Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

«Prisões» de gado 1

Texte intégral

  • 1 Nota publicada na revista Portugalia, tomo II, fasc. 1.° (Porto, 15 de Julho de 1905), pp. 78-79.

1Na nota 7 de pág. 13 das suas primorosas Observações à Citania do snr. Emilio Hübner (Porto, 1879), o insigne arqueólogo e etnologista que foi Martins Sarmento refere que em certa dependência das casas redondas – as incluídas em construções rectangulares – « se encontram muitas vezes, embutidas nas paredes, argolas de pedra onde se amarrava o quer que seja, podendo muito bem esta parte do edifício ter servido para guarda de animais». No Museu da Sociedade que se fundou sob a égide do admirável explorador da Citânia e de Sabroso estão expostos alguns desses pormenores de arquitectura castreja (fig. 1). E nas explorações, ainda pendentes, da Cividade de Bagunte (Vila do Conde) e do Castelo de Guifões (Bouças) também foram encontrados esses acessórios construtivos.

2Ora, ao norte de Bragança, em Montezinho, aldeia da serra do mesmo nome, vê-se implantada na parede e ao lado da porta da casa dum ferrador uma grossa placa de xisto saliente e perfurada cujo destino é a detenção dos animais que vão à frágua para utilizarem os serviços do artífice. Este anexo da parede não difere, como oportunamente mostraremos, dos que foram observados na estação arqueológica de Bouças, afora a natureza petrográfica dum e doutros.

1 – De Briteiros.

1 – De Briteiros.

2 – Detalhe, mostrando uma prisão de gado (Alhões).

2 – Detalhe, mostrando uma prisão de gado (Alhões).

3 – Detalhe de construção para mostrar uma prisão de gado (Àlhões).

3 – Detalhe de construção para mostrar uma prisão de gado (Àlhões).

3Ainda em Alhões, na serra de Montemuro, são mais ou menos profundas as cavidades, devidas à erosão, que irregularmente se distribuem por um grande penedo arredondado a que uma casa encosta. Pois na saliência que subsiste entre duas dessas depressões foi praticado um orifício pelo qual passa a corda com que se prendem touros ou vacas (fig. 2). E mais além, na parede lateral duma casa não distante do cemitério e da capela, pode observar-se ainda outra pedra saliente, aparelhada e perfurada (fig. 3), cujo destino principal é também o de a ela prenderem os animais.

4Por último, em povoações dos concelhos transmontanos de Moncorvo, Freixo e outros limítrofes, é frequente o encontro da mesma placa, ou internamente junta às manjedouras, ou salientando-se na silharia exterior da habitação. Vê-se pois que Martins Sarmento, ainda em qualquer minúsculo pormenor, denunciava sempre a sua penetração admirável!

Notes

1 Nota publicada na revista Portugalia, tomo II, fasc. 1.° (Porto, 15 de Julho de 1905), pp. 78-79.

Table des illustrations

Titre 1 – De Briteiros.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4297/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 2 – Detalhe, mostrando uma prisão de gado (Alhões).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4297/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 3 – Detalhe de construção para mostrar uma prisão de gado (Àlhões).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4297/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 46k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search