Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Folclore: Contos populares de animais 1

Texte intégral

  • 1 Colectânea publicada por Rocha Peixoto na revista Portugalia, tomo II, fasc. 4.° (Porto, 7 de Setem (...)

1I. – O lobo e a raposa – Uma vez uma raposa e um lobo roubaram um carneiro e foram enterrá-lo para depois o comerem, quando pudessem. Mas a raposa pensou lograr o lobo, e ao outro dia foi a casa dele pedir-lhe emprestados os seus sapatinhos para um baptizado. – Pois não, senhora Comadre, aqui estão. Dali a pouco volta a raposa : – Muito obrigada, senhor Compadre, já está pronto o baptizado. – Sim ? E como se chama o seu afilhado ? – Chama-se Comecheicho. – Ah ! nome muito bonito, nome muito bonito ! Tinha a raposa -começado a comer o carneiro.

2No outro dia torna lá a raposa a pedir-lhe os sapatos para outro baptizado. O lobo de boa vontade lhos empresta e na volta pergunta-lhe o nome do afilhado. – Chama-se Meieicho. – Nome muito bonito, diz-lhe o lobo ! Estava metade do carneiro comida.

3Ao outro dia a mesma coisa e nova pergunta sobre o nome do afilhado, ao que a raposa respondeu : – Chama-se Acabeicho.– Nome muito bonito ! Estava o carneiro todo comido.

4Diz depois a raposa ao lobo : – É verdade, senhor Compadre, quando havemos de comer o carneiro ? Combinaram e fixaram o dia.

5A raposa tinha deixado o rabo do carneiro de fora, à flor da terra. No dia marcado lá foram fazer a boda. Chegados, diz o lobo à raposa : – Puxe lá, senhora Comadre, por esse rabo. A raposa finge um grande esforço e diz que não pode puxar mais, que está muito enterrado, que é melhor o Compadre puxar agora para ela descansar. O lobo vai com toda a força a puxar e cai para trás, dando uma grande pancada norabo. Acode a raposa : –Ah ! o carneiro está podre ! O lobo, desconfiando, diz que não, que foi a raposa que o comeu. Grande bulha : porque foi você, não fui eu, foi você, etc., até que a raposa faz uma aposta : – Olhe, senhor Compadre, vamo-nos deitar ao olho do sol e aquele que primeiro lhe suar o rabo, foi o que comeu o carneiro.

6Deitados, depressa adormeceu o lobo. E a raposa, logo que o vê dormir, mija-lhe no rabo ; nisto acorda o lobo e a raposa faz-se igualmente acordada, dizendo : –Foi o senhor Compadre que comeu o carneiro ; tem o rabo todo suado ! – Foi você, senhora Comadre ! Finalmente, de tal maneira se azedou a questão que pegaram à pancada e assim terminou a boda.

7II. – A raposa e o gato – Era uma vez uma raposa que perguntou a um gato quantas manhas tinha. – Tenho duas : uma de arrabunhar e outra de engatar. E tu. raposa, quantas tens ? – Eu, mil e um chorro. (Chorro = fole de pele de cabra).

8Nisto vê-se ao longe uma matilha de cães. Diz o gato : – Vamos nós ver, raposa, quem mais depressa se livra daqueles cães que além vêm, tu, com as tuas mil manhas e um chorro, e eu, com as minhas duas ? – Pois sim. Quando os cães vêm mais perto, o gato trepa por uma árvore ficando livre e a raposa deita a correr por ali fora, cheia de medo a dizer:

9– Ai ! os meus olhinhos já iam pelos guiços, o meu rabo na boca dos cães! ah ! minhas perninhas, que de boa me livrastes! Se eu desta escapar, contas com gatos não quero mais.

10III. – O rouxinol – No tempo em que crescem os abraços de videira adormeceu, uma noite, o rouxinol, e, quando pela manhã acordou, não pôde voar, porque um abraço, crescendo, prendeu-lhe um pé. A mãe então recomendou-lhe que não dormisse durante esse tempo e por isso ele canta : –A minha mãe disse, disse, disse, diiiiisse,. que eu não dormisse, que não dormisse, que não dormiiiiisse...

11Razão por que o rouxinol canta de noite.

12Versões de Vinhais

13( Continua)

Notes

1 Colectânea publicada por Rocha Peixoto na revista Portugalia, tomo II, fasc. 4.° (Porto, 7 de Setembro de 1908), p. 660.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search