Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Etnografia portuguesa: As filigranas 1

Texte intégral

Preliminar

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fasc. 4.° (Porto, 7 de Setembro de 1908), pp. 54 (...)

1Na intenção de avultar o seu prestígio pela riqueza ou pelo brilho, o homem encontrou no ouro, desde tempos ignorados e remotos, desde os prenúncios, certamente, da primeira, idade metálica, o mais invejável agente de sedução e domínio. A pedra preciosa é a chave dos corações, dizem os orientais proclamando o supremo fastígio do luxo. Mas o ouro, cedendo a aplicações tão variadas e magníficas, fecundo nos empregos e fácil nas transformações, submetendo-se aos estilos ou amoldando-se simplesmente ao desvario e tirania das vaidades, sempre com o mesmo fulgor, maleável e dúctil, inalterável e plástico, reune todos os atractivos como todas as facilidades para ser o eleito dos adornos.

2Jóia pessoal, decoração de arma ou baixela de aparato e de serviço, o ouro invade ainda, como finamente já está observado, os templos dos deuses e os palácios reais, ornamentando os altares com os vasos sagrados e destinados à celebração dos mistérios ou fornecendo, em ceptros, coroas e tronos, os emblemas característicos do poder soberano. Para muitos homens, anotou-se ainda, foi ele o fim supremo da luta ; para outros a explicação ou a desculpa das mais condenáveis acções !

3De quando data a primeira fundição ? Como muitas origens, também a da metalurgia do ouro ficará envolta num mistério que só vagamente se entreabre ao esmorecer dos tempos neolíticos e quando já alvorece a primeira época dos metais. Na Península, tão celebrada nos textos antigos pela abundância dos seus veios metalíferos, as espécies nobres muito cedo estimularam a pesquisa e a cubiça. Decerto nos familiarizamos breve com os iniciais processos de busca, de lavra e de fabrico ; e quando no cobre e no bronze modelávamos ou cinzelávamos utensílios ou enfeites, já paralelamente, bàrbaramente o ouro originava os seus primeiros e mais raros artefactos. Zona invejada de exploração frequentemente investigada e percorrida, núcleo afastado de irradiação dos metais, os seus mais antigos produtos, entretanto, não correspondem, na barbárie primordial, aos que iriam ser concebidos e realizados por civilizações que na Península só buscavam, a matéria excelsa. A nossa ourivesaria inicial, tomando do alheio, e com manifesta subalternidade artística, a lição mais singela e acessível ao rude aborígene ibérico, foi originàriamente maciça, seduzindo mais pela cor e brilho refulgentes do que pela, associação dos seus elementos construtivos, pela graça e leveza dos acessórios e pela arte da combinação dos ornamentos.

  • 2 RICARDO SEVERO, O thesouro de Lebução, in Portvgalia, II, págs. 1-14. – O MESMO, Os braceletes d’ou (...)
  • 3 FORTES, Duas joias archaicas, in Portvgalia, II, pág. 413. Porto, 1907.
  • 4 IDEM, A sepultura da Quinta da Agua Branca, in Portvgalia, II, pág. 245. Porto, 1906.
  • 5 GABRIEL PEREIRA. O collar da Penha Verde, in Boletim da R. Assoe, dos arch. civis e arch. portuguez (...)
  • 6 SEVERO, As arrecadas d’ouro do castro de Laundos, in Portvgalia, II, pág. 407. Porto, 1907.

4No solo português as jóias antigas mais frequentes são os braceletes e os torques, estes geralmente sob o esquema monótono da sanguessuga lisa ou estriada e aqueles reduzidos a fitas ou vergalhões nus ou parcamente ornamentados2. Com linhas, pontos e triângulos (3) se acomoda geralmente o aurífice proto-histórico indígena, mesmo nas grandes peças de ostentação, como esse diadema da idade do cobre, onde a imaginação decorativa só soube criar, entremeados, pontos e dentes de serra4 Proporcionalmente são raridades as grandes peças : os sumptuosos colares de Penela e de Sintra ou a armila famosa de Lebução com os seus ornatos tão vários e tão dextros (5). E, quando os processos técnicos se desenvolvem e avançam, adelgaçando o ouro à fieira ou manipulando o trancelim, ainda o artefacto não é um produto de arte mas apenas pretexto de ostentação e de vaidade. As interessantes arrecadas de Laundos, presumivelmente dos últimos tempos da idade do ferro, visavam mais à exibição do esplendor do metal do que ao efeito estético, que as limitadas faculdades do ourives não souberam alcançar dos já adquiridos progressos de factura (6).

  • 7 PIERRE PARIS, Essai sur l’art et l’industrie de l’Espagne primitive, II, pág. 242. Leroux ed. Paris (...)
  • 8 RAMON MÉLIDA, El tesoro ibérico de Jávea, anexo ao Ext. da Rev. de Arch., Bibliot. y Museos intitul (...)
  • 9 EMILE CARTAILHAC, Les ãges préhistoriques de l’Espagne et du Portugal, págs. 334-6 e pl. IV. Reinwa (...)

5Estabelecida a presunção (7) de que os ourives ibéricos cedo conseguiram estirar o fio a martelo, quando surge a obra em ouro mais rica em ideação e ornamentos, logo se procura encontrar a fonte inspiradora. O diadema junto ao tesouro de Jávea, com os seus ornatos granosos e a punção e as suas cadeias com pingente filigranado, é uma bela peça sobre a qual se disputaram logo directas influências orientais ou helénicas (8). E uma jóia como a lâmina de Cáceres (9), se é indígena, excepcionalmente esplende entre a mesquinhez e indigência da torêutica local.

6Ora a esta situação de inferioridade estética, que ao diante e entre nós será imutàvelmente confirmada, contrapôs-se, como a arqueografia vai denunciando, a hábil aquisição de vários processos técnicos. A filigrana e a trança de ouro aparecem muito cedo, antes da era presente, nos pequenos tesouros legados, geralmente em necrópoles, das populações apenas contemporâneas dos primeiros alvores da História. Não foi pelos árabes ou, como se afirmou com ligeireza e audácia, depois das nossas viagens à Índia, que em Portugal se fabricaram com fio de ouro os primeiros artefactos desta arte graciosa e fácil. O ensinamento é ignorado e remoto, como desconhecida e longínqua fica a origem precisa desta alada aplicação dos metais nobres.

  • 10 G. PERROT et CH. CHIPIEZ, Histoire de l’art dans Vantiquité, III, Phénicie, págs. 816, 818 e 840. H (...)
  • 11 PERROT et CHIPIEZ, ob. cit., VI, La Grèce, págs. 957 e 965. 1894. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc (...)
  • 12 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. cit., págs. 795-6. – OS MESMOS, Dict., voc. Aurifex de E. SAGLIO, (...)

7Efectivamente aos fenícios investiram no papel de descobridores desses complicados enrolamentos de fios, das malhas de admirável tenuidade e da poalha de grãos de ouro quase imperceptível, que mais tarde tão notàvelmente fulguram nas jóias de procedência etrusca (10). Mas afinal não só os túmulos egípcios, com as revelações dos seus despojos, antecipam a precedência, como os fios de ouro e o granitado de certa ourivesaria micénica acusam a posse e o uso da fieira e do maçarico (11). Dia a dia as descobertas nos revelam o Egipto, a Assíria, a Índia talvez, como produtoras, antes da Grécia e da Etrúria, da arte da filigrana (12). E sem que uma e outra destas regiões ficassem tributárias do Oriente, na evolução da sua ourivesaria perdura, não raro, o cunho de origem, e nomeadamente na obra onde a granulação e a filigrana constituíam o principal motivo de ornato. A Fenícia pois, como em quase tudo, assimilava e transmitia.

  • 13 JULES MARTHA, L’art étrusque, pág. 561. F. Didot ed. Paris, 1889.
  • 14 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., págs. 794-5. – MARTHA, ob. cit., pág. 562.
  • 15 MARTHA, ob. cit., pág. 562.
  • 16 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., págs. 795-6. – PERROTT, ob. cit., V, Lydie et Cari (...)
  • 17 A. NOEL DES VERGERS, L’Etrurie et les étrusques, ou dix ans de fouilles dans les marennes toscanes, (...)

8Sob o ponto de vista da subtil destreza de fabrico as jóias etruscas são, de resto, as mais interessantes, quando comportam fio e granalha de ouro. Umas vezes os fios entrançam-se, outras enrolam-se e curvam-se e outras soldam-se às superfícies, figurando, em ténue relevo, volutas e rosetas, meandros ou entrelaços (13). Mais fino, porém, que a filigrana é o granulado, verdadeiro pó de ouro obtido com a incidência da chama do maçarico em pequenas parcelas do metal e imediatamente soldado com uma nitidez e delicadeza inegualáveis (14). Tão leve mesmo fica o ornato granoso que os olhos mal o distinguem e ao tacto se revela por uma superfície breve e harmònicamente rugosa (15). E este habilíssimo engenho, já provado na fecunda imaginação do ourives da Grécia e das suas colónias do Ponto (16), haveria de subsistir na Toscana, através de todas as renovações do gosto, das intrusões violentas ou pacíficas da volubilidade das modas e da inconstância dos tempos : ainda actualmente em recônditos burgos dos Apeninos se mantém um estilo sobrevivente, com a mesma paciência de labor, igual finura de pormenores e fabrico e invencível desdém pelos modernos recursos mecânicos (17).

  • 18 PARIS, Le trésor cit., págs. 431-2.

9Por virtude de outras manifestações é lícito conjecturar que a influência da ourivesaria oriental e helénica se exerceu tão directamente sobre a Toscana como na Ibéria. E a técnica do diadema de Alicante, ou obra de ourives grego ao gosto espanhol ou fabrico indígena em parte subordinado aos moldes inspiradores e propulsores, denuncia, no granitado e filigrana, a identidade do seu fabrico com as jóias de ouro encontradas na Etrúria(18). Data, pois, dessa época imprecisa mas distante a técnica da filigrana nas duas penínsulas, ao diante com hiatos que as descobertas porventura ainda desvendam, e entretanto persistente no sul e ocidente da Europa pela antiga utensilagem e pelos padrões sobreviventes.

  • 19 PIERRE GUSMAN, Pompei, pág. 457. May ed. Paris, s. d.
  • 20 MARQUARDT, ob. cit., II, nota 3 de pág. 343, pág. 361 e nota 4. – GUSMAN,. ob. cit., pág. 345.
  • 21 HENRY HAVARD, Histoire de l’orfèvrerie française, pág. 35. Quantin ed. Paris, 1896.
  • 22 CH. DAVILLIER, Recherches sur l’orfèvrerie en Espagne au Moyen-Age et à la Renaissance, págs. 3-13. (...)
  • 23 DAVILLIER, ob. cit., pág. 33 e nota 3 e pág. 34.

10Seguindo a irradiação do artefacto filigranado e a sua ulterior radicação, logo em Roma surgem certas jóias de ouro em que as minúcias de execução sugerem a lembrança do artigo greco-etrusco (19), consagrando-se numerosos dos seus fabri aurarii ao fabrico de cadeias e filigranas para os atavios femininos (20). Nas necrópoles gaulesas encontra-se a filigrana guarnecendo vários dos adornos exumados (21). E, se dos artistas visigóticos mais ressalta a sua ourivesaria de carácter particularíssimo, avultando, pela originalidade inconfundível, o celebrado tesouro de Guarrazar com as suas coroas, diademas, nimbos, colares, anéis e braceletes profusamente ornados de pedrarias (22), algumas peças ulteriores que oferecem a mais viva analogia com o estilo visigodo exibem esse gracioso pormenor decorativo. Tal a cruz dos Angeles, na catedral de Oviedo, dos séculos IX ou X, com todo o reverso ornado de filigrana muito fina, e ainda a de Compostela e do século IX, com ornamentação também filigranada (23).

  • 24 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Historia da ourivesaria e joialheria portuguezas, pág. 109 e nota. S. 1. n. (...)
  • 25 (а) DAVILLIER, ob. cit., págs. 13 e 31.
  • 26 HAVARD, ob. cit., págs. 60, 78 e 89 e fig. de pág. 76.
  • 27 TEXIER, Dict. d’orfèvrerie, de gravure et de ciselure chrétiennes, in Encyclopédie MIGNE. pág. 940. (...)

11Os árabes da conquista, no século VIII, já encontravam pois, na Península, aptidões técnicas desenvolvidas nas oficinas dos ourives visigóticos (24) e dos que os precederam. Familiarizados com o luxo, os novos conquistadores enalteceram, não obstante, a arte que se lhes deparava, tão decisiva e progressiva, de resto, que, após a ruína da monarquia visigoda e nos países que escaparam ao domínio muçulmano, a ourivesaria continuava a ser praticada e a ser fecunda, sem a interferência do ensino ou do estímulo agarenos25. A merovíngia, por exemplo, tão hábil como inexperiente e bárbara, obtinha com os arabescos de fios de ouro um dos seus mais prezados e usados recursos de decoração ; e do período carlovíngio também subsistem alguns evangeliários e cálices onde um dos elementos ornamentais é a ramagem de filigrana achatada e estriada (26). Notável se revela ainda o emprego do enfeite filigranado na maioria das cruzes atribuídas a Santo Elói (27).

  • 28 GASTON MIGEON, Manuel d’art musulman, II, Les arts plastiques et industriels, pág. 158. Picard ed. (...)
  • 29 DAVILLIER, ob. cit., pág. 29.

12Entanto a arte árabe, sumptuosa e esplendente, assinalável sobremodo nos seus artefactos de ferro incrustados de ouro, realizava com primor a filigrana, desde as primeiras oficinas que instalou até aos últimos alentos da hegemonia sarracena (28). Como seu legado apenas sobreviveram, em mais definida acentuação de origem, certos objectos que ainda hoje manufacturam os ourives de Málaga e de Córdova (29).

  • 30 JULES LABARTE, Histoire des arts industrieis au Moyen-Age et à l’époque de la Renaissance, II, págs (...)
  • 31 VIOLLET-LE-DUC, Dict. raisonné du mobilier français de l’époque carlovingienne à la Renaissance, vo (...)
  • 32 IDEM, Dict. e voc. cits. págs. 196-7.

13Na plenitude da arte românica Veneza cria, a datair do século XII, a reputação imarcessível dos seus artefactos de fios de ouro e prata, sendo então as suas jóias objecto de grande aura (30). Paralelamente a filigrana espiralada e granulada ornamentava com pedrarias, pérolas e esmaltes outros artefactos sacros franceses com o carácter de trabalho ocidental sem influências da fabricação de Bizâncio (31). No século seguinte este género de ornamentação adquiria ainda mais brilho e vida, dispondo-se os enrolamentos de fios metálicos gianulados, não completamente soldados aos fundos, mas apenas nas origens, desligando-se portanto à maneira de espirais para se elevarem até sete e oito milímetros ao alto (32).

  • 33 Relatório e programa da Exposição de ourivesaria e joialheria nacional, in Rev. da Soc. de Instrucç (...)
  • 34 SOUSA VITERBO, Arte e artistas em Portugal, págs. 116-7. Ferreira ed. Lisboa, 1892.
  • 35 IDEM, ob. cit., págs. 117-8.
  • 36 VASCONCELOS, ob. cit., nota de pág. 13. – FILIPE SIMÕES, A Exp. retrospectiva de arte ornamental po (...)
  • 37 S. VITERBO, A Exp. de arte ornamental, in Bol. da Soc. de Geog. de Lisboa, 3.a série, pág. 520 e se (...)

14Entre nós, se não é fácil, para essa época, historiar com documentação bastante a ourivesaria do tempo, mais se dificulta a apreciação dos recursos ornamentais alcançados com os rendilhados metálicos. Sabe-se que nos costumes e foros de Castelo Bom (1188) se encontra um título referente ao exercício da profissão de aurífice (33), e que já anteriormente, no último quartel do século XI, vivia em Coimbra um Joannes aurifex (34). Dos dois séculos seguintes e na mesma cidadehá memória de outros ourives (35). O objecto, porém, rareia, salientando-se, com o cálice da mulher, a cruz de Sancho I, ornada de pedras preciosas e filigranas (36), e bem assim, das proximidades do tempo, outro mobiliário em que o acessório do fio de ouro também resplandece(37).

  • 38 GINER DE LOS RIOS, Artes industriales desde el cristianismo hasta nuestros dias, pág. 17. Lopez ed. (...)

15É menos árduo seguir o desenvolvimento desta arte sumptuária em Espanha, que então e depois, nos séculos XIV e XV, produz uma numerosa alfaia filigranada sacra e profana (38), atingindo no século XVI, com a exuberância do gótico florido, a máxima delicadeza e perícia do adorno filigranado em jóias inolvidáveis como a cruz de León !

  • 39 VASCONCELOS, A ourivesaria profana, in Arte portugueza, pág. 46. Porto, 1882. (Id. na Hist. da ouri (...)
  • 40 IDEM, Hist. cit., págs. 13-7.
  • 41 É edificante a leitura dos seguintes passos: J. RIBEIRO GUIMARÃES, Summarlo de varia historia, III, (...)
  • 42 VASCONCELOS, Hist. cit., págs. 29-30.

16Antes do século XV Portugal está sob a influência de elementos alheios e diminutos, com apoucados recursos e sem grande tradição artística (39), como naturalmente incapacitado, pela sabida ausência de génio criador, de se manifestar sob uma feição própria. Não há originalidade na ourivesaria portuguesa : há um certo carácter na ourivesaria peninsular, denunciado sempre, e sobretudo, nos séculos XV e XVI, sendo então, pelo fausto da corte e do culto, pelo conhecimento dos produtos de fora e pela fácil obtenção da matéria, prima desde que nos votamos à navegação e à conquista, que a ourivesaria nacional alcança o seu relativo esplendor (40). A celebrada custódia de Belém (41) representa, efectivamente, o auge da arte portuguesa, sem manifestar todavia nem. um « milagre», pois que seria irrealizável não havendo precedentes do mesmo estilo e técnica, nem um « assombro» porque na época e antes se concebiam e efectuavam jóias estrangeiras, que a amplificação delirante do critério patriótico inteiramente desconhece42.

  • 43 IDEM, Ourivesaria religiosa, in Arte portugueza cit., pág. 46. (Id. na Hist. da ouriv.).
  • 44 IDEM, Exp. districtal de Aveiro em 1882. Relíquias da arte nacional, pág. 27. Aveiro, 1883.
  • 45 IDEM, Exp. de ouriv. e joalheria nacional, in Commercio do Porto de 1-XI-83.

17No século XVII acusa-se entre nós, adoptando uma qualificação precisa e feliz, uma Renascença póstuma, tímida, sem novidade e retradução dos tipos espanhóis (43). Através dessa arte bastarda subsistem, chegando algumas até nós, lindas jóias de filigrana do século anterior, com pérolas, rubis e safiras engastadas44. Nós fabricámos pouco e mau, à semelhança, mas muito mais humildemente, do que sucede na decadência espanhola, com as suas custódias e tabernáculos de 200 e 300 quilos de prata e a gigante, emaranhada e profusa complicação da sua estrutura e acessórios (45).

  • 46 HAVARD, Dict., voc. Filigrane cit., págs. 815-6.

18Em França, onde no século de quinhentos se desenvolvera principalmente o fabrico da filigrana, ainda no século imediato os artefactoseram em tal número que só no inventário da Coroa se contavam, filigranadas, 919 peças de prata e 199 de ouro (46).

19Do século XVIII em diante é mais praticável a apreciação do artefacto de ouro ou prata na sua mísera decadência, afora um ou outro lampejo, aliás de sugestão ou ensinamento alheios. A filigrana é que desaparece da baixela e da alfaia do culto para regressar a destinos mais humildes, confinando-se em modelos e padrões que jamais esquecera, retomando outros, abastardando muitos e defendendo-se, até à última crise, no reduto que foi sempre o seu amparo mais seguro : o uso popular e a rotina.

20Assim vem permanecendo, mais ou menos, em Salamanca, Málaga e Córdova, em França, na Itália e nomeadamente em Génova, Florença, Nápoles e Eoma, na Dinamarca onde se trabalha com admirável finura, na Suécia e na Noruega onde também a cruz de Malta, mas de prata, é quase uma jóia nacional, na Turquia, na África em mãos de judeus e de berberes, na América do Sul figurando os produtos mais extravagantes, na China e principalmente na Índia, onde se exibe inexcedível.

21Não é, pois, a obra subtil de fio de ouro e prata, tão graciosa, tão leve e, em rigor, barata e fácil, nem uma arte nacional, como se julgou e até já se escreveu, nem lição da Índia ou da Mourama. A sua longevidade na Península é bem maior, como a sua expansão mais dilatada. Cedo, muito cedo a ostentação e a vanglória adoptaram nos adornos que cintilam este delicado pormenor ornamental que, além de grácil e airoso, também reluz!

I A técnica

Os arcabouços das peças ou armações. Origens dos esquemas. – Obtenção do fio: a fieira, a tenaz e o banco; o cilindro, o tabuleiro e o carrinho. Torcedura e recozimento ; a denticulação.– Organização das espirais e dos crespos: a buxela, o ferro do crespo e a embutideira. Enchimento. – Solda: as substâncias, a piruca ou aranhola e a borrachinha. – Outro recozimento. – Limpar e corar. Arear ou polir. Brunir. – A matéria prima utilizada.

22Para o fabrico duma peça de filigrana começa-se, em regra, por organizar o seu arcabouço fundamental, destinando-se os grandes espaços que as nervuras estruturais limitam a serem guarnecidos ou preenchidos pelo fio de ouro ou de prata, cuja tenuidade e disposição caracterizam esta especialidade artística. Ao arcabouço – que, tratando-se duma folha vegetal, seria a margem do limbo, o pecíolo e as nervuras mediana e secundárias – é o que, em Travassos, denominam a armação, fita de ouro ou de prata obtida no que chamam o cilindro, isto é, entre dois tamboretes de aço paralelos, animados de movimento e dando-lhe a espessura e largura pretendidas. Os padrões tradicionais fixados de memória ou em singelos debuxos arquivados, os modelos de encomenda procedendo do cliente ocasional e principalmente do mercador, um ou outro raro objecto de inventiva do artífice enquadram as faculdades produtivas.

  • 47 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 794.
  • 48 HAVARD, Hist. cit., págs. 59-60.
  • 49 O banco instalado à direita da oficina do século XVI, representada na fig. 817 de pág. 1222 do tom. (...)

23Edificada a armação, o fio que a vai ornar e encher é suficientemente adelgaçado de sorte a curvar-se e enrolar-se em espiras ou SS e em rodilhões, como dizem em Travassos, ou crespos, que é a denominação de Gondomar. Para a obtenção do fio já não se usa, mas ainda lembra, o martelo, como provàvelmente se procedera na antiguidade (47) e ainda nos tempos merovíngios, achatando-se e alongando-se o metal por simples percussão mas com uma dextreza admirável (48). Sucedeu-lhe a fieira ou damasquilho. E a fieira é, como se sabe, uma espessa placa de aço crivada de orifícios com os calibres sucessivamente decrescentes, através dos quais o ouro e a prata são levados à espessura duma aresta e até dum cabeleiro. Chama-se a esta operação puxar o ouro (Travassos). E para tal começa-se por colocar a fiieira entre dois tacos de madeira, paralelos e firmes no extremo da superfície dum, banco. O ouro ou a prata, antecipadamente fundidos e vazados em rilheiros (S. Cosme), e, batidos em redondo numa bigorna, são levados a uma das aberturas da fiieira. Dela se faz emergir a ponta do fio a distender ; e essa ponta é agarrada por uma longa tenaz de hastes recurvas, onde engancha a corrente de ferro ligada ao eixo dum sarilho no extremo do banco(49) oposto ao que sustenta o damasquilho. Corrido o fio, passa-se depois para o ostíolo imediatamente inferior e seguintes até se conseguir o adelgaçamento requerido.

24Por aqui ficam os ourives de Travassos. Em Gondomar, porém, ao banco preferem geralmente o cilindro, passando daqui o fio, como aliás também do banco, para o tabuleiro, onde duma nova fieira anexa com os pertuchos diminutos, puxa à mão, com uma tenaz, o filigraneiro. É então que o fio se leva à grossura duma aresta. Por fim do tabuleiro vai ao carrinho (fig. 1), no qual, por entre as estreitíssimas aberturas dos rubins, os dois metais atingem a finura extrema. É a finura do cabeleiro, ou o mais alto grau de ductilidade que podem, com tais instrumentos, alcançar.

  • 50 PAUL EUDEL, L’orfèvrerie algérienne et tunisienne, pág. 185. Jourdan ed. Alger, 1902. – FONTENAY, o (...)
  • 51 EUDEL, ob. cit., págs. 185-6.

25A fieira é já antiga ; usavam-na de ferro os egípcios e de aço os árabes, obtendo estes últimos o fio de prata aplicando contra as plantas dos pés o damasquilho e esticando o metal ajudados por uma corda (50). Actualmente as populações berberes do norte de África adoptam o mesmo banco já descrito, com a tenaz, o sarilho e a cadeia sem fim, recozendo, como entre nós, o fio (51), isto é, metendo-o cautelosamente ao fogo entre carvões, e assim evitando que, tornando-se quebradiço, se não dome à espessura desejada.

  • 52 DARENÍBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 794.

26De ordinário não se aplica o fio singelo. Tomam-se dois, torcem-se à mãos concluindo a operação entre duas tábuas, submete-se rapidamente o cordão ao fogo da forja – o que também se chama recozer – ligando desta arte o par de fios, e levam-se depois ao cilindro que os esmaga, convertendo-os na ténue fita de subtílima denticulação que o trançado explica. O fio torcido com outro igual e parecendo ambos um só fio gravado é, e foi na antiguidade, o elemento principal da filigrana (52). As velhas e modernas jóias guarnecidas, com surpreendente perícia técnica, de volutas e entrelaços, de SS e círculos, de ornamentos ou reticulados, ou vermiculados, ou imbricados, têm em geral, nos dois fios trançados, o essencial elemento desta decoração variada e inesgotável.

27Resta encher as armações – de arrecadas ou pulseiras, de anéis ou alfinetes, de gargantilhas ou pingentes, de cruzes ou relicários, de brincos ou corações. Mas previamente organizam-se os SS e os crespos, maiores ou menores, conforme os espaços em que devam ser intercalados. Para encurvar e enrolar o fio dos SS – que são sempre, nos remates, muito ou pouco espiralados e constituem o motivo mais comum de ornato e enchimento – emprega-se a buxela (Travassos), espécie de pinça de aço cujos ramos findam em gumes. Sobre o tabuleiro de ferro e forçando, prendendo, tomando e largando o fio, lento e lento lhe dão a curvatura, cortando-o com um dos gumes logo que o S ou a espiral atingiram a dimensão e o enrolamento necessários. Com a buxela ainda em Travassos obtinham os rodilhões. Em, Gondomar, porém, mais facilmente conseguem hoje realizar o mesmo elemento decorativo que na localidade, aliás, se chama crespo. Para tal há o ferro do crespo, espécie de alicate cujos ramos unem, no extremo, em cone. Fixo o fio de ouro na extremidade do utensílio, introduz-se na embutideira – que é uma lâmina com, pequenas cavidades cónicas – e dá-se ao ferro um movimento de rotação mais ou menos prolongado. Claro está que se vai enrolando em volta do ferro ; e como a cavidade tem a forma dum pequeníssimo cone invertido e a ela se adapta a terminação cónica do ferro, o ornamento resultante é um. diminutíssimo cone, cuja superfície se gerou com o encurvamento, progressivamente crescente em diâmetro, do fio áureo.

  • 53 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 793. – FONTENAY, ob. cit., pág. 505.

28Então, obtidos estes rolos, procede-se enfim ao enchimento das armações. Realizada a peça ou parte dela, conforme a estrutura e as dimensões, dispõe-se num carvão ou na espécie de umbela constituída principalmente por muitos fios de ferro, que em S. Cosme denominam piruca e em Travassos chamam aranhola. Cobre-se, seguidamente, de solda. E o maçarico, cuja representação mais remota se encontra já em pinturas do Egipto (53), intervém agora com a sua característica função. É por este emprego nas obras de ouro que os artífices da prata, pejorativamente, classificam os ourives, com desdém, de maçariqueiros. Efectivamente os primeiros não ocupam a boca, mas a forja.

  • 54 HAVARD, Dict., voc. Filigrane cit., pág. 814.
  • 55 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 795.
  • 56 HAVARD, Hist. cit., págs. 58-60.

29Na prática duma soldadura tão subtil que não seja perceptível a olho nu reside a habilidade suprema do artífice (54). As jóias encontradas nas necrópoles da Etrúria oferecem soldas duma delicadeza inimitável (55). E na ourivesaria merovíngia, tão inferior estèticamente à galo-romana, é interessante constatar, a par da inexperiência ante os recursos ornamentais da filigrana, o primor da aplicação das soldas(56).

30Em Travassos metade da solda é formada pelo ouro e a outra metade compõe-se de um terço de cobre e dois de prata. Em Gondomar a 10 gramas de ouro adiciona-se grama e meia de prata e uma e meia de cobre e trincal. Esparge-se a solda com a borrachinha ; e, aplicando o maçarico, vigia-se ininterruptamente a acção do fogo. Então, se não há em vista a fraude do emprego duma solda diminuída em ouro e destinada a tornar a peça mais pesada, o que, de resto, é menos frequente na obra de filigrana, o artífice, desde o « cantar da cigarra» até ao abandono do maçarico, efectuou uma das mais delicadas tarefas da sua empresa técnica.

31Borracha ou borrachinha é a indevida denominação, já antiga (Borrachia em Bluteau), duma pequena caixa de cobre, de forma cilíndrica, donde emerge lateralmente um tubo ao de cima serrilhado. Dentro está a solda. E obliquando o recipiente sobre a peça faz-se oscilar e verter a poalha metálica passando a unha pela serrilha – que então canta de cigarra !

  • 57 HAVARD, Dict., voc Argent, I, pág. 129.

32No ouro como na prata a similitude da manufactura é completa, sendo ambos os metais, como se sabe e por igual, maleáveis e dúcteis. Como o ouro, a prata é inalterável ao ar e na água, e 1 grama desta substância pode fornecer mais de 2000 metros de fio (57). Liga-se, em geral, com o cobre ; e apenas, para limpar, algumas leves divergências nem contam para além dos interesses profissionais.

33A peça de filigrana de ouro, uma vez soldada, é de novo recozida a fim de desaparecerem os efeitos do fumo e da soldadura. Enchem-se, para tal, em Travassos, dois recipientes de barro, justapostos pelas bocas ou bojos, com carvão de urze, havendo-se incluído as peças de ouro de permeio. Pousa-se depois o volume na forja a fim de as aquecer ; e é visível que a alta temperatura em nada as prejudica, visto não manterem contacto directo com o fogo, de que os carvões as distan-ceiam. Seguidamente, depois de esfriadas, vão a embranquecer numa vasilha, onde as espera uma solução muito diluída de ácido sulfúrico.

34Depois de limpar falta ainda corar. Prepara-se para o efeito uma massa em que entram, em Gondomar como em Travassos, 2 partes de salitre, 1 de sal e outra- de pedra hume. Tudo misturado e adicionado de alguma- água vai a ferver, depois do que esfria e seca. É então que, de novo vertendo mais água e introduzindo as peças, se conduz outra vez o recipiente ao fogo, deixando que a pasta entre em ebulição. A cor fica mais ou menos carregada, conforme o tempo que as peças se demorem na massa e ao fogo.

35Mas ainda aqui não remata a tarefa. As filigranas depois de receberem a cor, são ainda areadas ou polidas com areia fina, água e uma escova, a fim de adquirirem o brilho conhecido E voltam mais uma vez, rapidamente, à massa ou à cor, no propósito de expungi-las dum ou outro defeito, procedente desta última diligência, e fixarem o tom, definitivamente. Isto feito, são os objectos brunidos, última e simplíssima operação que se limita ao atrito hábil e, de resto, sumário, duma haste de aço cilíndrica – o brunidor.

  • 58 VASCONCELOS, Ouriv. prof. cit., pág. 18.

36Numa e noutra localidade, onde actualmente se trabalha em filigrana, a matéria prima principal é o dinheiro. Às moedas, libras sobretudo, acrescente-se ainda a cascalhada, velhos brincos, anéis, cordões e argolas, que vão ao cadinho para formarem as barras. Assim desapareceram e desaparecem, antigos artefactos e mais ou menos valiosos espécimes monetários. Mas tal regime vem de longe : em casos de necessidade particular ou de calamidade pública, como se verá, fundiu-se sempre o objecto de ouro e prata e sem escrú pulo (58).

37Suplementarmente outro pequeno artifício dá algum ouro. É a escovilha, ou sejam os cadinhos, os carvões das forjas, o lixo das oficinas e o das lojas, tudo queimado para apuro dos resíduos. Em Guimarães chamavam covilheiros aos que adquiriam os cadinhos para se aproveitarem desses vagos despojos. A extracção oferecia-se, ainda assim, lenta e penosa. Previamente os cadinhos eram pisados, peneirados e, por fim, lavados. Extraída a borra, ficava apenas areia e ouro ; e desta mistura, lavada em um caco, dispunha-se o metal no fundo, permitindo facilmente a exclusão da areia. Ia depois o ouro com azougue a um pequeno moente onde se triturava durante algum tempo. E acabada a moedura, lançava-se a nova mistura num cadinho, sobre o qual um outro servia de tampa. Neste praticava-se superiormente um furo e introduzia-se-lhe um tubo de ferro. Conduziam-se então à forja, começando em breve o mercúrio a sair pelo tubo – donde passava para um alguidar com água – e ficando o ouro no fundo do cadinho inferior.

II Os artefactos

As primeiras jóias. – Os brincos. Multiplicidade tipológica. A argola; ascendência remota e remota evolução para o esquema lunular. Anterioridade regional denunciada nas arrecadas proto-históricas do castro de Laundos. Precedências micénicas, etruscas e fenícias. Progressos ornamentais. O brinco fusiforme e a sua perfeita identidade com o modelo fenício. O brinco com tintinábulos: este acessório já aparece nas jóias troianas, etruscas, romanas e ibéricas. Outros temas e sua filiação artística e técnica. – Cordões, colares e gargantilhas. As contas e os modelos toscanos. – A cruz de Malta, os crucifixos, os relicários e os corações. A cruz e o coração motivos de preferência em todas as manifestações artísticas populares. – Os broches.–Os berloques. – Os anéis. Seu apreço. Sobrevivência de padrões italo-gregos. – As pulseiras; aberração e desvario das formas preferidas. – Os alfinetes de cabeça e seu desuso. – Conclusões.

  • 59 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures de E. SAGLIO, III, pág. 440.

38O costume de perfurar o lóbulo da orelha procede do Oriente, tendo sido iniciado por asiáticos e egípcios e penetrando na Europa por via dos helénicos (59). É entre nós uma das preocupações primárias relacionadas com o ornamento das crianças ; acaso só precederão os brincos um pequeno crucifixo de ouro e os amuletos : « botões » diminutos, mesmo umas «argolinhas » constituem em geral as primeiras jóias que ataviam os alvores da infância feminina. Mais tarde os brincos são, entre todos os adornos, os de peferência indeclinável. « Deitar às orelhas» o produto do primeiro ganho é converter nos enfeites adequados as economias àsperamente, morosamente amealhadas, muitas vezes depois de anos doloridos de despeitos, de aspirações insofridas e de pungentes anseios !

  • 60 VITERBO, Elucid., voes. Arrancanes ou Arrecadas e Arriei, I, págs. 137 e 140; voc. Pensamentos, II, (...)

39Assim é natural que o aurífice multiplicasse o seu engenho concebendo e realizando numerosos modelos, adicionados ainda de maior variedade de acessórios. No Portugal antigo – escrevia-se há mais dum século – houve arrecadas de pensamentos, assim chamadas pela sua demasiada finura, de bicha, pela figura duma cobrinha, de alfinete, por se introduzirem nos buracos dos lóbulos e não fecharem. Os arriéis de orelhas eram anéis de ouro, grossos e largos, que delas pendiam e até os homens usavam. Mas « os nomes e figuras dos [brincos] do nosso tempo (séc. XVIII) não caberiam num só dicionário e bem corpulento »(60).

  • 61 J. VILA-AMIL Y CASTRO, Adornos de oro encontrados en Galicia, in Museo espanol de antigüedades, III (...)
  • 62 FONTENAY, ob. cit., pág. 101. – O indefeso, ilustre e benemérito arqueólogo sr. Santos Rocha, na su (...)
  • 63 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 441 e fig. 3999.
  • 64 PERROT, Phénicie, cit., pág. 823 e fig. 576-C.
  • 65 IDEM, La Grèce cit., pág. 971 e fig. 548. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 443 (...)
  • 66 FONTENAY, ob. cit., pág. 101.

40À parte os modelos de tão simples estrutura que decerto a todos os povos ocorreram, a arrecada, circular ou em crescente, é entre nós um dos padrões de ascendência mais remota. O esquema do corpo superior das notáveis arrecadas do castro de Laundos confina com o da arrecada actual de travessão recto e ainda o de outras arrecadas dum castro da Galiza (61). Destas últimas facilmente se passa à lúnula definitivamente acentuada, a qual, desde os tempos proto-históricos, assim enraíza, sequer, na orla do noroeste da península. Independentemente das formas simples em caixa, de chapa batida lisa ou historiada e de sanguessuga ou roliça (africanas), as filigranadas que ainda actualmente se fabricam, dão a série quase ininterrupta, a começar no modelo circular (fig. 2) e passando sucessivamente – duplicando ou triplicando as zonas l uniformes, espaçando-as, ornamentando-as perifericamente e enchendo-lhes os vazios – ao tema e alicerces do crescente (figs. 3 a 8). Este motivo lunular parece de origem fenícia (62); semeado de grânulos de ouro é muito frequente entre os despojos daquela procedência (63) ; e até uma argola também fenícia e em crescente exibe leves filigranas espiraladas, se bem que em disposição diversa das que as nossas apresentam (64). Do mesmo motivo, entanto, se podem aproximar o brinco micénico em que, a estrutura sendo a mesma, se inscrevem dois remates em espirais (65), e ainda alguns de Troia e da Etrúria (66).

41Lunulado é fundamentalmente o contorno da arrecada em cujo centro vasado oscila uma peça também em crescente e articulada (fig. 9) ; mais complexa, embora com os mesmos cordões granosos em SS, as mesmas rosetas e as mesmas espirais interpoladas, já se mostra um outro tipo muito em voga, onde, entre as peças em que o brinco se dobra, um anexo díptero intermediário se inclui para harmonia do conjunto (figs. 10 e 50).

  • 67 VASCONCELOS, A Exp. de arte ornamental em Vianna, in Exp. de arte ornamental do districto de Vianna (...)
  • 68 PERROT, Phénicie cit., pág. 823 e fig. 576-E.

42Com parentesco distante o tipo fusiforme igualmente ainda perdura (figs. 11 e 12). Um botão, uma rosácea ou uma conta suspendem a parte essencial do adorno, recamada, às séries ou às zonas, de cordões, de crespos e de redes. Assim delineados, burilados a primor e decompondo-se em. seis peças, há-os na ourivesaria antiga nacional (67); o símile mais perfeito, contudo, encontra-se no exemplar fenício do mesmo talhe, igualmente articulado, com a mesma série de flores em baixo e em roda e uma pérola terminal (68).

  • 69 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. InaureS cit., pág. 440.
  • 70 PERROT, Phénicie cit., pág. 818 e fig. 576-D.
  • 71 O. MONTÉLIUS, La civilisation primitive en Italie etc., 2.éme partir, Italie centrale, fig. 7, séri (...)
  • 72 MARTHA, ob. cit., págs. 568-9 e 571-2.
  • 73 NOEL DES VERGERS, ob. cit., pág. 278 e n.os 5, 6, e 7 de pl. XXXI. – FONTENAY, ob. cit., figs. de p (...)
  • 74 FONTENAY, ob. cit., pág. 95.
  • 75 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 446. – FONTENAY, figs. de pág. 116.
  • 76 SEVERO, O tesouro cit., pág. 8. – VILLA-AMIL Y CASTRO, Productos cit. III, pág. 85.
  • 77 SEVERO, O tesouro cit., pág. 12.

43Não subsistem, se acaso já existiram., os brincos decomponíveis em duas ou mais peças duma das quais pendiam, por trancelins, alguns berloques. Em formas nossas tão interessantes que logo lembram os tipos etruscos (figs. 13 e 14), o primeiro ou segundo corpo directamente suspende dois tintinábulos. As variedades deste gracioso padrão de brincos, cujos modelos recatados e quase em desuso é lástima não ser possível aqui fixá-los, têm conceptivamente uma estirpe tão imprecisa como arcaica. No Egipto os pingentes suspensos de cadeias existiam já na época de Ramsés(69), foram depois também usados na Fenícia (70) e encontraram-se em sepulturas da idade do ferro da Itália (71). É mesmo muito frequente este ornamento entre os despojos da sumptuária etrusca, às vezes apensado a jóias de grandes dimensões, piriformes ou anforísticos, vítreos ou granáticos (72). A pequena campânula, porém, também figura (73), como já sucedera em Troia(74); e não se ignora que os crotalia dos inaures romanos, ou sejam, duas e três pedras entrechocando-se, visavam à obtenção dum ruído análogo(75). No colar de ouro aparecido em Sintra, e hoje em Londres, alguns hemisférios que o ornavam faziam lembrar metades de guizos, enfeite não alheio a outras jóias da idade do ferro (76) ; e em, duas pequenas peças duma manilha do excepcional tesouro de Lebução um grão de areia interno e solto manifestamente fora incluído para ambas tilintarem (77). Mais tarde e sucessivamente as pequenas campas se exibiram nas píxides, nos cálices e nas cruzes processionais, sobrevivendo todavia no artefacto popular a despeito de todas as flutuações mundanas e artísticas!

1 – O carrinho

1 – O carrinho

2 – Argola. Peso, 5 grs. 2/3 da gr. nat.

2 – Argola. Peso, 5 grs. 2/3 da gr. nat.

3 – Arrecada. Peso, 8,5 grs. 2/3 da gr. nat.

3 – Arrecada. Peso, 8,5 grs. 2/3 da gr. nat.

4 – Arrecada. Peso, 2,5 grs. Gr. nat.

4 – Arrecada. Peso, 2,5 grs. Gr. nat.

5 – Arrecada. Peso, 1,5 grs. Gr. nat.

5 – Arrecada. Peso, 1,5 grs. Gr. nat.

6 – Arrecada. Peso, 10 grs. 2/3 da gr. nat.

6 – Arrecada. Peso, 10 grs. 2/3 da gr. nat.

7 – Arrecada. Peso, 9,5 grs. 2/3 da gr. nat.

7 – Arrecada. Peso, 9,5 grs. 2/3 da gr. nat.

8 – Arrecada. Peso, 11,5 grs. 2/3 da gr. nat.

8 – Arrecada. Peso, 11,5 grs. 2/3 da gr. nat.

9 – Argola duma andada. Pedras de cor azul-escura. Peso, 26 grs. 1/2 da gr. nat.

9 – Argola duma andada. Pedras de cor azul-escura. Peso, 26 grs. 1/2 da gr. nat.

10 – Argola à rainha. Peso, 33 grs. 1/2 da gr. nat.

10 – Argola à rainha. Peso, 33 grs. 1/2 da gr. nat.

11 – Brinco de fuso. Peso, 6 grs. 2/3 da gr. nat.

11 – Brinco de fuso. Peso, 6 grs. 2/3 da gr. nat.

12 – Brinco de fuso. Peso, 9 grs. 2/3 da gr. nat.

12 – Brinco de fuso. Peso, 9 grs. 2/3 da gr. nat.

13 – Brinco de fuso ou de campainhas. Esmalte azul e branco. Peso, 7 grs. Gr. nat.

13 – Brinco de fuso ou de campainhas. Esmalte azul e branco. Peso, 7 grs. Gr. nat.

14 – Brinco de fuso ou de campainhas. Cabeça esmaltada. Peso, 10 grs. 2/3 da gr. nat.

14 – Brinco de fuso ou de campainhas. Cabeça esmaltada. Peso, 10 grs. 2/3 da gr. nat.

15–Conta coberta avulsa. Gr. nat.

15–Conta coberta avulsa. Gr. nat.

16 – Parte de colar de contas cobertas de filigrana. Peso do fio de 40 contas, 7 grs. Gr. nat.

16 – Parte de colar de contas cobertas de filigrana. Peso do fio de 40 contas, 7 grs. Gr. nat.
  • 78 FONTENAY, ob. cit., pág. 228.
  • 79 IDEM, ob. cit., figs. de págs. 108-9.
  • 80 PERROT, Phénicie cit., pág. 823 e fig. 584.
  • 81 FONTENAY, ob. cit., fig. e pág. 117 e págs. 182-3.

44Neste sumário introspecto dos brincos de filigrana ainda em uso, numerosas modalidades levemente diferenciáveis se poderiam incluir, não contando os modelos perdidos no cadinho ou nas reservas domésticas arrecadadas. Com eles indistintamente se associam os de molde ou chapa, variamente debuxados, discóides, ablongos, piramidados (figs. 47 e 48), decomponíveis em duas e mais partes, com esmaltes figurando um amor perfeito ou outra flor, como, a partir do século XVI, não cessou de ser moda (78), ou representando uma ave (79), cisne ou pomba, à maneira de outros italo-gregos. Mais padrões e motivos, como o cacho de uvas, assunto já de adopção fenícia (80), a mesma moeda suspensa outrora de brincos e colares romanos (81), o azeviche, os corais e os vidros matizados, os « beijinhos» ou gasterópodes do Gen. Cyprœa, C. Europœa, Montg., (var. tripunctata), até as sementes rúbidas exóticas e os élitros coruscantes de coleópteros da fauna entomológica brasileira completam o quadro das variedades desse adorno.

17 – Colar e cruz (modelo antiquado). Peso, 53,5 grs. 1/2 da gr. nat.

17 – Colar e cruz (modelo antiquado). Peso, 53,5 grs. 1/2 da gr. nat.

18 – Colar e brinco, antigos. Cabeça e centro do laço do brinco com esmaltes e dois pequenos diamantes. Peso do colar, 9 grs. Peso do brinco, 2,9 grs. 1/2 da gr. nat.

18 – Colar e brinco, antigos. Cabeça e centro do laço do brinco com esmaltes e dois pequenos diamantes. Peso do colar, 9 grs. Peso do brinco, 2,9 grs. 1/2 da gr. nat.

19 – Colar completo. Esmaltes azuis e brancos. Peso total, 38,8 grs. 1/2 da gr. nat.

19 – Colar completo. Esmaltes azuis e brancos. Peso total, 38,8 grs. 1/2 da gr. nat.
  • 82 ROCHA PEIXOTO, O traje serrano, in Portugalia, II, pág. 385. Porto, 1907.
  • 83 As contas ovóides, sem filigrana, ainda muito comuns, têm ascendentes remotos e fabricados com vári (...)
  • 84 NOËL DES VERGERS, ob. cit., pág. 27.
  • 85 MONTÉLIUS, ob. cit., 1.ère partie. Italie septentrionale, pág. 517 do texto e fig. 4 de pl. 109, sé (...)

45Depois dos brincos é para o ornamento do peito e do pescoço que se volvem os desejos. A serrana do planalto barrosão, enquanto não alcança o fio ou fios de contas de ouro, adopta os de vidros opacos ou corados (82). Os cadeados de grossas argolas, os grilhões maciços, os cordões de trança (figs. 48 a 50) sucederão aos fios de contas lisas, esféricas ou ovaladas (83), uma vez a mulher minhota ascenda em bem-estar e na fortuna. Dessas contas umas são exterior e levemente guarnecidas de fio de ouro (figs. 15 e 16) e outras todas formadas de filigrana. É então que, sem atingirem a subtil delicadeza das italianas actuais, lembram as admiráveis pérolas de ouro da Etrúria(84) : dir-se-iam nossas, em dimensões e estilo, as dezasséis aparecidas numa pequena sepultura ad arca das proximidades da cidade etrusca de Mezzabotto, em Bolonha, fundada 500 anos A. de C. (85) !

46Destes colares de contas, tão vários em extensão quanto permite o número de elementos adquiridos, apartam-se os completamente formados, às vezes também de contas ou « azeitonas » alternadamente polidas e estriadas (fig. 17), outros com mais ou menos filigrana nos SS componentes e entremeados de rosetas (fig. 18), outros ainda superiormente complicados no seu tema repetido e realçado com esmaltes (fig. 19), e todos suspendendo florões, o símbolo da fé ou o símbolo do amor.

47Estes acessórios pendentes, quando não procedem já duma arte culta (figs. 18 e 20). figuram ordinariamente a cruz de Malta diversamente estilisada (figs. 17, 19, 21, 22, 47 e 48), alegrada ainda com rosáceas em esmalte e prolixa, não raro, de pormenores filigranados. Outras vezes é o crucifixo em que a obra de filigrana resplandece numa abafada auréola (fig. 23) ; outras são os relicários (figs. 24, 25 e 49), ou porque encerrem despojos sagrados ou porque exibam a imagem de Jesus ; outras, por fim, os corações.

48O mais vulgar aparece-nos simplesmente recortado numa chapa ; assim diminuto e mais acessível, quando de filigrana limita-se a obra de fio de ouro a singelas enroscaduras e espirais simetricamente dispostas (figs. 26 e 27) ; ainda barato o ornamento cordiforme é de chapa brunida com ligeiras aplicações granulosas e orlas denticuladas (fig. 28) ; até que surgem os de composição progressivamente mais difusa (figs. 29 e 30), alguns mesmo com as suas espiras interessantemente irradiantes e um dextro enrolamento periférico (fig. 31, faces anterior e posterior), outros ainda mais complexos e nos quais se acentuam, exuberantes, os motivos espiriformes e em SS (fig. 32, faces ant. e post.). Com a cruz o coração deveria, realmente, ser um dos temas populares mais preferidos. Ele ornamenta os jugos e as rocas, as espadelas, as colheres e os chavões, as caixas de rapé e os polvorinhos, a olaria comum e a faiança de comer e ornamento, as colchas e os bordados, as rendas de bilro e as rendas de malheiro, os escudetes e candeias ; é peso de tear e é pregadeira ; pinta-se nos barcos e pinta-se na pele ; borda-se nas camisolas e nos fatos, para a vista, e recorta-se em bentinhos, para dentro ; foi ou é amuleto e emblema ; faz-se de pano, de pedra, de vidro, de coral, de cornalina, de madre-pérola, de osso, de chumbo e de prata ; no mais aparatoso alarde do luxo e do adorno o mesmo motivo, pois, (figs. 47 a 50) não deixaria de exibir-se com a sua chamejante e áurea pompa !

20 – Centro do colar da fig. 18. Esmaltes azuis e brancos. Peso, 4,8 grs. 2/3 da gr. nat.

20 – Centro do colar da fig. 18. Esmaltes azuis e brancos. Peso, 4,8 grs. 2/3 da gr. nat.

21 – Cruz. Roseta central esmaltada a azul e branco. Peso, 11,5 grs. 1/2 da gr. nat.

21 – Cruz. Roseta central esmaltada a azul e branco. Peso, 11,5 grs. 1/2 da gr. nat.

22 – «Estrela» ou cruz de Malta. Esmaltes azuis e brancos. Peso, 27 grs. 1/2 da gr. nat.

22 – «Estrela» ou cruz de Malta. Esmaltes azuis e brancos. Peso, 27 grs. 1/2 da gr. nat.

23 – Crucifixo. Peso, 31,5 grs. 1/2 da gr. nat.

23 – Crucifixo. Peso, 31,5 grs. 1/2 da gr. nat.

24 – Relicário ovóide, modelo antigo e raro. Peso, 6 grs. 2/3 da gr. nat.

24 – Relicário ovóide, modelo antigo e raro. Peso, 6 grs. 2/3 da gr. nat.

25 – Relicário. Fundo do edículo: palhão vermelho. Turquesas ( ? ) nos centros das rosetas. Peso, 16 grs. 2/3 da gr. nat.

25 – Relicário. Fundo do edículo: palhão vermelho. Turquesas ( ? ) nos centros das rosetas. Peso, 16 grs. 2/3 da gr. nat.

26 – « Veneta ». Peso, 2 grs. 2/3 da gr. nat.

26 – « Veneta ». Peso, 2 grs. 2/3 da gr. nat.

27 – « Borboleta ». Peso, 8 decs. Gr. nat.

27 – « Borboleta ». Peso, 8 decs. Gr. nat.

28 – Coração de chapa. Peso, 22 grs. 1/2 da gr. nat.

28 – Coração de chapa. Peso, 22 grs. 1/2 da gr. nat.

29 – «Coração de bico». Peso, 1,5 gr. Gr. nat.

29 – «Coração de bico». Peso, 1,5 gr. Gr. nat.

30 – «Coração de fios». Pedras esparsas de vidros coloridos. Peso, 19 grs. 1/2 da gr. nat.

30 – «Coração de fios». Pedras esparsas de vidros coloridos. Peso, 19 grs. 1/2 da gr. nat.
  • 86 FONTENAY, ob. cit., págs. 232 e 241.
  • 87 H. GELIN, L’Ethnographie à l’Exp. de Niort (1896), in La Tradition en Poitou et Charentes, págs. 72 (...)
  • 88 G. BELLUCCI, Amuleti italiani contemporanei, págs. 68-9 e 73. Perugia, 1898.

49Em colares dos camponeses do Alvérnia, fabricados no séc. XVIII, um dos elementos ornamentais é cordiforme ; o coração dum pingente de ouro veneta recorda os nossos (86); nos anéis populares do Poitou, ornados com monogramas e atributos religiosos, aparecem por igual os corações, sendo ainda estes e as cruzes os principais berloques adoptados (87) ; ao menos como amuleto ainda se sabe do seu uso (88), oculto e suspenso ao peito. De sorte que, por entre os medalhões ornamentais ou com retratos, os corações mais ou menos, e principalmente entre nós, constituem um dos paramentos necessários para diminuir a monotonia dos colares. E estes, ao contrário dos antigos opulentamente enriquecidos de amuletos, cabeças de animais e humanas, ânforas, flores e frutos de ouro, de vidros e de pedrarias, suspendem apenas, entre nós, uma só peça que afirma a crença, defende do malefício ou simboliza o afecto – em qualquer caso, e sempre, blasonando e luzindo !

  • 89 MARTHA, ob. cit., págs. 581-3.
  • 90 FONTENAY, ob. cit., pág. 457.

50Os broches de filigrana, em rigor, não têm carácter tradicional. Com a invasão da moderna variedade de berloques para pulseiras e correntes surgiu a dos broches inspirados em motivos florais, faunísticos e outros de mais ou menos indigente ideação. Da fíbula, outrora deliciosamente filigranada (89), e mais útil do que o broche, que às vezes a lembra, não resta, se a houve, nem tradição nem vestígio. Fabricam-se os broches filigranados como se produzem as châtelaines – outro artefacto de introdução recente, embora já antigo e triunfante, principalmente no século XVIII (90), destinando-se uns e outras a usos que a moda popular pouco ou nada reconhece.

  • 91 IDEM, ob. cit., figs. de págs. 31-2 e pág. 277 e segs.
  • 92 J. L. PIC, Le Hradischt de Stradonitz en Bohème, trad. de JOSEPH DÉCHELETTE, pág. 40. Leipzig, 1906
  • 93 MARQUARDT ; ob. cit., págs. 359-60.

51Já os anéis são objecto de muito e generalizado apreço. Os antigos modelos, entre os quais não esqueceu o serpentiforme, de ascendência, sequer, italo-grega e com símiles nos braceletes etruscos e helénicos figurando cobras (91), perduram nas velhas matrizes subsistentes, ornatados apenas, às vezes esmaltados e ainda com vidros coloridos ou com pedras, outros, por fim, filigranados (figs. 33 e 34) nas zonas exteriores de exibição. Do antigo artefacto que decerto o babilónio inventou (92), emblema do poder e, na Roma antiga, privativo a princípio de cavaleiro e senadores (93), sobrevivem, nas classes cultas, os brasonados e com sinetes. O popular de filigrana cai em desuso como em desuso subsiste a pulseira do mesmo lavor.

  • 94 Nos fascículos que constituem o II tomo da Portugalia os vários artigos, anteriormente citados, que (...)

52Entretanto elaboraram-se braceletes filigranados de que restam despojos de arte mais ou menos erudita (fig. 35). Mas as manilhas, que actualmente como jugulam os pulsos das mulheres rurais abastadas, são obra de chapa fosca e brunida, estruturalmente confusa e arrebicada, comparável na sua indizível barbárie aos broches também de chapa e aos florões incongruentes e intrincados que pendem das gargantilhas. Mais interessantes na sua elementar sobriedade, algumas armilas proto-históricas sobrelevam em moderação e equilíbrio (94) as aberrações e os desvarios dos braceletes actuais !

  • 95 MARTHA, ob. cit., pág. 564.–FONTENAY, ob. cit., pág. 193.–DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Acus, de (...)
  • 96 Só na acrópole da cividade de Terroso, perto e no concelho da Póvoa de Varzim, uma exploração recen (...)

53Por último e dos alfinetes (fig. 36), a não serem os de gravata, esqueceram decerto os da cabeça, mesmo nos tempos já distantes em que ela se ataviava com redes reluzentes de vidrilhos. E os alfinetes, de uso geral em toda a antiguidade (95), ornamentais e esculpidos, foram um acessório muito comum de utilidade e adorno nos tempos lusitano-romanos (96).

  • 97 MARTHA, ob. cit., pág. 567. – MONTÉLIUS, ob. cit., 1.ère partie, pág. 517 e fig. 9 de pl. 109, séri (...)
  • 98 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 445.
  • 99 PERROT, La Grèce cit., pág. 958 e figs. 519-21.
  • 100 SOPHUS MÜLLER, L’Europe préhistorique, pág. 96 e segs. Lamarre ed. Paris, s. d. (1908). – JOSEPH DÉ (...)
  • 101 Os pesos indicados nas ilustrações referem-se às peças, todas de ouro, inicialmente desenhadas na g (...)

54Resulta, pois, que a obra de filigrana portuguesa carece de originalidade não só nos arcabouços estruturais, com precedências orientais, helénicas e etruscas, como nos pormenores decorativos – os SS e as espiras. Os SS são um constante elemento de ornamentação greco--etrusca, ou simples ou já espiralando nos remates (97). De per si só as espirais constituíram brincos, e muito cedo, em Troia, em Micenas e na Etrúria (98). Por fim o aurífice pré-micénico e micénico do primeiro período empregou-as em tudo, orlando e enchendo (99). «Os enrolamentos em espiral constituíam um motivo principal na ornamentação micénica» (100). É o que vemos ainda hoje, em regra, mais grosseiro e mais bárbaro. E sobre as presumíveis influências longínquas começavam a instruir-nos as recentes descobertas dos artefactos proto-históricos peninsulares – nas formas, nos acessórios e nos destinos – se o que ainda viceja e frutifica não fosse um límpido espelho do passado (101) !

31 – Coração. Face anterior. Roseta central substituída, em alguns casos, pela V. da Conceição em esmalte (alemão ?).

31 – Coração. Face anterior. Roseta central substituída, em alguns casos, pela V. da Conceição em esmalte (alemão ?).

31 bis – Face posterior do coração da fig. 31. Esmaltes e vidraria policrómica. Peso, 45 grs. 1 /2 da gr. nat.

31 bis – Face posterior do coração da fig. 31. Esmaltes e vidraria policrómica. Peso, 45 grs. 1 /2 da gr. nat.

32 – Coração. Face anterior. Modelo já pouco frequente. Esmaltes e turquesas (?).

32 – Coração. Face anterior. Modelo já pouco frequente. Esmaltes e turquesas (?).

32 bis – Face posterior do coração da fig. 32. Peso, 80,5 grs. 1/2 da gr. nat.

32 bis – Face posterior do coração da fig. 32. Peso, 80,5 grs. 1/2 da gr. nat.

III Os acessórios : pedras e esmaltes

55A associação das gemas com os metais nobres. Preferências ou domínio de certas pedrarias. Emprego paralelo da falsa joalheria. A sua introdução em Portugal. – O quartzo hialino. Os lapidários de Contumil. A corporação de lapidários de Penafiel, ignorada ou já esquecida. Como desbastavam, facetavam e poliam o cristal de rocha. As clientelas de Guimarães e Gondomar : como elas, com as fraudes, se subverteram e despenharam a lapidação. Triunfo dos vidros corados estrangeiros. – Hipóteses sobre a invenção dos esmaltes. Os esmaltes de origem céltica. Futuro papel nas artes sumptuárias. Os esmaltes aragoneses; deles derivam, porventura, os nossos esmaltes artísticos. Sobriedade de concepção, factura e paleta do esmalte português. Hagiológio e geometria. – O esmalte popular. Paralelismo dos nossos padrões com certos da idade do ferro. Os dois processos de fabrico. – O esmalte industrial, ordinário e alheio invade o mercado português.

  • 102 ALFREDO BENSAÚDE, O diamante, in Rev. de Scs. Naturaes e Sociaes, II„ pág. 161. Porto, 1893. – FONT (...)
  • 103 PERROT, Phénicie cit., págs. 824-9.
  • 104 IDEM, La Grèce cit., págs. 972-5.
  • 105 MARQUARDT, ob. cit., pág. 363.
  • 106 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 446.
  • 107 FONTENAY, ob. cit., pág. 75.
  • 108 GUSMAN, ob. cit., pág. 458.
  • 109 DÉCHELETTE, Le Hradischt de Stradonic, in Les fouilles du Mont Beuvray de 1897 à 1901, pág. 147. Pi (...)
  • 110 PIC, ob. cit., págs. 38-9. – FONTENAY, ob. cit., quadro de pág. 74.
  • 111 HAVARD, Hist. cit., pág. 59.
  • 112 VASCONCELOS, Hist. da ouriv. cit., pág. 115.
  • 113 IDEM, A Exp... em Vianna cit., pág. 36.

56Às filigranas também se juntavam e associam ainda hoje, como se viu, as pedras e os esmaltes. A união, com os metais de adorno, das gemas e dos vidros, tem origens distantes, decerto nas civilizações orientais, e nomeadamente na Babilónia, no Egipto, que soube gravar e lapidar (102), porventura mais remotamente nos povos indianos. O aurí-íice fenício misturava ao brilho dos metais preciosos os tons variados da cornalina ou do ónix, do quartzo ou das pedras artificiais, atenuando assim a uniformidade de diademas e colares (103); em Micenas o joalheiro empregava frequentemente as pedras pouco finas e a vidraria, conseguindo desta arte dar às jóias, sob um menor valor intrínseco, uma ostentosa aparência de riqueza (104); em Roma eram muito estimadas as esmeraldas, granadas e ametistas (105), tornando-se essencial como ornamento a pedra ou a pérola e atingindo-se no tempo do Império (106), e mais ainda na decadência (107), a loucura pelo adorno em que as cores irisadas, a limpidez ou o fogo dos cristais raros dominavam, ou sequer modestamente se exibiam os efeitos cromáticos das cornalinas, das ágatas, dos jaspes e dos topázios (108); os esmaltes gauleses derivavam da imitação dos corais, antes usados (109), além dos numerosos atavios de vidro, opacos ou pouco diáfanos e variadamente corados que as populações da mesma civilização ainda importavam (110); nas jóias merovíngias à grande economia dos metais nobres contrapunha-se frequentemente a relativa profusão de granadas, ametistas e safiras, ou, à faltas delas, da vidraria policrómica, lapidada ou incrustada (111) ; na ourivesaria gótica encontram-se filigranas encastoando pedras e camafeus (112); e posteriormente alcançavam grande apreço as peças decoradas com aljôfares (113) matizando anéis e diademas, brincos e gorjeiras !

  • 114 BENSAÚDE, ob. cit., pág. 161 e segs.
  • 115 PERROT, La Grèce cit., pág. 975.
  • 116 IDEM, Phénicie cit., pág. 824.
  • 117 GUSMAN, ob. cit., pág. 458.
  • 118 HAVARD, Dict., voc. Diamant, II, pág. 124.
  • 119 IDEM, Dict., voc. Diamant cit., pág. 124.
  • 120 IDEM, Hist. cit., págs. 368-70. – O MESMO, Dict., voc. Lapidaire, III, págs. 272-4.

57De entre a vária pedraria estimada pela raridade, pelo fulgor e até pelas supersticiosas virtudes medicinais e mágicas114, ou, mais comum, admitida pelo brilho e cromia do seu polido e facetas, resignando-se a vaidade a suportar um epídoto ou crisólito à míngua de um diamante de grande água, domina a sílica cristalizada. Na Grécia arcaica (115), na Fenícia (116) e em Roma (117) o cristal de rocha era muito procurado para a mais vária aplicação ornamental ; em França o diamante de Alençon (118). que consiste num cristal de quartzo negro de grande translucidez e afectando a forma de duplas pirâmides hexagonais, foi uma das pedras mais apropriadas pela baixa joalharia ; mesmo no século XIV uma medida régia proibe a talha do cristal de rocha em forma de diamante (119), defendendo assim a insciência dos incautos ; e já dois séculos antes, pelo menos, os lapidários de Paris talhavam o quartzo, como se averigua no seu Compromisso associativo (120).

  • 121 VASCONCELOS, Exp. de ouriv. cit., in Commercio cit. de 12-XII-83.
  • 122 A título de curiosidade anotar-se-á que toda aquela região da bacia do Baixo Douro é, geològicament (...)

58A joalharia falsa começou a entrar em Portugal com a mulher de Afonso VI (121) ; mas o emprego do quartzo hialino nas filigranas, e principalmente nas de prata, reinou com muito êxito desde tempos imprecisos, enquanto não se subverteu, com as fraudes, a exportação dos artefactos para a América. Há trinta anos ainda se encontravam lapidários nos arredores do Porto, ocupando-se sobretudo do desbaste do cristal de rocha. Vários exerciam a indústria em Contumil, junto a Venda Nova, na freguesia de Rio Tinto, ou seja numa das mais notáveis zonas que, no norte do país, se pode antolhar ao petrógrafo (122). Os filigraneiros de Gondomar lá conduziam as garras de ouro ou prata, escolhendo os lapidários, das pedras já por eles facetadas, as que melhor se acomodavam aos engastes. Era então que os ourives expediam as filigranas para o Pará, até à altura em que as demasias da burla no toque dos metais desacreditou de vez a indústria e a ruiu.

59Mas passam quarenta anos, e com eles a lembrança se vai amortecendo da corporação dos lapidários que habitavam Penafiel. Eram ainda os prismas hexagonais uni-piramidados de quartzo (pedrinhas agudas enfacetadas), desbastados em semidodecaedros e até em vários poliedros mais ou menos regulares, o objecto principal da sua indústria. Para o desbaste, facetado e polidura o lapidário começava por anexar, com betume, um cristal solto à extremidade duma vara, levando-o depois à roda de chumbo onde, com o esmeril, a pouco e pouco obtinha as faces. O movimento do disco era associado ao de outra roda a que uma manivela se anexava, relacionando-as uma corda de tripa em 8 – exactamente, mas em plano horizontal, o aparelho elementar que convence experimentalmente sobre a recomposição da luz branca pela reunião das sete cores espectrais, ou « disco de Newton ». As facetas, uma vez ultimadas, ficavam monas, isto é, sem brilho algum ; mas este manifestava-se após nova aplicação do facetado numa roda de cobre e « terra podre ». Só então, e para despojar os cristais dos resíduos do betume, é que se mergulhavam numa vasilha com água e algum azeite ; e, depois duma fervura, as pedras ressurgiam diáfanas e límpidas.

60Bestava esperar o ourives de Guimarães ou directamente ir lá vendê-las. Nos brincos de prata, principalmente, noutros artefactos e até nos pentes se aplicavam então, despenhando-se por fim, como se verá, uma indústria de exportação tão remuneradora e próspera, mercê da frandulagem com que se pretendeu imbuir o brasileiro !

61Extinta a profissão, ou reduzida a mais limitados horizontes, vieram os vidros alheios substituir na ourivesaria popular, e sobretudo aqueles que grosseiramente imitam turquesas e rubis, os cristais siliciosos encontrados nas drusas ou desintegrados das nossas pegmatites e filões. Só prevaleceram os esmaltes, aliás modernamente adquiridos sob a forma sólida ou de pastas completamente organizadas.

  • 123 PAUL RANDAU, La fabrication des émaux et l’émaillage, trad. de E. CAMPAGNE, págs. 16-96. Dunod ed. (...)
  • 124 HAVARD, Dict. voc. Émail cit., págs. 369 e 379.

62O esmalte é inicialmente uma substância pulverulenta, composta de areias e óxidos de chumbo, potassa ou soda, vitrificável a altas temperaturas, opaca se adicionada dum estanato de chumbo, corada de modo vário pela adjunção de outros óxidos metálicos e inalterável depois de solidificada. No estado pastoso deposita-se nos alvéolos que ao fogo, deve, em definitiva, preencher, tendo em vista certas precauções que exjgem sagacidade e destreza técnicas, no que diz respeito, sobremodo, aos coeficientes de dilatação da substância vítrea e do metal com que tem de fazer corpo, da aderência, da fusibilidade, por fim, maior que a do suporte e a da solda (123). As dificuldades de fabrico, requerendo aptidões cultivadas e grande perseverança, consagrava outrora a produção dos esmaltes, e legitimamente, como uma arte nobre ; com estes « cristais» de engenho e artifício, inalteráveis ao ar e humidade, brilhantes e coloridos, ornamentavam-se e produziam-se vários artefactos sumptuários de ouro e prata, de cobre ou vidro, de faiança ou porcelana. As antigas corporações do ofício guardavam segredo dos seus processos ; e algumas dinastias de 5 e até de 9 chefes mantiveram o sigilo de várias das suas descobertas (124).

  • 125 Interessa deveras ler o resumo das disputas acerca da origem dos esmaltes a págs. 164-79 do tom. I (...)
  • 126 PIC, ob. cit., pág. 45. – RANDAU, ob. cit., pág. 1.
  • 127 MARTHA, ob. cit., pág. 563. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 799.
  • 128 PIC, ob. cit., pág. 45.
  • 129 G. DOTTIN, Manuel pour sèrvir à Pétude de PAntiquité celtique, pág. 156. Champion ed. Paris, 1906.– (...)
  • 130 DOTTIN, ob. cit., pág. 156. – FONTENAY, ob. cit., págs. 344-5.
  • 131 DÉCHELETTE, L’Oppidum de Bibracte, págs. 55-7. Picard ed. Paris, s.d. – O MESMO, Le Hradischt cit., (...)
  • 132 IDEM, L’Oppidum cit., pág. 57; Les fouilles cit., pág. 25; Le Hradischt cit., pág. 148.
  • 133 IDEM, Le Hradischt cit., pág. 148.
  • 134 PIC, ob. cit., págs. 47-9.–DÉCHELETTE, L’Oppidum cit., nota de págs. 49-50. – O MESMO, Le Hradischt(...)
  • 135 PAUL MANTZ, Notes sur l’orfèvrerie anglaise, in Gazette des Beaux-Arts, IX, págs. 6-13. Paris, 1874

63A invenção do esmalte é assunto muito controvertido (125) de longa época. Suspeita-se que se fabricou no Egipto, primeiramente (126) ; encontraram-se algumas jóias de ouro esmaltado nas necrópoles da Etrúria (127), aliás consideradas como de importação helénica (128) ; mas o que não é já contestável, independentemente das origens obscuras dos esmaltes chinas e bizantinos, é a sua antiguidade nas populações gauleses. Um antigo texto alude, certamente, a um processo de esmaltagem usado por um povo das Gálias (129); e nas ruínas de Bibracte, dos fins da segunda idade do ferro, todo um bairro parece ter sido ocupado por oficinas de esmaltadores (130). Estes ornamentos vítreos, mais recentes, entanto, do que outros também de origem céltica131, eram em regra de cor vermelho-sanguínea, empregados quase exclusivamente em fíbulas e outros objectos de pequenas dimensões (132) e precursores dos ricos esmaltes policrómicos que, ao diante, no tempo do império romano, a indústria céltica viria a produzir na Inglaterra (133). No hradischt de Stradonitz, centro de cultura céltica na Boémia, os esmaltes exumados são por igual monocrómicos, da mesma técnica, aplicáveis aos mesmos tipos de ornamento e de idêntico estilo decorativo (134). Enraizada a arte nas ilhas britânicas, a princípio ainda bárbara mas breve progredindo até atingir no século XIII, e principalmente no seguinte, uma importância capital (135), várias influências ulteriores contribuem para o seu êxito.

  • 136 DAVILLIER, ob. cit., págs. 65-70.
  • 137 VASCONCELOS, Hist. da ouriv. cit., págs. 95-6.
  • 138 IDEM, Expde Aveiro cit., págs. 26 e 51-2.
  • 139 IDEM, Expde Aveiro cit., págs. 52-3. – Parece que a colecção mais completa, embora restrita ,que (...)

64Os esmaltes alemães e franceses, e principalmente os últimos, destronam ao diante essa situação primacial, encontrando por sua vez, ao irradiar a Renascença italiana, uma competência brilhante nos florentinos e venetas. Do século XIV falam os documentos sobre a existência, em Espanha, de ourives esmaltadores (136). E parece que foram os aragoneses os nossos mestres na arte culta de esmaltar (137), se bem que, nunca atingindo a sua multiplicidade, brilho e desenvoltura, fôssemos sóbrios na extensão e variedade dos motivos ornamen tais. É da segunda metade do século XV em diante que, em maior grau, se aplicou o esmalte artístico em Portugal, realçando com este vidro certas molduras e florões, a indumentária ou carnadura das imagens, as jóias e os escudos de armas (138). Como émail des peintres aparecem, no século XVIII, e realizadas por artistas anónimos, pequenas figuras de devoção em pintura policrómica (139), restando, dos esmaltes de carácter popular, mesmo nos que se observam mais antigos, as rosetas, estrelas e polígonos, ou, quando muito, um motivo da avifauna ou um singelo pormenor fitomórfico.

33 – Anel. Peso, 2 grs.

33 – Anel. Peso, 2 grs.

34 – Anel. Pedras baixas, brancas e azuis. Peso, 3 grs. Gr. nat.

34 – Anel. Pedras baixas, brancas e azuis. Peso, 3 grs. Gr. nat.

35 – Pulseira relacionada com o colar da fig. 18. Rubis e esmeraldas.
Peso, 20 grs. – 2/3 da gr. nat.

35 – Pulseira relacionada com o colar da fig. 18. Rubis e esmeraldas.Peso, 20 grs. – 2/3 da gr. nat.

36 – Alfinete de mulher, já raro. Engastado no centro, um vidro negro ou azeviche. Peso, 2,80 grs. 2/3 da gr. nat.

36 – Alfinete de mulher, já raro. Engastado no centro, um vidro negro ou azeviche. Peso, 2,80 grs. 2/3 da gr. nat.

37 e 38 – Esmaltes.

37 e 38 – Esmaltes.

39, 40 e 41 – Esmaltes.

39, 40 e 41 – Esmaltes.
  • 140 PERROT, La Grèce cit., pág. 958.

65Estes motivos ornam tanto a obra de chapa como a filigrana, subordinados a uma indigente paleta em que dominam o branco e azul ferrete, e, menos frequentemente, a pérola, o negro e azul claro. Os polígonos (figs. 37 e 38) e as rosáceas de seis ou oito pétalas (figs. 39, 40 e 41), motivo este de que o ourives micénico fez constante uso (140), são os padrões vulgaríssimos, azuis e brancos, que avultam nos colares, corações e cruzes de Malta. Já na obra de chapa, broches e brincos, as folhas, os amores perfeitos e outra decoração que as rosáceas explicam (fig. 42) constituem os temas preferentes. Apenas uma pomba no inicial esmalte branco, um esboço de pé de flor (fig. 43) e ainda um ou outro motivo ornamental, rudimentar e incaracterístico (fig. 44) dilatam, e desta sorte, a inventiva do artífice. Por último, e como ideação já complexa, o ourives nada mais concebe do que a associação dos mesmos temas, como se observa nesse alfinete (fig. 45) em que a pedras dum anel, os amores e o polígono estelar são os esmaltes !

  • 141 DÉCHELETTE, Le Hradischt cit., pág. 149 e figs. 7-12 da pl. XXIV. – PIC, ob. cit., pág. 48 e figs. (...)
  • 142 ERNEST CHANTRE, Recherches anthropologiques dans le Caucase, III, pág. 11 e segs. e 29 e segs. e pl (...)

66Sem se identificar, esta arte pode considerar-se paralela à de Bibracte (Tène III) e de Stradonitz, ou seja dos fins da segunda idade do ferro, pois num e noutro centro os botões dos cravos ou arrebitos, as fíbulas e outros pequenos objeetos eram revestidos com esmaltes cruciais ou irradiantes (141), o que dizer quer, sob esquemas da mesma simpleza estética. É, afinal, o aspecto da arte na infância ou imobilizada, afora algumas variantes de padrão, penúria ou exuberância decorativa e maior ou menor gama cromática : assim as fíbulas esmaltadas a azul, verde, vermelho e branco, em zonas e com estrelas e círculos, duma necrópole da época cito-bizantina (142), por exemplo.

42 – Esmaltes.

42 – Esmaltes.

45 – Alfinete com esmaltes.

45 – Alfinete com esmaltes.
  • 143 RANDAU, ob. cit., págs. 208-10.
  • 144 FONTENAY, ob. cit., pág. 495.

67O esmaltador português usa os dois processos mais vulgares (143) e em francês denominados cloisonné e champlevé. Só este último se praticava nos centros de Beuvray e da Boémia. Entre nós o ourives dispõe, quando o adopta, de cepos de ferro, isto é, troncos de cone em cujo plano de troncatura está aberto o molde do debuxo a obter – a rosa, a Viola ou a estrela. É a « matriz», que já remonta a grande antiguidade, decerto aos tempos pré-históricos (144). Sobrepõe-se-lhe uma folha de ouro e, ao de cima, uma lâmina de chumbo mais espessa ; e, com pancadas firmes de martelo, assim no ouro se conseguem os cavados onde o esmalte será alojado. No outro processo – cloisonné – organizam-se os contornos com uma leve fita de ouro. Realizado este arcabouço, por exemplo dum polígono, solda-se à peça, ou chapa, limitando assim a fita, como se está vendo, as células a preencher.

68A matéria prima para esmaltes é adquirida no mercado, triturada em casa e conservada em água. A pasta, uma vez incluída nos alvéolos, fica a secar, indo depois ao maçarico ; e como subsistam algumas rebarbas ou escorrências, limam-se seguidamente, lavam-se com uma escova e voltam ao fogo por pouco tempo.

69Decerto o estado improgressivo da arte do esmalte entre nós explica, com outros motivos interesseiros, a importação do esmalte estrangeiro, industrial e ordinário, em chapa de cobre ou ferro, e destinado a encorporar-se na filigrana artística que o comércio de ourivesaria actual procura introduzir no chamado gosto culto !

IV Usos e costumes

70A sedução dos ornamentos. A exageração antiga e a exageração bárbara. Sobrevivências: «o peito da minhota é um céu estrelado». Multiplicidade e profusão dos adornos: nas mulheres, nos anjinhos, nos andores, nas imagens, nas cruzes e nos arcos festivos. Os mostruários das feiras e das romarias. A acumulação dos artefactos de ouro como uma das formas antigas de capitalização. Entanto os reveses familiares e os abalos sociais promovem frequentes destruições. Melhor se mantêm as alfaias sacras. Novos destinos do numerário sobresselente. A ostentação, não obstante, perdurará. Inanidade já antiga de todas as repressões. A eterna comédia humana !

  • 145 PERROT, Phénicie cit., pág. 824.
  • 146 MARTHA, ob. cit., pág. 570.
  • 147 FONTENAY, ob. cit., págs. 113 e 117.
  • 148 MARTHA, ob. cit., pág. 573.
  • 149 NOEL DES VERGERS, ob. cit., pág. 27.
  • 150 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Aurifex cit., pág. 570.
  • 151 IDEM, Dict., voc. Inaures cit., pág. 442.
  • 152 DOTTIN, ob. cit., pág. 133.
  • 153 PARIS, Essai cit., II, pág. 242. – MÉLIDA, Las esculturas cit., Question de autenticidad, in Rev. d (...)
  • 154 MARQUARDT, ob. cit., II, págs. 360-1.

71Pelo geral sestro de esplandecer, a mulher não se contenta com o realce de poucas jóias que discreta e moderadamente cintilem. Constelar o peito com a faustosa e fúlgida profusão de adornos, estrangular os pulsos, constringir os dedos, lacerar as orelhas, tudo se pratica contanto que a criatura rutile e deslumbre ! É a primeva barbárie atávica ! Já nos povos onde se encontra, porventura, a lição das nossas filigranas, se ostentava a mesma garridice aurifulgente. As mulheres fenícias, além dos seus diademas, alfinetes, anéis e brincos, suspendiam ao peito colares triplos145. As toscanas penduravam dos lóbulos brincos insuportáveis e enormes (146) cujo peso, não raro, lhes fendia as orelhas(147); no seio os colares irradiavam as claridades dos vários matizes de berloques (148) ; e ainda hoje, na mesma região dos Apeninos onde perdura o fabrico da filigrana, as raparigas, nos dias festivos, usam colares, alfinetes e enormes brincos duma admirável beleza (149). O gosto comunicou-se aos povos de em volta (150) : o romano exagerou-se mais ainda, se é possível, na pomposa hipérbole da barbárie das primeiras idades (151). Os gauleses, homens e mulheres, traziam manilhas de ouro nos punhos e nos braços, anéis e colares, atingindo alguns destes um peso considerável (152). Na Ibéria também aos dois sexos imensamente seduziam os ornamentos. As figuras femininas do Cerro de los Santos exibem abundantemente diademas com inúmeros pingentes, grandes brincos, muitos anéis e duplos e triplos colares (153). Num inventário de jóias romanas encontrado em Espanha e interpretado por Hübner vê-se que a uma só mulher pertenciam alfinetes de cabelo e diademas de ouro, brincos com pérolas e pedras finas, cadeias, cordões e numerosos e variadíssimos berloques e pingentes de gemas, de ouro e de vidros (154).

  • 155 D. ANTÓNIO DA COSTA, No Minho, pág. 259. Porto, 1874.
  • 156 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 446.
  • 157 J. AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, II, pág. 758. Pereira ed. Lisboa, 1887.
  • 158 ALBERTO SAMPAIO, A propriedade e cultura no Minho, pág. 126. Porto, 1888.

72Entre nós, e ainda actualmente, « o peito da minhota é um céu estrelado»(155). Multiplicam-se os cordões e as gargantilhas, duplicando-se os corações, acrescentando-se-lhes as cruzes e os crucifixos, as Virgens da Conceição e os medalhões (figs. 46 a 50). Todo o peito corisca, os pulsos difundem luz, faíscam os dedos e das orelhas pendem, até aos ombros, brincos lucilantes ! Estes às vezes são aos dois e três pares ; de sorte que não é estranho observar-se orelhas com um e dois rasgos, como já sucedera na Etrúria, como mais ou menos acontecera em Roma(156). O ouro exposto no busto duma lavradeira abastada seria, muitas vezes, o dote invejado da maioria das jornaleiras rurais ; e conta-se que uma mulher de Vilar de Andorinha, no concelho de Gaia, pode levar ao pescoço o valor de dois contos de réis (157) ! Esta exageração depara-se-nos principalmente no Minho, se bem que, em outras populações rurais, a mesma aspiração subsista embora menos se alardeie. No Entre – Douro – e – Minho, porém, a fascinação torna extensivo o oirar aos acontecimentos mais popularmente respeitáveis da vida social e religiosa. Carregam-se de ouro os anjinhos que vão nas procissões da Maia, de S. Mamede (Porto) e de Cinfães ; para o mesmo fim solicitam-se, em Bouças, das pessoas de amizade, ouros de empréstimos ; e nas de Amorim (Póvoa de Varzim) as crianças tanto sucumbiam dantes ao seu peso que as mães, de lado, ajudavam-nas a aguentá-lo no percurso com bandejas ! Mais para o Norte, em procissões do concelho de Coura, não só as mordomas as acompanham oiradas mas ainda lhes sobejam cordões e gorjeiras para enfeitarem os andores. Às imagens prometem-se objectos de ouro para as ornamentar ou para vender em seu intento. Nas romarias, como a de Matosinhos, as lavradeiras ricas, com os seus vestuários azuis, cor de canário e verdes, a abundância de laçarotes, rendas e vidrilhos, às vezes mesmo os velhos modelos de chapéus citadinos, encareciam o seu prestígio de fartura com a fartura da sua riqueza áurea. Pelas feiras minhotas, cada uma das quais é ordinária e localmente, para os da terra, a primeira da província, ainda a congregação pretexta, em certas de ano sobretudo, que se divulgue a abastança. Assim se « vêem caminhar para uma feira ou romaria os ranchos de minhotas em fatos domingueiros, pujantes de vida, com grandes brincos e o peito coberto de cordões e adereços, todas faiscantes de ouro» (158).

  • 159 VIEIRA, ob. cit., I, págs. 395-6 e 519. Lisboa, 1886.

73Em freguesias dos concelhos de Vila Verde e da Póvoa de Lanhoso a cruz que vai no Compasso, em domingo ou segunda-feira de Páscoa, é ornada com laçarias variegadas e cordões de ouro. E por fim quando em certos lugares do último concelho referido casa uma abastada, as amigas ornamentam ainda com cordões de ouro e lenços de seda o tradicional arco festeiro (159).

  • 160 VASCONCELOS, Ouriv. prof. cit., págs. 14 e 18.
  • 161 HAVARD, Hist. cit., págs. 350 e 458.
  • 162 EUDEL, ob. cit., pág. 260.

74A acumulação de riqueza sob a forma de jóias e numerário foi, contudo, mais geral antes do século passado. Nos séculos XV e XVI havia em Portugal tesouros incalculáveis em ouro e prata, afora os do paço real e os dos mosteiros (160). As famílias ricas e burguesas de França só a contar dos princípios do século XIX é que deixaram de constituir, com ouro e prata, a colocação habitual das somas disponíveis (161). Mesmo fora da Europa, como nela e ainda hoje, se conservava assim o supérfluo e prevenia o futuro : velhas famílias árabes tinham o costume de conservarem em buracos feitos na terra a sua fortuna em jóias e moedas (162). E quem ignora as velhas lendas de tesouros, ocultos uns pelos mouros, outros enterrados nos pavimentos das casas, sob as lareiras, ou por entre as fendas das paredes, e até explicando assim, pela sorte inesperada do encontro, as súbitas prosperidades da fortuna ?

  • 163 SAMPAIO, ob. cit., pág. 126.
  • 164 VASCONCELOS, Hist. da ouriv. cit., pág. 10.
  • 165 S. VITERBO, Artes cit., págs. 114-5 e 298-9.
  • 166 DAVILLIER, ob. cit., pág. 132. – VASCONCELOS, Hist. da ouriv. cit., pág. 114.
  • 167 EUDEL, Le truquage, pág. 72. Rouveyre ed. Paris, s. d.
  • 168 HAVARD, Hist. cit., págs. 7-8. – O MESMO, Dict., voc. Orf. cit., pág. 1267.

75Entanto os reveses familiares e os abalos sociais promoveram frequentemente a destruição necessária dum mobiliário incalculável, subsistindo melhor, se bem que diminuída, a alfaia das igrejas. « A maior parte das economias femininas é colocada nestes enfeites (vestidos vistosos e adereços de ouro) que nos tempos tristes são vendidos e o seu produto aplicado a necessidades mais superiores» (163). O rei Afonso V mais duma vez lançou mão do dinheiro dos órfãos e da prata das igrejas e conventos para custear as suas guerras com os reis católicos, para as suas correrias em África e até para doações à fidalguia (164). Ante outras necessidades de guerra os monarcas saíam do aperto recorrendo aos tesouros sacros (165). As novas modas e o apetite das aquisições de novo estilo levavam ainda a refundir aqui, na Espanha, em toda a parte, obras inumeráveis e preciosas de ourivesaria profana(166). Só para a França se anota que as suas velhas pratas se foram perdendo, fundindo-se no tempo de Luís XIV em dias de angústia, destruindo-se por terror nos tempos da Revolução, vendendo-se para satisfazer os caprichos da moda na época da Restauração e lançando-se apressadamente ao cadinho em 1848 para serem amoedadas (167). Assim com as facilidades de fundir, refundir e metamorfosear a prata e o ouro, se destroem, por necessidade e por moda, as formas mais belas ou mais complexas, tornando o artefacto de ouro transitório e instável168.

  • 169 IDEM, Hist. cit., pág. 24.
  • 170 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Aurifex cit., pág. 570.
  • 171 H. DA GAMA BARROS, Historia da administração publica em Portugal nos seculos XII a XV, I, pág. 536 (...)

76Os modernos processos e vantagens de capitalização vêm atenuando visivelmente os excessos, sempre gravosos, da transformação da moeda e produtos nos metais manufacturados. Só a ostentação e a vaidade explicarão os desvios duma já reconhecida e salutar preferência de destinos. A jactância, porém, não findará: na velha Grécia já Sólon se viu forçado a temperar, com leis sumptuárias, o luxo exagerado dos seus compatriotas (169); em Roma as prescrições da lei Oppia impediam as mulheres de trazerem mais duma meia onça de ouro (170) ; depois, em todos os tempos e países, sucederam-se as repressões sempre iludidas e estéreis ; entre nós, mesmo, uma lei de Afonso IV comporta disposições repressivas do luxo em que entre muito ouro, prata e aljôfares ; outra, de João I, determina que ninguém, não sendo cavaleiro, use ouro ou coisas douradas ; ainda as Ordenações afonsinas, no século seguinte, legislaram sobre o emprego do ouro e dos objectos que o fingissem (171).

77Então, depois, agora e sempre, nem leis, nem um senso avisado impedirão jámais, em homens e mulheres, nem a comédia nem a vanglória !

V Conspecto social

Regiões de fabrico actuais e extintas.–As prosperidades de outrora. A decadência e suas causas: flutuações da moda, logros e moderno regime das contrastarias. Identidade das fraudes, já antigas, dentro e fora do país. Tentativas seculares, ininterruptas e insuficientes de repressão. O descrédito. A crise. – Reviviscência e seus fautores. Outra vez a moda. Novas oficinas. – A população industrial. Condições de trabalho e regime económicoA disparidade entre o lucro do mercador e a retribuição do fabricante. Inópia tradicional e agravada do artífice. – O aprendizado. Regime educativo. A especialização. Os modelos. Os canhenhos. As circunstâncias em que se operam «os progressos». – Miséria económica, miséria física e miséria moral.

  • 172 VIEIRA, ob. cit., I, pág. 615.
  • 173 Rel. da Exp. ind. de Guimarães em 1884, pág. 36. Porto, 1884.

78A indústria da filigrana exerce-se actualmente não longe do Porto, nas freguesias de Rio Tinto, Fânzeres ( ? ) e S. Pedro da Cova e, com maior intensidade, nas de Valbom e S. Cosme de Gondomar. Mais ao norte subsiste na freguesia de Travassos, concelho da Póvoa de Lanhoso, não contando os fabricantes das freguesias de Oliveira e Sobradelo, no mesmo concelho, exclusivamente votados, a bem dizer, à profissão de conteiros. As vicissitudes não lograram subverter, nos arredores do Porto e Braga, uma indústria que em Guimarães e seu aro pouco a pouco desfaleceu e afinal se extinguiu. « Onde param os artistas que faziam (em Castelões) a filigrana de ouro e rendilhavam o metal com as delicadezas mais subtis, onde estão os cravadores de pedras finas, os lapidários, os lavrantes de prata de cujas mãos saíam as famosas salvas que eram o luxo e a riqueza das casas solarengas da província (172) ? » Efectivamente desapareceram os filigraneiros e os produtores de contas ; com o passamento dum habilidoso artífice de idade já provecta e de três filhos que com ele fabricavam salvas e castiçais, findou a lavranteria ; e só com intermitências trabalhavam, há anos, os dois ou três últimos cravadores de pedras finas (173).

79Entretanto a indústria fora próspera. Contavam-se, em Travassos, oficinas com seis, dez e dezasséis operários, nenhum amealhando consideravelmente mas mantendo-se num grato desafogo. As flutuações da moda. porém, e o moderno regime das contrastarias, impedindo o fabrico com ouro baixo e consequentemente os lucros advindos duma fraude desconhecida ou tolerada, iniciou a ruína que em breve se acelerava com o conhecimento, na Galiza, em África e no Brasil, dum ludíbrio mais imprevidente e dilatado. Nos artefactos exportados para a América as ligas de cobre e ouro só deste tinham o vestígio. Era, convêm os de agora, o excesso da desvergonha e desaforo. O mercado brasileiro fechou-se para os produtos de Travassos, como para os de Guimarães, donde a filigrana de prata salpicada de cristais de rocha chegava ao seu destino toda negra, tal a quantidade de estanho dominante. Tinha sido gente de Braga, diziam os vimaranenses, que sabendo dos lucros provindos deste artefacto, assentara oficinas em Guimarães fabricando-o com estanho fino. Desvalorizado o artigo, que consistia principalmente em brincos, o descrédito propagou-se e o mercado definitivamente se encerrou.

80Para a África, que ainda hoje recebe algumas contas de filigrana de ouro muito baixo, exportavam-se outrora, antes de se fomentar o mesmo suspeitoso renome, « aos sacos e às canastras ». O negociante português de lá não era estranho, aliás, a esta entendida e deliberada exploração do preto. E na Galiza o dolo atingia igual e despejada pertinácia, associando-se enganosamente o elemento cúprico aos milhares de contas « de ouro » que para lá se expediam, subtraídas, para mais, aos encargos da aduana. De contrabando é certo que ainda hoje vai muita conta de filigrana para a Galiza. Mas, já conhecedores do antigo logro, vigiam a mercancia e rejeitam o artigo afigurando-se-lhes ou convencendo-se que os defraudam.

81No país as falcatruas – descontando no registo as que escapam aos não profissionais – eram da mesma natureza, embora, por virtude de receios fiscais e não escrúpulos, notòriamente atenuadas. A formação das ligas, entre nós como em toda a parte onde se manufactura o ouro, dava o ensejo primacial para a espoliação. Conta-se que em Travassos um mestre, a um tempo fabricante e mercador, conduzia as argolas ao contraste, o qual as legalizava firmando o punção, como era da praxe, no arco que directamente atravessa o lóbulo da orelha. Contrastadas as peças volvia à oficina e cuidava imediatamente de lhes amputar os componentes, que eram de mais vulto e de bom ouro, substituindo-os por outros de ouro baixo onde o cobre assistia em grande parte. Assim vinham depois para o mercado. E a verdade é que alcançou basto dinheiro, comprando muitas terras no lugar e dispendendo grandes somas com amores.

82– Queria que todo Travassos fosse dele, e as mulheres !

Veio, porém, o descalabro da indústria para o qual também concorrera a sua insaciedade e fraudulagem. E o homem morreu mísero, acudindo-se-lhe com subscrições benemerentes para o tratamento como enfermo e para a morte !

  • 174 EUDEL, Le truquage cit., pág. 83.

83Outro caso vulgar de falcatrua está na aplicação das marcas dos objectos manufacturados com ouro de lei em outros artefactos, anéis principalmente, destinados de princípio à exportação : é aproximadamente, se bem que com diverso objectivo, a falsificação das pratas dos séculos XVI e XVII em Inglaterra e para a qual o objecto antigo se fabrica de novo inteiramente, adaptando-se-lhe os velhos fragmentos cobertos com os punções do tempo (174).

  • 175 HAVARD, Hist. cit., pág. 63 e nota 2.
  • 176 IDEM, Hist. cit., pág. 146.
  • 177 IDEM, Dict., voc. Orfèvre cit., pág. 1206.–TEXIER, ob. cit., págs. 988-9.
  • 178 TEXIER, ob. cit., pág. 931 e segs. – A lenda de Santo Eloy. Estudo critico de um manucripto do sécu (...)
  • 179 HAVARD, Hist. cit., págs. 146-7. – PAUL LACROIX (Bibliophile Jacob), Les arts au Moyen Age et à l’é (...)
  • 180 HAVARD, Dict., voc. Orfèvre cit., págs. 1207-8.
  • 181 IDEM, Hist. cit., págs. 152-6.–O MESMO, Dict., voc. Orfèvre cit., págs. 1209 e 1232-3.
  • 182 EUDEL, L’Orf alg. cit., pág. 260.

84Estas fraudes, todavia, igualmente cometidas por outros e em mais lugares, acusam-se já, em França, nos tempos merovíngios. A apropriação duma parte do metal pelos aurífices, o seu reconhecimento e a frequência vieram a determinar então e ulteriormente várias disposições de vigilância (175). Ao formarem-se as primeiras comunidades, reviviscência das gildes escandinavas (176) e dos Colégios romanos, nos fins do século XII e princípios do XIII, os estatutos das corporações dos ourives eram muito simples mas extremamente severos (177). Sob uma dissimulação religiosa, erigindo em patrono, como depois na Espanha e em Portugal, ao ourives S. Elói (178), fazendo uso dum selo e até possuindo mais tarde bandeiras, a codificação, que abrangia usos praticados de tempos imemoriais (179), teve que sofrer várias reformas. Ao punção da Casa corporativa em cada localidade juntava-se, por lei do princípio do século XIV, o punção individual do mestre, o que não obstava ao prosseguimento dos logros (180). É então que, nos fins do mesmo século, para remédio do dano, a renovação de estatutos e regulamentos envolve a obrigação de os ourives terem as lojas em lugares aparentes sobre a via pública. Numerosos decretos reais confirmam a restrição, consignada, de passo, nos estatutos dos ourives da maioria das cidades importantes, determinando-se mesmo o arruamento nos bairros mais frequentados como necessidade indeclinável para o leal exercício de semelhante profissão. Acresciam ainda as visitas nocturnas em dias e horas não previstas ; mas as peças, submetidas à inspecção dos Guardas e autenticadas com o punção da Comunidade, recebiam depois, como entre nós, um pé, asas ou tampos não presentes ao controle. Numerosos exemplos de repressões severas, penalidades mais ou menos rigorosas aplicadas aos delinquentes não protegiam eficazmente o público, tendo até ficado célebres, pelo número e pelo escândalo, os delitos respeitantes ao peso e qualidade do ouro, em Lyon, nos séculos XV-XVII(181). A fiscalização directa do Estado por via das contrastarias, sucessivamente alterada e melhorada, nasce da ineficácia de ordenações e regimes que não sabiam nem podiam prevenir os mais hábeis e delituosos ardis, muitos dos quais ocorriam a profissionais bem distanciados pelo sangue e pelo lugar : na Argélia o ourives indígena também juntava a fragmentos de baixo título outras partes do objecto já submetidas ao contraste (182)!

  • 183 VASCONCELOS, A officina e a aprendizagem no século XVI em Portugal, in Rev. da Soc. de Inst. do Por (...)
  • 184 O ilustre escritor, sr. JOAQUIM DE VASCONCELOS, além dos seus trabalhos sobre a História da ourives (...)

85Nos Compromissos dos ofícios dos ourives de ouro e cravação e ourives da prata da cidade do Porto, naturalmente inspirados em diplomas similares ou sequer ditados pelo mesmo espírito de ocupação, directa ou subentendidamente se estatui acerca da lealdade profissional. Os numerosos pleitos, tão curiosos, entre os ourives de ouro e os da prata, separados em dois ofícios desde tempos bem antigos, denunciam interessantes formas dolosas, ou para o público ou entre concorrentes. Um Regimento é ainda expresso em proibir a venda de peças com pedras falsas ou imitadas, vidrilhos e aljôfares fingidos engastados em ouro ; e nas Ordenações filipinas se legisla muito expressamente sobre pesos, quilate e pedras contrafeitas (183). Mas tais referências, afora a aproximação com factos paralelos noutro capítulo da torêutica popular, não cabem aqui individuados com minúcia (184).

  • 185 RAMALHO ORTIGÃO, O culto da arte em Portugal, pág. 135. Pereira ed. Lisboa, 1896.
  • 186 Nos estabelecimentos portuenses de ourivesaria e joalheria mais frequentados por clientela abastada (...)

86Os filigraneiros de Travassos, quando a crise se manifestou aguda e por fim aparentemente insanável, lançaram mão ou do recurso já tradicional, emigrando, ou volvendo-se em assalariados da lavoura, ou, e estes o maior número, entregando-se ao ofício de pedreiros ! Inesperada esta última transmutação de misteres ! Convergindo o descrédito e o desuso no país e na exportação, a indústria da filigrana passaria, como tantas outras, ao quadro das laborações extintas para comentário melancólico de historiadores e economistas, se um rejuvenescimento provocado de fora com a moda das contas de filigrana, não surgisse a tempo, como surgiu, de reconquistar alguns profissionais transviados. O regresso à indústria de vários artífices desertores, associado aos elementos subsistentes que a filigrana popular das cruzes e dos corações precariamente ainda amparava, em Gondomar sobretudo, promoveu assim a actual reviviscência. Com a filigrana avigorou-se, quase contemporaneamente, a elementar indústria das contas lisas, também desprestigiada no trato extorsivo com a Galiza. E por fim até uma calorosa exortação encontrava eco nas iniciativas do negócio portuense : « a filigrana, imobilizada em tipos decrépitos, e da qual tão lindos efeitos se tirariam, aplicando-a em ouro a serviços de toucador, a frascos de cristal, a molduras de retratos, a encadernações de devocionários » (185) começava a aparecer nos mostruários da cidade com um encanto de efeitos e uma novidade de aplicação e aura de êxito que aparentava, entre nós, uma original e inédita arte sumptuária (186). Paralelamente ainda a multiplicidade de berloques de preço abordável aumentou os réditos da indústria. E assim, em Travassos, novas oficinas se organizaram, nunca ultrapassando cada uma o limite máximo de 6 operários quando muito, e numerosos artífices por sua conta e na própria casa, trabalhando sós ou com a família, se constituíram autonomicamente em produtores.

  • 187 Inquérito industrial de 1890, IV, Imp. Nac. Lisboa, 1891.
  • 188 Inquérito ind. cit. e tom. cit.

87Para a Póvoa de Lanhoso as informações oficiais dão 38 oficinas, discriminando 21 mestres e 41 operários (187). Tais números, porém, nada elucidam sem pormenorizações mais adstritas à especialização do mister. E sucede decerto, como se declara para Gondomar, que há muitas e importantes omissões, mercê da má vontade e suspeição dos industriais. De facto, neste último concelho registam-se 103 oficinas de ouro e 67 de prata e enumeram-se 47 mestres e 135 operários para o primeiro metal e respectivamente 49 e 83 para o segundo. Por outro lado anotam-se os seguintes números de operários para as oficinas: 184 ouro e 153 prata (188)! Tais números são incotejáveis e escapam à mais bem intencionada destrinça, sabendo-se, por informações directas (1907) na Contrastaria local (S. Cosme), que se aproxima de 200 o número dos mestres que lá têm a sua marca registrada e que outros aí residentes preferiram arquivá-la na do Porto.

  • 189 A indústria alemã já produz, imitando os portugueses, vários padrões de filigrana. O sr. J. de Vasc (...)

88Entretanto, não obstante o desvio algarismal e inconciliável das fontes de informação, ajuíza-se grosseiramente da latitude da indústria, ainda assim diminuída certamente em braços por não haverem revivido os filigraneiros das cercanias de Guimarães e Famalicão e não constar, nomeadamente em Lanhoso, que aos novos incitamentos acorressem aderentes em número superior aos que outrora se contavam. Subsidiariamente estancou-se, de há muito, o fabrico de cadinhos em Prado, vendidos aos milhares, e noutros tempos, aos ourives de Guimarães. Os lapidários de Venda Nova, e principalmente de Penafiel, sem razão de subsistirem, passaram despercebidamente ao domínio da história das indústrias moribundas, senão extintas. E assim a revivificação actual não exprime ainda, porventura, nem em intensidade, nem em expansão, nem como adjuvante de ocupações acessórias – pois os cristais, os esmaltes e a vidraria colorida vêm de fora – as prosperidades que é lícito presumir remotamente. Voltarão se a moda prossegue e os créditos, para a exportação, se recuperam – contanto que se apercebam da concorrência alemã e italiana (189)!

  • 190 Na Exposição de ourivesaria de 1883 estiveram durante algumas semanas trabalhando em filigrana, e à (...)

89A situação económica dos artífices, porém, não corresponde ao movimento que vai sendo assinalado. A retribuição do fabrico é baixíssima e, só com ela, nenhum alcança uma elementar mediania. Apenas alguns mercantes enriquecem, lamentando-se sempre – é claro ! – da numa e noutra banda, a oficina própria, com as mulheres, as irmãs, as filhas (190) e os rapazes cooperando.

90É assim, de ordinário, que se faz o aprendizado, à vista do pai e lentamente. O moço, por muito ver, vai ensaindo e começando pelo simples. A certa altura da idade e da vontade o chefe manda executar fáceis modelos, aconselhando e corrigindo. Até que, com a dependência exclusiva da aptidão e da constância, o rapaz aparece artista habilitado a fixar-se nas suas preferências. Se o aprendiz pratica com mestre estranho são 5 ou 6 anos a média do tempo ocupado gratuitamente na casa alheia.

91A especialização acentua-se a quando operário feito: uns dedicam-se aos brincos, broches e châtelaines, outros a gargantilhas vestidas de filigrana, argolas e anéis, outros aos corações, outros às cruzes de Malta. Das duas últimas especialidades já não há representação em Travassos e mesmo às cruzes poucos se aplicam em Gondomar. Simultaneamente a obra de chapa por via de matrizes de ferro, nos dois concelhos dos distritos do Porto e Braga, é com frequência praticada como recurso compensador das falhas de encomenda do artefacto filigranado. Apenas o conteiro que, com uma forma, corta dois discos de ouro, arredonda-os seguidamente em dois hemisférios e depois os solda, se adstringe a este fabrico rudimentar mas lucrativo. Quando cobertas de filigrana é o artífice desta especialidade que realiza a associação, como é só este quem elabora as contas filigranadas, primeiro organizando em plano a armação e depois fechando-a em redondo.

92Os modelos do artigo popular são tradicionais se bem que, modernamente, uma grande variedade de berloques – folhas, flores, insectos, aves, utensílios, instrumentos, etc. – de baixo preço, ouro ou prata, invadissem o mercado com destino a acessórios de pulseiras, pingentes de cadeias de relógio e de cordões de peito, brincos, broches e atavios da cabeça. Os padrões ou procedem da inventiva do ourives, ou mais frequentemente da estampa e do conselho do mercante. Aparecem então alguns dum menos que medíocre bom gosto : uma guitarra, por exemplo, uma cesta, uma cadeira de palhinha, uma garrafa, uma mala de viagem, um guarda-chuva, um bule e um regador ! Mas, além destes modelos, reproduzem outros obtidos pelo negociante na gráfica estranexorbitância dos seus dispêndios em aluguer e pessoal, da voracidade tributária e doutros horrores, que nem os impede de capitalizarem, às vezes soberbamente, nem lhes adoça o ânimo no sentido de espoliarem menos descaroàvelmente o produtor. É o lugar comum velho e relho do mercador que floresce – o senhorio, o caixeiro, o imposto, o empate – enquanto quem trabalha enlanguesce e por fim até a mercadoria se abastarda ! Sabendo-se o peso da matéria prima empregada e seu valor, o custeio da mão de obra e os pequenos desembolsos acessórios até que um objecto chegue à venda, maravilha o despropósito do lucro leonino que o intermediário reclama para si! Só a frivolidade inconstante das mulheres e a fraqueza dos homems – tantas vezes governados pelas consortes ! – explicam e permitem a descompassada ganância desse tráfico!

93Outros negociantes medianos, menos procurados, lançam também mão de outras astúcias. A suspeita de que o objecto de ouro que vá a brunir ou a consertar torna por vezes desfalcado tem o fundamento em estratagemas hábeis e sabidos. Numa vila da província um negociante de ourivesaria pouco a pouco consolidara uma fortuna, associando à sua função normal a ardileza de suprimir vários elos aos cordões que lhe levavam a soldar. A fraude vulgarizava-se, um ou outro protesto levantava clamores, mas a clientela desprevenida, e principalmente a rural, frequentava sempre o mercador, captiva da sua bonómica acolheita. Uma vez certa mulher contara prèviamente as argolas duma gorjeira que carecia de restauro. E como verificasse, no retorno, a subtracção de componentes, invectivou da porta o traficante, com paixão e destempero. O honrado mercador, benévolo e sorrindo, à mulher e ao público que assistia não contestava e nada opunha. Afagando as brancas barbas, suavemente, tranquilamente, com uma infinita doçura de quem tudo perdoa, apenas redarguia :

94– Desabafe, mulher, desabafe ! Eu já lhe conheço o génio!

95E ficou com as argolas!

96Algumas vezes entre o mercador citadino e o fabricante há o mestre de oficina que também comerceia e, portanto, pode haver mais rendimentos. Neste caso, em Travassos, um artífice regular ajusta-se por 16 libras anuais e alimentos ; mas se trabalha a jornal este é, em média, de 120 réis diários e o comer e 500 réis, raro 600, sem o sustento. Em Gondomar os fabricantes contratados ao ano, além do internato e mantimento, vencem de 9 a 15 libras e ainda mais. Preferem, entanto, geira com destino à ornamentação do mobiliário de luxo preferido pela gente que, com demasiada e generosa polidez, dizemos culta! E é manifesto, aqui e em toda a parte, que são as preferências dos clientes que determinam a mediocridade do artigo ; «o gosto público que governa – já se disse como asserto – é o resultado da cumplicidade tácita do produtor e do consumidor».

46 – Mulheres de Viana da Castelo.

46 – Mulheres de Viana da Castelo.

47 – Mulher dos arredores do Porto.

47 – Mulher dos arredores do Porto.

48 – Mulher dos arredores do Porto.

48 – Mulher dos arredores do Porto.

49 – Mulher da Maia.

49 – Mulher da Maia.

50 – Mulher de Viana.

50 – Mulher de Viana.

51 – Página reduzida do canhenho dum filigraneiro de Leiradela (Travassos).

51 – Página reduzida do canhenho dum filigraneiro de Leiradela (Travassos).

52 – Outra página (idem).

52 – Outra página (idem).

53 – Ainda outra página (idem).

53 – Ainda outra página (idem).

97Para os artefactos tradicionais previne-se, em geral, o filigraneiro com o seu canhenho de medidas, contornos e padrões, como se exemplifica nas figs. 51 a 53, representativas de três páginas do álbum dum artífice da Leiradela, em Travassos, e exibindo dados, armações, detalhes e bitolas. De sorte que os seus progressos, não se confinando nesse restrito inventário arquivado num caderno, dependem realmente da boa escolha dos modelos praticáveis que se lhe ofereçam, uma vez que a aptidão técnica, a tenacidade voluntariosa embora lenta, a sua capacidade nada criadora mas regularmente imitativa – que é a subalterna e exclusiva capacidade portuguesa – triunfam com aferrado engenho e constância dos embaraços e surpresas do inédito. Transportá-los para as Escolas industriais com o arremedo de ensino que é professado entre nós, subtraí-los do seu natural ambiente para os lançar ao contágio de aspirações pervertidas e dissolventes – as do emprego público, nomeadamente, que agitam e conturbam um serralheiro com três anos de classe ! –, não é decerto, com a nossa índole, a solução tão quimericamente sedutora dos teóricos, mas deveras a anulação e perda de muitos e excelentes destinos técnicos. Só daria frutos, porventura, a escola móvel especializada.

98Já no lugar a sinceridade, a bondade, a ingenuidade, tão imaginosamente atribuídas em letra redonda às populações rurais, ou agrícolas ou manufactureiras, provam, pela ausência, esta tão decantada ilusão literária. São, decerto, mais restritos os factores deprimentes ; mas os susceptíveis de cultivo esplendem por vezes com bem viva irradiação. O filigraneiro geralmente, como todos os profissionais congéneres aldeãos, tem no abuso do vinho o pretexto mais cubiçado das suas distrações e o gozo mais agudo dos seus prazeres. Mas é desnecessário o estímulo alcoólico para que, conversados, se não revelem lastimavelmente despidos dum espírito de solidariedade instintivo e rudimentar. Deprimem-se e depreciam-se revelando, descobrindo, suspeitando e inventando logros, concluindo-se, em remate duma indagação contraprovada, que não há um só camarada que doutro faça boa ausência.

99Assim vegetam e se aviltam, trabalhando entretanto com a perseverança a que a vida rudeinente obriga, vida que pelo aspecto da oficina, da casa miserável, da pobre vestidura, do mobiliário humilde e até do aspecto físico do habitante, tanto contrasta com outra que decorre inocupada, satisfeita e galante – a de alguns dos que compram, por preços que ele quase ignora, as suas mais lindas bijuterias!

100Porto. Janeiro, 1908.

Notes

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fasc. 4.° (Porto, 7 de Setembro de 1908), pp. 540-579.
Deste trabalho tirou-se a seguinte separata: ETHNOGRAPHIA PORTUGUESAIAS FILIGRANAS/por/A. A. da Rocha Peixoto/Socio correspondente da Academia Real das Sciencias de Lisboa/Director da Bibliotheca Publica e do Museu municipal do Porto e redactor em chefe da Portugalia/Com 53 illustrações no texto)/Porto/Imprensa Portugueza/112Rua Formosa112/1908/44 págs., 200 x 131 mm.

2 RICARDO SEVERO, O thesouro de Lebução, in Portvgalia, II, págs. 1-14. – O MESMO, Os braceletes d’ouro de Arnozella, id., págs. 63-71.–O MESMO, Os torques de Almoster, id., págs. 72-4. – O MESMO, O torque de Serrazes, id., pág. 109. – O MESMO, O bracelete de Tellões, id., págs. 109-10 e 283. – JOSÉ FORTES, Museu municipal Azuaga, id., pág. 119. Porto, 1905-6.

3 FORTES, Duas joias archaicas, in Portvgalia, II, pág. 413. Porto, 1907.

4 IDEM, A sepultura da Quinta da Agua Branca, in Portvgalia, II, pág. 245. Porto, 1906.

5 GABRIEL PEREIRA. O collar da Penha Verde, in Boletim da R. Assoe, dos arch. civis e arch. portuguezes, tom. VII, 3.a série, págs. 77-8 e est. cromolitog. Lisboa, 1898. – SEVERO, O thesouro cit., pág. 8.

6 SEVERO, As arrecadas d’ouro do castro de Laundos, in Portvgalia, II, pág. 407. Porto, 1907.

7 PIERRE PARIS, Essai sur l’art et l’industrie de l’Espagne primitive, II, pág. 242. Leroux ed. Paris, 1904.

8 RAMON MÉLIDA, El tesoro ibérico de Jávea, anexo ao Ext. da Rev. de Arch., Bibliot. y Museos intitulado Las esculturas del Cerro de los Santos. Madrid, 1906. – O MESMO, Ibéria arqueológica ante-romana, lâm. XIII. Madrid, 1906.–PARIS, Le trésor de Jávea, in Rev. Arch., VIII, págs. 430-2. Leroux ed. Paris, 1906.

9 EMILE CARTAILHAC, Les ãges préhistoriques de l’Espagne et du Portugal, págs. 334-6 e pl. IV. Reinwald ed. Paris, 1886. –PARIS, Essai cit., II, pág. 250 e segs.

10 G. PERROT et CH. CHIPIEZ, Histoire de l’art dans Vantiquité, III, Phénicie, págs. 816, 818 e 840. Hachette ed. Paris, 1885.

11 PERROT et CHIPIEZ, ob. cit., VI, La Grèce, págs. 957 e 965. 1894. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura de E. SAGLIO, I, 2.ème partie, págs. 793-4. Hachette ed. Paris, 1887.

12 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. cit., págs. 795-6. – OS MESMOS, Dict., voc. Aurifex de E. SAGLIO, pág. 569, I, 1.ère partie, 1873. –J. MARQUARDT, La vie privée des romains, II, pág. 343. Fontemoing ed. Paris, 1893.

13 JULES MARTHA, L’art étrusque, pág. 561. F. Didot ed. Paris, 1889.

14 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., págs. 794-5. – MARTHA, ob. cit., pág. 562.

15 MARTHA, ob. cit., pág. 562.

16 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., págs. 795-6. – PERROTT, ob. cit., V, Lydie et Carie, págs. 296-8 e 203-5-7. Paris, 1890.

17 A. NOEL DES VERGERS, L’Etrurie et les étrusques, ou dix ans de fouilles dans les marennes toscanes, III, págs. 26-7. F. Didot ed. Paris, 1862-4. – Martha, ob. cit., pág. 562, – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 795. – EUGÉNE FONTENAY, Les bijoux anciens et modernes, pág. 264 e segs. Quantin ed. Paris, 1887.

18 PARIS, Le trésor cit., págs. 431-2.

19 PIERRE GUSMAN, Pompei, pág. 457. May ed. Paris, s. d.

20 MARQUARDT, ob. cit., II, nota 3 de pág. 343, pág. 361 e nota 4. – GUSMAN,. ob. cit., pág. 345.

21 HENRY HAVARD, Histoire de l’orfèvrerie française, pág. 35. Quantin ed. Paris, 1896.

22 CH. DAVILLIER, Recherches sur l’orfèvrerie en Espagne au Moyen-Age et à la Renaissance, págs. 3-13. Quantim ed. Paris, 1879. Etc.

23 DAVILLIER, ob. cit., pág. 33 e nota 3 e pág. 34.

24 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Historia da ourivesaria e joialheria portuguezas, pág. 109 e nota. S. 1. n. d.

25 (а) DAVILLIER, ob. cit., págs. 13 e 31.

26 HAVARD, ob. cit., págs. 60, 78 e 89 e fig. de pág. 76.

27 TEXIER, Dict. d’orfèvrerie, de gravure et de ciselure chrétiennes, in Encyclopédie MIGNE. pág. 940. Migne ed. Paris 1857.

28 GASTON MIGEON, Manuel d’art musulman, II, Les arts plastiques et industriels, pág. 158. Picard ed. Paris, 1907.–DAVILLIER, ob. cit., pág. 20.

29 DAVILLIER, ob. cit., pág. 29.

30 JULES LABARTE, Histoire des arts industrieis au Moyen-Age et à l’époque de la Renaissance, II, págs. 276-7. Muel et Cie eds. Paris, 1868. – HAVARD, Dict. de l’ameuble. ment et de la décoration depuis le XIII.me siècle jusqu’à nos jours, voc. Filigrane, II, pág. 814. Quantin ed. Paris, s. d.

31 VIOLLET-LE-DUC, Dict. raisonné du mobilier français de l’époque carlovingienne à la Renaissance, voc. Orfèvre, II, págs. 178-81. Morel et C.ie eds. Paris, 1871.

32 IDEM, Dict. e voc. cits. págs. 196-7.

33 Relatório e programa da Exposição de ourivesaria e joialheria nacional, in Rev. da Soc. de Instrucção do Porto, III, pág. 485. Porto, 1883.

34 SOUSA VITERBO, Arte e artistas em Portugal, págs. 116-7. Ferreira ed. Lisboa, 1892.

35 IDEM, ob. cit., págs. 117-8.

36 VASCONCELOS, ob. cit., nota de pág. 13. – FILIPE SIMÕES, A Exp. retrospectiva de arte ornamental portugueza e hespanhola em Lisboa, pág. 38. Lisboa, 1882.

37 S. VITERBO, A Exp. de arte ornamental, in Bol. da Soc. de Geog. de Lisboa, 3.a série, pág. 520 e segs. Lisboa. 1882.

38 GINER DE LOS RIOS, Artes industriales desde el cristianismo hasta nuestros dias, pág. 17. Lopez ed. Barcelona, s. d.

39 VASCONCELOS, A ourivesaria profana, in Arte portugueza, pág. 46. Porto, 1882. (Id. na Hist. da ouriv.).

40 IDEM, Hist. cit., págs. 13-7.

41 É edificante a leitura dos seguintes passos: J. RIBEIRO GUIMARÃES, Summarlo de varia historia, III, págs. 40-54. R. & Semiond eds. Lisboa, 1873.–TEOFILO BRAGA, Gil Vicente e aS origens do theatro nacional, pág. 492 e segs. Lello & Irmão eds. Porto, 1898

42 VASCONCELOS, Hist. cit., págs. 29-30.

43 IDEM, Ourivesaria religiosa, in Arte portugueza cit., pág. 46. (Id. na Hist. da ouriv.).

44 IDEM, Exp. districtal de Aveiro em 1882. Relíquias da arte nacional, pág. 27. Aveiro, 1883.

45 IDEM, Exp. de ouriv. e joalheria nacional, in Commercio do Porto de 1-XI-83.

46 HAVARD, Dict., voc. Filigrane cit., págs. 815-6.

47 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 794.

48 HAVARD, Hist. cit., págs. 59-60.

49 O banco instalado à direita da oficina do século XVI, representada na fig. 817 de pág. 1222 do tom. III do Dict. de HAVARD, é fundamentalmente o mesmo ainda usado pelos filigraneiros de Travassos e Gondomar.

50 PAUL EUDEL, L’orfèvrerie algérienne et tunisienne, pág. 185. Jourdan ed. Alger, 1902. – FONTENAY, ob. cit., págs. 491-2.

51 EUDEL, ob. cit., págs. 185-6.

52 DARENÍBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 794.

53 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 793. – FONTENAY, ob. cit., pág. 505.

54 HAVARD, Dict., voc. Filigrane cit., pág. 814.

55 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 795.

56 HAVARD, Hist. cit., págs. 58-60.

57 HAVARD, Dict., voc Argent, I, pág. 129.

58 VASCONCELOS, Ouriv. prof. cit., pág. 18.

59 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures de E. SAGLIO, III, pág. 440.

60 VITERBO, Elucid., voes. Arrancanes ou Arrecadas e Arriei, I, págs. 137 e 140; voc. Pensamentos, II, pág. 213 (ed. de 1798). – BLUTEAU, Vocab., vocs. Bicha, II, pág. 119 e Pensamentos, VI, pág. 399 (ed. de 1712 e segs.).

61 J. VILA-AMIL Y CASTRO, Adornos de oro encontrados en Galicia, in Museo espanol de antigüedades, III, figs. 1, 2, 4 e 5 e págs. 545 e segs. Madrid, 1874. – O MESMO, Productos de la metalurgia gallega en tiempos remotos, in Bol. de la Comisión provincial de monumentos hist. y artist. de Orense, III, pág. 145 e lám. III. Orense, 1907.–SEVERO, As arrecadas cit., pág. 411, pl. XXXI e figs. 4, 5 e 7. –Entre outros inúmeros exemplos, não falando já nos mostruários dos ourives, lembre-se ainda os surpreendidos ocasionalmente nas mulheres poveiras fotografadas na interessante e proficiente memória de FONSECA CARDOSO, O poveiro, Estudo antrop. dos pescadores da Povoa de Varzim, in Portugalia, II, figs. 14, 15, 18, 19, 24 e 25 de págs. 529, 533 e 537. Porto, 1908.

62 FONTENAY, ob. cit., pág. 101. – O indefeso, ilustre e benemérito arqueólogo sr. Santos Rocha, na sua notável memoria intitulada Estações pré-romanas da idade do ferro e inserta no tom. II da Portugalia, pág. 301 e segs. não admite uma influência caracterìsticamente púnica, uma vez que se conhecem arrecadas de bronze da idade do ferro e pré-micénicas (págs. 328-9). Os passos que cita são procedentes – considerando-se como arrecadas aqueles bárbaros esboços (salvo o crescente do Compte-rendu do Congresso antrop. de 1900, Mem. de REINACH) que bem podiam evolutir noutro sentido.

63 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 441 e fig. 3999.

64 PERROT, Phénicie, cit., pág. 823 e fig. 576-C.

65 IDEM, La Grèce cit., pág. 971 e fig. 548. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 443 e fig. 4003.

66 FONTENAY, ob. cit., pág. 101.

67 VASCONCELOS, A Exp. de arte ornamental em Vianna, in Exp. de arte ornamental do districto de Vianna... em 1896, pág. 26. Viana, 1898.

68 PERROT, Phénicie cit., pág. 823 e fig. 576-E.

69 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. InaureS cit., pág. 440.

70 PERROT, Phénicie cit., pág. 818 e fig. 576-D.

71 O. MONTÉLIUS, La civilisation primitive en Italie etc., 2.éme partir, Italie centrale, fig. 7, série B, pl. 153 do Atlas (I). Stockholm, 1904.

72 MARTHA, ob. cit., págs. 568-9 e 571-2.

73 NOEL DES VERGERS, ob. cit., pág. 278 e n.os 5, 6, e 7 de pl. XXXI. – FONTENAY, ob. cit., figs. de págs. 109, 110 e 113.

74 FONTENAY, ob. cit., pág. 95.

75 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 446. – FONTENAY, figs. de pág. 116.

76 SEVERO, O tesouro cit., pág. 8. – VILLA-AMIL Y CASTRO, Productos cit. III, pág. 85.

77 SEVERO, O tesouro cit., pág. 12.

78 FONTENAY, ob. cit., pág. 228.

79 IDEM, ob. cit., figs. de págs. 108-9.

80 PERROT, Phénicie cit., pág. 823 e fig. 584.

81 FONTENAY, ob. cit., fig. e pág. 117 e págs. 182-3.

82 ROCHA PEIXOTO, O traje serrano, in Portugalia, II, pág. 385. Porto, 1907.

83 As contas ovóides, sem filigrana, ainda muito comuns, têm ascendentes remotos e fabricados com vária substâncias. Às vezes afectam grosseiramente a forma de dois troncos de cone unidos pelos planos das bases. E além do seu destino para colares também na antiguidade se adoptavam isoladamente como brincos. Ex.: ANTÓNIO MAGNT, La necropoli ligure-gallica di Piannezo nel canton Ticino, pág. 56 e tav. VIII. Milano, 1907.

84 NOËL DES VERGERS, ob. cit., pág. 27.

85 MONTÉLIUS, ob. cit., 1.ère partie. Italie septentrionale, pág. 517 do texto e fig. 4 de pl. 109, série B do Atlas.

86 FONTENAY, ob. cit., págs. 232 e 241.

87 H. GELIN, L’Ethnographie à l’Exp. de Niort (1896), in La Tradition en Poitou et Charentes, págs. 72-4 e figs. da pl. em face de pág. 72. Paris, 1897.

88 G. BELLUCCI, Amuleti italiani contemporanei, págs. 68-9 e 73. Perugia, 1898.

89 MARTHA, ob. cit., págs. 581-3.

90 FONTENAY, ob. cit., pág. 457.

91 IDEM, ob. cit., figs. de págs. 31-2 e pág. 277 e segs.

92 J. L. PIC, Le Hradischt de Stradonitz en Bohème, trad. de JOSEPH DÉCHELETTE, pág. 40. Leipzig, 1906.

93 MARQUARDT ; ob. cit., págs. 359-60.

94 Nos fascículos que constituem o II tomo da Portugalia os vários artigos, anteriormente citados, que se ocupam da ourivesaria proto-histórica entre nós acrescentam até à data, triplicando-o, o inventário de artefactos de ouro já descritos e descobertos em Portugal. Ver a nota 2 de pág. 68 do tomo II da Portugalia e ainda os escritos subsequentes.

95 MARTHA, ob. cit., pág. 564.–FONTENAY, ob. cit., pág. 193.–DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Acus, de E. SAGLIO, I, 1.ère partie, págs. 61-4 e resps. figs.

96 Só na acrópole da cividade de Terroso, perto e no concelho da Póvoa de Varzim, uma exploração recentemente efectuada (1906-7) pôs a descoberto várias dezenas de alfinetes de bronze mais ou menos ornamentados. Fazem parte, como todo o espólio arqueológico, das colecções municipais do Porto.

97 MARTHA, ob. cit., pág. 567. – MONTÉLIUS, ob. cit., 1.ère partie, pág. 517 e fig. 9 de pl. 109, série B. – SEVERO, As arrecadas cit., pág. 409.

98 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 445.

99 PERROT, La Grèce cit., pág. 958 e figs. 519-21.

100 SOPHUS MÜLLER, L’Europe préhistorique, pág. 96 e segs. Lamarre ed. Paris, s. d. (1908). – JOSEPH DÉCHELETTE, Manuel d’arch. préhist., celtique et gallo-romaine, I, pág. 613. Picard ed. Paris, 1908.

101 Os pesos indicados nas ilustrações referem-se às peças, todas de ouro, inicialmente desenhadas na grandeza natural. Entanto são variáveis, exactamente como as dimensões dos artefactos. Assim os pesos variam desta sorte nos objectos representados nas figs.: 2 ,de 5 a 18 grs.; 3, de 1,5 a 15; 4, de 2 a 12; 5, de 1,5 a 20 ; 6, de 2 a 15; 7, de 9,5 a 22,5; 13, de 4 a 20; 16, de 6 a 18; 22, de 3 a 80; 23, de 3 a 100; 25, de 16 a 50; 26, de 2 a 6; 28, de 1 a 60; e 29 e 31, de 1,5 a 100. O alfinete de gravata figurado em remate deste estudo é esmaltado a azul e branco, pesa 3,9 grs. e está reduzido a 2/3 da gr. nat.

102 ALFREDO BENSAÚDE, O diamante, in Rev. de Scs. Naturaes e Sociaes, II„ pág. 161. Porto, 1893. – FONTENAY, ob. cit., pág. 77.

103 PERROT, Phénicie cit., págs. 824-9.

104 IDEM, La Grèce cit., págs. 972-5.

105 MARQUARDT, ob. cit., pág. 363.

106 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 446.

107 FONTENAY, ob. cit., pág. 75.

108 GUSMAN, ob. cit., pág. 458.

109 DÉCHELETTE, Le Hradischt de Stradonic, in Les fouilles du Mont Beuvray de 1897 à 1901, pág. 147. Picard ed. Paris, 1904.

110 PIC, ob. cit., págs. 38-9. – FONTENAY, ob. cit., quadro de pág. 74.

111 HAVARD, Hist. cit., pág. 59.

112 VASCONCELOS, Hist. da ouriv. cit., pág. 115.

113 IDEM, A Exp... em Vianna cit., pág. 36.

114 BENSAÚDE, ob. cit., pág. 161 e segs.

115 PERROT, La Grèce cit., pág. 975.

116 IDEM, Phénicie cit., pág. 824.

117 GUSMAN, ob. cit., pág. 458.

118 HAVARD, Dict., voc. Diamant, II, pág. 124.

119 IDEM, Dict., voc. Diamant cit., pág. 124.

120 IDEM, Hist. cit., págs. 368-70. – O MESMO, Dict., voc. Lapidaire, III, págs. 272-4.

121 VASCONCELOS, Exp. de ouriv. cit., in Commercio cit. de 12-XII-83.

122 A título de curiosidade anotar-se-á que toda aquela região da bacia do Baixo Douro é, geològicamente, muito instrutiva. Independentemente dos depósitos antracitosos de S. Pedro da Cova, dos sedimentos silúricos e fossilíferos do seu aro e da zona antimonífera das imediações de Gondomar, as pegmatites, os gneisses e os micaxistos de Rio Tinto, Venda Nova, Fânzeres e proximidades encerram várias espécies muito interessantes para a mineralogia nacional. O quartzo hialino, leitoso, defumado e róseo (Marco da Continha, Venda Nova), a ametista, a opala comum (Pedreira da Boavista, em Rio Tinto), a turmalina, nos xistos micáceos e nas rochas granitóides do lugar da Azenha e em Venda Nova, a moscovite, em grandes lamelas foliáceas, com o n. v. de espelho de gato (Estrada de Venda Nova a Fânzeres, Azenha e Marco da Continha), o berilo, em lindos prismas hexagonais (Marco da Continha), a granada almandina, já frequente nos micaxistos da Granja, disseminada na Bouça da Azenha e, adiante, nos gneisses da Areosa, a distena, nos xistos do lugar da Azenha, a estaurolite, na forma do prisma primitivo ou maclada, vulgarmente denominada cruzeta (Quinta da Igreja, Mouros e Santa Eulália, em Fânzeres), a esmeralda, em pequeníssimos prismas hexagonais, no gneisse da pedreira de Alvarinho (Fânzeres) e a pinite ( ?) constituem, numa área restrita, um curioso mostruário e ensinamento. Entre outras colecções existe a reunida pelo director da Portugalia e ilustre engenheiro sr. Ricardo Severo e pelo A., actualmente pertença do Gab. de Geologia da Acad. Politécnica do Porto.

123 PAUL RANDAU, La fabrication des émaux et l’émaillage, trad. de E. CAMPAGNE, págs. 16-96. Dunod ed. Paris, 1905.–CHARLES BLANC, L’art dans la parure et dans le vétement, pág. 274. Laurens ed. Paris, s. d. – HAVARD, Dict., voc. Émail, II, pág. 369. – PIC, ob. cit., pág. 45.

124 HAVARD, Dict. voc. Émail cit., págs. 369 e 379.

125 Interessa deveras ler o resumo das disputas acerca da origem dos esmaltes a págs. 164-79 do tom. I de – M. C. BARRIÈRE-FLAVY, Les arts industriels des peuples barbares de la Gaule du V.ème au VIIIème. siècle. Picard ed. Paris, 1901.– Ver ainda, entre outros: – GABRIEL MILLET, L’art byzantin, in Histoire de l’Art, par ANDRÉ MICHEL, I, 1.ère part., 275 e segs. Colin ed. Paris, 1905. – PAUL LEPRIEUR, L’art de l’époque mérovingienne et carolingienne en Occident, in Hist., A. e tom. cits., pág. 424 e segs.

126 PIC, ob. cit., pág. 45. – RANDAU, ob. cit., pág. 1.

127 MARTHA, ob. cit., pág. 563. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Caelatura cit., pág. 799.

128 PIC, ob. cit., pág. 45.

129 G. DOTTIN, Manuel pour sèrvir à Pétude de PAntiquité celtique, pág. 156. Champion ed. Paris, 1906.–FONTENAY, ob. cit., pág. 344.

130 DOTTIN, ob. cit., pág. 156. – FONTENAY, ob. cit., págs. 344-5.

131 DÉCHELETTE, L’Oppidum de Bibracte, págs. 55-7. Picard ed. Paris, s.d. – O MESMO, Le Hradischt cit., pág. 145.

132 IDEM, L’Oppidum cit., pág. 57; Les fouilles cit., pág. 25; Le Hradischt cit., pág. 148.

133 IDEM, Le Hradischt cit., pág. 148.

134 PIC, ob. cit., págs. 47-9.–DÉCHELETTE, L’Oppidum cit., nota de págs. 49-50. – O MESMO, Le Hradischt cit., pág. 146.

135 PAUL MANTZ, Notes sur l’orfèvrerie anglaise, in Gazette des Beaux-Arts, IX, págs. 6-13. Paris, 1874.

136 DAVILLIER, ob. cit., págs. 65-70.

137 VASCONCELOS, Hist. da ouriv. cit., págs. 95-6.

138 IDEM, Expde Aveiro cit., págs. 26 e 51-2.

139 IDEM, Expde Aveiro cit., págs. 52-3. – Parece que a colecção mais completa, embora restrita ,que subsiste dos esmaltes nacionais representativos das imagens mais queridas da hagiografia popular portuguesa, é a que pertenceu ao professor do Liceu do Porto, coleccionador, naturalista e antiquário, o extinto Augusto Luso da Silva. A série foi adquirida, com outros objeetos de arte hispânica e portuguesa, pelo Museu municipal do Porto.

140 PERROT, La Grèce cit., pág. 958.

141 DÉCHELETTE, Le Hradischt cit., pág. 149 e figs. 7-12 da pl. XXIV. – PIC, ob. cit., pág. 48 e figs. da pl. IX.

142 ERNEST CHANTRE, Recherches anthropologiques dans le Caucase, III, pág. 11 e segs. e 29 e segs. e pl. XX. Reinwald ed. Paris, 1887.

143 RANDAU, ob. cit., págs. 208-10.

144 FONTENAY, ob. cit., pág. 495.

145 PERROT, Phénicie cit., pág. 824.

146 MARTHA, ob. cit., pág. 570.

147 FONTENAY, ob. cit., págs. 113 e 117.

148 MARTHA, ob. cit., pág. 573.

149 NOEL DES VERGERS, ob. cit., pág. 27.

150 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Aurifex cit., pág. 570.

151 IDEM, Dict., voc. Inaures cit., pág. 442.

152 DOTTIN, ob. cit., pág. 133.

153 PARIS, Essai cit., II, pág. 242. – MÉLIDA, Las esculturas cit., Question de autenticidad, in Rev. de Arch., Bibliot. y MuSeoS, VIII e segs. Madrid, 1903 e segs.

154 MARQUARDT, ob. cit., II, págs. 360-1.

155 D. ANTÓNIO DA COSTA, No Minho, pág. 259. Porto, 1874.

156 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Inaures cit., pág. 446.

157 J. AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, II, pág. 758. Pereira ed. Lisboa, 1887.

158 ALBERTO SAMPAIO, A propriedade e cultura no Minho, pág. 126. Porto, 1888.

159 VIEIRA, ob. cit., I, págs. 395-6 e 519. Lisboa, 1886.

160 VASCONCELOS, Ouriv. prof. cit., págs. 14 e 18.

161 HAVARD, Hist. cit., págs. 350 e 458.

162 EUDEL, ob. cit., pág. 260.

163 SAMPAIO, ob. cit., pág. 126.

164 VASCONCELOS, Hist. da ouriv. cit., pág. 10.

165 S. VITERBO, Artes cit., págs. 114-5 e 298-9.

166 DAVILLIER, ob. cit., pág. 132. – VASCONCELOS, Hist. da ouriv. cit., pág. 114.

167 EUDEL, Le truquage, pág. 72. Rouveyre ed. Paris, s. d.

168 HAVARD, Hist. cit., págs. 7-8. – O MESMO, Dict., voc. Orf. cit., pág. 1267.

169 IDEM, Hist. cit., pág. 24.

170 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Aurifex cit., pág. 570.

171 H. DA GAMA BARROS, Historia da administração publica em Portugal nos seculos XII a XV, I, pág. 536 ; II, pág. 209. Lisboa, Imp. Nac. e Tip. da Acad. das Cs. 1885-96.

172 VIEIRA, ob. cit., I, pág. 615.

173 Rel. da Exp. ind. de Guimarães em 1884, pág. 36. Porto, 1884.

174 EUDEL, Le truquage cit., pág. 83.

175 HAVARD, Hist. cit., pág. 63 e nota 2.

176 IDEM, Hist. cit., pág. 146.

177 IDEM, Dict., voc. Orfèvre cit., pág. 1206.–TEXIER, ob. cit., págs. 988-9.

178 TEXIER, ob. cit., pág. 931 e segs. – A lenda de Santo Eloy. Estudo critico de um manucripto do século XV, da Collecção Pombalina, existente sob o n.° 746 na Bibliotheca Nacional de Lisboa e pela primeira vez publicado por ALFONSO HINCKER (Códice mandado escrever pelos mordomos do «espital do glorioso servo e amigo do Senhor deus, Santo Eloy. Confraria dos honrrados ourivezes d’esta muy nobre e leal cidade de Lixboa»). In Instituto, toms. 46 e 47. Coimbra, 1899-90.

179 HAVARD, Hist. cit., págs. 146-7. – PAUL LACROIX (Bibliophile Jacob), Les arts au Moyen Age et à l’époque de la RenaisSance, pág. 164 e segs. Didot ed. Paris, 1869. – O MESMO, Moturs, usages et costumes au Moyen Age et à l’époque de la RenaisSance, pág. 293 e segs. Didot ed. Paris, 1871.

180 HAVARD, Dict., voc. Orfèvre cit., págs. 1207-8.

181 IDEM, Hist. cit., págs. 152-6.–O MESMO, Dict., voc. Orfèvre cit., págs. 1209 e 1232-3.

182 EUDEL, L’Orf alg. cit., pág. 260.

183 VASCONCELOS, A officina e a aprendizagem no século XVI em Portugal, in Rev. da Soc. de Inst. do Porto, II, págs. 176-7, 186 e 226. Porto, 1882 (Id. na Hist. da ouriv.) TEÓFILO BRAGA, O povo portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, I, págs. 151-2. Ferreira ed. Lisboa, 1886.

184 O ilustre escritor, sr. JOAQUIM DE VASCONCELOS, além dos seus trabalhos sobre a História da ourivesaria, exumou há anos, da Biblioteca municipal do Porto, os códices que encerram os estatutos das antigas corporações de ofícios da cidade. Ver os seus Elementos para a Hist. da Ourivesaria Portuguesa e artes dos metaes em geral, insertos nos toms. XVIIIe XIX da Rev. de Guimarães e que dizem respeito aos mesteres de ferreiro, serralheiro, anzoleiro, dourador, espingardeiro, etc. Os que se referem aos ourives têm os seguintes títulos: Regimento e estatuto dos Ourives do Ouro d’esía cidade do Porto, reformado no anno de 1634; Compromisso e Estatutos da Confraria de Santo Eloi Erecta na Igreja de S. Nicolau Em que São encabeçados os ourives d’ouro. 1691 (Com aditamentos posteriores); Compromisso e Estatutos dos ourives da Prata da Cidade do Porto mandados fazer no anno de 1746; Compromisso ou Estatutos dos Ourives de Ouro e Cravação da Cidade do Porto e sua comarca. Ordenados para o bom regimen da Corporação e utilidade da Republica no anno de 1822. Estes Regimentos serão oportunamente reproduzidos na integra em publicação oficial da aludida Biblioteca. Ver ainda o Catalogo da Bibliotheca publica municipal do Porto. Indice preparatorio dos manuscriptos, 9.° fasc. Porto, 1896. E mais, acerca das corporações portuenses de mesteirais e além dos diplomas a elas respeitantes e existentes no Arquivo do município do Porto: ANTÓNIO REBELO DA COSTA, Descripção topográfica e histórica da cidade do Porto, págs. 235-7. Porto, 1789.
No Arquivo da Contrastaria do Porto existem documentos que deverão ser consultados por quem se proponha concorrer com subsídios, decerto proveitosos, para o mesmo capítulo histórico da Arte portuguesa. E diz-se que vários outros se encontram dispersos entre descendentes de antigos ourives, como, por exemplo, os Gasparinhos. Ao antigo Moreira da Prata pertencia a carta de mestre de seu avô exibida na Exposição de ourivesaria realizada em 1883 no Palácio de Cristal.
Ainda na Rev. de Guimarães, toms. VIII, IX e XI, se encontram os Subsidios para a Hist. das industrias vimaranenses, subscritos por AVELINO DA SILVA GUIMARÃES. Os Compromissos que se referem aos ourives estão integralmente transcritos e denominam-se assim: Estatutos dos Ourives de Ouro e Prata da villa de Guimarães (1781) e Regimento para os Ensaiadores dos Officios dos Ourives do Ouro, e da Prata, e dos Ourives dos dittos officioS... (1781).
Dum modo geral, e independentemente das informações dispersas dos srs. JOSÉ MACHADO (Braga), SOUSA VITERBO, RIBEIRO GUIMARÃES (Lisboa), etc., etc., o sr. GAMA BARROS, na sua magistral Hist. da administração cit., I, pág. 517 e segs., ocupa-se dos mecânicos e da sua intervenção na administração municipal de Lisboa nos fins do século XIV, o que leva a conjecturar, com outros indícios, uma anterior organização especial dos diferentes grupos de mesteres.

185 RAMALHO ORTIGÃO, O culto da arte em Portugal, pág. 135. Pereira ed. Lisboa, 1896.

186 Nos estabelecimentos portuenses de ourivesaria e joalheria mais frequentados por clientela abastada são numerosas, de há tempos, as aplicações de filigrana a certo mobiliário de ornamento, para pessoas, para mesa e para toucador. Um negociante local, o sr. José Rosas, que para as suas encomendas de filigranas, contas e bolsas de prata organizou um álbum de padrões (Ourivesaria de José Rosas, etc., 8.° oblongo, 7 pls. fototips.) enviou propositalmente a Londres um filho no intuito de o adestrar superiormente na arte da ourivesaria. Dos resultados obtidos e em parte já patentes nos seus mostruários, fez-se uma primeira prova na Exp. efectuada em Lisboa em 1906. Ver: A primeira Exp. de arte promovida pela « lllustração Portugueza » (sem A.) in II. Port., n.° 43, de 17-XII-906 ; A 1.a Exp. d’ arte da « lllustração Portugueza », por JOSÉ DE FIGUEIREDO, id. n.° 45, de 31-XII-906.

187 Inquérito industrial de 1890, IV, Imp. Nac. Lisboa, 1891.

188 Inquérito ind. cit. e tom. cit.

189 A indústria alemã já produz, imitando os portugueses, vários padrões de filigrana. O sr. J. de Vasconcelos mostrou ao A. uma cruz de Malta reproduzindo sofrivelmente as nossas, de cobre dourado e tendo a rosácea central pintada com as cores dos nossos esmaltes: branca e azul ferrete. – É ainda sobejamente conhecida a invasão dos seus esmaltes ornamentais e de devoção, estes últimos muito apreciados pelos iconólatras e pelo beatério janota !

190 Na Exposição de ourivesaria de 1883 estiveram durante algumas semanas trabalhando em filigrana, e à vista do público, várias mulheres do concelho de Gondomar.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 1 – O carrinho
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre 2 – Argola. Peso, 5 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 3 – Arrecada. Peso, 8,5 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 4 – Arrecada. Peso, 2,5 grs. Gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 5 – Arrecada. Peso, 1,5 grs. Gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre 6 – Arrecada. Peso, 10 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 7 – Arrecada. Peso, 9,5 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 8 – Arrecada. Peso, 11,5 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 9 – Argola duma andada. Pedras de cor azul-escura. Peso, 26 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 10 – Argola à rainha. Peso, 33 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 11 – Brinco de fuso. Peso, 6 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre 12 – Brinco de fuso. Peso, 9 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 13 – Brinco de fuso ou de campainhas. Esmalte azul e branco. Peso, 7 grs. Gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 14 – Brinco de fuso ou de campainhas. Cabeça esmaltada. Peso, 10 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 15–Conta coberta avulsa. Gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre 16 – Parte de colar de contas cobertas de filigrana. Peso do fio de 40 contas, 7 grs. Gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 17 – Colar e cruz (modelo antiquado). Peso, 53,5 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 18 – Colar e brinco, antigos. Cabeça e centro do laço do brinco com esmaltes e dois pequenos diamantes. Peso do colar, 9 grs. Peso do brinco, 2,9 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 19 – Colar completo. Esmaltes azuis e brancos. Peso total, 38,8 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 20 – Centro do colar da fig. 18. Esmaltes azuis e brancos. Peso, 4,8 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 21 – Cruz. Roseta central esmaltada a azul e branco. Peso, 11,5 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 22 – «Estrela» ou cruz de Malta. Esmaltes azuis e brancos. Peso, 27 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 23 – Crucifixo. Peso, 31,5 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 24 – Relicário ovóide, modelo antigo e raro. Peso, 6 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 25 – Relicário. Fundo do edículo: palhão vermelho. Turquesas ( ? ) nos centros das rosetas. Peso, 16 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 26 – « Veneta ». Peso, 2 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 27 – « Borboleta ». Peso, 8 decs. Gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre 28 – Coração de chapa. Peso, 22 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 29 – «Coração de bico». Peso, 1,5 gr. Gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 30 – «Coração de fios». Pedras esparsas de vidros coloridos. Peso, 19 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 31 – Coração. Face anterior. Roseta central substituída, em alguns casos, pela V. da Conceição em esmalte (alemão ?).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre 31 bis – Face posterior do coração da fig. 31. Esmaltes e vidraria policrómica. Peso, 45 grs. 1 /2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre 32 – Coração. Face anterior. Modelo já pouco frequente. Esmaltes e turquesas (?).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 32 bis – Face posterior do coração da fig. 32. Peso, 80,5 grs. 1/2 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 33 – Anel. Peso, 2 grs.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 34 – Anel. Pedras baixas, brancas e azuis. Peso, 3 grs. Gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 35 – Pulseira relacionada com o colar da fig. 18. Rubis e esmeraldas.Peso, 20 grs. – 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 36 – Alfinete de mulher, já raro. Engastado no centro, um vidro negro ou azeviche. Peso, 2,80 grs. 2/3 da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 37 e 38 – Esmaltes.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-41.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 39, 40 e 41 – Esmaltes.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-42.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 42 – Esmaltes.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-43.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 44 – Esmalte.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-44.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre 43 – Esmalte.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-45.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre 45 – Alfinete com esmaltes.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-46.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 46 – Mulheres de Viana da Castelo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-47.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 47 – Mulher dos arredores do Porto.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-48.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 48 – Mulher dos arredores do Porto.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-49.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 49 – Mulher da Maia.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-50.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 50 – Mulher de Viana.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-51.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre 51 – Página reduzida do canhenho dum filigraneiro de Leiradela (Travassos).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-52.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 52 – Outra página (idem).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-53.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre 53 – Ainda outra página (idem).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-54.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4312/img-55.jpg
Fichier image/jpeg, 4,4k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search