Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Arqueologia de

A interpretação do primeiro ensaio artístico 1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado na revista O Intermezzo, 2.a série, n.° 3 (Porto, 13 de Dezembro de 1890), pp. 1-2

1Os desenhos encontrados nas grutas ex-históricas deslocaram, para além, das civilizações egípcias, a origem das primeiras manifestações da arte. Efectivamente, no inventário das cavernas a que a pesquisa científica tem procedido, acusaram-se fragmentos de ossos e de dentes com desenhos mais ou menos rudimentares, de entre os quais avulta, por uma notável precisão de contorno, a figura da rena e do mamute. Constatou-se, a par, que a imagem do homem, quando aparecia, era notavelmente grosseira de linha e de verdade e tão pouco não houve menção do vegetal como motivo de ensaio artístico. Esta documentação primeira do desabrochar da arte foi geralmente considerada como a revelação, em início, do espírito de observação e de imitação da natureza. Um naturalista russo, que aborda superiormente o assunto numa notável publicação científica, vê, contrariamente, nos preciosos esboços legados, a produção dum instrumento de luta contra esta natureza. O método de prova é o, já agora comummente seguido, d.a comparação do mobiliário pré-histórico com o do selvagem actual. Nota primeiramente que este mal distingue a representação subjectiva da realidade objectiva, firmado em que ele jamais supõe independente da substância orgânica a imagem que vê em sonho, confundindo até, num mesmo sentido e palavra, a ideia de alma, imagem e sombra.

2Daí, uma mútua relação entre o objecto e a imagem, relação material que o conduz a comportar-se igualmente para uma e outra.

3Taylor afirma que o selvagem pensa que o mal produzido à imagem se reflecte no próprio objecto ; Waitz conta que certa tribu de África julga que parte da alma passa para o retrato ; Lubbock refere que tanto mais a cópia é exacta quanto o perigo da passagem é maior : Charlevoix narra o facto de certos que desenhavam a figura daqueles de quem se queriam desembaraçar e lhe furavam a imagem ; Taylor relata ainda que os indígenas de Bornéo modelam em cera a figura do inimigo e derretem-na ao fogo pensando que ele desaparece ; Dubois menciona o caso de alguns índios inscreverem o nome do adversário no peito duma imagem que o representa e seguidamente mutilarem-no com o fim já sabido.

4Ora os vestígios desta crença, e de outras análogas em que abunda a exposição pré-citada, encontram-se frequentemente na tradição europeia, posto que sob modalidades várias.

5Na história tradicional dos sortilégios em Portugal poderíamos destacar inúmeros casos afins que enriquecem a superstição popular.

6É o caso que, quando se consultam mulheres de virtude acerca dos meios que levem a efeito o mal ou a morte de alguém, elas requerem um fragmento dum objecto de uso, no qual se praticará o que é de desejo incida no inculcado. Para certa espécie de feitiçaria, obtém-se um sapo cuja boca se cose penetrando ao mesmo tempo no coração um ou mais alfinetes ; tal a morte do sapo, tal a de pessoa em cuja intenção é feita a prática.

7A fim de alcançar um lobisomem atira-se com pedras à sombra ; se à de uma bruxa se espeta uma navalha, aquela não se move mais ; apanhando com uma moeda uma pouca de terra da pegada de alguém, podem as feiticeiras obter a doença e até a morte da pessoa.

8Dos factos enunciados e de tantos outros que se poderiam acumular, resulta, para o naturalista russo, a opinião de que a figuração dos animais teria, ao espírito do homem pré-histórico, uma significação diversa da geralmente admitida. Então que a rena não era ainda um animal domesticado mas cuja posse urgia obter para desta arte com seguir alimento, agasalho e armas que ela simultaneamente fornecia, a impressão figurativa do animal desejado na arma com que se lhe dava caça, exerceria um poder mágico, verdadeiro fetiche e penhor de sucesso ; possuir a imagem seria quase estar de posse do objecto apetecido. E tantas mais probabilidades na aquisição quanto mais exacta de traço ela fosse.

9O número restrito da figura humana, e sobretudo o seu mal acabado, intrigara já Broca que se limitara a registrar o facto achando-o muito característico.

10O eminente antropologista chamara ao habitante das cavernas um homem pacífico, raramente em luta com o seu semelhante. Estará nisso a explicação – pergunta Lazar, o naturalista – da carência da sua imagem nos objectos pré-históricos ? Assente a superstição enunciada, ele não precisaria realmente de reproduzir a figura humana. É possível, pois, que a iniciação do homem na arte, longe de ser uma tendência natural do homem primitivo para a imitação artificial da natureza viva, não fosse mais do que o desejo de a submeter às suas necessidades, subjugando-a.

Notes

1 Artigo publicado na revista O Intermezzo, 2.a série, n.° 3 (Porto, 13 de Dezembro de 1890), pp. 1-2.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search