ; mas eis que no dia seguinte ela surge de novo no penedo ! Concluiram pois que a imagem desejava ficar na freguesia e removeram-na para a matriz de Vila Fonche onde ainda existe e representa o orago.

4A maior cavidade, a que particularmente aludi referindo-me à lenda, era onde a santa se sentava ; e havia outro bloco mais abaixo, actualmente destruído, onde me informaram que se viam cavidades semelhantes nas quais Santa Comba colocava as maçarocas.

  • 2 MARTINS SARMENTO, Materiaes para a archeologia do concelho de Guimarães, in Revista de Guimarães, I (...)
  • 3 MARTINS SARMENTO, Ob. cit., in Rev. cit., pág. 163. Porto, 1896.
  • 4 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, I, pág. 470. Pereira ed. Lisboa, 1886.

5Trata-se pois dum monumento, em meu parecer inédito, congénere de muitos outros já assinalados e descritos pelos arqueólogos. A lenda popular que lhe explica os sinais é ainda semelhante a outras bastante conhecidas : a do Penedo de S. Gonçalo, com as marcas dos joelhos do santo e as cavidades onde punha o púcaro e a saleira ; (2) a do Penedo da Senhora, com as concavidades onde esta se sentava e pousava o cotovelo ; (3) a das Pegadas de Santa Pufémia (4) e de tantas outras figuras religiosas ; a dos regos do Penedo da Meadinha onde a Senhora da Peneda (Gavieira) vinha estender as meadas a corar, etc.

6Na lenda local confunde-se a santa autêntica com a imagem ; e ainda a resistência desta em manifestar pela fuga que desejava ficar no local onde apareceu é uma explicação muito frequente, entre nós, da origem de numerosas capelas.

7Dista pouco do castro de Rio Frio o Penedo de Santa Comba ; e em conformidade com a opinião mais corrente e verosímil o penedo em questão é um desses monumentos pré ou proto-históricos de sentido religioso, bastante obscuro, de resto, e provàvelmente contemporâneo dos primitivos habitantes do castro fronteiro.

  • 5 LEITE DE VASCONCELOS, Religiões da Lusitania, I, págs. 350-90. Lisboa, 1897.
  • 6 F. ALVES PEREIRA, Insculpturas em rocha em castros de Valdevez, ou vários penedos com pias, in O Ar (...)

8As pedras com insculturas foram já objecto(5) dum copioso e extenso comentário ; e ainda recentemente as do concelho dos Arcos motivaram uma especial referência, sem que, todavia, esta fosse incluída (6). A actual notícia, que nada acrescenta de novo, importará apenas como um número a mais no registo das rochas insculpidas, bastante frequente no Minho e noutras províncias do país.

Notes

1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo I, fasc. 2.° (Porto, 25 de Agosto de 1900), p. 332.

2 MARTINS SARMENTO, Materiaes para a archeologia do concelho de Guimarães, in Revista de Guimarães, I, pág. 188. Porto, 1884.

3 MARTINS SARMENTO, Ob. cit., in Rev. cit., pág. 163. Porto, 1896.

4 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, I, pág. 470. Pereira ed. Lisboa, 1886.

5 LEITE DE VASCONCELOS, Religiões da Lusitania, I, págs. 350-90. Lisboa, 1897.

6 F. ALVES PEREIRA, Insculpturas em rocha em castros de Valdevez, ou vários penedos com pias, in O Archeologo portuguez, IV, págs. 289-303. Lisboa, 1898.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search