Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Uma ornamentação cerâmica actual de carácter arcaico 1

Texte intégral

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fase. 2.° (Porto, 12 de Maio de 1906), pp. 270-2 (...)
  • 2 Relatorio da Exposição industrial de Guimarães em 1884, pág. 22. Porto, 1884.
  • 3 Inquérito industrial de 1890, III, págs. 178-9. Imp. Nac. Lisboa, 1891.

1A indústria cerâmica popular vimaranense acantona-se, ao sulda cidade, no bairro denominado Cruz da Pedra. São trinta, proximamente, os fabricantes, contando aprendizes, operários e mestres, número esse cuja averiguação particular não oferece notórias divergências com os dados exibidos no relatório dum certame concelhio (2), nem com os algarismos fornecidos pelo inquérito industrial (3). O aprendizado doméstico começa aos doze anos e, ao diante, não instalando ou herdando oficina própria, o novo operário contratar-se-á como jornaleiro duma especialidade : a dos fornos, a dos púcaros ou a dos cântaros. Pago à peça e fabricando numa hora, quando dextro, cinco cântaros, o salário raro excede três tostões diários. O desafogo do mestre, entretanto, não se avantaja em demasia : o barro que compra em Prado custa-lhe de vinte a vinte e cinco tostões o carro ; de cinco a vinte oscila o preço da carrada de combustível, tojo ou rama de pinheiro ; os jornais ainda, os prejuízos fortuitos e a própria subsistência, por fim, definham até à última extremidade a retribuição obtida, mesmo aos que logram efectuar regularmente uma fornada semanal.

  • 4 Relatorio cit., pág. cit.
  • 5 Inquérito cit., págs. 236 e 247.
  • 6 ROCHA PEIXOTO, As olarias de Prado, in Portugalia, I, págs. 265-6. Porto. 1900.

2A produção de ano, que não atinge uma dezena de contos de réis4 – e aqui os informes do inquérito oficial (5) diferem singularmente de outros números mais autênticos – dispersa-se pelo concelho, Fafe, Lixa, Amarante, Basto, Cavez e Penafiel, cabendo ao intermediário, como sempre acontece com esta manufactura rústica (6), o maior quinhão do tráfico.

  • 7 CHARLES LEPIERRE, Estudo quimico e tecnologico sobre a ceramica portgueza moderna, pág. 42, análise (...)

3Para os seus artefactos cerâmicos dispõem os oleiros de Guimarães duma argila ferruginosa local (7) e, principalmente, do barro que adquirem em Prado. Com aquela apenas fabricam tijolo, ainda ligada aos sobejos da alheia ; com esta só misturam insignificantes quantidades da matéria prima regional, nem sempre e nem em toda a olaria. O barro é moído com um pisão de carvalho ou de oliveira na concavidade dum grosso tronco de árvore, depois do que se peneira através dum crivo em que a rede é de arame. Amassado, vai seguidamente para a roda, que é o conhecido torno de Prado, auxiliando-se o artífice com o pano húmido e as canas subsidiárias. E separadas as loiças do aparelho por via dum fio, vão a secar dois ou mais dias para os andames ou prate-leira’s de loja ou de telheiro, e, em alguns raros casos, ao sol, mas com demora breve.

4O forno que adoptam para a cocção da sua louça comporta uma vasta fornalha no subsolo e um recinto superior abobadado cujo pavimento de separação é de tijolo e em grade. O ingresso das vasilhas realiza-se pela porta que se abre neste último compartimento, vedando-a ainda com tijolos durante as seis ou sete horas necessárias para a operação e deixando apenas superiormente as frestas indispensáveis para a tiragem e para a averiguação do estado em que segue a cozedura.

  • 8 ROCHA PEIXOTO, ob. cit., fig. 87 (em miniatura) de pág. 262. – Consideram óptimos estes fornos para (...)

5Além dos tijolos e dos tubos para canalização os ceramistas de Guimarães fabricam púcaros com uma capacidade que varia desde o quartilho ao almude ; cântaros grandes, sendo realizados separadamente o bojo, a gola e a asa e tendo esta, na extrema que a prende à pansa, duas depressões efectuadas com as pontas dos dedos, precisamente como se vêem em ansas de ânforas romanas ; alguidares redondos e de forno ; formas para pão-leve ; infusas e vasos para flores; testos covos com a pegadeira em forma dum volumoso mamilo, tal qual o mesmo artefacto ex-humano das ruínas castrejas ; fornos, por fim, levantados à mão e sem forma, apenas com o auxílio duma cortiça e destinados a serem revestidos com cal e tijolo que lhes dêem resistência (8). Estilo, o das louças de Prado.

  • 9 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Secção de Ceramica no Guia do Museu municipal do Porto, pág. 96. Tip. Centr (...)

6Um tipo de vasilhas há, entretanto, cuja ornamentação dá um carácter peculiar à louça de luxo fabricada nesta estância – excepção feita de algumas bilhas de barro para água, também com decoração micácea, e antigamente fabricadas nas Caldas da Rainha (9). Consiste este processo de ornamento na aplicação de palhetas de moscovite sobre os cavados da ornamentação geométrica incisa e ainda sobre os florões, aves, carrancas, brasões e outros acessórios figurados com que é de uso embelezar esta olaria. A matéria prima procede duma rocha muito micácea que buscam no lugar de Fonte Santa ; obtida ela e fragmentada vai ao forno onde, como lá dizem, é cozida ; e alcançado por esta elevação de temperatura o descasque das lamelas da substância, pisada num almofariz e finalmente passada por um crivo, resta a poalha luzente, como a escama da sardinha, que vai polvilhar relevos e cavados.

  • 10 PERROT et CHIPIEZ, Histoire de l’art dans l’antiquité, VII, La Gréce archaique, fig. 44 de pág. 163 (...)

7Uma das formas mais vulgares, senão a predominante, denuncia logo uma galba arcaica. Compare-se a estampa com a que figura uma antiquíssima forma grega (10) : é a mesma a arquitectura geral, apenas mais rotunda a espécie portuguesa, divergente a asa, e ausente, na pré-helénica, a aselha adjuvante. O mesmo prato servindo de testo, a mesma púcara para tirar água e a beber, a mesma tampa cuja pega é uma ave se encontram numa e noutra ! Só os ornamentos, como processo e profusão, se diferenciam, não sem que, em ambos, se encontrem elementos comuns, principalmente as linhas quebradas e os losangos.

  • 11 ROCHA PEIXOTO, Sobrevivência da primitiva roda de oleiro em Portugal, in Portvgalia, II, pág. 77. P (...)
  • 12 ANTÓNIO DOS SANTOS ROCHA, Catalogo do Museu municipal da Figueira, pág. 142. Figueira da Foz, 1905.
  • 13 JOSEPH DÉCHELETTE, Les vases céramiques ornées de la Gaule romaine, II, págs. 109-65, 168 e 192-303 (...)

8Na vasilha vimaranense as depressões digitais no rebordo, de aplicação tão primitiva e ainda tão frequentes noutras louças rurais (11), e bem assim os refegos ou caneluras verticais da gola, por igual de uso já proto-histórico (12), associam-se com outras particularidades de ornamentação incisa em que as linhas interrompidas, os losangos, as curvas e as combinações de todos estes elementos logo sugerem os longínquos enfeites das louças neolíticas e de certas da idade do bronze. Os acessórios relevados onde dominam principalmente rosáceas, breve lembram os ornamentos similares exibidos na cerâmica galo-romana, principalmente nos vasos moldados e depois, a partir do século III, obtidos em moldes próprios e aplicados a seguir sobre o vasilhame levemente seco (13). Por fim a aplicação da conteira é outro recurso legado, sequer, pelas louças do convencional tipo de Arezzo.

  • 14 OSCAR MONTÉLIUS, La civilisation primitive en Italie depuis l’introduction des métaux, 1.ère partie (...)
  • 15 MONTÉLIUS, ob. cit., cols. 253-4 e fig. 11 da pl. 46.
  • 16 VICTOR GROSS, Les Protohelvètes, pág. 97. Asher & Clie eds. Berlim, 1883. – FELIX REGNAULT, Essai s (...)
  • 17 MONTÉLIUS, ob. cit., cols. 210, 287-8, 290, 305, 369, e 379 ; figs. 14 da pl. 38; 3, 4, 12 e 13 da (...)

9De toda esta variedade de pormenores decorativos sobressai, todavia, a adopção duma substância estranha à argila para, com o seu brilho, realçar donde a onde, em zonas ou relevos simétricos, a cor mate e quase neutra da pasta fundamental da vasilha. É o emprego da moscovite, recurso tão ignénuo como bárbaro, muito conhecido nas louças dos castros pela mistura das lamelas à pasta, mas, na louçaria vimaranense, aplicadas directamente sobre os ornamentos do hidrocerame já edificado. Anàlogamente, na idade do ferro, as urnas da necrópole de Golaseca apresentavam nos cavados da sua ornamentação em dentes de serra uma espécie de esmalte branco (14); outra calote cerâmica da necrópole de Valtravaglia exibia estrias com o aspecto da prata, produzidas visivelmente por meio do chumbo ou do estanho (15) ; e com este metal é também sabido que se ornava vasilhame desde os tempos pré-históricos até aos alvores da história (16). Os pregos e as incrustações de bronze então são frequentíssimas nas ornamentações da cerâmica, tão vária de forma e de elementos decorativos, que, nas necrópoles italianas, aparece com a profusão sabida desde que se conhece aquela liga até aos esplendores da idade do ferro (17).

10O intuito e a similitude de proceder são já muito instrutivos ao considerar-se o mesmo género de artefactos ; mas a lição resultará mais interessante quando estudarmos outros utensílios actuais em que ainda a incrustação do estanho representa o mais nobre elemento ornamental.

Notes

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fase. 2.° (Porto, 12 de Maio de 1906), pp. 270-272.
Deste trabalho tirou-se a seguinte separata: Rocha Peixoto/UMA ORNAMENTAÇÃO CERAMICA ACTUAL/de/CARACTER ARCHAICO/Com uma illustração no texto/Porto/ Imprensa Portugueza/112, Rua Formosa, 112/1906/3 págs. 210 x 132 mm.

2 Relatorio da Exposição industrial de Guimarães em 1884, pág. 22. Porto, 1884.

3 Inquérito industrial de 1890, III, págs. 178-9. Imp. Nac. Lisboa, 1891.

4 Relatorio cit., pág. cit.

5 Inquérito cit., págs. 236 e 247.

6 ROCHA PEIXOTO, As olarias de Prado, in Portugalia, I, págs. 265-6. Porto. 1900.

7 CHARLES LEPIERRE, Estudo quimico e tecnologico sobre a ceramica portgueza moderna, pág. 42, análise n.° 29. Imp. Nac. Lisboa, 1899.

8 ROCHA PEIXOTO, ob. cit., fig. 87 (em miniatura) de pág. 262. – Consideram óptimos estes fornos para impedirem a invasão dos ratos e a consequente devastação dos pães arrecadados. A manufactura dos fornos de argila, outrora lucrativa, vai em decadência.

9 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Secção de Ceramica no Guia do Museu municipal do Porto, pág. 96. Tip. Central. Porto, 1902.

10 PERROT et CHIPIEZ, Histoire de l’art dans l’antiquité, VII, La Gréce archaique, fig. 44 de pág. 163. Hachette ed. Paris, 1898.

11 ROCHA PEIXOTO, Sobrevivência da primitiva roda de oleiro em Portugal, in Portvgalia, II, pág. 77. Porto, 1905.

12 ANTÓNIO DOS SANTOS ROCHA, Catalogo do Museu municipal da Figueira, pág. 142. Figueira da Foz, 1905.

13 JOSEPH DÉCHELETTE, Les vases céramiques ornées de la Gaule romaine, II, págs. 109-65, 168 e 192-303. A. Picard ed. Paris, 1904.

14 OSCAR MONTÉLIUS, La civilisation primitive en Italie depuis l’introduction des métaux, 1.ère partie, Italie septentrionale, I, cols. 240 e Atlas, figs. da pl. 43. Stockholm, 1895.

15 MONTÉLIUS, ob. cit., cols. 253-4 e fig. 11 da pl. 46.

16 VICTOR GROSS, Les Protohelvètes, pág. 97. Asher & Clie eds. Berlim, 1883. – FELIX REGNAULT, Essai sur les debuts de l’art ornemental géométrique chez les peuples primitifs, in Bull, de la Soc. d’Anthropologie de Paris, VII, pág. 542. Masson ed. Paris, 1896.– G. CHAUVET, Poteries pré-historiques y ornements géométriques, en creux, in L’Anthropologie, XII, pág. 642. Masson ed. Paris, 1901.–G. et A. DE MORTILLET, Le Musée préhistorique, 2.a ed., figs. 1272-5 da pl. XCVI. Schleicher ed. Paris, 1903.

17 MONTÉLIUS, ob. cit., cols. 210, 287-8, 290, 305, 369, e 379 ; figs. 14 da pl. 38; 3, 4, 12 e 13 da pl. 52 ; 11 e 13 da pl. 57; 7 da pl. 58; 17 da pl. 59; 11 da pl. 75.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4303/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 25k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search