Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Os pucareiros de ossela 1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo II, fase.° 4.° (Porto, 7 de Setembro de 1908), p. 653.

1Vão a desaparecer os ceramistas populares da freguesia de Ossela, no concelho de Oliveira de Azeméis e distrito de Aveiro. Do não mui remoto e numeroso grupo de oleiros subsistem apenas dois no lugar do Mosteiro, da freguesia aludida, e outro, de lá destacado, no lugar de Barbeita, freguesia de Castelões e concelho contíguo de Macieira de Cambra. É, pois, uma indústria local que se extingue à míngua de recursos. A exiguidade dos lucros desviou, os oleiros para outras ocupações, limitando-se os que sobrevivem a venderem os seus púcaros negros nas feiras, e associando interpoladamente alguma agricultura ao seu descaroável mister.

  • 2 Vide: Rocha Peixoto–« Sobrevivência da Primitiva Roda de Oleiro em Portugal», in revista Portugalia(...)

2Para fixar a lembrança desta rústica profissão moribunda, uma breve anotação tem seu lugar. Os actuais oleiros empregam dois barros, necessários para a plasticidade e consistência ; um buscam-no em Lordelo, freguesia de Vila Chã do Cambra e o outro em Bustelo do Caima, na freguesia de Ossela. Misturados e pisados a maço e em seco numa pia de pedra, peneirados depois e por fim amassados à mão e com a água que baste, está pronta a pasta para ser modelada. A roda, assente e movente sobre o eixo do trabul, é a mesma, em configuração e dimensões, que se encontra nos arredores de Amarante e em Baião (Portugalia, II, 75). (2) Com o fanadouro (Id., 76) alisam as superfícies. E uma vez secas as loiças, a cocção efectua-se em covas (Id., 76 e fig. 5), durando umas 3 ou 4 horas, empregando-se, como combustível, achas e caruma, e abafando-se a fornada com terra antes de se levantar definitivamente o vasilhame.

3O esquema fundamental das vasilhas é a oval sabida (Id., 77), maior ou menor, aselhada ou sem ansas, predominando as panelas, os cântaros, as caçoilas e, nomeadamente, os púcaros. Ornamentação incisa insignificante ou nula.

4Tempo houve – e os vestígios perduram – em que, influenciados pelas loiças beirãs provindas de S. Pedro do Sul ( ? ) e de Molelos, alguns aperfeiçoamentos se acusaram no fabrico local. Variaram, melhoraram e criaram-se novas formas, incluindo as bilhas de segredo, bules e açucareiros. Adoptou-se em todo o vasilhame o brunido, conseguindo-o o oleiro com a fricção dum seixo na peça antes de ir ao fogo, à altura em que a consistência da pasta permitia a aplicação sem o perigo de a amolgar. E por fim multiplicaram-se as ornamentações incisas, geométricas ou florais, acentuadamente com o aspecto das de Molelos, e sempre, na recta ou na curva, em linhas interrompidas.

  • 3 Vide-, Rocha Peixoto – « Ethnographia Portuguesa. Industrias Populares. As Olarias de Prado», in re (...)

5Para as efectuar o oleiro dispõe de várias pintadeiras. E a pintadeira é um cone recto de madeira muito alongado (eixo = 0,1 m ; diâmetro da circunferência da base = 0,015 m), com entalhas mais ou menos numerosas e profundas na periferia da base. Tomando o utensílio pelo vértice e fazendo-o correr pela gola ou bojo, realizando, a um tempo, sucessivos movimentos de rotação, assim se imprimem, consoante o modelo ou fantasia do louceiro, as decorações incisas e interrompidas : só gravam, é bem claro, as saliências das entalhas. Os símiles encontram-se na conteira de Prado (Portugalia, I, 238)(3) e num. utensílio análogo usado pelo ceramista romano.

6As aptidões do exilado de Barbeita e dum dos oleiros do Mosteiro – cujo pai já fora barrista de fama e galardoado na Exposição cerâmica do Palácio de Cristal, em 1882 – confirmam os vaticínios sobre os progressos formais e decorativos do vasilhame popular, se outro fosse o aprendizado e mais remuneradora a ocupação. Despremiada, porém, como se sabe, e impotente na concorrência com outros artefactos, mesmo a despeito da sua inverosímil barateza, esta olaria regional em breve sucumbirá, restando apenas na geração que passa a reminiscência dos antigos «paneleiros», ou, como mais frequentemente os denominam, dos pucareiros da Ossela.

Notes

1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo II, fase.° 4.° (Porto, 7 de Setembro de 1908), p. 653.

2 Vide: Rocha Peixoto–« Sobrevivência da Primitiva Roda de Oleiro em Portugal», in revista Portugalia, tomo II, fasc. 1.° (Porto, 15 de Julho de 1905) (ou pág. 181 e segs. deste vol. I das OBRAS de Rocha Peixoto).

3 Vide-, Rocha Peixoto – « Ethnographia Portuguesa. Industrias Populares. As Olarias de Prado», in revista Portugalia, tomo I, fasc. 2.° (Porto, 25 de Agosto de 1900) (ou pág. 102 deste vol. I das OBRAS de Rocha Peixoto).

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search