Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Etnografia portuguesa: Tabulae Votivae (Excerpto) 1

Texte intégral

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fase. 2.° (Porto, 12 de Maio de 1906), pp. 187-2 (...)

1Outra homenagem gratulatória à divindade é o retábulo votivo. Em torno das imagens, nas paredes conjuntas, ao longo das naves ou em capelas acessórias frequentemente vários painéis atestam e celebram admiráveis milagres, proclamando assim e perpetuando o reconhecimento pelas graças obtidas. A tormenta que faz sossobrar embarcações, os perigos da guerra, a angústia dos captivos, as ciladas de assassinos e das feras, as investidas dos animais danados, as desgraças, os desastres e sobretudo o vasto quadro das doenças constituem essencialmente os motivos que levaram o devoto a invocar o poder divino para tudo subjugar, impedir, vencer ou curar. No naufrágio o painel acentua a fúria das vagas, sob a caligem celeste, envolvendo a nau desarvorada e já submersa ; na emboscada a vítima, cercada por bandoleiros que erguem lâminas de gume vivo e arqueado, resigna-se a acabar nesse ermo remoto da selva ; na doença o enfermo, no leito, ou já sucumbe com os olhos cerrados e a precursora lividez do fim, ou estorce-se bolsando o sangue em torrentes, ou ainda espera, tocado de fé, enquanto em volta mulheres pranteiam e o padre e os cirurgiões só do céu confiam o socorro. Em todas, de frente e ao alto, a imagem invocada surge num luminoso nimbo de resplendores !

  • 2 PERROT et CHIPIEZ, Histoire de l’art dans l’antiquité. I, L’Egypte, pág. 441. Hachette ed. Paris, 1 (...)

2Esta ilustração imagética, que exprime o tributo à omnipotência divina, já no templo egípcio revestia as paredes sob a forma de quadros simetricamente dispostos a toda a altura. O sentido era sempre o mesmo, pois igual era a intenção de merecer o favor dos deuses : dum lado o rei oferecia vitualhas, flores, frutos e emblemas às divindades ; do outro estas ouviam os seus rogos ou, em resposta, concediam o favor pedido. E ainda nas paredes exteriores de outros templos se representavam as batalhas gloriosas, uma vez que aos deuses atribuíam os monarcas a causa primacial dos seus triunfos (2).

  • 3 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., NOC. Donarium, de TH. HOMOLLE, II, parte 1.a, notas de pág. 375. Hachet (...)
  • 4 G. GROTTE, Histoire de la Grece, trad. de A. L. DE SADOUS, I, pág. 207. Lib. Internationale ed. Par (...)
  • 5 PAUSANIAS, trad. de GEDOYN, liv. II, cap. XXVII, pág. 214. Paris, 1731. – G. F. HERTZBERG, Histoire (...)
  • 6 DAREMBERG et SAGLIO, Dict. e voc. cits., pág. 378. – GROTTE, ob. e pág. cits. – HERTZBERG, ob. cit. (...)

3As pinturas murais em qué se exibiam episódios históricos, curas miraculosas e cenas de tempestade consagradas por marinheiros (3) eram também frequentes nos templos helénicos. Nas árvores sagradas, ainda, e em volta das estátuas e dos altares o mesmo preito se tributava em quadros de madeira ou argila, com a dedicatória ao deus, o nome da pessoa e o assunto do milagre. Mas nos templos erectos a Asclépios é que os retábulos suspensos4 ou as estelas dispostas no seu aro (5) abundantemente consignavam a maravilha das curas, os remédios adjuvantes e os nomes dos doentes atraídos pela celebridade dos santuários (6).

  • 7 RICH, Dict., voc. Tabula, pág. 624. F.-Didot ed. Paris, 1861.
  • 8 RICH, Dict., vocs. Tabellæ e Donarium, págs. 619 e 238.–DAREMBERG et SAGLIO, Dict. e voc. cits., pá (...)

4As tabulœ dos romanos, ou antes as tabellæ, para melhor ser expressa a mediocridade da execução e dimensões (7), eram ainda pequenos quadros votivos que, nos templos e suspensos diante das estátuas, figuravam grosseiramente a benévola intervenção da divindade, acudindo a um naufrágio ou a uma desgraça, impedindo ou atenuando os efeito dum acidente ou curando uma moléstia ; geralmente uma inscrição complementar esclarecia a homenagem, narrando as circunstâncias que tinham acompanhado tão infinita graça (8).

  • 9 J. TOUTAIN, Bulletin archéologique de la Religion Grecque, in Rev. de l’Histoire des Religions, XLV (...)
  • 10 PAUSANIAS, liv. e cap. cits., pág. 215. – HERTZBERG, ob. cit., pág. 362.
  • 11 J. MARQUARDT, Le culte chez les romains, II, pág. 767. Fontemoing ed. Paris, s. d. (1890).
  • 12 MARQUARDT, ob. cit., pág. 77.

5O santuário de Epidauro, entretanto, pelo eco remoto e prestigioso das suas curas, subalternizou, para a opulência romana, as divindades locais. A corrente dos doentes era já incontável e, ao diante, de entre as ruínas, as estelas surgiam, da época helénica e da época latina (9). Mesmo António Pio engrandece, com edificações famosas, a majestade da estância (10). E quando, durante a terceira guerra samnita, uma epidemia invade Roma, o Senado, obedecendo ao oráculo da sibila, manda transportar da Argólida para uma ilha do Tibre, a admirável divindade da saúde (11). Então mais se dilata a afluência dos crentes ; e logo ao redor se suspendem os ex-voto (12) referindo os milagres e celebrando os dons magnânimos !

  • 13 E. HÜBNER, C. I. L., II, 21 (Cacém), 173-5 (Lisboa), 2004, 2411 (Braga), 3725-6 e 3819. Berlim, 186 (...)

6Por todo o extenso domínio romano, lento e lento passa depois o rumor de divindade tão miraculosa, conquistando adeptos em todo o império : até nos territórios remotos da Lusitânia, da Bética e da Tarraconense Esculápio recebe as consagrações que acusam os seus próvidos benefícios13.

  • 14 HUBNER, C. I. L., II e Suppl., principalmente n.os 132, 134, 5203-4, 5207, 6265 e 6261-a. Berlim, 1 (...)

7Em aras, em cipos, em estátuas e em placas lapidares, na mesma fé e intento que promoviam estas oferendas aos deuses de grande aura, se inscreviam os milagres, ou singelamente o cumprimento dos votos a divindades tópicas mais modestas. No panteão lusitano os monumentos epigráficos consagrados a deuses da saúde são escassos ; mas dum, o Endovélico, restam numerosos documentos a atestarem a fé dos crentes, atraídos, durante séculos, pelas graças com que a dividade também acedia aos rogos dos doentes (14).

  • 15 LOUIS BRÉHIER, Les origines du crucifix dans l’art religieux, pág. 15 e segs. Blond & Cie, Paris, 1 (...)
  • 16 FREY BERNARDO DE BRITO, Segvnda parte da Monarchia lusytana, pág. 391. Lisboa, 1690.

8As tabulœ votivœ, das quais é lícito aproximar as tabulace devotionis onde os cocheiros de Circo votavam aos deuses infernais os seus competidores (15), vieram afectando, afinal, através dos tempos, o mesmo intento e aspecto iniciais. E as consagrações lapidares, memorando cultos ou edificações por votos ou legados pios, igualmente assumem, muitas vezes, certas fórmulas já características nos retábulos. É o caso da reedificação da lapa de Nazaré junto da qual duas inscrições, uma latina e a outra traduzida, contam como a Virgem resplandeceu em milagres e a Fuas Boupinho, no século XII «sucedera que arremessando inconsideradamente o cavalo no alcance d’hum cervo... & indo já para cayr, na ultima ponta d’este despenhadeiro invocando o nome da Virgem foy livre da queda & mais da morte...» (16).

  • 17 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Donarium, pág. 376.

9A figuração em argila com que no mundo greco-romano se louvavam também os dons divinos (17) subsistiu nos rótulos e nas composições em azulejos. A capela do Corpo Santo, na matriz de Vila do Conde, toda revestida de faiança policrómica do século XVII, apresenta, subpostas a dois retábulos figurados, duas epígrafes que registram a piedosa obra e o seu carácter contractual : fazendo a Senhora da Boa Viagem mercê de levar e trazer a salvamento a João Peres, na sua viagem a Angola (1622) em a nau Jesus Maria, promete o pai, Tomé Peres, azulejar-lhe a capela. Derrota com êxito, pois que o devoto cumpriu.

  • 18 FERNANDO CASTIÇO, Memoria historica do Santuario do Bom Jesus do Monte, págs. 132-4. Tip. Camões. B (...)

10Mais que na pedra, entanto, e na cerâmica, os quadros fáceis e acessíveis à miséria da piedade humilde é que encerram toda a extensa consagração das almas agradecidas. As tabulœ pictœ, como na Roma antiga, são composições grosseiras de artífices curiosos e de amadores ocasionais onde só raramente a ânsia e o desespero, a consternação e a mágoa, o alívio e a ventura logram uma bem medíocre expressão. As figuras contornam-se como títeres parados, em atitudes cuja intenção dramática se volve em postura grotesca. Os retábulos precedentes, inspirando ou sugestionando os ulteriores, como vedam, na convenção a que todos se submetem, uma imaginativa mais rebelde ou criadora. Vergéis e florestas, voltas do mar e negrume celeste, interiores de capela e de enfermaria, santos e suas auréolas, tudo se recorta no mesmo molde. Apenas os acessórios, mais concretos e pormenorizados, revelam o intento da fidelidade da cópia : são os aspectos da igreja com os quais o pintor está familiarizado ; uma operação de cirurgiões a que presumivelmente assistiu ou de que houve a notícia pungente ; a indumentária doméstica regional e da época ; os paramentos dos clérigos e a compostura fátua dos médicos ; as minúcias de interior como os bufetes, as cadeiras de espalda de coiro, os leitos de dossel e bilrados, as almofadas guarnecidas de rendas, os roda-pés e as colchas. Acaso modernamente o retábulo será uma obra de artista insigne, como, no Bom Jesus do Monte, a tela de Domingos António de Sequeira. É deste admirável desenhista o quadro que denuncia a mercê concedida a um negociante que, na tradição popular, imaginara uma comandita perene com Jesus : este protegia-o no tráfico, mas comparticipava nos lucros sob a forma de óbulos para acabamento e grandeza do templo. A tela, em que a figura da personagem é o pormenor menos feliz, mas onde a cabeça domina primorosa, soleniza o milagre da chegada dum navio de há muito demorado na sua rota da Índia a Lisboa (18). A meio do quadro o mercante, de joelhos, com uma das mãos segura um livro e com a outra indica o navio de vela que demanda o Tejo, à vista da Torre de Belém ; em uma pequena elevação ergue-se Cristo rodeado das figuras amadas ; e no livro que o devoto segura lêem-se, em uma das páginas, salmos de David e provérbios de Salomão e na outra, a que fica à esquerda do espectador, esta legenda :

Ao Bom Jesus do
Monte Renova seus
votos Pedro josé
da Silva, na ocazião
de fazer viagem
para Bemgala e
Azia o seu Navio
denominado
Santa Cruz
Anno de 1808
Domingos Antonio de Sequeira inv. e Pict. anno
1809

  • 19 RIBEIRO GUIMARÃES, Summario de varia historia, IV, págs. 102-3. Rolland & Semiond eds. Lisboa, 1874 (...)
  • 20 Além do esboço reproduzido, mercê da concessão obsequiosa do seu possuidor, o sr. João São Romão, e (...)

11O retábulo, à maneira popular, constitui uma obra de valor, concebida para figurar como exibição votiva (fig. 1) e como tal encomendada pelo famoso comerciante de Lisboa com quem o artista convivera (19). Ainda de Sequeira é essa outra composição (flg. 2) decerto votada inicialmente a idêntico destino e alusiva, conforme uma versão, a um episódio de família (20).

12Onde, porém, se irmanam, por igual iletrados, artistas de renome e os humildes imaginários dos milagres, é na ortografia viciosa das epígrafes. Quaisquer que sejam as dimensões da tábula – 0,20 m. x x 0,16 m. de sup. mín. ; 1 m. x 0,70 m. de sup. máx. ; 0,50 m. x 0,35 m. a média mais frequente – a inscrição, concisa ou prolixa, é, de ordinário, um risonho depoimento cacográfico onde os vícios dialectais, as corruptelas populares e as abreviaturas incongruentes se alinham num espaço restrito que muitas vezes obriga à multiplicidade das letras inclusas e conjuntas, à mescla de maiúsculas e minúsculas, ao emprego simultâneo de normandos e cursivos, a uma pontuação e fantasiosa separação dos vocábulos pela abundante cópia de pontos, triângulos, silvas e estrelas.

  • 21 Transcrevendo-se integralmente as inscrições e indicando-se a sua disposição linear compreende-se q (...)

13Em regra a inscrição, dando conta de quem operou o milagre, começa por esta palavra, pela sua letra inicial M., ou pela abreviatura M. Q. F. – Milagre que fez... (21):

M, Q, F, N, Snr’ daprizao’ ocapitam Manoel Inasio dev,a | doconde bindo dahilha decauo berde com | hvma doensa recorev odito Snr, iscapou 1828

14Igreja da Misericórdia. Póvoa de Varzim.

15Menos frequentemente é Mercê que inicia o relato :

Merce que fez osr deMathozinhos a Nao de guerra N. S.ra da Piedade vindo do R° de jan.ro | por capitania da ffrota a 11 de jan.ro de 1746 ao manhecer esteve perdida sobre os ffarilhoniz | ea pegandose os devotos como Sr passou Livre sem ter prigo

16Bom Jesus. Matosinhos.

17A demonstração do reconhecimento abre também os rótulos:

Testemunho de gratidão que dá – a Jesus Maria e José – Rita da Pie,de desta v.a a qual estando inteirmen | te cega e sogeitando-se á operação da catarata, por intercesão da sagrada familia recoperou a sua vista : em 1849

18Igreja da Lapa. Vila do Conde.

19E o devoto, declinando ou não o nome, assim inaugura por vezes a homenagem :

Huma Devota do Senhor do Monte não tendo filhos e desejando-os mais que tu-| do supplicou ao mesmo Senhor e este logo lhe deu hum Menino pelo que agradecida | Lhe tributa graças. Anno de 1845

20Bom Jesus. Braga.

Custodia Maria Antunes do logar de Lordello desta freg.a de Bouro estando | perigozam.te inferma de huma Catarral Gastrica q. atacava deitando sem termo san- | gue pela boca e apegando-se seu filho Manoel com esta Imagem do Senhor dos | Milagres preso acoluna foi-lhe de repente restituída a saude no anno de 1847 | E para memoria mandou aqui collocar este painel

21Igreja do Mosteiro. Santa Maria de Bouro.

22O voto ou promessa acusam de entrada a intenção (flg. 3) :

Vóto feito por Carlos Cruz, a nossa senhora da Encarnação: no dia dois de Março 1870. às 2 horas | da manhã, corrido com um grande temporal na Barca Diana sahida do Porto com distino | á Bahia de todos os Santos estando na Latitude N.42°„17’„00” e na Long. O de Grenuich 14°„ 16’„10”„

23Capela da Encarnação. Buarcos.

24Ou então é pela data que o registro do tributo principia :

A 12 do mez d’abril de 1881 fez a Senhora da Encarnação o | Milagre de salvar a tripulação do barco Chinca quaze a | submergir-se porisso lhe offerece amesma tripulação este quadro

25Capela da Encarnação. Buarcos.

26Não raro ainda é o nome do tipo de embarcação – Patacho, Lugre, Brigue, Escuna, Palhabote… – que enceta a referência da graça, com minúcias do sucesso ou estritamente memorativa e sem detalhes do facto :

Barca portugueza Firmeza. Offerecido pelo Capitão | Joaquim d’Carvalho Rozas. Nossa Senhora da | Bonança

27Igreja de S. João. Foz do Douro.

28Hiate Rezulvido | Milagre que fes a imagem do Sñr Jesus ao capitão Manoel Simões Vagos e á sua tripolação | no dia 3 quando cahio o comtramestre ao mar ás 11 horas da manhã. E no dia 4 é que dezalboramos ás 11 horas da noite, e no dia 5 é quando | nos a pareceo ás 8 horas da manhã o vapor Ville Terragona francez, procorando todos os meios para nos salvar, i ás 11 horas da manhã é que fomos salvos | em janeiro de 1888

29Matriz de ílhavo.

30Barca Portuguesa Alliança | O Capitão João da Costa Gomes Em viagem de Pernambuco para Liverpool, vendo-se perdido no dia 29 de dezembro de 1876 na Latitude N. | 39°.45 Long. O. 23°.30 com um grande tufão que durara desde as 5 horas da Manhã até ás 11 do mesmo dia offerece este quadro a Nossa Senhora da Bonança pelo milagre que fez

31Igreja do Bom Jesus. Vila Nova de Gaia.

32Em outros, e naturalmente, é a divindade logo invocada :

Osenhor da Piedade deu saude ahua | emferma

33Igreja da Sé. Braga.

  • 22 Esboceto historico da veneranda imagem do Senhor dos Passos da Graça e templo da mesma invocação, p (...)
  • 23 A. TOMÁS PIRES, Estudos e notas elvenses. III, A egreja do Senhor Jesus da Piedade, pág. 12. T. de (...)

34As inscrições ainda começam excepcionalmente fora dos calcos indicados : Deplorável situação da galera..., Horrivel tempestade..., Offerecido. pela tripulação…, Os passageiros do vapor..., Eis a minha prova de gratidão… (22), Lembrança de hu milagre... (23). Mas a frequência da primeira redacção aludida foi tal que por MILAGRES se designam comummente esses ingénuos textos de agradecimento e piedade.

35Algumas vezes mesmo à epígrafe sem desenho se resume o tributo consagrado :

Milagre q fez S Clemente a- | hum mosso de 33 annos q es- | tando Rendido de huma bril- | lha se apegou com o Sto elhe | por metteo huma missa pedi- | da elhe deu saude | 1787

36Bom Jesus. Braga.

  • 24 ALPHONSE DEFRASSE et HENRI LECHAT, Epidaure, nota 1 de pág. 143. Quantin ed. Paris, 1895.– DAREMBER (...)

37E se a um texto apenas se reduziam já, muitas vezes, as estelas votivas de Epidauro e de Cós, também então como agora se rememoravam as graças divinas na mais alta e mais culta linguagem da estrofe (24):

O’ mãe amável, Virgem do Sameiro,
Com gratidão beijo tua mão potente;
Louve-te o céu, o universo inteiro,
Pois da morte livraste o teu doente.
Santuário do Sameiro. Braga.

38Só com a inscrição, só com o figurado, ou com uma e outro reunidos – que é o caso mais vulgar – os retábulos são pintados, a tintas de óleo, em papel, em folha de ferro, em tela e, ordinàriamente, em tábua. A tinta aguada, porém, apartam-se alguns, como essa aguarela onde as faíscas cortam angulosas e bruscas o ar adensado e turvo, e os passageiros e a nave já se afundam no mar ululante :

Millagre que fes S. Gonçalo á Gente da Gallera Fama por intercessão de hum | seu devoto vindo do Rio de Janeiro, estando ao Oeste dos Açores 24 grãos em 26 de 8br°. 1821

39S. Gonçalo. Amarante.

40A inscrição anexa ao Registro do vulto milagroso, como no santuário de S. Torcato, ou manuscrito e mesmo impressa numa estampa litográfica adrede realizada, são ainda exemplos para nota :

Promessa que fez Antonio Vieira a N. Sa | da Bonança, na occasião em que se virão perdidos no Patacho bom Jesus, no | dia 3 de Junho de 1865

41Igreja de S. João. Foz do Douro.

42M. q. fes S Trocato a M.a Dom." da freg.a | da Abelleda Tr.° do Porto q estando com | hom.a grd.e dor no estamogo rocorrendo | aommo S.to logo milhorov

43S. Torcato. Guimarães.

  • 25 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Donarium, pág. 376.

44Mas com as modernas facilidades da fotocópia já aparecem os grupos da família reconhecida, os retratos do filho curado e da mãe ou do pai que intercedeu, o do doente apenas, como nos tempos greco--latinos (25), que assim julga perpetuar e encarecer o prodígio:

Miguel Alves Ribeiro, do logar de Pombal, freguezia de S. Cypriano de Taboa- | dello, concelhode Guimarães, padecendo d’uma rotura, e dirigindo preces fervo- | rosas ao milagroso S. Gonçalo, obteve a cura de sua dolorosa enfermidade em | tres horas | E para immortalisar este prodigio estupendo, mandou aqui pendurar este quadro | Guimarães, 15 de junho de 1865.

45S. Gonçalo. Amarante.

46Por fim a inscrição acompanha, não um painel onde se exibe a cena no momento da angústia e da graça, mas a reprodução do próprio membro salvo ou curado. Numa perna – para exemplo – onde uma depressão enegrecida indica o lugar da ferida, lê-se:

M. Q. F. N. S. dos Passos | a Joaqvim | a Roiz J.or

47Igreja da Misericórdia. Póvoa de Varzim.

48Ou subpostas à miniatura emoldurada duma nave se vêem rubricas como esta :

Palhabote Brilhante ofrecido ao Sñr. dos Mariantes por | Manuel Xavier da Silva | Capitão do dito

49Capela do Bom Jesus dos Mareantes. Matriz de Caminha.

50Os assuntos que constituem o vário objecto desta expressão duma credulidade grata, são todas as dores humanas e todos os acidentes que, individualmente ou no ambiente em que se agita, afligem, conturbam e surpreendem o crente. Não raro, satisfazendo o preito devido, cala o motivo que o ditou (fig. 4):

Milagre que Fes N. Sr.a da Encarnação a Joze Antonio Leite da Silva | Filho de Fructuozo J.e da S.a Quem Fes a Oferta Foi Anna Joaquina | Rodrigues Forte. | pintado em 1859

Milagre de N. Senhora do Vizo

51Figueira da Foz.

52Capela da Senhora do Vizo. Fontes (Penaguião).

M. Q. F. Sta Ines a huma devota

53Matriz de Remoães. Melgaço.

  • 26 Esboceto cit., pág. 35.

54E até explica que assim não ofende o Todo Poderoso, conservando os milagres no mistério (26). Mas também sucede que, historiando o congratulando-se, não esquece o registro pictográfico e literal da oferenda retribuitiva, em alfaias, em géneros (fig. 5), em gados, em inumeráveis benefícios :

M. Q. Fes N. Sr.a dos Afflitos–A Ioaõ Salgado q acol- | lvqov ov Fondov a mes- | ma Sra nesta capela

55Igreja da Oliveira, santuário de S. Brás. Guimarães.

56Milagre q. fes osr deMatozinhos.AIoze daSa. Selibestre de antran- | vos.orios nasua doença apegando-se comele foi servido odarlhe saude | cuio oqual lhepermeteu deoferta.obalor doseu barco oqual carega 55 pipas elo- | go q. ele foi lou-bado odito lhedeu oemporte doseu barco Naera de 1813

57Bom Jesus. Matosinhos.

58Milagre que fez o SS. Sacramento, a Manoel António Lourenço d’esta freguezia, | estando em perigo de vida em 1886 ; o devoto offereceu o valor d’uma junta de Bois | ao SS. e a collocação d’este quadro no Altar do SS. Coração de Jezus e Maria.

59Matriz de Amorim. Póvoa de Varzim.

60Especificando-se, todavia, alguns dos acontecimentos mais memoráveis e por igual mais vulgarmente submetidos ao patrocínio celeste, ocorrem logo os que designam os perigos do mar e as tribulações dos nautas. Em alguns casos a pormenorização da narrativa, além da hora precisa da catástrofe e da latitude e longitude em que se manifesta a inclemência, inclui a tonelagem, os nomes do navio e do comando, os portos de escala, as condições providenciais de salvamento. O debuxo então, por entre a cerração do espaço e a ira convulsa das ondas galgando, mostra a nave desmastreada e sem rumo a subverter-se, com a tripulação pávida à ré, a proa varrida e, em redor, nas ondulações revoltas da vaga, a carga alijada, os mastros, os calabres, a cordoalha e o velame :

M, Q, F, N,Snr,a aManoel Ant°, Pinheiro nosev br | ige união uindo doMaranhão nalatitude 34”2 | oeste de Londres a panhando hvm grande tempo em | 19 demarso 1829 recoreo ans,a dasNebes lheabrandov ut°

61Capela da Senhora das Neves. Azurara.

62M. Q. F, oSr de Mathozinhos AGoncallo José Miz. vindo da Cidade davahia embarcado emacurveta de N. Snra | do cauo davoa esperança p.a a Cidade de Lx.a noano de 1774 de qve uinha Segindo Sua de Rota chegado que foçe altu | ra de 36 graos lhe deu hum mto grande temporal deque abrindo a curveta tanta agoa que não lhe podendo dar ven | cimento com duas bombas de q 3 dias alugarão Carga ornar bendo q. não fazia nada de Repente seacharão com doze palmos dagoa | se detriminarão a embarcar nalancha p.a ver seescapavão a vidas a vinte peçoas donde o mar os queria comer Como Trazia o Bom Jezus | comsigo seapegou com m.tafe com ele que livrase aquelas almas de morer afogadas que lhe deparase hum navio q. os tomase do q. lho depa | rou que ostomou e troxe p.a attera todos.anno 1774.

63Bom Jesus. Matosinhos.

64Milagre qffes NSra doalivio a Miguel de azevedo Costa do lugar de fam | hindo de mestre no hiatte otriumfo emoanno de 1801 a 6 de Janr° foi prezionr0 do engles a 4 do ditto Mes | e a 6 se allevantou hua grde tempestada demar etempo q estiverão coazi perdidos na Voca do canal | e recorrendo anossa Sra doalivio a mai dedeos foi servida avrandar o mar e tempo e oslevou a | Salvamento aditto portto com os tres Marinheiros emglezes e o ditto Mestre

65Santuário do Alívio. Soutelo (Vila Verde).

66Milagre q. fes N.S.a de Agonia a Manoel Roiz Alvs capam do he novo espicolador tendo saido de viana para Cork carregado | demilho e na altura de 45°16 de latt.e e 9°43 de long.e lhe cahiu tanto tenpo q. pedio a N.S.a e lhe fes o milagre no dia | 21 pa 22 de dezembro de 1846

67Capela de Nossa Senhora da Agonia. Caminha.

68Milagre que fez | Nosso Senhor da Agonia a | Antonio Rodrigues Sampayo | Capitão do Brigue Espe- | rança naufragado n’um | diluvio na Quinta de | Palermo em Buenos Ayres | a 29 de outubro de 1866

69Capela do Senhor da Agonia. Vila do Conde.

70Milagre que fes o S.r Jesus a José Bás Novo e seus companheiros no dia 23 de desembro de 1864 q andando sobre as aguas do Mar não fragados | sem isprança de vida Permeteu ao S.r Jesus seos livrasse deste prigo que lhe daba um cuadro do seu barco. E logo que fórão | saibos comprio com a sua promessa. | Paquete de Aveiro

71Matriz de ílhavo.

72Milagre q. fes N.S.a da Solidade a Joze Ribeiro de Baros | e a sva comp.a saindo da V.a da Fig.a p.a Lx.a em 16 de abril so-1 bre aRoca com grande tempesd.e NS.a ospos a salvm.to em 1818

73Capela de Nossa Senhora da Soledade. Esposende.

74Milagre que fes N.S.a da sneves a Joze | Fmc.° Gz. da Pralheira q. vindo da Ingualate | ra para Lx.a se vio de vaxo de grande ri | gor de mar e tempo asim recorreu ad.a | Sa elogo lhe valeu em 1839

75Capela de Nossa Senhora das Neves. Abremar.

  • 27 ROCHA PEIXOTO, Os palheiros do littoral, in Portvgalia, I, fig. 7, pág. 96. Porto, 1899.

76Em circunstâncias de igual pavor e ansiedade os pescadores lançando as redes (27), navegando ou aportando, recorrem ao mesmo poder sobrenatural para que lhes acuda ao desamparo duma heroicidade exausta e dum saber inútil:

Millagre que fes N.S.ra dabadia A Manoel fr,co Milhazes dapovoa debr | azim eatoda asua comp,a achandoçe nom,° domar comtempo noroeste elle etoda asua com | pa sebiram perdidos comesou Manoel fr,co achamar por N,S,ra elogo ella lhe apareseo epeia | -da aembarcaçam pello seo patroçinio chegaram a descobrir avi 11a de Boarcos e hua meni | na de tenrra idade prinçipiou pella villa dizendo acudam a hua embarcaçam q seacha coazi p | erdida napraya e logo a codio gente e ostrouxeram p.a | terra sem saberem os aflit os nvegantes a–donde estabam por espaço de 24 horas De 1773 | Villa de Boacos

1 – Do Bom Jesus do Monte. Composição de Domingos António de Sequeira.

1 – Do Bom Jesus do Monte. Composição de Domingos António de Sequeira.

2 – Esboço de retábulo votivo, original de Sequeira.

2 – Esboço de retábulo votivo, original de Sequeira.

3 – Da capela da Encarnação. Buarcos.

3 – Da capela da Encarnação. Buarcos.

4 – Da Figueira da Foz.

4 – Da Figueira da Foz.

5 – Do Bom Jesus. Matosinhos.
6 – Do Bom Jesus. Matosinhos.
7 – Do Santuário de S. Gonçalo. Amarante.

5 – Do Bom Jesus. Matosinhos.6 – Do Bom Jesus. Matosinhos.7 – Do Santuário de S. Gonçalo. Amarante.

8 – Da capela da Senhora de Aires. Viana do Alentejo.

8 – Da capela da Senhora de Aires. Viana do Alentejo.

77Santuário da Abadia. Terras de Bouro.

78No,frajo que a susedeu na costa de Espinho em 1851 | a senhora companha noua da Snr.a dajuda indo obarco | pelo mardentro e bem metidos noprigo bem uma | onda grande que ostebe sormergido pediro a Santa Cia- | ra birgem martel que leacudise asim logo não hoube | mais dubeda ifiquar com grande debosam a esta santa

79Igreja do Bonfim. Porto.

  • 28 RICH, Dict. e vocs. cits. págs. 238 e 619. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict. e voes, cits., pág. 375.
  • 29 Esboceto cit., pág. 28.

80Mas os riscos do mar, que já na antiguidade heleno-latina tantas consagrações promoviam aos deuses (28), estendiam-se ainda aos bloqueios (29) e ao corso, às perseguições pelas esquadras, às prisões e ao cativeiro:

Milagre q, fez N. Sra daEncarn.am aom.e An.to Frz.° deA | zd.° desta u.a easua equipagem a 31 dagto doanno 1795 | uindo desetubal no seu hiate carregado desal p.aau.ade | Caminha ieencontrandose com huma esquadra franceza na | altura da Ericeira huafragata da d.a esquadra o perseguio fort- | emte eas 2 horas datarde athe as 10 danoite com balas q passa- | uão porentre osmastros doseu hiate estando quasi encalh- | ado na praia ecom lancha fora aponto de dezam-parar a sua emb- | arca.m enuocando ada Snra lhe escapou se foi recolher a bahia de Casca.

81Igreja de S. Francisco. Vila do Conde.

82Milagre q. fes. Nsa das Nesesidades a Antonio Joze de Sovza q. indo para Sebi- | lha a 7 de Setb.ro doano de 1797 foi tomado de huma galiota franseza e andov 24 | oras prezuneiro e rrecorendo o patrosino desta mai D,s lhederão soltora e seg- | virão o sev destino comfelesidade

83Santuário das Necessidades. Barcelos.

84M. que fez o bom Jesus do Monte a João Fermeira o qual estando capti- | vo em Argel nove annos apegando-se com o mesmo Snr. foi resga | tado

85Bom Jesus. Braga.

86Em terra, porém, não são menos numerosos os terrores e os sobressaltos que inspiram a promessa. A guerra (fig. 6) em primeiro lugar :

Milagre q. fes N. Snr. daprizam Ioze Ioaq.m | melîcîano deregîmento de V.a de Conde por olibrar | dosprigos emq sebîo nacanpanha por vlti ma- | mẽnte por olibrar doservico de mêlitar recoreîo aeste Snr îlogo lhe fes o milagre anno de 1824

87Igreja da Misericórdia. Póvoa de Varzim.

88Mqfes. oSnr de | Matvzinhos.a-hum-see deuo- | to-que sendo-prezivnado- | por-hum esco.a. drao-fra- | nces.donde.nao-podîa es- | capar.sem.qve.fose-por- | milagre-dodito Snr ocoa- | al.foi.servido livralo | de tam grande prigo | pesigeiro de seber.era | d 1812

89Bom Jesus. Matosinhos.

90Depois os ataques de companheiros volvidos em ladrões, as hordas que assaltam no despovoado (fig. 7), os tiros vingadores ou traiçoeiros:

Milagre que fez S. Torcato a José Antonio Marques da Matta da Povoa | de Varzim que vendo-se em perigo no mez de Fevereiro de 1874 no rio | Paraguay na viagem que fez para os hervaes com tres passageiros estes | se tornaram assassinos de seus dois companheiros escapando o devoto depois | de muito mal tratado e lançado ao mar por o julgarem já morto, e recuperando os sen- | tidos recorreu a S. Torcato ao auxilio de quem reconhece dever a vida.

91S. Torcato. Guimarães.

92Milagre que fes o milagro | zo Saõ Gonsalo damarante no brazil | a Manoel Pereira Marante vi | ndo davila noba da rainha aos 13 de janro de 1744 ãs vindo pa sua caza em hũa serra de 3 le | goas sem Paboasam nomeio.dela lhe sairão.nouenta.e seis.negros.todos.armados.conspin | gardas.e Pistolas, e Facois. e o sercarão.nomeio. e lalhe. tirarão, o bistido. e o rubarão. e o lebarão. p.a de | ntro. dehuma. berenha. p.a omatarem. ela. bio. estar.4.corpos. mortos, daquele, estante, e hu. bibo. amara | do. q. dahi. apouco, o matarão, asua. bista. ebendo. esta, tirania, se baleo. do milagrozo. S. Gonsalo. p.a que | lhe. deixase. auida. elogo. lhe. derão. esperansa. deuida. easim. q. chegou, anoite. o largarão.

93S. Gonçalo. Amarante.

94Millagre que fes S. Trocato e Manoel I.e Lopes | de Miranda, da freg.a de Cristello estando em prigos de uida por causa de um tiro q lhe derão nas Costas e logo q re- | correu a este milagroso Sto foi restabelecido á Sua Saude | Concelho de Barcellos 1847

95S. Torcato. Guimarães.

  • 30 THOMAZ PIRES, ob. cit., págs. 9-10.

96Ou ainda os assomos dos lobos nos matagais (30) e as supresas dos cães danados :

Milagre que fez u milagroso s torquato a Manuel José Barvosa | da freguezia de Gemezes a chandose ferado de um cão que anda | va com a ravia com muito sosto birra logo que se lamvr | ou du milagroso s torquato logo ficou ã leviado du sosto não | tive prigo algum; Feito no anno de 1883

97S. Torcato. Guimarães.

98Ou mesmo as desgraças que a manha e o medo dos animais dóceis imprevistamente provocam :

99Millagre que fes Nosa Senhora do PillaraThereza Maria d.a cidade | de Braga aquoal estandona uespora dafe.sta da Senhoradeste anno de | 1748. no Sitio deste Castello Com huã mulla esta Asim que sentio o estrondo do primeiro Fuguete tomou medo & Fogindo Aleuou Arasto Com a Corda em que Seembara | çou pera o desppenhadouro a onde Chegou & lançando jaasmaos porelle abaixo adita | Mulher & todo omaispouo.ahiestava Clamarão pellauirgem Santisima do pillar & logo A | Bestala boltou do preçipicio em que estaua & adeuota molher Ficou liure de tam grande | Perigo.

100Santuário do Pilar. Póvoa de Lanhoso.

101M. qfes N.S.radoPilar, aManoel filho, dem anoel dearvio Lanhozo, questando amor | te dehvm,coise de hvmã mvla, q lhe, fes, hv | boraco, na cavesa q selhe viaõ os miolos | elhe tirarõ o cacõ, dacavsa, aosp | edãsosecha mando pela V N Sra logo tive, sa- | vde. Anno de 1768.

102Santuário do Pilar. Póvoa de Lanhoso.

  • 31 ANTÓNIO CARVALHO DA COSTA, Corografia portugueza, e descripçam topografica do famoso Reyno de Portu (...)

103E já nos tempos remotos em que certas feras ainda infestavam algumas serras portuguesas a ocasião se proporcionara para a Virgem rebrilhar em prodígios. No termo de Gouveia « havia densas matas, aonde se recolhião Ursos de espantosa grandeza, hum dos quaes fez preza em hum menino ; & porque seu pay o foy seguindo, & chamando pela Senhora do Couto que lhe valesse, & o Ceo permittio que no mesmo lugar junto á Ermida deixasse o bruto a preza intacta, & sem algum genero de moléstia, começou por este motivo a ser tam grande o concurso da gente neste lugar implorando o patrocínio da Senhora, que em breves tempos se virão as paredes da sua Capella cheas de insígnias, & memorias de milagres» (31).

104Contam-se ainda numerosos desastres, dentre os quais particularmente dominam os atropelos (fig. 8), os desabamentos e as quedas :

Manoel Salvador e sua mulher Ignacia das Dores naturaes das Auriolas offerecerão esta memoria a | N.S. de Aires em acção de graças por ter livrado d’uma morte desastrosa ao dito Manoel Salvador no | anno d’ 1812

105Capela da Senhora de Aires. Viana do Alentejo.

106Mge q fes a Rainha Sta Izabel, a Manoel filho de | Thome Ferreira, do Svbvrbio de Sta Clara q passandolhe por | Sa hvm carro carregado de lenha esta Sta olivrou. Anno 1729

107Santa Clara. Coimbra.

108Milagre feito Por Nossa Senhora do Pilar a Manoel José da Silva do lugar de cima de Villa desta freg.a de Lanhozo, que no dia quatorze de Janr.° de mil oito centos trinta e nove ficou debaixo | de hum monstruozo Pinheiro, estando-se a traçar com um Serrão, reduzido a um lamentavel estado, e em grande Perigo de vida, e como com viv | a fé invocasse a S.ma Virgem N. S. do Pilar, ella lhe acodio, e o livrou do Perigo; dando-lhe elle em remuneração. de tão. alto beneficio hũa esmola, e ficando obr | igado a dar-lhe annualment.e em q.to vivo 1$200 r.s= = | S. Thiago de Lanhozo 22 de Junho de 1840.

109Santuário do Pilar. Póvoa de Lanhoso.

110M. qve fes N.S. dabadia abalthezar dearavio da | frg.a des. p.° de Figrd.° andando ele alem devilla real emsim | a dehva caza 30 palmos de alto escoregoi chamoi porn.s. nõa teve prigo

111Santuário da Abadia. Terras de Bouro.

112M.que fes Sr de matuzinhos Antonio Ioze demaSedo da Sidade do Porto que no dia 20 de Ianeiro | vindo Pelo Caminho das funtainhas Para cá oPé d omirante dofontana Sedentalmente | Cahi o PelomonteaBaixo queveio tera Porta da caza da Polbraque sendoalto 52 | Baras que cubrou hua Perna eficou muito maltratado em perigo devida | E Recorendo omesmo Senhor ficou libre detodo Prigo. No anno de 17...

113Bom Jesus. Matosinhos.

  • 32 A cidade de Lamego, in O Século, pág. 2, col. 2, de 5 de Janeiro de 1896. Lisboa.
  • 33 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, II, pág. 180. Pereira ed. Lisboa, 1887.

114Neste último despenha-se o desventurado por um fraguedo iminente ao Douro onde uma vela de pendão inflado passa. Ao alto, juntas a muros de quinta, algumas personagens têm gestos de estupefacção alanceada. E a epígrafe, traçada numa faixa de lata anexa à moldura, pode efectivamente fundamentar o anedótico retábulo em que alguém agradece à divindade « o haver quebrado só uma perna podendo ter quebrado as duas» – gracejo, afinal, referido a Milagres do santuário dos Remédios, em Lamego (32), ao das Necessidades (33), a Barcelos, a Vila do Conde, ao Alívio, à Abadia, a Matosinhos e até à Arrábida, no Porto !

  • 34 Extractos archeologicos das « Memórias parochiaes de 1758 », in Archeologo Portuguez, III, págs. 15 (...)

115Todavia por mais do que uma divina figura o milagre se completa – na lenda da Nazaré e suas variantes, como a da Senhora da Guia, no Cabo da Boca, em que um menino é lançado pelas bruxas a um despenhadeiro (34), e a da Senhora da Peneda, na Gavieira, onde um cavaleiro de calção, meia, casaca bordada e rendas se vai a precipitar dum penhasco, no momento em que, intervindo a Virgem, se detem a montada :

Mila’gro qve|| Nosasra daPeneda|| | Conthome, frz||, deSovza davila|| | de Valadares|| aos 24 Deagosto[] | de 1731 anos

116Santuário da Peneda. Gavieira.

117Certos litígios e as desavenças domésticas dão ainda aso para se recorrer à munificência divina, num conflito vinculado a partilhas, por exemplo :

Milagre q fes S. Trocato a José Gomes de Campos e a sua | mulher da Freg.a de Villar de Figos do Concelho de Barcellos, q vendo a sua Caza | quaze perdida por traiçoens de irdeiros chegarão afazer com q se tirase | uma folha do Livro do Rexisto p.a milhor opoder roubar., apegarão-se com este | milagrozo s.to permetendole um Touro q pesuia e logo lhe forão discobertas as falcidades q lhe ti- | nhão tramado e hoje esta com a sua casa libre e deximbaracad... em 1856

1185. Torcato. Guimarães.

  • 35 Esboceto cit., págs. 41, 44 e 45.
  • 36 Esboceto cit., pág. 28.
  • 37 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, ob. cit., I, pág. 443.

119E a mãe que se vê desolada pelo filho ausente, a amante que alcança a legitimação dos filhos e a reabilitação da mancebia, ou o devoto que estando a enforcar-se, por visível traça do Inimigo, invoca o Senhor e logo se vê livre do perigo (35), originam outros retábulos onde a misericórdia de Deus é exaltada e verberadas as manobras do Diabo ! É este espírito tenebroso que com as suas mortificações persegue um devoto de Jesus dos Passos da Graça, só liberto de tantos malefícios depois de exorcismado pelo reverendo padre José dos Anjos (36) ; é ainda um frade quem, em 1712, lança fora dois demónios que atormentavam uma doente de Baldreu ; outra pecadora, a quem acode a Senhora da Abadia, vê-se ilaqueada por cinco (37) ; e duas irmãs, no concelho de Barcelos, apossam-se de tal medo, que, sem dúvida alguma, é o mafarrico a empecê-las :

M. que fes N. Srã das Necessidades a es-| tas duas irmãns ; em as livrar dos effeytos q. | nellas causou hum grande medo : feyto por | illusam do Demonio

120Santuário das Necessidades.

121Vêm contudo, em grande número, se não constituem frequentemente a maior parte, os penhores de gratidão pelos triumfos da saúde. Uma ou outra vez a epígrafe notifica, para mais exalçar o milagre, o abandono dos físicos :

Milagre q fes | Nosa Senhora do | Carmo a hun seu | deuoto estando | despedido dos | médicos milhorou | em 8 dias no ano | de 1712

122Igreja de S. Vicente. Bragança.

123Milagre que fez N. Snr.a da Madre de Deus a Antonio de Sousa, d’es- | ta villa, que achando-se gravemente enfermo, e sem esperanças | de melhoras, com os meios de medicina de que uzára, recorreo á | virgem Sanctissima de quem obteve as melhoras que tanto desejava

124Capela da Madre de Deus. Póvoa de Varzim.

125M.q,f, Ns,a da Porificacao’ da frga | de S. Chistouoa’ de Riamau aoseu deb | oto Ioao’ Lopes Fer,a dadita frg,a dol | ugar da Qumta q’estando grauemente | mulestado ia mariundo idezemparado médicos i corgioms iu | padre aiudalo abem morer recoreo a birgem Nosa S,a | logo requparou asua saude nu anno de 1831

126Matriz de S. Cristóvão de Rio Mau.

  • 38 SUPICO DE MORAIS, Collecçam politica de apophthegmas memoráveis, Parte II, Liv. II, pág. 240. Off. (...)

127A retirada da ciência impotente é mesmo acentuada às vezes com um relevo que atinge o sarcasmo no retábulo outrora existente na igreja da Penha de França, em Lisboa, onde o doente agradecia à omnipotência celeste por se ver livre de quatro facultativos (38) !

  • 39 SALOMON REINACH, Chronique d’Orient, in Rev. Archéologique, IV, notas de págs. 78-81. Leroux ed. Pa (...)

128Como na antiguidade helénica, cujas estelas exumadas no Peloponeso davam conta das chagas, dos tumores, das úlceras, das paralisias, dos cálculos, da hidropisia, da tísica, da mudez, da cegueira, da gravidez laboriosa e de tantos outros achaques curados no sumptuoso templo de Epidauro (39), os actuais quadros votivos referem as mesmas curas maravilhosas sob a protecção eficaz dos seus santos veneráveis. Poucos são os que se restringem a memorar vagamente uma moléstia indefinida (fig. 9):

M.q.fes o Sr. naprizaõ. aM.el Franc.0 Lixandre d. frg.a | de Nauais q tendo doente sua M.e e F.° ieste sem esperanssa deuida jadesenganado | a q. nao chegaua ao outro dia uiuo lembrace ele doS.r naprizaõ, rrecore aele | ocóal foi oSr sseruido ouvir os ceus rogos elogo teue milhoras ate ficar com sa- | ude pe rfeita oscoais uieraõ comprir ouoto premetido ao m.os Snr. 1819

129Igreja da Misericórdia. Póvoa de Varzim.

130M.q.f.N.S.d.P.e ã Joze Lovrenso dolvgar | da Prova frg.a d. Passo q.padecendo hũa grave | qveixa epegandose com adita Sra ficov lî- | ber detoda qveîxa. anno d. 1796

131Santuário da Peneda. Gavieira.

132M.q.fes. N.S.P.S. Francisco a D Ma Thereza Locanno ( ? ) desta va q. padeçen | do hvã crabe qveixa porespaso de 4a. logo q. resebo oSto abito | do serafico P. teve savde. estando desamparada demedicina humana, 1752 a.

133Igreja de S. Francisco. Vila do Conde.

134Milagre q.e fes N.a Snr.a | no anno de 1821 ao sar- | gento mor Ant.° Felipe | de Az.d0 Cout.° que estan | do em artigos de mor | te lhe ualeu eo cons | serua com uida

135Matriz de Ancede. Baião.

  • 40 REINACH, Chronique cit. in Rev. cit., nota de pág. 79. •– O MESMO, La seconde stèle cit., pág. 270. (...)

136Geralmente anota-se a doença conforme o vocabulário popular. Assim a esterilidade mórbida, que na Grécia antiga era objecto determinante de preces a Asclépios e de miraculoso deferimento (40), viu-se já ter ensejado actualmente a mesma solicitação e, por fim, a devota conceber. Seguem-se os percalços do parto, da primeira infância e a saúde dos filhos:

M.QFes o Sr de Ma.tos a M.a da S.a, mer de M.el glza de Parada, q es-| tando pa parir com desmancho departo, de q perdeo o Iuizo, e foi tirada a Criança p- | ello Surgião, q com m.to traualho Sahiu aCriança com Vida, e a Maj foi dezemparada do- | s Surgioins não hauer Isperança deuida comhum flato torino, deq. tinha perdido o | s Sentidos, ela Com abbito em Sima desi uendo hum bizinho esta necessid.e Se apego- | u Com agente da enferma delhefazerem hũa Romaria todos descalcos, e a enferma | vestida com o abbito epezada atrigo ficou liure de perigo, e com Vida

137Bom Jesus. Matosinhos.

138M,Q,F, o Sr datribvna a Jvze Lopes, dematvs de | Gatois q este de.vinosr foiserivdo de selem-brar dasv | a nisidade, q teve hvm minino de, trinta etres dias | e a sim q. se pegov com odito Sor logo mamõem sva may foi | este em oanno d e 1759 anños

139Museu Municipal da Figueira.

140Milagre q fîs S. Tiago a.hva de | vota dandelhe savde a. este me | nino estando cazi morivendo

141Capela de S. Tiago. Póvoa de Varzim.

142M.Q.F.N.S.a do Bizo a Joze Benedito de Mateo | Q. tendo sva Filha doura lhede Joizo

143Capela da Senhora do Viso. Fontes (Penaguião).

  • 41 Esboceto cit., pág. 29.

144As várias formas indeterminadas da loucura motivam referências simplistas à « doudice frenética» (41), ou painéis onde o desgraçado, preso entre quatro homens, ainda é agrilhoado nas mãos e nos pés por sólidas gramalheiras :

Milagre q.fes N.S.Dauabia aJose Cardo | zo P.° do Logar da lapinha concelho de S. Gusmado q. estando muito | duente e perdido do juizo prezo de pés i mans com ferro, chamandoce çua mulher | a nossa S. lhedeu saude.

145Santuário da Abadia. Terras de Bouro.

146O reumatismo (fig. 10) e a hemiplegia entram naturalmente com grande vulto no quadro nosográfico popular :

Milagre que fes N.S. dAbadia em D. | Maria deBaros, pela livrar de h | vmas grandes camaras, ano | de 1733 ã.

147Santuário da Abadia. Tetras de Bouro.

148M’ q f’ o sr’ d Matvzinhos’ aIozeta | Maria’ deIezus’ dasidade’ doPorto’ estan | bo’ com hvm’romatismo’ chamando’ pelo’ s’ teve saude

149Bom Jesus. Matosinhos.

150Milagre que fes a Milagrosa S.taRita de Cassia a Maria José Lopes | de Faria Molhado, achando-se aleijada de todo sem sepoder | mover, e voltando-se para a Milagrosa S.talogo de um dia para | outro seachou sam de todo como senada tivese.

151Igreja do Pópulo. Braga.

152Mc.e que fes o Sñr Bom JESVS dematusinhos a Joaquim Pr.aRoza da V.a do R.e Bispado | depernanbuco que estando com Euma Constipação dos membros Ecoaze estoporado | Sacramentado eungido Sem mais Remedio q. odomesmo S.r oinvocou ecobrou Saude ep.a memória | dosfies mandou fazer este epollo em Sua S.ta Caza para fervor doserictamos (?) R.e 2 de Mc.o de 1764

153Bom Jesus. Matosinhos.

154E por igual as doenças infecciosas se contam em número, com a variada percentagem dependente da especialidade curativa do patrono :

Milagre que fez S. Vicente, a José Pires Machado Negocian- | te d’esta villa, pois que achando-se sua mulher, asim como | sua filha, doentes com a variola, este recorrendo ao milagrozo | Santo operou o Milagre

155Capela de S. José. Barcelos.

M. q. fes. S. Bartolamev, aMa Ioãõ, de Alfena | dolvgar de Pvnhete, q estan do emfermade | maleitas, seapegov ao di.to S. logo teve savde.

156Capela de S. Bartolomeu. Valongo.

M. q. fes Este S.or A Manoel Frr Zeão da frg.a de S. P.° Fins de Frr.a | que estando Com hũa grande malinna Chmando se a elle Sea Chou bom | no anno de mil e Sette Sentos e Corenta e Cinco anos

157Igreja do Horto. Póvoa de Lanhoso.

Milager q fes NSra do Alivio a Mel Franc0 Praca | de Va de Cde onde tinha sua Mel de febre malinosa | de zengna de medico e svrgiam ia por ttes vezes com avella | na mam recoreo a mai de Ds logo lhe mostrov este mila | gre em 2 de Dez° 1819

158Santuário do Alívio. Soutelo (Vila Verde).

159M, q, fes Nossa Snr.a de Soccorro a Maria Ioanna do Socco- | rro etambem a Anna Thereza q’estando com malin| a hambas deduas irmais munto doentes recorrendo 1835

160Capela do Socorro. Vila do Conde.

161Algumas hemorragias, com o pavor do seu espectáculo lancinante, dão lugar a prolixas legendas em que a aflição do enfermo, a amargura dos assistentes, certos sinais queanunciam a graça e o gozo inefável do remate aquecem ardidamente o fervor da homenagem :

Merce q. fes N.S.ra da Comceição a M.el Nog.ra deste lvgar de Azvrar no | anno de 1720 estando doente,dedoençaq.lençavasan-|gvepelabocaedomingodelazarosefesivntapelama- | nham e ávista deles botov 3 golpadas, de sangve eles sa- | pertaram com as mãos dizendo que só Deus podia acvudir- | lhe porq.to vinha do bofe, e logvo pegov com a S,ra da com | ceiçam lhe acvdise, e pelas dvas horas da noite nomes | mo dia aparesev hvm pasarinho de baixo do cortinado comt.° es | trondo q. fazia medo elogvo com a merce da D.aSra tem savde

162Igreja de S. Francisco. Azurara.

163Milagre q fes o Senh.0rdeMatozinhos escipriano Ribero Dias morador noR,°deIanro. Pois | botando treze horas sangev pella benta donaris direita etodo esgotado ia de- | sangve sem esperanssas devida comacistencea demedicos esvrigiois selembr- | ov od.to emfemo ter em sv podr hvma med.a do dto Senr.or Alanssov aopescosso com m.ta | fe easeguda volta damid.a estanco o sangve emilagroza mte escapov damorte deq | lovvo o sev soberano Senror delhedar vida p.a o servir. Hoie 1745

164Bom Jesus. Matosinhos.

  • 42 Cumpre notificar que não são incluídas no texto outras e numerosas epígrafes recolhidas pelo A., ev (...)

165O quadro comporta ainda a apoplexia e a meningite, o catarral e a nascida, a veia rebentada e até a cegueira, outras, muitas e variadas afecções de que, já agora, basta apenas arquivar poucos exemplos (42):

166Milagre q fes o Senhor... (?) o pe Ma | rcalino Qvaresma darancada q o livrov de | hvma febre ardentisima em setembro 1727

167Capela do Senhor das Barrocas. Aveiro.

168M.que fez o Bom Jesus do Monte a João.Ribr.0 da Fig.a de Souzella q estando doente | Com huma retenção ficou com saude no anno de 1785

169Bom Jesus. Braga.

170Milagre q Fez o Senhor domonte a Ant.° Luiz desza Aro Menezes | Capã° de Granadros do Regimto da Barca estando com hua febre e hua Retenção | Sem esperançadevida Recorrendo ao Bomjazus domonte logo foi livre daquelas | Moléstias.

171Bom Jesus. Braga.

M. q. fes S. Gonçallo, a Manuel, J.e G.lz da rua do Covêllo, q. estando a morte com huma rotura | a quatro dias se não podia recolher; e os m.mos facultativos promptos p.a se lhe fazer operação, o enfermo se | apegou com devoção ao d.° S. Gonçallo e a rotura se recolheu sem ser nr.° mais deligencias dos facultativos

S. Gonçalo. Amarante.

M.q.fis oS.or doOrto A- | tiedozio deAr.° deta | frg.a tendo hvã. grande | qveicha emaboca dezenp.° | dos m.os esô este S.or olîbrov.

Igreja do Horto. Póvoa de Lanhoso.

M.q.fes oN.P.S.Francisco aRoza Maria desta | villa.q.estando emferma de hvm erzipilaõ ma- | linno, ella recvrev ao dito S.to e logo. tive sade | no anno de 1746

Igreja de S. Francisco. Vila do Conde.

Milagre q fes o S.or do Monte a An.to Joaquim Fer.a Braga estando | com hua peloura se apegou com o Senhor lhe deu saude como dantes

Bom Jesus. Braga.

Milagre q fez a Sa do Porto dAve na RM. Maria Thomazia Religiosa de Santa Clara da V.a de G.es q estando gravemente com | huns flatos q lhe costumavão dar ; e aleyjada de hua mão de sorte q não podia abrir os dedos e também hũpé, q se não mexia | e tendo de vespera levado 4 sangrias por causa da d.a mollestia; amanhecendo no dia 28 de setembro | com dor q lhe deo de noite, de q estava sem sentidos; envocarão algumas religiosas que ahi se achavão a da sra por milagre a mesma se pos | repentinamente a pe livre de toda a mollestia

Santuário da Senhora do Porto de Ave. Póvoa de Lanhoso.

O Capitão da Escuna – Ermelinda – José Rodrigues Sampaio tendo sido atacado de uma grave enfermidade d’olhos, que o tinha | tomado quasi cego, na occazião em que seguia viagem do Rio Grande do Sul para Londres, attenuando a sua moléstia | a trabalhosa viagem de 104 dias daquelle para este porto, conseguio por auxilio do Senhor da Saude chegar a salvamento ao porto | do seu destino, motivo porque pendura das paredes d’este Sanctuario este testemunho de gratidão.

172Capela do Socorro. Vila do Conde.

  • 43 REINACH, Chronique cit., in Rev. cit., pág. 81.

173Ora não se adstringem às massas populares estas manifestações gratulatórias, como era possível inferir-se da cacografia das legendas e da barbárie pictural. Alguma coisa perdura, realmente, de humilhante para os homens ao constatar-se que a sua credulidade nada diminuiu há mais de dois mil anos (43) : mesmo as classes convencionalmente cultas buscam, por vezes nesta excrescência do subsolo pagão a forma de exteriorizarem a sua expansão agradecida. É um estudante :

Milagre que santo anto fes: a este estudante: que estaudo es | tancandoce: deçangue: chamou: pelo Sto elle lhe acudio conaçaude

174Santo António dos Esquecidos. Braga.

175É um cirurgião :

M. q. fes N. S.ra dãchada a M.el da Fonc.a Gomes | cirvg.am, estando p.a morrer de hvmasv | pessam de vrinas, mes de nob.ro 1720

176Senhora da Achada. Vila do Conde.

177São os clérigos (fig. 11) :

M q f oSro dMatzos aeste clerigvo daside do- | Porto q estando grabe mte emferm recorr- | eo aod° sro e logvo teve savde no ano de 1753.

178Bom Jesus. Matosinhos.

M. q. fes asnra Sta Barbara | ao rd° p.e Franc.° capellão mor desta fortalelza | era 1813

179Capela da Senhora do Castelo. Póvoa de Varzim.

Milagre que fez o Sr. do Bom Jesus ao P.e Manoel | Villa-chã Pinheiro, da Freguezia de Fão em | Julho de 1881

180Santuário do Bom Jesus. Fão.

M. qve fes omenino Iezvs ao | P.e F. Agosto valendoce dosev amp | aro em hva grave emfirmidade

181Igreja do Menino Deus. Barcelos.

182É ainda este homem nobilitado que manda expor um painel onde, na epígrafe, se interpõe o brasão, e do qual só persistem actualmente a coroa e o contorno do escudo :

Milagure q. ffes N. S.a da Badia e S.ta Rita de Cacia, a Luis de Sequeira | Machado de Miranda e Azevedo Cunha egusmam, da Caza da Brea, | da ffrg.a de Vermoim, termo de Barcelos, q. estando gravemente emfermo, | Sem es peranças de Vida pormuitos Remedios q. tomou, se apegou Cum- | grande devoção effé aMesma S.a e S.ta Rita de Cacia, Só assim achou alivio | no Anno de 1789 ãs.

183Santuário da Abadia. Terras de Bouro.

  • 44 Centenario do descobrimento da America. Memorias da Commissão portugueza, nota de pág. 12. Tip. da (...)

184Certo, entretanto, que em alguns retábulos já afastados a mesma intenção se expandia sob uma forma artística mais culta. Uma pintura em tábua do Museu das Janelas Verdes, e que fora do mosteiro de Palmela, figura um cavaleiro de S. Tiago ajoelhado, com o elmo ante si e fazendo voto, divisando-se ao fundo grupos de cavaleiros mouros e cristãos aprestando-se para a liça (44).

  • 45 ALFONSO HINCKER, Noticia bibliográfica sobre um artigo de E. A. STÜCKELBERG, in O Instituto, vol. 4 (...)

185Outro retábulo, gravado e esmaltado em bronze e pertença da Cartuxa de Basileia, tem a proveniência heráldica da casa dos duques borgonheses. Na metade superior avulta a Piedade sob a cruz, vendo-se atrás vários anjos com os instrumentos da Paixão, à direita Santa Isabel e à esquerda o padroeiro da casa de Borgonha. Em frente e de joelhos estão o duque Filipe o Bom, o. filho Carlos o Temerário, a duquesa Isabel e os filhos desta, mortos novos, cada qual armoriado. É um quadro votivo de primorosa arte borgonhesa (45).

  • 46 GABRIEL PEREIRA, Estudos eborenses. VII, Bellas-Artes, pág. 20. XXIII, Evora nos Lusiadas, pág. 6. (...)

186Mais tábuas, por fim, da mesma índole ultimam a prova da extensão dessas demonstrações de reconhecimento e crença em toda a escala social. Assim é que na Sé de Évora quatro pinturas em madeira celebram o voto de Afonso IV a propósito da jornada de Salado. Numa o monarca faz o voto antes de se partir contra a Mourama ; na segunda representa-se a saída ; noutra chega o rei entre homens de armas com o príncipe sarraceno prisioneiro ; e na última cumpre o voto prometido (46). A alguns milénios de distância, noutras civilizações e perante outras divindades, este remoto monarca português e as longínquas majestades do Oriente da mesma sorte assinalavam a crença e a cubiça !

  • 47 L. F. JÉHAN, Dict. des origines du christianisme (tom. XV da Encyclopédie théologique, de Migne), p (...)

187A ininterrupção do uso dos retábulos votivos apura-se nas alusões dispersas pela literatura mística e histórica. Nos primeiros séculos da Igreja – conta um escritor católico com a parcialidade sectária tradicional e característica – ao tempo das peregrinações iniciais, agradeciam-se benefícios, extinção de flagelos e curas miraculosas suspendendo das paredes das capelas certas inscrições narrativas acompanhadas, às vezes, da representação pictórica dos milagres. Estas foram a origem, explica o exegeta, dos ex-voto que ornam a maioria das igrejas francesas (47) ! As referências depois emergem a propósito de obras artísticas, de acontecimentos históricos e de sentimentos piedosos.

  • 48 O A. teve notícia deficiente e vaga de retábulos votivos populares do séc. XVI ainda subsistentes, (...)
  • 49 Exts. archs. cits., in Arch. cit., pág. 154.

188Mas subsistem retábulos a contar principalmente do primeiro quartel do século XVIII, e porventura do século anterior (48), deteriorados, removidos e substituídos, como hoje se pratica, os mais antigos, e conservados os de melhor estado, os mais recentes e os mais miraculosamente interessantes. A pretexto do célebre milagre da Senhora do Cabo da Roca a notícia paroquial elaborada nos primeiros anos da segunda metade do século XVIII referia que o milagre aludido o vira muita gente num quadro estampado na igreja, o qual, com outros, o tempo consumira (49).

  • 50 Esboceto cit., pág. 42. – TH. PIRES, ob. cit., pág. 7. – Na catedral de Orense é vivamente apreciad (...)
  • 51 P. SÉBILLOT, Le folk-lore des pêcheurs, pág. 92. Maisoneuve ed. Paris, 1901.
  • 52 SÉBILLOT, Etudes maritimes, pág. 16. Vanes, 1890. Um dos quadros votivos a que o autor alude diz re (...)

189As actuais tabulœ votivœ portuguesas, espanholas (50), italianas (51), francesas (52), outras mais, sucessivamente se enlaçam através dos depoimentos históricos e artísticos, louvando as graças divinas de passo que elevam sobretudo a fortuna suprema da saúde e da vida. Assim, em modestas ermidas ignoradas ou nos grandes santuários em voga e desde as vilas e cidades litorais aos remotos burgos serranos, estes tributos de veneração agradecida em honra e para glória de Deus são ainda o eco pouco alterado dos padrões que, há mais de vinte séculos, já pregoavam as divinas faculdades curativas dos deuses de então. Como os santos católicos, advogados alguns das enfermidades mais vulgares, também as divindades pagãs, secundárias ou proeminentes, se especialisavam nas virtudes : as Anígridas libertavam das afecções de pele e Diana, em Éfeso, curava as doenças dos olhos!

  • 53 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Æsculapius, de FELIX RUBION, I, pág. 125.
  • 54 REINACH, Répertoire de la Statuaire grecque et romaine, II, págs. 31-7 do 1.° vol., e 611-2 e 780 d (...)

190A grande figura, contudo, dos tempos helénicos era Asclépios e, subordinadamente, sua filha Higia – não raro figurada junto ao leito do deus e ambos recebendo as acções de graças daqueles sobre os quais descera a piedade divina (53). Na sua majestade soberana, porém, Esculápio surgira de pé, semi-nu, laureado e apoiando-se no bastão onde coleava a serpente (54).

  • 55 GROTTE, ob. cit., pág. 204.
  • 56 LECHAT, ob. cit., págs. 23, 24 e 35.
  • 57 J. TOUTAIN, Bul. arch. de la Relig. grecque, in Rev. de l’Hist. des Relig. cit., tom. cit., fase. 3
  • 58 REINACH, LeS chiens cit., pág. 133.
  • 59 HUBERT DEMOULIN, Les fouilles de Tinos, in Annales de la Société Archéologique de Bruxelles, XIX, l (...)

191Nos santuários católicos é preferentemente a Cristo ou à Virgem, à mãe e ao filho, que se dirigem os louvores – com profusão nos grandes templos de afeição e de crédito, mais escassos nas capelas humildes e remotas. Ora dominando a celebridade de Epidauro sobre a de outros templos, como os de Trica, de Cós, de Cnide (55), de Messena, de Cirena, de Telpousa (56), de Lebena (57), de Atenas (58) ou de Tinos (59), nem por tal os retábulos votivos, em menor número, deixaram de expressar, com o mesmo ardor os mesmos hinos.

  • 60 GROTTE, ob. cit., pág. 207.
  • 61 LECHAT, ob. cit., pág. 37.
  • 62 HERTZBERG, ob. cit., pág. 213.

192As estelas que rodeavam o templo famoso da Argólida formavam, além duma decoração interessante para o terreno sagrado (60), um memorial e uma história das curas prodigiosas que, já antes de Troia, enalteciam as virtudes e a omnipotência do deus. O santuário erguia-se num vale, cercado de montanhas vestidas de timo, mirto e oliveiras (61) e vedado por muros que cingiam ainda os edifícios destinados para as festas e os bosques umbrosos sob os quais passeavam doentes e romeiros (62).

  • 63 VERCOUTRE, La médecine sacerdotale dans l’antiquité grecque, in Rev. Arch. cit., VI, pág. 274. Pari (...)
  • 64 HERTZBERG, ob. cit., pág. 213. – LECHAT, ob. cit., pág. 233 e segs.
  • 65 VERCOUTRE, ob. cit., pág. 276.

193Todos os outros templos da mesma invocação, como ao diante e agora muitos santuários cristãos, eram edificados em cômoros onde o ar saneado pela vegetação e altitude e as águas límpidas ou minerais do lugar, tornavam eficazmente salubres (63) essas estâncias de cura e de fé. Em períodos certos as solenidades a Asclépios atraíam uma afluência extraordinária provinda de todo o mundo antigo conhecido (64). E habilmente os padres juntavam os doentes à multidão para assistirem deslumbrados, como agora em Lourdes, a algumas curas surpreendentes (65).

  • 66 HERTZBERG, ob. cit., pág. 213.
  • 67 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Incubatio, de HENRI LECHAT, III, págs. 458-60. – LECHAT, ob. cit., (...)
  • 68 VERCOUTRE, ob. cit., págs. 279-80.
  • 69 REINACH, Chron. cit., pág. 82.
  • 70 VERCOUTRE, ob. cit., pág. 276.
  • 71 VERCOUTRE, ob. cit., in Rev. cit., VII, pág. 109. Paris, 1886.

194Aos banhos frios, primacial elemento curativo (66), seguiam-se os jejuns, os quais, com a obsessão da doença, a divina arte e sumptuosidade dos templos, a fascinação do grandioso certame e a ardente fé em Asclépios, preparavam admiravelmente para o êxito dos sonhos (67), e, como ainda hoje, para a eclosão das alucinações (68). Com a arte de tratar adquirida pelos padres, a princípio por meio de simples sonhos provocados, sortilégios e aparições, e muito mais tarde, em virtude do cepticismo crescente, já com a aplicação dos recursos médicos que a experiência revelara (69), a reputação do templo de Epidauro e de outros menores mantivera-se durante séculos com a fama das curas e a opulência e fulgor das oferendas preciosas devidas à liberalidade reconhecida dos doentes (70). Os padres sabiam bem que nada emociona e fortalece a confiança dos homens como o poder misterioso que restitui a saúde (71).

  • 72 Actualmente vê-se uma igreja e um hospital no lugar onde se edificára o templo pagão. Ainda aí se c (...)
  • 73 REINACH, Les fouilles de Cós, in Rev. Arch. cit., III, 4.a série, pág. 130. Paris, 1904. – DAREMBER (...)
  • 74 REINACH, Chron. d’Or., in Rev. Arch. cit., II, pág. 297. Baer ed. Paris, 1883. – VERCOUTRE, ob. cit (...)
  • 75 MAX. COLLIGNON et E. PONTREMOLI, Per game, pág. 47. H. May ed. Paris, 1900.
  • 76 COLLIGNON, ob. cit., pág. 48.

195Florescendo nos tempos do império romano, a ulterior deslocação da imagem de Epidauro para uma ilha do Tibre (72) acelerou a dispersão dos crentes para os templos secundários, de entre os quais o Asclepieion de Cós já promovera a famosa escola grega de médicos (73) e onde remotamente, segundo uma tradição antiga, aliás controvertida, Hipócrates obtivera uma parte do seu saber estudando os registros dos casos nas inscrições votivas (74). Com melhor ou pior fortuna a concorrência dividiu-se : o santuário de Pérgamo alcançou quase a fama do templo de Epidauro (75) ; e Asclépios, na Ásia Menor, renovava os milagres da estância insigne do Peloponeso (76).

9 – Da igreja da Misericórdia. Póvoa de Varzim.

9 – Da igreja da Misericórdia. Póvoa de Varzim.

10 -Do Bom Jesus. Matosinhos.

10 -Do Bom Jesus. Matosinhos.

11 – Do Bom Jesus. Matosinhos.

11 – Do Bom Jesus. Matosinhos.

196Também modernamente o desvio e as modas da fé denunciam, na credulidade humana, a mesma ondulante instabilidade, ocasional, caprichosa, inconsciente ou provocada que diminui a atracção pela Virgem do Pilar em Saragoça, ou por S. Tiago, em Compostela, e que subalterniza La Salette e avulta Lourdes. Na facécia popular a « Senhora do Sameiro foi o Diabo que apareceu ao Bom Jesus do Monte ». Este ofusca ainda os santuários mais modestos do Pilar, de Porto de Ave, da Abadia e do Alívio. Outros competidores, S. Torcato e S. Bento da Porta Aberta, a Senhora da Agonia e a da Peneda, mais distantes, concorrem, antes que esmoreça a esperança e a tradição, com o rumor bem proclamado das suas festas e seus feitos ; mais tarde Santa Luzia, em Viana, e a Pena, em Guimarães, entrarão na briga para lograrem adesão e clientes.

  • 77 VERCOUTRE, ob. cit., in Rev. cit., VII, págs. 112-5.
  • 78 O exemplo moderno mais patente da mutação do fervor religioso observa-se no olvido de antigas e num (...)

197Já na Grécia também, ao introduzirem o culto alheio de Cibele, os velhos sacerdotes lhe opuseram a mais viva resistência ; assim sucedeu pouco depois com a introdução do Diónisos Frígio e, mais tarde, com a das divindades médicas egípcias (77), outras concorrentes atraindo a credibilidade pública, principalmente a feminina, com a pompa dos templos e o brilho das festividades (78), e desta arte criando e firmando novas crenças, ardentes esperanças e óptimos proveitos.

198Os lugares escolhidos para a edificação dos santuários, as águas milagrosas que lhes andam adjuntas, as solenidades periódicas, a exibição das curas assombrosas, as alucinações que desvendam e aproximam as divindades, a multiplicidade das oferendas que engrandecem os templos e alfaias, a especialização dos atributos e poderes divinos, as novas modas dos novos deuses, constituem ainda, como outrora, aspectos da eterna e universal ficção que estabelece semelhantes relações entre o homem e a omnipotência sobrenatural de que julga depender. Ora os retábulos que glorificam Deus memorando a doença ou a catástrofe subjugadas não são mais do que outro pormenor sobrevivente.

199Porto, Maio, 1905.

Notes

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fase. 2.° (Porto, 12 de Maio de 1906), pp. 187-212.
Deste trabalho tirou-se a seguinte separata’. Rocha Peixoto/ETHNOGRAPHIA PORTUGUESA/TABULÆ VOTIV Æ/Com 11 illustrações no texto, reproducções de D. Clotilde da Rocha Peixoto, Francisco Gil,/João San Romão, Joaquim Aroso e José Pinho/Porto/Imprensa Portugueza/112, Rua Formosa, 112/1906/ 30 págs., 211 x 131 mm.

2 PERROT et CHIPIEZ, Histoire de l’art dans l’antiquité. I, L’Egypte, pág. 441. Hachette ed. Paris, 1882.

3 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., NOC. Donarium, de TH. HOMOLLE, II, parte 1.a, notas de pág. 375. Hachette ed. Paris, 1896.

4 G. GROTTE, Histoire de la Grece, trad. de A. L. DE SADOUS, I, pág. 207. Lib. Internationale ed. Paris, 1864.

5 PAUSANIAS, trad. de GEDOYN, liv. II, cap. XXVII, pág. 214. Paris, 1731. – G. F. HERTZBERG, Histoire de la Grece sous la domination des romains, trad. de A. BOUCHÉ--LECLERCQ, II, pág. 214. Leroux ed. Paris, 1888.

6 DAREMBERG et SAGLIO, Dict. e voc. cits., pág. 378. – GROTTE, ob. e pág. cits. – HERTZBERG, ob. cit., págs. 213-4.

7 RICH, Dict., voc. Tabula, pág. 624. F.-Didot ed. Paris, 1861.

8 RICH, Dict., vocs. Tabellæ e Donarium, págs. 619 e 238.–DAREMBERG et SAGLIO, Dict. e voc. cits., pág. 376.

9 J. TOUTAIN, Bulletin archéologique de la Religion Grecque, in Rev. de l’Histoire des Religions, XLVIII, fasc. 2, pág. 204. Leroux ed. Paris, 1903.

10 PAUSANIAS, liv. e cap. cits., pág. 215. – HERTZBERG, ob. cit., pág. 362.

11 J. MARQUARDT, Le culte chez les romains, II, pág. 767. Fontemoing ed. Paris, s. d. (1890).

12 MARQUARDT, ob. cit., pág. 77.

13 E. HÜBNER, C. I. L., II, 21 (Cacém), 173-5 (Lisboa), 2004, 2411 (Braga), 3725-6 e 3819. Berlim, 1869.

14 HUBNER, C. I. L., II e Suppl., principalmente n.os 132, 134, 5203-4, 5207, 6265 e 6261-a. Berlim, 1869 e 1892. –J. LEITE DE VASCONCELOS, Religiões da Lusitania, II, pág. 111 e segs. Imp. Nac. Lisboa, 1905.

15 LOUIS BRÉHIER, Les origines du crucifix dans l’art religieux, pág. 15 e segs. Blond & Cie, Paris, 1904.– DAREMBERG et SAGLTO, Dict., voc. Devotio, de A. BOU-CHÉ-LECLERCQ, II, 1.a parte, pág. 113 e segs.

16 FREY BERNARDO DE BRITO, Segvnda parte da Monarchia lusytana, pág. 391. Lisboa, 1690.

17 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Donarium, pág. 376.

18 FERNANDO CASTIÇO, Memoria historica do Santuario do Bom Jesus do Monte, págs. 132-4. Tip. Camões. Braga, 1884.

19 RIBEIRO GUIMARÃES, Summario de varia historia, IV, págs. 102-3. Rolland & Semiond eds. Lisboa, 1874. – SOUZA HOLSTEIN, Domingos Antonio de Sequeira, in Artes & Lettras, 3.a série, pág. 183. Rolland & Semiond eds. Lisboa, 1874.

20 Além do esboço reproduzido, mercê da concessão obsequiosa do seu possuidor, o sr. João São Romão, existe uma composição mais desenvolvida e acabada, pertença actual do sr. José Maurício Rebelo Valente. Na tradição que diz ser o assunto referente à família do pintor acrescenta-se que é este quem implora a piedade divina.

21 Transcrevendo-se integralmente as inscrições e indicando-se a sua disposição linear compreende-se que não seja possível também a reprodução de algumas das fantasias e incorrecções gráficas a que se alude no texto. Seria necessário estampá-las ; e ocioso se torna explicar a impraticabilidade manifesta.

22 Esboceto historico da veneranda imagem do Senhor dos Passos da Graça e templo da mesma invocação, págs. 30, 32, 35 e 40. Tip. Lisbonense. Lisboa, 1874. – Este opúsculo de dupla intenção mercantil e beata, reproduz inscrições de retábulos visivelmente corrigidas e portanto deturpadas na grafia e sintaxe originais.

23 A. TOMÁS PIRES, Estudos e notas elvenses. III, A egreja do Senhor Jesus da Piedade, pág. 12. T. de Carvalho ed. Elvas, 1904.

24 ALPHONSE DEFRASSE et HENRI LECHAT, Epidaure, nota 1 de pág. 143. Quantin ed. Paris, 1895.– DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Donarium, pág. 378.

25 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Donarium, pág. 376.

26 Esboceto cit., pág. 35.

27 ROCHA PEIXOTO, Os palheiros do littoral, in Portvgalia, I, fig. 7, pág. 96. Porto, 1899.

28 RICH, Dict. e vocs. cits. págs. 238 e 619. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict. e voes, cits., pág. 375.

29 Esboceto cit., pág. 28.

30 THOMAZ PIRES, ob. cit., págs. 9-10.

31 ANTÓNIO CARVALHO DA COSTA, Corografia portugueza, e descripçam topografica do famoso Reyno de Portugal, II, cap. XIV, pág. 249. Braga, 1868. –Expedição scientifica á Serra da Estrella em 1881. Secção de Ethnographia. Relatório do sr. Luís Feliciano MARRECAS FERREIRA, pág. 117. Imp. Nac. Lisboa, 1883.

32 A cidade de Lamego, in O Século, pág. 2, col. 2, de 5 de Janeiro de 1896. Lisboa.

33 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, II, pág. 180. Pereira ed. Lisboa, 1887.

34 Extractos archeologicos das « Memórias parochiaes de 1758 », in Archeologo Portuguez, III, págs. 153-4. Imp. Nac. Lisboa, 1897.

35 Esboceto cit., págs. 41, 44 e 45.

36 Esboceto cit., pág. 28.

37 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, ob. cit., I, pág. 443.

38 SUPICO DE MORAIS, Collecçam politica de apophthegmas memoráveis, Parte II, Liv. II, pág. 240. Off. Augustiniana. Lisboa, 1733.

39 SALOMON REINACH, Chronique d’Orient, in Rev. Archéologique, IV, notas de págs. 78-81. Leroux ed. Paris, 1884. – O MESMO, La seconde stele des guérisons miraculeuses découverte à Epidaure, in Rev. Arch., V, págs. 266-8. Paris, 1885.–LECHAT, ob. cit., págs. 141-50.

40 REINACH, Chronique cit. in Rev. cit., nota de pág. 79. •– O MESMO, La seconde stèle cit., pág. 270. – LECHAT, ob. cit., págs. 147 (31) e 148 (34, 39 e 42).

41 Esboceto cit., pág. 29.

42 Cumpre notificar que não são incluídas no texto outras e numerosas epígrafes recolhidas pelo A., evitando-se desta arte avolumar o presente estudo com materiais carecidos de novidade essencial.

43 REINACH, Chronique cit., in Rev. cit., pág. 81.

44 Centenario do descobrimento da America. Memorias da Commissão portugueza, nota de pág. 12. Tip. da Acad. Lisboa, 1892.

45 ALFONSO HINCKER, Noticia bibliográfica sobre um artigo de E. A. STÜCKELBERG, in O Instituto, vol. 49, pág. 125. Imp. da Universidade. Coimbra, 1902.

46 GABRIEL PEREIRA, Estudos eborenses. VII, Bellas-Artes, pág. 20. XXIII, Evora nos Lusiadas, pág. 6. Évora, 1886 e 1890.

47 L. F. JÉHAN, Dict. des origines du christianisme (tom. XV da Encyclopédie théologique, de Migne), págs. 1108-9. Paris, 1856.

48 O A. teve notícia deficiente e vaga de retábulos votivos populares do séc. XVI ainda subsistentes, mas não logrou examinar nenhum.

49 Exts. archs. cits., in Arch. cit., pág. 154.

50 Esboceto cit., pág. 42. – TH. PIRES, ob. cit., pág. 7. – Na catedral de Orense é vivamente apreciado pela devoção popular o Milagre que, na tenebrosa capela do Santo Cristo, exibe e historia uma horrenda catástrofe.

51 P. SÉBILLOT, Le folk-lore des pêcheurs, pág. 92. Maisoneuve ed. Paris, 1901.

52 SÉBILLOT, Etudes maritimes, pág. 16. Vanes, 1890. Um dos quadros votivos a que o autor alude diz respeito ao ataque dum polvo monstruoso de que escapou uma embarcação bretã à vista da costa de Angola. – O MESMO, Légendes, crouatices et superstitions de la mer, II, pág. 310. Charpentier ed. Paris, 1886.

53 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Æsculapius, de FELIX RUBION, I, pág. 125.

54 REINACH, Répertoire de la Statuaire grecque et romaine, II, págs. 31-7 do 1.° vol., e 611-2 e 780 do 2.°; III, págs. 11-3 e 228-9. Leroux ed. Paris, 1897-8 e 1904. – Além da estatuária a iconografia do deus completa-se com documentação, aliás diminuta, buscada na numária e na glíptica. – Sobre os atributos do deus cumpre ver mais : REINACH, Les chiens dans le culte d’Esculape... in Rev. Arch. cit., IV, págs. 131-5. Paris, 1884.–LECHAT, ob. cit., págs. 90-3 e 156.

55 GROTTE, ob. cit., pág. 204.

56 LECHAT, ob. cit., págs. 23, 24 e 35.

57 J. TOUTAIN, Bul. arch. de la Relig. grecque, in Rev. de l’Hist. des Relig. cit., tom. cit., fase. 3.

58 REINACH, LeS chiens cit., pág. 133.

59 HUBERT DEMOULIN, Les fouilles de Tinos, in Annales de la Société Archéologique de Bruxelles, XIX, livs. 1 e 2, pág. 202. Vromant & C° eds. Bruxelles, 1905.

60 GROTTE, ob. cit., pág. 207.

61 LECHAT, ob. cit., pág. 37.

62 HERTZBERG, ob. cit., pág. 213.

63 VERCOUTRE, La médecine sacerdotale dans l’antiquité grecque, in Rev. Arch. cit., VI, pág. 274. Paris, 1885. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Medicus de SALOMON REINACH, III, 2.» part., pág. 1671. Paris, 1904.

64 HERTZBERG, ob. cit., pág. 213. – LECHAT, ob. cit., pág. 233 e segs.

65 VERCOUTRE, ob. cit., pág. 276.

66 HERTZBERG, ob. cit., pág. 213.

67 DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Incubatio, de HENRI LECHAT, III, págs. 458-60. – LECHAT, ob. cit., págs. 128 e 155.–O insigne publicista sr. PEDRO A. DE AZEVEDO, na sua magnífica comunicação intitulada Os tremedores em Portugal no século XVI e inserta na Portvgalia, II, fase. 1, págs. 103-7 (Porto, 1905) alude a um antigo costume de os romeiros dormirem nos templos, o que constituía um dos principais atractivos de que a religião e os santuários católicos dispunham para chamarem o público. Assinale-se o paralelo.

68 VERCOUTRE, ob. cit., págs. 279-80.

69 REINACH, Chron. cit., pág. 82.

70 VERCOUTRE, ob. cit., pág. 276.

71 VERCOUTRE, ob. cit., in Rev. cit., VII, pág. 109. Paris, 1886.

72 Actualmente vê-se uma igreja e um hospital no lugar onde se edificára o templo pagão. Ainda aí se celebra todos os anos, a 30 de Dezembro, uma solenidade religiosa; em honra de Esculápio realizava-se outrora a 1 de Janeiro: de sorte que, no espaço de 15 séculos, deslocou-se 2 dias! G. LAFAYE, Les découvertes en Italie. Bulletin de 1886, in Rev. de l’Hist. des Relig. cit., XVI, págs. 342-3. – MARQUARDT, ob. cit., nota 2 de pág. 76.

73 REINACH, Les fouilles de Cós, in Rev. Arch. cit., III, 4.a série, pág. 130. Paris, 1904. – DAREMBERG et SAGLIO, Dict., voc. Medicus cit., pág. 1670.

74 REINACH, Chron. d’Or., in Rev. Arch. cit., II, pág. 297. Baer ed. Paris, 1883. – VERCOUTRE, ob. cit., in Rev. cit., VII, pág. 118.

75 MAX. COLLIGNON et E. PONTREMOLI, Per game, pág. 47. H. May ed. Paris, 1900.

76 COLLIGNON, ob. cit., pág. 48.

77 VERCOUTRE, ob. cit., in Rev. cit., VII, págs. 112-5.

78 O exemplo moderno mais patente da mutação do fervor religioso observa-se no olvido de antigas e numerosas devoções locais, ou sequer na restrição da afluência e proventos, do mesmo passo que espantosamente se generalizou o culto ao coração de Jesus, intensamente propagado, como se sabe, pela política reaccionária.

Table des illustrations

Titre 1 – Do Bom Jesus do Monte. Composição de Domingos António de Sequeira.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4300/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 2 – Esboço de retábulo votivo, original de Sequeira.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4300/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 3 – Da capela da Encarnação. Buarcos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4300/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 4 – Da Figueira da Foz.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4300/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 5 – Do Bom Jesus. Matosinhos.6 – Do Bom Jesus. Matosinhos.7 – Do Santuário de S. Gonçalo. Amarante.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4300/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre 8 – Da capela da Senhora de Aires. Viana do Alentejo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4300/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 9 – Da igreja da Misericórdia. Póvoa de Varzim.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4300/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre 10 -Do Bom Jesus. Matosinhos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4300/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre 11 – Do Bom Jesus. Matosinhos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4300/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 29k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search