Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Os cataventos 1

Texte intégral

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fasc. 3.° (Porto, 16 de Julho de 1907), pp. 439- (...)

1Na meteorologia popular prognostica-se acerca dos doze meses do ano conforme os aspectos dos primeiros doze dias de Janeiro ; ou presume-se pelo vento que soprar à meia noite no dia da Senhora das Candeias, 2 de Fevereiro, o vento dominante durante o resto do ano ; ou conclui-se pela agitação atmosférica numas têmporas donde prevalecerá o meteoro até às seguintes ; ou ainda mais restritamente se avalia pelo vento do dia de S. Miguel, 29 de Setembro, o estado do inverno que se aproxima ; ou, por último, se infere da direcção observada à uma hora da tarde do dia da Senhora da Ascenção qual o vento estival de predomínio. A verdade, porém, é que isto se vaticina e mal se admite. Alguns adágios contraditam logo os prenúncios, pois

Quando Deus queria.
Do Norte chovia.

Quando Deus quer,
Com todos os ventos chove.

Vento é ventura,
Pouco dura.

2De mais firmeza é a ilação diária tirada dos aspectos celestes, associados frequentemente a relações com a ondulação orográfica local. « Vem aí o trovão », diz-se no planalto de Barroso ao observarem-se as formas de certas nuvens e a orientação da sua marcha. E a trovoada, às vezes diária no estio, em breve surge. No Suajo, formando-se elas na portela de Tibo, apenas se « esbarram» em vento ; mas levantando-se uns « penduricalhos » no rio, sítio do Cachão, e quando o castelo da Nóbrega « tem carapuça» irrompe a chuva. O mesmo sucede em Castro Laboreiro quando as nuvens « fazem chapéu » lá para os montes do Gerês ; e em Rebordãos, nas abas da serra da Nogueira, se « está o buraco tapado » , ou sejam, as nuvens ao nascente, a água é certa. Entretanto, como se diz no Suajo :

Chuvas de verão,
É como amores em vão.

3A « maré pica de cima » ou a « maré pica de baixo» são as fórmulas com que ordinàriamente se distinguem os ventos norte e sul que anunciam bom ou mau tempo. Todavia, e em regra, quando o vento do sul é forte, a chuva não se prolonga tanto como se é mais brando do mesmo quadrante (Castro Laboreiro).

4Outras previsões fundamentadas em vários aspectos de nuvens, do orvalho e circunstâncias, lugares e horas em que se mostra, de atitudes dos animais e até da água das fontes, asseguram nevoeiro ou. chuvas próximas, os trovões ou as nevadas. E mais quando aos trabalhadores secam as mãos e não se agarram aos cabos das enxadas é sinal de chuva, como é de trovoada, pela tarde, quando, na faina do centeio, a palha tem dificuldade em guardar o grão e se ressente da humidade (Castro Laboreiro).

5Decerto que com alguns destes e outros prognósticos nem sempre condiz a realidade ulterior dos factos. Mas em muitos a experiência assegura a certeza, tanta e precisa como a tem, o aldeão, e o serrano principalmente, quando se orienta. Assim, pelos cumes dos montes descobertos se guiam, como pela altura do sol calculam a hora e ainda pela direcção e extensão da sombra (Barroso). Depois do dia governa-os o sete-estrelo e por ele sabem se a noite vai alta (Nogueira, Barroso, Laboreiro). Se pela tarde, entanto, há muito nevoeiro, é o orvalho que os esclarece sobre a aproximação da noite. « Já lóze o orvalho», isto é, já luz e portanto a noite chega (Castro Laboreiro). Só quando o camasso ou camada de neve é tal que tudo é branco (Barroso) os mais sabidos se perdem nos caminhos ; os homens enterram-se até aos joelhos ; os gados não podem marchar, sequer para irem beber ; e, na serra das Alturas, não é possível mesmo sair por um e por dois meses.

6Ainda outro impedimento de orientação, mas mais efémero, vem com a névoa. Há a esperar que se dissipe. E entretanto afugentam-na com esconjuros, com fórmulas rimadas. Em Meirinhos, no concelho de Mogadouro, os rapazes, quando pela manhã a olham, increpam-na e mandam-na para a Vilariça :

Nevoinha peidorreira,
Vai para os cantos da ribeira,
Que está lá uma porca parida com leitões.
Come-lhe os leitões,
E manda a porca para os berrões.

7As grimpas, entanto, sempre que as há, são naturalmente observadas, uma vez que este simples aparelho, limitado frequentemente a uma bandeirola movendo-se em torno dum eixo vertical, indica a direcção do vento e, derivativamente, certos estados atmosféricos. Rara é a torre que não remata em veleta. De dia, pois, e sem névoa, a freguesia tem na sede o instrumento que logo a elucida, mais ou menos grosseiramente, sobre o tempo provável.

  • 2 VIOLLET-LE-DUC, Dict. raisonné de l’architecture française du X au XVI siècle, VI, voc. Girouette, (...)
  • 3 CAMILLE ENLART, Manuel d’archéologie française depuis les temps mérovingiens jusqu’à la Renaissance(...)
  • 4 LOUIS GONSE, L’art gothique, págs. 110-1. Qauntin ed. Paris, s. d. –ANDRÉ MICHEL, Histoire de l’Art(...)
  • 5 HENRY HAVARD, Dict. de l’ameublement et de la décoration depuis le XIIIe sièclejusqu’à nos jours, I (...)
  • 6 PRISSE D’AVENNES, L’art arabe d’après les monuments du Kaire. Morel & C.ie eds. Paris, 1877.
  • 7 HAVARD, ob. cit., voc. Girouette, pág. 1099. – VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., VI, voc. Croix, pág. 427.
  • 8 ENLART, Manuel cit., pág. cit.
  • 9 VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., VI, voc. Croix, pág. cit., e voc. Coq, págs. 305-6.
  • 10 HAVARD, ob. cit., voc. Girouette, pág. 1100.

8Este aparelho, a um tempo orientador e ornamental, procede da alta Idade-Média tendo sido a princípio um sinal de nobreza (2) e portanto um privilégio senhorial (3). Além das edificações nobiliárias, só tinham direito a exibi-las as construções eclesiásticas. De sorte que figuravam muitas vezes as armas do mosteiro e do senhor em recorte na chapa, pintadas ainda e douradas, ou outros símbolos da heráldica, como coroas e leões rompantes. Nos séculos XIV e XV as grimpas convertem-se em verdadeiros ornamentos. E como desde os fins do século XI a torre, depois de ter sido uma fortificação que protegia a igreja, comece a prestar-se às combinações mais diversas e as suas funções se multipliquem com uma liberdade cheia de fantasia, tornando-se um poderoso instrumento de decoração e de orgulho para catedrais e mosteiros (4), as próprias ornamentações dos remates mais se acuminam e alindam. Umas vezes a decoração exclui a ventoinha e apenas consiste em combinações de folhas e flores, aves e outra fauna de imaginação, figuras humanas e cupidos, de loiça, ferro, chumbo ou zinco e do mesmo passo notáveis pela beleza de execução e graça(5). É a estes ornamentos em ponta que correspondem, nos monumentos árabes, as terminações aceradas que um crescente fecha(6). As mais das vezes, porém, a veleta aparece sob a forma de monstros alados, dragões e animais fantásticos (7), do arcanjo S. Miguel, anjos e navios (8), do galo principalmente (9), tudo mais ou menos historiado e até, da Renascença ao século XVII, com a assinatura ou inspiração dum artista emérito (10).

  • 11 Pela distância e situação do desenhista em relação ao objecto esboçado, algumas das grimpas figurad (...)

9A serralharia portuguesa concorreu também, com a humildade característica da indústria popular nacional, para a indigente ornamentação dos acumes das torres e, mais restritamente, de castelos, de faróis, de pelourinhos (Rates), de chafarizes (Barcelos), de moinhos, de telhados, de chaminés (Alentejo) e até dum mastro ou vara ao alto, em campos e quintais. Dominam, todavia, as de ferro nas igrejas. A flecha, designadamente adstrita a indicar o rumo do vento, é simples, associada a folhagens, à cruz e à esfera armilar, recortada outras vezes e até modificada na sua configuração habitual, substituindo-se por um sol a massa posterior e mais pesada. São exemplos as que se vêem em muitas habitações particulares (fig. 1), a do convento dos domínicos de Amarante (fig. 2) e a do santuário da Senhora da Abadia (fig. 3). A combinação da bandeirola e da flecha é patente na igreja de S. Víctor, em Braga (fig. 4), pois a bandeira apenas, como as de Santo Tirso, de Moreira da Maia, de Santo Ildefonso, no Porto, da Alcáçova, em Montemor-o-Velho, de Travanca (fig. 5) e da capela do Bom Despacho, em Ancede (fig. 6), são menos comuns na singeleza dos seus breves recortes. A regra é acusarem a sugestão da flecha, como a do pelourinho de Rates (fig. 7), a do Carmo de Braga (fig. 8), a da capela da Senhora da Graça de Vila Caiz (fig. 9) e a do mosteiro de Refojos do Lima (fig. 10). E a desfiguração desse elemento sempre transparece, aliás, em exem- plares como a da casa particular do Trasladário, nos Arcos de Valdevez (fig. 11), essa outra dos Arcos (fig. 12), a de Santo António dos Frades, em Ponte do Lima (fig. 13), a do Pópulo, em Braga (fig. 14), a da Misericórdia de Amarante (fig. 15) e a da matriz de Ancede, em Baião (fig. 16). Com os mesmos acessórios da cruz e da esfera armilar, mas mais historiadas e acrescidas, são as da igreja do Espírito Santo, nos Arcos de Valdevez (fig. 17), e a da capela de 8. João do Souto, em Braga (fig. 18)11. A do Oratório da Senhora da Saúde das Carvalheiras, nesta última cidade (fig. 19), é apenas uma interessante substituição pelos cravos e a coroa de espinhos.

  • 12 VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., VI, voc. Coq, pág. 306. – PAUL SÉBILLOT, Les travaux publics et les mines (...)
  • 13 VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., VI, voc. Croix, pág. 432.
  • 14 RIBEIRO GUIMARÃES, Summario de varia historia, V, pág. 175. Rolland & Semiond eds. Lisboa, 1875.
  • 15 FILIPE SIMÕES, A Exposição retrospectiva de arte ornamental portuguesa e espanhola em Lisboa, pág. (...)

10Tão frequente é ainda o galo, símbolo da vigilância, vulgaríssimo nas torres de numerosas igrejas cristãs (12), e já empregado de datas longínquas (13). Alguns mesmo assumiam, proporções grandiosas : o da torre da Ajuda, cuja veleta de bronze atingia 31 palmos de alto, media 18 do bico à cauda (14) ! Nas casas particulares ou seus anexos (fig. 20), em Cedofeita e Carmo, no Porto, nas matrizes da Trofa, de Ponte do Lima, da Campeã (fig. 21) e de Castro Laboreiro (fig. 22), na igreja da Senhora das Dores, da Póvoa de Varzim (fig. 23), na Lapa,– em Braga (fig. 24) e em outras e inumeráveis torres e campanários, o galo aparece, ou associado simplesmente à cruz ou a folhagens e emblemas ornamentais. Outras aves raramente pretextaram o ornato acessório das grimpas, como o caso das duas geminadas no Seminário de Braga (fig. 25), ou então o papel exclusivamente decorativo do admirável pelicano de bronze da Sé de Viseu, inicialmente estante de coro, e durante muito tempo adaptado, depois de mutilado, a uma torre da catedral, por cima do sino do relógio (15)!

  • 16 HAVARD, ob. cit., II, voc. Girouette, pág. 1099. – ENLART, Manuel cit., II, pág. 177.

11Da fauna há ainda os peixes, principalmente nas povoações da beira-mar (Matosinhos, Santa Cruz do Bispo, Lavra, etc.), os leões mais ou menos bárbaros como o da igreja de Pico de Regalados (fig. 26) e os dragos da fauna mítica, como o do mosteiro de Santa Maria de Bouro (fig. 27), já de remota concepção e uso (16).

  • 17 GABRIEL PEREIRA, O Campanario de S. Maicos, in Bol. da R. Assoe, dos archítectos civis e archeologo (...)

12A iconografia dos anjos é mais vasta e variada em pormenores. Vêem-se com a mitra e o báculo no hospital de S. Marcos de Braga (fig. 28), com o cálice em Guimarães, com o sol na matriz de Fão e na igreja de S. Francisco, em Ponte do Lima (fig. 29), com a tuba em S. Bento, no Porto, e em S. Martinho de Galegos, junto a Barcelos, com outros emblemas em. S. Paio, nos Arcos (fig. 30), com arco e seta na igreja de S. Domingos, em Amarante (fig. 31), com a espada em Guimarães e no santuário do Alívio, em Soutelo, e com o gládio ondeante na matriz de Monção. Este motivo decoral, de execução mais difícil, é também dos mais generalizados nos templos cristãos ; e ocorre relembrar o célebre anjo de ouro do campanário de S. Marcos, em Veneza, escultura de madeira de 5 metros de alto, revestida de chapas de bronze dourado e inaugurada solenemente como catavento no primeiro quartel do século XVI (17).

13Vêm por último, e de ordinário na habitação privada, outras figuras alheias aos temas convencionais, como o homem sobre um sol e que consulta os astros, numa casa da Póvoa de Varzim (fig. 32), o homem que maneja um alfange, o miliciano que aponta uma espingarda, o cavaleiro que galopa, o cavaleiro que peleja (Póvoa de Lanhoso), outras mais.

  • 18 GABRIEL PEREIRA, Estudos eborenses, fase. VII, pág. 25. Minerva eborense. Évora, 1886.

14De toda esta obra de serralharia só excepcionalmente se aparta uma grimpa mais interessante de concepção e realização, como as já aludidas de S. João do Souto, de Monção e de Bouro e ainda a agradável cruz ornamentada de Santa Eugénia de Rio Covo, perto de Barcelos. No Norte, como no Sul(18), as veletas e outra obra artística de ferro manifestam vivamente a subalternidade portuguesa ante a sumptuosa variedade e mérito artístico da obra similar espanhola.

  • 19 ROCHA PEIXOTO, Notas sobre malacologia popular, in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, I, págs (...)

15Entretanto não se limitam às grimpas os pequenos instrumentos de engenho popular accionados pelas correntes aéreas. Há-os que são exclusivamente decorativos ; outros destinam-se a afugentar as aves que assaltam os frutos ; outros ainda são ventoinhas reguladoras, mais ou menos. Um muito interessante pela simplicidade, graça e utilização dum recurso comum e local é a espécie de anemómetro executado com duas varas em cruz, rematando cada extremidade com a valva côncava dum lamelibrânquio do Gen. Pecten, o P. maximus, L. (fig. 33). Usam-no em várias freguesias do concelho da Póvoa de Varzim, como Amorim (Abremar), Beiriz e Terroso, dando assim às conchas uma das várias aplicações, ou ornamentais ou utilitárias, já conhecidas (19).

16Na mesma região até uma cana, com um velho retalho de sola figurando de bandeira, serve de catavento. O modelo, porém, mais geral é o denominado ventiela (fig. 34), comum não só em todo o concelho, mas ainda noutros e com ligeiras alterações construtivas, como em Bouças, por exemplo (fig. 35).

17Anexando à ventiela uma velha vasilha de folha de ferro e duas pedritas suspensas por fios do eixo móvel, de sorte a percutirem repetidamente a lata quando o aparelho está em movimento, temos o catavento, corta-vento ou bate-bate que afugenta a passarada das figueiras e das vinhas. Ê a taramela de Ponte do Lima (fig. 36), a tarabela de Lindoso e Miranda, a cacaréla de Melgaço, o ratatau e catramela de Santa Marta de Penaguião, a ralhadeira do Suajo, o batedor de Barroso, o rigibó ou ruge-ruge de Cabeceiras e do Arco de Baúlhe (fig. 37), um modelo geral, enfim, com estas designações ou outras, empregado em quase todo o país para semelhante destino – como, para a defesa dos ervilhais, o casaco, as calças e chapéu velhos suspensos de dois paus em cruz e formando o geralmente denominado espantalho.

18A designação barrosã de batedor aplica-se, aliás, em Lindoso a outro engenho com intuitos semelhantes, ou sejam de espantar a beadilha – bichos bravos, como o texugo e a raposa – mas em que o vento não interfere. É uma caixa de madeira disposta sob um veio de água que vem de alto. Ao fundo adiciona-se-lhe uma longa tábua que remata por um mascoto e cujo peso, quando a caixa está vazia, inclina esta para a frente. Enchendo-se de fluido, o recinto então pesa mais, ergue-se veloz e logo verte e se esvazia. Volve, pois, à posição inicial, isto é, inclinando-se para o lado do mascoto ; e ao voltar este bate rijamente numa tábua subjacente. São estas pancadas sucessivas e espaçadas que amedrontam e afastam a bicharia.

19A intenção ornamental determina a adopção doutros brinquedos em que do vento apenas se deseja motricidade, sem nada inquirir do rumo em que caminha. São as flâmulas e bandeiras dos coruchos ou cúpulas das moreiras (Ponte da Barca, Barcelos, etc.), associadas frequentemente a cruzes floreadas, a estrelas, a arcos de festa, e às vezes mesmo ao púcaro invertido que coroa as medas (Maia, Bouças, Porto, etc.); são as reduções dos moinhos de vento (fig. 38) com osmesmos panos e varais, em lugares, como Laundos e Terroso, no concelho da Póvoa de Varzim, onde funcionam estas rudimentares estâncias de moagem ; são os curiosos bonecos de madeira que se vêem nas hortas, jardins e campos desde Barcelos e Póvoa de Varzim até à Maia e parte do concelho de Bouças. O exame das figuras, todas pintadas a cores vivas, logo indica como se efectua o andamento (figs. 39 a 42). Outrora, em Azurara, raro era o quintal que não possuia uma ventoinha figurada, em regra esculpida por marujos em descanso. E em alguns casos, que hoje só por acaso se observam na área dita, em vez duma figura havia muitas, peões e cavaleiros batalhando sobre uma circunferência com cerca dum metro de diâmetro.

20Ainda um barco, com a cordoalha de arame e as velas de tecido de algodão (fig. 43) estava organizado e orientado de sorte (Póvoa de Varzim) a realizar movimentos que imitavam a marcha duma nave. Mas já outra escultura imóvel, do mesmo habilidoso, apenas manifestava, a seu modo, um simbolismo : era um saragoçano em face do tripé que sustentava o óculo de alcance e inquirição ; à frente o cão fiel; a um lado um anjo inspirador, sustentando nas mãos os astros sobre cuja influência incidiam as observações do astrólogo ; atrás, e a uma mesa, o secretário que registrava as observações e os algarismos (figs. 44 e 45).

21Como arte popular esta escultura lembra os brutescos que os ceramistas de Aveiro fabricavam para ornamento dos telhados. Apenas os esculpidos e levantados para ventoinhas têm sobre aqueles o interesse do movimento.

22Ora nem só as crianças, com os seus corrupios e gregários (fig. 46), se apropriam do vento como agente do brinquedo : também o homem, independentemente da utilidade orientadora do engenho, edifica grimpas e cataventos que o mesmo motor faz trabalhar para seu regalo estético – bem limitado, em verdade !

23Porto. Janeiro, 1907.

Notes

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fasc. 3.° (Porto, 16 de Julho de 1907), pp. 439-448.
Deste trabalho tirou-se a seguinte separata: Rocha Peixoto/OS CATAVENTOS/Com quarenta e seis illustrações no texto/Porto/Imprensa Portugueza/112 – Rua Formosa112/ /1907/12 págs., 202 x 132 mm.

2 VIOLLET-LE-DUC, Dict. raisonné de l’architecture française du X au XVI siècle, VI, voc. Girouette, págs. 28-9. Bauce ed. Paris, 1863.

3 CAMILLE ENLART, Manuel d’archéologie française depuis les temps mérovingiens jusqu’à la Renaissance, II, Architecture civile et militaire, pág. 177. A. Picard ed. Paris, 1904.

4 LOUIS GONSE, L’art gothique, págs. 110-1. Qauntin ed. Paris, s. d. –ANDRÉ MICHEL, Histoire de l’Art, capítulo de CAMILLE ENLART, L’architecture romane, I, 2.a parte, págs. 450-2. A. Colin ed. Paris, 1905.

5 HENRY HAVARD, Dict. de l’ameublement et de la décoration depuis le XIIIe sièclejusqu’à nos jours, II, voc. Epi, págs. 503-4 e figs. 339 a 342. Quantin ed. Paris, s. d. – VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., V, mesmo voc., págs. 271-87.

6 PRISSE D’AVENNES, L’art arabe d’après les monuments du Kaire. Morel & C.ie eds. Paris, 1877.

7 HAVARD, ob. cit., voc. Girouette, pág. 1099. – VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., VI, voc. Croix, pág. 427.

8 ENLART, Manuel cit., pág. cit.

9 VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., VI, voc. Croix, pág. cit., e voc. Coq, págs. 305-6.

10 HAVARD, ob. cit., voc. Girouette, pág. 1100.

11 Pela distância e situação do desenhista em relação ao objecto esboçado, algumas das grimpas figuradas não apresentam o rigor de perspectiva nem a minúcia de pormenor que os embaraços acusados explicam.

12 VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., VI, voc. Coq, pág. 306. – PAUL SÉBILLOT, Les travaux publics et les mines dans les traditions et les superstitions de tous les pays, pág. 383. Rothschild ed. Paris, 1894.

13 VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., VI, voc. Croix, pág. 432.

14 RIBEIRO GUIMARÃES, Summario de varia historia, V, pág. 175. Rolland & Semiond eds. Lisboa, 1875.

15 FILIPE SIMÕES, A Exposição retrospectiva de arte ornamental portuguesa e espanhola em Lisboa, pág. 78. Tip. Universal. Lisboa, 1882.

16 HAVARD, ob. cit., II, voc. Girouette, pág. 1099. – ENLART, Manuel cit., II, pág. 177.

17 GABRIEL PEREIRA, O Campanario de S. Maicos, in Bol. da R. Assoe, dos archítectos civis e archeologos portuguezes, série IV, fase. 5.°, pág. 32. Lisboa, 1902.

18 GABRIEL PEREIRA, Estudos eborenses, fase. VII, pág. 25. Minerva eborense. Évora, 1886.

19 ROCHA PEIXOTO, Notas sobre malacologia popular, in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, I, págs. 75-90. Porto, 1890.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search