Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Etnografia portuguesa: Iluminação popular 1

Texte intégral

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fasc. 1.° (Porto, 15 de Julho de 1905), pp. 35-4 (...)

1Os dois meios iniciais da produção de fogo, pela percussão e pelo atrito, não obstante a sua simplicidade rudimentar que recua a descoberta aos tempos pré-históricos mais remotos, tornavam-se, entretanto, penosos e lentos. Daí e porque o emprego do fogo breve fosse indeclinável, cuidou-se em conservá-lo, uma vez obtido, como recurso maravilhoso e até divino. A multiplicidade das aplicações, os benefícios da sua acção, o seu brilho incomparável constituíam atributos que logo o sagraram, trazendo-o a intervir nas mais diversas formas cultuais. E assim, ou em cerimónias religiosas de breve duração ou permanentemente em certos ritos, o lume purificador e divinizado assistia perene e rutilante.

  • 2 FUSTEL DE COULANGES, La cité antiqúe, págs. 21-2. Hachette ed. Paris, 1895.

2Na antiguidade greco-romana em cada casa se conservava sempre o fogo vivo, de dia crepitando, de noite amortecido sob a cinza e na alvorada seguinte de novo despertado por um sarmento. Inditosa a habitação onde o lume se extinguisse: fogo morto, família extinta! Só em Março, precedendo um ritual, se acendia o lume novo (2) no mesmo altar em que, aliás, jamais desaparecera.

  • 3 VITERBO, Elucid., I, voc. Fogo morto, pág. 470 ; II, voc. Logo, pág. 98. Lisboa, 1798.
  • 4 BLUTEAU, Vocab., IV, voc. Fogo, pág. 154. Coimbra, 1713.

3Com a chama sagrada honravam-se os deuses e os mortos; e o cristianismo, herdando do mundo pagão, a bem dizer, o mesmo rito, ainda hoje mantém a tradição nas suas solenidades humildes ou esplêndidas. Assim sobrevivera a fórmula «povoar de fogo e logo » como exprimindo fazer casa e nela residir, ou a de casal de fogo morto (foco mortuo no século XIII) designando o que está desabitado (3); assim se legitimava pelo adágio De bom logo, bom fogo (4) a avaliação concisa e sugestiva do estado duma casa ; assim se insinuou no moderno vocabulário demográfico a arcaica denominação de fogos ; assim prevalecera o hábito de buscar o lume na residência do pároco, como se o fogo, faltando a todos, existisse sequer onde estava o sacerdote !

Em Terra de Miranda.

Clichés de Rocha Peixoto

Em Melgaço. Nos arredores de Braga.

Clichés de Rocha Peixoto

Casa de Ricardo Severo no Porto. Fachada principal.

Casa de Ricardo Severo no Porto. Vista do Sul.

Clichés de Ricardo Severo

Casa de Ricardo Severo no Porto. Detalhe e cunhal sul.

Casa de Ricardo Severo no Porto. Fachada leste.

  • 5 BROTERO, Flora Lusitanica, Pars II, pág. 468. Olisipone, 1804.

4A relativa dificuldade de se obter lume, explicando melhor esta última referência, por igual dá o sentido do antigo costume minhoto de cobrir à noite as brasas com cinza para despertar o fogo na manhã seguinte. Antes da vulgarização da acendalha química, obtê-lo era trabalhoso e muito mais conservá-lo. Com o brasido alerta, para percorrer a casa de noite bastavam hastes de abrótea já secas e previdentemente reservadas para tal. Assim persistiu o uso do asfódelo ou gamão em Castro Laboreiro e na Serra de Arga, no Suajo, em todo o concelho de Montalegre, na Campeã, nas serras de Bornes e Nogueira e em Terra de Miranda. E o mesmo destino já arcaico mantém ainda, por economia, o emprego do trocho de urzeira em Terras de Barroso ; a silva e a gandra ou vara de urze branca, colhida depois da ucha (queimada) na Cabreira ; a saganha ou carranha (carrasca) trazida do alto, pelos pastores das vezeiras, no Gerês ; os guiços de carquejo, despojos carbonizados após as queimadas na Serra da Amarela; os murracos, por fim, ou sejam as cascas de vidoeiro enroladas e já secas, em Lindoso. Mas a duração dessas luzes é breve, como breve o da isca de coiro obtida com a umbela dum cogumelo do Gen. Boletus, o B. igniarius, L., basidiomiceto «pro fomite inservit » (5). Conservar a brasa era, pois, o recurso de outrora e nomeadamente onde não seria fácil obter a pederneira.

  • 6 Voyage en Portugal, par M. LE COMTE DE HOFFMANSEGG, rédigé par M. LINK et faisant suite à son voyag (...)
  • 7 M. VIEIRA NATIVIDADE, La taille du silex au XIX siècle. Alcobaça, 1893.

5O sílex, entretanto, percutido até à idade do ferro por uma pirite, foi ulteriormente mais ou menos empregado na serra e na ribeira. Em fins do século XVIII um viajante estrangeiro encontrava os habitantes da Azinheira, lugar situado a uma légua de Rio Maior, ocupados na manufactura de pedras para isqueiros. O sílex aparecia em fragmentos numa areia avermelhada e, naturalmente, procedia duns montes próximos donde fora, para o lugar, transportado pelas águas. Com um ferro os homens fracturavam as pedras em estilhas grossas que logo aperfeiçoavam em quadrados muito perfeitos, trabalhando com habilidade e precisão e podendo fabricar diariamente umas duzentas. Era dali que saíam para o país, que se exportavam para Espanha, e que se fornecia o Estado para a armaria do exército (6). E foi ainda nessa localidade que, volvido um século, alguém encontrou o mesmo fabrico e até conseguiu que imediatamente lhe imitassem pontas de lança e outros objectos da mais supreendente analogia com os artefactos neolíticos que aos operários o arqueógrafo exibira (7).

6O isqueiro ter-se-ia vulgarizado principalmente com os progressos do uso do tabaco ; e não obstante as actuais disposições proibitivas ainda a sua utilização subsiste ocultamente : o cornipo no planalto barrosão e no Suajo (galhipo em Lindoso) é um toro de chifre de bode, vedado com discos de cortiça e incluindo farrapos de linho chamuscado ou medula de sabugo ; com um fragmento de quartzo leitoso regional obtêm a faísca e logo o fogo necessário para o fumo.

  • 8 J. DENIKER, Les races et les peuples de la Terre, pág. 182. Schleicher ed. Paris, 1900.

7O processo da fricção dos dois paus, muito mais demorado ainda que esse outro e agora só usado nos povos semi-bárbaros, persistiu contudo nos ritos cultuais do bramanismo como recordação do meio pelo qual primitivamente se obtinha a grande, a divina luz. Em alguns povos às mulheres ainda cabe a função de vigiarem a conservação do fogo, como na Roma antiga cumpria às vestais ; e noutros, extinguindo-se, preferem ir buscá-lo a tribos arredadas, do que substituí-lo, provocando-o (8).

  • 9 ÉMILE DE LAVELEYE, De la propriété et des ses formes primitives, pág. 273. Alcan ed. Paris, 1891.–O (...)

8Fonte de calor e de luz, a supressão dessa riqueza constituíra até uma punição cruel e irreparável: em certa região da bacia do Lima a quem violasse os usos e costumes recusava-se-lhe o lume, impedia-se-lhe o acesso à fonte e não se lhe falava mais. Era a pena que em Roma se dizia «interdictio aquse et ignis »; era a morte civil (9).

  • 10 ALPHONSE AYMAR, Les maisons-types du Cantal, in Enquête sur les conditions de l’habitation en Franc (...)

9Os resineiros, melhor do que o gamão, a silva, a carqueja e a urze, forneceram um dia uma luz mais durável e intensa. Usavam-se ainda no norte do país há trinta anos, obtendo-se dos toros de pinheiros derribados e propositalmente salientes fora da terra um palmo e mais. Depois da amputação o toro permanecia no solo preso à raiz ; e oportunamente desbastado em cascas, utilizava-se depois na vida caseira (Famalicão, Ponte de Lima, vila do Suajo, etc.). Embora raramente este processo de iluminação ainda há pouco era de uso em certas regiões do planalto central da França, permitindo suficientemente, nas cozinhas, a regular execução de vários trabalhos manuais (10).

  • 11 A. RICH, Dict., voc. Taeda, pág. 624, col. 2.a F. Didot ed. Paris, 1861.
  • 12 HENRI SCHLIEMANN, Ilios, págs. 82 e 443. F. Didot ed. Paris, 1885.
  • 13 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., voc. Fax, de E. POTTIER, II, 2eme partie, págs. 1026-8. Hachette ed. Par (...)

10Até ao domínio romano os brandões formados com as fibras de madeira resinosa eram as únicas luminárias que o grego usara (11) – como ainda hoje sobrevive o mesmo costume nas aldeias da Tróada (12)! Com uns feixes de pinho mais ou menos espessos, simples até às guerras médicas, depois já monumentais, iluminavam os gregos os caminhos, faziam os sinais em tempos de guerra, celebravam rituais dos cultos e veneravam os deuses e os heróis. Eileithyia, deusa do parto, representava-se empunhando um desses fachos, investida, como estava, no dom de trazer as crianças à luz do dia (13)!..

11Também na Etrúria e em Roma se usara primitivamente esse brandão, extinto, todavia, muito cedo, pela descoberta ou adopção de outros meios de iluminação mais eficazes. Apenas subsistiram, através de todo o progresso industrial, para as viagens nocturnas, como ainda persistem entre nós os murracos de vido, os guiços de urgueira e de carqueja, as lumieiras de colmo que de noite guiam nos caminhos e lugares escuros e ainda as fachas com que, para certa pesca, se desvairam os cardumes (Cávado, Tâmega, etc.).

  • 14 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., vocs. Candella e Cera, I, 2eme partie, págs. 869 e 1020.
  • 15 ÓSCAR MONTELIUS, La civilisation primitive en Italie depuis l’introduction des métaux, págs. 481-2 (...)
  • 16 VITERBO, Elucid., voc. Candeia, I, pág. 232. – SOUSA VITERBO, Artes e artistas em Portugal. XI, Arm (...)
  • 17 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., fig. 1072, I, 2eme partie, pág. 869.

12Do facho ao archote e à vela era minúscula a distância. Substituída a fibra de madeira pela mecha de junco ou de estopa e ocupando o lugar da resina o sebo ou a cera, o romano, e presumivelmente antes dele o etrusco, achou a candella e o cereus (14). Os cristãos apoderaram-se logo e para sempre do invento ; dispõem-na junto aos túmulos dos seus mártires ou em face dos seus santos veneráveis, como antes, já acessório religioso, o pagão as multiplicara nos altares e nos santuários das suas divindades ; passa de certos rituais do paganismo para outras festas populares cristianizadas, das quais a Candelária, entre outras, é um despojo já ténue e apagado ; com a opulência da Igreja os suportes primitivos, inicialmente à semelhança dos mais simples das necrópoles da Etrúria (15), ascendem, como no esplendor romano, à magnificência dos candelabros, tocheiras e cereais ; desenvolve-se uma vasta indústria que se regulariza com estatutos, arruamentos e prerrogativas e que nas solenidades públicas, civis ou litúrgicas, deslumbra com a sua representação decorativa e arquitectónica (16) ; na vida ordinária os modestos castiçais de argila, de folha de ferro e de latão generalizam a adopção do mesmo recurso iluminante ; a vela é voto, da altura do corpo, do peso da pessoa, até de arrobas, ordinariamente enfeitada com festões, silvas e relevos (fig. 1, Porto), como outrora o facho grego orlado de coroas, filetes e grinaldas (17); por fim é quase santificada, é amuleto – a vela benta – que quando acesa livra do raio e abranda ou afasta, para o maninho, a trovoada !

  • 18 LEITE DE VASCONCELOS, As religiões da Lusitânia, I, pág. 243. Lisboa, 1897.
  • 19 HOUGH, Histoire de l’éclairage, in L’Anthropologie, XIII, pág. 200. Masson ed. Paris, 1902.
  • 20 DENIKER, ob. cit., pág. 200.

13Do mesmo passo o conhecimento dos óleos vegetais ou minerais e ainda o das gorduras dos animais domesticados determinaram a invenção das primeiras lâmpadas, porventura já datando dos tempos neolíticos (18) mas autenticamente remontando ao fim da idade do bronze (19). E ainda hoje alguns dos mais grosseiros combustíveis sólidos ou líquidos são empregados por populações cujo estado social é paralelo ao dessas civilizações já bem longínquas. É o caso dos esquimós utilizando o óleo de foca ou de baleia em grandes calotes de terra seca ao sol e que lhes serve, a um tempo, para iluminação e aquecimento20; é entre nós o costume de fundirem em vasilhas de barro ou de ferro os fígados da raia e da pescada, do cação e da papoula, da lixa e da ferreta, do peixe-gato e da sardinha para assim obterem (Póvoa de Varzim, etc.) a graxa abominável com que desta arte os pecadores iluminam o interior da habitação ; é em Castro Laboreiro e outros lugares minhotos o uso ainda frequente do sebo derretido num caco de telha ou loiça côncava.

  • 21 HOUGH, ob. cit., pág. 201.

14O recipiente destinado a comportar o combustível derivará certamente da concha dum bivalve ou dos seixos com cavidades dos kjoekkenmoeddings. Uma escudela de olaria consequente marcou, por fim, o esquema a que ulteriormente se subordinaram as lâmpadas de mais brilho e de mais luxo, não sem que deixasse de subsistir nessa forma inicial –a tigelinha –, ou nos usos ordinários, como no Extremo-Oriente21, ou em certas solenidades festivas populares (fig. 2, Barcelos).

  • 22 M. DIAS NUNES, A olaria em Serpa, in A Tradição, II, pág. 168 e fig. da est. de pág. 165. Lisboa, 1 (...)

15Esta calote remota é como o lyknos que o grego obteve do Egipto e que o fenício vulgarizou pôr todo o Mediterrâneo. O recipiente circular, e às vezes também oval, prolonga-se naturalmente num bico onde termina a mecha embebida no óleo que o enche ; sem tampa ainda, o seu parentesco com a escudela primitiva é manifesto e em Portugal, pelo Baixo Alentejo (22) e pelo Algarve (fig. 3, Serpa e Lagos), sobrevive à sua invenção no uso privativo de adegas e lagares.

  • 23 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., voc. Lucerna, de J. Toutain, págs. 1322 e 1334.
  • 24 Uma missão oficial neste convento extinto deu ensejo ao A. de observar algumas dessas lucernas de b (...)

16Modificando-se, a asa de suspensão e a protecção do óleo por meio duma cobertura apenas perfurada para a introdução do líquido combustível foram os progressos mais úteis a contar. Mas simultaneamente ou antes mesmo da adaptação do disco, algumas lâmpadas romanas surgiram de ansa disposta de maneira a serem suspensas duma superfície vertical (23). Com essas se assemelhavam as que, há algumas dezenas de anos, eram empregadas nas iluminações do convento de Santa Clara do Porto (24) e que, naturalmente, não constituíam formas privativas desta instituição religiosa (fig. 4).

  • 25 HOUGH, ob. cit., pág. 201.
  • 26 DELATTRE, Les lampes antiqúes du Musée de Saint-Louis de Carthage, págs. 1-3 e fig. 1. Lille, 1889. (...)

17Antes, porém, do rosto ser um anexo da calote, os bordos desta dobrados para o interior em goteira poderiam constituir exclusivamente o bico, como fora na Índia e pela Síria (25). O certo é que nas mais antigas lâmpadas cartaginesas, aliás de dois bicos, se obtinham assim, sendo essa lucerna proto-púnica, com verniz mas sem disco, o mesmo tipo ainda usado em algumas ilhas do Mediterrâneo, como na de Malta e na de Gozo, em necrópoles primitivas da Sardenha e do sul da Espanha, em Cartago e em Saida, a antiga Sidon ; e de resto, com um suporte vertical e um pé, é ainda esta a lâmpada dos árabes actuais (26)!

18Ora em Tomar, embora com um só bico, fabrica-se uma lâmpada de barro (fig. 5), cujo símile mais próximo na forma e mais remoto na ascendência legada ou imitada se encontra nos despojos funerários dos primeiros tempos de Cartago !

  • 27 Independentemente dos trabalhos modernos cumpre não esquecer, apesar dos defeitos do tempo, a exube (...)

19Alcançado o apuro do bico nitidamente separado, da asa para condução ou suspensão e do disco protector do combustível, a multiplicidade das lâmpadas de reservatório circular, oval ou angular, de rosto duplo, triplo e superior, das ornamentadas com relevos de extensa variedade e admirável execução, ou emblemáticos dos cultos e dos mitos, ou comemorativos das cenas históricas, ou simbólicos dos episódios heróicos, ou narrativos de todos os aspectos da vida ordinária, constitui um dos ensinamentos mais educativos da arte, do culto e da vida social na antiguidade romana (27).

  • 28 JOACHIM MARQUARDT, La vie privée des romains, trad. de VICTOR HENRY, II, pág. 294 (Tom. XV do Manue (...)
  • 29 Histoire Naturelle, de PLINE, trad. de E. LITTRÉ, tom. II, liv. XXXV, § L, pág. 491, col. 1.» Duboc (...)

20Vulgarizara-se o emprego do azeite, ulteriormente já sustentado sobre água, e que fora desconhecido em Roma até Tarquínio o Antigo (28); adoptara-se mais a mecha de linho, embora persistisse o uso, como ainda hoje no litoral e na serra, do tecido poído que lega o morrão ; e quanto à mecha embebida em enxofre, o da quarta espécie que descreve Plínio (29), sobrevivera com outro destino – o mesmo que, ainda há alguns anos, em todo o Minho determinava a existência caseira das torcidas passadas pelo enxofre derretido num caco e que, suspensas num lugar da cozinha, eram oportunamente as acendalhas de então.

  • 30 Relatorio apresentado... ao presidente da Commissão districtal do inquérito ás industrias, etc., pá (...)
  • 31 SOUSA VITERBO, As candeias cit., in Portvgalia, I, figs. 2 e 3, págs. 366-7.
  • 32 IDEM, ob. cit., fig. 1, pág. 366.
  • 33 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., Lucerna cit., págs. 1322 e 1334.

21O mobiliário subsequente, e nomeadamente o popular, procede ainda em grande parte do esquema inicial da lucerna. Nas candeias temos, em primeiro lugar, a forma já extinta da candeia de barro na Serra de Arouca e a bem primitiva dos mineiros de água, no Alto Minho, reduzida a um reservatório levemente dilatando em bico à frente e posteriormente prolongado para o alto por uma estreita lâmina de suporte. A candeia ordinária de ferro, que antes da introdução do petróleo era comum em todas as habitações rurais e nas citadinas do povo e que, em Penafiel sobretudo, deu margem a uma larga e próspera indústria (30), é ainda, fundamentalmente, a lucerna – planificada a base e substituída a asa pela lâmina superior e vertical de suspensão (fig. 6, Penafiel). Nestas e nos modelos similares de folha de ferro (fig. 7, Póvoa de Varzim), duplicou-se o recipiente, comportando o interior o líquido combustível e passando para o exterior todo o resíduo. Mas também em alguns modelos se anexou à interna a tampa em disco, o qual, para a renovação do óleo, se abre verticalmente nas de folha e nas de latão se levanta por corrente (31). À lâmina anexa-se uma haste de ferro terminada em gancho que se introduz no mancebo de pau ou velador32, precisamente como as lâmpadas romanas de bronze com hastes articuladas para serem suspensas de pregos. E ainda como a estas juntassem um fio de metal para erguer a torcida e reavivar a chama (33), também nas nossas, para a similitude ser mais completa, ou lhe prendem, de alto, arames articulados, ou mantêm, para o mesmo efeito, um palito no recipiente :

Burro de ferro,
Albarda de linho,
Tíquele, tíquele,
Com um pauzinho.

  • 34 A. VINCHON, Lampes antiques encore en usage dans certains de nos départements, in Bulletins de la S (...)

22A estas formas se podem referir as populares francesas, em mais rápida extinção, de argila ou de folha de ferro, usadas outrora de norte a sul e por igual com reconhecidos ascendentes análogos galo-romanos(34).

23A propagação mercantil do óleo mineral veio modificar a configuração do reservatório, conservando o utensílio, todavia, o aspecto geral do seu antecessor. O recipiente passa a ser geralmente um tronco de cone ou um cilindro, ao qual se solda lateral e obliquamente um tubo por cuja extremidade a mecha aflora (figs. 8 a 11, Penafiel ; fig. 12, Coimbra). Se é para suspender, mantêm-se as hastes e gancho da candeia inicial; se é para pousar, ou directamente (fig. 13, Ponte de Lima), ou sobre um suporte cilíndrico com prato de bordo canelado (fig. 14, Arcos de Valdevez), ou repousando em três SSS, ainda o aspecto construtivo é o mesmo dos que primordialmente, com um ou mais bicos, e lembrando os dos árabes actuais, se empregavam ao tempo em que o azeite era o combustível mais usado.

24Certos, já a desaparecerem (fig. 15, Coimbra), estabeleciam a passagem destes últimos para os famosos candeeiros de latão que, por sua vez, também se extinguem. Foram em dilatados tempos os utensílios de iluminação doméstica mais vulgarizados por entre as classes medianas, popularizando-se nomeadamente aos primeiros rebates de destronização. A sua factura, em certos centros, constituía uma das principais fontes de receita da latoaria, indústria popular actualmente desviada para outros fabricos e cuja aplicação à manufactura de candeeiros é apenas subsidiária em Bragança, em Coimbra, no velho bairro da Sé do Porto, em poucos mais.

25Para a realização dum candeeiro executavam-se separadamente as peças : o , composto do disco de apoio e da vara ou coluna erguida ao meio e para o alto ; o depósito ou reservatório do azeite ; a tampa ou disco protector ; a chave com a qual se elevava o recipiente à altura desejada ; a chapa ou pára-luz ; os anexos, por fim, suspensos de correntes e com as denominações que o seu emprego logo explica – balde, atiçador, espevitador e apagador. O reservatório podia ter três bicos, menos frequentemente dois, mais raro um ; e o seu manejo ou se limitava a ascensões verticais ao longo da vara, ou se complicava até à realização de movimentos oblíquos para cima e para baixo ou ainda laterais, ditados estes últimos pela abundância ou indigência do líquido combustível.

26Fabricados por processos simplistas – modelação prévia em areia e aperfeiçoamento ao torno e à lixa – modestíssimos de preço, muitos surgiram, entretanto, que, sem atingirem a concepção e execução artística dos seus congéneres de Espanha, assumiram, no plano construtivo, desembaraçado e audaz, na graça dos acessórios, no debuxo filigranado duma zona do pára-luz, na adaptação do recipiente a figurados de realidade ou de imaginação, nos escrúpulos de acabamento, por último, um nobre, lindo e gracioso ar de móvel decorai (fig. 16, Coimbra ; figs. 17 a 20, Lisboa).

  • 35 DOMENICO MONACO, Les monuments du Musée National de Naples, pl. 118. Naples, 1893.
  • 36 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., Luc. cit., pág. 1333.

27Todavia não é grande o afastamento do que não fosse já concebido e realizado pelo romano. O reservatório, observado separadamente, é ainda a lucerna de três rostros ; a esta também em Roma se adicionara um pé aderente, terminado, à maneira de alguns candelabros, pelas três patas leoninas ; em outras lâmpadas, não pousadas mas suspensas de cadeados, igualmente com três bicos, se anexavam os acessórios de erguer a mecha, avivar a chama ou extinguir a luz (35) ; e como em alguns dos nossos candeeiros o reservatório imitasse uma fauna real ou ilusória, por igual na antiguidade latina, entre a variedade das suas adaptações, lá surgiam serpentes, dragões e basílicos (36).

  • 37 IDEM, Dict., Luc. cit., pág. 1325.
  • 38 FERNANDO FULGOSIO, Estudio sobre algunas lucernas de bronce del Museo Arqueológico Nacional, in Mus (...)
  • 39 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., Luc. cit., pág. 1321.

28A exuberância decorativa das lâmpadas romanas, não igualada ulteriormente, ainda nos dá, noutra aplicação da luminária pelo azeite, o exemplo precursor das modernas sobrevivências nos templos cristãos. São as várias suspensões de lampadários, figurando aves míticas ou serpes, dragos e quimeras (figs. 21 e 22, matriz de Vila do Conde), sós ou associadas num hibridismo de explicação enlaçada a remotas concepções do mundo pagão. A fértil inventiva da antiguidade romana, profusa na sua ornamentação floral e faunística, grotesca e erudita, amorosa e mítica, modelando Sileno e Pã ou Tritão e Eros (37), a cabeça vilã dum burro ou um Génio cavalgando um golfinho (38), imprimiu indelevelmente, ainda neste insignificante pormenor, a sua influência até agora prolongada e funda. Não são raros os lampadários ornamentais de figuração ilógica com a índole dos templos que iluminavam, geralmente e ininterruptamente no altar da Eucaristia – como outrora no santuário de Atenas Polias, sobre a Acrópole, uma mecha de linho fino chamejava, numa lâmpada de oiro, noite e dia (39) !

  • 40 MARTIGNY, Dict. des antiquités chrétiennes, voc. Lampes chrétiennes, pág. 352, col. 2.a Hachette ed (...)

29Para estas lâmpadas o reservatório é simplesmente a cuba de vidro, à maneira da lamparina de outrora tão empregada de noite para velar medrosos e doentes. Esta cuba, porém, veda-se superiormente, abrindo-se apenas os orifícios de injecção e da mecha no utensílio de folha de ferro usado nos lampeões da lavoura (fig. 23, Porto), nos que, em tempos idos, precederam os actuais dos carroções transmontanos, nos das cadeias e nos das ermidas, nos das alminhas (flgs. 24 e 25, Arcos de Valdevez) e nos dos cruzeiros (fig. 26, Póvoa de Varzim). Frente a estes, às capelas, aos edículos dizendo picturalmente as penas que castigarão os pecadores, crepita com frequência uma chama alimentada pelo azeite dos devotos, como na Roma pagã, ante os deuses, ardia o mesmo azeite das oferendas – costume religioso e também funerário que os cristãos logo adoptaram, suspendendo lâmpadas das abóbadas das capelas e das críptas (40).

30O reservatório de folha de Flandres é ainda a griseta das iluminações populares, dantes empregada principalmente nos còpinhos e alternando com a calote de olaria repleta de sebo fundido. Para a fixação aos lampeões soldava-se-lhe inferiormente um curto tubo, à semelhança do apêndice que, como uma haste e na lucerna romana, servia para a introduzir no fuste dum candelabro.

  • 41 JOSEPH DÉCHELETTE, L’esclave à la lanterne, in Rev. Archéologique, XL, pág. 353. Leroux ed. Paris, (...)

31Já nas lanternas a vela foi ordinariamente preferida à griseta. Era de uso acompanhar os cadáveres ou o viático em ocasiões de pressa e de mau tempo (Castro Laboreiro, etc.) com lanternas de folha de ferro (fig. 27, da igreja de Tavarede e fig. 28, do Museu da Figueira, século XVIII) vasadas lateralmente e na cúpula para iluminarem e renovarem o ar ; ora os movimentos bruscos da marcha por maus pisos determinava a preferência neste emprego, desnecessária entanto nas formas similares e diminutas das de uso de noite pelos caminhos. Com caixilho metálico, cúpula em forma de tronco de cone, orifícios para o ar e asa superior ou lateral, ainda neste caso semelhante utensílio não divergia muito do romano, com a sua armadura de cobre, sempre cilíndrico, tampo hemisférico com crivo, paredes translúcidas, como o chifre e a bexiga, e ao diante transparentes, como o vidro (41).

  • 42 G. M. TOURRET, Lampes chrétiennes antiques du Cabinet de France, in Rev. Arch. cit., III, 3.a série (...)

32A par dessas lanternas de folha vasada, subsistem outras em numerosas aldeias minhotas, beirãs e transmontanas, nas quais as asas são substituídas pelos varais com que se empunham nos saimentos, ladeando o pálio ou a cruz (fig. 29, de Brenha, concelho da Figueira ; fig. 30, de Arco de Baúlhe, concelho de Cabeceiras de Basto). O crivo figura então símbolos religiosos, o cálice e a hóstia, a cruz e a custódia, como nos tempos proto-cristãos a figuração da cruz monogramática e da equilateral, pombas e peixes, outros símbolos mais (42). Análogos à de Brenha são ainda as de prata, do século XVII, que se encontram em Santa Cruz de Coimbra e que por igual têm idênticas em Amorim e Nabais (litoral do Minho) e Pitões (Trás-os-Montes).

  • 43 ROCHA PEIXOTO. Os cercos, in Portvgalia, I, pág. 623. Porto, 1901.

33De resto, em certas festividades religiosas, além dos círios e tochas habituais, ou nuas, ou envolvidas superiormente com um cilindro de papel ornamentado ou emblemático (Braga), outros cortejos se formavam com as lanternas imitativas das processionais. Era, outrora geral, hoje mais raramente, nas festas de Passos e na noite de quinta-feira de Endoenças. Vestígios obliterados dos antigos fogaréus (Braga, Coimbra, Amarante, etc.) – varas com cestos de arame ornamentados ao alto e pinhas ardendo (fig. 31, Amarante) – este cortejo ainda hoje se pratica em algumas localidades do norte e do centro (Póvoa de Varzim, Figueira da Foz, etc.) e tenuemente rememora, desfigurada decerto a antiga solenidade dos brandões (43). Na realização dessas lanternas (figs. 32 a 36, Póvoa de Varzim), como semelhantemente nas que conduzem à cabeça adultos e rapazes na véspera de S. João (Porto), cuidava-se, com muita antecedência e orgulho, no embelezamento do envólucro, ou fosse pela forma, ou pelos recortes do vasado, ou pela figuração dos símbolos adquados, ou pelos acessórios ornamentais em fróculos, em borlas e em túlipas.

34A iluminação, pois, desde os vestígios dos cultos e apreços iniciais, uns referentes à produção, outros à conservação do lume, passando pelos despojos de ritos distantes e vindo até às solenidades actuais católicas ou cristianizadas, exibe-nos ainda hoje um educativo depoimento da sobrevivência de costumes cuja origem vai quase olvidada e perdida. O ensinamento resulta mais vivo ao considerarem-se, nos pormenores, os meios e os instrumentos. Os recursos naturais buscados na abrótea, na carranha, no carquejo, no murraco e na isca ; o sílex, a lumieira, a pinha e o resineiro ; os combustíveis procurados nos intestinos dos peixes e na gordura dos mamíferos domésticos ; a mecha embebida em enxofre, tal qual a acendalha romana ; a vela enfeitada de promessa, como o facho afestoado helénico ; a calote simples ou com bico, à maneira do lyknos grego ; a lucerna inicial, ainda sem disco, e a lucerna de parentesco fenício ; o esquema da lucerna romana subsistindo nas transfigurações ulteriores de candeeiro e candeia ; a lanterna do padrão já exumado em Pompeia e Herculano; os materiais ; os temas decorativos ; tudo nos aproxima das épocas remotas que, sequer da idade do bronze à antiguidade greco-romana, e principalmente à magnificência latina, têm ainda entre nós esse eco retardado e longínquo – eco que a iluminação química, mineral e eléctrica mais e mais reduzirá, com os tempos, a uma fugaz reminiscência !

35Porto, Agosto, 1902.

Notes

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo II, fasc. 1.° (Porto, 15 de Julho de 1905), pp. 35-48.
Deste trabalho tirou-se a seguinte separata: Rocha Peixoto/ETHNOGRAPHIA PORTUGUESA/ILLUMINAÇÃO POPULAR/Com 36 illustrações no texto, desenhos de D. Clotilde da Rocha Peixoto, Francisco Gil,/Hugo de Noronha, Igo de Pinho, Joaquim Aroso e José Pinho/Porto/Imprensa Portugueza/112, Rua Formosa, 112/1905/16 págs., 210 x 132 mm.

2 FUSTEL DE COULANGES, La cité antiqúe, págs. 21-2. Hachette ed. Paris, 1895.

3 VITERBO, Elucid., I, voc. Fogo morto, pág. 470 ; II, voc. Logo, pág. 98. Lisboa, 1798.

4 BLUTEAU, Vocab., IV, voc. Fogo, pág. 154. Coimbra, 1713.

5 BROTERO, Flora Lusitanica, Pars II, pág. 468. Olisipone, 1804.

6 Voyage en Portugal, par M. LE COMTE DE HOFFMANSEGG, rédigé par M. LINK et faisant suite à son voyage dans le même pays. III, pág. 250. Paris, An XIII (1805).

7 M. VIEIRA NATIVIDADE, La taille du silex au XIX siècle. Alcobaça, 1893.

8 J. DENIKER, Les races et les peuples de la Terre, pág. 182. Schleicher ed. Paris, 1900.

9 ÉMILE DE LAVELEYE, De la propriété et des ses formes primitives, pág. 273. Alcan ed. Paris, 1891.–OLIVEIRA MARTINS, Quadro das instituições primitivas, nota de págs. 108-9. Pereira ed. Lisboa, 1893.

10 ALPHONSE AYMAR, Les maisons-types du Cantal, in Enquête sur les conditions de l’habitation en France, II. Leroux ed. Paris, 1899.

11 A. RICH, Dict., voc. Taeda, pág. 624, col. 2.a F. Didot ed. Paris, 1861.

12 HENRI SCHLIEMANN, Ilios, págs. 82 e 443. F. Didot ed. Paris, 1885.

13 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., voc. Fax, de E. POTTIER, II, 2eme partie, págs. 1026-8. Hachette ed. Paris, 1896.

14 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., vocs. Candella e Cera, I, 2eme partie, págs. 869 e 1020.

15 ÓSCAR MONTELIUS, La civilisation primitive en Italie depuis l’introduction des métaux, págs. 481-2 do texto e figs. 1, 2 e 3 a da pl. 103, série B do atlas. Stockholm, 1895. – JULES MARTHA, L’art étrusque, fig. 362 de pág. 527. F. Didot ed. Paris, 1889.

16 VITERBO, Elucid., voc. Candeia, I, pág. 232. – SOUSA VITERBO, Artes e artistas em Portugal. XI, Armadores e cerieiros, págs. 277-82. Ferreira ed. Lisboa, 1892. – O MESMO, As candeias na indústria e nas tradições populares portuguesas, in Portvgalia, I, págs. 365-8 e 629-31. Porto, 1900-1.

17 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., fig. 1072, I, 2eme partie, pág. 869.

18 LEITE DE VASCONCELOS, As religiões da Lusitânia, I, pág. 243. Lisboa, 1897.

19 HOUGH, Histoire de l’éclairage, in L’Anthropologie, XIII, pág. 200. Masson ed. Paris, 1902.

20 DENIKER, ob. cit., pág. 200.

21 HOUGH, ob. cit., pág. 201.

22 M. DIAS NUNES, A olaria em Serpa, in A Tradição, II, pág. 168 e fig. da est. de pág. 165. Lisboa, 1900.

23 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., voc. Lucerna, de J. Toutain, págs. 1322 e 1334.

24 Uma missão oficial neste convento extinto deu ensejo ao A. de observar algumas dessas lucernas de barro vermelho e fosco, com evidentes sinais de numerosas combustões. Por antigas serventuárias da instituição houve a notícia referida; e não obstante a deterioração de quase todos os exemplares logrou separar alguns que actualmente se encontram no Museu Municipal do Porto. – No Museu provincial de antiguidades de Barcelona, que o A. visitou posteriormente à redacção do texto, encontram-se, sob os n.os 2181-2, 2201 e 2901, lucernas romanas que, afora a suspensão em asa, são como as do suprimido mosteiro.

25 HOUGH, ob. cit., pág. 201.

26 DELATTRE, Les lampes antiqúes du Musée de Saint-Louis de Carthage, págs. 1-3 e fig. 1. Lille, 1889. – O MESMO, Nécropole punique de la colline de Saint-Louis, Lyon, 1896, a gola do vaso médio da col. 2.a na est. de pág. 25. – G. BONSOR, Les colonies agricoles pré--romaines de la vallée du Bétis, figs. 114-5 e págs. 115-6 (Extr. da Rev. Archéologique, XXXV 1899). Leroux ed. Paris, 1899.–DAREMBERG & SAGLIO, Dict., voc. cit., fig. 4576, pág. 1323; e ainda pág. 1333.

27 Independentemente dos trabalhos modernos cumpre não esquecer, apesar dos defeitos do tempo, a exuberância ilustrativa e literária de algumas obras menos recentes que se ocuparam da iluminação na antiguidade. Citaremos apenas : BERNARD DE MONTFOUCON, L’antiquité expliquée et representée en figures, V, 2eme partie. Paris, 1.a ed. de 1719, 2.a ed. de 1722.––Lucernoe fictiles Musei Passeri, 3 vol. in-4.° Pisauri, 1739-51.

28 JOACHIM MARQUARDT, La vie privée des romains, trad. de VICTOR HENRY, II, pág. 294 (Tom. XV do Manuel des antiquités romaines, par TH. MOMMSEN, J. MARQUARDT et P. KRUGER). Fontemoing ed. Paris, 1893.

29 Histoire Naturelle, de PLINE, trad. de E. LITTRÉ, tom. II, liv. XXXV, § L, pág. 491, col. 1.» Dubochet, Le Chevalier et Cie eds. Paris, 1850.

30 Relatorio apresentado... ao presidente da Commissão districtal do inquérito ás industrias, etc., pág. 29. Porto, 1881. – JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, II, pág. 514. Pereira ed. Lisboa, 1887.

31 SOUSA VITERBO, As candeias cit., in Portvgalia, I, figs. 2 e 3, págs. 366-7.

32 IDEM, ob. cit., fig. 1, pág. 366.

33 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., Lucerna cit., págs. 1322 e 1334.

34 A. VINCHON, Lampes antiques encore en usage dans certains de nos départements, in Bulletins de la Société d’Anthropologie de Paris, VII, 4.a série, págs. 615 e 621, figs. 1 e 5, Masson ed. Paris, 1896.

35 DOMENICO MONACO, Les monuments du Musée National de Naples, pl. 118. Naples, 1893.

36 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., Luc. cit., pág. 1333.

37 IDEM, Dict., Luc. cit., pág. 1325.

38 FERNANDO FULGOSIO, Estudio sobre algunas lucernas de bronce del Museo Arqueológico Nacional, in Museo espatiol de antigüedades, I, pág. 631 e segs. Madrid, 1872. – O MESMO, Candelabros y lucernas de bronce del Museo Arqueológico Nacional, in Museo cit., II, págs. 429-44. Madrid, 1873.

39 DAREMBERG & SAGLIO, Dict., Luc. cit., pág. 1321.

40 MARTIGNY, Dict. des antiquités chrétiennes, voc. Lampes chrétiennes, pág. 352, col. 2.a Hachette ed. Paris, 1865. O autor insurge-se contra as indefectíveis heranças do paganismo (pág. 351), o que não admira tendo em conta a sua profissão.

41 JOSEPH DÉCHELETTE, L’esclave à la lanterne, in Rev. Archéologique, XL, pág. 353. Leroux ed. Paris, 1902.

42 G. M. TOURRET, Lampes chrétiennes antiques du Cabinet de France, in Rev. Arch. cit., III, 3.a série, págs. 197-205, 1884. – MARTIGNY, Dict. cit., pág. 352.

43 ROCHA PEIXOTO. Os cercos, in Portvgalia, I, pág. 623. Porto, 1901.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Légende Em Melgaço. Nos arredores de Braga.
Crédits Clichés de Rocha Peixoto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Légende Casa de Ricardo Severo no Porto. Fachada principal.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Légende Casa de Ricardo Severo no Porto. Vista do Sul.
Crédits Clichés de Ricardo Severo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Légende Casa de Ricardo Severo no Porto. Detalhe e cunhal sul.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Légende Casa de Ricardo Severo no Porto. Fachada leste.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4291/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 79k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search