Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Sobrevivência da primitiva roda de oleiro em portugal1

Texte intégral

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fasc. 1.° (Porto, 15 de Julho de 1905), pp. 74-7 (...)

1Como em Trás-os-Montes, denominam-se vulgarmente «paneleiros» os ceramistas rústicos dos lugares de Vila Seca e Corujeira, freguesia de Gondar, no concelho de Amarante, e ainda os de Lordelo, freguesia de Ancede, e os de Paredes, freguesia de Gove, ambas no concelho de Baião. Em cada uma das localidades referidas constituem os oleiros verdadeiras corporações quase exclusivamente votadas ao fabrico da loiça negra.

  • 2 As seis análises foram efectuadas obsequiosamente, a pedido do A., pela insigne químico e professor (...)

2A matéria prima que empregam os de Amarante procede dum lugar da freguesia de Bustelo (Fornelo) e compram-na a doze, quinze ou dezoito tostões o carro, segundo a categoria assim diferenciada: A que utilizam os de Baião igualmente se distribui por três classes (2):

Barro azul

Cor primitiva
Cor depois de calcinado
Vestígios de carbonatos.
Resíduo por levigação
Argila

’ Azulada
Acastanhada
22%
78%

Barro amarelo

Cor primitiva
Cor depois de calcinado
Não contém carbonatos.
Resíduo por levigação
Argila

Amarelo-clara
Amarelo-avermelhada
40,8%
59,2%

Barro cinzento

Cor primitiva
Cor depois de calcinado
Não contém carbonatos.
Resíduo por levigação
Argila
Barro muito impuro.

Acinzentada
Acinzentada
64,8%
35,2%

Amostra I

Cor primitiva
Cor depois de calcinada
Não contém carbonatos.
Resíduo por levigação
Argila pura

Cinzento-clara (pérola)
De carne
12,0%
88,0%

Amostra II

Cor primitiva
Cor depois de calcinada
Não contém carbonatos.
Resíduo por levigação
Argila

Branco-acinzentada (aspecto micáceo)
Cinzenta, levemente avermelhada
22% (areias micáceas)
78%

Amostra III

Cor primitiva
Cor depois de calcinada
Não contém carbonatos.
Resíduo por levigação
Argila

Amarelada
De carne
43,6%
56,4%

  • 3 CHARLES LEPIERRE, Estudo chimico e technologico sobre a ceramica portugueza moderna, pág. 48. Imp. (...)

3Qualquer delas buscam-nas de acaso nas barreiras, abrindo galerias bastante profundas e não raras vezes com a ansiada imprevidência que explica os desabamentos em que um ou outro fica momentaneamente soterrado. Para a extracção do barro reunem-se todos, ou de Paredes, ou de Lordelo, trabalham à vez, e ao fim do dia repartem-no igualmente. É um serviço em comunidade, analogamente ao que sucede com os oleiros de Telhado, no Fundão, os quais, sendo trinta ou quarenta, cozem a sua loiça em cinco fornos pertencentes à classe (3).

1 – Pico (Vila Seca)

2 – Pia (Vila Seca)

3 – Roda (Vila Seca)

4Juntas duas destas substâncias numa proporção de palpite, ou, pelos de Amarante, doseados o amarelo e azul ou o amarelo e o cinzento ainda por instinto e prática, procede-se à trituração com um pico (fig. 1) ou maço de carvalho, numa pia (fig. 2), espécie de grande conca obtida numa raiz de velha árvore, e seguidamente se passam por um crivo de pele de chibo (Baião) ou de carneiro (Amarante). É então que numa masseira de pinho e com água se prepara o barro plástico destinado a ir breve para a roda.

  • 4 Outra medição obtida numa roda de Gondar : diâmetro do tampo, 0,59 m ; altura da roda e pombas, 0,1 (...)

5Este aparelho, ordinariamente de carvalho, raro de nogueira (Baião), compõe-se dum estrado rectangular, o trabul ou trabulo, do centro do qual se ergue um eixo, o quisso, para o alto. Em torno deste mover-se-á o tampo ou tabuão, grande disco com 0,80 m. de diâmetro e 0,06 m. ou 0,08 m. de espessura (4). Não há atrito directo entre a roda e o trabul : inferiormente a ela cruzam-se duas espessas réguas, as pombas, que efectuam esse contacto inevitável e que se afastam do disco pelas cravelhas, ou sejam curtas espiguetas de madeira (fig. 3). Em face à roda o oleiro, com a mão direita, imprime-lhe frequentemente o movimento necessário e logo com as duas modela a pasta e guia a curva (fig. 4).

  • 5 EDOUARD GARNIER, Histoire de la céramique, fig. 4 de pág. 8 e pág. 41. Mame & Fils eds. Tours, 1882 (...)
  • 6 GARNIER, ob. cit., pág. 8.
  • 7 A. BRONGNIART, Traité des arts céramiques ou des poteries, I, págs. 20 e 503. Assellin ed. Paris, 1 (...)
  • 8 LAJARD et F. REGNAULT, Poterie crue et origine du tour, in Bulletins de la Société d’Anthropologie (...)

6Depara-se-nos, pois, uma sobrevivência da roda primitiva, já figurada nas necrópoles de Tebas e de Mênfins5, ulteriormente adoptada na Ásia Menor e na Grécia e bem plausivelmente a descrita na Ilíada6. Foi ainda este singelo prato de madeira que porventura precedeu o torno7 em toda a Europa e em cujo aspecto mais simples – a escudela girante sem eixo – se vê o estádio transitório da manipulação da loiça sem disco para o fabrico com roda (8).

7Acessoriamente os oleiros das duas regiões dispõem ainda dum augueiro, pote já inutilizado, com a água de que carecem frequentemente no trabalho ; para apertar o fundo das vasilhas ou desengrossá-las empregam um pau aguçado, o esquinote (Baião) ou esquinante (Vila Seca) ; e por fim o fanadoiro é a espátula grosseira com que alisam as superfícies ou gravam os ornamentos.

8Manufacturada a loiça, vai a secar à sombra, durante oito dias, em prateleiras ou sequeiros. E seguidamente toda reunida (Baião) numa depressão de terreno e invertida, amontoa-se com a lenha e aí cozerá em uma hora ou pouco mais. Volvido este curto espaço de tempo, amortece-se a fogueira com terriço e abandona-se uma noite a loiçaria no rescaldo.

9Nos lugares de Gondar a cova tem, aproximadamente, três metros de diâmetro e chama-se a soenga. É em volta que se dispõem as vasilhas, primeiro com as bocas para fora (fig. 5), depois, e já bem secas, para o interior da depressão. A princípio a lenha arde ao centro; depois, transportada para a periferia, é que a loiça vai para o meio e já com as aberturas para baixo. Coberta então com as rachas (pinho) e ainda, para tupir, com argaço (caruma de pinheiro) e o resto do carvão de lenha já pulverizado das cocções anteriores, deixa-se o vasilhame uma hora a rescaldar.

10A cocção ao ar livre e em covas, como de resto se pratica ainda em Lordelo e Bisalhães (Vila Real), em Chaves, nas proximidades de Bragança, em Lamego, em Coimbrões (Gaia), em Tábua (Coimbra), etc., é também uma operação primitiva assinalada desde os tempos neolíticos, passando aos gauleses e outros e subsistindo até nós. Fogo insuficiente e mal distribuído explica, com a má natureza das pastas, a porosidade destas loiças e bem assim a fragilidade consequente. Por isso o fabrico é ultimado pelo consumidor. Adquirida a loiça, cuida-se logo em limpá-la exterior e internamente das escabrosidades e aderências de alguns produtos da combustão. É o que praticam em Gove e em Ancede empregando para tal uma folha de couve ; ulteriormente enchem a vasilha com farinha de milho e água, colocam-na ao fogo e, uma hora passada, consideram obtida a vedação. Está a loiça enfarelada.

4 – Oleiro de Lordelo (Ancede).

5 – Na soenga (Vila Seca).

5 – Na soenga (Vila Seca).

11Em Sanhoane, Fontes, Medrões, etc. (Santa Marta de Penaguião), para se alcançarem os mesmos resultados com a loiça negra de Bisalhães, «para lhe tapar as fontelas», introduzem-se as vasilhas no forno do pão, deixando-as aquecer até ao rubro ; tiradas para fora verte-se imediatamente em cada uma farelo e água, mexendo rápido.

  • 9 LEPIERRE, ob. cit., pág. 28.

12Cera virgem derretida e aplicada à brocha na superfície externa das panelas de Lordelo (Vila Real) destinadas à água fria (9) é outro expediente popular de correcção.

  • 10 ROCHA PEIXOTO, As olarias de Prado, figs. 25, 30 e 33, págs. 244-5, in Portvgalia, I, fase. 2. Pert (...)
  • 11 Algumas formas de Baião são figuradas em JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, pág. 464, tom. II (...)
  • 12 SCHLIEMANN, ob. cit., fig. 1470 de pág. 758.
  • 13 MORTILLET, Le préhistorique, pág. 560. Reinwald ed. Paris, 1885 – Musée préhistoiique, fig. 535, Re (...)

13A esta manufactura humilde corresponde uma limitação formal que, a bem dizer, se restringe mesmo a um só tipo. Ovalada, mais ou menos alta e ampla, desasada ou com uma ou duas ansas, toda esta loiça se reduz, como ondulação, a uma forma de Prado10 e de outras olarias. Algumas peças diferem pela diminuição do bojo, ausência de gola e amplitude da boca, o que lhes dá a aparência, também comum, de troncos de cone invertidos. Panelas barreleiras e para caldo, púcaros com uma ou duas asas, infusas, pingadeiras, assadores, fogões, caçoilas e caçoilos, alguidares e mealheiros constituem a série (11), em regra ornamentada com linhas onduladas ao alto das panças, incisas, simples ou multiplicadas paralelamente por via do fanadoiro que as imprime na pasta fresca, e lembrando modelos bem arcaicos (12). Numa tira de barro anexa à maior dilatação, ou ainda no rebordo, efectuam-se também as depressões digitais (verdugos em Gondar) já conhecidas dos tempos de Robenhausen (13).

14Trabalhando por conta própria, muitas vezes pai e filhos efectuam directamente a venda pelas aldeias e nas feiras – os de Baião, no concelho e ainda nos de Amarante, do Marco e de Lamego, os de Amarante por aqui, na Senhora da Aparecida, na Lixa e em Margaride. Raramente um ou outro, que se distanceia para longe, vende loiça que mandou fazer por encomenda.

  • 14 REGNAULT, ob. cit., pág. 738.

15A escassez dos lucros é, como em todas as olarias rurais, o prémio desta amargurada ocupação com o gravame, para anotar, duma máquina lenta e penosíssima – que só é usada ainda por povos bisonhos como na Bretanha (tournette) ou bárbaros como na África e no Oriente (14). Alguma lavoura subsidiária porventura atenua, em poucos casos, a exiguidade dos recursos. E ainda assim o paneleiro de Paredes é pedreiro no inverno, como o telheiro de Prado se volve em taxinha de Outubro ao entrudo.

16As suas panelas – designação que abrange toda a cerâmica que fabricam – muito porosas, como vimos, e enegrecidas pelo fumo e pelas substâncias orgânicas que o fogo carbonizou, têm a reputação do bom gosto dado à água e à comida. E mais que quaisquer outras olarias conhecidas entre nós, estas podiam legitimar as palavras da Escritura que na loiça simboliza a fraqueza e a fragilidade humanas – mesmo independentemente da memória das rixas de outros tempos em que, célebres desordeiros, os ceramistas de Gove chegavam às feiras com todo o vasilhame já quebrado !

17Porto. Maio, 1903.

Notes

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fasc. 1.° (Porto, 15 de Julho de 1905), pp. 74-78.
Deste trabalho tirou-se a seguinte separata’. Rocha Peixoto/SOBREVIVENCIA/DA/ PRIMITIVA RODA DE OLEIRO EM PORTUGAL/Com 5 illustrações no texto/Porto/ Imprensa Portugueza/112, Rua Formosa, 112/1905/7 págs., 210 x 132 mm.

2 As seis análises foram efectuadas obsequiosamente, a pedido do A., pela insigne químico e professor, sr. Charles Lepierre.

3 CHARLES LEPIERRE, Estudo chimico e technologico sobre a ceramica portugueza moderna, pág. 48. Imp. Nac. Lisboa, 1899.

4 Outra medição obtida numa roda de Gondar : diâmetro do tampo, 0,59 m ; altura da roda e pombas, 0,18 m ; altura total do aparelho, 0,26 m. Um outro exemplar da mesma procedência e de dimensões ligeiramente divergentes pode ser observado no Museu municipal do Porto, para onde o A. o fez transportar.

5 EDOUARD GARNIER, Histoire de la céramique, fig. 4 de pág. 8 e pág. 41. Mame & Fils eds. Tours, 1882. – PERROT et CHIPIEZ, Histoire de l’art dans l’antiquité, I, L’E’gypte, pág. 819. Hachette ed. Paris, 1882.– H. SCHLIEMANN, Ilios, pág. 264. F. Didot ed. Paris, 1885.

6 GARNIER, ob. cit., pág. 8.

7 A. BRONGNIART, Traité des arts céramiques ou des poteries, I, págs. 20 e 503. Assellin ed. Paris, 1877.

8 LAJARD et F. REGNAULT, Poterie crue et origine du tour, in Bulletins de la Société d’Anthropologie de Paris, págs. 737-8, fase. 6, tom. VI, série IV. Masson ed. Paris, 1895.

9 LEPIERRE, ob. cit., pág. 28.

10 ROCHA PEIXOTO, As olarias de Prado, figs. 25, 30 e 33, págs. 244-5, in Portvgalia, I, fase. 2. Perto, 1900.

11 Algumas formas de Baião são figuradas em JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, pág. 464, tom. II. Pereira ed. Lisboa, 1887.

12 SCHLIEMANN, ob. cit., fig. 1470 de pág. 758.

13 MORTILLET, Le préhistorique, pág. 560. Reinwald ed. Paris, 1885 – Musée préhistoiique, fig. 535, Reinwald ed. Paris, 1881.

14 REGNAULT, ob. cit., pág. 738.

Table des illustrations

Légende 2 – Pia (Vila Seca)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4294/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Légende 3 – Roda (Vila Seca)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4294/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4294/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4294/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Légende 4 – Oleiro de Lordelo (Ancede).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4294/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4294/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 5 – Na soenga (Vila Seca).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4294/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 111k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search