Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Etnografia portuguesa: O traje serrano1 (Norte de Portugal)

Texte intégral

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fase. 3.° (Porto, 16 de Julho de 1907), pp. 360- (...)
  • 2 JOSÉ PUIGGARÍ, Monografia histórica é iconográfica del traje, pág. 266 e segs. J. y A. Bastinos ed. (...)
  • 3 PAUL LACROIX (Bibliophile Jacob), Moeurs, usages et costumes au Moyen-âge et à l’époque de la Renai (...)
  • 4 LALANCE, Les maisons-types de la région de Montbéliard (Doubs), in Enquête sur les conditions de l’ (...)
  • 5 FERNAND BUTEL, Une vallée pyrénnienne. La vallée d’Ossau, pág. 99. Paris, 1894.

1A substituição dos antigos processos de fiação e tecelagem, agora mais expeditos e incomparavelmente produtivos, as facilidades de viação e de transportes, a superprodução e a concorrência, o derivado embaratecimento do artefacto é, de algum modo, as alterações do velho regime social, destruíram o individualismo das modas regionais, mesmo nos povos, como os serranos, onde o prestígio do vestuário tradicional mais resistia ao influxo alheio. Se os velhos de ordinário se conservam fiéis ao uso antigo e, em regra, o povo menos varia de traje do que os ricos, no campo, e na serra principalmente, mais radicado se manifestava o respeito pelos costumes legados. Em várias regiões de Espanha certos trajes característicos permaneciam como vinculados a elas por uma antiguidade de quatro e cinco centúrias (2) ; e na alta Idade-Média as roupas de lã grossa e espessa, e sobretudo as de gala e cerimónia, passavam, nas classes rurais francesas, até à quarta geração (3). O homem do campo, em dias de feira ou de mercado, assistia, segundo a estação, vestido de linho ou de droguete, de fabrico caseiro nos dias longos em que passara o inverno (4); mais restrito ainda, o serrano pirenaico recorria à lã apenas, sua disponível matéria prima quase única, e que era o produto do rebanho (5).

  • 6 J. MICHELET, La montagne, pág. 345, 3.ème ed. Paris, 1868.

2O que sucedera nos dois países confinantes é o que, por similitude de circunstâncias no estado social, se produzia na terra portuguesa e, por igual paralelismo de motivos, nas populações serranas. A tradição ainda vivaz e saudosamente transmitida, a subsistência de alguns velhos despojos veneradamente conservados, um ou outro vago exemplo de observância a antigos moldes e certos vestígios que os recursos, a ocupação ou o clima obrigam a manter, depõem pela lenta mutabilidade passada dos vestuários convencionais. Mas os contrastes com a intensa transformação que as facilidades elaboradoras de há um século ocasionaram, mal se acusam já através dos resíduos de hábitos e fabricos que sobreviveram à mutação profunda dos costumes. Como a outro propósito se afirmara, também aqui « la plaine est maîtresse du siècle et fait la guerre à la montagne » (6). Dia a dia se adopta, e altera e renova a moda que sobe da Ribeira, como esta já fora pouco antes invadida, e dominada e seduzida. De sorte que não é pela brevidade com que se introduz agora um padrão e logo extingue, que se formará um juízo certo da antiga persistência e mais ainda da lenta evolução operada desde a nudez nativa ao modo actual como a velam.

  • 7 LOUIS BOURDEAU, Histoire de l’habillement et de la parure, págs. 12-3. Alcan ed. Paris, 1904.
  • 8 J. DENIKER, Les races et les peuples de la Terre, pág. 213. Schleicher ed. Paris, 1900.
  • 9 BOURDEAU, ob. cit., págs. 20 e 57.

3De facto e inicialmente, para se subtrair à influência hostil das intempéries, garantindo-se dos frios e das chuvas, de certos extremos térmicos ligados às estações e aos climas, dos mesmos acidentes meteóricos quotidianos, o homem, desde os tempos madaleneanos, ao que se apura, criou o hábito do vestuário. Na fase primordial de caçador o revestimento encontrara-o na própria pele das presas com que se havia alimentado, usada tal qual, sob o mesmo instinto, pelos povos mais distanciados. Atestam-no vários monumentos figurados do Egipto, os textos alusivos a gauleses e germânicos, ao grego arcaico, aos pastores do Lácio cujas sobrevivências ainda são patentes nos Abruzzos (7). Desembaraçada mais tarde dos pêlos pela maceração em água com algumas cinzas ou outras substâncias alcalinas (8) e assim conquistado um progresso sobre a primitiva e exclusiva extracção de carnes e gorduras, davam-se os primeiros passos, ainda remotos, para a descoberta da cortimenta, dum lado, e doutro para a apropriação do mais prestante têxtil animal (9). As peles, apenas limpas, subsistiriam em povos de cultura atrasada, ou como utilidades e reminiscências que certas condições locais explicam e determinam em alguns artigos de limitado uso : os safões de anho, de ovelha e até de lobo, entre nós, e ainda os barretes de pele de carneiro, de lebre e de coelho.

4Utilizadas as peles sob a forma de coiro, como já se observa em algumas estações pré-históricas e em outras de procedência egípcia e helénica, o homem, na fase pastoril imediata, iniciou-se progressivamente na arte de fiar e de tecer os pêlos animais, alcançando assim vestuários mais quentes, mais leves, mais flexíveis e moldáveis ao organismo ; na mitologia grega consagrava-se a ovelha a Mercúrio, que fora quem, astuto e divino, soubera primeiro despojá-la do seu velo!

  • 10 No interessante espólio arqueológico da Cueva de los Murciélagos, em Albunol (Andaluzia), encontrar (...)

5Por fim, e já na fase agrícola, a apropriação dos filamentos interiores de certos vegetais era uma consequência dum saber já adquirido e da experiência porventura anteriormente feita com o entrelaçamento de folhas de plantas. Estaria aqui até o passo inicial da tecelagem, ainda hoje recordado nas nossas sandálias de esparto (10), nos chapéus de palha rurais, nas coroças e coruchos, na esteiraria, na cestaria, na ceiraria, nas variadas obras de bunho e palha, de junça e jungo, de palma e vime.

  • 11 BORDEAU, ob. cit., pág. 2.

6Assim provido, e certamente após uma extensa e atormentada aprendizagem, o homem, defendendo-se dos rigores climáticos, dos bruscos contactos com os corpos sólidos, dos acúleos e espinhos que eriçam certas plantas, das picadas de animais agressivos, dos solos endurecidos, ou cortantes, ou pulverulentos, ou lodosos, ainda atingira, de vário modo, as suas iniciais aspirações estéticas11. À sua vaidade ingénita foi sempre grato brilhar e distinguir-se, ou pintando-se com rabiscas e gregotins, ou tatuando-se e mutilando-se, ou adornando-se com a mais vária e confusa multiplicidade de enfeites, ou vestindo-se mesmo com prodigalidade e exagero, ainda que sob, um clima terno e um céu clemente ! Para as mulheres, sobretudo, foi e será a arte suprema, depois do que e somente o convencional sentimento do pudor é atendido.

7Sobre estes tópicos evolutivos do traje, necessariamente adstritos a certos povos e correntes, como se poderão marcar, além do sucessivo caminhar de adaptações e progressos de fabrico, e mais ainda da infinita, peculiar e dilatada modalidade dos cortes, os períodos de tempo que uma aquisição nova de tecido ou um talhe de veste demandaram para se estabelecerem e fixarem ? Nos tempos da infância industrial seriam por vezes tão longos como a época em que certos povos surgiram para a tradição e para a História, nela fulgiram e por fim se abismaram ; mais tarde a incessante busca, melhorando e variando máquinas e artefactos, naturalmente promovia a substituição dos velhos padrões, morosamente, comprovadamente reconhecidos de mais préstimo ; e por último, com a revolução assinalada da transformação mecânica dos processos técnicos, dos consequentes preços abordáveis e das comunicações facilitadas, haveriam de cessar os modelos tradicionais, acantonados, na região e no tempo, pelo quase sequestro das populações, pelo respeito atribuído ao passado, pela rotina manufactureira local, pela limitação aos recursos de em volta, pelo próprio sentimento de conservar resistente e durável o que tão penoso fora de produzir e elaborar.

8Assim é compreensível como se surpreendem na montanha, independentemente do que, pelas condições ambientes, subsiste e permanecerá exclusivo da vida nas alturas, as infiltrações da moda e artigos estranhos aos costumes, aos produtos e ao trabalho locais, e ainda como diminui crescentemente, desenganadamente, a afanosa mas sóbria, salutar e económica suficiência dos seus meios de acção e de labor.

  • 12 BOURDEAU, ob. cit., págs. 209-10.
  • 13 J. QUICHERAT, Histoire du costume en France, pág. 181. Hachette ed. Paris, 1875.
  • 14 ALBERTO SAMPAIO, As « villas » do norte de Portugal, in Portvgalia, I, pág. 786. Porto, 1903.

9Procedendo ao registro do que actualmente constitui a vestidura do montanhês no norte de Portugal, denunciando as intrusões recentes, acusando os modelos locais e determinando-lhes, quanto possível, as ascendências mais ou menos longínquas, ocorrem, principiando, as roupas interiores. Não são, decerto, aquelas cujo hábito radica em épocas mais distantes: no Oriente e no mundo greco-romano as túnicas de linho de uso interno eram privilégio de classes ricas. Só da Renascença em diante é que se vulgariza um pouco a roupa branca (12), e fixa-se em França o século XIII para o início do emprego da camisa como hoje é usada, aproximadamente13. Nos primeiros tempos da monarquia, porém, já existia entre nós a cultura do linho, e sem cessar aumentava, fabricando-se o bragal em casa, ou pela família ou por tecelões de ofício (14). De preferência o serrano ainda adopta o mais excelente dos filamentos vegetais, sob o tríplice aspecto, limpo e residuário, de linho, estopa e tomentos. Para ambos os sexos as camisas ou são efectivamente só de linho, ou de estopa e tomentos, ou, em regra, de linho a metade que vai até à cinta e de estopa a restante – pois que esta mais se gasta. Generalizando-se o costume nas mulheres, até mesmo nas populações da planície, nos homens é mais raro (Castro Laboreiro, Barroso, Gralheira), como raro neles é já hoje o oposto e antigo hábito mirandês das compridas camisas até abaixo dos joelhos. Sucede entanto que em Montalegre e no seu aro, nas faldas de Larouco e para os lados de Vinhais, esta vestimenta se limita pelas ancas nos tempos ordinários de trabalho, em contraste, nas ocasiões festivas, com os abundantes folhos das fraldas e dos tufos anteriores, as rendas e abertos na gola e peito e os bordos a branco, vermelho e azul no trespasse e no pescoço. Em padrões das masculinas, já em desuso, por igual os peitos tufavam, multiplicavam-se os extintos botões de linha, franziam-se e bordavam-se as ombreiras e, nos colarinhos altos, sobressaíam os ilhós alinhados e perfeitos e a breve silva bordada a branco ou policrómica (Pitões, Terra de Miranda).

10Para saias ou anáguas ainda são os tomentos, a estopa ou o linho a matéria prima de escolha, quando os tecidos de algodão, como as baetas e branquetas para camisolas (Suajo, Barroso, Montezinho) e saiotes (Campeã, Miranda) não invadem já estes domínios, outrora inacessíveis aos têxteis que não fossem regionais.

  • 15 QUICHERAT, ob. cit., pág. 98.
  • 16 BUTEL, ob. cit., págs. 33 e 100.

11As meias, inicialmente formadas de retalhos unidos e só fabricadas de malha há trezentos anos (15), abundam na serra, sob a denominação, para homens, de carpins ou meiotes, e sob a de piúcas, quando sem pé, para mulheres. É o mesmo tipo usado nos Pirinéus (16): cano, apenas, do joelho ao tornozelo, em malha de lã indígena, preferentemente brancas nuns lugares (Serra de Arga, Castro Laboreiro), indiferentemente brancas ou pretas noutros (Barroso), redondas ou derrabadas, como llies chamam na Gralheira e em Montemuro, por economia, mas imprescindíveis em virtude do frio nas pernas e dos contactos destas com certa vegetação silvestre. O desuso, entretanto, acelera-se, definitivamente em Montezinho, e progressivamente no Suajo, na Amarela, no Gerês e em Faifa, Ester, no concelho de Castro Daire, tendo-se-lhes antecipado, na Cabração, faldas de Arga, as peúgas de cabrestilho, isto é, com uma presilha por baixo, em Sendim de Miranda as meias de meio pé e, nas povoações de Reigoso, Pondres, Venda Nova e outras mais do planalto barrosão, as quase esquecidas adelhas, que eram, peúgas com calcanhar e sem pé, dando a ilusão, quando a mulher estava calçada, de que efectivamente usava meia inteira ! As completas e vasadas à frente, de trabalho caseiro manual, eram o termo ascendente do luxo neste pormenor vestimentário !

  • 17 J. MARQUARDT, La vie privée des romains, II, pág. 120. Fontemoing ed. (1893).
  • 18 BOURDEAU, ob. cit., pág. 43.
  • 19 ERNEST DESJARDINS, Géographie historique et administrative de la Gaule romaine, I, pág. 450. Hachet (...)
  • 20 MARQUARDT, ob. cit., II, pág. 115.
  • 21 ALPH. DE CANDOLLE, Origine des plantes cultivées, pág. 98 e segs. Baillière & C.ie eds. Paris, 1883 (...)

12Nas roupas interiores é, pois, o linho que, não obstante a invasão dos algodões, aliás já presumivelmente introduzidos na Ibéria pelos fenícios, adoptados pelos romanos pouco antes da era presente (17) e mais vulgarizados ao diante pelos árabes (18), logra ainda a primazia, principalmente pelo seu indigenato tradicional na Península, extensivo, de resto, às Gálias, cujos tecidos foram reputadíssimos (19), à Itália, onde o obtinham de tempos imemoriais (20) e até ao Egipto, onde primeiro se cultivou, onde se produziram as melhores espécies (21) e onde se fabricaram, na antiguidade, os melhores produtos.

  • 22 DE BELLOGUET, Ethnogénie gauloise, III, págs. 74 e 77. Maisonneuve & C.ie eds. Paris, 1868. – MARQU (...)
  • 23 FELIX REGNAULT, L’évolution du costume, in Bulletins et Mémoires de la Société d’Anthropologie de P (...)

13Para as roupas exteriores os tecidos de lã local é que mais ràpidamente se substituem. A sua rudeza e grosseria, contrastando com o aparato dos tecidos que fornece a moderna indústria, decide pouco e pouco à preferência, destronando-se assim o mais precioso dos têxteis, decerto o primeiro manufacturado, entre outros, conforme os escritores da antiguidade, por gregos, gauleses, romanos e lusitanos (22), e, em última análise, o mais isolador e o mais adequado às condições meteóricas das alturas. Com essas qualidades essenciais, às quais o instinto e a experiência associou, entre os habitantes de clima rigoroso e em toda a parte (23), a justeza estreita ao corpo, subsistiram durante muitos séculos os tecidos que os buréis ainda actualmente representam.

14Esta denominação genérica, que a leste de Trás-os-Montes se traduz por pardos, estende-se ainda ao riscadilho ou rascadilho em Castro Laboreiro e xerga ou enxerga em Miranda do Douro, que são buréis menos espessos e mais leves e, em regra, destinados a mulheres e a crianças. Se à lã, porém, associam a estopa, ainda com este último intento, distinguem-se então, conforme as regiões, por outros nomes, o mais vulgar e conhecido dos quais é a sirguilha ou serguilha (Suajo, Lindoso, Gralheira), a liteira ou faldrilha de Arga, o chiscado de Vilarinho de Negrões e ainda o amantezado de Castro Laboreiro em que, aliás, ao linho se substitui o algodão.

  • 24 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voe. Fullonica de A. JACOB, II, 2.ème part., pág. 1349. Hac. ed. Paris, (...)

15Para maior alisamento e mais firmeza uns e outros, depois de fabricados em casa pelas mulheres, vão aò fulão a apisoar – a fuloar como em geral dizem – complemento este de correcção já conhecido desde remota antiguidade (24). Meio fulão basta para os tecidos mistos, que, nem por ocuparem menos o pisoeiro, se denominam simplesmente por vezes, como os buréis legítimos, fuloados.

  • 25 Descripção da Peninsula iberica. Livro 3.° da Geografia de ESTRABÃO (1.a parte). Versão de GABRIEL (...)
  • 26 Como tenham de ser objecto de estudos especiais as artes e indústrias que interessam ao vestuário o (...)
  • 27 CHARLES BLANC, L’art dans la parure et dans le vétement, págs. 30-2. H. Laurens ed. Paris, s. d.
  • 28 G. DOTTIN, Manuel pour servir à l’étude de l’Antiquité Celtique, pág. 131. H. Champion ed. Paris, 1 (...)

16A cor acastanhada em que todos se exibem nos fatos masculinos, às vezes mesmo de tons bastantes escuros, faz pensar no lusitano descrito por Estrabão, vestido de lã grosseira e negra (25). As liteiras das mulheres, porém, os riscadilhos, as sirguilhas e outros tecidos mistos são frequentemente tingidos, às listas longitudinais e sobre um fundo sombrio, na própria região de fabrico, com drogas obtidas no comércio ou procedentes até da vegetação local, como, na Gralheira, a casca do amieiro (26). Nem o sexo renunciaria às cambiantes do seu traje, tanto, desde a barbárie até à civilização mais avançada, a mulher se deleita com a policromia da vestidura e dos enfeites (27). Todavia, e nomeadamente em Trás-os-Montes e na Beira serrana, nunca os matizes têm a variedade e gradação alacre que fazem o enlevo da população feminina ribeirinha, sobretudo no litoral dos distritos de Aveiro, Porto, Braga e Viana do Castelo, lembrando mesmo os tecidos de este último, listados e enxadrezados, o proclamado gosto céltico pela vivacidade e variedade dos coloridos nos seus trajes, às tiras e aos quadrados (28).

17As peças de Vestuário que alguém da família não está habilitada a fabricar, entregam-se ao profissional, se antes, e principalmente em tempos idos, este não é convidado a vir trabalhar sob a directa inspecção do interessado. Então come, e bebe e ganha a geira, ou seja, em dinheiro, o salário quotidiano estipulado. Para manufacturar, uma capa de honras ordinária e mais corrente são quatro geiras ou quatro dias ; e vai a trinta se os arrendados se complicam e mais perfeito sai o acabamento. É então de ver, para uma sugestão fugidia do passado, a ferramenta elementar, tradicional e até herdada, como esse furador de osso, talvez do peróneo dum mamífero (fig. 1), já usado pelo pai e avó do artífice (Friães, freguesia de Veade, concelho de Montalegre), certas medidas de convenção familiar ou local, os agulheiros de madeira esculturados, as caixas de chifre ornatadas para linhas e botões !

  • 29 JOSÉ DA SILVA PICÃO, Atravez dos campos. Usos e costumes agricolo-alentejanos, III, pág. 178 e segs (...)

18Com destino aos homens o vestimenteiro talha, corta e ultima a peça ou peças dum fato de burel, de borlinas ou saragoças procedentes da Beira, de cotim ou fazenda adquiridas no mercado. Do terno fazem parte as calças, o colete e a jaqueta (fig. 2 a). As primeiras, de burel (Rebordãos, Amarela, Arga), de lã e estopa, para cotio, (Suajo, Terras de Barroso, etc.) e de qualquer outro tecido mais moderno para festa, sucederam ao calção, outrora geral e hoje apenas lembrado em algumas localidades (Pitões, Lindoso), raramente subsistente noutras (Terra de Miranda) e apenas ainda usado um pouco na Estrela e para o Alentejo (29). O suajeiro, que em número emigra para a capital, adopta mesmo, contrastando com o figurino usual, a calça de boca de sino que viu nos fadistas das alfurjas lisboetas !

  • 30 DE BELLOGUET, ob. cit., III, pág. 76.
  • 31 SERAFIM MARIA DE SOTTO, Discurso histórico sobre el traje de los españoles desde los tiempos mas re (...)
  • 32 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Bracca, de E. SAGLIO, I, 1.ère part., pág. 746. – A. RICH, Dict., (...)
  • 33 VIOLLET-LE-DUC, Dict. raisonné du mobilier français de l’époque carlovingienne à la Renaissance, vo (...)
  • 34 RICH, Dict., voes. Saraballa ou Sarabara, págs. 553-4.

19Calções e calças têm a ascendência nas bragas dos gauleses, dos lígures, dos sarmatas (30) e até dos iberos (31), justas ou largas e flutuantes, excedendo ou limitando-se ao joelho, consideradas pelos gregos e romanos como veste própria dos povos bárbaros mas afinal também adoptadas por aqueles quando sob o clima rigoroso das populações que as usavam (32). Ininterrupto depois o seu emprego encontram-se em França, no século X, largas e curtas, compridas e largas entre os homens do campo no século seguinte e outra vez nos camponeses, a toda a altura da perna e amplas, dois séculos mais tarde (33) – ou seja caindo da cintura sobre o pé como aliás já assim as vestiam na antiguidade os partos e os germânicos (34).

20Para as fixarem, eram muito apreciados, nas Alturas e em Pitões, os suspensórios localmente denominados tiradeiras, em geral de linho, e bordados, a ponto de cruz, com as cores azul, verde e vermelha salpicadas de missangas. Enrolada a faixa de fabrico beirão, era sobre ela ou o colete que se envergava a vestia, antiga jaqueta que desapareceu com a nisa ou casaca de rabos das grandes solenidades ; e a rabona de toda a parte substitui-a, com divergências apenas de altura, às vezes em localidades da mesma serra : até ao joelho em S. Silvestre da Ermida (fig. 3), mais curta em Cutelo, logo adiante, e ainda, passando da Amarela para o Gerês, em S. João do Campo e em Covide. Em casos restritos, como na ocasião em que se atam os centeios, é que, em Barroso, despida a jaqueta, adaptam aos pulsos curtos cilindros ou manguitos de burel.

  • 35 H. D’ARBOIS DE JUBAINVILLE, Les celtes en Espagne, in Revue Celtique, XIV, pág. 367. E. Bouillon ed (...)

21Atendendo aos agasalhos exteriores, mais nos extintos mantéus das mulheres do que em cobertura de homem seria lícito presumir a sobrevivência do sago ibérico, gaulês, lígure e germânico, manto amplo, rectangular, mais ou menos curto, listado nos galos, negro nos lusitanos (35). O capote ou é o simples garnacho de Alhões, cortado em burel, ou a capa comprida de pardo com cabeção, gola larga, sem mangas nem botões, que se usa em parte de Barroso, em Montezinho e em Martim, Zoio, Refóios, Carrazeda, Rebordãos (fig. 4) e outras povoações das faldas da serra da Nogueira.

1 – Furador de osso (Montalegre). 1/2 da gr. nat.
3 – Em S. Silvestre da Et mida (Serra da Amarela.)

1 – Furador de osso (Montalegre). 1/2 da gr. nat.3 – Em S. Silvestre da Et mida (Serra da Amarela.)

2 a, b e c – Na Gralheira.

2 a, b e c – Na Gralheira.

4 – Em Rebordãos (Abas da Nogueira).

4 – Em Rebordãos (Abas da Nogueira).

5 – Capa de honras de Miranda. Frente.

5 – Capa de honras de Miranda. Frente.

6 – Capa de honras de Miranda. Perfil.

6 – Capa de honras de Miranda. Perfil.

7 – Capa de honras de Miranda. Costas.

7 – Capa de honras de Miranda. Costas.

8 – Em Canadelo (Marâo).

8 – Em Canadelo (Marâo).

9 – Da capa de honras : aletas.

9 – Da capa de honras : aletas.

10 –Da capa de honras: abertura.

10 –Da capa de honras: abertura.

11 –Da capa de honras: o caputo e a honra.

11 –Da capa de honras: o caputo e a honra.

12 a, b e c – Na Serra de Arga.

12 a, b e c – Na Serra de Arga.

13 – No Marão.

13 – No Marão.

14 – Em Miranda.
15 – Em Castro Laboreiro.

14 – Em Miranda.15 – Em Castro Laboreiro.

16 – Em Miranda.
17 – Em Sendim de Miranda.
18 – Em Miranda.

16 – Em Miranda.17 – Em Sendim de Miranda.18 – Em Miranda.

19 a, b e c – Na Gralheira.

19 a, b e c – Na Gralheira.

20 – Na chã de S. Vicente.

20 – Na chã de S. Vicente.

21 – No planalto barrosão.

21 – No planalto barrosão.

22 – Em Sendim de Miranda.

22 – Em Sendim de Miranda.

23 – Em Montezinho.

23 – Em Montezinho.

24 – Em Montezinho.

24 – Em Montezinho.

25 – Em Miranda.
26 – Em Pitões.
27 – Em Sendim de Miranda.

25 – Em Miranda.26 – Em Pitões.27 – Em Sendim de Miranda.

28 – Na rechã da Campeã.

28 – Na rechã da Campeã.

22O antigo gabão ou gabinardo, com mangas, cabeção e capuz, de passado uso geral no país, prevalece apenas em várias localidades, como Vale de Papas, na Gralheira, e lembra noutras, como Castro Laboreiro, sob as denominações desfiguradas, de liberté ou labirté-, será o varino de talhe ribeirinho e muito mais o capote à cavalaria que sucederão geralmente às capas tradicionais. Apenas em Miranda a capa de honras ainda avulta (figs. 5, 6 e 7), de burel ou de bom pano, custando 2 $000 réis ou importando em 45$000, conforme a matéria prima e a complicação decorativa. Em fato de homem é esta a peça do vestuário nacional mais profusamente enriquecida de ornamentos (figs. 9, 10 e 11) ; e para os obter nos lugares próprios – a honra, o capuz e as aletas ou ombreiras – o alfaiate sobrepõe-lhes outro pedaço de tecido, cosendo-o segundo as indicações dos ornatos preconcebidos e depois recortando o superior pela guia que o ponto deixa.

23O capuz anexo ao agasalho e utilizado quando chove ou contra o frio, pode ainda adoptar-se avulso, como em Canadelo, defronte da Serra da Meia Via (fig. 8), na Campeã sob o nome de capelo, em Arga, já não tanto de burel mas de tomentos (fig. 12 c), e por fim de jungos com as denominações várias de capuchos, coruchos, coruchas (Amarela) e corucelos (Pitões). Estes últimos, às vezes ainda revestidos superiormente de pele de cabra, associam-se frequentemente às croças ou coroças, de fabricação local ou de importação (fig. 13 e fig. 2 c) e que se vêem desde a Cabreira a Montemuro, a Montezinho e a Arga, e, intermediariamente, na quase totalidade das populações da Ribeira.

24À coroça ou palhoça, principal defesa contra a chuva, há a acrescentar a sagona (Sendim de Miranda), seifão (Barroso) ou safão, especialmente destinado para trabalhos no mato e no monte (fig. 12 c). É em geral de pele de ovelha (Cabreira, Barroso), de anho (Barroso) e de cabrito (Arga, Miranda). No planalto barrosão houve-os mesmo de pele de lobo ; mas como as vacas, pelo olfacto, reconhecessem a procedência e lhes fugissem, abandonaram-se decididamente e só ao diante se usaram os ovinos. Suspensos da cintura aos joelhos, ou começando mesmo a meio do peito, os safões não só defendem da chuva, da humidade e até do frio, mas impedem ainda o estrago das roupas nas segadas ou quando se lida com os adubos dos carros para os campos. Entretanto em Bornes, em Pitões e no Suajo o safão é já, ou virá a ser, um acessório de traje dispensado e esquecido.

  • 36 BOURDEAU, ob. cit., pág. 200.

25No vestuário das mulheres as sobrevivências, ao contrário do que era lícito presumir, exibem-se em vários pormenores. Assim as saias exteriores, de liteira, de chiscado, de burel ou de pano de fora, monocrómicas ou listadas, com pregas, tomados ou refegos e mais ou menos roda, obedecem essencialmente ao padrão habitual. Mas ainda não esqueceu em Miranda o rectângulo de pardo que se envolvia à cinta, como uma grande tanga, nem em Pitões desapareceu de vez, numa ou noutra pessoa idosa, lembrando, à parte as dimensões, o pedaço de tecido que os egípcios das classes populares enrolavam em torno dos rins (36).

26Na terra mirandesa subsistem os rectângulos de pardo ou de xerga com que envolvem os corpos das crianças, da cinta para baixo, como em Castro Laboreiro o fateiro de burel, com igual destino, é o que resta desse envólucro antigo e elementar do corpo adulto feminino.

27Agora em Miranda o ideal é possuir-se saia de pano ; dá-la à filha significa que está já casadoira. E não vão muitos anos que um acessório de luxo, em Castro Laboreiro, era a saia de sete cutelos, isto é, formada de sete tecidos diferentes, sendo, à frente, burel branco, e a seguir saragoça, palmilha e outras mais. Por sobre elas, no trabalho ou na folga, o avental (fig. 15), nem sempre de rigor: às vezes de luxo, e por isso de veludo com guarnição de rendas ; outras para os serviços ordinários, como o mandil comprido mirandês ; outras ainda para agasalho e defesa, como o singuidalho ou sanguiãalho castrejo, formando triângulo à frente, como nas costas o ângulo dum xaile. Independentemente, mas acessível por uma abertura lateral da saia, há o anexo da algibeira que é de estopa, de burel, de saragoça ou de cotim, simples ou com lavores policromados.

  • 37 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Faseia de G. LAFAYE, II, 2.ème part., pág. 980.

28Os coletes, que em tempos pouco distantes eram principalmente de linho (Cabração, nas faldas de Arga, S. João do Campo, no Gerês) e mais ou menos bordados com efusivo e juvenil entusiasmo, pouco a pouco cedem a vez aos de cotins e de riscados (fig. 14). Mais olvidadas, porém, e quase extintas estão as faixas de lã vermelha que se envolviam no busto por baixo do colete, em Castro Laboreiro, em Pitões e, na Lombada, em freguesias como Babe, S. Julião, Deilão, Vila Meão, Milhão e outras mais. É, decerto, o pormenor equivalente à faseia pectoralis que as mulheres gregas e romanas enrolavam debaixo dos seios, mesmo sobre a pele e antes, portanto, da aplicação da túnica interior (37).

29Aos luxuosos jaqué e bajú de pano azul ou negro, curtos e justos, com pregas e franzidos nas ombreiras, gola e punhos de veludo e atrás o rabo ou a pestana, de que alguns exemplares subsistem no planalto barrosão e em Terra de Miranda (figs. 16 e 17) sucederam os jalecos ou casacos agaloados, com fila de botões simples ou dupla, à maneira como se usam geralmente em toda a aldeia. Acessoriamente e para o frio, em Pitões e nas Alturas, se guarnecem ainda os pulsos com punhos, pulseiras ou manguitos, que são como duplas extremidades de mangas que mais assegurem o agasalho.

  • 38 É ainda muito frequente em várias povoações da Galiza, como Arcade, Sottomaior, Marim, Pontevedra, (...)

30De resto, contra o frio, os meios de defesa são variados. Do Suajo a Lindoso e nas povoações da Serra da Amarela, sobre os ombros ou sobre a cabeça, aplicam as mulheres um avental, que aliás, quando para tal emprego, é mais amplo : sem pregas e sem fitas seria quase uma mantilha. Já em Arga e nas povoações adjacentes, como Estorãos e S. Lourenço, adoptam, pela cabeça ou pelos ombros, uma saia (fig. 12 b), como distante e à beira-mar se via, e ainda vê, nas mulheres dos pescadores da Póvoa de Varzim. Antes, porém, de se generalisar este costume, a moda era o mantéu, « do pescoço ao giolho », como em Miranda a mantilha até à curva do joelho (figs. 18 e 19 b), e ambas sem mangas, nem gola, nem capuz. Subsiste apenas, de burel ou saragoça, e com o nome de capa, em Castro Laboreiro. O xaile de comércio, tudo substitui, lento e lento (figs. 22 e 25) : até, e de há muito, o gasalho, antigo, pequeno e cómodo envólucro do pescoço à cinta e cruzando sobre o peito (38).

  • 39 FONSECA CARDOSO, Castro Laboreiro, in Portvgalia, fasc. 2, figs. 5-6 de pág. 183. Porto, 1906.

31Mais que todos estes resguardos, porém, a capucha é o abrigo de maior vulgarização e preferência (figs. 20 e 21). No seu corte rudimentar consiste num rectângulo que, cobrindo a cabeça, prende à frente no pescoço e apenas se dilata pelos ombros (39) ; e com o nome ainda actual de capela, denominava-se outrora, em Castro Laboreiro, léra ou mantela. Nas outras regiões, sendo mais longa tem, em geral, um recorte mais adaptado ao corpo ; e até em Mezio, na Gralheira, e nas freguesias de Pinheiro e Ermida, em Castro Daire, se prolonga atrás em bico muito agudo. Para o trabalho, quando os rigores meteóricos dispensam os coroços (Vilarinho de Negrões), as coroças (Campeã), os coruchos (S. Germil, S. Silvestre da Ermida, Cutelo) e os corucelos (Pitões), todos de jungo, a capucha é de tomentos (Arga), ordinàriamente de burel (Cabreira, Barroso, Gralheira, etc.) e, para a missa ou dias festivos, de saragoça.

  • 40 DOTTIN, ob. cit., pág. 131.
  • 41 DE BELLOGUET, ob. cit., III, pág. 79.
  • 42 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Cucullus de S. REINACH, I, 2.ème part., págs. 1577-9.
  • 43 VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., voc. Aumusse, III, págs. 31-6. – REGNAULT, ob. cit., pág. 339.
  • 44 VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., vocs. Cagoule, Gouelle e Mélote, III, págs. 31-6, 89, 131-2, 413-5.–BUTEL (...)

32Decerto a capucha,, como pormenor da vestimenta, inscreve a sua origem no cucullus que se adaptava ao sagum ou à lacerna gaulesa (40), ou se alongava como capa pelas espáduas (41), procedendo dos povos do norte e dilatando-se até à Etrúria e Roma (42). É ainda ela que aparece na Idade-Média sob a forma de pequeno mantelete com capuz, indiferentemente usada pelos dois sexos, mas principalmente afecta aos cónegos regulares (aumusse) e hoje ainda sobrevivente (capulet) em algumas localidades pirenaicas (43). E sob as denominações antigas de cagoule, de gouelle e de mélote, o sobretudo sem mangas e com capucho, redondo, desprovido de aberturas laterais, de lã grosseira e até de peles de ovelha e cabra, mais ou menos longo, foi o agasalho preferente dos pastores franceses para as intempéries, e, nas formas actuais da cape dos Pirenéus e da limousine do centro da França, é talvez o último rebate do vestuário gaulês(44).

  • 45 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Pileus de P. PARIS, VII, págs. 479-90. – MARQUARDT, ob. cit., II, (...)
  • 46 E. GUHL et W. KONER, La vie antique, I, La Grece, pág. 239. Rothschild ed. Paris, 1884.

33Afora esta cobertura a mulher usa frequentemente o lenço adquirido nos mercados (figs. 23, 24, 26 e 28), acontecendo mesmo, como em Sendim de Miranda, nunca prescindir dele e até de dois sobrepostos, envolvendo o exterior o queixo e a testa – de sorte tal que não poucas vezes só aparecem à luz as aberturas naturais da face. Os homens já casados e idosos também no frio, em Miranda, envolvem a cabeça com o mesmo rectângulo de algodão, assim o mantendo ou acrescentando-lhe o chapéu (fig. 27). Mas a cobertura preferida é ainda, em geral, a carapuça, grande manga cilíndrica fechada num dos topos, com bordo revirado e, actualmente, de cores pouco garridas (fig. 29 e fig. 3). Legitimamente a aparentaram com idêntico artigo de vestuário usado pelos gregos, etruscos e romanos, nomeadamente pastores, pescadores e outros homens de humilde condição (45), e ainda agora visto em marinheiros e pescadores das costas italianas e helénicas (46).

  • 47 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Petasus de P. PARIS, VII, pág. 421.
  • 48 Em Alhões, na serra de Montemuro, há alguns anos já que a maioria das mulheres se ocupa em fazer tr (...)

34O chapéu de aba larga, que nos mesmos povos da antiguidade se usou já, sobretudo pelos camponeses, caçadores e todos os que tinham de afrontar o sol (47), não se vê em mulheres, como sucede para a Estrela, em parte do litoral beirão e no Algarve, mas é comum nos homens e do tipo conhecido pelas designações de chapéu braguês e de sombreiro. (fig. 30 b). Só em Miranda a gorra, com as dobras viradas para o alto (fig. 5), abre uma excepção aos modelos consagrados. Nos trabalhos do estio, porém, o chapéu fabricado, em regra, no local (48) com palha de centeio é que se adopta comummente (fig. 30 c) ; e apesar de destinado aos labores ainda em Montezinho o enfeitam com rosáceas de pano, contas e botões, na Serra das Alturas lhe aplicam faixas de chitas pespontadas com vários ornamentos (fig. 31 a a h), decorações recortadas em velhos tecidos (mesma fig. i a p), penas de gaio e cordões pendentes para as costas, e em Cutelo, na freguesia de Cibões, outros brincos entrançados de palha mais delgada.

  • 49 BOURDEAU, ob. cit., pág. 258. – MICHELET, ob. cit., págs. 93-4 –PUIGGARÍ, ob. cit., pág. 45. – ESCO (...)
  • 50 DOTTIN, ob. cit., pág. 132.–DE BELLOGUET, ob. cit., III, pág. 81. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc (...)
  • 51 RICH, Dict., voc. Sandalium, pág. 553. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voes. Compagus e Carbatina de (...)
  • 52 SOTTO, ob. cit., pág. 93. – VIOLLET-LE-DUC, Dict, voc. Chaussures, III, págs. 155-6. – LACROIX, XVI (...)

35A desaparecer com celeridade vai a abarca. Em Montezinho usou-se porventura, como nas regiões contíguas espanholas, o pedaço de coiro que, além da planta do pé, pouco revirava, fixando-se superiormente por laços entrecruzados. Era a sandália primitiva, utilizada ainda, com insignificantes divergências, pelos pastores da Itália, da Espanha e das cabilas da Argélia (49). Na Gralheira também só lembra o antigo uso. Mas já nas povoações próximas de Montemuro ainda se encontra algum exemplar em que, além da palmilha, uma parte de coiro recortada envolve os dedos e pouco mais, completando-se a segurança com cordões (fig. 32). Mesmo para lavrar, em Eiriz e Mós, que são lugares das freguesias de Parada e Ester, preferem algumas vezes aos socos a abarca mais leve e mais dócil. E assim finda, no Norte, o que subsiste da sandália, abarca ou alpercata tradicionais, cujo parentesco com as gallicœ de origem gaulesa e as solaœ (50), com os compagi de procedência etrusca, com as carbatinœ, adstritas principalmente ao camponês e ao soldado e ainda com outras formas que os romanos por igual adoptaram (51), avulta bem evidente não obstante a dificuldade de algumas descriminações. Assim se extingue, mais breve do que em Espanha, uma das primitivas e vulgares aquisições do homem como resguardo contra os contactos e asperezas do solo (52).

31 a 33 — Ornamentos de chapéus de palha (Serrea das Alturas).

31 a 33 — Ornamentos de chapéus de palha (Serrea das Alturas).

34 a 41 – Ornamentos a ponto de cruz (Amarela, Barroso, etc.).

34 a 41 – Ornamentos a ponto de cruz (Amarela, Barroso, etc.).
  • 53 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Endromis de P. PARIS, II, 1.ère part., pág. 615.

36Figurando a deusa Artemis os gregos representaram-na ou exibindo nus os seus pés divinos, ou com sandálias atadas simplesmente com correias, ou calçada de borzeguins ascendentes, mais ou menos altos e à frente luxuosamente laçados e ornamentados (53), –como que resumindo a evolução primeira do primeiro calçado humano !

  • 54 BOURDEAU, ob. cit., págs. 49 e 259. – VIOLLET-LE-DUC, Dict., III, voc. Patin, pág. 170. – DENIKER, (...)
  • 55 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voes. Caliga de E. SAGLIO e Crepida de E. POTTIER, I, 1.eme part., págs (...)
  • 56 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Calceus de LÉON HEUZEY, I, 1.ère part., pág. 816.
  • 57 J. AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, I, fig. de pág. 20. Pereira ed. Lisboa, 1886.

37Mais prevalecerão, decerto, nos climas chuvosos, os socos de madeira, hidrófugos e quentes, económicos e salubres, principalmente entre a gente do campo e nos maus caminhos, como assegura uma experiência já remota e perseverada (54). Adoptados por gregos, etruscos, romanos e gauleses, igualmente estes empregavam os pregos, ou lâminas de chumbo que evitavam o desgaste das sandálias (55) como hoje se reveste a madeira com brôchas para impedir um estrago acelerado. Os socos serranos são abertos para verão e fechados para inverno (fig. 2 a e b ; fig. 4 ; fig. 30 a, b e c, etc.), aproveitando-se naturalmente as madeiras locais como o amieiro (Gralheira, Bornes) e o vido (Castro Laboreiro) e geralmente cardando-os sempre ou brochando-os fortemente com tachas. Cholos em Miranda, socas, quando para mulheres, em Bornes, chancas mesmo, tamancos e geralmente socos, estes artigos do traje, quando fechados, figuram umas botas de curto cano apertadas à frente com cordões de coiro, aos quais em Castro Laboreiro chamam presilhas. Lembram bem certas formas dos calcei romanos (56). E das mais rústicas subsistem apenas, em algumas povoações do alto, os abarqueiros de Castro Laboreiro (57) e porventura as picas da Campeã (fig. 33) com as quais actualmente só se procede ao descasque da castanha seca.

38Ao calçado ocorre associar a polaina, que progressivamente cai em desuso, apesar da sua utilidade para o frio, para as chuvas, para as neves, para certos serviços no monte e até, mais remotamente, como artigo de luxo. Geralmente só adoptada pelos homens (figs. 3, 12 c e 27), em algumas localidades como, em Terra de Miranda, nas freguesias de Ifanes, Constantim e S. Martinho, e ainda em Montezinho, em Arga e em Castro Laboreiro também as mulheres, na estação rigorosa, a usavam (fig. 12 a), igualmente de burel mas mais curta. De ordinário nos homens a polaina, ou poleina e polaino como lhe chamavam em Montezinho, limitava-se superiormente pela curva do joelho e apertava-se externa e lateralmente com botões, de sola não raro. Nestas localidades, como nas povoações da Amarela, excede o joelho uma mão travessa e mais ; e na Cabreira, onde também a denominavam sobre-calça, e ainda em Salto, ao penetrar-se em Terras de Barroso, chegava quase à cinta, ajustando-se fortemente às pernas com a sua fileira de botões unidos. Quando de luxo, e então preferentemente de saragoça, era caprichosamente pespontada e munida de fivelas e de pestanas recortadas (Miranda, etc.).

  • 58 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Fascia cit., pág. 981.–IDEM, voc. Impilia de E. SAGLIO, V, pág. 43 (...)

39A contrapor a este artefacto, submetido a um molde convencional e, a bem dizer, geral, registram-se as polainas de palha centeia, fabricadas como as coroças, e empregadas, a quando o inverno, na Gralheira ; o acessório dos abarqueiros já aludidos, que é um pano de burel envolvendo a perna e a ela anexado por correias ou farrapos que se enlaçam ; e na freguesia de Talhada, em Montemuro, as alpercatas justas aos pés por farrapada, assemelhando-se ao que ainda se vê actualmente na terra aragonesa. Lembram todas asfascioe crurales et pedules romanas que no campo e na guerra protegiam os membros entrecruzando-se e envolvendo-os, ou só até ao joelho (tibialia), ou cobrindo mesmo as coxas (58) (feminalia). Por fim o último termo de simpleza encontrava-se e ainda se encontra mais taramente em Pitões ao observar-se, no inverno, as simples peles atadas às pernas com feixes de palha torcida e de jungos. É a este esboço de polaina, a alguns barretes e aos safões que se limita, no vestuário, a apropriação directa das peles animais, não incluindo, por não ser pròpriamente um artigo do traje, o surrão ou serrão, (Bornes, Barroso, Miranda, etc.) bornal ou sacola de pele de ovelha onde os pastores conduzem os alimentos para o monte :

Santo António de Lisboa,
Santo da minha devoção,
Parti os dentes aos ratos,
Não se me vão ao serrão.
MIRANDA.

  • 59 MARQUARDT, ob. cit., págs. 117-8 e 175.

40Acessòriamente a luva de malha de lã grosseira foi, mais que hoje, um artigo de conforto e de relativo luxo, usada principalmente por gente abastada e nas solenidades e dias festivos. Em igual posse andavam certas bolsas para dinheiro, de malha e bordadas a linhas de cor e com missangas, suas borlas e cordões policromados. De dispersão geral, porém, na gente moça e ainda agora, são os lenços,outrora de estopa (Arga) e depois de linho fino e de cambraia. Encontram-se, como na Ribeira, em todas as localidades serranas e rememoram, pelos bordados a ponto de cruz, (figs. 34 a 41) a vetusta invenção do Egipto e da Frígia, e pela forma e emprego o artefacto já romano (facialia) (59). Às vezes em cada uma das quatro orlas simplesmente se avivam os quatro versos da estrofe:

Neste lenço quis fazer
Obras da minha habilidade
Para um dia dar de prenda
A quem tenho amizade.
AMARELA.

41E ainda :

Lenço vai aonde teu mando
Baiter aqele iardim
Ajoel ha ibeija amão
Dal heu mabraco pormim.
PITÕES.

42Em outro o centro do quadrado de linho exibe, a vermelho e azul, dois corações unidos, uma chave ao meio, sobpostas as iniciais do namorado, e, em volta, um losango assim exteriormente marginado :

Nada mais
Posso dizer
Soute firme
Até morrer.

43Nos ângulos do mesmo lenço vasos floridos, ramos e frutos e, orlando as baínhas, a quadra:

Aceita estalembrança
Não te isqueças de mim
Este pinhor de amisade par
A nunca mais ter fim.
CUTELO (CIBÕES).

44Ainda em outro, por último, além de figuras humanas, árvores, uma cruz e um coração, alinham-se os versos, que seguem, em duas filas :

Com essa luz meiga pura
Inveiam astros dos céus
Que dizem teus lindos olhos
Quando olham para osmeus.
Com gosto fiz estelenço
Com mil coidados em ti
Com pena de te não ber
Eu este lenço escrevi.
BARROSO.

  • 60 O. MONTÈLIUS, La civilisation primitive en Italie etc. I, Italie septentrionale, págs. 99-100 do te (...)

45Os guardas-sóis, num e noutro sexo, constituem também um objecto de luxo, sendo mesmo de uso, em S. João do Campo do Gerês, todos os que acompanham casamentos irem com eles abertos ainda que não esteja descoberto o sol nem caia chuva. Já o pau, o cacete, a cajata (Eebordãos) são na marcha, na condução dos rebanhos (fig. 43) e a passeio (fig. 42), um acessório indispensável – e às vezes mesmo, nas tardes de domingo, com uma foice no alto (Miranda) para amputar, na digressão, alguma vara, renovo ou galho morto. As velhas mocas que se levavam outrora às romarias, pintadas quase sempre e adornadas de sorte a lembrarem certos bastões de madeira ornamentados já da idade do bronze (60), caem ràpidamente no esquecimento e no desuso. Nalgumas que ainda subsistem (fig. 44), semelhantemente às declarações afectuosas dos lenços, inscreviam-se ardentes e prolixos testemunhos de paixão, aos quais se adicionava, repetindo-o, o símbolo popular e outros ornamentos.

  • 61 ROCHA PEIXOTO, Illuminação popular, in Portvgalia, II, fase. 1, págs. 36-7. Porto, 1905.

46Em mais objectos de emprego comezinho, como os cornipos para a obtenção do fogo (61), as fumadeiras (fig. 45) e as patifas, que são caixas de nogueira ou de lodo (Alhões) afectando formas várias, como a duma pera ou dum sapato (figs. 46 e 47) e incluindo tabaco picado para cheirar, ainda se revela a inclinação pelo ornamento. Às vezes o’serrano esculpe mesmo berloques para correntes (fig. 48) – pois em breves anos será raro encontrar povoação como a de Montes, próximo da Telhada (Marão), em que só um dos dezoito moradores tinha relógio!

44–Moca (Miranda).

44–Moca (Miranda).

45 – Fumadeira (Castro Laboreiro).

45 – Fumadeira (Castro Laboreiro).

46 – Patifa (Alhões) – da gr. nat.

46 – Patifa (Alhões) – da gr. nat.

47 – Patifa (Alhões).½ da gr. nat.

47 – Patifa (Alhões).½ da gr. nat.

48– Berloque (Gralheira), da gr. nat.

48– Berloque (Gralheira), da gr. nat.
  • 62 H. BAUDRILLART, Histoire du luxe privé et public depuis l’antiquité jusqu’à nos Jours, I, págs. 4 e (...)
  • 63 E. GROSSE, Les débuts de l’art, trad. de E.DIRR, pág. 70 e segs. Alcan ed. Paris, 1902.
  • 64 GROSSE, ob. cit., págs. 40-1.

47O entusiasmo pelo adorno é mais acentuado, naturalmente, nas mulheres. Os homens, e sobretudo os moços, não escapam à sedução, de modo, certamente, mais sóbrio. E assim teria de ser, de tão longe vem a inclinação pelo enfeite, tão inicial e ingénita é a vaidade de brilhar. Sempre o homem quis dar de si uma ideia vantajosa, cioso de que o distingam dos outros ; a nudez ornou-se antes de se vestir ; o orgulho nasceu antes do pudor (62). Mesmo este sentimento não é inato (63) e os povos selvagens exibem-se mais ornados do que vestidos (64). Diademas, braceletes e colares de ossos, penas, dentes, conchas, sementes e corais dos povos bárbaros, ou de metais nobres, de esmaltes e de pedrarias no Egipto, na Grécia, na Etrúria, em Eoma e nas Gálias, de então até agora, na sua infinita multiplicidade são de íntima analogia e apenas com divergências materiais e técnicas. Por isso subsiste e prevalecerá, mesmo sob a forma humílima com que as mulheres mais pobres do planalto barrosão, não podendo adquirir os dois fios de contas de oiro que a maioria usa até nas penosas colheitas do feno e do fento, as compram e adoptam sequer de vidro opaco ou corado. Os anéis e principalmente os brincos, os fios de contas, os cordões, voltas ou cadeados, com seus crucifixos e relicários suspensos são os adereços de preferência, bem evidentes sobre o peito nas ocasiões de gala familiar ou local. Ainda, como na antiguidade e nas populações rudimentares, é o mesmo lugar o preferido e, com a cabeça, o mais próprio para a exibição dos atavios!

  • 65 Em grande parte de Castela-a-Velha é mais frequente o uso dos calções de alçapão e da polaina; e o (...)

48Assim resenhado este capítulo da indumentária serrana há que banir a convicção ainda admitida da persistência, nos retiros montanheses, de velhos padrões de traje. É certo em Miranda subsistir a capa de honras como agasalho preferível, mas já raramente se encontra a gorra com as beiras dobradas para cima, a jaqueta com botões do mesmo pano e gola alta, o colete de trespasse e dobras, os calções de alçapão e até as polainas (figs. 49 e 50) (65). De ordinário as peças que os velhos ainda conservam, ou já as não usam ou as utilizam com roupas de outro corte. Noutras povoações lembra a moda do calção, meia e casaca de rabos (Alhões), do calção apertando com três botões e depois a polaina (Pitões), da casaca com duas ordens de botões, das nizas, até de burel, ainda não abolidas totalmente nos povos de Lourido e de Sobredo (Ponte da Barca). Já considerado antigo é o figurino dum homem velho de Pitões (fig. 51) com o seu capote de burel de gola alta e cabeção, a véstia curta, a calça de alçapão, a camisa de trespasse e colar subido com bordados a branco e coloridos, os socos fechados e a carapuça.

49Apenas numa ou noutra casa se arquivam, da antiga vestidura, as melhores peças ; e assim é possível examinar certas camisas de colarinhos altos com ilhós e rendas, coletes de trespasse com três ordens, à frente, de botões de vidro azul ou verde e apertando atrás como prendem os coletes das mulheres, jaquetas que dariam pela cinta com gola erecta e colchetes negros de alto a baixo, calças de alçapão e bolsos com pestana que dobrava em triângulo prendendo num botão e capotes azuis com cabeções e golas direitas (Montalegre). Só por indagações perseverantes e tantas vezes frustradas se consegue ocasionalmente fazer reviver (fig. 52) o padrão de luxo da primeira metade do século ido : jaleco desafogado, até à cinta, vindo as dobras da gola ao meio do peito, com duas ordens de botões e duas de casas, dois bolsos e as mangas de canhão ; colete vasto, dum tecido listado e aveludado ; calções de alçapão com botões de prata desde o meio da coxa ao joelho ; polainas de saragoça, debruadas superiormente a veludo e com botões do mesmo pano ; chapéu do antigo modelo conhecido, espécie de « tromblon» ou « bolivar » (Lindoso). Anàlogamente é já difícil obter esse modelo de mulher vestida (figs. 53 e 54) com camisa de linho e suas rendas no pescoço, jaqué de pano azul com ombreira e parte das mangas franzidas, gola e punhos de veludo e pestana ou rabo nas costas, saia lisa de pano, avental de veludo com rendas, socos ou chinelos e lenço de cambraia bordado a branco (Montalegre). Mais recatadamente conservadas, porém, são peças que um saudoso respeito ainda venera : certo colete de baeta vermelha, com gola e recortes à frente, de veludo, apertando com três grossos botões de latão doirado ; uma capa azul, que não excederia a curva dos joelhos, debruada em toda a volta com fita larga de seda lavrada e um cabeção terminando em bico e borla (Lindoso) ; outros pequenos artigos de antigo uso geral.

  • 66 FONSECA CARDOSO, figs. cits. na ob. cit.
  • 67 Convém anotar que certas ilustrações do Album de Costumes Portugueses (David Corazzi ed. Lisboa, s. (...)

50A mulher de Castro Laboreiro com capela de palmilha, jaqueta e colete de saragoça, mandil de fuloado, saia de riscadilho, calções de burel por cima das peúgas, socos e o fateiro de baeta branca a envolver a criança (66) só se veste assim nos lugares altos ; e também só pela idade provecta, o apego ao uso antigo e a miséria se explica estoutra mulher de Pitões (fig. 55) com o seu jaleco curto e fechando com botões de vidro azuis, a faixa vermelha por dentro do colete, as curtas polainas de burel com botões de sola e o rectângulo igualmente de burel envolvendo o corpo da cinta para baixo, à maneira duma grande tanga (67).

  • 68 REGNAULT, ob. cit., pág. 333.
  • 69 GROSSE, ob. cit., pág. 81.

51Vários destes padrões são afinal reminiscências de antigas modas que da Ribeira subiam à montanha. Afora os artefactos privativos ditados pelos recursos locais e condicionados por circunstâncias meteóricas, que teriam sido, aliás, de adopção geral nas populações serranas, a moda da planície, embora com menos latitude do que hoje, também penetrou nas famílias econòmicamente mais favorecidas. É na descendência que ainda sobrevivem alguns despojos. Decerto que as massas profundas da população só muito lentamente as imitariam, considerando-se pois e às vezes grotesca uma moda que afinal e apenas se distanciava demasiadamente da sua época. E semelhante imitação, tão humana e tão geral, filiava-se e ainda se subordina, porventura com mais intensidade, a leis psíquicas primordiais68, verificado, de resto, como está que a moda segue de cima para baixo, adoptando as classes populares, por lhes parecerem mais honoríficos, os vestuários das que consideram superiores69.

  • 70 GAMA BARROS, Historia da administração publica em Portugal nos séculos XII a XV, I, pág. 533. Imp. (...)
  • 71 GAMA BARROS, ob. cit., I, pág. 537; II, pág. 207. Tip. da Acad. R. das Scs. Lisboa, 1896.
  • 72 GAMA BARROS, ob. cit., I, pág. cit.
  • 73 GAMA BARROS, ob. cit., II, pág. 209.

52Dum modo mais geral assinalou-se já que entre nós, nos fins do século XV, a transformação dos costumes se acentua, usando geralmente o povo, rico e pobre, como o fidalgo, o traje que mais lhe apraz, embora contraditório com os próprios haveres e condição (70). Este novo aspecto social, acusando uma vida menos rude (71), coincide com a tendência dos lavradores e mecânicos a repelirem os antigos misteres pretendendo ascender hieràrquicamente a outros destinos (72). E ainda é interessante anotar a insistência com que o povo pugnava em cortespela conservação dos trajes distintivos de classes quando dele, precisamente, adivinha a confusão (73).

30 a, bec – Em Montezinho.

30 a, bec – Em Montezinho.

32 – Abarca (Montemuro).
33 – Pica (Campeã).
42 – Em Rebordãos.

32 – Abarca (Montemuro).33 – Pica (Campeã).42 – Em Rebordãos.

43 – Pastor e vezeira de reichelos (S. Joâo do Campo do Gerês).

43 – Pastor e vezeira de reichelos (S. Joâo do Campo do Gerês).

49 – Em Miranda. Frente.

49 – Em Miranda. Frente.

50 – Em Miranda. Perfil.

50 – Em Miranda. Perfil.

51 e 55 – Em Pitões.

51 e 55 – Em Pitões.

52 – Em Lindoso.

52 – Em Lindoso.

53 – Em Montalegre. Frente.
54 – Em Montalegre. Costas.

53 – Em Montalegre. Frente.54 – Em Montalegre. Costas.
  • 74 CH. DAVILLIER, Recherches sur l’orfévrerie en Espagne au Moyen-Age et à la Renaissance, pág. 118. Q (...)
  • 75 SOTTO, ob. cit., págs. 95-196. – PUIGGARI, ob cit., págs. 115-158. – DAVILLIER, ob. cit., págs. 118 (...)
  • 76 PUIGGARI, ob. cit., pág. 228.

53Aos desmandos correspondem naturalmente as repressões. Na Espanha mesmo se antecipam, sendo o primeiro ordenamento restritivo do luxo datado dos meados do primeiro quartel do séc. XIII(74). Sucedem-se os éditos, as ordenanças, os foros com as suas proibições, as decisões dos concílios e sínodos, tão notável por vezes era o fausto dos fidalgos, dos prelados, dos dignitários eclesiásticos e da clerezia (75). A seu tempo entram as classes dos mesteirais. E ainda no século XVIII a Espanha lança pragmáticas76 tão estéreis como as anteriores pois nunca escassearam os meios de as iludir.

  • 77 QUICHERAT, ob .cit., pág. 325.
  • 78 BAUDRILLART, ob. cit., III, pág. 438. Paris, 1881.
  • 79 QUICHERAT, ob. cit., pág. 326.

54Em França os autores do princípio do século XIII testemunham que nos dias de festa as roupas mais sumptuosas, semelhantes às usadas nas cidades, apareciam nas aldeias (77); e no século XVI, é o próprio homem dos campos quem provoca uma das suas leis sumptuárias (78). Bernardo de Palissy (apud Baudrillart) diz que «le laboureur veut faire de son fils un monsieur ». A loucura do luxo, em todas as classes francesas determina, nos meados do século aludido, nada menos de oito diplomas repressivos. E já uma centúria antes, de tal sorte as modas das cidades se insinuavam nos campos que um rimeur do tempo (1400) escrevia79:

S’un grand porte mantel envers,
Incontinent un vilain sers (serf)
Aussi se prend envers porter
Pour les bien nobles ressembler.

  • 80 GAMA BARROS, ob. cit., I, pág. 536.
  • 81 DAVILLIER, ob. cit., pág. 127. – SOTTO, ob. cit., págs. 153-6.
  • 82 GAMA BARROS, ob. cit., II, pág. 208. – A. RENAN, ob. cit., págs. 41, 62, 147-8, 191, etc.

55As nossas leis sumptuárias de Afonso IV e João I, e bem assim as ordenações afonsinas que confirmam as prescrições do último monarca (80) são ineficazes, como afinal o foram sempre e em toda a parte – em Castela (81), onde no século XVI já lhes reconheciam a inutilidade, na França, na Itália e na Inglaterra (82).

56Mas se apesar da multiplicidade de causas que melhor mantinham o serrano alheio a intrusões e influências exteriores ou, sequer, tardo e lento para alterações nas suas vestes, ainda assim o padrão de fora se infiltrou, agora a uniformização generaliza-se, todas as aquisições de tão experimentado proveito se abandonam e com o acerto, a sobriedade, as vantagens e a economia morrem também o carácter e o pitoresco do seu trajar.

Porto. Agosto, 1906.

Notes

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fase. 3.° (Porto, 16 de Julho de 1907), pp. 360-389.
Deste trabalho tirou-se a seguinte separata-. Rocha Peixoto/ETHNOGRAPHÍA PORTUGUESA/O TRAJE SERRANO/(Norte de Portugal)/Com 55 illustrações no texto/Porto/ Imprensa Portugueza/112Rua Formosa112/1907/32 págs., 200 x 132 mm.

2 JOSÉ PUIGGARÍ, Monografia histórica é iconográfica del traje, pág. 266 e segs. J. y A. Bastinos ed. Barcelona, 1886.

3 PAUL LACROIX (Bibliophile Jacob), Moeurs, usages et costumes au Moyen-âge et à l’époque de la Renaissance, pág. 558. F. Didot ed. Paris, 1871.

4 LALANCE, Les maisons-types de la région de Montbéliard (Doubs), in Enquête sur les conditions de l’habitation en France, I, págs. 121-2. Leroux ed. Paris, 1894. –SOULIÉ DE BRU, Les maisons-types dans la région des Hautes-Alpes, id., id., págs. 180-1.

5 FERNAND BUTEL, Une vallée pyrénnienne. La vallée d’Ossau, pág. 99. Paris, 1894.

6 J. MICHELET, La montagne, pág. 345, 3.ème ed. Paris, 1868.

7 LOUIS BOURDEAU, Histoire de l’habillement et de la parure, págs. 12-3. Alcan ed. Paris, 1904.

8 J. DENIKER, Les races et les peuples de la Terre, pág. 213. Schleicher ed. Paris, 1900.

9 BOURDEAU, ob. cit., págs. 20 e 57.

10 No interessante espólio arqueológico da Cueva de los Murciélagos, em Albunol (Andaluzia), encontraram-se gorras e túnicas de esparto e bastante calçado da mesma fibra vegetal semelhante às agóvías e esparteñas que ainda usam as classes pobres dos arredores: MANUEL DE GONGORA Y MARTINEZ, Antigüedades prehistoricas de Andalucía, pág. 31, fig. 3 da pl. II, pág. 34, fig. 18 e pág. 54. Madrid, 1868.

11 BORDEAU, ob. cit., pág. 2.

12 BOURDEAU, ob. cit., págs. 209-10.

13 J. QUICHERAT, Histoire du costume en France, pág. 181. Hachette ed. Paris, 1875.

14 ALBERTO SAMPAIO, As « villas » do norte de Portugal, in Portvgalia, I, pág. 786. Porto, 1903.

15 QUICHERAT, ob. cit., pág. 98.

16 BUTEL, ob. cit., págs. 33 e 100.

17 J. MARQUARDT, La vie privée des romains, II, pág. 120. Fontemoing ed. (1893).

18 BOURDEAU, ob. cit., pág. 43.

19 ERNEST DESJARDINS, Géographie historique et administrative de la Gaule romaine, I, pág. 450. Hachette ed. Paris, 1876.

20 MARQUARDT, ob. cit., II, pág. 115.

21 ALPH. DE CANDOLLE, Origine des plantes cultivées, pág. 98 e segs. Baillière & C.ie eds. Paris, 1883. – MARQUARDT, ob. cit., II, págs. 111-3.

22 DE BELLOGUET, Ethnogénie gauloise, III, págs. 74 e 77. Maisonneuve & C.ie eds. Paris, 1868. – MARQUARDT, ob. cit., II, págs. 105-6. – DESJARDINS, ob. cit., I, págs. 461-2.

23 FELIX REGNAULT, L’évolution du costume, in Bulletins et Mémoires de la Société d’Anthropologie de Paris, v.e série, I, pág. 332. Paris, 1900. – LACROIX, ob. cit., pág. 546.

24 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voe. Fullonica de A. JACOB, II, 2.ème part., pág. 1349. Hac. ed. Paris, 1896. – DESJARDINS, ob. cit., I, pág. 565.

25 Descripção da Peninsula iberica. Livro 3.° da Geografia de ESTRABÃO (1.a parte). Versão de GABRIEL PEREIRA, pág. 31. Tip. de C. Bravo. Évora, 1878. – DE BELLOGUET, ob. cit., pág. 85.

26 Como tenham de ser objecto de estudos especiais as artes e indústrias que interessam ao vestuário o A. abstém-se, neste lugar, de pormenores técnicos.

27 CHARLES BLANC, L’art dans la parure et dans le vétement, págs. 30-2. H. Laurens ed. Paris, s. d.

28 G. DOTTIN, Manuel pour servir à l’étude de l’Antiquité Celtique, pág. 131. H. Champion ed. Paris, 1906. – DESJARDINS, ob. cit., II, pág. 565. – BOURDEAU, ob. cit., pág. 163.

29 JOSÉ DA SILVA PICÃO, Atravez dos campos. Usos e costumes agricolo-alentejanos, III, pág. 178 e segs. Torres de Carvalho ed. Elvas, s. d.

30 DE BELLOGUET, ob. cit., III, pág. 76.

31 SERAFIM MARIA DE SOTTO, Discurso histórico sobre el traje de los españoles desde los tiempos mas remotos hasta el reinado de los reyes catolicos, págs. 6 e 8. Madrid, s. d.

32 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Bracca, de E. SAGLIO, I, 1.ère part., pág. 746. – A. RICH, Dict., voes. Feminalia ou Femoralia, pág. 266. F. Didot ed. Paris, 1861.

33 VIOLLET-LE-DUC, Dict. raisonné du mobilier français de l’époque carlovingienne à la Renaissance, voc. Braies, III, págs. 69-79. Morel & C.ie eds. Paris, 1872.

34 RICH, Dict., voes. Saraballa ou Sarabara, págs. 553-4.

35 H. D’ARBOIS DE JUBAINVILLE, Les celtes en Espagne, in Revue Celtique, XIV, pág. 367. E. Bouillon ed. Paris, 1893. – DOTTIN, ob. cit., pág. 129. – MARQUARDT, ob. cit., II, págs. 207-8. –DE BELLOGUET, ob. cit., III, págs. 71-7.– SOTTO, ob. cit., pág. 8. – RICH, Dict., voc. Sagum, pág. 548.

36 BOURDEAU, ob. cit., pág. 200.

37 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Faseia de G. LAFAYE, II, 2.ème part., pág. 980.

38 É ainda muito frequente em várias povoações da Galiza, como Arcade, Sottomaior, Marim, Pontevedra, Vila Garcia, S. Tiago de Compostela, etc.

39 FONSECA CARDOSO, Castro Laboreiro, in Portvgalia, fasc. 2, figs. 5-6 de pág. 183. Porto, 1906.

40 DOTTIN, ob. cit., pág. 131.

41 DE BELLOGUET, ob. cit., III, pág. 79.

42 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Cucullus de S. REINACH, I, 2.ème part., págs. 1577-9.

43 VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., voc. Aumusse, III, págs. 31-6. – REGNAULT, ob. cit., pág. 339.

44 VIOLLET-LE-DUC, ob. cit., vocs. Cagoule, Gouelle e Mélote, III, págs. 31-6, 89, 131-2, 413-5.–BUTEL, ob. cit., pág. 99. – REGNAULT, ob. cit., pág. 339.

45 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Pileus de P. PARIS, VII, págs. 479-90. – MARQUARDT, ob. cit., II, pág. 214.

46 E. GUHL et W. KONER, La vie antique, I, La Grece, pág. 239. Rothschild ed. Paris, 1884.

47 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Petasus de P. PARIS, VII, pág. 421.

48 Em Alhões, na serra de Montemuro, há alguns anos já que a maioria das mulheres se ocupa em fazer trança de sete palhas centeias, que depois é vendida em S. Martinho de Paus, no concelho de Resende, onde os chapéus são manufacturados. A trança é de dois tipos conforme a espessura. Como realizem um certo lucro e assim evitem os ardores do sol, esta pequena indústria local, de introdução recente, explica a crise de braços femininos para os trabalhos de campo, o que traduz visivelmente, não obstante a nova receita, certas dificuldades económicas atendíveis.

49 BOURDEAU, ob. cit., pág. 258. – MICHELET, ob. cit., págs. 93-4 –PUIGGARÍ, ob. cit., pág. 45. – ESCOLANO, apud J. PEREIRA DE SAMPAIO, O Encoberto, pág. 187. Porto, 1904. – EDUARDO SOLER Y PEREZ, Sierra Nevada à las Alpujarras, pág. 83. Madrid, 1903. – SOTTO, ob. cit., págs. 23-4 e 93.

50 DOTTIN, ob. cit., pág. 132.–DE BELLOGUET, ob. cit., III, pág. 81. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Gallica de G. LAFAYE, II, 2.ème part., págs. 1453-4.

51 RICH, Dict., voc. Sandalium, pág. 553. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voes. Compagus e Carbatina de E. SAGLIO, I, 2.ème part., págs. 862-3 e 915-6.

52 SOTTO, ob. cit., pág. 93. – VIOLLET-LE-DUC, Dict, voc. Chaussures, III, págs. 155-6. – LACROIX, XVIII.eme Siecle. Institutions, usages et costumes, pág. 488. F. Didot ed. Paris, 1875.

53 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Endromis de P. PARIS, II, 1.ère part., pág. 615.

54 BOURDEAU, ob. cit., págs. 49 e 259. – VIOLLET-LE-DUC, Dict., III, voc. Patin, pág. 170. – DENIKER, ob. cit., pág. 214. – LACROIX, XVIII.ème Siècle cit., pág. 488. – RICH, Dict., voc. Sculponeæ, págs. 569-70.

55 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voes. Caliga de E. SAGLIO e Crepida de E. POTTIER, I, 1.eme part., págs. 849 e 1557-8.

56 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Calceus de LÉON HEUZEY, I, 1.ère part., pág. 816.

57 J. AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, I, fig. de pág. 20. Pereira ed. Lisboa, 1886.

58 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Fascia cit., pág. 981.–IDEM, voc. Impilia de E. SAGLIO, V, pág. 434. ■– RICH, Dict., voc. Tibiale, pág. 647.

59 MARQUARDT, ob. cit., págs. 117-8 e 175.

60 O. MONTÈLIUS, La civilisation primitive en Italie etc. I, Italie septentrionale, págs. 99-100 do texto e figs. 2 e 3 da pl. 13, série B do Atlas. Stockholm, 1895.

61 ROCHA PEIXOTO, Illuminação popular, in Portvgalia, II, fase. 1, págs. 36-7. Porto, 1905.

62 H. BAUDRILLART, Histoire du luxe privé et public depuis l’antiquité jusqu’à nos Jours, I, págs. 4 e 166. Hachette ed. Paris, 1880. – ARY RENAN, Le costume en France, pág. 11. Quantin ed. Paris, s. d. – DENIKER, ob. cit., págs. 203-4.

63 E. GROSSE, Les débuts de l’art, trad. de E.DIRR, pág. 70 e segs. Alcan ed. Paris, 1902.

64 GROSSE, ob. cit., págs. 40-1.

65 Em grande parte de Castela-a-Velha é mais frequente o uso dos calções de alçapão e da polaina; e o amplo capote de cabeção franjado lembra a capa de honras, excepção dos ornamentos e do bacalhau (a honra). Vigoram, por igual, os safões de coiro.

66 FONSECA CARDOSO, figs. cits. na ob. cit.

67 Convém anotar que certas ilustrações do Album de Costumes Portugueses (David Corazzi ed. Lisboa, s. d., (1888)), cópias de aguarelas originais de vários artistas acompanhadas de artigos descritivos de vários escritores, são verdadeiramente do domínio da opereta ou da novela ! Exemplo: traje antigo de Trás-os-Montes, pastor serrano e, nomeadamente, a pastora de Barroso!... Prossegue, infelizmente, o mesmo ludíbrio e deplorável ensinamento em algumas publicações recentes.

68 REGNAULT, ob. cit., pág. 333.

69 GROSSE, ob. cit., pág. 81.

70 GAMA BARROS, Historia da administração publica em Portugal nos séculos XII a XV, I, pág. 533. Imp. Nac. Lisboa, 1885.

71 GAMA BARROS, ob. cit., I, pág. 537; II, pág. 207. Tip. da Acad. R. das Scs. Lisboa, 1896.

72 GAMA BARROS, ob. cit., I, pág. cit.

73 GAMA BARROS, ob. cit., II, pág. 209.

74 CH. DAVILLIER, Recherches sur l’orfévrerie en Espagne au Moyen-Age et à la Renaissance, pág. 118. Quantin ed. Paris, 1879.

75 SOTTO, ob. cit., págs. 95-196. – PUIGGARI, ob cit., págs. 115-158. – DAVILLIER, ob. cit., págs. 118-127.

76 PUIGGARI, ob. cit., pág. 228.

77 QUICHERAT, ob .cit., pág. 325.

78 BAUDRILLART, ob. cit., III, pág. 438. Paris, 1881.

79 QUICHERAT, ob. cit., pág. 326.

80 GAMA BARROS, ob. cit., I, pág. 536.

81 DAVILLIER, ob. cit., pág. 127. – SOTTO, ob. cit., págs. 153-6.

82 GAMA BARROS, ob. cit., II, pág. 208. – A. RENAN, ob. cit., págs. 41, 62, 147-8, 191, etc.

Table des illustrations

Titre 1 – Furador de osso (Montalegre). 1/2 da gr. nat.3 – Em S. Silvestre da Et mida (Serra da Amarela.)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 2 a, b e c – Na Gralheira.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre 4 – Em Rebordãos (Abas da Nogueira).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 5 – Capa de honras de Miranda. Frente.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre 6 – Capa de honras de Miranda. Perfil.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 7 – Capa de honras de Miranda. Costas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 8 – Em Canadelo (Marâo).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 9 – Da capa de honras : aletas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 10 –Da capa de honras: abertura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 11 –Da capa de honras: o caputo e a honra.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre 12 a, b e c – Na Serra de Arga.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre 13 – No Marão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 14 – Em Miranda.15 – Em Castro Laboreiro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre 16 – Em Miranda.17 – Em Sendim de Miranda.18 – Em Miranda.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 19 a, b e c – Na Gralheira.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre 20 – Na chã de S. Vicente.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre 21 – No planalto barrosão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 22 – Em Sendim de Miranda.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 23 – Em Montezinho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre 24 – Em Montezinho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 25 – Em Miranda.26 – Em Pitões.27 – Em Sendim de Miranda.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 28 – Na rechã da Campeã.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 31 a 33 — Ornamentos de chapéus de palha (Serrea das Alturas).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre 34 a 41 – Ornamentos a ponto de cruz (Amarela, Barroso, etc.).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre 44–Moca (Miranda).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre 45 – Fumadeira (Castro Laboreiro).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 46 – Patifa (Alhões) – da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 47 – Patifa (Alhões).½ da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 48– Berloque (Gralheira), da gr. nat.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre 29 – No Suajo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 30 a, bec – Em Montezinho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 32 – Abarca (Montemuro).33 – Pica (Campeã).42 – Em Rebordãos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 43 – Pastor e vezeira de reichelos (S. Joâo do Campo do Gerês).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre 49 – Em Miranda. Frente.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 50 – Em Miranda. Perfil.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 51 e 55 – Em Pitões.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 52 – Em Lindoso.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre 53 – Em Montalegre. Frente.54 – Em Montalegre. Costas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4306/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 79k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search